SlideShare uma empresa Scribd logo

A filosofia moral de kant

1 de 27
Baixar para ler offline
Filosofia 10º Ano
Professora Isaura Silva
Immanuel Kant (Königsberg, 1724 -1804)
O que é que faz com que , segundo Kant, uma
acção seja moralmente boa?
Qual é o critério para avaliar as acções?
Ser humano e acção moral
Ser Humano

Natureza com os seus
fenómenos – âmbito da
necessidade

Mundo da acção humana
– âmbito da liberdade

Sensibilidade

Razão

•Domínio dos prazeres
•Realização de desejos
•Influência dos seus impulsos

•Determinação de leis morais
•Cumprimento de deveres
•Manifestação de autonomia
Vontade
Acção
CONCEITOS
Dever

Respeito
Respeito absoluto
absoluto
pela
pela lei
lei moral;
moral;
imperativo/ordem a
imperativo/ordem a
que o indivíduo se
que o indivíduo se
terá de submeter
terá de submeter

Intenção

Vontade

Determina
a
Determina
a
moralidade
da
moralidade
da
acção; somente o
acção; somente o
sujeito a conhece
sujeito a conhece

Faculdade do espírito
Faculdade do espírito
humano capaz de
humano capaz de
contrariar a força dos
contrariar a força dos
desejos e inclinações
desejos e inclinações
sensíveis
e
de
sensíveis
e
de
determinar a acção
determinar a acção
de acordo com o
de acordo com o
imperativo moral
imperativo moral
 O corpo e a razão não têm as mesmas inclinações
 A vontade fica sujeita a conflitos entre disposições

A vontade fica dividida entre o dever (motivações racionais) e o
prazer (inclinações sensíveis)


 A vontade pode escolher (é o livre-arbítrio)
 Nem sempre escolhe o dever (a moralidade)

Recomendados

Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)InesTeixeiraDuarte
 
Teoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantTeoria Deontológica de Kant
Teoria Deontológica de KantJorge Lopes
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio InesTeixeiraDuarte
 
Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantFilipe Prado
 
Determinismo_moderado
Determinismo_moderadoDeterminismo_moderado
Determinismo_moderadoIsabel Moura
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radicalpauloricardom
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millFilazambuja
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsFilazambuja
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Dylan Bonnet
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)InesTeixeiraDuarte
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraAlexandra Madail
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento Erica Frau
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillOtávio Augusto Padilha
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusIsabel Moura
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaRafael Cristino
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorDanilo Pires
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Jorge Barbosa
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particularHelena Coutinho
 
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawlsA justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawlsLuis De Sousa Rodrigues
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informaisIsabel Moura
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantCelina Silva
 

Mais procurados (20)

Determinismo Radical
Determinismo RadicalDeterminismo Radical
Determinismo Radical
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
A teoria ética de kant
A teoria ética de kantA teoria ética de kant
A teoria ética de kant
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade CognoscitivaFilosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Cap v repreensões particular
Cap v repreensões particularCap v repreensões particular
Cap v repreensões particular
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawlsA justiça como titularidade legitima   critica de nozick a rawls
A justiça como titularidade legitima critica de nozick a rawls
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kant
 

Semelhante a A filosofia moral de kant

Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Marco Casquinha
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantAnaKlein1
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point Julia Martins
 
Amoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.com
Amoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.comAmoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.com
Amoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.comSergio cavalcante silva
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantAnaKlein1
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasJoão Simões
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.millPatricia .
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_1245669
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?alinesantana1422
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFabio Santos
 

Semelhante a A filosofia moral de kant (20)

Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kant
 
(Microsoft power point
(Microsoft power point  (Microsoft power point
(Microsoft power point
 
Marilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kantMarilena chaui- a+ética+de+kant
Marilena chaui- a+ética+de+kant
 
Amoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.com
Amoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.comAmoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.com
Amoral kantiana e mail sergio. cavalcante.942@facebook.com
 
A ética deontológica de kant
A ética deontológica de kantA ética deontológica de kant
A ética deontológica de kant
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
 
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
 
Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?Ética:por que e para que ?
Ética:por que e para que ?
 
Slide Aula.pptx
Slide Aula.pptxSlide Aula.pptx
Slide Aula.pptx
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
Deontologia pronto
Deontologia prontoDeontologia pronto
Deontologia pronto
 
éTica e moral
éTica e moral éTica e moral
éTica e moral
 
Filosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro anoFilosofia apostila terceiro ano
Filosofia apostila terceiro ano
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
éTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart milléTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart mill
 
1222978084 tica e_moral
1222978084 tica e_moral1222978084 tica e_moral
1222978084 tica e_moral
 

Mais de Filazambuja

Textos política
Textos políticaTextos política
Textos políticaFilazambuja
 
O que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoO que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoFilazambuja
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estadoFilazambuja
 
20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_alunoFilazambuja
 
Esquema etica politica
Esquema etica politicaEsquema etica politica
Esquema etica politicaFilazambuja
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e políticaFilazambuja
 
Texto holandeses
Texto holandesesTexto holandeses
Texto holandesesFilazambuja
 
Texto telos deontos
Texto telos deontosTexto telos deontos
Texto telos deontosFilazambuja
 
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasAnálise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasFilazambuja
 
Texto stuart mill
Texto stuart millTexto stuart mill
Texto stuart millFilazambuja
 
Noção de dever
Noção de deverNoção de dever
Noção de deverFilazambuja
 

Mais de Filazambuja (20)

Textos política
Textos políticaTextos política
Textos política
 
Esquema
EsquemaEsquema
Esquema
 
Sociedade justa
Sociedade justaSociedade justa
Sociedade justa
 
Esquema rawls
Esquema rawlsEsquema rawls
Esquema rawls
 
O que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estadoO que legitima a autoridade do estado
O que legitima a autoridade do estado
 
Oque é o estado
Oque é o estadoOque é o estado
Oque é o estado
 
20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno20120905 mec estatuto_aluno
20120905 mec estatuto_aluno
 
Esquema etica politica
Esquema etica politicaEsquema etica politica
Esquema etica politica
 
éTica, direito e política
éTica, direito e políticaéTica, direito e política
éTica, direito e política
 
Dilema de pedro
Dilema de pedroDilema de pedro
Dilema de pedro
 
Ataque
AtaqueAtaque
Ataque
 
Texto holandeses
Texto holandesesTexto holandeses
Texto holandeses
 
Texto telos deontos
Texto telos deontosTexto telos deontos
Texto telos deontos
 
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadasAnálise comparativa das filosofias morais apresentadas
Análise comparativa das filosofias morais apresentadas
 
Texto stuart mill
Texto stuart millTexto stuart mill
Texto stuart mill
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Texto kant
Texto kantTexto kant
Texto kant
 
Noção de dever
Noção de deverNoção de dever
Noção de dever
 
Texto kant 2
Texto kant 2Texto kant 2
Texto kant 2
 
Texto kant 1
Texto kant 1Texto kant 1
Texto kant 1
 

Último

Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...apoioacademicoead
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Prime Assessoria
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...assessoriaff01
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...apoioacademicoead
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMHisrelBlog
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...excellenceeducaciona
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...azulassessoriaacadem3
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...apoioacademicoead
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...Prime Assessoria
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 

Último (20)

Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
Considerando a Teoria da Autodeterminação abordada no livro da disciplina, de...
 
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 51/2024 (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) 2...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
A Organização Racional do Trabalho (ORT), proposta por Frederick Taylor no in...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIMSOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
SOCIOLOGIA: O PENSAMENTO DE ÉMILE DURKHEIM
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
Explique o modelo de determinação social da saúde proposto por Dahlgren e Whi...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
Elabore uma apresentação em PowerPoint em que você possa definir como a teolo...
 
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
A) Comportamento treino-instrução. B) Comportamento de apoio social. C) Compo...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
a) Tendo como base as competências de um conselho de saúde, a afirmação "... ...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 

A filosofia moral de kant

  • 3. O que é que faz com que , segundo Kant, uma acção seja moralmente boa? Qual é o critério para avaliar as acções?
  • 4. Ser humano e acção moral Ser Humano Natureza com os seus fenómenos – âmbito da necessidade Mundo da acção humana – âmbito da liberdade Sensibilidade Razão •Domínio dos prazeres •Realização de desejos •Influência dos seus impulsos •Determinação de leis morais •Cumprimento de deveres •Manifestação de autonomia Vontade Acção
  • 5. CONCEITOS Dever Respeito Respeito absoluto absoluto pela pela lei lei moral; moral; imperativo/ordem a imperativo/ordem a que o indivíduo se que o indivíduo se terá de submeter terá de submeter Intenção Vontade Determina a Determina a moralidade da moralidade da acção; somente o acção; somente o sujeito a conhece sujeito a conhece Faculdade do espírito Faculdade do espírito humano capaz de humano capaz de contrariar a força dos contrariar a força dos desejos e inclinações desejos e inclinações sensíveis e de sensíveis e de determinar a acção determinar a acção de acordo com o de acordo com o imperativo moral imperativo moral
  • 6.  O corpo e a razão não têm as mesmas inclinações  A vontade fica sujeita a conflitos entre disposições A vontade fica dividida entre o dever (motivações racionais) e o prazer (inclinações sensíveis)   A vontade pode escolher (é o livre-arbítrio)  Nem sempre escolhe o dever (a moralidade)
  • 7. Devido aos conflitos entre as disposições a vida ética é uma luta Kant propõe como ideal moral o esforço para transformar a vontade dividida e imperfeita numa vontade boa, isto é, numa vontade que se determine a agir por dever Só a escolha do dever por dever permite transformar a vontade numa vontade boa (págs. 154 a 156)
  • 8. O dilema moral de Pedro
  • 9. O dilema moral de Pedro Dizer a verdade e trair o amigo Mentir e ajudar o amigo Ou Qual o motivo de Pedro? •Não quer ser visto pelos outros como mentiroso •Tem medo da polícia •Tem pena do amigo •Quer receber algo em troca (favores, dinheiro, etc.) Vontade Intenção não é pura ACÇÃO incorrecta Só seria correcta se a vontade de Pedro não se deixasse influenciar pelas inclinações sensíveis e se orientasse exclusivamente pela razão
  • 11. Como descobrir a validade moral de uma acção? Pelo motivo que está na sua origem Diferentes tipos de acções: Acções contrárias ao dever Acções imorais, que não cumprem as regras ou normas morais e que surgem sempre por inclinação sensível IMORALIDADE ILEGALIDADE Acções conformes ao dever movidas por inclinações sensíveis Acções que cumprem as regras ou normas morais, mas que ocorrem por interesse ou vantagem pessoal ou por qualquer sentimento LEGALIDADE Acções conformes ao dever realizadas por puro respeito pelo dever (Ação por Dever) Acções que cumprem as regras ou normas morais e que ocorrem por total respeito pela lei moral; decorrem de uma exigência puramente racional MORALIDADE
  • 12. Kant caracteriza o domínio da moralidade e apresenta um critério para avaliar a moralidade das acções (Fundamentação da Metafísica dos Costumes)  Em que circunstâncias uma acção é boa?  Basta respeitar as regras?  Se o depositário de um bem (dinheiro) o devolve por ter medo de ser descoberto, a acção ainda é moralmente boa?  Devolver o dinheiro será suficiente para se poder falar em moralidade? (pág. 156)
  • 13. Legalidade Moralidade Carácter das acções simplesmente boas, i.e., em conformidade com a norma Carácter das acções realizadas não só em conformidade com a norma, mas também por respeito ao dever
  • 14. O que é agir por dever? É orientar-se pela disposição para a personalidade, e consiste na elaboração de leis racionais a que a própria Razão se submete (autonomia) O dever é o respeito pela lei moral
  • 15. As leis naturais são descritivas dizem como a natureza funciona As leis morais são prescritivas (normativas) prescrevem um comportamento; são incondicionais e absolutas; são um imperativo categórico (uma ordem incondicional).
  • 17. HIPOTÉTICO Ordena CATEGÓRICO que se cumpra É um mandamento que nos determinada acção em indica universalmente como concreto para atingir proceder, como devemos agir determinado fim desejado Diz respeito à forma e ao “se queres A, deves fazer B” princípio de que a acção deriva (a lei moral) “Se queres ser atleta, treina.”
  • 18.  Significa a determinação de uma acção como necessária em si mesma, i. é, absolutamente desinteressada.  É uma espécie de mandamento que “obriga” o sujeito moral a submeter-se ao dever. (págs.158/9)
  • 19. Age unicamente de acordo com a máxima que te faça simultaneamente desejar a sua transformação em lei universal Ou Age como se a máxima da tua acção devesse ser instituída pela tua vontade como LEI UNIVERSAL DA NATUREZA
  • 20. MÁXIMA (pág.156)  Princípio subjectivo de acção, i. é, princípios concretos que o sujeito toma como válidos para a sua vontade LEI MORAL  Princípio objectivo, i. é, válido para a vontade de todos os seres racionais, indicando a forma como deve agir Só possui valor moral a máxima que puder ser universalizável
  • 21. A máxima ou princípio que orienta a minha acção deve converter-se em lei universal?  Devem todos os seres humanos aderir a essa lei, caso estejam em circunstâncias semelhantes? Texto Kant (1)
  • 22. Age de tal forma que trates a humanidade, tanto na tua pessoa como na de qualquer outro, sempre simultaneamente como um fim, e nunca como um meio. Texto Kant (2)
  • 23.  É a vontade que escolhe agir em função do dever.  Disposição para a racionalidade, pois enquanto ser racional o ser humano tem exigências autoimpostas pela razão: Exigência de desprendimento das necessidades e inclinações sensíveis e dos interesses pessoais;  Autonomia. 
  • 24. Propriedade da vontade de se constituir como a sua própria lei; A razão deve ser autónoma, i. é, criar as leis a que deverá, depois, submeter-se: só assim haverá liberdade.  A autonomia da vontade é o princípio supremo da moralidade e o fundamento da dignidade e do respeito devido ao ser moral ou pessoa.
  • 25. Perguntas  qual o fundamento da moralidade das acções?  qual o critério para avaliar a moralidade das acções? Segundo Kant O fundamento da moralidade é a racionalidade, i.e. , a autonomia da vontade Isso implica:  cumprimento do dever por dever independência face às disposições sensíveis   opção pela personalidade
  • 26. O critério para identificar uma acção como boa é o carácter incondicional e universalizável da máxima que determina a escolha, ou seja, o carácter racional da lei moral
  • 27. Organograma conceptual A ética racional de KANT Ser Humano Disposição para a Disposição para a animalidade ► ◄ humanidade acção legal ↓ cumpre a lei o móbil são as inclinações sensíveis acção por interesse, não por dever ► ◄ ↓ Disposição para a personalidade lei moral racional imperativo categórico dever acção moral (por dever) autonomia vontade boa Ser Humano (pessoa) fim em si mesmo