SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
A ÉTICA DEONTOLÓGICA DE KANT

INTRODUÇÃO

O PROBLEMA DA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL
Teorias deontológicas e teorias consequencialistas

O BEM ÚLTIMO E O CRITÉRIO DE MORALIDADE

              ,       ,          ,


IMPERATIVO CATEGÓRICO



AUTONOMIA DA VONTADE

OBJEÇÕES


REVISÃO                                              1
Immanuel Kant (1724-1804)

  Filósofo Alemão, um dos mais importantes da história da
  Filosofia, apresentou uma teoria ética
  Principalmente na obras:
  - Fundamentação da Metafísica dos Costumes
  - Crítica da Razão Prática




A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII             2
PROBLEMA DA
                            TEORIAS CONSEQUENCIALISTAS - O critério de
FUNDAMENTAÇÃO DA
                            moralidade está nas suas consequências
MORAL:

– QUAL O CRITÉRIO QUE
NOS PERMITE DIZER QUE
UMA AÇÃO É
MORALMENTE CORRETA,
DE QUE DEPENDE O VALOR
MORAL DE UMA AÇÃO?          TEORIAS DEONTOLÓGICAS - O valor moral de uma
                            ação está no seu valor intrínseco




                A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII            3
O ÚLTIMO BEM   A




               A AÇÃO REALIZADA
CRITÉRIO DE
MORALIDADE
               O CUMPRIMENTO DO




               A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                          4
                               ESDJII
A única coisa intrinsecamente boa em si mesma
          (todas as outras qualidades são avaliadas em
          função dos seus resultados)
          Vontade de agir por       (cumpre o dever de
          forma incondicional em toda e qualquer
BOA
          circunstância).
VONTADE
          Cumpre o que a                             exige por puro e simples
          respeito por ela
          Cumpre o dever de forma autónoma fazendo da
          lei moral um imperativo categórico, absoluto.



                 A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                            5
                                 ESDJII
DEVER   O que temos a obrigação de fazer




         A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                    6
                         ESDJII
Ações contra o
                                 Ações que violam o dever
           dever

                           Acções não são exclusivamente
TIPOS DE   Ações conforme motivadas pelo cumprimento do dever
AÇÕES      o dever         mas por interesses ou inclinações
                           sensíveis
                           Acções que cumprem o dever como fim
                           em si mesmo. O cumprimento do dever
           Ações por dever
                           é o único motivo em que a ação se
                           baseia.




                     A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                 7
                                     ESDJII
“Deves em qualquer circunstância cumprir o dever pelo dever”



          Lei presente na consciência de todos os seres
          racionais


LEI       Exige o cumprimento do dever sem qualquer
MORAL     outro motivo a não ser o respeito pelo dever)


          Apresenta-se como obrigação incondicional ou
          categórica



                    A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                8
                                    ESDJII
Expressão da lei moral que se apresenta sob a
             forma de imperativo (Deves)

IMPERATIVO
CATEGÓRICO
             Obrigação absoluta e incondicional que exige que
             a vontade seja exclusivamente motivada pela
             razão (independentemente de desejos e
             interesses/ inclinações particulares)




                    A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                               9
                                    ESDJII
“Age apenas segundo uma máxima tal que possas querer ao mesmo
               tempo que se torne lei universal”
A FÓRMULA
DA LEI
               Uma ação é moralmente correta se a sua máxima (regra de ação que nos
UNIVERSAL
               indica o motivo por que fazemos algo) puder ser universalizada, se se pode
               tornar um princípio universal de ação


               –“Age de tal maneira que uses a humanidade, tanto na tua pessoa como
               na pessoa de outrem, sempre e simultaneamente como fim e nunca
               apenas como meio”

           Cada ser humano é um fim em si e nunca um simples meio (é moralmente
           errado instrumentalizar os outros usando-os como meros meios para
A FÓRMULA
           atingir um objectivo)
DA
           Os seres humanos, enquanto seres racionais, têm valor intrínseco absoluto
HUMANIDADE
           (dignidade)
           Nenhum ser humano vale mais do que outro (pela condição de ser
           racional)
           Esta fórmula não proíbe as pessoas de serem meios umas para as outras,
           desde que sejam tratadas com respeito e não apenas como meios, ou
           tratadas como instrumentos ou objectos.
                       A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII              10
A vontade puramente racional que faz sua
                  a lei moral


AUTONOMIA DA Ao agir por dever obedecemos à lei moral
VONTADE      que é colocada pela nossa própria razão


                  O ser racional é legislador




              A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII   11
12
A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII
Não resolve conflitos entre deveres


           Desculpa más consequências se a ação for bem
OBJEÇÕES   intencionada


           Ignora o papel das emoções e sentimentos
           morais




                 A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                            13
                                 ESDJII
1. Porque razão é a ética de Kant uma ética deontológica?


• RESPOSTA
• Por que razão a ética de Kant não é consequencialista?
2.


• RESPOSTA
3. Segundo Kant o que é a Boa vontade?

• RESPOSTA
4.
  • Segundo Kant, para agirmos moralmente bem basta cumprirmos os
    nossos deveres, fazer o que devemos? Porquê.
• RESPOSTA
                    A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII   14
1   Porque razão é a ética de Kant uma ética deontológica?


 SUGESTÃO DE RESPOSTA:
Considera-se que a ética kantiana é deontológica porque
defende que o valor moral de uma ação reside em si mesma,
no seu valor intrínseco, e não nas suas consequências.
As teorias deontológicas tendem a considerar que agir
moralmente consiste em cumprir o dever pelo
independentemente das consequências..


                    A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                               15
                                    ESDJII
2.   Por que razão a ética de Kant não é consequencialista?

SUGESTÃO DE RESPOSTA:

As éticas consequencialistas defendem que o valor moral das
ações depende unicamente das suas consequências.
A ética kantiana é deontológica porque afirma que o valor
moral da ação depende do seu valor intrínseco, que a ação
moralmente correta é aquela que é realizada por dever . A
moralidade de um acto é determinada pela intenção do agente.
Kant não admite que se cumpra o dever em virtude das
desejáveis consequências que daí possam resultar.




                     A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                16
                                     ESDJII
3.    Segundo Kant, o que é a Boa vontade?

     R: A boa vontade é o maior bem, a única coisa
     absolutamente boa, independentemente das suas
     consequências; é a única coisa intrinsecamente boa em si
     mesma (todas as outras qualidades são avaliadas em
     função dos seus resultados). Assim, a boa vontade é a
     vontade de agir por dever, isto é, com a única intenção de
     cumprir o dever, de forma incondicional em toda e
     qualquer circunstância.

                       A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                  17
                                       ESDJII
Segundo Kant, para agirmos moralmente bem basta
4.   cumprirmos os nossos deveres, fazer o que devemos?
     Porquê.


R: Não. O que importa, para Kant, não é cumprir o dever mas
sim a forma como cumprimos o dever quando o fazemos. O
conteúdo da acção – fazer o que deve ser feito – não é
suficiente para determinar a sua moralidade. A forma – a
intenção ou o motivo – é que tem importância decisiva. Não é
moralmente correcto – embora não seja, propriamente
falando imoral – cumprir o dever por interesse, receio de
castigos e censuras ou até por compaixão. Para Kant, a
questão essencial da ética é esta: como cumprir de forma
moralmente correcta o dever?
                     A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                18
                                     ESDJII
5. O que distingue uma ação conforme o dever de uma ação por dever?


• RESPOSTA
6. O que é a lei moral?

• RESPOSTA

7. O que é um imperativo categórico?


  •RESPOSTA
8.
•M   Como se relaciona a lei moral com o imperativo categórico?

 •RESPOSTA
                   A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII    19
O que distingue uma ação conforme o dever de uma ação
5.   por dever?
     .


R: Uma ação conforme o dever é aquela que está de acordo
com o dever, que o cumpre, mas não como fim em si, mas
como meio para atingir outros fins (interesses ou inclinações
sensíveis). Esta ação, embora não seja imoral (não é contrária
ao dever, não tem valor moral.
A ação por dever é realizada como fim em si mesmo, com o
motivo do cumprimento do dever pelo dever. É a ação própria
da boa vontade. Só a ação realizada por dever tem valor
moral.

                     A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                 20
                                     ESDJII
O que é a lei moral?
6.   .



R: A lei moral é uma que existe na consciência de todos o
seres racionais. Não nos nos diz o que devemos fazer em cada
situação concreta mas o modo de agir corretamente ( por
exemplo, não nos diz “não deves mentir” mas diz “deves agir
de forma a cumprir o dever pelo dever”. A lei moral exige um
respeito absoluto pelo dever e apresenta-se sob a forma de
imperativo («Deves»).



                     A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                21
                                     ESDJII
O que é um imperativo categórico?
7.    .



R: O imperativo categórico expressa o que a lei moral exige,
uma obrigação absoluta e incondicional.
Exige que a vontade seja exclusivamente motivada pela razão,
que seja independente em relação a desejos, interesses e
inclinações particulares. Ordena que uma cção seja realizada
pelo seu valor intrínseco, que seja querida por ser boa em si e
não por causa dos seus efeitos



                      A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                                  22
                                      ESDJII
Como se relaciona a lei moral com o imperativo
9.   categórico?
     .


A lei moral é um imperativo categórico porque exige o
cumprimento do dever sem qualquer outro motivo a não ser o
respeito pelo dever, apresenta-se como obrigação
incondicional ou categórica.




                    A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                                               23
                                    ESDJII
A Ética Deontológica de Kant - Revisão -
                                           24
                ESDJII

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
Filipe Prado
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
Filazambuja
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
Filazambuja
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
António Daniel
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
Carson Souza
 

Mais procurados (20)

A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
A filosofia moral de kant
A filosofia moral de kantA filosofia moral de kant
A filosofia moral de kant
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
Rede Concetual da Ação
Rede Concetual da AçãoRede Concetual da Ação
Rede Concetual da Ação
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Rm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moralRm vs objetivismo moral
Rm vs objetivismo moral
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 

Destaque

Filosofia 10ºano
Filosofia   10ºanoFilosofia   10ºano
Filosofia 10ºano
MissManson
 
A Justiça como Equidade - Rawls
A Justiça como Equidade - RawlsA Justiça como Equidade - Rawls
A Justiça como Equidade - Rawls
AnaKlein1
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
Luis De Sousa Rodrigues
 
ética e deontologia profissional
ética e deontologia profissionalética e deontologia profissional
ética e deontologia profissional
Sérgio Rocha
 
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millEsquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 

Destaque (17)

Ética deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológicaÉtica deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológica
 
A moral de Kant
A moral de KantA moral de Kant
A moral de Kant
 
Ética e Deontologia
Ética e DeontologiaÉtica e Deontologia
Ética e Deontologia
 
Filosofia 10ºano
Filosofia   10ºanoFilosofia   10ºano
Filosofia 10ºano
 
A Justiça como Equidade - Rawls
A Justiça como Equidade - RawlsA Justiça como Equidade - Rawls
A Justiça como Equidade - Rawls
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
 
ética e deontologia profissional
ética e deontologia profissionalética e deontologia profissional
ética e deontologia profissional
 
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de millEsquema comparativo das éticas de kant e de mill
Esquema comparativo das éticas de kant e de mill
 
O Agulheiro
O AgulheiroO Agulheiro
O Agulheiro
 
Ética deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitaristaÉtica deontológia versus ética utilitarista
Ética deontológia versus ética utilitarista
 
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart MillOs fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
Os fundamentos da moral segundo a doutrina utilitarista de Stuart Mill
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
Esquema. deon.vs.telos
Esquema. deon.vs.telosEsquema. deon.vs.telos
Esquema. deon.vs.telos
 
Immanuel kant
Immanuel kantImmanuel kant
Immanuel kant
 
Etica Deontológica
Etica DeontológicaEtica Deontológica
Etica Deontológica
 
Kant criticismo e deontologia
Kant criticismo e deontologiaKant criticismo e deontologia
Kant criticismo e deontologia
 
Webinar3_Filosofia com Crianças_APF
Webinar3_Filosofia com Crianças_APFWebinar3_Filosofia com Crianças_APF
Webinar3_Filosofia com Crianças_APF
 

Semelhante a A ética deontológica de kant

A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kant
AnaKlein1
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point
Julia Martins
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
1245669
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
Carla Castro
 
Aula1 -etica_conceito
Aula1  -etica_conceitoAula1  -etica_conceito
Aula1 -etica_conceito
ederneif
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
Patricia .
 

Semelhante a A ética deontológica de kant (20)

A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kant
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point
 
Aula de filosofia moral de Immanuel kant
Aula de filosofia moral de Immanuel kantAula de filosofia moral de Immanuel kant
Aula de filosofia moral de Immanuel kant
 
Deontologia pronto
Deontologia prontoDeontologia pronto
Deontologia pronto
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
éTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart milléTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart mill
 
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigido
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigidoPpt 10º b regs 14 e 15 corrigido
Ppt 10º b regs 14 e 15 corrigido
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
 
1 Série Ética Kantiana Aula 28.pptx
1 Série Ética Kantiana Aula 28.pptx1 Série Ética Kantiana Aula 28.pptx
1 Série Ética Kantiana Aula 28.pptx
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
 
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
49204367 a-teoria-etica-de-kant-questoes-de-escolha-multipla
 
Aula1 -etica_conceito
Aula1  -etica_conceitoAula1  -etica_conceito
Aula1 -etica_conceito
 
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptxO que torna uma ação moralmente correta.pptx
O que torna uma ação moralmente correta.pptx
 
Plano final 10ºb
Plano final 10ºbPlano final 10ºb
Plano final 10ºb
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 

A ética deontológica de kant

  • 1. A ÉTICA DEONTOLÓGICA DE KANT INTRODUÇÃO O PROBLEMA DA FUNDAMENTAÇÃO DA MORAL Teorias deontológicas e teorias consequencialistas O BEM ÚLTIMO E O CRITÉRIO DE MORALIDADE , , , IMPERATIVO CATEGÓRICO AUTONOMIA DA VONTADE OBJEÇÕES REVISÃO 1
  • 2. Immanuel Kant (1724-1804) Filósofo Alemão, um dos mais importantes da história da Filosofia, apresentou uma teoria ética Principalmente na obras: - Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Crítica da Razão Prática A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 2
  • 3. PROBLEMA DA TEORIAS CONSEQUENCIALISTAS - O critério de FUNDAMENTAÇÃO DA moralidade está nas suas consequências MORAL: – QUAL O CRITÉRIO QUE NOS PERMITE DIZER QUE UMA AÇÃO É MORALMENTE CORRETA, DE QUE DEPENDE O VALOR MORAL DE UMA AÇÃO? TEORIAS DEONTOLÓGICAS - O valor moral de uma ação está no seu valor intrínseco A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 3
  • 4. O ÚLTIMO BEM A A AÇÃO REALIZADA CRITÉRIO DE MORALIDADE O CUMPRIMENTO DO A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 4 ESDJII
  • 5. A única coisa intrinsecamente boa em si mesma (todas as outras qualidades são avaliadas em função dos seus resultados) Vontade de agir por (cumpre o dever de forma incondicional em toda e qualquer BOA circunstância). VONTADE Cumpre o que a exige por puro e simples respeito por ela Cumpre o dever de forma autónoma fazendo da lei moral um imperativo categórico, absoluto. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 5 ESDJII
  • 6. DEVER O que temos a obrigação de fazer A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 6 ESDJII
  • 7. Ações contra o Ações que violam o dever dever Acções não são exclusivamente TIPOS DE Ações conforme motivadas pelo cumprimento do dever AÇÕES o dever mas por interesses ou inclinações sensíveis Acções que cumprem o dever como fim em si mesmo. O cumprimento do dever Ações por dever é o único motivo em que a ação se baseia. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 7 ESDJII
  • 8. “Deves em qualquer circunstância cumprir o dever pelo dever” Lei presente na consciência de todos os seres racionais LEI Exige o cumprimento do dever sem qualquer MORAL outro motivo a não ser o respeito pelo dever) Apresenta-se como obrigação incondicional ou categórica A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 8 ESDJII
  • 9. Expressão da lei moral que se apresenta sob a forma de imperativo (Deves) IMPERATIVO CATEGÓRICO Obrigação absoluta e incondicional que exige que a vontade seja exclusivamente motivada pela razão (independentemente de desejos e interesses/ inclinações particulares) A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 9 ESDJII
  • 10. “Age apenas segundo uma máxima tal que possas querer ao mesmo tempo que se torne lei universal” A FÓRMULA DA LEI Uma ação é moralmente correta se a sua máxima (regra de ação que nos UNIVERSAL indica o motivo por que fazemos algo) puder ser universalizada, se se pode tornar um princípio universal de ação –“Age de tal maneira que uses a humanidade, tanto na tua pessoa como na pessoa de outrem, sempre e simultaneamente como fim e nunca apenas como meio” Cada ser humano é um fim em si e nunca um simples meio (é moralmente errado instrumentalizar os outros usando-os como meros meios para A FÓRMULA atingir um objectivo) DA Os seres humanos, enquanto seres racionais, têm valor intrínseco absoluto HUMANIDADE (dignidade) Nenhum ser humano vale mais do que outro (pela condição de ser racional) Esta fórmula não proíbe as pessoas de serem meios umas para as outras, desde que sejam tratadas com respeito e não apenas como meios, ou tratadas como instrumentos ou objectos. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 10
  • 11. A vontade puramente racional que faz sua a lei moral AUTONOMIA DA Ao agir por dever obedecemos à lei moral VONTADE que é colocada pela nossa própria razão O ser racional é legislador A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 11
  • 12. 12 A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII
  • 13. Não resolve conflitos entre deveres Desculpa más consequências se a ação for bem OBJEÇÕES intencionada Ignora o papel das emoções e sentimentos morais A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 13 ESDJII
  • 14. 1. Porque razão é a ética de Kant uma ética deontológica? • RESPOSTA • Por que razão a ética de Kant não é consequencialista? 2. • RESPOSTA 3. Segundo Kant o que é a Boa vontade? • RESPOSTA 4. • Segundo Kant, para agirmos moralmente bem basta cumprirmos os nossos deveres, fazer o que devemos? Porquê. • RESPOSTA A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 14
  • 15. 1 Porque razão é a ética de Kant uma ética deontológica? SUGESTÃO DE RESPOSTA: Considera-se que a ética kantiana é deontológica porque defende que o valor moral de uma ação reside em si mesma, no seu valor intrínseco, e não nas suas consequências. As teorias deontológicas tendem a considerar que agir moralmente consiste em cumprir o dever pelo independentemente das consequências.. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 15 ESDJII
  • 16. 2. Por que razão a ética de Kant não é consequencialista? SUGESTÃO DE RESPOSTA: As éticas consequencialistas defendem que o valor moral das ações depende unicamente das suas consequências. A ética kantiana é deontológica porque afirma que o valor moral da ação depende do seu valor intrínseco, que a ação moralmente correta é aquela que é realizada por dever . A moralidade de um acto é determinada pela intenção do agente. Kant não admite que se cumpra o dever em virtude das desejáveis consequências que daí possam resultar. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 16 ESDJII
  • 17. 3. Segundo Kant, o que é a Boa vontade? R: A boa vontade é o maior bem, a única coisa absolutamente boa, independentemente das suas consequências; é a única coisa intrinsecamente boa em si mesma (todas as outras qualidades são avaliadas em função dos seus resultados). Assim, a boa vontade é a vontade de agir por dever, isto é, com a única intenção de cumprir o dever, de forma incondicional em toda e qualquer circunstância. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 17 ESDJII
  • 18. Segundo Kant, para agirmos moralmente bem basta 4. cumprirmos os nossos deveres, fazer o que devemos? Porquê. R: Não. O que importa, para Kant, não é cumprir o dever mas sim a forma como cumprimos o dever quando o fazemos. O conteúdo da acção – fazer o que deve ser feito – não é suficiente para determinar a sua moralidade. A forma – a intenção ou o motivo – é que tem importância decisiva. Não é moralmente correcto – embora não seja, propriamente falando imoral – cumprir o dever por interesse, receio de castigos e censuras ou até por compaixão. Para Kant, a questão essencial da ética é esta: como cumprir de forma moralmente correcta o dever? A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 18 ESDJII
  • 19. 5. O que distingue uma ação conforme o dever de uma ação por dever? • RESPOSTA 6. O que é a lei moral? • RESPOSTA 7. O que é um imperativo categórico? •RESPOSTA 8. •M Como se relaciona a lei moral com o imperativo categórico? •RESPOSTA A Ética Deontológica de Kant - Revisão - ESDJII 19
  • 20. O que distingue uma ação conforme o dever de uma ação 5. por dever? . R: Uma ação conforme o dever é aquela que está de acordo com o dever, que o cumpre, mas não como fim em si, mas como meio para atingir outros fins (interesses ou inclinações sensíveis). Esta ação, embora não seja imoral (não é contrária ao dever, não tem valor moral. A ação por dever é realizada como fim em si mesmo, com o motivo do cumprimento do dever pelo dever. É a ação própria da boa vontade. Só a ação realizada por dever tem valor moral. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 20 ESDJII
  • 21. O que é a lei moral? 6. . R: A lei moral é uma que existe na consciência de todos o seres racionais. Não nos nos diz o que devemos fazer em cada situação concreta mas o modo de agir corretamente ( por exemplo, não nos diz “não deves mentir” mas diz “deves agir de forma a cumprir o dever pelo dever”. A lei moral exige um respeito absoluto pelo dever e apresenta-se sob a forma de imperativo («Deves»). A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 21 ESDJII
  • 22. O que é um imperativo categórico? 7. . R: O imperativo categórico expressa o que a lei moral exige, uma obrigação absoluta e incondicional. Exige que a vontade seja exclusivamente motivada pela razão, que seja independente em relação a desejos, interesses e inclinações particulares. Ordena que uma cção seja realizada pelo seu valor intrínseco, que seja querida por ser boa em si e não por causa dos seus efeitos A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 22 ESDJII
  • 23. Como se relaciona a lei moral com o imperativo 9. categórico? . A lei moral é um imperativo categórico porque exige o cumprimento do dever sem qualquer outro motivo a não ser o respeito pelo dever, apresenta-se como obrigação incondicional ou categórica. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 23 ESDJII
  • 24. A Ética Deontológica de Kant - Revisão - 24 ESDJII