SlideShare uma empresa Scribd logo
A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir
A rede Conceptual da acção Humana
A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir
(resposta individual)
- Não é possível determinar a pena a aplicar a
este condutor, na referida situação. Além das
questões jurídicas que não vêm ao caso, há que
considerar que a acção humana é complexa. E
a análise da acção de qualquer ser humano não
pode resumir-se à identificação do seu autor ou
agente. È importante perguntar porque é que o
agente realizou tal acção, qual a sua intenção,
motivação, ou finalidade. São estes conceitos
que fazem parte da rede conceptual da acção e
que permitem explicar a complexidade do agir
humano.
Assim, é importante, para explicar uma acção,
indicar as crenças e os desejos do agente
que causou ou motivou uma acção.
- Um condutor que mata uma criança numa passadeira deveria ser
punido de que forma?
A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir
O que é a acção humana?
As acções humanas
são…
acontecimentos…
... que envolvem
agentes
Agente é o sujeito da acção, uma
pessoa com estados mentais
conscientes, crenças e desejos
…que consistem em
algo que um agente
faz…
… intencionalmente
Intenção corresponde às
crenças e desejos que
explicam as acções
…ou com pelo menos uma
descrição verdadeira de
intencionalidade.
A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir
Como explicar as acções?
Para explicarmos uma acção humana precisamos de
apontar as Crenças e Desejos, as intenções que
conduziram um Agente a realizar a acção, ou seja,
que causaram ou motivaram essa acção.
1. Teoria do Egoísmo Psicológico
Umas pessoas fazem favores umas às outras
Outras constroem abrigos para os pobres
Outras ainda fazem voluntariado em hospitais
Alguns doam órgãos e oferecem sangue
Os bombeiros arriscam a vida para salvar pessoas
Porquê?
1. Teoria do Egoísmo Psicológico
– todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal
Segundo a Teoria do Egoísmo
Psicológico as acções humanas
são motivadas pelo egoísmo.
E, por isso, as pessoas só agem
por interesse pessoal, não
havendo pessoas altruístas.
Isto faz parte da natureza humana: o
altruísmo é uma ilusão
1. Teoria do Egoísmo Psicológico
–todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal
Então, o que motiva essas pessoas?
satisfação
pessoal
Desejo de ter
uma vida mais
interessante
Esperança de
recompensa
divina
Demonstração
dos próprios
poderes
.
1. Agimos voluntariamente porque
fazemos sempre aquilo que mais
desejamos.
agente realiza uma acção para satisfazer os seus
interesses e acredita que essa acção é a melhor forma
de satisfazer os seus interesses.
Ex. em vez de desejarmos ficar em casa e
formar família desejamos partir para África
e ajudar pobres
2. Agimos voluntariamente e,
fazemos bem aos outros porque isso
nos dá prazer.
Ex. Pode dar-nos prazer (reconhecimento
social) dar ajuda monetária a um pobre.
Argumentos a favor desta teoria:
Críticas ao egoísmo psicológico
– nem todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal, existem acções
altruístas:
1. Agir de acordo com os
próprios desejos não é agir
de forma egoísta: tudo
depende do “objecto do
desejo”, isto é do que se
deseja
(o altruísta tem desejos altruístas – deseja
para os outros, o egoísta só tem desejos
egoístas – só deseja para si)
2. O prazer pode ser apenas
efeito da acção e não a sua
causa
(assim, mesmo que sintamos prazer a
fazer bem aos outros isso não quer dizer
que a expectativa de obter esse prazer
tenha sido a causa ou o motivo da acção)
Críticas ao egoísmo psicológico
– nem todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal, existem acções
altruístas:

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Açao.rede.conc.PPT

Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
Isaque Tomé
 
Powerpoint reg. corrigido
Powerpoint reg.   corrigidoPowerpoint reg.   corrigido
Powerpoint reg. corrigido
j_sdias
 
Liberdade na ação humana
Liberdade na ação humanaLiberdade na ação humana
Liberdade na ação humana
AidaCunha73
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
Arte de Lorena
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
Maria Freitas
 
Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção
Karoline Cordeiro
 
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocionalDesenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
Patrícia Ervilha
 
Introdução ao pensamento de Aristóteles : ética
Introdução ao pensamento de Aristóteles : éticaIntrodução ao pensamento de Aristóteles : ética
Introdução ao pensamento de Aristóteles : ética
Eugenio Hansen, OFS
 
éTica A NicôMaco
éTica A NicôMacoéTica A NicôMaco
éTica A NicôMaco
JNR
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
Helena Serrão
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
António Daniel
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
João Simões
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
isacamel
 
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
Victor França
 
Psicologia e desenvolvimento moral.pptx
Psicologia e desenvolvimento moral.pptxPsicologia e desenvolvimento moral.pptx
Psicologia e desenvolvimento moral.pptx
Ranna Pinho
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Fátima Teixeira Kika
 
Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02
Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02
Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02
Danny SouzaOficial
 
O SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIALO SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIAL
Victor Nóbrega
 

Semelhante a Açao.rede.conc.PPT (20)

Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 
Powerpoint reg. corrigido
Powerpoint reg.   corrigidoPowerpoint reg.   corrigido
Powerpoint reg. corrigido
 
Liberdade na ação humana
Liberdade na ação humanaLiberdade na ação humana
Liberdade na ação humana
 
Filosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unipFilosofia, comunicação e ética unip
Filosofia, comunicação e ética unip
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção Trabalho sobre emoção
Trabalho sobre emoção
 
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocionalDesenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
Desenvolvimento pessoal auto estima e inteligencia emocional
 
Introdução ao pensamento de Aristóteles : ética
Introdução ao pensamento de Aristóteles : éticaIntrodução ao pensamento de Aristóteles : ética
Introdução ao pensamento de Aristóteles : ética
 
éTica A NicôMaco
éTica A NicôMacoéTica A NicôMaco
éTica A NicôMaco
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Fundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumesFundamentação metafísica dos costumes
Fundamentação metafísica dos costumes
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
 
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
 
Psicologia e desenvolvimento moral.pptx
Psicologia e desenvolvimento moral.pptxPsicologia e desenvolvimento moral.pptx
Psicologia e desenvolvimento moral.pptx
 
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomásObjetivos de filosofia 2ºteste   1º período tomás
Objetivos de filosofia 2ºteste 1º período tomás
 
Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02
Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02
Ticaanicmaco 100305174306-phpapp02
 
O SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIALO SELF E O SOCIAL
O SELF E O SOCIAL
 

Mais de Lurdes Sousa

Unidade+6+percepção.ppt
Unidade+6+percepção.pptUnidade+6+percepção.ppt
Unidade+6+percepção.ppt
Lurdes Sousa
 
[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf
[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf
[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf
Lurdes Sousa
 
As Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdf
As Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdfAs Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdf
As Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdf
Lurdes Sousa
 
Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...
Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...
Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...
Lurdes Sousa
 
[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf
[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf
[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf
Lurdes Sousa
 
perceçao.pdf
perceçao.pdfperceçao.pdf
perceçao.pdf
Lurdes Sousa
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
Lurdes Sousa
 
livre_arbitrio.pptx
livre_arbitrio.pptxlivre_arbitrio.pptx
livre_arbitrio.pptx
Lurdes Sousa
 
Lusofonia.pptx
Lusofonia.pptxLusofonia.pptx
Lusofonia.pptx
Lurdes Sousa
 
o_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppt
o_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppto_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppt
o_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppt
Lurdes Sousa
 
O-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptx
O-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptxO-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptx
O-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptx
Lurdes Sousa
 
UTILITARISMO.pdf
UTILITARISMO.pdfUTILITARISMO.pdf
UTILITARISMO.pdf
Lurdes Sousa
 
TEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdf
TEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdfTEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdf
TEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdf
Lurdes Sousa
 
Ulisses16a36
Ulisses16a36Ulisses16a36
Ulisses16a36
Lurdes Sousa
 
Mapa das viagens de ulisses
Mapa das viagens de ulissesMapa das viagens de ulisses
Mapa das viagens de ulisses
Lurdes Sousa
 
Microsoft power point texto narrativo
Microsoft power point   texto narrativo Microsoft power point   texto narrativo
Microsoft power point texto narrativo
Lurdes Sousa
 
Microsoft word comichaodecao
Microsoft word   comichaodecaoMicrosoft word   comichaodecao
Microsoft word comichaodecao
Lurdes Sousa
 

Mais de Lurdes Sousa (17)

Unidade+6+percepção.ppt
Unidade+6+percepção.pptUnidade+6+percepção.ppt
Unidade+6+percepção.ppt
 
[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf
[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf
[POPPER,-Karl]-Conhecimento-Objetivo_-Uma-Abordagem evolucionária.pdf
 
As Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdf
As Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdfAs Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdf
As Doenças têm História (Jacques Le Goff.pdf
 
Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...
Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...
Darwin aos Tiros e Outras Histórias de Ciência (Carlos Fiolhais e David Marça...
 
[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf
[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf
[Karl-Popper]-O-mito-do-contexto_-em-defesa-da-ciencia.pdf
 
perceçao.pdf
perceçao.pdfperceçao.pdf
perceçao.pdf
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
 
livre_arbitrio.pptx
livre_arbitrio.pptxlivre_arbitrio.pptx
livre_arbitrio.pptx
 
Lusofonia.pptx
Lusofonia.pptxLusofonia.pptx
Lusofonia.pptx
 
o_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppt
o_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppto_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppt
o_trabalho_sua_evoluao_e_estatuto_no_ocidente.ppt
 
O-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptx
O-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptxO-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptx
O-trabalho-a-sua-evolucao-e-estatuto.pptx
 
UTILITARISMO.pdf
UTILITARISMO.pdfUTILITARISMO.pdf
UTILITARISMO.pdf
 
TEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdf
TEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdfTEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdf
TEORIA-ETICA-DE-MILL-–-O-UTILITARISMO-QUESTOES-DE-ESCOLHA-MULTIPLA.pdf
 
Ulisses16a36
Ulisses16a36Ulisses16a36
Ulisses16a36
 
Mapa das viagens de ulisses
Mapa das viagens de ulissesMapa das viagens de ulisses
Mapa das viagens de ulisses
 
Microsoft power point texto narrativo
Microsoft power point   texto narrativo Microsoft power point   texto narrativo
Microsoft power point texto narrativo
 
Microsoft word comichaodecao
Microsoft word   comichaodecaoMicrosoft word   comichaodecao
Microsoft word comichaodecao
 

Último

Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
edsonfrancojunior99
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
Paulo Dalla Nora Macedo
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 

Último (6)

Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdfInformativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
Informativo Agronômico n11 v1.0 - Seringueira (ppt).pdf
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
O legado democrático de Portugal no Brasil, enfatizando sua contribuição para...
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 

Açao.rede.conc.PPT

  • 1. A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir
  • 2. A rede Conceptual da acção Humana A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir (resposta individual) - Não é possível determinar a pena a aplicar a este condutor, na referida situação. Além das questões jurídicas que não vêm ao caso, há que considerar que a acção humana é complexa. E a análise da acção de qualquer ser humano não pode resumir-se à identificação do seu autor ou agente. È importante perguntar porque é que o agente realizou tal acção, qual a sua intenção, motivação, ou finalidade. São estes conceitos que fazem parte da rede conceptual da acção e que permitem explicar a complexidade do agir humano. Assim, é importante, para explicar uma acção, indicar as crenças e os desejos do agente que causou ou motivou uma acção. - Um condutor que mata uma criança numa passadeira deveria ser punido de que forma?
  • 3. A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir O que é a acção humana? As acções humanas são… acontecimentos… ... que envolvem agentes Agente é o sujeito da acção, uma pessoa com estados mentais conscientes, crenças e desejos …que consistem em algo que um agente faz… … intencionalmente Intenção corresponde às crenças e desejos que explicam as acções …ou com pelo menos uma descrição verdadeira de intencionalidade.
  • 4. A Acção Humana: Análise e Compreensão do agir Como explicar as acções? Para explicarmos uma acção humana precisamos de apontar as Crenças e Desejos, as intenções que conduziram um Agente a realizar a acção, ou seja, que causaram ou motivaram essa acção.
  • 5. 1. Teoria do Egoísmo Psicológico Umas pessoas fazem favores umas às outras Outras constroem abrigos para os pobres Outras ainda fazem voluntariado em hospitais Alguns doam órgãos e oferecem sangue Os bombeiros arriscam a vida para salvar pessoas Porquê?
  • 6. 1. Teoria do Egoísmo Psicológico – todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal Segundo a Teoria do Egoísmo Psicológico as acções humanas são motivadas pelo egoísmo. E, por isso, as pessoas só agem por interesse pessoal, não havendo pessoas altruístas. Isto faz parte da natureza humana: o altruísmo é uma ilusão
  • 7. 1. Teoria do Egoísmo Psicológico –todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal Então, o que motiva essas pessoas? satisfação pessoal Desejo de ter uma vida mais interessante Esperança de recompensa divina Demonstração dos próprios poderes
  • 8. . 1. Agimos voluntariamente porque fazemos sempre aquilo que mais desejamos. agente realiza uma acção para satisfazer os seus interesses e acredita que essa acção é a melhor forma de satisfazer os seus interesses. Ex. em vez de desejarmos ficar em casa e formar família desejamos partir para África e ajudar pobres 2. Agimos voluntariamente e, fazemos bem aos outros porque isso nos dá prazer. Ex. Pode dar-nos prazer (reconhecimento social) dar ajuda monetária a um pobre. Argumentos a favor desta teoria:
  • 9. Críticas ao egoísmo psicológico – nem todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal, existem acções altruístas: 1. Agir de acordo com os próprios desejos não é agir de forma egoísta: tudo depende do “objecto do desejo”, isto é do que se deseja (o altruísta tem desejos altruístas – deseja para os outros, o egoísta só tem desejos egoístas – só deseja para si)
  • 10. 2. O prazer pode ser apenas efeito da acção e não a sua causa (assim, mesmo que sintamos prazer a fazer bem aos outros isso não quer dizer que a expectativa de obter esse prazer tenha sido a causa ou o motivo da acção) Críticas ao egoísmo psicológico – nem todas as acções são explicáveis pelo interesse pessoal, existem acções altruístas: