SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho realizado por: Ana Rita nº4
Catarina nº6
Inês nº11
Sónia nº26
Fazer Acontecer
Acção/Reacção Sofre
Intervenção Sem intervenção
Agente Agido
Actor Receptor
Activo Passivo
Fazer
Derivado do Acontecer
Involuntário - Reacção
Voluntário - Acção
 1) O que é isso da consciência?
- É um estado mental de vigília. É ter noção da
acção a realizar (intenção) e das respectivas
consequências.
- Acção só é considerada acção quando feita
com consciência.
-“Será que devo agir assim?”
 2) O que é isso da intenção?
- A intenção é o que o agente pretende fazer.
- Uma verdadeira acção humana é sempre uma
acção intencional , logo significa que há um
objectivo ou um propósito.
“O quê?”
 3) O que é isso de vontade?
- A vontade é a capacidade racional de
decisão, ou seja, a capacidade de responder
sim mas também responder não quando é
necessário. A vontade influencia a intenção
pois para esta existir é preciso que o agente
tenha vontade de a realizar.
Livre
Autónoma
Racional
Poder de decisão/ execução
 Como distinguir vontade de desejo?
- O desejo é um impulso espontâneo que
produz um comportamento capaz de
satisfazer uma necessidade. É de natureza
psico-fisiológica, com conotações
emocionais. O agente tomando consciência
dele pode negá-lo ou não.
- Se o agente consegue negá-lo estamos
perante uma acção humana. E por isso a
vontade irá depois influenciar a decisão
final.
 4) O que é a decisão e a deliberação?
- Deliberação é o processo de reflexão sobre o
que iremos decidir.
- A decisão é a escolha de alternativas
possíveis em função de determinadas razões.
 5) O que é isso do motivo? Como podemos
distinguir motivo de causa?
- O motivo é a razão invocada para tornar a acção
intencional compreensível e racionalizável tanto
para o agente como para os outros.
- O que leva à acção, o que impulsiona. Responde
ao “porquê?” e por isso justifica e explica a
acção.
- Se o agente poder negar o desejo dá origem a
um motivo, se não poder negá-lo dá origem a
uma causa.
 As condicionantes da acção humana, ao mesmo
tempo que a limitam, também lhe abrem um
horizonte de possibilidades, assumindo-se deste
modo, como condições do próprio agir. Mas,
quando a nossa intenção é muito forte não
olhamos a meios para atingir os fins.
 Ex: Existem nadadores que apesar das suas
condicionantes físicas (sem braços, sem
pernas…) continuam a seguir o seu sonho de
nadar profissionalmente.
 A acção humana é todo o comportamento humano que altera a
realidade de forma intencional, consciente e voluntária. São
actos que o homem controla. São consideradas acções porque
implicam liberdade. Assim, podemos concluir que o fazer é uma
acção humana pois o agente está activo e intervém na acção.
Muitas das coisas que acontecem no mundo não podem
consideradas acções humanas. Tal significa que o homem não é
a sua causa, isto é, não interfere nem controla tais
acontecimentos ou eventos.
 A acção humana implica escolha e, por isso, é sempre motivada
e intencional, ou seja, há ou houve um motivo/ razão para agir
daquele modo e não de outro.
 Falasse de acção humana porque ela é própria do homem e
apenas do Homem. Os animais não são sujeitos da acção,
actuam por instinto, não agem, apenas reagem ao meio de
acordo com as suas necessidades e condicionalismos biológicos.
 A acção humana é sempre intencional, voluntária e consciente,
logo explica-se através de um motivo, exige um agente
responsável que realiza uma deliberação correcta e uma
posterior decisão, implica a existência de um projecto/
intenção e é sempre limitada e possibilitada pelas
condicionantes.
 Falasse da acção humana porque ela é própria do
homem e apenas do Homem. Os animais não são
sujeitos da acção, actuam por instinto, que é um
padrão fixo de comportamentos da espécie, não
agem, apenas reagem ao meio de acordo com as
suas necessidades e condicionalismos biológicos.
Podemos assim afirmar que têm uma natureza
dada.
 Ao contrário dos animais o ser humano nasce
indeterminado, logo a cultura exercida pela
sociedade humana realizada através de
experiências e acções irão dar-lhe autonomia,
capacidade de escolha, poder de decisão e poder
de agir. Podemos assim afirmar que o homem
tem uma natureza adquirida.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
Isabel Moura
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
Filazambuja
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
InesTeixeiraDuarte
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
Isabel Moura
 
Iniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaIniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosófica
Filazambuja
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
InesTeixeiraDuarte
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
pauloricardom
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
Otávio Augusto Padilha
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Mariana Monteiro
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
O Libertismo
O LibertismoO Libertismo
O Libertismo
filipa costa
 
Hume
HumeHume
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
Helena Serrão
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Rafael Cristino
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
Jorge Lopes
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 

Mais procurados (20)

Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
Comparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de millComparação entre as éticas de kant e de mill
Comparação entre as éticas de kant e de mill
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Iniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosóficaIniciação à atividade filosófica
Iniciação à atividade filosófica
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
Filosofia 10ºano 1ºperiodo (resumos)
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
O Libertismo
O LibertismoO Libertismo
O Libertismo
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de Kant
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 

Destaque

Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
Isaque Tomé
 
Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os Valores
Jorge Barbosa
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
Luis De Sousa Rodrigues
 
Acção Humana
Acção HumanaAcção Humana
Acção Humana
Jorge Barbosa
 
A rede conceptual da ação
A rede conceptual da açãoA rede conceptual da ação
A rede conceptual da ação
Manuel Oliveira
 
Conceitos ação
Conceitos açãoConceitos ação
Conceitos ação
Filazambuja
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Daniela Matos
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
António Padrão
 
Disciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofiaDisciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofia
Filazambuja
 
Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1
escola sec./3 Latino Coelho
 
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
O que é a filosofia   os problemas filosóficos.O que é a filosofia   os problemas filosóficos.
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ficha de apoio rede conceptual da acção 10º ano
Ficha de apoio rede conceptual  da acção 10º anoFicha de apoio rede conceptual  da acção 10º ano
Ficha de apoio rede conceptual da acção 10º ano
Julia Martins
 
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
Universidade Católica Portuguesa
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
AMLDRP
 
Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosófico
nanasimao
 
O que são ações
O que são açõesO que são ações
O que são ações
simuladocontabil
 
Filosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisFilosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações Iniciais
Jorge Barbosa
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Raffaella Ergün
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
Luis De Sousa Rodrigues
 
Oral de português
Oral de portuguêsOral de português
Oral de português
010693
 

Destaque (20)

Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1Ação humana - trabalho 1
Ação humana - trabalho 1
 
Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os Valores
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
 
Acção Humana
Acção HumanaAcção Humana
Acção Humana
 
A rede conceptual da ação
A rede conceptual da açãoA rede conceptual da ação
A rede conceptual da ação
 
Conceitos ação
Conceitos açãoConceitos ação
Conceitos ação
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
 
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
A filosofia e a sua dimensão discursiva - conceitos e definições (10.º ano - ...
 
Disciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofiaDisciplinas areas da filosofia
Disciplinas areas da filosofia
 
Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1
 
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
O que é a filosofia   os problemas filosóficos.O que é a filosofia   os problemas filosóficos.
O que é a filosofia os problemas filosóficos.
 
Ficha de apoio rede conceptual da acção 10º ano
Ficha de apoio rede conceptual  da acção 10º anoFicha de apoio rede conceptual  da acção 10º ano
Ficha de apoio rede conceptual da acção 10º ano
 
Guião ensaio filosófico
Guião ensaio filosóficoGuião ensaio filosófico
Guião ensaio filosófico
 
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA... ENSAIO FILOSÓFICO  - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
ENSAIO FILOSÓFICO - SERÁ QUE OS ANIMAIS NÃO HUMANOS SÃO DIGNOS DE CONSIDERA...
 
Ensaio Filosófico
Ensaio FilosóficoEnsaio Filosófico
Ensaio Filosófico
 
O que são ações
O que são açõesO que são ações
O que são ações
 
Filosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisFilosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações Iniciais
 
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
Resumos 10º ano - Economia A (3ªa parte)
 
Liberdade e determinismo
Liberdade  e determinismoLiberdade  e determinismo
Liberdade e determinismo
 
Oral de português
Oral de portuguêsOral de português
Oral de português
 

Semelhante a Acção humana - Filosofia

Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01
Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01
Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01
Raphael De Jesus
 
Acção Humana - Comportamento animal
Acção Humana - Comportamento animalAcção Humana - Comportamento animal
Acção Humana - Comportamento animal
Suzete Brito
 
Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666
Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666
Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666
MikeMicas
 
Liberdade na ação humana
Liberdade na ação humanaLiberdade na ação humana
Liberdade na ação humana
AidaCunha73
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Maria Freitas
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Fátima Teixeira Kika
 
Acção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementaresAcção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementares
beatriz9911
 
Filosofia resumos
Filosofia resumosFilosofia resumos
Filosofia resumos
apdelgada
 
Intermedio
IntermedioIntermedio
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Leonidia Afm
 
Açao.rede.conc.PPT
Açao.rede.conc.PPTAçao.rede.conc.PPT
Açao.rede.conc.PPT
Lurdes Sousa
 
4. planejamento e avaliação na escola
4. planejamento e avaliação na escola4. planejamento e avaliação na escola
4. planejamento e avaliação na escola
Claudio Lima
 
A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1
Leonidia Afm
 
Ação humana power point
Ação humana power pointAção humana power point
Ação humana power point
Fátima Teixeira Kika
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
Manuela Santos
 
Livre arbítrio
Livre arbítrioLivre arbítrio
Livre arbítrio
Helena Serrão
 
Powerpoint reg. corrigido
Powerpoint reg.   corrigidoPowerpoint reg.   corrigido
Powerpoint reg. corrigido
j_sdias
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Joyce Cardoso
 
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Isabel Moura
 
Dimensão da Práxis, as dimensões da vida humana
Dimensão da Práxis, as dimensões da vida humanaDimensão da Práxis, as dimensões da vida humana
Dimensão da Práxis, as dimensões da vida humana
EulerLousada1
 

Semelhante a Acção humana - Filosofia (20)

Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01
Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01
Acohumana filosofia-101111053347-phpapp01
 
Acção Humana - Comportamento animal
Acção Humana - Comportamento animalAcção Humana - Comportamento animal
Acção Humana - Comportamento animal
 
Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666
Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666
Conceito de ação.pdf66666666666666666666666666
 
Liberdade na ação humana
Liberdade na ação humanaLiberdade na ação humana
Liberdade na ação humana
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
 
Acção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementaresAcção humana textoscomplementares
Acção humana textoscomplementares
 
Filosofia resumos
Filosofia resumosFilosofia resumos
Filosofia resumos
 
Intermedio
IntermedioIntermedio
Intermedio
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
 
Açao.rede.conc.PPT
Açao.rede.conc.PPTAçao.rede.conc.PPT
Açao.rede.conc.PPT
 
4. planejamento e avaliação na escola
4. planejamento e avaliação na escola4. planejamento e avaliação na escola
4. planejamento e avaliação na escola
 
A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1A ação humana (issuu)1
A ação humana (issuu)1
 
Ação humana power point
Ação humana power pointAção humana power point
Ação humana power point
 
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana   a sua natureza e as suas condicionantesA acção humana   a sua natureza e as suas condicionantes
A acção humana a sua natureza e as suas condicionantes
 
Livre arbítrio
Livre arbítrioLivre arbítrio
Livre arbítrio
 
Powerpoint reg. corrigido
Powerpoint reg.   corrigidoPowerpoint reg.   corrigido
Powerpoint reg. corrigido
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_anoSeb filosofia 11_resumos_10_ano
Seb filosofia 11_resumos_10_ano
 
Dimensão da Práxis, as dimensões da vida humana
Dimensão da Práxis, as dimensões da vida humanaDimensão da Práxis, as dimensões da vida humana
Dimensão da Práxis, as dimensões da vida humana
 

Mais de Isaque Tomé

Histórias com ciência na be
Histórias com ciência na beHistórias com ciência na be
Histórias com ciência na be
Isaque Tomé
 
Maratona de cartas jaime
Maratona de cartas jaimeMaratona de cartas jaime
Maratona de cartas jaime
Isaque Tomé
 
Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018
Isaque Tomé
 
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018
Plano Filosofia 10.º -  2017-2018Plano Filosofia 10.º -  2017-2018
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018
Isaque Tomé
 
Filosofia - definição
Filosofia - definiçãoFilosofia - definição
Filosofia - definição
Isaque Tomé
 
A Retórica e a história do pensamento
A Retórica e a história do pensamentoA Retórica e a história do pensamento
A Retórica e a história do pensamento
Isaque Tomé
 
Crit reg filosofia_ 2012-13
Crit reg filosofia_ 2012-13Crit reg filosofia_ 2012-13
Crit reg filosofia_ 2012-13
Isaque Tomé
 
Análise da Retórica de um anúncio publicitário
Análise da Retórica de um anúncio publicitárioAnálise da Retórica de um anúncio publicitário
Análise da Retórica de um anúncio publicitário
Isaque Tomé
 
Retorica da publicidade
Retorica da publicidadeRetorica da publicidade
Retorica da publicidade
Isaque Tomé
 
Argumentos e Falácias
Argumentos e FaláciasArgumentos e Falácias
Argumentos e Falácias
Isaque Tomé
 
Trabalho filosofia
Trabalho filosofiaTrabalho filosofia
Trabalho filosofia
Isaque Tomé
 
Catia e cristiana
Catia e cristianaCatia e cristiana
Catia e cristiana
Isaque Tomé
 
Estado e homem livre
Estado e homem livreEstado e homem livre
Estado e homem livre
Isaque Tomé
 
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Isaque Tomé
 
Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012
Isaque Tomé
 
Plano filosofia 10 2011 2012
Plano filosofia 10 2011 2012Plano filosofia 10 2011 2012
Plano filosofia 10 2011 2012
Isaque Tomé
 
D3 mc rede accao
D3 mc rede accaoD3 mc rede accao
D3 mc rede accao
Isaque Tomé
 
D3 qs homem vs animal 1
D3 qs homem vs animal 1D3 qs homem vs animal 1
D3 qs homem vs animal 1
Isaque Tomé
 
Conetores lógicos
Conetores lógicosConetores lógicos
Conetores lógicos
Isaque Tomé
 
Verbos objectivos
Verbos   objectivosVerbos   objectivos
Verbos objectivos
Isaque Tomé
 

Mais de Isaque Tomé (20)

Histórias com ciência na be
Histórias com ciência na beHistórias com ciência na be
Histórias com ciência na be
 
Maratona de cartas jaime
Maratona de cartas jaimeMaratona de cartas jaime
Maratona de cartas jaime
 
Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018Plano filosofia 11 2017 2018
Plano filosofia 11 2017 2018
 
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018
Plano Filosofia 10.º -  2017-2018Plano Filosofia 10.º -  2017-2018
Plano Filosofia 10.º - 2017-2018
 
Filosofia - definição
Filosofia - definiçãoFilosofia - definição
Filosofia - definição
 
A Retórica e a história do pensamento
A Retórica e a história do pensamentoA Retórica e a história do pensamento
A Retórica e a história do pensamento
 
Crit reg filosofia_ 2012-13
Crit reg filosofia_ 2012-13Crit reg filosofia_ 2012-13
Crit reg filosofia_ 2012-13
 
Análise da Retórica de um anúncio publicitário
Análise da Retórica de um anúncio publicitárioAnálise da Retórica de um anúncio publicitário
Análise da Retórica de um anúncio publicitário
 
Retorica da publicidade
Retorica da publicidadeRetorica da publicidade
Retorica da publicidade
 
Argumentos e Falácias
Argumentos e FaláciasArgumentos e Falácias
Argumentos e Falácias
 
Trabalho filosofia
Trabalho filosofiaTrabalho filosofia
Trabalho filosofia
 
Catia e cristiana
Catia e cristianaCatia e cristiana
Catia e cristiana
 
Estado e homem livre
Estado e homem livreEstado e homem livre
Estado e homem livre
 
Falácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retóricaFalácias Informais - Filosofia e retórica
Falácias Informais - Filosofia e retórica
 
Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012Plano filosofia 11 2011 2012
Plano filosofia 11 2011 2012
 
Plano filosofia 10 2011 2012
Plano filosofia 10 2011 2012Plano filosofia 10 2011 2012
Plano filosofia 10 2011 2012
 
D3 mc rede accao
D3 mc rede accaoD3 mc rede accao
D3 mc rede accao
 
D3 qs homem vs animal 1
D3 qs homem vs animal 1D3 qs homem vs animal 1
D3 qs homem vs animal 1
 
Conetores lógicos
Conetores lógicosConetores lógicos
Conetores lógicos
 
Verbos objectivos
Verbos   objectivosVerbos   objectivos
Verbos objectivos
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

Acção humana - Filosofia

  • 1. Trabalho realizado por: Ana Rita nº4 Catarina nº6 Inês nº11 Sónia nº26
  • 2. Fazer Acontecer Acção/Reacção Sofre Intervenção Sem intervenção Agente Agido Actor Receptor Activo Passivo Fazer Derivado do Acontecer Involuntário - Reacção Voluntário - Acção
  • 3.  1) O que é isso da consciência? - É um estado mental de vigília. É ter noção da acção a realizar (intenção) e das respectivas consequências. - Acção só é considerada acção quando feita com consciência. -“Será que devo agir assim?”
  • 4.  2) O que é isso da intenção? - A intenção é o que o agente pretende fazer. - Uma verdadeira acção humana é sempre uma acção intencional , logo significa que há um objectivo ou um propósito. “O quê?”
  • 5.  3) O que é isso de vontade? - A vontade é a capacidade racional de decisão, ou seja, a capacidade de responder sim mas também responder não quando é necessário. A vontade influencia a intenção pois para esta existir é preciso que o agente tenha vontade de a realizar. Livre Autónoma Racional Poder de decisão/ execução
  • 6.  Como distinguir vontade de desejo? - O desejo é um impulso espontâneo que produz um comportamento capaz de satisfazer uma necessidade. É de natureza psico-fisiológica, com conotações emocionais. O agente tomando consciência dele pode negá-lo ou não. - Se o agente consegue negá-lo estamos perante uma acção humana. E por isso a vontade irá depois influenciar a decisão final.
  • 7.  4) O que é a decisão e a deliberação? - Deliberação é o processo de reflexão sobre o que iremos decidir. - A decisão é a escolha de alternativas possíveis em função de determinadas razões.
  • 8.  5) O que é isso do motivo? Como podemos distinguir motivo de causa? - O motivo é a razão invocada para tornar a acção intencional compreensível e racionalizável tanto para o agente como para os outros. - O que leva à acção, o que impulsiona. Responde ao “porquê?” e por isso justifica e explica a acção. - Se o agente poder negar o desejo dá origem a um motivo, se não poder negá-lo dá origem a uma causa.
  • 9.
  • 10.  As condicionantes da acção humana, ao mesmo tempo que a limitam, também lhe abrem um horizonte de possibilidades, assumindo-se deste modo, como condições do próprio agir. Mas, quando a nossa intenção é muito forte não olhamos a meios para atingir os fins.  Ex: Existem nadadores que apesar das suas condicionantes físicas (sem braços, sem pernas…) continuam a seguir o seu sonho de nadar profissionalmente.
  • 11.  A acção humana é todo o comportamento humano que altera a realidade de forma intencional, consciente e voluntária. São actos que o homem controla. São consideradas acções porque implicam liberdade. Assim, podemos concluir que o fazer é uma acção humana pois o agente está activo e intervém na acção. Muitas das coisas que acontecem no mundo não podem consideradas acções humanas. Tal significa que o homem não é a sua causa, isto é, não interfere nem controla tais acontecimentos ou eventos.  A acção humana implica escolha e, por isso, é sempre motivada e intencional, ou seja, há ou houve um motivo/ razão para agir daquele modo e não de outro.  Falasse de acção humana porque ela é própria do homem e apenas do Homem. Os animais não são sujeitos da acção, actuam por instinto, não agem, apenas reagem ao meio de acordo com as suas necessidades e condicionalismos biológicos.  A acção humana é sempre intencional, voluntária e consciente, logo explica-se através de um motivo, exige um agente responsável que realiza uma deliberação correcta e uma posterior decisão, implica a existência de um projecto/ intenção e é sempre limitada e possibilitada pelas condicionantes.
  • 12.  Falasse da acção humana porque ela é própria do homem e apenas do Homem. Os animais não são sujeitos da acção, actuam por instinto, que é um padrão fixo de comportamentos da espécie, não agem, apenas reagem ao meio de acordo com as suas necessidades e condicionalismos biológicos. Podemos assim afirmar que têm uma natureza dada.  Ao contrário dos animais o ser humano nasce indeterminado, logo a cultura exercida pela sociedade humana realizada através de experiências e acções irão dar-lhe autonomia, capacidade de escolha, poder de decisão e poder de agir. Podemos assim afirmar que o homem tem uma natureza adquirida.