SlideShare uma empresa Scribd logo
PARADA
CARDIORRESPIRATÓRIA
O QUE É UMA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
Parada cardíaca é o cessar da atividade mecânica
do coração. É um diagnóstico clínico confirmado pela
falta de resposta a estímulos, ausência de pulso
detectável e apneia (ou respirações agônicas).
SINAIS DE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA
 Inconsciência;
 Ausência de respiração;
 Ausência de pulso.
Ou seja, as ausências de batimentos cardíacos e
movimentos respiratórios satisfatórios.
FATORES DE RISCO DE SOFRER UM ATAQUE
CARDÍACO
- Fatores de risco que não podem ser mudados:
 Herança genética;
 Sexo (masculino);
 Idade avançada.
- Fatores de risco que podem ser mudados:
 Tabagismo;
 Pressão arterial elevada;
 Níveis elevados de colesterol;
 Inatividade física.
- Fatores contribuintes
 Diabetes;
 Obesidade (IMC > 30);
 Estresse.
 Uso de Drogas ilegais (espasmo de uma artéria
coronária.)
COMO DEVE SER O ATENDIMENTO DE UMA
PCR ?
O primeiro passo do Emergencista antes de iniciar
o atendimento de uma vítima de Parada cardiorrespiratória
deverá ser, a verificação do local onde essa vítima está.
Ele deve observar se o local é seguro para o próprio
emergencista, para a vítima e demais envolvidos no fato. Se
o local é apropriado para o atendimento deste paciente e se
não existem riscos futuros.
Ex.: o risco de um princípio de incêndio em veículo, ou até
mesmo o perigo de ser atropelado pelos carros que ainda
trafegam na via pública.
O ATENDIMENTO
O primeiro passo no atendimento deve ser a
checagem do nível de consciência do paciente.
Seguindo a seguinte sequencia:
 A Está Alerta?
 V Responde ao estímulo Verbal?
 D Reage ao estímulo de Dor?
 I Inconsciente, não responde ou não reage?
Se a vítima estiver inconsciente (desacordada), o
Emergencista deverá checar a sua respiração.
Deve-se observar a inspiração e a expiração do paciente
(ventilação) durante 10 segundos.
Observar se a respiração está anormal ou ausente.
Se o emergencista verificar que a vítima não responde e
não está respirando ou apresenta respiração anormal
(GASPING agônico), deve-se verificar o pulso.
adulto/criança
lactente
Se durante 10 segundo ele não conseguir sentir
pulso, ele deverá acionar o Suporte Avançado de
Vida ou ajuda especializada. E iniciar RCP.
PONTOS DE COMPRESSÕES DE RCP
Ao detectar uma parada cardíaca, deve-se
proceder a compressões torácicas, de acordo com o
seguinte procedimento:
 Adulto/Criança: dois dedos acima do processo xifoide
 Lactente: um dedo abaixo da linha imaginária, entre os
mamilos.
RCP (30 compressões torácicas X 2 ventilações)
5 ciclos completos
Muitas vezes o Emergencista fica com receito em realizar
as insuflações boca-boca ou boca-máscara ou por não
conhecer a vítima ou por não ter o conhecimento prático.
Neste caso, ele pode adotar somente o procedimento de
massagem cardíaca externa, pois mesmo sem as
insuflações a vítima ainda possui uma reserva de oxigênio
em seus pulmões, o que será “suficiente” para o seu
metabolismo celular.
Como ele irá apenas massagear, ele deverá realizar o ciclo
de massagens durante os dois minutos, sem pausas. E
após dois minutos, ele deverá checar pulso e respiração do
paciente.
INICIANDO E TERMINANDO A TÉCNICA DE RCP
Uma vez iniciada a técnica de RCP, deve-se mantê-la
até que:
1. Se retorne a circulação (continuar com a ventilação
artificial);
1. Se retorne a circulação e ventilação espontâneas;
2. Pessoal mais capacitado que você o substitua;
3. Você não possa continuar com o procedimento por se
encontrar exausto.
COMPLICAÇÕES POR MANOBRAS
INADEQUADAS DE RCP
 O paciente não está sobre uma superfície rígida:
as compressões são ineficazes.
 O paciente não está em posição horizontal: caso a
cabeça do paciente esteja mais alta do que o resto
do corpo, ocorrerá um fluxo insuficiente de sangue ao
cérebro.
 Não se executa adequadamente a manobra de
extensão da cabeça.
 Se a técnica de RCP for interrompida, existe alto
risco de lesão cerebral irreversível.
 Compressões muito profundas ou muito rápidas:
não há impulsão adequada do volume sanguíneo.
 Colocação inadequada das mãos ou compressão
em local incorreto: costelas fraturadas; esterno
fraturado; laceração do fígado, baço, pulmões; o
coração tem a pleura lesionada como resultado
das costelas fraturadas.
EXEMPLOS ERRADOS DE MASSAGEM
DÚVIDAS ?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
resenfe2013
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
ernandesrodriguesdasilva
 
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópiaParada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Obomdavida Obomdavida
 
Pcr
PcrPcr
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
Wellington Moreira Ribeiro
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
Zeca Ribeiro
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
EnfermeiraLuciana1
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
Mauricio Cesar Soares
 
aulapronto-socorro
 aulapronto-socorro  aulapronto-socorro
aulapronto-socorro
Gabriela Bragagnollo
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
MirnaKathary1
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Primeiros Socorros - intoxicação
Primeiros Socorros - intoxicaçãoPrimeiros Socorros - intoxicação
Primeiros Socorros - intoxicação
Luis Antonio Cezar Junior
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Paula Oliveira
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
Gitomazi
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
elisangela messias
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Suporte Básico Vida
Suporte Básico VidaSuporte Básico Vida
Suporte Básico Vida
Professor Robson
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
Renata Nobre
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 

Mais procurados (20)

Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar Ressuscitação Cardiopulmonar
Ressuscitação Cardiopulmonar
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
 
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópiaParada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Primeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBVPrimeiros socorros SBV
Primeiros socorros SBV
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
aulapronto-socorro
 aulapronto-socorro  aulapronto-socorro
aulapronto-socorro
 
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptxEnfermagem clínica SLIDE.pptx
Enfermagem clínica SLIDE.pptx
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Primeiros Socorros - intoxicação
Primeiros Socorros - intoxicaçãoPrimeiros Socorros - intoxicação
Primeiros Socorros - intoxicação
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
Ovace
OvaceOvace
Ovace
 
Imobilização
ImobilizaçãoImobilização
Imobilização
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Suporte Básico Vida
Suporte Básico VidaSuporte Básico Vida
Suporte Básico Vida
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 

Destaque

PCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada CardiorrespiratóriaPCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada Cardiorrespiratória
Renato Pereira da Costa
 
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Antonio Souto
 
Parada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRiaParada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRia
Santos de Castro
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
Francismar Prestes Leal
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
Marco Aguiar
 
Parada cardiaca
Parada cardiacaParada cardiaca
Parada cardiaca
Anestesiador
 
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
PortalEnf Empregos
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratória
Joziane Brunelli
 
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Marina Sousa
 
B.L.S para leigos
B.L.S para leigosB.L.S para leigos
B.L.S para leigos
marceloandradeenf
 
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFACReanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
herikorocha
 
PCR-SlideShare
PCR-SlideSharePCR-SlideShare
PCR-SlideShare
Anshika Bansal
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Paulo Sérgio
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮family
 
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca
Ataque Cardíaco e Parada CardiacaAtaque Cardíaco e Parada Cardiaca
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca
Cidio Halperin
 
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
Wesla Campos
 
Rcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva gaRcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva ga
luisgtrpc
 
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte Subita
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte SubitaAtaque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte Subita
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte Subita
Cidio Halperin
 

Destaque (20)

PCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada CardiorrespiratóriaPCR- Parada Cardiorrespiratória
PCR- Parada Cardiorrespiratória
 
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
 
Parada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRiaParada Cardio RespiratóRia
Parada Cardio RespiratóRia
 
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
RCP - Suporte Básico de Vida (2014)
 
Parada cardíaca
Parada cardíacaParada cardíaca
Parada cardíaca
 
Parada cardiaca
Parada cardiacaParada cardiaca
Parada cardiaca
 
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
2015 aha-guidelines-highlights-portuguese
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratória
 
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
 
B.L.S para leigos
B.L.S para leigosB.L.S para leigos
B.L.S para leigos
 
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFACReanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
Reanimação Cardiopulmonar LEUC-UFAC
 
PCR-SlideShare
PCR-SlideSharePCR-SlideShare
PCR-SlideShare
 
Suporte básico de vida
Suporte básico de vidaSuporte básico de vida
Suporte básico de vida
 
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010Principais mudanças no protocolo RCP 2010
Principais mudanças no protocolo RCP 2010
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮晶華酒店潘思亮
晶華酒店潘思亮
 
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca
Ataque Cardíaco e Parada CardiacaAtaque Cardíaco e Parada Cardiaca
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca
 
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
RCP ( Reanimação Cardio Pulmonar ) .
 
Rcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva gaRcp basica nenos interactiva ga
Rcp basica nenos interactiva ga
 
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte Subita
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte SubitaAtaque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte Subita
Ataque Cardíaco e Parada Cardiaca: Morte Subita
 

Semelhante a Parada Cardiorrespiratória

Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
SterSoares1
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
marceloteacher
 
SBV
SBVSBV
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistoliaSuporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
Daniel Valente
 
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aphaph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
DevidBruce
 
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurançaSlide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
DevidBruce
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
Rui Amorim
 
Suporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologiaSuporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologia
Daniel Valente
 
Primeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civilPrimeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civil
Marco Antonio Correia Viana
 
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Sallus Consultoria e Treinamento em Saúde
 
SBV.Patologia
SBV.PatologiaSBV.Patologia
SBV.Patologia
ScotchMan
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Instrutor Alessandro Leal
 
slide-sbv.pptx
slide-sbv.pptxslide-sbv.pptx
slide-sbv.pptx
JhivagoOliveira
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
Felipe Mago
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Emerson Silva
 
Suporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatriaSuporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatria
FlaviaMota33
 
Mercredi pcr
Mercredi pcrMercredi pcr
Mercredi pcr
ctisaolucascopacabana
 
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdfAula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
ontimiza
 
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
ElioenaiAlmeida1
 
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10   Primeiros SocorrosMóDulo Ii Nr 10   Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
Santos de Castro
 

Semelhante a Parada Cardiorrespiratória (20)

Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdfSlide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
Slide Primeiros Socorros - Profª Carol.pdf
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
 
SBV
SBVSBV
SBV
 
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistoliaSuporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
Suporte avançado de vida em cardiologia aesp e assistolia
 
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aphaph socorrista técnico de enfermagem, aph
aph socorrista técnico de enfermagem, aph
 
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurançaSlide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
Slide Primeiro Socorrros. aph técnico de segurança
 
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
PCR - PARADDA CARDIORESPIRATORIA / universidade
 
Suporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologiaSuporte avançado de vida em cardiologia
Suporte avançado de vida em cardiologia
 
Primeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civilPrimeiros socorrosbombeiro civil
Primeiros socorrosbombeiro civil
 
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
 
SBV.Patologia
SBV.PatologiaSBV.Patologia
SBV.Patologia
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
slide-sbv.pptx
slide-sbv.pptxslide-sbv.pptx
slide-sbv.pptx
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Suporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatriaSuporte basico de vida em pediatria
Suporte basico de vida em pediatria
 
Mercredi pcr
Mercredi pcrMercredi pcr
Mercredi pcr
 
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdfAula 5 Primeiros Socorros.pdf
Aula 5 Primeiros Socorros.pdf
 
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
5- Parada cardiorrespiratória (PCR), Suporte básico de vida (DEA)
 
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10   Primeiros SocorrosMóDulo Ii Nr 10   Primeiros Socorros
MóDulo Ii Nr 10 Primeiros Socorros
 

Último

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Parada Cardiorrespiratória

  • 2. O QUE É UMA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Parada cardíaca é o cessar da atividade mecânica do coração. É um diagnóstico clínico confirmado pela falta de resposta a estímulos, ausência de pulso detectável e apneia (ou respirações agônicas).
  • 3. SINAIS DE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA  Inconsciência;  Ausência de respiração;  Ausência de pulso. Ou seja, as ausências de batimentos cardíacos e movimentos respiratórios satisfatórios.
  • 4. FATORES DE RISCO DE SOFRER UM ATAQUE CARDÍACO - Fatores de risco que não podem ser mudados:  Herança genética;  Sexo (masculino);  Idade avançada. - Fatores de risco que podem ser mudados:  Tabagismo;  Pressão arterial elevada;  Níveis elevados de colesterol;  Inatividade física.
  • 5. - Fatores contribuintes  Diabetes;  Obesidade (IMC > 30);  Estresse.  Uso de Drogas ilegais (espasmo de uma artéria coronária.)
  • 6. COMO DEVE SER O ATENDIMENTO DE UMA PCR ? O primeiro passo do Emergencista antes de iniciar o atendimento de uma vítima de Parada cardiorrespiratória deverá ser, a verificação do local onde essa vítima está. Ele deve observar se o local é seguro para o próprio emergencista, para a vítima e demais envolvidos no fato. Se o local é apropriado para o atendimento deste paciente e se não existem riscos futuros. Ex.: o risco de um princípio de incêndio em veículo, ou até mesmo o perigo de ser atropelado pelos carros que ainda trafegam na via pública.
  • 7. O ATENDIMENTO O primeiro passo no atendimento deve ser a checagem do nível de consciência do paciente. Seguindo a seguinte sequencia:  A Está Alerta?  V Responde ao estímulo Verbal?  D Reage ao estímulo de Dor?  I Inconsciente, não responde ou não reage?
  • 8. Se a vítima estiver inconsciente (desacordada), o Emergencista deverá checar a sua respiração. Deve-se observar a inspiração e a expiração do paciente (ventilação) durante 10 segundos. Observar se a respiração está anormal ou ausente.
  • 9. Se o emergencista verificar que a vítima não responde e não está respirando ou apresenta respiração anormal (GASPING agônico), deve-se verificar o pulso. adulto/criança lactente
  • 10. Se durante 10 segundo ele não conseguir sentir pulso, ele deverá acionar o Suporte Avançado de Vida ou ajuda especializada. E iniciar RCP.
  • 11. PONTOS DE COMPRESSÕES DE RCP Ao detectar uma parada cardíaca, deve-se proceder a compressões torácicas, de acordo com o seguinte procedimento:  Adulto/Criança: dois dedos acima do processo xifoide  Lactente: um dedo abaixo da linha imaginária, entre os mamilos.
  • 12.
  • 13. RCP (30 compressões torácicas X 2 ventilações) 5 ciclos completos
  • 14.
  • 15. Muitas vezes o Emergencista fica com receito em realizar as insuflações boca-boca ou boca-máscara ou por não conhecer a vítima ou por não ter o conhecimento prático. Neste caso, ele pode adotar somente o procedimento de massagem cardíaca externa, pois mesmo sem as insuflações a vítima ainda possui uma reserva de oxigênio em seus pulmões, o que será “suficiente” para o seu metabolismo celular. Como ele irá apenas massagear, ele deverá realizar o ciclo de massagens durante os dois minutos, sem pausas. E após dois minutos, ele deverá checar pulso e respiração do paciente.
  • 16. INICIANDO E TERMINANDO A TÉCNICA DE RCP Uma vez iniciada a técnica de RCP, deve-se mantê-la até que: 1. Se retorne a circulação (continuar com a ventilação artificial); 1. Se retorne a circulação e ventilação espontâneas; 2. Pessoal mais capacitado que você o substitua; 3. Você não possa continuar com o procedimento por se encontrar exausto.
  • 17. COMPLICAÇÕES POR MANOBRAS INADEQUADAS DE RCP  O paciente não está sobre uma superfície rígida: as compressões são ineficazes.  O paciente não está em posição horizontal: caso a cabeça do paciente esteja mais alta do que o resto do corpo, ocorrerá um fluxo insuficiente de sangue ao cérebro.  Não se executa adequadamente a manobra de extensão da cabeça.  Se a técnica de RCP for interrompida, existe alto risco de lesão cerebral irreversível.
  • 18.  Compressões muito profundas ou muito rápidas: não há impulsão adequada do volume sanguíneo.  Colocação inadequada das mãos ou compressão em local incorreto: costelas fraturadas; esterno fraturado; laceração do fígado, baço, pulmões; o coração tem a pleura lesionada como resultado das costelas fraturadas.
  • 20.