SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Centro Colaborador para a Qualidade do
Cuidado e a Segurança do Paciente
Cultura de segurança do paciente
em hospitais
“ Medicine used to be simple, ineffective and relatively safe.
Now, it is complex, effective, but potentially dangerous”. (Sir
Cyrril Chantler)
Um a cada dez pacientes que recebem cuidados assistenciais
hospitalares sofre danos ou lesões decorrentes dos mesmos
 EVENTOS ADVERSOS (Jha et al., 2010)
Principais eventos adversos evitáveis:
→Infecções associadas aos
cuidados de saúde
→ Complicações cirúrgicas
e/ou anestésicas
→ Danos decorrentes do atraso ou
falha no diagnóstico/tratamento
→Úlcera por pressão
→ Danos por complicações de
punção venosa
→ Danos devido a quedas
→Danos devido ao uso de
medicamentos
Mendes et al., 2013
Cultura de segurança do paciente
O desenvolvimento de uma cultura de
segurança como elemento central para a
melhoria da segurança do paciente no
contexto hospitalar
Weaver et al., 2013
A cultura influencia a motivação de se engajar em
comportamentos seguros e na extensão na qual essa
motivação se traduz na prática diária
Kohn et al., 1999
Comitê Internacional de Segurança Nuclear - INSAG, 1988
Cultura de Segurança
Produto de valores, atitudes, percepções e
competências individuais e grupais que determinam o
compromisso e o estilo da instituição. Organizações com
uma cultura de segurança positiva são caracterizadas
por boa comunicação entre os profissionais, confiança
mútua e percepções comuns sobre a importância de
segurança e eficiência de ações preventivas
Crenças predominantes nas organizações de
saúde que afetam a segurança da prática clínica
 Tendência à responsabilização dos profissionais da linha de frente,
negligenciando as deficiências presentes nos sistemas de saúde
 Incidentes quando são reconhecidos pelos médicos durante a prática
clínica são considerados por eles “inevitáveis” [normalization of
deviance]
 Crença em que os profissionais de saúde foram perfeitamente
treinados (longa e árdua formação = fazer corretamente)
 O cuidado clínico é tipicamente organizado de forma hierárquica, onde
a comunicação sobre segurança é suprimida
 Pouca ênfase no aprendizado organizacional
(WHO, 2008)
Promoção da cultura de segurança nas
organizações de saúde
Técnicas de segurança adotadas em organizações
de alta confiabilidade(OAC) ex: energia nuclear, aviação,
óleo e gás
FOCO PRIMÁRIO NO SISTEMA ao invés de
NOS INDIVÍDUOS
Kohn et al., 1999
Cultura de segurança prevalente nas OAC e a
cultura dominante nas organizações de saúde
ORGANIZAÇÕES DE ALTA
CONFIABILIDADE
ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE
Crença em que algo pode sair
errado
Crença em que tudo vai dar
certo
Foco sobre a confiabilidade do
sistema
Foco sobre a eficiência do
sistema
Humildade para buscar
entender e aprender o que não
se conhece
Crença em que se sabe tudo o
que se precisa saber
Comportamento que valoriza o
trabalho em equipe
Presença de elevados
gradientes de hierarquia entre
os profissionais
Chassin & Loeb (2011)
Promoção da cultura de segurança nas
organizações de saúde
 Promover consciência coletiva com o comprometimento
com a segurança em todos os níveis
 Reconhecer a natureza de alto risco das atividades
realizadas e a determinação em atingir consistentemente
operações seguras
 Promover um ambiente livre de culpa e encorajar a
cooperação entre cargos e profissões com redução dos
gradientes de hierarquia
 O comprometimento pela gestão com a utilização de
recursos voltados à melhoria da segurança
Avaliação da Cultura de Segurança nas
Organizações de Saúde
FERRAMENTA DE GESTÃO
Identificar áreas/unidades cujas características da
cultura necessitam melhorias
Avaliar a efetividade de ações implementadas para
melhoria da segurança ao longo do tempo (estudos
antes – após intervenções)
Permite comparar dados internos e externos à
organização
Priorizar esforços de fortalecimento da cultura
Teve como objetivo central a validação do questionário Hospital
Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC), instrumento de
avaliação da cultura de segurança entre profissionais de
hospitais, para que o mesmo fosse preciso na avaliação da
cultura de segurança no contexto hospitalar brasileiro.
A cultura de segurança do paciente é um tema relativamente
pouco estudado no Brasil e o aprimoramento desse instrumento
soma possibilidades à melhoria da qualidade do cuidado de
saúde prestado aos pacientes no contexto brasileiro das
organizações hospitalares.
Tese de Doutorado em Saúde Pública
- Justificativa
O Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC) (Sorra e
Nieva, 2004) foi traduzido para o português e adaptado para uso
no Brasil (Reis et al. 2012; Reis, 2013).
O instrumento foi aplicado para captar a percepção dos
profissionais de um hospital com relação às dimensões da
cultura de segurança do paciente.
Tese de Doutorado em Saúde Pública
- Justificativa
Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC)
Dimensões da Cultura de Segurança (escalas
de múltiplos itens)
Nível da unidade – 7 dimensões
Expectativas do supervisor/chefe e ações
promotoras da segurança (4 itens)
Aprendizado organizacional – melhoria contínua
(3 itens)
Trabalho em equipe dentro das unidades (4
itens)
Abertura da comunicação (3 itens)
Retorno da informação e comunicação sobre os
erros (3 itens)
Respostas não punitivas aos erros (3 itens)
Adequação de pessoal (4 itens)
Nível hospitalar – 3 dimensões
Apoio da gestão hospitalar para segurança do
paciente (3 itens)
Trabalho em equipe entre as unidades
hospitalares (4 itens)
 Passagens de plantão/turno e transferências
(4 itens)
Dimensões da Cultura de Segurança (escalas
de múltiplos itens)
Dimensões de resultado- 2 dimensões
Percepção geral da segurança (4 itens)
Frequência de notificação de eventos
(3 itens)
Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC)
Amplo uso desse instrumento em diversos países do
mundo, em diversos estágios de desenvolvimento
Bélgica (Hellings et al., 2007)
Noruega (Olsen, 2008)
Holanda (Smits et al., 2008)
EUA (Blegen et al., 2009)
Tailândia (Chen & Li, 2010)
Turquia (Bodur & Filiz, 2010)
Inglaterra (Waterson et al., 2010)
Líbano (El-Jardali et al., 2010)
Escócia (Sarac et al., 2011)
Suíça (Pfeiffer & Manser., 2010)
Japão (Ito et al., 2011)
Irã (Moghri et al., 2012)
Foi realizada uma investigação empírica quantitativa,
observacional, com desenho do tipo seccional
DADOS PARCIAIS
Hospital X - geral de cuidados agudos, de grande
porte, filantrópico, conveniado ao SUS, situado no
Estado de Minas Gerais; 173 leitos para internação
e oferta programas de Ensino
Tese de Doutorado - Metodologia
Profissionais com contato direto ou interação direta com o
paciente internado ou aqueles cujas funções desempenhadas
afetavam diretamente o cuidado ao paciente internado
(líderes, supervisores, administradores...)
CRITÉRIOS DE INCLUSÃO:
 possuir carga horária semanal pelo menos de 20 horas
 estar presente em um dos turnos de trabalho no período da
coleta de dados
PERÍODO DE COLETA: Março e Abril /2012
População, amostra e período do estudo
Tese de Doutorado - Metodologia
% de respostas positivas da dimensão X = [nº de respostas positivas aos
itens da dimensão X/ nºtotal de repostas válidas aos itens da dimensão X
(positivas, neutras e negativas, excluindo-se os dados ausentes)] x 100
Avaliação da Cultura de Segurança do Paciente
Áreas frágeis da segurança do paciente
 Dimensões com % de respostas positivas
inferior a 50%
Áreas fortalecidas da segurança do paciente
 Dimensões com % de respostas positivas
igual ou maior que a 75%
(Sorra e Nieva, 2004)
Tese de Doutorado - Metodologia
% de respostas positivas do item da dimensão X = [nº de respostas
positivas ao itens da dimensão X/ nºtotal de repostas válidas ao item da
dimensão X (positivas, neutras e negativas, excluindo-se os dados
ausentes)] x 100
Avaliação da Cultura de Segurança do Paciente
Áreas frágeis da segurança do paciente
 Itens com % de respostas positivas
inferior a 50%
Áreas fortalecidas da segurança do paciente
 Itens com % de respostas positivas
igual ou maior que a 75%
(Sorra e Nieva, 2004)
Tese de Doutorado - Metodologia
Distribuídos → 261 questionários
Retorno → 149 questionários
 2 questionários não apresentaram pelo menos uma
seção preenchida por completo
 1 questionário apresentou a mesma opção de
resposta ao longo de uma seção que continha
itens reversos
os três foram excluídos
Os 146 questionários válidos corresponderam a um
percentual de resposta de 56%.
Tese de Doutorado - Resultados
o sexo feminino predominou (76%) e a
maior parte dos participantes afirmou ter
contato direto com o paciente (84,2%)
 Com relação à categoria profissional,
aquelas ligadas à Enfermagem (técnicos de
enfermagem, auxiliares de enfermagem e
enfermeiros) constituíram a maior parte de
profissionais que preencheram o
questionário, totalizando 98 (67,1%)
101 (69,2%) concluíram o nível médio 30
(10,5%) concluíram o nível superior, e 10
(6,8%) afirmaram ter grau de instrução
inferior ao nível médio de ensino
Tese de Doutorado - Resultados
Perfil dos participantes
Tese de Doutorado - Resultados
 Apenas uma dimensão foi classificada como área fortalecida da
cultura de segurança entre os profissionais do Hospital X
“APRENDIZADO ORGANIZACIONAL – MELHORIA CONTÍNUA”
As dimensões da cultura de segurança cujos percentuais de
respostas positivas foram mais elevados compreenderam a: -
“aprendizado organizacional e melhoria contínua”
75%)“expectativas e ações de promoção de segurança dos
supervisores/gerentes” (70%), “apoio da gestão para a segurança
do paciente”(67%)
Avaliação da cultura de segurança
Tese de Doutorado - Resultados
Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “aprendizado
organizacional - melhoria contínua” (75%), Hospital X, 2012
A6. Estamos ativamente fazendo coisas
para melhorar a segurança do paciente.
A9. Erros têm levado a mudanças
positivas por aqui.
A13. Após implementarmos mudanças
para melhorar a segurança do paciente,
avaliamos a efetividade.
86% 6% 8%
a
67% 14% 19%
a
72% 19% 9%
a
Positiva Neutra Negativa
Tese de Doutorado - Resultados
Três dimensões do nível da unidade/setor apresentaram
percentual de respostas positivas baixo, caracterizando
áreas frágeis da cultura de segurança as quais merecem
atenção:
 “adequação de pessoal” (43%)
 “abertura da comunicação” (47%)
“respostas não punitivas aos erros” (19%)
Avaliação da cultura de segurança
Tese de Doutorado - Resultados
Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “adequação
de pessoal” (43%), Hospital X, 2012
Positiva Neutra Negativa
A2. Temos profissionais suficientes para
dar conta da carga de trabalho.
A5R. Nesta unidade, os profissionais
trabalham mais horas do que seria o
melhor para o cuidado do paciente.
A7R. Utilizamos mais profissionais
temporários/terceirizados do que seria
desejável para o cuidado do paciente.
A14R. Nós trabalhamos em “situação de
crise”, tentando fazer muito e muito
rápido.
31% 15% 53%
a
37% 24% 39%
a
65% 17% 17%
a
38% 25% 38%
a
Tese de Doutorado - Resultados
Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “abertura da
comunicação” (47%), Hospital X, 2012
Positiva Neutra Negativa
C2. Os profissionais têm liberdade
para dizer ao ver algo que pode
afetar negativamente o cuidado com
o paciente.
C4. Os profissionais sentem-se à
vontade para questionar as decisões
ou ações dos seus superiores.
C6R. Os profissionais têm receio de
perguntar, quando algo parece não
estar certo.
66% 19% 15%
a
34% 35% 31%
a
72% 19% 9%
a
Tese de Doutorado - Resultados
Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “respostas
não punitivas aos erros” (19%), Hospital X, 2012
Positiva Neutra Negativa
A8R. Os profissionais consideram que
seus erros podem ser usados contra
eles.
A12R. Quando um evento é notificado,
parece que o foco recai sobre a pessoa
e não sobre o problema.
A16R. Os profissionais se preocupam
que seus erros sejam registrados em
suas fichas funcionais.
66% 19% 15%
a
34% 35% 31%
a
16% 28% 56%
a
→ Carga excessiva de trabalho
→ Insuficiência de profissionais
38% discordaram trabalhar em “situação de crise”
tentando fazer
muito e muito rápido
Deficiências na adequação de pessoal ocorrência de
incidentes de segurança
(Sorra & Nieva, 2004; Kho et al., 2005; Hellings et al., 2007)
ADEQUAÇÃO DE PESSOAL (43%)
Tese de Doutorado - Discussão
A cultura de segurança do
paciente no Hospital X
se apresenta como uma
cultura punitiva
frente a ocorrência de erros
 desencoraja o reconhecimento e o relato do erro pelos profissionais
 negligencia informações valiosas
 impossibilita a análise das situações e condições que contribuíram para
a ocorrência do erro
 impede que o erro volte a acontecer
Tese de Doutorado – Considerações finais
Cultura de segurança do paciente
Comportamento clínico de relato de incidentes de segurança
(Braithwaite et al., 2010)
Redução de eventos adversos( Singer et al., 2009; Mardon et al., 2010)
Redução da mortalidade (Estabrooks et al., 2002; Sexton, 2002)
O National Quality Forum (Estados Unidos) recomenda a avaliação
sistemática da cultura de segurança, feedback aos
profissionais de saúde e aplicação de intervenções visando à sua melhoria
(Safe practices for better healthcare: a consensus report – 2010)
Fortalecimento da cultura de segurança em hospitais
o compromisso das lideranças como componente fundamental para
difundir a ideia da necessidade de mudança de comportamento
e de cultura; esse compromisso requer incorporar
os princípios da alta confiabilidade nas declarações
da visão e missão da organização, estabelecendo
metas mensuráveis para monitorar a sua realização
LIDERANÇA
Fortalecimento da cultura de segurança em hospitais
O trabalho em equipe efetivo é necessário para a segurança
do cuidado.
Os briefings e debriefings (reuniões pré e pós-realização de uma
atividade) e outras ferramentas de trabalho em equipe ajudam
a estruturar a comunicação e aumentam a previsibilidade.
A cultura de segurança deve envolver três imperativos que
se sustentam mutuamente: a confiança, a notificação e
a busca contínua por melhoria.
TRABALHO EM EQUIPE
Fortalecimento da cultura de segurança em hospitais
A adoção de ferramentas robustas de processo das quais são
exemplo a Lean seis sigma, a análise da causa raiz, e outras
que permitem uma abordagem sistemática que envolve a forma
confiável de medir a magnitude do problema, identificar
suas causas e mensurar a importância de cada causa;
encontrar soluções para as causas mais importantes;
comprovar a efetividade dessas soluções e implantar
programas que assegurem a melhoria contínua ao longo do tempo.
Adoção de ferramentas robustas
Reis CT, Laguardia J, Martins M. Adaptação transcultural da versão brasileira do Hospital
Survey on Patient Safety Culture: etapa inicial. Cad. Saúde Pública 2012; (28)11:2199-
2210.
Reis CT. A cultura de segurança do paciente: validação de um instrumento de
mensuração para o contexto hospitalar brasileiro [Tese de Doutorado]. Rio de Janeiro:
Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz; 2013.
Versão em português adaptada e validada da Pesquisa sobre cultura de segurança do
paciente (HSOPSC)
Obrigada!
clautartaglia@gmail.com
http://proqualis.net/cultura-de-segurança
Referências
Chassin MR, Loeb JM. The ongoing quality improvement journey: next stop,
high reliability. Health Aff 2011; 30(4):559-568.
Jha AK, Prasopa-Paizier N, Larizgoitia I, Bates DW. Patient safety research:
an overview of the global evidence. Qual Saf Health Care 2010; 19:42-7.
Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson, MC eds. Committee on Quality in Health
Care; Institute of Medicine. To err is human. Building a safer health
system. Washington: National Academy Press, 1999.
Mendes W, Pavão ALB, Martins M, Moura MLO, Travassos C. Características de
eventos adversos evitáveis em hospitais do Rio de Janeiro. Rev Assoc Med
Bras, 2013 no prelo.
Reis CT. A cultura de segurança do paciente: validação de um instrumento de
mensuração para o contexto hospitalar brasileiro [Tese de Doutorado]. Rio
de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação
Oswaldo Cruz; 2013.
Reis CT, Laguardia J, Martins M. Adaptação transcultural da versão brasileira
do Hospital Survey on Patient Safety Culture: etapa inicial. Cad. Saúde
Pública 2012; (28)11:2199-2210.
Sorra JS, Nieva VF. Hospital Survey on Patient Safety Culture (Prepared by
Westat, under Contract No. 290-96-0004). AHRQ Publication No. 04-0041.
Rockville, MD. September 2004.
Weaver SJ, Lubomski LH, Wilson RF, Pfoh ER, Martinez KA, Dy SM. Promoting a
culture of safety as a patient safety strategy. Annals of Internal Medicine
2013; 158(5):369-375.
WHO World Health Organization. World Alliance for Patient Safety. Summary
of the evidence on patient safety: implications for research. Sections III e
IV (PPS 49-90), 2008. Disponível em
http://whqlibdoc.who.int/publications/2008/9789241596541_eng.pdf.
Elaboração
Cláudia Tartaglia Reis
Enfermeira
Doutora em Saúde Pública pela ENSP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
naiellyrodrigues
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 

Mais procurados (20)

Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
Implementação do núcleo de segurança do paciente e elaboração do plano de seg...
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
Nr 32
Nr 32Nr 32
Nr 32
 
Equipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúdeEquipe multiprofissional de saúde
Equipe multiprofissional de saúde
 
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMSO que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
O que é segurança do paciente? - Tópico 1_Guia Curricular da OMS
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
 
NR 32
NR 32 NR 32
NR 32
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...Aula 3   programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
Aula 3 programa de segurança do paciente - qualidade em saúde e indicadores...
 
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
Aula: 'Como melhorar a experiência do paciente para um cuidado mais seguro?'
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora
 
Identificar os pacientes corretamente
Identificar os pacientes corretamenteIdentificar os pacientes corretamente
Identificar os pacientes corretamente
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 

Semelhante a Aula cultura de_seguranca

Integração em segurança do trabalho 2024
Integração em segurança do trabalho 2024Integração em segurança do trabalho 2024
Integração em segurança do trabalho 2024
RicardoTST2
 

Semelhante a Aula cultura de_seguranca (20)

Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
 
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.pptCultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
Cultura de Segurança do Paciente por onde começar_Final.ppt
 
Elena bohomol
Elena bohomolElena bohomol
Elena bohomol
 
Duarte et al 2015
Duarte et al 2015Duarte et al 2015
Duarte et al 2015
 
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidênciasPráticas de enfermagem baseadas em evidências
Práticas de enfermagem baseadas em evidências
 
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúdeSegurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
 
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúdeSegurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
Segurança do doente e saúde e segurança do profissional de saúde
 
Presentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad ptPresentacinlibroseguridad pt
Presentacinlibroseguridad pt
 
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdfSLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
SLIDES PARA APRESENTAÇÃO DIA 14 PDF.pdf
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
 
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
aula de Raciocinio clinico para estudantes de graduação em enfermagem e biome...
 
Avaliar o impacto
Avaliar o impactoAvaliar o impacto
Avaliar o impacto
 
Ressumo do ary professora karol
Ressumo do ary  professora karolRessumo do ary  professora karol
Ressumo do ary professora karol
 
Fortalezas e ameaças em torno da segurança do paciente
Fortalezas e ameaças em torno da segurança do  pacienteFortalezas e ameaças em torno da segurança do  paciente
Fortalezas e ameaças em torno da segurança do paciente
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
 
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...A Inserção da Cultura de  Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica  ...
A Inserção da Cultura de Segurança na Assistência de Enfermagem Pediátrica ...
 
A segurança do paciente como dimensão da qualidade do cuidado de saúde
A segurança do paciente como dimensão da qualidade do  cuidado de saúdeA segurança do paciente como dimensão da qualidade do  cuidado de saúde
A segurança do paciente como dimensão da qualidade do cuidado de saúde
 
SLIDES OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO 30 DE MARÇO 2023 pós-ProfaFernanda.pptx
SLIDES OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO 30 DE MARÇO 2023 pós-ProfaFernanda.pptxSLIDES OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO 30 DE MARÇO 2023 pós-ProfaFernanda.pptx
SLIDES OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO 30 DE MARÇO 2023 pós-ProfaFernanda.pptx
 
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/DoenteAprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
Aprofundar o conhecimento em Segurança do Paciente/Doente
 
Integração em segurança do trabalho 2024
Integração em segurança do trabalho 2024Integração em segurança do trabalho 2024
Integração em segurança do trabalho 2024
 

Mais de Proqualis

Mais de Proqualis (20)

Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
Aula: Desafios para o efetivo funcionamento dos Núcleos de Segurança do Pacie...
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
 
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
Aula: Contribuição das Comissões de Revisão de Prontuário e Análise de Óbito ...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mar...
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Mag...
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
 
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana FrizzoAula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
Aula sobre aspectos psicológicos da gestação, parto e pós-parto - Giana Frizzo
 
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
Aula - Gestão de riscos na atenção hospitalar no contexto da covid-19 - Ricar...
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana FranciscoAula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
Aula sobre mortalidade por Covid-19 na gestação e puerpério - Rossana Francisco
 
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano MassudaAula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
Aula sobre mortalidade por Covid-19 em UTIs brasileiras - Adriano Massuda
 
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
Aula 3: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Mario...
 
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
Aula 2: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Helai...
 
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
Aula 1: Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação contra Covid-19 - Sandr...
 
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
Aula - A comunicação no contexto da pandemia de Covid-19
 
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
Aula - Segurança do paciente e vigilância em saúde na rede EBSERH durante a p...
 
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
Aula: Prevenção de lesão por pressão na assistência à Covid-19
 
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
Aula: Segurança e saúde do trabalhador no contexto da pandemia de Covid-19
 

Último

fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
IvaneSales
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
IANAHAAS
 

Último (10)

TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 

Aula cultura de_seguranca

  • 1. Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente
  • 2. Cultura de segurança do paciente em hospitais
  • 3. “ Medicine used to be simple, ineffective and relatively safe. Now, it is complex, effective, but potentially dangerous”. (Sir Cyrril Chantler) Um a cada dez pacientes que recebem cuidados assistenciais hospitalares sofre danos ou lesões decorrentes dos mesmos  EVENTOS ADVERSOS (Jha et al., 2010)
  • 4. Principais eventos adversos evitáveis: →Infecções associadas aos cuidados de saúde → Complicações cirúrgicas e/ou anestésicas → Danos decorrentes do atraso ou falha no diagnóstico/tratamento →Úlcera por pressão → Danos por complicações de punção venosa → Danos devido a quedas →Danos devido ao uso de medicamentos Mendes et al., 2013
  • 5. Cultura de segurança do paciente O desenvolvimento de uma cultura de segurança como elemento central para a melhoria da segurança do paciente no contexto hospitalar Weaver et al., 2013 A cultura influencia a motivação de se engajar em comportamentos seguros e na extensão na qual essa motivação se traduz na prática diária Kohn et al., 1999
  • 6. Comitê Internacional de Segurança Nuclear - INSAG, 1988 Cultura de Segurança Produto de valores, atitudes, percepções e competências individuais e grupais que determinam o compromisso e o estilo da instituição. Organizações com uma cultura de segurança positiva são caracterizadas por boa comunicação entre os profissionais, confiança mútua e percepções comuns sobre a importância de segurança e eficiência de ações preventivas
  • 7. Crenças predominantes nas organizações de saúde que afetam a segurança da prática clínica  Tendência à responsabilização dos profissionais da linha de frente, negligenciando as deficiências presentes nos sistemas de saúde  Incidentes quando são reconhecidos pelos médicos durante a prática clínica são considerados por eles “inevitáveis” [normalization of deviance]  Crença em que os profissionais de saúde foram perfeitamente treinados (longa e árdua formação = fazer corretamente)  O cuidado clínico é tipicamente organizado de forma hierárquica, onde a comunicação sobre segurança é suprimida  Pouca ênfase no aprendizado organizacional (WHO, 2008)
  • 8. Promoção da cultura de segurança nas organizações de saúde Técnicas de segurança adotadas em organizações de alta confiabilidade(OAC) ex: energia nuclear, aviação, óleo e gás FOCO PRIMÁRIO NO SISTEMA ao invés de NOS INDIVÍDUOS Kohn et al., 1999
  • 9. Cultura de segurança prevalente nas OAC e a cultura dominante nas organizações de saúde ORGANIZAÇÕES DE ALTA CONFIABILIDADE ORGANIZAÇÕES DE SAÚDE Crença em que algo pode sair errado Crença em que tudo vai dar certo Foco sobre a confiabilidade do sistema Foco sobre a eficiência do sistema Humildade para buscar entender e aprender o que não se conhece Crença em que se sabe tudo o que se precisa saber Comportamento que valoriza o trabalho em equipe Presença de elevados gradientes de hierarquia entre os profissionais Chassin & Loeb (2011)
  • 10. Promoção da cultura de segurança nas organizações de saúde  Promover consciência coletiva com o comprometimento com a segurança em todos os níveis  Reconhecer a natureza de alto risco das atividades realizadas e a determinação em atingir consistentemente operações seguras  Promover um ambiente livre de culpa e encorajar a cooperação entre cargos e profissões com redução dos gradientes de hierarquia  O comprometimento pela gestão com a utilização de recursos voltados à melhoria da segurança
  • 11. Avaliação da Cultura de Segurança nas Organizações de Saúde FERRAMENTA DE GESTÃO Identificar áreas/unidades cujas características da cultura necessitam melhorias Avaliar a efetividade de ações implementadas para melhoria da segurança ao longo do tempo (estudos antes – após intervenções) Permite comparar dados internos e externos à organização Priorizar esforços de fortalecimento da cultura
  • 12. Teve como objetivo central a validação do questionário Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC), instrumento de avaliação da cultura de segurança entre profissionais de hospitais, para que o mesmo fosse preciso na avaliação da cultura de segurança no contexto hospitalar brasileiro. A cultura de segurança do paciente é um tema relativamente pouco estudado no Brasil e o aprimoramento desse instrumento soma possibilidades à melhoria da qualidade do cuidado de saúde prestado aos pacientes no contexto brasileiro das organizações hospitalares. Tese de Doutorado em Saúde Pública - Justificativa
  • 13. O Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC) (Sorra e Nieva, 2004) foi traduzido para o português e adaptado para uso no Brasil (Reis et al. 2012; Reis, 2013). O instrumento foi aplicado para captar a percepção dos profissionais de um hospital com relação às dimensões da cultura de segurança do paciente. Tese de Doutorado em Saúde Pública - Justificativa
  • 14. Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC) Dimensões da Cultura de Segurança (escalas de múltiplos itens) Nível da unidade – 7 dimensões Expectativas do supervisor/chefe e ações promotoras da segurança (4 itens) Aprendizado organizacional – melhoria contínua (3 itens) Trabalho em equipe dentro das unidades (4 itens) Abertura da comunicação (3 itens) Retorno da informação e comunicação sobre os erros (3 itens) Respostas não punitivas aos erros (3 itens) Adequação de pessoal (4 itens) Nível hospitalar – 3 dimensões Apoio da gestão hospitalar para segurança do paciente (3 itens) Trabalho em equipe entre as unidades hospitalares (4 itens)  Passagens de plantão/turno e transferências (4 itens) Dimensões da Cultura de Segurança (escalas de múltiplos itens) Dimensões de resultado- 2 dimensões Percepção geral da segurança (4 itens) Frequência de notificação de eventos (3 itens)
  • 15. Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC) Amplo uso desse instrumento em diversos países do mundo, em diversos estágios de desenvolvimento Bélgica (Hellings et al., 2007) Noruega (Olsen, 2008) Holanda (Smits et al., 2008) EUA (Blegen et al., 2009) Tailândia (Chen & Li, 2010) Turquia (Bodur & Filiz, 2010) Inglaterra (Waterson et al., 2010) Líbano (El-Jardali et al., 2010) Escócia (Sarac et al., 2011) Suíça (Pfeiffer & Manser., 2010) Japão (Ito et al., 2011) Irã (Moghri et al., 2012)
  • 16. Foi realizada uma investigação empírica quantitativa, observacional, com desenho do tipo seccional DADOS PARCIAIS Hospital X - geral de cuidados agudos, de grande porte, filantrópico, conveniado ao SUS, situado no Estado de Minas Gerais; 173 leitos para internação e oferta programas de Ensino Tese de Doutorado - Metodologia
  • 17. Profissionais com contato direto ou interação direta com o paciente internado ou aqueles cujas funções desempenhadas afetavam diretamente o cuidado ao paciente internado (líderes, supervisores, administradores...) CRITÉRIOS DE INCLUSÃO:  possuir carga horária semanal pelo menos de 20 horas  estar presente em um dos turnos de trabalho no período da coleta de dados PERÍODO DE COLETA: Março e Abril /2012 População, amostra e período do estudo Tese de Doutorado - Metodologia
  • 18. % de respostas positivas da dimensão X = [nº de respostas positivas aos itens da dimensão X/ nºtotal de repostas válidas aos itens da dimensão X (positivas, neutras e negativas, excluindo-se os dados ausentes)] x 100 Avaliação da Cultura de Segurança do Paciente Áreas frágeis da segurança do paciente  Dimensões com % de respostas positivas inferior a 50% Áreas fortalecidas da segurança do paciente  Dimensões com % de respostas positivas igual ou maior que a 75% (Sorra e Nieva, 2004) Tese de Doutorado - Metodologia
  • 19. % de respostas positivas do item da dimensão X = [nº de respostas positivas ao itens da dimensão X/ nºtotal de repostas válidas ao item da dimensão X (positivas, neutras e negativas, excluindo-se os dados ausentes)] x 100 Avaliação da Cultura de Segurança do Paciente Áreas frágeis da segurança do paciente  Itens com % de respostas positivas inferior a 50% Áreas fortalecidas da segurança do paciente  Itens com % de respostas positivas igual ou maior que a 75% (Sorra e Nieva, 2004) Tese de Doutorado - Metodologia
  • 20. Distribuídos → 261 questionários Retorno → 149 questionários  2 questionários não apresentaram pelo menos uma seção preenchida por completo  1 questionário apresentou a mesma opção de resposta ao longo de uma seção que continha itens reversos os três foram excluídos Os 146 questionários válidos corresponderam a um percentual de resposta de 56%. Tese de Doutorado - Resultados
  • 21. o sexo feminino predominou (76%) e a maior parte dos participantes afirmou ter contato direto com o paciente (84,2%)  Com relação à categoria profissional, aquelas ligadas à Enfermagem (técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e enfermeiros) constituíram a maior parte de profissionais que preencheram o questionário, totalizando 98 (67,1%) 101 (69,2%) concluíram o nível médio 30 (10,5%) concluíram o nível superior, e 10 (6,8%) afirmaram ter grau de instrução inferior ao nível médio de ensino Tese de Doutorado - Resultados Perfil dos participantes
  • 22. Tese de Doutorado - Resultados  Apenas uma dimensão foi classificada como área fortalecida da cultura de segurança entre os profissionais do Hospital X “APRENDIZADO ORGANIZACIONAL – MELHORIA CONTÍNUA” As dimensões da cultura de segurança cujos percentuais de respostas positivas foram mais elevados compreenderam a: - “aprendizado organizacional e melhoria contínua” 75%)“expectativas e ações de promoção de segurança dos supervisores/gerentes” (70%), “apoio da gestão para a segurança do paciente”(67%) Avaliação da cultura de segurança
  • 23. Tese de Doutorado - Resultados Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “aprendizado organizacional - melhoria contínua” (75%), Hospital X, 2012 A6. Estamos ativamente fazendo coisas para melhorar a segurança do paciente. A9. Erros têm levado a mudanças positivas por aqui. A13. Após implementarmos mudanças para melhorar a segurança do paciente, avaliamos a efetividade. 86% 6% 8% a 67% 14% 19% a 72% 19% 9% a Positiva Neutra Negativa
  • 24. Tese de Doutorado - Resultados Três dimensões do nível da unidade/setor apresentaram percentual de respostas positivas baixo, caracterizando áreas frágeis da cultura de segurança as quais merecem atenção:  “adequação de pessoal” (43%)  “abertura da comunicação” (47%) “respostas não punitivas aos erros” (19%) Avaliação da cultura de segurança
  • 25. Tese de Doutorado - Resultados Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “adequação de pessoal” (43%), Hospital X, 2012 Positiva Neutra Negativa A2. Temos profissionais suficientes para dar conta da carga de trabalho. A5R. Nesta unidade, os profissionais trabalham mais horas do que seria o melhor para o cuidado do paciente. A7R. Utilizamos mais profissionais temporários/terceirizados do que seria desejável para o cuidado do paciente. A14R. Nós trabalhamos em “situação de crise”, tentando fazer muito e muito rápido. 31% 15% 53% a 37% 24% 39% a 65% 17% 17% a 38% 25% 38% a
  • 26. Tese de Doutorado - Resultados Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “abertura da comunicação” (47%), Hospital X, 2012 Positiva Neutra Negativa C2. Os profissionais têm liberdade para dizer ao ver algo que pode afetar negativamente o cuidado com o paciente. C4. Os profissionais sentem-se à vontade para questionar as decisões ou ações dos seus superiores. C6R. Os profissionais têm receio de perguntar, quando algo parece não estar certo. 66% 19% 15% a 34% 35% 31% a 72% 19% 9% a
  • 27. Tese de Doutorado - Resultados Distribuição percentual de respostas aos itens da dimensão “respostas não punitivas aos erros” (19%), Hospital X, 2012 Positiva Neutra Negativa A8R. Os profissionais consideram que seus erros podem ser usados contra eles. A12R. Quando um evento é notificado, parece que o foco recai sobre a pessoa e não sobre o problema. A16R. Os profissionais se preocupam que seus erros sejam registrados em suas fichas funcionais. 66% 19% 15% a 34% 35% 31% a 16% 28% 56% a
  • 28. → Carga excessiva de trabalho → Insuficiência de profissionais 38% discordaram trabalhar em “situação de crise” tentando fazer muito e muito rápido Deficiências na adequação de pessoal ocorrência de incidentes de segurança (Sorra & Nieva, 2004; Kho et al., 2005; Hellings et al., 2007) ADEQUAÇÃO DE PESSOAL (43%) Tese de Doutorado - Discussão
  • 29. A cultura de segurança do paciente no Hospital X se apresenta como uma cultura punitiva frente a ocorrência de erros  desencoraja o reconhecimento e o relato do erro pelos profissionais  negligencia informações valiosas  impossibilita a análise das situações e condições que contribuíram para a ocorrência do erro  impede que o erro volte a acontecer Tese de Doutorado – Considerações finais
  • 30. Cultura de segurança do paciente Comportamento clínico de relato de incidentes de segurança (Braithwaite et al., 2010) Redução de eventos adversos( Singer et al., 2009; Mardon et al., 2010) Redução da mortalidade (Estabrooks et al., 2002; Sexton, 2002) O National Quality Forum (Estados Unidos) recomenda a avaliação sistemática da cultura de segurança, feedback aos profissionais de saúde e aplicação de intervenções visando à sua melhoria (Safe practices for better healthcare: a consensus report – 2010)
  • 31. Fortalecimento da cultura de segurança em hospitais o compromisso das lideranças como componente fundamental para difundir a ideia da necessidade de mudança de comportamento e de cultura; esse compromisso requer incorporar os princípios da alta confiabilidade nas declarações da visão e missão da organização, estabelecendo metas mensuráveis para monitorar a sua realização LIDERANÇA
  • 32. Fortalecimento da cultura de segurança em hospitais O trabalho em equipe efetivo é necessário para a segurança do cuidado. Os briefings e debriefings (reuniões pré e pós-realização de uma atividade) e outras ferramentas de trabalho em equipe ajudam a estruturar a comunicação e aumentam a previsibilidade. A cultura de segurança deve envolver três imperativos que se sustentam mutuamente: a confiança, a notificação e a busca contínua por melhoria. TRABALHO EM EQUIPE
  • 33. Fortalecimento da cultura de segurança em hospitais A adoção de ferramentas robustas de processo das quais são exemplo a Lean seis sigma, a análise da causa raiz, e outras que permitem uma abordagem sistemática que envolve a forma confiável de medir a magnitude do problema, identificar suas causas e mensurar a importância de cada causa; encontrar soluções para as causas mais importantes; comprovar a efetividade dessas soluções e implantar programas que assegurem a melhoria contínua ao longo do tempo. Adoção de ferramentas robustas
  • 34. Reis CT, Laguardia J, Martins M. Adaptação transcultural da versão brasileira do Hospital Survey on Patient Safety Culture: etapa inicial. Cad. Saúde Pública 2012; (28)11:2199- 2210. Reis CT. A cultura de segurança do paciente: validação de um instrumento de mensuração para o contexto hospitalar brasileiro [Tese de Doutorado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz; 2013. Versão em português adaptada e validada da Pesquisa sobre cultura de segurança do paciente (HSOPSC) Obrigada! clautartaglia@gmail.com http://proqualis.net/cultura-de-segurança
  • 35. Referências Chassin MR, Loeb JM. The ongoing quality improvement journey: next stop, high reliability. Health Aff 2011; 30(4):559-568. Jha AK, Prasopa-Paizier N, Larizgoitia I, Bates DW. Patient safety research: an overview of the global evidence. Qual Saf Health Care 2010; 19:42-7. Kohn LT, Corrigan JM, Donaldson, MC eds. Committee on Quality in Health Care; Institute of Medicine. To err is human. Building a safer health system. Washington: National Academy Press, 1999. Mendes W, Pavão ALB, Martins M, Moura MLO, Travassos C. Características de eventos adversos evitáveis em hospitais do Rio de Janeiro. Rev Assoc Med Bras, 2013 no prelo. Reis CT. A cultura de segurança do paciente: validação de um instrumento de mensuração para o contexto hospitalar brasileiro [Tese de Doutorado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz; 2013. Reis CT, Laguardia J, Martins M. Adaptação transcultural da versão brasileira do Hospital Survey on Patient Safety Culture: etapa inicial. Cad. Saúde Pública 2012; (28)11:2199-2210.
  • 36. Sorra JS, Nieva VF. Hospital Survey on Patient Safety Culture (Prepared by Westat, under Contract No. 290-96-0004). AHRQ Publication No. 04-0041. Rockville, MD. September 2004. Weaver SJ, Lubomski LH, Wilson RF, Pfoh ER, Martinez KA, Dy SM. Promoting a culture of safety as a patient safety strategy. Annals of Internal Medicine 2013; 158(5):369-375. WHO World Health Organization. World Alliance for Patient Safety. Summary of the evidence on patient safety: implications for research. Sections III e IV (PPS 49-90), 2008. Disponível em http://whqlibdoc.who.int/publications/2008/9789241596541_eng.pdf.