SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
PARADA
CARDIORRESPIRATÓRIA
O QUE É UMA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
Parada cardíaca é o cessar da atividade mecânica
do coração. É um diagnóstico clínico confirmado pela
falta de resposta a estímulos, ausência de pulso
detectável e apneia (ou respirações agônicas).
SINAIS DE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
 Inconsciência;
 Ausência de respiração;
 Ausência de pulso.
Ou seja, as ausências de batimentos cardíacos e
movimentos respiratórios satisfatórios.
FATORES DE RISCO DE SOFRER UM ATAQUE
CARDÍACO
- Fatores de risco que não podem ser mudados:
 Herança genética;
 Sexo (masculino);
 Idade avançada.
- Fatores de risco que podem ser mudados:
 Tabagismo;
 Pressão arterial elevada;
 Níveis elevados de colesterol;
 Inatividade física.
- Fatores contribuintes
 Diabetes;
 Obesidade (IMC > 30);
 Estresse.
 Uso de Drogas ilegais (espasmo de uma artéria
coronária.)
COMO DEVE SER O ATENDIMENTO DE UMA
PCR ?
O primeiro passo do Emergencista antes de iniciar
o atendimento de uma vítima de Parada cardiorrespiratória
deverá ser, a verificação do local onde essa vítima está.
Ele deve observar se o local é seguro para o próprio
emergencista, para a vítima e demais envolvidos no fato. Se
o local é apropriado para o atendimento deste paciente e se
não existem riscos futuros.
Ex.: o risco de um princípio de incêndio em veículo, ou até
mesmo o perigo de ser atropelado pelos carros que ainda
trafegam na via pública.
O ATENDIMENTO
O primeiro passo no atendimento deve ser a
checagem do nível de consciência do paciente.
Seguindo a seguinte sequencia:
 A Está Alerta?
 V Responde ao estímulo Verbal?
 D Reage ao estímulo de Dor?
 I Inconsciente, não responde ou não reage?
Se a vítima estiver inconsciente (desacordada), o
Emergencista deverá checar a sua respiração.
Deve-se observar a inspiração e a expiração do paciente
(ventilação) durante 10 segundos.
Observar se a respiração está anormal ou ausente.
Se o emergencista verificar que a vítima não responde e
não está respirando ou apresenta respiração anormal
(GASPING agônico), deve-se verificar o pulso.
adulto/criança
lactente
Se durante 10 segundo ele não conseguir sentir
pulso, ele deverá acionar o Suporte Avançado de
Vida ou ajuda especializada. E iniciar RCP.
PONTOS DE COMPRESSÕES DE RCP
Ao detectar uma parada cardíaca, deve-se
proceder a compressões torácicas, de acordo com o
seguinte procedimento:
 Adulto/Criança: dois dedos acima do processo xifoide
 Lactente: um dedo abaixo da linha imaginária, entre os
mamilos.
RCP (30 compressões torácicas X 2 ventilações)
5 ciclos completos
Muitas vezes o Emergencista fica com receito em realizar
as insuflações boca-boca ou boca-máscara ou por não
conhecer a vítima ou por não ter o conhecimento prático.
Neste caso, ele pode adotar somente o procedimento de
massagem cardíaca externa, pois mesmo sem as
insuflações a vítima ainda possui uma reserva de oxigênio
em seus pulmões, o que será “suficiente” para o seu
metabolismo celular.
Como ele irá apenas massagear, ele deverá realizar o ciclo
de massagens durante os dois minutos, sem pausas. E
após dois minutos, ele deverá checar pulso e respiração do
paciente.
INICIANDO E TERMINANDO A TÉCNICA DE RCP
Uma vez iniciada a técnica de RCP, deve-se mantê-la
até que:
1. Se retorne a circulação (continuar com a ventilação
artificial);
1. Se retorne a circulação e ventilação espontâneas;
2. Pessoal mais capacitado que você o substitua;
3. Você não possa continuar com o procedimento por se
encontrar exausto.
COMPLICAÇÕES POR MANOBRAS
INADEQUADAS DE RCP
 O paciente não está sobre uma superfície rígida:
as compressões são ineficazes.
 O paciente não está em posição horizontal: caso a
cabeça do paciente esteja mais alta do que o resto
do corpo, ocorrerá um fluxo insuficiente de sangue ao
cérebro.
 Não se executa adequadamente a manobra de
extensão da cabeça.
 Se a técnica de RCP for interrompida, existe alto
risco de lesão cerebral irreversível.
 Compressões muito profundas ou muito rápidas:
não há impulsão adequada do volume sanguíneo.
 Colocação inadequada das mãos ou compressão
em local incorreto: costelas fraturadas; esterno
fraturado; laceração do fígado, baço, pulmões; o
coração tem a pleura lesionada como resultado
das costelas fraturadas.
EXEMPLOS ERRADOS DE MASSAGEM
DÚVIDAS ?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Atendimento a PCR
Atendimento a PCRAtendimento a PCR
Atendimento a PCR
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdfREANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR-RCP.pdf
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Primeiros Socorros - Afogamento
Primeiros Socorros - AfogamentoPrimeiros Socorros - Afogamento
Primeiros Socorros - Afogamento
 
Novas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHANovas Diretrizes PCR - AHA
Novas Diretrizes PCR - AHA
 
Aula primeiros socorros
Aula primeiros socorrosAula primeiros socorros
Aula primeiros socorros
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada  Cardiorrespiratória - Suporte BásicoParada  Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
MINICURSO EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
MINICURSO EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONARMINICURSO EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
MINICURSO EM REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
 

Destaque

Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 
Parada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRiaParada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRia
Santos de Castro
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratória
Joziane Brunelli
 
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFACReanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
herikorocha
 
晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮
family
 
Rcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva gaRcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva ga
luisgtrpc
 

Destaque (20)

Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
PCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada CardiorrespiratóriaPCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada Cardiorrespiratória
 
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
 
Parada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRiaParada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRia
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
 
Parada cardiaca
Parada cardiacaParada cardiaca
Parada cardiaca
 
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratória
 
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
 
B.L.S para leigos
B.L.S para leigosB.L.S para leigos
B.L.S para leigos
 
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFACReanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
 
PCR-SlideShare
PCR-SlideSharePCR-SlideShare
PCR-SlideShare
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮
 
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca
Ataque Cardíaco e Parada CardiacaAtaque Cardíaco e Parada Cardiaca
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca
 
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
 
Rcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva gaRcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva ga
 

Semelhante a Parada Cardiorrespiratória

Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
marceloteacher
 
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aphaph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
DevidBruce
 
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurançaSlide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
DevidBruce
 
Suporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatriaSuporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatria
FlaviaMota33
 
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
ElioenaiAlmeida1
 
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10   Primeiros SocorrosMóDulo Ii Nr 10   Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
Santos de Castro
 

Semelhante a Parada Cardiorrespiratória (20)

Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
 
SBV
SBVSBV
SBV
 
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistoliaSuporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
 
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aphaph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
 
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurançaSlide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
Suporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologiaSuporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologia
 
Primeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civilPrimeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civil
 
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
 
SBV.Patologia
SBV.PatologiaSBV.Patologia
SBV.Patologia
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
slide-sbv.pptx
slide-sbv.pptxslide-sbv.pptx
slide-sbv.pptx
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Suporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatriaSuporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatria
 
Mercredi pcr
Mercredi pcrMercredi pcr
Mercredi pcr
 
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdfAula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
 
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
 
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10   Primeiros SocorrosMóDulo Ii Nr 10   Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 

Parada Cardiorrespiratória

  • 2. O QUE É UMA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Parada cardíaca é o cessar da atividade mecânica do coração. É um diagnóstico clínico confirmado pela falta de resposta a estímulos, ausência de pulso detectável e apneia (ou respirações agônicas).
  • 3. SINAIS DE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA  Inconsciência;  Ausência de respiração;  Ausência de pulso. Ou seja, as ausências de batimentos cardíacos e movimentos respiratórios satisfatórios.
  • 4. FATORES DE RISCO DE SOFRER UM ATAQUE CARDÍACO - Fatores de risco que não podem ser mudados:  Herança genética;  Sexo (masculino);  Idade avançada. - Fatores de risco que podem ser mudados:  Tabagismo;  Pressão arterial elevada;  Níveis elevados de colesterol;  Inatividade física.
  • 5. - Fatores contribuintes  Diabetes;  Obesidade (IMC > 30);  Estresse.  Uso de Drogas ilegais (espasmo de uma artéria coronária.)
  • 6. COMO DEVE SER O ATENDIMENTO DE UMA PCR ? O primeiro passo do Emergencista antes de iniciar o atendimento de uma vítima de Parada cardiorrespiratória deverá ser, a verificação do local onde essa vítima está. Ele deve observar se o local é seguro para o próprio emergencista, para a vítima e demais envolvidos no fato. Se o local é apropriado para o atendimento deste paciente e se não existem riscos futuros. Ex.: o risco de um princípio de incêndio em veículo, ou até mesmo o perigo de ser atropelado pelos carros que ainda trafegam na via pública.
  • 7. O ATENDIMENTO O primeiro passo no atendimento deve ser a checagem do nível de consciência do paciente. Seguindo a seguinte sequencia:  A Está Alerta?  V Responde ao estímulo Verbal?  D Reage ao estímulo de Dor?  I Inconsciente, não responde ou não reage?
  • 8. Se a vítima estiver inconsciente (desacordada), o Emergencista deverá checar a sua respiração. Deve-se observar a inspiração e a expiração do paciente (ventilação) durante 10 segundos. Observar se a respiração está anormal ou ausente.
  • 9. Se o emergencista verificar que a vítima não responde e não está respirando ou apresenta respiração anormal (GASPING agônico), deve-se verificar o pulso. adulto/criança lactente
  • 10. Se durante 10 segundo ele não conseguir sentir pulso, ele deverá acionar o Suporte Avançado de Vida ou ajuda especializada. E iniciar RCP.
  • 11. PONTOS DE COMPRESSÕES DE RCP Ao detectar uma parada cardíaca, deve-se proceder a compressões torácicas, de acordo com o seguinte procedimento:  Adulto/Criança: dois dedos acima do processo xifoide  Lactente: um dedo abaixo da linha imaginária, entre os mamilos.
  • 12.
  • 13. RCP (30 compressões torácicas X 2 ventilações) 5 ciclos completos
  • 14.
  • 15. Muitas vezes o Emergencista fica com receito em realizar as insuflações boca-boca ou boca-máscara ou por não conhecer a vítima ou por não ter o conhecimento prático. Neste caso, ele pode adotar somente o procedimento de massagem cardíaca externa, pois mesmo sem as insuflações a vítima ainda possui uma reserva de oxigênio em seus pulmões, o que será “suficiente” para o seu metabolismo celular. Como ele irá apenas massagear, ele deverá realizar o ciclo de massagens durante os dois minutos, sem pausas. E após dois minutos, ele deverá checar pulso e respiração do paciente.
  • 16. INICIANDO E TERMINANDO A TÉCNICA DE RCP Uma vez iniciada a técnica de RCP, deve-se mantê-la até que: 1. Se retorne a circulação (continuar com a ventilação artificial); 1. Se retorne a circulação e ventilação espontâneas; 2. Pessoal mais capacitado que você o substitua; 3. Você não possa continuar com o procedimento por se encontrar exausto.
  • 17. COMPLICAÇÕES POR MANOBRAS INADEQUADAS DE RCP  O paciente não está sobre uma superfície rígida: as compressões são ineficazes.  O paciente não está em posição horizontal: caso a cabeça do paciente esteja mais alta do que o resto do corpo, ocorrerá um fluxo insuficiente de sangue ao cérebro.  Não se executa adequadamente a manobra de extensão da cabeça.  Se a técnica de RCP for interrompida, existe alto risco de lesão cerebral irreversível.
  • 18.  Compressões muito profundas ou muito rápidas: não há impulsão adequada do volume sanguíneo.  Colocação inadequada das mãos ou compressão em local incorreto: costelas fraturadas; esterno fraturado; laceração do fígado, baço, pulmões; o coração tem a pleura lesionada como resultado das costelas fraturadas.
  • 20.