SlideShare uma empresa Scribd logo
Análise de Causa Raiz...
Root Cause Analysis - RCA
na área de saúde...
“Acreditamos que as pessoas vão trabalhar
com o objetivo de fazer um bom trabalho, e
não o contrário. Dado um conjunto de
circunstâncias, qualquer um de nós pode
cometer um erro. Precisamos nos esforçar
para olhar além da resposta fácil de atribuir
culpa, e passar a identificar estratégias e
ações que realmente ajudem os nossos
pacientes”
Department of Veterans Affairs, National Center for Patient Safety, 2005 (1)
 Compreender o que é „análise de causa raiz‟ (root cause
analysis – RCA);
 Conhecer as etapas para o desenvolvimento de uma
análise de causa raiz; e
 Conhecer algumas estratégias para a condução bem
sucedida de uma análise de causa raiz.
Objetivos
1. Introdução
2. Definições
3. Objetivos da Análise de Causa Raiz
4. Características da Análise de Causa Raiz
5. Etapas para o desenvolvimento da Análise de Causa
Raiz
Sumário
 A Análise de Causa Raiz (RCA) teve seu início no
campo da engenharia
 As indústrias aeronáutica e aeroespacial foram os
primeiros setores a utilizá-la como estratégia para lidar
com atividades de alto risco
 Há cerca de 15 anos a RCA começou a ser utilizada na
área de saúde
Introdução
A RCA é uma ferramenta utilizada para a
melhoria de qualidade
É um método para ...
...investigar por que as coisas deram errado
A RCA é um “Processo sistemático interativo em que os
fatores que contribuíram para um incidente são
identificados pela reconstrução da sequência de eventos e
pelo constante questionamento do porquê, até que as
causas raízes subjacentes sejam elucidadas” (2)
Em outras palavras ...
Segurança do paciente
“redução, a um mínimo aceitável, do risco de dano desnecessário associado
ao cuidado de saúde” (2)
Dano associado ao cuidado de saúde
“dano surgido por ou associado a planos ou ações realizadas durante o
cuidado de saúde ao invés de a uma doença de base ou lesão” (2)
Incidente
“evento ou circunstância que poderia ter resultado, ou resultou, em dano
desnecessário ao paciente” (2)
Definições necessárias...
Incidente(2)
Circunstância
Notificável
Near
Miss
Incidente
sem dano
Incidente com
dano
(Eventos adversos)
Incidente que não
atingiu o paciente
Incidente que atingiu
o paciente, mas não
causou dano
Incidente que atingiu
o paciente e causou
dano
Não aconteceu o
incidente, mas um evento
com expressivo potencial
para dano ao paciente
A RCA é um processo reativo, ou seja, ela
é implementada após a ocorrência de um
incidente.
Geralmente, após eventos críticos ou
sentinelas:
Evento sentinela – “Ocorrência inesperada que implique em morte ou
perda grave e permanente de função” (3)
Exemplos de eventos sentinela
...
 Cirurgia no paciente errado, local errado do corpo ou
procedimento errado;
 Erro de medicação;
 Reação transfusional;
 Queda de paciente internado;
 Corpo estranho retido após cirurgias;
 Óbito de paciente após contenção;
 ........
A RCA também pode ...
 ... ser aplicada para investigar um evento menos
grave, ou um conjunto de near misses que
potencialmente requerem melhorias em processos/
sistemas
 O que aconteceu
 Como aconteceu
 Por que aconteceu
 O que pode ser feito para impedir que isso aconteça de
novo
 Se as ações implementadas realmente melhoraram a
segurança dos processos/ sistemas
Objetivos da RCA – identificar:
Características da RCA
1. A análise é de natureza interdisciplinar, inclui pessoas
que detêm conhecimento sobre os processos
envolvidos no evento e pessoas com diferentes níveis
de experiência e formação profissional.
Características da RCA
2. A análise concentra-se em sistemas e processos e não
em desempenhos individuais
“Quando ocorre um evento adverso e os indivíduos são apontados e
responsabilizados, outros profissionais de saúde podem parar de fornecer
informações sobre o que aconteceu e sobre outros eventos adversos. A
discussão e avaliação destes eventos será conduzida de forma „subterrânea‟,
criando, potencialmente, uma cultura de sigilo dentro da organização de
saúde. Esta abordagem serve apenas para prejudicar a segurança e, em
última instância, para minar a confiança em nossos sistemas de saúde” (4)
Abordagem focada no indivíduo -
Sintomática
“Paciente de 76 anos, internado em um hospital de Ontario
(Canadá), com prescrição de lavagem do Cateter Venoso Central de
Inserção Periférica (PICC) com cloreto de sódio a 0,9%. A
enfermeira, inadvertidamente, administrou 10 ml de cloreto de potássio
concentrado ... o paciente morreu em poucos minutos” (4)
Erro humano
Demissão da funcionária
Abordagem Sistêmica
“Paciente de 76 anos, internado em um hospital de Ontario
(Canadá), com prescrição de lavagem do Cateter Venoso Central de
Inserção Periférica (PICC) com cloreto de sódio a 0,9%. A
enfermeira, inadvertidamente, administrou 10 ml de cloreto de potássio
concentrado ... o paciente morreu em poucos minutos” (4)
Fatores que contribuíram para o erro: fácil acesso ao cloreto de potássio no
posto de enfermagem, medicamento parecido (look-alike/sound-alike) ...
Ações multidisciplinares: acondiconamento correto; elaboração de
protocolos, treinamentos das equipes ...
Abordagem
Sintomática
 Tem como foco o erro do indivíduo
 Geralmente culpa aqueles mais
próximos ao incidente
Ação(ões)
tomada(s):
 Demissão do profissional que levou o
paciente para o Centro Cirúrgico
Abordagem
Sistêmica
Erros são o resultado de falhas nos
sistemas
As pessoas são apenas parte do processo
Ação(ões)
tomada(s):
Implantação de protocolo para cirurgia
segura; treinamento das equipes ...
Evento - O paciente errado foi levado ao Centro Cirúrgico
Características da RCA
3. A análise se aprofunda, perguntando "o que" e "por
que" até que todos os aspectos do(s) processo(s)
sejam analisadas e os fatores que contribuíram para o
incidente sejam considerados.
Características da RCA
4. A análise identifica alterações que podem ser feitas em
sistemas e processos, quer através de redesenho ou
do desenvolvimento de novos processos e sistemas
que podem melhorar o desempenho e reduzir o risco
de novo incidente.
Etapas para o desenvolvimento
da RCA
I. Organize uma Equipe de Trabalho;
II. Descreva detalhadamente o que aconteceu e como;
III. Identifique as causas proximais;
IV. Identifique as causas raizes;
V. Identifique e implemente ações para a redução do risco
de recorrência do incidente;
VI. Avalie a efetividade das ações tomadas.
Etapas para o desenvolvimento
da RCA
I. Organize uma Equipe de Trabalho
I.1 Tamanho: não mais do que 8 a 10 pessoas;
Etapas para o
desenvolvimento da RCA
I. Organize uma Equipe de Trabalho
I.2 Formação e papéis desempenhados (4):
 Líder - alguém que tem conhecimento sobre o tipo de evento
ocorrido e possui autoridade para implementar o processo;
 Facilitador – especialista em qualidade ou gerente de risco;
 Outros profissionais com conhecimento da área sob análise (clínicos;
administradores; médicos; enfermeiros; farmacêuticos e outros, na
dependência do evento);
 Especialistas/ consultores que detêm conhecimento sob aspectos
específicos;
 Lideranças seniores.
Papeis/
Responsabilidades
Líder Facilitador
Profissionais com
conhecimento da
área
Especialistas
Lideranças
seniores
Conhecimento sobre
RCA?
Requerido
expertise em
RCA*
Familiarizado Familiarizado Familiarizado
Conhecimento sobre
a área analisada?
Sim Pode ou não Sim Sim Pode ou não
Conhecimento
privilegiado sobre o
evento e as
circunstâncias que o
cercaram?
Não Não Pode ou não Não Não
Autoridade para
tomada de decisão e
implementação das
recomendações?
Pode ou
não
Não Pode ou não Não Sim
Respeita os princípios
de confidencialidade?
Requerido Requerido Requerido Requerido Requerido
Equipe de Trabalho (4)
* O facilitador geralmente é um indivíduo que recebeu treinamento sobre RCA e/ou possui experiência prática em
participar/ realizar uma RCA, ou tem confiança em sua própria capacidade de liderar uma RCA. Esta combinação de
conhecimento e auto-confiança é denominada “expertise em RCA”.
Etapas para o desenvolvimento
da RCA
II. Colete dados sobre o que aconteceu e como
Inclua:
 Descrição detalhada do evento, incluindo sua
cronologia;
 Áreas/ serviços/ setores afetados pelo evento e/ou que
participaram do evento ...
Etapas para o desenvolvimento
da RCA
II. Colete dados sobre o que aconteceu e como
Através de:
 Entrevistas com pessoas envolvidas no incidente ou que
trabalhem na mesma atividade;
 Visitas ao local do incidente e/ou simulações;
 Políticas/ procedimentos organizacionais;
 Prontuários;
 Literatura científica ...
Etapas para o
desenvolvimento da RCA
II. Colete dados sobre o que aconteceu e como
 Sistematize e registre os dados coletados
 Existem formulários padronizados que você pode
utilizar ou adaptar à sua realidade - exemplo “”
Um meio eficaz de descrever
detalhadamente a cronologia do incidente é
através de um fluxograma
Exemplo: Erro de medicação (Morfina/ Hidromorfona) (4)
Descrição inicial do Incidente
Paciente se
acidenta
É transportado
para o
Hospital de
ambulância
É avaliado
por médico
na
Emergência
É prescrito
Morfina
para dor
A enfermeira
prepara
Hidromorfona
A enfermeira
aplica
Hidromorfona
Paciente
se queixa
de grave
tontura
Sinais vitais
indicam respiração
lenta, saturação de
O2 baixa
Naloxone é
administrado
A prescrição
é checada –
erro é
identificado
Desse modo, pontos críticos em processos
estratégicos vão sendo identificados ...
 Prescrição de medicamentos
 Dispensação e Preparo de medicamentos
 Administração de medicamentos ...
Paciente se
acidenta
É transportado
para o Hospital
de ambulância
É avaliado na
Triagem por
enfermeira –sinais
vitais verificados
É avaliado por
médico –
solicitado
Raio X
Paciente retorna
do Raio X –
sinais vitais
checados
Discussão
médico/ paciente
sobre
gerenciamento
dor
Médico pede à
enfermeira para aplicar
Morfina 10mg IM;
escreve no prontuário
Morf 10mg IM
Enfermeira leva o
prontuário para a
área de preparo de
narcóticos
Enfermeira lê
Morf 10mg IM e
pega uma
ampola de
Hidromorfona
Enfermeira
prepara a
medicação
para
administração
Enfermeira
administra
Hidromorfona
Enfermeira checa
a administração
do medicamento
Exemplo: Erro de medicação (Morfina/ Hidromorfona) (4)
Descrição Final do Incidente
Paciente se
queixa de
grave tontura
Sinais vitais indicam
respiração
lenta, saturação de O2
baixa
Enfermeira chama o
médico para avaliar o
paciente – É
prescrito Naloxone
A prescrição é
checada – erro
é identificado
Faça um fluxograma do
evento, descrevendo como as coisas
deveriam ter ocorrido!
A comparação entres os fluxogramas
auxilia na identificação de fatores que
contribuíram para a ocorrência do
evento.
Etapas para o desenvolvimento
da RCA
III. Identifique as causas proximais
IV. Identifique as causas raizes
Algumas observações sobre
causa / efeito:
 Um incidente ocorre quando há uma variação inesperada em
um processo;
 Todo processo está sujeito a variações;
 Algumas variações são inerentes ao desenho do processo e
são chamadas de variações por causas comuns;
 Outras variações nascem em circunstâncias ou ocorrências
não usuais, externas ao desenho dos processos, podem ser
intermitentes e de difícil detecção, e são chamadas de
variações por causas especiais.
Exemplo de variação por
causas comuns
 Variação no tempo de espera para obtenção
dos laudos radiológicos, em função da demanda
de pacientes.
O grau dessa variação só pode ser mudado através do
redesenho dos processos, por exemplo:
• Levantando os momentos de pico da demanda e
aumentando o número de radiologistas disponíveis.
Exemplos de variações por
causas especiais
 Sob o controle da instituição de saúde: mau
funcionamento de equipamentos;
 Fora do controle da instituição de sáude:
tempestades.
Sempre que possível, causas especiais devem ser identificadas e
resolvidas, porém, observe que, substituir um equipamento
quebrado, resolve o problema de desempenho naquele
momento, mas não evita que outro equipamento falhe futuramente.
Considerando os exemplos anteriores:
 O mau funcionamento de um bisturi elétrico pode indicar
um problema no programa de manutenção de
equipamentos da organização;
 Uma tempestade pode ser difícil de predizer, mas a
falta completa de energia no Hospital, em função da
tempestade, pode ser vista como o resultado de uma
causa comum nos sistemas utilitários da instituição –
não foi programada a instalação de gerador.
As causas especiais, ou causas
proximais, as que estão mais perto do
evento, e são diretamente responsáveis por
ele ter ocorrido, são, normalmente, o
resultado de causas comuns, ou causas
raízes, no sistema maior do qual o processo
faz parte.
Etapas para o desenvolvimento da RCA
III. Identifique as causas proximais
IV. Identifique as causas raizes
O diagrama de causa e efeito (ou Diagrama de
Ishikawa) é uma ferramenta que pode ser utilizada
para investigar e apresentar as possíveis causas de
um determinado efeito.
No diagrama de causa e efeito as causas podem ser
agrupadas em diferentes categorias, tais como, pessoas,
ambiente, equipamentos, e outros. Ou da forma como
cada instituição determinar.
Comunicação Treinamento
Fadiga/
Agenda
Políticas/
procedimentos
Ambiente/
equipamento
Barreiras
Confusão com
nome medicamentos
Uso de abreviações
Medicamento pouco
usado na Emergência
Emergência muito
cheia
Erro de medicação
(administrada
Hidromorfona ao
invés de Morfina)Não existia política para
dupla checagem
independente de narcóticos Embalagens parecidas
Falta de aviso nas
embalagens de
narcóticos
EfeitoCausas
Diagrama de Ishikawa(4): Incidente Morfina e
Hidromorfona
Quando a equipe julgar concluída a identificação
das causas, ela deve descrever textualmente as
causas raiz („declarações de causalidade‟).
O que deve ser feito de forma cuidadosa para que
a comunicação dessas „declarações‟ seja
compreensível e tenha como alvo os sistemas da
instituição e não os indivíduos.
As “Cinco Regras da Causalidade”(4) podem
auxiliar na descrição dessas „declarações‟.
1. A relação entre causa e efeito deve ser clara (Por exemplo, "X aumentou a
probabilidade ou levou a Y").
2. Descrições negativas não devem ser utilizadas (Por exemplo, descrever
porque um manual disponível não foi utilizado, ao invés de “o manual foi
mau escrito").
3. Cada erro humano deve ter uma causa anterior (Por exemplo, não é
suficiente dizer que um médico cometeu um erro na prescrição da dose; a
causa subjacente deve ser identificada - o programa informatizado não faz
a verificação da dose de segurança).
4. Violações de procedimentos não são causas raiz, elas têm uma causa
anterior. Procedimentos não são seguidos por várias razões, falha em
seguir um procedimento não é necessariamente um fator causal.
5. A omissão só é uma causa se houver uma clara determinação anterior de
que a atividade/ação tinha que ser realizada (Por exemplo, a falha de uma
enfermeira em verificar as novas prescrições nos prontuários só será um
fator causal se esta era a expectativa claramente definida e uma prática
padrão).
Cinco Regras da Causalidade (4)
Causas Raiz – „Declarações de Causalidade‟
Erro de medicação (Morfina/ Hidromorfona)(4)
1. Nome de medicamentos parecidos (look-alike/sound-
alike) aumentou a probabilidade de que uma enfermeira
escolhesse e administrasse hidromorfona ao invés de
morfina.
2. A remoção das informações de identificação da caixa
de hidromorfona, para facilitar a contagem de
narcóticos, aumentou a probabilidade de um
medicamento parecido ser selecionado.
3. A disponibilidade rotineira de um narcótico pouco usado
no departamento de emergência aumentou a
probabilidade de seleção incorreta do medicamento.
Durante um processo de análise de
causa raiz, a equipe pode descobrir outros
fatores que contribuíram para o
evento, além de outras questões
que, embora relevantes para a segurança
do paciente, não estão diretamente
relacionadas ao evento em análise. Estas
questões devem ser documentadas para
que, posteriormente, sejam revistas.
Etapas para o desenvolvimento
da RCA
V. Identifique e implemente ações para a redução
do risco de recorrência do incidente
 Um plano de ação para redução do risco deve ser
elaborado para cada causa raiz identificada;
 O plano deve conter: estratégia/ ação para redução
do risco; a pessoa responsável pela execução;
prazos; e as medidas de efetividade.
Plano de Ação – Incidente Morfina/
Hidromorfona(4)
Causa Raiz / Fator
Contribuinte
Causa Raiz / Fator Contribuinte -
Declarações
Ação Prazo Responsável
RC 1
Nome de medicamentos parecidos (look-alike/sound-alike): nomes de medicamentos parecidos (look-alike/sound-alike) aumentou a
probabilidade de que uma enfermeira escolhesse e administrasse hidromorfona ao invés de morfina.
medicamento errado
selecionado
Medicamento disponível no
estoque do andar
Remover narcóticos de alta potência do estoque da
emergência
Imediato Diretor da Farmácia
medicamento errado
selecionado
Medicamento prescrito como
"Morf"; cultura de abreviar nomes
de medicamentos
Padronizar uma lista de abreviaturas, siglas, símbolos e nomes
de medicamentos que não devem ser usadas
Intermediário
Comissão de Farmácia e
Terapêutica
RC 2
Embalagens parecidas: A remoção das informações de identificação da caixa de hidromorfona, para facilitar a contagem de narcóticos,
aumentou a probabilidade de um medicamento parecido (look-alike/sound-alike) ser selecionado.
Embalagem parecida; insuficiente
avaliação de risco dos
medicamentos parecidos (look-
alike/sound-alike)
Implementar um processo para avaliar medicamentos
parecidos (look-alike/sound-alike), de modo a: a)
permitir,sempre que possível, a compra de medicamentos não
parecidos; b) utilização de rótulos auxiliares; c) segregação ou
separação dos produtos, sempre que possível
Imediato Diretor da Farmácia
RC 3
Medicamentos de alta vigilância tratados como suprimentos: A disponibilidade rotineira de um narcótico pouco usado no departamento de
emergência aumentou a probabilidade de seleção incorreta do medicamento.
medicamento errado
selecionado
Medicamentos disponíveis no
estoque do andar; processo
indefinido para avaliação de risco
Instituir um processo de supervisão interdisciplinar para
analisar e aprovar formalmente os medicamentos que estão
disponíveis em cada área. Foco da ação: diminuir o número de
unidades em inventário, e a quantidade de medicamento
disponível; adequar o medicamento disponível à área clínica.
Intermediário
Comissão de Farmácia e
Terapêutica
“A equipe de trabalho deve ser encorajada a
considerar idéias/ ações inovadoras. No relatório
final da RCA, a equipe deve apresentar todas as
ações que consideraram razoáveis. Cabe à
liderança da organização, priorizar e implementar
as recomendações e ações, além de garantir a
alocação de recursos, o que não é
responsabilidade da equipe da RCA” (4).
Etapas para o desenvolvimento
da RCA
VI. Avalie a efetividade das ações tomadas.
“O objetivo de implementar mudanças em um sistema é
torná-lo mais seguro. No entanto, existe a possibilidade de
que as recomendações possam não alcançar o efeito
desejado, quando colocadas em prática. Como em
qualquer atividade de melhoria da qualidade, a efetividade
das recomendações deve ser medida para determinar: se
as alterações ajudaram a tornar o sistema mais seguro: se
não houve efeitos na segurança; ou, no pior dos casos, se
as mudanças tornaram o sistema menos seguro.” (4)
 Os indicadores utilizados devem ser
quantificáveis, com um numerador e denominador
definidos (caso aplicável;
 A metodologia de coleta dos dados deve estar
claramente esboçada (tipo de amostra, tamanho;
observação; pré-teste/ pós-teste; teste piloto;
auditoria);
 Uma meta alcançável deve ser estabelecida (por
exemplo, um objetivo de 100% não deve ser
definido, a menos que possa ser atendido).
Exemplos de Estratégias de
Mensuração
Todo o corpo clínico demonstrará competência em um novo
procedimento fazendo um pós-teste, com resultado igual ou
superior a 90%.
 As taxas de complicação na inserção de cateter central serão
inferiores a 1%.
 Três pacientes atendidos, por dia, no Pronto Atendimento, serão
avaliados desde o momento em que dão entrada até o
tratamento, para determinar a média do tempo de espera. A
espera não deve superar 5 minutos para pacientes
emergenciais.
 A quantidade de quedas por 1000 pacientes-dia será menor do
que duas por mês.
 A satisfação do paciente com o gerenciamento da dor será
evidenciada por um nível 4 ou superior da escala de Likert.
Estratégias de Monitoramento
 Incidente Morfina/ Hidromorfona(4)
 Auditorias periódicas, para garantir que
narcóticos de alta potência não estão sendo
estocados em áreas de atendimento ao
paciente;
 Revisão de prontuários, para avaliar o uso de
abreviaturas não aprovadas.
“A chave para resolver um problema
é, primeiramente, realmente entendê-
lo. Muitas vezes tentamos resolver
um problema antes de compreender
completamente a sua causa, e o foco
muda muito rapidamente do problema
para a solução. O que pensamos ser
a causa é, às vezes, apenas um
sintoma.”
Institute for HealthCare Improvement - IHI
1. Department of Veterans Affairs, National Center for Patient Safety, Challenges and
Achievements, <http://www.patientsafety.gov/NEWS/
NCPSBg/bg_NCPSChallenges_040904.doc>, (acessado em 02 de fevereiro de
2012).
2. Runciman W, Hibbert P, Thomson R, Van Der Schaaf T, Sherman H, Lewalle P.
Towards an International Classification for Patient Safety: key concepts and terms. Int
J Qual Health Care. 2009 Feb;21(1):18-26.
3. Padrões de Acreditação da Joint Commission International para Hospitais [editado
por] Consórcio Brasileiro de Acreditação de Sistemas e Serviços de Saúde – Rio de
Janeiro: CBA: 2010. ISBN 978-85-61459-07-9.
4. Canadian Patient Safety Institute (CPSI). Canadian Root Cause Analysis Framework.
A tool for identifying and addressing the root causes of critical incidents in healthcare.
Canadian Patient Safety Institute. Institute For Safe Medication Practices Canada.
Saskatchewan Health. March 2006. ISBN 0-9739270-1-1.
Referências Bibliográficas
MORAIS, Bruno Salomé de et al. Administração inadvertida de 4 mg de morfina por via
subaracnóidea: relato de caso. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2008, vol.58, n.2, pp. 160-
164. ISSN 0034-7094.
ROCHA, Antônio Sérgio Cordeiro da et al. Evidência de melhora na qualidade do
cuidado assistencial no infarto agudo do miocárdio. Arq. Bras. Cardiol. [online].
2010, vol.94, n.6 [citado 2012-03-14], pp. 726-729.
TEIXEIRA, Thalyta Cardoso Alux and CASSIANI, Silvia Helena De Bortoli. Análise de
causa raiz: avaliação de erros de medicação em um hospital universitário. Rev. esc.
enferm. USP [online]. 2010, vol.44, n.1, pp. 139-146. ISSN 0080-6234.
World Health Organization (WHO). Patient Safety Workshop. LEARNING FROM
ERROR. World Health Organization 2008.
Outras Bibliografias
Carla Gouvêa
Produção
Realização
PROQUALIS
proqualis@icict.fiocruz.br
 Gerência de Qualidade, Coordenação
de Acreditação de Serviços de
Saúde, Consórcio Brasileiro de
Acreditação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
Centro Universitário Ages
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Alex Eduardo Ribeiro
 
Aula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do PacienteAula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do Paciente
Proqualis
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Proqualis
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Proqualis
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
Arquivo-FClinico
 
Classificação de risco
Classificação de riscoClassificação de risco
Classificação de risco
Cristiane Dias
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
lacmuam
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
CASA
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Aroldo Gavioli
 
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do pacienteComo avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
Proqualis
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Angelica Reis Angel
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Proqualis
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Aroldo Gavioli
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de SaúdeGestão de Qualidade em Serviços de Saúde
Gestão de Qualidade em Serviços de Saúde
 
Aula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do PacienteAula Identificação Correta do Paciente
Aula Identificação Correta do Paciente
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentes
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
 
Classificação de risco
Classificação de riscoClassificação de risco
Classificação de risco
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Exame Físico
Exame FísicoExame Físico
Exame Físico
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
 
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do pacienteComo avaliar a cultura de segurança do paciente
Como avaliar a cultura de segurança do paciente
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
 
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchesterMétodo de classificação de risco pelo protocolo de manchester
Método de classificação de risco pelo protocolo de manchester
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 

Destaque

Pareto e ishikawa lluvia de ideas
Pareto e ishikawa lluvia de ideasPareto e ishikawa lluvia de ideas
Pareto e ishikawa lluvia de ideas
Martin Fernando Aquije Hernandez
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Adeildo Caboclo
 
Controle de produto não conforme
Controle de produto não conformeControle de produto não conforme
Controle de produto não conforme
Ythia Karla
 
Conceitos Não Conformidade
Conceitos Não ConformidadeConceitos Não Conformidade
Conceitos Não Conformidade
andrescaranti
 
Relatório de Análise e Solução de Problemas
Relatório de Análise e Solução de ProblemasRelatório de Análise e Solução de Problemas
Relatório de Análise e Solução de Problemas
Rogério Souza
 
Valle inclan (4ºB)
Valle inclan (4ºB)Valle inclan (4ºB)
Valle inclan (4ºB)
kafir14
 
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
Q2 Management
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
QUALIENG Consultoria, Auditoria e Treinamento
 
Rjv cursos
Rjv cursosRjv cursos
Rjv cursos
Richard Vasques
 
ISO 22000
ISO 22000ISO 22000
ISO 22000
HenRy JaRa
 
Certificação SBIS
Certificação SBISCertificação SBIS
Certificação SBIS
Bernardo Trancoso
 
Palestra
Palestra Palestra
Palestra
carolinasidrim
 
Slides para apresentação de Investigação Causa Raiz
Slides para apresentação de Investigação Causa RaizSlides para apresentação de Investigação Causa Raiz
Slides para apresentação de Investigação Causa Raiz
RafaelBorges3
 
Acao corretiva
Acao corretivaAcao corretiva
Acao corretiva
Philipe Andrews
 
Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015
Denyse Evany Silveira Marquini
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
Beto Briscese
 
Metrologia 1
Metrologia 1Metrologia 1
Metrologia 1
Dirk Henning
 
Introduccion a-iso22000
Introduccion a-iso22000Introduccion a-iso22000
Introduccion a-iso22000
Eduardomeza1970
 
Iso22000
Iso22000Iso22000
Iso22000
llillianna
 
Exposición ISO 22000
Exposición ISO 22000Exposición ISO 22000
Exposición ISO 22000
Santio29
 

Destaque (20)

Pareto e ishikawa lluvia de ideas
Pareto e ishikawa lluvia de ideasPareto e ishikawa lluvia de ideas
Pareto e ishikawa lluvia de ideas
 
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 
Controle de produto não conforme
Controle de produto não conformeControle de produto não conforme
Controle de produto não conforme
 
Conceitos Não Conformidade
Conceitos Não ConformidadeConceitos Não Conformidade
Conceitos Não Conformidade
 
Relatório de Análise e Solução de Problemas
Relatório de Análise e Solução de ProblemasRelatório de Análise e Solução de Problemas
Relatório de Análise e Solução de Problemas
 
Valle inclan (4ºB)
Valle inclan (4ºB)Valle inclan (4ºB)
Valle inclan (4ºB)
 
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
ISO 9001:2015 - O que vem por aí?
 
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015Guia de Implantação da ISO 9001:2015
Guia de Implantação da ISO 9001:2015
 
Rjv cursos
Rjv cursosRjv cursos
Rjv cursos
 
ISO 22000
ISO 22000ISO 22000
ISO 22000
 
Certificação SBIS
Certificação SBISCertificação SBIS
Certificação SBIS
 
Palestra
Palestra Palestra
Palestra
 
Slides para apresentação de Investigação Causa Raiz
Slides para apresentação de Investigação Causa RaizSlides para apresentação de Investigação Causa Raiz
Slides para apresentação de Investigação Causa Raiz
 
Acao corretiva
Acao corretivaAcao corretiva
Acao corretiva
 
Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015Guia de utilização iso9001 2015
Guia de utilização iso9001 2015
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Metrologia 1
Metrologia 1Metrologia 1
Metrologia 1
 
Introduccion a-iso22000
Introduccion a-iso22000Introduccion a-iso22000
Introduccion a-iso22000
 
Iso22000
Iso22000Iso22000
Iso22000
 
Exposición ISO 22000
Exposición ISO 22000Exposición ISO 22000
Exposición ISO 22000
 

Semelhante a Análise de causa raiz na área de saúde

Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
RaquelOlimpio1
 
Investigação de acidentes
Investigação de acidentesInvestigação de acidentes
Investigação de acidentes
Robson Peixoto
 
Gestao da segurança hospitalar 3
Gestao da segurança hospitalar 3Gestao da segurança hospitalar 3
Gestao da segurança hospitalar 3
Luiz Rubens Souza Cantelli
 
Gestão do Risco (por Carlos Henriques)
Gestão do Risco (por Carlos Henriques)Gestão do Risco (por Carlos Henriques)
Gestão do Risco (por Carlos Henriques)
Fernando Barroso
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Proqualis
 
NR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptx
NR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptxNR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptx
NR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptx
Mauro Mota
 
1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM
1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM
1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM
pamelacastro71
 
Gestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfGestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdf
antoniomatica
 
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Fernando Leme
 
Aula 2 -Análise de Riscos (1).pdf
Aula 2 -Análise de Riscos (1).pdfAula 2 -Análise de Riscos (1).pdf
Aula 2 -Análise de Riscos (1).pdf
ssuser1c1fba1
 
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente HospitalarGestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Fernando Barroso
 
Treinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdf
Treinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdfTreinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdf
Treinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdf
ConstrutoraHelmoSegu
 
Apostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdf
Apostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdfApostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdf
Apostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdf
wellingtoncarlosbarb1
 
Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...
Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...
Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...
LilianeLili11
 
2014 04 04 gestão careconsulting
2014 04 04 gestão careconsulting2014 04 04 gestão careconsulting
2014 04 04 gestão careconsulting
Wagner Louzada
 
Gerenciamento de risco no trabalho
Gerenciamento de risco no trabalhoGerenciamento de risco no trabalho
Gerenciamento de risco no trabalho
Universidade Federal Fluminense
 
Aula sobre o papel da liderança na implementação de práticas seguras
Aula sobre o papel da liderança na implementação de práticas segurasAula sobre o papel da liderança na implementação de práticas seguras
Aula sobre o papel da liderança na implementação de práticas seguras
Proqualis
 
Analise e Avaliação de Riscos.ppsx
Analise e Avaliação de Riscos.ppsxAnalise e Avaliação de Riscos.ppsx
Analise e Avaliação de Riscos.ppsx
ManoelAugustoAndrade
 

Semelhante a Análise de causa raiz na área de saúde (18)

Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
Aula Unidade 2 - Métodos Técnicas Ferramentas de Investigação Eventos Adverso...
 
Investigação de acidentes
Investigação de acidentesInvestigação de acidentes
Investigação de acidentes
 
Gestao da segurança hospitalar 3
Gestao da segurança hospitalar 3Gestao da segurança hospitalar 3
Gestao da segurança hospitalar 3
 
Gestão do Risco (por Carlos Henriques)
Gestão do Risco (por Carlos Henriques)Gestão do Risco (por Carlos Henriques)
Gestão do Risco (por Carlos Henriques)
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
NR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptx
NR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptxNR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptx
NR01 - Treinamento - ISO 45001 - 2022.pptx
 
1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM
1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM
1651162792572 (1).pptxMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM
 
Gestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfGestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdf
 
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
Gerenciamento+de+risco tecno equipos_dez2010
 
Aula 2 -Análise de Riscos (1).pdf
Aula 2 -Análise de Riscos (1).pdfAula 2 -Análise de Riscos (1).pdf
Aula 2 -Análise de Riscos (1).pdf
 
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente HospitalarGestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
Gestão do Risco: Segurança do Doente em Ambiente Hospitalar
 
Treinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdf
Treinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdfTreinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdf
Treinamento Avançado em ISO 45001 – Interpretação e Implementação.pdf.pdf
 
Apostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdf
Apostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdfApostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdf
Apostila_Classificação de Risco_Telessaude SC UFSC.pdf
 
Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...
Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...
Aula 1 - Investigação, cadastro, análise e custos do acidentes do trabalho...
 
2014 04 04 gestão careconsulting
2014 04 04 gestão careconsulting2014 04 04 gestão careconsulting
2014 04 04 gestão careconsulting
 
Gerenciamento de risco no trabalho
Gerenciamento de risco no trabalhoGerenciamento de risco no trabalho
Gerenciamento de risco no trabalho
 
Aula sobre o papel da liderança na implementação de práticas seguras
Aula sobre o papel da liderança na implementação de práticas segurasAula sobre o papel da liderança na implementação de práticas seguras
Aula sobre o papel da liderança na implementação de práticas seguras
 
Analise e Avaliação de Riscos.ppsx
Analise e Avaliação de Riscos.ppsxAnalise e Avaliação de Riscos.ppsx
Analise e Avaliação de Riscos.ppsx
 

Mais de Proqualis

Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Proqualis
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Proqualis
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Proqualis
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Proqualis
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Proqualis
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Proqualis
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Proqualis
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Proqualis
 
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoAula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Proqualis
 
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Proqualis
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana FranciscoAula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Proqualis
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano MassudaAula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Proqualis
 
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Proqualis
 
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Proqualis
 
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Proqualis
 
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Proqualis
 
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Proqualis
 
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Proqualis
 
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Proqualis
 
Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...
Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...
Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...
Proqualis
 

Mais de Proqualis (20)

Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
 
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoAula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
 
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana FranciscoAula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano MassudaAula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
 
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
 
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
 
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
 
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
 
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
 
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
 
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
 
Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...
Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...
Aula 1: Assistência segura a gestação, parto e puerpério na Covid-19 - Esther...
 

Análise de causa raiz na área de saúde

  • 1. Análise de Causa Raiz... Root Cause Analysis - RCA na área de saúde...
  • 2. “Acreditamos que as pessoas vão trabalhar com o objetivo de fazer um bom trabalho, e não o contrário. Dado um conjunto de circunstâncias, qualquer um de nós pode cometer um erro. Precisamos nos esforçar para olhar além da resposta fácil de atribuir culpa, e passar a identificar estratégias e ações que realmente ajudem os nossos pacientes” Department of Veterans Affairs, National Center for Patient Safety, 2005 (1)
  • 3.  Compreender o que é „análise de causa raiz‟ (root cause analysis – RCA);  Conhecer as etapas para o desenvolvimento de uma análise de causa raiz; e  Conhecer algumas estratégias para a condução bem sucedida de uma análise de causa raiz. Objetivos
  • 4. 1. Introdução 2. Definições 3. Objetivos da Análise de Causa Raiz 4. Características da Análise de Causa Raiz 5. Etapas para o desenvolvimento da Análise de Causa Raiz Sumário
  • 5.  A Análise de Causa Raiz (RCA) teve seu início no campo da engenharia  As indústrias aeronáutica e aeroespacial foram os primeiros setores a utilizá-la como estratégia para lidar com atividades de alto risco  Há cerca de 15 anos a RCA começou a ser utilizada na área de saúde Introdução
  • 6. A RCA é uma ferramenta utilizada para a melhoria de qualidade É um método para ... ...investigar por que as coisas deram errado
  • 7. A RCA é um “Processo sistemático interativo em que os fatores que contribuíram para um incidente são identificados pela reconstrução da sequência de eventos e pelo constante questionamento do porquê, até que as causas raízes subjacentes sejam elucidadas” (2) Em outras palavras ...
  • 8. Segurança do paciente “redução, a um mínimo aceitável, do risco de dano desnecessário associado ao cuidado de saúde” (2) Dano associado ao cuidado de saúde “dano surgido por ou associado a planos ou ações realizadas durante o cuidado de saúde ao invés de a uma doença de base ou lesão” (2) Incidente “evento ou circunstância que poderia ter resultado, ou resultou, em dano desnecessário ao paciente” (2) Definições necessárias...
  • 9. Incidente(2) Circunstância Notificável Near Miss Incidente sem dano Incidente com dano (Eventos adversos) Incidente que não atingiu o paciente Incidente que atingiu o paciente, mas não causou dano Incidente que atingiu o paciente e causou dano Não aconteceu o incidente, mas um evento com expressivo potencial para dano ao paciente
  • 10. A RCA é um processo reativo, ou seja, ela é implementada após a ocorrência de um incidente. Geralmente, após eventos críticos ou sentinelas: Evento sentinela – “Ocorrência inesperada que implique em morte ou perda grave e permanente de função” (3)
  • 11. Exemplos de eventos sentinela ...  Cirurgia no paciente errado, local errado do corpo ou procedimento errado;  Erro de medicação;  Reação transfusional;  Queda de paciente internado;  Corpo estranho retido após cirurgias;  Óbito de paciente após contenção;  ........
  • 12. A RCA também pode ...  ... ser aplicada para investigar um evento menos grave, ou um conjunto de near misses que potencialmente requerem melhorias em processos/ sistemas
  • 13.  O que aconteceu  Como aconteceu  Por que aconteceu  O que pode ser feito para impedir que isso aconteça de novo  Se as ações implementadas realmente melhoraram a segurança dos processos/ sistemas Objetivos da RCA – identificar:
  • 14. Características da RCA 1. A análise é de natureza interdisciplinar, inclui pessoas que detêm conhecimento sobre os processos envolvidos no evento e pessoas com diferentes níveis de experiência e formação profissional.
  • 15. Características da RCA 2. A análise concentra-se em sistemas e processos e não em desempenhos individuais “Quando ocorre um evento adverso e os indivíduos são apontados e responsabilizados, outros profissionais de saúde podem parar de fornecer informações sobre o que aconteceu e sobre outros eventos adversos. A discussão e avaliação destes eventos será conduzida de forma „subterrânea‟, criando, potencialmente, uma cultura de sigilo dentro da organização de saúde. Esta abordagem serve apenas para prejudicar a segurança e, em última instância, para minar a confiança em nossos sistemas de saúde” (4)
  • 16. Abordagem focada no indivíduo - Sintomática “Paciente de 76 anos, internado em um hospital de Ontario (Canadá), com prescrição de lavagem do Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (PICC) com cloreto de sódio a 0,9%. A enfermeira, inadvertidamente, administrou 10 ml de cloreto de potássio concentrado ... o paciente morreu em poucos minutos” (4) Erro humano Demissão da funcionária
  • 17. Abordagem Sistêmica “Paciente de 76 anos, internado em um hospital de Ontario (Canadá), com prescrição de lavagem do Cateter Venoso Central de Inserção Periférica (PICC) com cloreto de sódio a 0,9%. A enfermeira, inadvertidamente, administrou 10 ml de cloreto de potássio concentrado ... o paciente morreu em poucos minutos” (4) Fatores que contribuíram para o erro: fácil acesso ao cloreto de potássio no posto de enfermagem, medicamento parecido (look-alike/sound-alike) ... Ações multidisciplinares: acondiconamento correto; elaboração de protocolos, treinamentos das equipes ...
  • 18. Abordagem Sintomática  Tem como foco o erro do indivíduo  Geralmente culpa aqueles mais próximos ao incidente Ação(ões) tomada(s):  Demissão do profissional que levou o paciente para o Centro Cirúrgico Abordagem Sistêmica Erros são o resultado de falhas nos sistemas As pessoas são apenas parte do processo Ação(ões) tomada(s): Implantação de protocolo para cirurgia segura; treinamento das equipes ... Evento - O paciente errado foi levado ao Centro Cirúrgico
  • 19. Características da RCA 3. A análise se aprofunda, perguntando "o que" e "por que" até que todos os aspectos do(s) processo(s) sejam analisadas e os fatores que contribuíram para o incidente sejam considerados.
  • 20. Características da RCA 4. A análise identifica alterações que podem ser feitas em sistemas e processos, quer através de redesenho ou do desenvolvimento de novos processos e sistemas que podem melhorar o desempenho e reduzir o risco de novo incidente.
  • 21. Etapas para o desenvolvimento da RCA I. Organize uma Equipe de Trabalho; II. Descreva detalhadamente o que aconteceu e como; III. Identifique as causas proximais; IV. Identifique as causas raizes; V. Identifique e implemente ações para a redução do risco de recorrência do incidente; VI. Avalie a efetividade das ações tomadas.
  • 22. Etapas para o desenvolvimento da RCA I. Organize uma Equipe de Trabalho I.1 Tamanho: não mais do que 8 a 10 pessoas;
  • 23. Etapas para o desenvolvimento da RCA I. Organize uma Equipe de Trabalho I.2 Formação e papéis desempenhados (4):  Líder - alguém que tem conhecimento sobre o tipo de evento ocorrido e possui autoridade para implementar o processo;  Facilitador – especialista em qualidade ou gerente de risco;  Outros profissionais com conhecimento da área sob análise (clínicos; administradores; médicos; enfermeiros; farmacêuticos e outros, na dependência do evento);  Especialistas/ consultores que detêm conhecimento sob aspectos específicos;  Lideranças seniores.
  • 24. Papeis/ Responsabilidades Líder Facilitador Profissionais com conhecimento da área Especialistas Lideranças seniores Conhecimento sobre RCA? Requerido expertise em RCA* Familiarizado Familiarizado Familiarizado Conhecimento sobre a área analisada? Sim Pode ou não Sim Sim Pode ou não Conhecimento privilegiado sobre o evento e as circunstâncias que o cercaram? Não Não Pode ou não Não Não Autoridade para tomada de decisão e implementação das recomendações? Pode ou não Não Pode ou não Não Sim Respeita os princípios de confidencialidade? Requerido Requerido Requerido Requerido Requerido Equipe de Trabalho (4) * O facilitador geralmente é um indivíduo que recebeu treinamento sobre RCA e/ou possui experiência prática em participar/ realizar uma RCA, ou tem confiança em sua própria capacidade de liderar uma RCA. Esta combinação de conhecimento e auto-confiança é denominada “expertise em RCA”.
  • 25. Etapas para o desenvolvimento da RCA II. Colete dados sobre o que aconteceu e como Inclua:  Descrição detalhada do evento, incluindo sua cronologia;  Áreas/ serviços/ setores afetados pelo evento e/ou que participaram do evento ...
  • 26. Etapas para o desenvolvimento da RCA II. Colete dados sobre o que aconteceu e como Através de:  Entrevistas com pessoas envolvidas no incidente ou que trabalhem na mesma atividade;  Visitas ao local do incidente e/ou simulações;  Políticas/ procedimentos organizacionais;  Prontuários;  Literatura científica ...
  • 27. Etapas para o desenvolvimento da RCA II. Colete dados sobre o que aconteceu e como  Sistematize e registre os dados coletados  Existem formulários padronizados que você pode utilizar ou adaptar à sua realidade - exemplo “”
  • 28. Um meio eficaz de descrever detalhadamente a cronologia do incidente é através de um fluxograma Exemplo: Erro de medicação (Morfina/ Hidromorfona) (4) Descrição inicial do Incidente Paciente se acidenta É transportado para o Hospital de ambulância É avaliado por médico na Emergência É prescrito Morfina para dor A enfermeira prepara Hidromorfona A enfermeira aplica Hidromorfona Paciente se queixa de grave tontura Sinais vitais indicam respiração lenta, saturação de O2 baixa Naloxone é administrado A prescrição é checada – erro é identificado
  • 29. Desse modo, pontos críticos em processos estratégicos vão sendo identificados ...  Prescrição de medicamentos  Dispensação e Preparo de medicamentos  Administração de medicamentos ...
  • 30. Paciente se acidenta É transportado para o Hospital de ambulância É avaliado na Triagem por enfermeira –sinais vitais verificados É avaliado por médico – solicitado Raio X Paciente retorna do Raio X – sinais vitais checados Discussão médico/ paciente sobre gerenciamento dor Médico pede à enfermeira para aplicar Morfina 10mg IM; escreve no prontuário Morf 10mg IM Enfermeira leva o prontuário para a área de preparo de narcóticos Enfermeira lê Morf 10mg IM e pega uma ampola de Hidromorfona Enfermeira prepara a medicação para administração Enfermeira administra Hidromorfona Enfermeira checa a administração do medicamento Exemplo: Erro de medicação (Morfina/ Hidromorfona) (4) Descrição Final do Incidente Paciente se queixa de grave tontura Sinais vitais indicam respiração lenta, saturação de O2 baixa Enfermeira chama o médico para avaliar o paciente – É prescrito Naloxone A prescrição é checada – erro é identificado
  • 31. Faça um fluxograma do evento, descrevendo como as coisas deveriam ter ocorrido! A comparação entres os fluxogramas auxilia na identificação de fatores que contribuíram para a ocorrência do evento.
  • 32. Etapas para o desenvolvimento da RCA III. Identifique as causas proximais IV. Identifique as causas raizes
  • 33. Algumas observações sobre causa / efeito:  Um incidente ocorre quando há uma variação inesperada em um processo;  Todo processo está sujeito a variações;  Algumas variações são inerentes ao desenho do processo e são chamadas de variações por causas comuns;  Outras variações nascem em circunstâncias ou ocorrências não usuais, externas ao desenho dos processos, podem ser intermitentes e de difícil detecção, e são chamadas de variações por causas especiais.
  • 34. Exemplo de variação por causas comuns  Variação no tempo de espera para obtenção dos laudos radiológicos, em função da demanda de pacientes. O grau dessa variação só pode ser mudado através do redesenho dos processos, por exemplo: • Levantando os momentos de pico da demanda e aumentando o número de radiologistas disponíveis.
  • 35. Exemplos de variações por causas especiais  Sob o controle da instituição de saúde: mau funcionamento de equipamentos;  Fora do controle da instituição de sáude: tempestades. Sempre que possível, causas especiais devem ser identificadas e resolvidas, porém, observe que, substituir um equipamento quebrado, resolve o problema de desempenho naquele momento, mas não evita que outro equipamento falhe futuramente.
  • 36. Considerando os exemplos anteriores:  O mau funcionamento de um bisturi elétrico pode indicar um problema no programa de manutenção de equipamentos da organização;  Uma tempestade pode ser difícil de predizer, mas a falta completa de energia no Hospital, em função da tempestade, pode ser vista como o resultado de uma causa comum nos sistemas utilitários da instituição – não foi programada a instalação de gerador.
  • 37. As causas especiais, ou causas proximais, as que estão mais perto do evento, e são diretamente responsáveis por ele ter ocorrido, são, normalmente, o resultado de causas comuns, ou causas raízes, no sistema maior do qual o processo faz parte.
  • 38. Etapas para o desenvolvimento da RCA III. Identifique as causas proximais IV. Identifique as causas raizes O diagrama de causa e efeito (ou Diagrama de Ishikawa) é uma ferramenta que pode ser utilizada para investigar e apresentar as possíveis causas de um determinado efeito.
  • 39. No diagrama de causa e efeito as causas podem ser agrupadas em diferentes categorias, tais como, pessoas, ambiente, equipamentos, e outros. Ou da forma como cada instituição determinar.
  • 40. Comunicação Treinamento Fadiga/ Agenda Políticas/ procedimentos Ambiente/ equipamento Barreiras Confusão com nome medicamentos Uso de abreviações Medicamento pouco usado na Emergência Emergência muito cheia Erro de medicação (administrada Hidromorfona ao invés de Morfina)Não existia política para dupla checagem independente de narcóticos Embalagens parecidas Falta de aviso nas embalagens de narcóticos EfeitoCausas Diagrama de Ishikawa(4): Incidente Morfina e Hidromorfona
  • 41. Quando a equipe julgar concluída a identificação das causas, ela deve descrever textualmente as causas raiz („declarações de causalidade‟). O que deve ser feito de forma cuidadosa para que a comunicação dessas „declarações‟ seja compreensível e tenha como alvo os sistemas da instituição e não os indivíduos. As “Cinco Regras da Causalidade”(4) podem auxiliar na descrição dessas „declarações‟.
  • 42. 1. A relação entre causa e efeito deve ser clara (Por exemplo, "X aumentou a probabilidade ou levou a Y"). 2. Descrições negativas não devem ser utilizadas (Por exemplo, descrever porque um manual disponível não foi utilizado, ao invés de “o manual foi mau escrito"). 3. Cada erro humano deve ter uma causa anterior (Por exemplo, não é suficiente dizer que um médico cometeu um erro na prescrição da dose; a causa subjacente deve ser identificada - o programa informatizado não faz a verificação da dose de segurança). 4. Violações de procedimentos não são causas raiz, elas têm uma causa anterior. Procedimentos não são seguidos por várias razões, falha em seguir um procedimento não é necessariamente um fator causal. 5. A omissão só é uma causa se houver uma clara determinação anterior de que a atividade/ação tinha que ser realizada (Por exemplo, a falha de uma enfermeira em verificar as novas prescrições nos prontuários só será um fator causal se esta era a expectativa claramente definida e uma prática padrão). Cinco Regras da Causalidade (4)
  • 43. Causas Raiz – „Declarações de Causalidade‟ Erro de medicação (Morfina/ Hidromorfona)(4) 1. Nome de medicamentos parecidos (look-alike/sound- alike) aumentou a probabilidade de que uma enfermeira escolhesse e administrasse hidromorfona ao invés de morfina. 2. A remoção das informações de identificação da caixa de hidromorfona, para facilitar a contagem de narcóticos, aumentou a probabilidade de um medicamento parecido ser selecionado. 3. A disponibilidade rotineira de um narcótico pouco usado no departamento de emergência aumentou a probabilidade de seleção incorreta do medicamento.
  • 44. Durante um processo de análise de causa raiz, a equipe pode descobrir outros fatores que contribuíram para o evento, além de outras questões que, embora relevantes para a segurança do paciente, não estão diretamente relacionadas ao evento em análise. Estas questões devem ser documentadas para que, posteriormente, sejam revistas.
  • 45. Etapas para o desenvolvimento da RCA V. Identifique e implemente ações para a redução do risco de recorrência do incidente  Um plano de ação para redução do risco deve ser elaborado para cada causa raiz identificada;  O plano deve conter: estratégia/ ação para redução do risco; a pessoa responsável pela execução; prazos; e as medidas de efetividade.
  • 46. Plano de Ação – Incidente Morfina/ Hidromorfona(4) Causa Raiz / Fator Contribuinte Causa Raiz / Fator Contribuinte - Declarações Ação Prazo Responsável RC 1 Nome de medicamentos parecidos (look-alike/sound-alike): nomes de medicamentos parecidos (look-alike/sound-alike) aumentou a probabilidade de que uma enfermeira escolhesse e administrasse hidromorfona ao invés de morfina. medicamento errado selecionado Medicamento disponível no estoque do andar Remover narcóticos de alta potência do estoque da emergência Imediato Diretor da Farmácia medicamento errado selecionado Medicamento prescrito como "Morf"; cultura de abreviar nomes de medicamentos Padronizar uma lista de abreviaturas, siglas, símbolos e nomes de medicamentos que não devem ser usadas Intermediário Comissão de Farmácia e Terapêutica RC 2 Embalagens parecidas: A remoção das informações de identificação da caixa de hidromorfona, para facilitar a contagem de narcóticos, aumentou a probabilidade de um medicamento parecido (look-alike/sound-alike) ser selecionado. Embalagem parecida; insuficiente avaliação de risco dos medicamentos parecidos (look- alike/sound-alike) Implementar um processo para avaliar medicamentos parecidos (look-alike/sound-alike), de modo a: a) permitir,sempre que possível, a compra de medicamentos não parecidos; b) utilização de rótulos auxiliares; c) segregação ou separação dos produtos, sempre que possível Imediato Diretor da Farmácia RC 3 Medicamentos de alta vigilância tratados como suprimentos: A disponibilidade rotineira de um narcótico pouco usado no departamento de emergência aumentou a probabilidade de seleção incorreta do medicamento. medicamento errado selecionado Medicamentos disponíveis no estoque do andar; processo indefinido para avaliação de risco Instituir um processo de supervisão interdisciplinar para analisar e aprovar formalmente os medicamentos que estão disponíveis em cada área. Foco da ação: diminuir o número de unidades em inventário, e a quantidade de medicamento disponível; adequar o medicamento disponível à área clínica. Intermediário Comissão de Farmácia e Terapêutica
  • 47. “A equipe de trabalho deve ser encorajada a considerar idéias/ ações inovadoras. No relatório final da RCA, a equipe deve apresentar todas as ações que consideraram razoáveis. Cabe à liderança da organização, priorizar e implementar as recomendações e ações, além de garantir a alocação de recursos, o que não é responsabilidade da equipe da RCA” (4).
  • 48. Etapas para o desenvolvimento da RCA VI. Avalie a efetividade das ações tomadas. “O objetivo de implementar mudanças em um sistema é torná-lo mais seguro. No entanto, existe a possibilidade de que as recomendações possam não alcançar o efeito desejado, quando colocadas em prática. Como em qualquer atividade de melhoria da qualidade, a efetividade das recomendações deve ser medida para determinar: se as alterações ajudaram a tornar o sistema mais seguro: se não houve efeitos na segurança; ou, no pior dos casos, se as mudanças tornaram o sistema menos seguro.” (4)
  • 49.  Os indicadores utilizados devem ser quantificáveis, com um numerador e denominador definidos (caso aplicável;  A metodologia de coleta dos dados deve estar claramente esboçada (tipo de amostra, tamanho; observação; pré-teste/ pós-teste; teste piloto; auditoria);  Uma meta alcançável deve ser estabelecida (por exemplo, um objetivo de 100% não deve ser definido, a menos que possa ser atendido).
  • 50. Exemplos de Estratégias de Mensuração Todo o corpo clínico demonstrará competência em um novo procedimento fazendo um pós-teste, com resultado igual ou superior a 90%.  As taxas de complicação na inserção de cateter central serão inferiores a 1%.  Três pacientes atendidos, por dia, no Pronto Atendimento, serão avaliados desde o momento em que dão entrada até o tratamento, para determinar a média do tempo de espera. A espera não deve superar 5 minutos para pacientes emergenciais.  A quantidade de quedas por 1000 pacientes-dia será menor do que duas por mês.  A satisfação do paciente com o gerenciamento da dor será evidenciada por um nível 4 ou superior da escala de Likert.
  • 51. Estratégias de Monitoramento  Incidente Morfina/ Hidromorfona(4)  Auditorias periódicas, para garantir que narcóticos de alta potência não estão sendo estocados em áreas de atendimento ao paciente;  Revisão de prontuários, para avaliar o uso de abreviaturas não aprovadas.
  • 52. “A chave para resolver um problema é, primeiramente, realmente entendê- lo. Muitas vezes tentamos resolver um problema antes de compreender completamente a sua causa, e o foco muda muito rapidamente do problema para a solução. O que pensamos ser a causa é, às vezes, apenas um sintoma.” Institute for HealthCare Improvement - IHI
  • 53. 1. Department of Veterans Affairs, National Center for Patient Safety, Challenges and Achievements, <http://www.patientsafety.gov/NEWS/ NCPSBg/bg_NCPSChallenges_040904.doc>, (acessado em 02 de fevereiro de 2012). 2. Runciman W, Hibbert P, Thomson R, Van Der Schaaf T, Sherman H, Lewalle P. Towards an International Classification for Patient Safety: key concepts and terms. Int J Qual Health Care. 2009 Feb;21(1):18-26. 3. Padrões de Acreditação da Joint Commission International para Hospitais [editado por] Consórcio Brasileiro de Acreditação de Sistemas e Serviços de Saúde – Rio de Janeiro: CBA: 2010. ISBN 978-85-61459-07-9. 4. Canadian Patient Safety Institute (CPSI). Canadian Root Cause Analysis Framework. A tool for identifying and addressing the root causes of critical incidents in healthcare. Canadian Patient Safety Institute. Institute For Safe Medication Practices Canada. Saskatchewan Health. March 2006. ISBN 0-9739270-1-1. Referências Bibliográficas
  • 54. MORAIS, Bruno Salomé de et al. Administração inadvertida de 4 mg de morfina por via subaracnóidea: relato de caso. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2008, vol.58, n.2, pp. 160- 164. ISSN 0034-7094. ROCHA, Antônio Sérgio Cordeiro da et al. Evidência de melhora na qualidade do cuidado assistencial no infarto agudo do miocárdio. Arq. Bras. Cardiol. [online]. 2010, vol.94, n.6 [citado 2012-03-14], pp. 726-729. TEIXEIRA, Thalyta Cardoso Alux and CASSIANI, Silvia Helena De Bortoli. Análise de causa raiz: avaliação de erros de medicação em um hospital universitário. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2010, vol.44, n.1, pp. 139-146. ISSN 0080-6234. World Health Organization (WHO). Patient Safety Workshop. LEARNING FROM ERROR. World Health Organization 2008. Outras Bibliografias
  • 55. Carla Gouvêa Produção Realização PROQUALIS proqualis@icict.fiocruz.br  Gerência de Qualidade, Coordenação de Acreditação de Serviços de Saúde, Consórcio Brasileiro de Acreditação