SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
Posições sobre o
problema do livre-arbítrio

Reflexões
Filosofia 10º ano
Isabel Bernardo
Catarina Vale
Reflexões
Filosofia 10.º ano

Isabel Bernardo
Catarina Vale

Unidade II - A ação
humana e os
valores
Capítulo 1 - Análise
e compreensão do
agir
Determinismo e
liberdade na ação
humana
Autómato de Edward Hopper (1927)
Posições sobre o problema do livre-arbítrio
Teorias
compatibilistas
Apesar do
determinismo, o
homem possui livrearbítrio

Teorias incompatibilistas
Determinismo
radical

Libertismo

O homem não tem
livre-arbítrio

O homem
tem livrearbítrio
Compatibilismo
Tese: apesar do determinismo, o
homem possui livre-arbítrio.
Esta tese é compatibilista, pois
procura compatibilizar a existência
de causas externas ao agente que
afetam a sua ação, com a ideia de
que
a
vontade
se
pode
autodeterminar na escolha de um
curso de ação.
Patience de Georges Braque (1942)
Argumentos
O agente pode ser autor da sua ação por que…
1.Existe uma diferença entre causa necessária, constringente e
determinação da ação.
2.As condicionantes da ação humana, tais como as
condicionantes biológicas (por exemplo, o património genético),
não são causas necessárias, mas condições de possibilidade da
ação.
3.As condicionantes da ação podem determinar algumas ações,
mas são também a condição de possibilidade de escolha e de
realização de ações livres.
Condicionantes da ação humana
Fatores externos ao ser humano e que funcionam como
causas da ação humana. Por um lado, as condicionantes
são condições de possibilidade, mas, por outro, limitam e
orientam a conduta humana.
Condicionantes históricas, sociais e culturais
Nascemos num país, numa cultura, numa sociedade que não
escolhemos e para a qual não contribuímos, até ao momento
do nosso nascimento, para que seja como é.
Se fomos educados na cultura ocidental, nos séculos XX e
XXI, aprendemos hábitos (por ex. comer com talheres),
costumes (por ex. usar vestidos em lugar de saris), valores
(temos tendência a considerar a vida humana sagrada, acima
das outras espécies) que nos dizem o que fazer, como fazer,
o que pensar, como conhecer e interpretar a realidade.
Condicionantes físicas e químicas
Precisamos de energia para viver, pelo que temos de nos
alimentar.
Como qualquer corpo com massa, estamos “presos” à Terra
pela ação da gravidade.
No nosso sistema nervoso dão-se trocas químicas entre
sódio e o potássio cujo equilíbrio é fundamental para que
existam impulsos nervosos.
Condicionantes biológicas
Temos um património genético, inscrito no ADN, que determina a
forma do nosso corpo, aptidões físicas,
necessidades, entre muitos outros aspetos.

predisposições,

Por exemplo, se biologicamente o corpo é masculino não pode
gerar internamente um filho.
Por exemplo, podemos falar porque temos um complexo aparelho
fonador e estruturas cerebrais que o permitem.
Genética e condicionantes biológicas
“Uma das interpretações incorretas mais correntes em
relação à genética é que existem genes “para” as coisas.
Algumas pessoas têm genes “para” o cancro da mama,
timidez, olhos azuis, e, por isso têm de ter essa doença, essa
condição ou traço.
A compreensão dos genes não significa que tenhamos de
nos resignar a qualquer destino préprogramado. […]. Sim,
nascemos com uma certa composição genética. Não, isso
não significa que não temos qualquer controlo sobre as
nossas vidas.”
Dean Hamer ; Peter Copeland (1998). Aprenda a viver com os seus genes. Lisboa: Livros do
Brasil, pp. 27 e 31.
Exercício de argumentação

Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção
ao compatibilismo enquanto teoria sobre o problema do
livre-arbítrio.
Objeção ao compatibilismo
Se as condicionantes da ação humana são fatores externos
que determinam os motivos e as intenções da ação do
agente, de que forma é que o agente se pode considerar
autor da sua ação?
(Possível percurso complementar)
Atividades de concetualização e de argumentação com
base em análise metódica de texto
Leitura e resolução do guião de análise do texto n.º 4,
página 89-90 do manual. O trabalho pode ser desenvolvido
individualmente ou a pares.
Apresentação e discussão em grande grupo dos resultados
obtidos.
Determinismo radical
Tese: porque o mundo é
determinado, então o homem
não é dotado de livre-arbítrio.
Esta tese é incompatibilista, pois
nega
a
possibilidade
de
compatibilizar a existência de
causas externas ao agente, com a
ideia de que a vontade, em
circunstâncias
iguais,
pode
escolher um certo curso da ação
se esse for o seu querer.
Argumentos
O agente não pode ser autor da sua ação por que…
Tendo como ponto de partida uma conceção científica
sobre o universo, o determinismo radical considera que o
homem é parte desse universo, pelo que a ação humana é
um acontecimento que está sujeito às mesmas leis
causais que os restantes acontecimentos.
Argumentos
O agente não pode ser autor da
sua ação por que…
Todos os acontecimentos são
o resultado de uma série
infinita de causas e efeitos que
tornam os acontecimentos
previsíveis e definem apenas
um curso possível no mundo.
Argumentos
O agente não pode ser autor da sua ação por que…
O livre-arbítrio é a possibilidade de, perante as mesmas
circunstâncias, escolher entre alternativas, criando vários
efeitos possíveis.
A liberdade, assim entendida, é uma ilusão decorrente da
ignorância de quais as verdadeira causas que
determinam a vontade e a ação.
Argumento de Espinosa a favor do determinismo
radical
Espinosa começa por definir o que entende por ser livre:
aquele que se autodetermina.
Tese: a mente humana não é livre porque a vontade do
agente é determinada.
Argumento: homens pensam ser livres porque têm
consciência dos desejos que estão presentes na sua
vontade, mas ignoram as causas desses desejos e, essas
causas, escapam à sua vontade. A prova disso, é que os
homens agem segundo emoções e impulsos que não
controlam e cuja existência ignoram.
(Possível percurso complementar)
Atividades de concetualização e de argumentação com
base em análise metódica de texto
Leitura e resolução do guião de análise do texto n.º 3,
página 88-89 do manual. O trabalho pode ser desenvolvido
individualmente ou a pares.
Apresentação e discussão em grande grupo dos resultados
obtidos.
Exercício de argumentação

Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção
ao determinismo radical enquanto teoria sobre o problema
do livre-arbítrio.
Exercício de argumentação

Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção
ao determinismo radical enquanto teoria sobre o problema
do livre-arbítrio.
Objeções ao determinismo radical
Uma objeção ao determinismo radical é a de que a
experiência empírica mostra-nos permanentemente a
possibilidade de livre-arbítrio; as nossas ações diárias
assentam sobre a convicção de que existem alternativas,
vários cursos de ação possíveis e que podemos escolher
efetivamente um.
Objeções ao determinismo radical
Outra objeção ao determinismo radical é a de que confundem
sequência causal com sequência causal necessária.
Os opositores ao determinismo radical argumentam que não
é empiricamente visível que as causas que atuam sobre a
ação humana o fazem de modo necessário, tal como a
gravidade exerce uma força necessária sobre a pedra.
Libertismo
Tese: O homem é livre
porque tem capacidade de se
determinar a si próprio.
O libertismo é uma resposta
incompatibilista ao problema
do livre-arbítrio, na medida
em que nega que a tese do
determinismo causal possa
ser compatível com o livrearbítrio.
Vestígios atávicos depois da chuva
de Salvador Dalí (1934)
Argumentos
O agente pode ser autor da sua ação por que…
Os deterministas compreendem erradamente o conceito
de causa ao reduzir a noção de causa a causa necessária.
Na natureza podem existir causas necessárias, que
constrangem a um único desfecho possível; na ação
humana existem causas livres que são suficientes para
que a ação ocorra.
Argumentos
O agente pode ser autor da sua ação por que…
Numa análise a si próprio, o agente descobre-se como
sujeito de deliberação, escolha, de raciocínio prático que
pensa nas várias alternativas da ação.
A tese libertista de Sartre
Jean
Paul-Sartre,
um
filósofo
libertista, argumenta que a liberdade
é possível porque “a existência
precede a essência”.
Jean Paul-Sartre (1905 - 1980),
filósofo francês

Sartre não nega que os homens nascem num determinado
contexto histórico, político, social, cultural e que têm um
corpo que obedece a condicionantes químicas, físicas e
biológicas. O que Sartre afirma é que nenhuma destas
condicionantes define as escolhas que vamos fazer e o tipo
de pessoas que seremos em função dessas escolhas.
Exercício de argumentação

Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção
ao determinismo radical enquanto teoria sobre o problema
do livre-arbítrio.
Objeção ao libertismo
A argumentação dos libertistas pressupõe que a mente do agente
é capaz de se autodeterminar, independentemente de fatores
externos ou das leis físicas, químicas e biológicas e que regem o
funcionamento do cérebro humano.

Ora, um dos argumentos contra os libertistas reside no facto de
estes não conseguirem explicar como surge exatamente esta
causalidade autodeterminada pelo agente.
O problema do livre-arbítrio: um problema em aberto
John Searle, na sua obra Mente, Cérebro e Ciência discute o
problema do livre-arbítrio, e as várias posições existentes sobre ele,
e concluiu que ainda não há provas suficientes para sustentar de
que forma estados mentais intencionais podem interferir com o
mundo físico sem ser através de relações causais de tipo

determinista.
No entanto, também conclui que a inexistência dessa explicação
não elimina uma autoperceção fundamental dos seres humanos, a
saber que são livres.
Diz-nos Searle
“A experiência da liberdade é uma componente essencial de
qualquer caso do agir com uma intenção. Não podemos
abandonar a convicção de liberdade, porque essa convicção
está inserida em toda a ação intencional normal e
consciente. E usamos essa convicção para identificarmos e
explicarmos as ações. Este sentido de liberdade não é
apenas uma característica da deliberação, mas é parte de
qualquer ação, seja premeditada ou espontânea.”
John Searle (1987). Mente, cérebro e ciência. Lisboa: Edições 70, p. 117-118 (adaptado).
Exercício de argumentação

As ações intencionais têm, na maior parte dos casos,
impacto no mundo, o qual pode ser positivo ou negativo.
Partindo desta afirmação, procura mostrar, conjuntamente
com o teu colega de carteira, qual a consequência, para o
modo como avaliamos as ações dos agente intencionais, a
possibilidade de o determinismo radical ser verdadeiro.
Porque é tão relevante considerarmos os agentes
livres?

Se o determinismo radical for verdadeiro não faz sentido atribuir
responsabilidade ao agente pelas consequências dos seus atos
(mérito ou culpa).
Porque é tão relevante considerarmos os agentes
livres?
Porém, toda a ação humana nos domínios da ética, da
política e do direito, e todas as convicções, teorias e regras
que possuímos nestes campos, assentam sobre a ideia de
que o agente é dotado de liberdade da vontade e, portanto,
pode ser responsabilizado pelas consequências boas e más
da sua ação.
Neste sentido, o problema do livre-arbítrio é um problema
com interesse prático. Só tem importância refletir sobre o
melhor caminho e as melhores razões para guiarmos os
nossos passos, se houver liberdade de escolha para o fazer.
Reflexões
Filosofia 10.º ano

Isabel Bernardo
Catarina Vale

Bibliografia
Blackburn, S. (2001). Pense. Uma introdução à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 11-22.
Ferry, L., Vicent, J-D. (2003). O que é o Homem? Sobre os fundamentos da Biologia e da Filosofia.
Porto: Edições ASA, pp. 56 a 90.
Hessen, Johannes (2001). Filosofia dos valores. Coimbra: Almedina, pp. 172-179.
Hornesby, J. (1995). Ação. In Honderich, T. Oxford Companion to Philosophy. Trad. Desidério
Murcho. Obtido em 25.02.2009 em http://criticanarede.com/met_accao.html.
Kane, R. (2005). A contemporary introduction to free will. Trad. e adapt. de Vítor Oliveira. Nova
Iorque: Oxford University Press, pp. 12-22. Obtido em 23.02.2009 em
http://criticanarede.com/met_compatibilismo.html.
Mosterín, J. (1987). Racionalidad e accíon humana. Madrid: Alianza Editorial.
Moya, C. J. (1990).The Philosophy of Action. An introduction. Trad e adaptação de Vitor João
Oliveira. Oxford: Polity Press, p. 2. Obtido em 23.02.2009 em http://qualia-esob.blogspot.pt/search?
q=Moya.
Nagel, T. (1997). O que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 46-55.
Rachels, J. (2009). Problemas da filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 155-203.
Ricouer, P. (1987). O discurso da ação. Lisboa: Edições 70.
Savater, F. (1999). As perguntas da vida. Uma iniciação à reflexão filosófica. Porto: Publicações D.
Quixote, pp. 139-144.
Reflexões
Filosofia 10.º ano

Isabel Bernardo
Catarina Vale

Bibliografia
Savater, F. (2000). Ética para um jovem. Lisboa: Editorial Presença, pp. 19-26.
Searle, J. (1987). Mente, cérebro e ciência. Lisboa: Edições 70, pp. 105-121.
Wright, G. H. (1991). Poblèmes de l’explication e de la comprehension de l’action. In Neuberg, M.
Théorie de l’action: textes majeurs de la philosophie analytique de l’action. Trad. e adapt. por Vítor
João Oliveira. Liége: Pierre Mardaga Éditeur, pp. 102-9 (). Obtido em 12.05.2012 em http://qualiaesob.blogspot.pt/search/label/Ac%C3%A7%C3%A3o.
Sober, Elliott (2005). Liberdade, determinismo e causalidade. In Core questions in philosophy. Trad.
Paulo Ruas. S/l: Prentice Hall. Obtido em 15.06.2010 em
http://criticanarede.com/eti_livrearbitrio.html.
Sober, E. (2000). Roteiro de posições acerca do livre-arbítrio. In Core questions in philosophy.
Trad. Paulo Ruas. S/l: Prentice Hall. Obtido em 15.06.2010 em
http://criticanarede.com/eti_livrearbitrio2.html.
Smith, P., Jones, O. J. (1986). The Philosophy of Mind: An Introduction. Trad. J. D. Fonseca.
Cambridge: Cambridge University Press, pp. 119-134. Obtido em 4.01.2006 em
http://criticanarede.com/met_accaocausal.html.
Wright, G. H. (1991). Poblèmes de l’explication e de la comprehension de l’action. In Neuberg, M.
Théorie de l’action: textes majeurs de la philosophie analytique de l’action. Trad. e adapt. por Vítor
João Oliveira. Liége: Pierre Mardaga Éditeur, pp. 102-9 (). Obtido em 12.05.2012 em http://qualiaesob.blogspot.pt/search/label/Ac%C3%A7%C3%A3o.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesElisabete Silva
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b finalj_sdias
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaLuis De Sousa Rodrigues
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisLuis De Sousa Rodrigues
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesJoana Filipa Rodrigues
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)InesTeixeiraDuarte
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informaisIsabel Moura
 
Existência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosóficoExistência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosóficoDuarte Nunes
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralHelena Coutinho
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introduçãoLuis De Sousa Rodrigues
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesIsabel Moura
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millFilazambuja
 

Mais procurados (20)

Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
A crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessáriaA crença na ideia de conexão necessária
A crença na ideia de conexão necessária
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Existência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosóficoExistência de Deus - ensaio filosófico
Existência de Deus - ensaio filosófico
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
A necessidade de fundamentação da moral introdução
A necessidade de fundamentação da moral   introduçãoA necessidade de fundamentação da moral   introdução
A necessidade de fundamentação da moral introdução
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 

Destaque

A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?Paulo Gomes
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homemPaulo Gomes
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas Paulo Gomes
 
A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valoresPaulo Gomes
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio InesTeixeiraDuarte
 
Nascimento da filosofia
Nascimento da filosofiaNascimento da filosofia
Nascimento da filosofiaFilazambuja
 
é O homem livre
é O homem livreé O homem livre
é O homem livreFilazambuja
 
Reflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anos
Reflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anosReflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anos
Reflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anosj_sdias
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça socialPaulo Gomes
 
Textos política
Textos políticaTextos política
Textos políticaFilazambuja
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaLeonidia Afm
 
Conceitos ação
Conceitos açãoConceitos ação
Conceitos açãoFilazambuja
 
Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresJorge Barbosa
 
Ação humana 10 c 1
Ação humana 10 c  1Ação humana 10 c  1
Ação humana 10 c 1Isaque Tomé
 

Destaque (19)

A decisão
A decisãoA decisão
A decisão
 
A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?A liberdade é uma ilusão?
A liberdade é uma ilusão?
 
Os actos do homem
Os actos do homemOs actos do homem
Os actos do homem
 
Teorias estéticas
Teorias estéticas Teorias estéticas
Teorias estéticas
 
Os valores
Os valoresOs valores
Os valores
 
A natureza dos valores
A natureza dos valoresA natureza dos valores
A natureza dos valores
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Nascimento da filosofia
Nascimento da filosofiaNascimento da filosofia
Nascimento da filosofia
 
é O homem livre
é O homem livreé O homem livre
é O homem livre
 
Reflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anos
Reflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anosReflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anos
Reflexão crítica acerca do programa de filosofia 10º e 11º anos
 
A política
A políticaA política
A política
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
 
Os valores power point
Os valores power pointOs valores power point
Os valores power point
 
Textos política
Textos políticaTextos política
Textos política
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
 
Conceitos ação
Conceitos açãoConceitos ação
Conceitos ação
 
Acção Humana e os Valores
Acção Humana e os ValoresAcção Humana e os Valores
Acção Humana e os Valores
 
Ação humana 10 c 1
Ação humana 10 c  1Ação humana 10 c  1
Ação humana 10 c 1
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 

Semelhante a Posições sobre livre-arbítrio e determinismo

Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")Jorge Barbosa
 
Liberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoLiberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoJulia Martins
 
Microsoft power point liberdade ou determinismo
Microsoft power point   liberdade ou determinismoMicrosoft power point   liberdade ou determinismo
Microsoft power point liberdade ou determinismoJulia Martins
 
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valoresAidaCunha73
 
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptxDeterminismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptxCecliaGomes25
 
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptxRafaelaQueiros
 
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismoFilosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismoAnaBeatriz125525
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaHelena Serrão
 
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptxDeterminismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptxJoanaGomes513884
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radicalIsabel Moura
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Maria Freitas
 
A Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrio
A Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrioA Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrio
A Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrioAdriana Nacif
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomásFátima Teixeira Kika
 
Existencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoExistencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoJoão Marcelo
 

Semelhante a Posições sobre livre-arbítrio e determinismo (20)

Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
Determinismo e Liberdade (de acordo c/ manual "Pensar Azul")
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 
Liberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismoLiberdade ou determinismo
Liberdade ou determinismo
 
Microsoft power point liberdade ou determinismo
Microsoft power point   liberdade ou determinismoMicrosoft power point   liberdade ou determinismo
Microsoft power point liberdade ou determinismo
 
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
371727802 resumos-teorias-do-livre-arbitrio-e-valores
 
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptxDeterminismo e liberdade na ação humana.pptx
Determinismo e liberdade na ação humana.pptx
 
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
3. Determinismo e Liberdade da ação humana 2.pptx
 
A liberdade
A liberdadeA liberdade
A liberdade
 
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismoFilosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
Filosofia_determinismo_radical_10ano_libertismo_determinismo
 
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humanaDeterminismo e liberdade_na_acao_humana
Determinismo e liberdade_na_acao_humana
 
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptxDeterminismo e liberdade na ação- Final.pptx
Determinismo e liberdade na ação- Final.pptx
 
Livre arbítrio
Livre arbítrioLivre arbítrio
Livre arbítrio
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
Objetivos Teste de Filosofia Nº3 (10ºAno)
 
A Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrio
A Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrioA Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrio
A Apologética reformada, as seitas e o livre arbítrio
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 
Kant (1) copia
Kant (1)   copiaKant (1)   copia
Kant (1) copia
 
Existencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoExistencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismo
 
O behaviorismo 2
O  behaviorismo 2O  behaviorismo 2
O behaviorismo 2
 

Mais de Filazambuja

Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsFilazambuja
 
O que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoO que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoFilazambuja
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estadoFilazambuja
 
20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_alunoFilazambuja
 
Esquema etica politica
Esquema etica politicaEsquema etica politica
Esquema etica politicaFilazambuja
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e políticaFilazambuja
 
Texto holandeses
Texto holandesesTexto holandeses
Texto holandesesFilazambuja
 
Texto telos deontos
Texto telos deontosTexto telos deontos
Texto telos deontosFilazambuja
 
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasAnálise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasFilazambuja
 
Texto stuart mill
Texto stuart millTexto stuart mill
Texto stuart millFilazambuja
 
Noção de dever
Noção de deverNoção de dever
Noção de deverFilazambuja
 

Mais de Filazambuja (20)

Esquema
EsquemaEsquema
Esquema
 
Sociedade justa
Sociedade justaSociedade justa
Sociedade justa
 
Esquema rawls
Esquema rawlsEsquema rawls
Esquema rawls
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
O que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoO que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estado
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estado
 
20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno
 
Esquema etica politica
Esquema etica politicaEsquema etica politica
Esquema etica politica
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
 
Dilema de pedro
Dilema de pedroDilema de pedro
Dilema de pedro
 
Ataque
AtaqueAtaque
Ataque
 
Texto holandeses
Texto holandesesTexto holandeses
Texto holandeses
 
Texto telos deontos
Texto telos deontosTexto telos deontos
Texto telos deontos
 
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasAnálise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
 
Texto stuart mill
Texto stuart millTexto stuart mill
Texto stuart mill
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Texto kant
Texto kantTexto kant
Texto kant
 
Noção de dever
Noção de deverNoção de dever
Noção de dever
 
Texto kant 2
Texto kant 2Texto kant 2
Texto kant 2
 
Texto kant 1
Texto kant 1Texto kant 1
Texto kant 1
 

Posições sobre livre-arbítrio e determinismo

  • 1. Posições sobre o problema do livre-arbítrio Reflexões Filosofia 10º ano Isabel Bernardo Catarina Vale
  • 2. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Unidade II - A ação humana e os valores Capítulo 1 - Análise e compreensão do agir Determinismo e liberdade na ação humana Autómato de Edward Hopper (1927)
  • 3. Posições sobre o problema do livre-arbítrio Teorias compatibilistas Apesar do determinismo, o homem possui livrearbítrio Teorias incompatibilistas Determinismo radical Libertismo O homem não tem livre-arbítrio O homem tem livrearbítrio
  • 4. Compatibilismo Tese: apesar do determinismo, o homem possui livre-arbítrio. Esta tese é compatibilista, pois procura compatibilizar a existência de causas externas ao agente que afetam a sua ação, com a ideia de que a vontade se pode autodeterminar na escolha de um curso de ação. Patience de Georges Braque (1942)
  • 5. Argumentos O agente pode ser autor da sua ação por que… 1.Existe uma diferença entre causa necessária, constringente e determinação da ação. 2.As condicionantes da ação humana, tais como as condicionantes biológicas (por exemplo, o património genético), não são causas necessárias, mas condições de possibilidade da ação. 3.As condicionantes da ação podem determinar algumas ações, mas são também a condição de possibilidade de escolha e de realização de ações livres.
  • 6. Condicionantes da ação humana Fatores externos ao ser humano e que funcionam como causas da ação humana. Por um lado, as condicionantes são condições de possibilidade, mas, por outro, limitam e orientam a conduta humana.
  • 7. Condicionantes históricas, sociais e culturais Nascemos num país, numa cultura, numa sociedade que não escolhemos e para a qual não contribuímos, até ao momento do nosso nascimento, para que seja como é. Se fomos educados na cultura ocidental, nos séculos XX e XXI, aprendemos hábitos (por ex. comer com talheres), costumes (por ex. usar vestidos em lugar de saris), valores (temos tendência a considerar a vida humana sagrada, acima das outras espécies) que nos dizem o que fazer, como fazer, o que pensar, como conhecer e interpretar a realidade.
  • 8. Condicionantes físicas e químicas Precisamos de energia para viver, pelo que temos de nos alimentar. Como qualquer corpo com massa, estamos “presos” à Terra pela ação da gravidade. No nosso sistema nervoso dão-se trocas químicas entre sódio e o potássio cujo equilíbrio é fundamental para que existam impulsos nervosos.
  • 9. Condicionantes biológicas Temos um património genético, inscrito no ADN, que determina a forma do nosso corpo, aptidões físicas, necessidades, entre muitos outros aspetos. predisposições, Por exemplo, se biologicamente o corpo é masculino não pode gerar internamente um filho. Por exemplo, podemos falar porque temos um complexo aparelho fonador e estruturas cerebrais que o permitem.
  • 10. Genética e condicionantes biológicas “Uma das interpretações incorretas mais correntes em relação à genética é que existem genes “para” as coisas. Algumas pessoas têm genes “para” o cancro da mama, timidez, olhos azuis, e, por isso têm de ter essa doença, essa condição ou traço. A compreensão dos genes não significa que tenhamos de nos resignar a qualquer destino préprogramado. […]. Sim, nascemos com uma certa composição genética. Não, isso não significa que não temos qualquer controlo sobre as nossas vidas.” Dean Hamer ; Peter Copeland (1998). Aprenda a viver com os seus genes. Lisboa: Livros do Brasil, pp. 27 e 31.
  • 11. Exercício de argumentação Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção ao compatibilismo enquanto teoria sobre o problema do livre-arbítrio.
  • 12. Objeção ao compatibilismo Se as condicionantes da ação humana são fatores externos que determinam os motivos e as intenções da ação do agente, de que forma é que o agente se pode considerar autor da sua ação?
  • 13. (Possível percurso complementar) Atividades de concetualização e de argumentação com base em análise metódica de texto Leitura e resolução do guião de análise do texto n.º 4, página 89-90 do manual. O trabalho pode ser desenvolvido individualmente ou a pares. Apresentação e discussão em grande grupo dos resultados obtidos.
  • 14. Determinismo radical Tese: porque o mundo é determinado, então o homem não é dotado de livre-arbítrio. Esta tese é incompatibilista, pois nega a possibilidade de compatibilizar a existência de causas externas ao agente, com a ideia de que a vontade, em circunstâncias iguais, pode escolher um certo curso da ação se esse for o seu querer.
  • 15. Argumentos O agente não pode ser autor da sua ação por que… Tendo como ponto de partida uma conceção científica sobre o universo, o determinismo radical considera que o homem é parte desse universo, pelo que a ação humana é um acontecimento que está sujeito às mesmas leis causais que os restantes acontecimentos.
  • 16. Argumentos O agente não pode ser autor da sua ação por que… Todos os acontecimentos são o resultado de uma série infinita de causas e efeitos que tornam os acontecimentos previsíveis e definem apenas um curso possível no mundo.
  • 17. Argumentos O agente não pode ser autor da sua ação por que… O livre-arbítrio é a possibilidade de, perante as mesmas circunstâncias, escolher entre alternativas, criando vários efeitos possíveis. A liberdade, assim entendida, é uma ilusão decorrente da ignorância de quais as verdadeira causas que determinam a vontade e a ação.
  • 18. Argumento de Espinosa a favor do determinismo radical Espinosa começa por definir o que entende por ser livre: aquele que se autodetermina. Tese: a mente humana não é livre porque a vontade do agente é determinada. Argumento: homens pensam ser livres porque têm consciência dos desejos que estão presentes na sua vontade, mas ignoram as causas desses desejos e, essas causas, escapam à sua vontade. A prova disso, é que os homens agem segundo emoções e impulsos que não controlam e cuja existência ignoram.
  • 19. (Possível percurso complementar) Atividades de concetualização e de argumentação com base em análise metódica de texto Leitura e resolução do guião de análise do texto n.º 3, página 88-89 do manual. O trabalho pode ser desenvolvido individualmente ou a pares. Apresentação e discussão em grande grupo dos resultados obtidos.
  • 20. Exercício de argumentação Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção ao determinismo radical enquanto teoria sobre o problema do livre-arbítrio.
  • 21. Exercício de argumentação Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção ao determinismo radical enquanto teoria sobre o problema do livre-arbítrio.
  • 22. Objeções ao determinismo radical Uma objeção ao determinismo radical é a de que a experiência empírica mostra-nos permanentemente a possibilidade de livre-arbítrio; as nossas ações diárias assentam sobre a convicção de que existem alternativas, vários cursos de ação possíveis e que podemos escolher efetivamente um.
  • 23. Objeções ao determinismo radical Outra objeção ao determinismo radical é a de que confundem sequência causal com sequência causal necessária. Os opositores ao determinismo radical argumentam que não é empiricamente visível que as causas que atuam sobre a ação humana o fazem de modo necessário, tal como a gravidade exerce uma força necessária sobre a pedra.
  • 24. Libertismo Tese: O homem é livre porque tem capacidade de se determinar a si próprio. O libertismo é uma resposta incompatibilista ao problema do livre-arbítrio, na medida em que nega que a tese do determinismo causal possa ser compatível com o livrearbítrio. Vestígios atávicos depois da chuva de Salvador Dalí (1934)
  • 25. Argumentos O agente pode ser autor da sua ação por que… Os deterministas compreendem erradamente o conceito de causa ao reduzir a noção de causa a causa necessária. Na natureza podem existir causas necessárias, que constrangem a um único desfecho possível; na ação humana existem causas livres que são suficientes para que a ação ocorra.
  • 26. Argumentos O agente pode ser autor da sua ação por que… Numa análise a si próprio, o agente descobre-se como sujeito de deliberação, escolha, de raciocínio prático que pensa nas várias alternativas da ação.
  • 27. A tese libertista de Sartre Jean Paul-Sartre, um filósofo libertista, argumenta que a liberdade é possível porque “a existência precede a essência”. Jean Paul-Sartre (1905 - 1980), filósofo francês Sartre não nega que os homens nascem num determinado contexto histórico, político, social, cultural e que têm um corpo que obedece a condicionantes químicas, físicas e biológicas. O que Sartre afirma é que nenhuma destas condicionantes define as escolhas que vamos fazer e o tipo de pessoas que seremos em função dessas escolhas.
  • 28. Exercício de argumentação Com o teu colega de carteira, procura formular uma objeção ao determinismo radical enquanto teoria sobre o problema do livre-arbítrio.
  • 29. Objeção ao libertismo A argumentação dos libertistas pressupõe que a mente do agente é capaz de se autodeterminar, independentemente de fatores externos ou das leis físicas, químicas e biológicas e que regem o funcionamento do cérebro humano. Ora, um dos argumentos contra os libertistas reside no facto de estes não conseguirem explicar como surge exatamente esta causalidade autodeterminada pelo agente.
  • 30. O problema do livre-arbítrio: um problema em aberto John Searle, na sua obra Mente, Cérebro e Ciência discute o problema do livre-arbítrio, e as várias posições existentes sobre ele, e concluiu que ainda não há provas suficientes para sustentar de que forma estados mentais intencionais podem interferir com o mundo físico sem ser através de relações causais de tipo determinista. No entanto, também conclui que a inexistência dessa explicação não elimina uma autoperceção fundamental dos seres humanos, a saber que são livres.
  • 31. Diz-nos Searle “A experiência da liberdade é uma componente essencial de qualquer caso do agir com uma intenção. Não podemos abandonar a convicção de liberdade, porque essa convicção está inserida em toda a ação intencional normal e consciente. E usamos essa convicção para identificarmos e explicarmos as ações. Este sentido de liberdade não é apenas uma característica da deliberação, mas é parte de qualquer ação, seja premeditada ou espontânea.” John Searle (1987). Mente, cérebro e ciência. Lisboa: Edições 70, p. 117-118 (adaptado).
  • 32. Exercício de argumentação As ações intencionais têm, na maior parte dos casos, impacto no mundo, o qual pode ser positivo ou negativo. Partindo desta afirmação, procura mostrar, conjuntamente com o teu colega de carteira, qual a consequência, para o modo como avaliamos as ações dos agente intencionais, a possibilidade de o determinismo radical ser verdadeiro.
  • 33. Porque é tão relevante considerarmos os agentes livres? Se o determinismo radical for verdadeiro não faz sentido atribuir responsabilidade ao agente pelas consequências dos seus atos (mérito ou culpa).
  • 34. Porque é tão relevante considerarmos os agentes livres? Porém, toda a ação humana nos domínios da ética, da política e do direito, e todas as convicções, teorias e regras que possuímos nestes campos, assentam sobre a ideia de que o agente é dotado de liberdade da vontade e, portanto, pode ser responsabilizado pelas consequências boas e más da sua ação. Neste sentido, o problema do livre-arbítrio é um problema com interesse prático. Só tem importância refletir sobre o melhor caminho e as melhores razões para guiarmos os nossos passos, se houver liberdade de escolha para o fazer.
  • 35. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Bibliografia Blackburn, S. (2001). Pense. Uma introdução à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 11-22. Ferry, L., Vicent, J-D. (2003). O que é o Homem? Sobre os fundamentos da Biologia e da Filosofia. Porto: Edições ASA, pp. 56 a 90. Hessen, Johannes (2001). Filosofia dos valores. Coimbra: Almedina, pp. 172-179. Hornesby, J. (1995). Ação. In Honderich, T. Oxford Companion to Philosophy. Trad. Desidério Murcho. Obtido em 25.02.2009 em http://criticanarede.com/met_accao.html. Kane, R. (2005). A contemporary introduction to free will. Trad. e adapt. de Vítor Oliveira. Nova Iorque: Oxford University Press, pp. 12-22. Obtido em 23.02.2009 em http://criticanarede.com/met_compatibilismo.html. Mosterín, J. (1987). Racionalidad e accíon humana. Madrid: Alianza Editorial. Moya, C. J. (1990).The Philosophy of Action. An introduction. Trad e adaptação de Vitor João Oliveira. Oxford: Polity Press, p. 2. Obtido em 23.02.2009 em http://qualia-esob.blogspot.pt/search? q=Moya. Nagel, T. (1997). O que quer dizer tudo isto? Uma iniciação à filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 46-55. Rachels, J. (2009). Problemas da filosofia. Lisboa: Gradiva, pp. 155-203. Ricouer, P. (1987). O discurso da ação. Lisboa: Edições 70. Savater, F. (1999). As perguntas da vida. Uma iniciação à reflexão filosófica. Porto: Publicações D. Quixote, pp. 139-144.
  • 36. Reflexões Filosofia 10.º ano Isabel Bernardo Catarina Vale Bibliografia Savater, F. (2000). Ética para um jovem. Lisboa: Editorial Presença, pp. 19-26. Searle, J. (1987). Mente, cérebro e ciência. Lisboa: Edições 70, pp. 105-121. Wright, G. H. (1991). Poblèmes de l’explication e de la comprehension de l’action. In Neuberg, M. Théorie de l’action: textes majeurs de la philosophie analytique de l’action. Trad. e adapt. por Vítor João Oliveira. Liége: Pierre Mardaga Éditeur, pp. 102-9 (). Obtido em 12.05.2012 em http://qualiaesob.blogspot.pt/search/label/Ac%C3%A7%C3%A3o. Sober, Elliott (2005). Liberdade, determinismo e causalidade. In Core questions in philosophy. Trad. Paulo Ruas. S/l: Prentice Hall. Obtido em 15.06.2010 em http://criticanarede.com/eti_livrearbitrio.html. Sober, E. (2000). Roteiro de posições acerca do livre-arbítrio. In Core questions in philosophy. Trad. Paulo Ruas. S/l: Prentice Hall. Obtido em 15.06.2010 em http://criticanarede.com/eti_livrearbitrio2.html. Smith, P., Jones, O. J. (1986). The Philosophy of Mind: An Introduction. Trad. J. D. Fonseca. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 119-134. Obtido em 4.01.2006 em http://criticanarede.com/met_accaocausal.html. Wright, G. H. (1991). Poblèmes de l’explication e de la comprehension de l’action. In Neuberg, M. Théorie de l’action: textes majeurs de la philosophie analytique de l’action. Trad. e adapt. por Vítor João Oliveira. Liége: Pierre Mardaga Éditeur, pp. 102-9 (). Obtido em 12.05.2012 em http://qualiaesob.blogspot.pt/search/label/Ac%C3%A7%C3%A3o.