SlideShare uma empresa Scribd logo
1. Descrição e interpretação
da atividade cognoscitiva
GNOSIOLOGIA
Origem, natureza, possibilidade e limites do conhecimento.
Estudo do conhecimento – estudo das relações entre o
sujeito e o objeto, procurando esclarecer e analisar
criticamente os problemas que essas relações suscitam.
TEORIA DO
CONHECIMENTO
O que é o conhecimento?
Que tipos de conhecimento existem?
Quais as fontes do conhecimento?
Qual a origem do conhecimento?
Será que o conhecimento é possível?
Qual o fundamento do conhecimento?
ALGUMAS QUESTÕES
GNOSIOLÓGICAS
Representar o objeto é também, em certa medida, construí-lo.
Aquele que
conhece
Aquilo que é
conhecido
CONHECIMENTO
Um SUJEITO apreende um OBJETO
CORRELAÇÃO: o sujeito só é sujeito em relação a um
objeto e este só é objeto em relação a um sujeito.
INTERAÇÃO: o sujeito interage com a realidade, e é desse
processo que o conhecimento emerge.
Exemplo: saber
cozinhar.
Conhecimento
prático ou
conhecimento de
atividades.
Conhecimento
direto de alguma
realidade.
TIPOS DE CONHECIMENTO
CONHECIMENTO
POR CONTACTO
SABER-QUE
(conhecimento
proposicional)
SABER-FAZER
(conhecimento por
aptidão ou saber-
como)
Conhecimento de
proposições ou
pensamentos
verdadeiros.
Exemplo: saber
que «2 + 2 = 4».
Exemplo:
conhecer Paris.
O saber-que também se
designa por conhecimento
factual, podendo ser expresso
com outras locuções: por
exemplo, «sei onde»; «sei
quando»; «sei quem», etc.
Relação adequada entre
o sujeito cognoscente e
a realidade.
Atitude de adesão a uma
determinada proposição,
tomando-a como
verdadeira.
CONHECIMENTO PROPOSICIONAL
(SABER-QUE)
Proposições falsasProposições verdadeiras
Saber é acreditar
naquilo que se sabe.
CRENÇA OBJETOSUJEITO
O verdadeiro e o
falso de qualquer
crença dependem
de algo exterior à
própria crença.
No conhecimento proposicional verifica-se uma
relação entre um sujeito e um objeto.
A crença é uma condição necessária do conhecimento. Mas as crenças podem ser verdadeiras ou falsas.
DEFINIÇÃO TRADICIONAL DE CONHECIMENTO
S acredita que P.
CRENÇA JUSTIFICAÇÃO
CONDIÇÕES DO CONHECIMENTO
VERDADE
P é verdadeira.
S dispõe de
justificação ou
provas para
acreditar que P.
S sabe que P se, e só se:
CONHECIMENTO – DEFINIÇÃO TRIPARTIDA
CRENÇA VERDADEIRA JUSTIFICADA
PLATÃO – DIÁLOGO TEETETO
Crença, verdade
e justificação:
condições
necessárias e
suficientes para
que haja
conhecimento.
Todas as três
condições são
necessárias
para que haja
conhecimento.
Consideradas
isoladamente,
nenhuma delas
é suficiente.
EDMUND GETTIER
Contraexemplos à definição de conhecimento
como crença verdadeira justificada.
Pode haver crenças verdadeiras que são justificadas
apenas acidentalmente, em resultado da sorte, do
acaso ou da mera coincidência.
Pode haver crenças verdadeiras justificadas sem que
tais crenças equivalham a um efetivo conhecimento.
É possível que alguém não possua conhecimento,
ainda que sejam realizadas as três condições: crença,
verdade e justificação.
Críticas à definição tradicional de conhecimento
Podemos alegar que uma crença só estará adequadamente justificada se estiver apoiada por
razões tão fortes que não exista a menor hipótese de ser falsa.
Estipula-se então que, é preciso uma crença estar infalivelmente justificada.
Esta é uma forma insatisfatória de evitar os problemas dado que, se dissermos que qualquer
crença justificada tem que excluir toda a possibilidade de erro, teremos de concluir que quase
nenhuma das nossas crenças está justificada, o que é muito implausível…
Por exemplo, parece-nos que acreditamos justificadamente que Saturno é um planeta e que a
água e H²O, etc, mas não é completamente impossível que estas crenças sejam falsas…
O infalibilismo impõe demasiadas restrições ao conhecimento, pois só reconhece como
conhecimento as crenças de que temos provas infalíveis de que são verdadeiras e é óbvio que as
crenças que cumprem essa condição são, apesar de tudo, poucas.
Assim, a maior parte dos filósofos é da opinião de que a justificação das nossas crenças não deve
ser infalível, mas falível.
Admitimos então que podemos ter crenças falivelmente justificadas.
Mas, é preciso não esquecer que isso não significa que toda e qualquer explicação (justificação)
desde que seja falível, é conhecimento…
Uma explicação falível, mas acidental ou má, não é conhecimento.
Então:
S sabe que P se, e só se:
1. S acredita em P
2. P é verdadeira
3. S tem uma justificação falível para acreditar em P
Justificação falível vs infalível
CONHECIMENTO PROPOSICIONAL
CONHECIMENTO A POSTERIORI
 Afirmações que ilustram:
 Estão 3 cadeiras nesta sala.
 Ontem estive profundamente triste.
 O 25 de Abril pôs fim à guerra
colonial.
 Nem todos os cisnes são brancos.
 Dói-me imenso o braço.
 A neve é branca.
 Nenhum objeto totalmente azul é
frágil.
A justificação para acreditar nestas
afirmações é a experiência/nossos
sentidos.
Um sujeito sabe que P a posteriori
se e só se, sabe que P, através
da experiencia.
CONHECIMENTO A PRIORI
 Afirmações que ilustram:
 Os solteiros não são casados.
 Tudo aquilo que é branco tem cor.
 523 x 2 = 1046
 a + b = b + a
 O Universo está em expansão ou o
Universo não está em expansão.
 Nenhum objeto totalmente azul é
vermelho.
A justificação para acreditar nestas
afirmações é o pensamento/razão.
Um sujeito sabe que P a priori se
e só se, sabe que P,
independentemente da
experiência, ou pelo
pensamento apenas.
CONHECIMENTO PROPOSICIONAL
CONHECIMENTO A POSTERIORI
 Conhecimento empírico.
 Depende da experiência, seja
sensorial (advém dos nossos
sentidos -visão, audição …- que nos
colocam em contacto com o mundo
exterior) ou introspetiva (advém
daquilo que encontramos dentro de
nós – emoções, desejos, dores …).
 Constituído por crenças que só
podemos justificar se recorrermos a
dados empíricos, isto é, à informação
que nos é fornecida pelos sentidos ou
introspeção.
 Conhecimento facultado pelas
Ciências da Natureza, Ciências
Humanas e conhecimento que
obtemos todos os dias é a posteriori.
CONHECIMENTO A PRIORI
 Não depende da experiência
empírica.
 Constituído por crenças que
podemos justificar recorrendo
unicamente ao pensamento, sem
nos basearmos em quaisquer
dados empíricos.
 As verdades da lógica e da
matemática, bem como outras
afirmações que possamos saber
que são verdadeiras pensando
apenas no seu significado,
constituem conhecimento a priori.
ORIGEM DO CONHECIMENTO
RACIONALISMO
(Racionalismo do século XVII)
EMPIRISMO
(Empirismo inglês do século XVIII)
Filósofos:
René Descartes
(1596-1650)
Gottfried Leibniz
(1646-1716)
Bento de Espinosa
(1632-1677)
Nicolas Malebranche
(1638-1715)
Filósofos:
John Locke
(1632-1704)
George Berkeley
(1685-1753)
David Hume
(1711-1776)
Será que todo o nosso
conhecimento provém da
experiência?
Ou será que provém
também da razão?
Ou procederá de ambas
estas fontes, mas tem
maior importância
quando provém de uma
do que de outra?
Problemas do conhecimento:
RACIONALISMO
A razão (entendimento) é a
fonte principal do
conhecimento.
A razão é fonte de um
conhecimento totalmente
independente da experiência
sensível .
O sujeito impõe-se ao
objeto através das noções
e princípios evidentes
que traz em si.
Ideias inatas:
As ideias
fundamentais já
nascem
connosco.
Intuição e
dedução:
As ideias
fundamentais
descobrem-se
por intuição
intelectual. O
conhecimento
constrói-se de
forma dedutiva.
Desconfiança
dos sentidos:
Eles são fonte
de crenças
confusas e,
muitas vezes,
incertas.
Otimismo
racionalista:
Há uma
correspondência
entre
pensamento e
realidade.Toda a
realidade pode
ser conhecida.
EMPIRISMO
A experiência é a fonte
principal do conhecimento.
Todas as ideias têm uma base
empírica, até as mais
complexas. O conhecimento
do mundo obtém-se através
de impressões sensoriais.
O objeto impõe-se ao
sujeito.
Rejeição do
inatismo:
Não existem
ideias,
conhecimentos
ou princípios
inatos. O
entendimento
assemelha-se a
uma página em
branco.
Significado da
experiência:
É nela que o
conhecimento
tem o seu
fundamento e
os seus limites.
John Locke:
O conhecimento
encontra-se limitado
pela experiência
(externa ou interna),
ao nível da sua:
Extensão: o
entendimento
é incapaz de
ultrapassar os
limites
impostos pela
experiência.
Certeza: as
certezas de
que dispomos
referem-se
apenas àquilo
que se
encontra
dentro dos
limites da
experiência.
RACIONALISMO EMPIRISMO
FUNDACIONALISMO
EXPERIÊNCIACombinação da
RAZÃO e da
EXPERIÊNCIA
RAZÃO
Valorização do
conhecimento a
priori (mas não se
nega a existência
do conhecimento
a posteriori).
Valorização do
conhecimento a
posteriori (mas não
se nega a existência
do conhecimento a
priori).
O conhecimento deve ser concebido como uma estrutura que se ergue e se
desenvolve a partir de fundamentos certos, seguros e indubitáveis.
Corre-se o risco da regressão infinita da justificação.
A justificação é inferencial: a crença justificada infere-
se daquela que a justifica.
Uma crença é justificada por outra, a qual por sua vez
é justificada por outra e assim sucessivamente.
De acordo com a definição tradicional de
conhecimento, uma crença encontra-se justificada se
tivermos razões para pensar que ela é verdadeira.
FUNDACIONALISMO
crenças básicas ou fundacionais
permitem evitar a
Suportam o sistema do saber.
Não necessitam de uma
justificação fornecida por
outras crenças, porque se
justificam a si mesmas.
infalíveis – não podem estar erradas
FUNDACIONALISMO
Crenças básicas Crenças não básicas
incorrigíveis – não podem ser refutadas
indubitáveis – não podem ser postas em dúvida
São justificadas por outras
crenças.
DOGMATISMO CETICISMO
Possibilidade do
conhecimento
Será que o sujeito apreende efetivamente o objeto?
Será que o conhecimento é possível?
NÃOSIM
É o dogmatismo
ingénuo. Não
coloca o problema
do conhecimento.
Não ocorre
propriamente na
filosofia.
DOGMATISMO
Posição própria do
realismo ingénuo –
ausência de exame
crítico das
aparências.
O conhecimento é
possível. Esta
perspetiva opõe-se
ao ceticismo.
Confiança de que a
razão pode atingir
a certeza e a
verdade.
Expressando uma
ausência de
espírito crítico, o
termo adquire
aqui um sentido
pejorativo.
Submissão, sem
exame pessoal, a
certos princípios
ou à autoridade de
que provêm.
Opõe-se ao
criticismo (Kant).
Exercício da razão,
em domínios
metafísicos, sem
uma crítica prévia
da sua capacidade.
QUATRO ACEÇÕES DO TERMO
Pirro de Élis
(c. 365-275 a. C.)
Sexto Empírico
(séculos II-III d. C)
CETICISMO
Ceticismo absoluto
ou radical
Arcesilau
(c. 315-241 a. C.)
Carnéades
(c.213-c.128a.C.)
Ceticismo mitigado
ou moderado
Não é possível ao sujeito apreender, de um modo
efetivo ou então de um modo rigoroso, o objeto.
Pode haver apenas
um ceticismo
localizado, que
incide sobre um
conhecimento
determinado: por
exemplo, o
conhecimento
metafísico –
ceticismo
metafísico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
Dylan Bonnet
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
Jorge Barbosa
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
Luis De Sousa Rodrigues
 
Hume
HumeHume
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerEstrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
António Padrão
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Isabel Moura
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
anabelamatosanjos
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
Luis De Sousa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11Resumos filosofia 11
Resumos filosofia 11
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Comparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhnComparação entre popper e kuhn
Comparação entre popper e kuhn
 
Hume
HumeHume
Hume
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
O indutivismo
O indutivismoO indutivismo
O indutivismo
 
Estrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecerEstrutura do ato de conhecer
Estrutura do ato de conhecer
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada Conhecimento como crença verdadeira justificada
Conhecimento como crença verdadeira justificada
 
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientificoConhecimento vulgar e conhecimento cientifico
Conhecimento vulgar e conhecimento cientifico
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 

Destaque

Презентація:Функція. Лінійна функція.
Презентація:Функція. Лінійна функція.Презентація:Функція. Лінійна функція.
Презентація:Функція. Лінійна функція.
sveta7940
 
Mission in a Virtual World, for The Salvation Army
Mission in a Virtual World, for The Salvation ArmyMission in a Virtual World, for The Salvation Army
Mission in a Virtual World, for The Salvation Army
Bex Lewis
 
611 23
611 23611 23
Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас
Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас
Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас
Таня Гирлаку
 
3Com ETHERLINK II
3Com ETHERLINK II3Com ETHERLINK II
3Com ETHERLINK II
savomir
 
Ejercicios tema universo
Ejercicios tema universoEjercicios tema universo
Ejercicios tema universo
José Antonio Lupión Lorenzo
 
Основи, їх склад і назви
Основи, їх склад і назвиОснови, їх склад і назви
Основи, їх склад і назви
sveta7940
 
Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"
Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"
Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"
sveta7940
 
3Com 180-3872A
3Com 180-3872A3Com 180-3872A
3Com 180-3872A
savomir
 
Правила дорожного движения
Правила дорожного движенияПравила дорожного движения
Правила дорожного движения
Anastasia Simonova
 
IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...
IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...
IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...
Miguel Jacques
 
19th March 2017 - Spirituality and the Christian
19th March 2017 -  Spirituality and the Christian19th March 2017 -  Spirituality and the Christian
19th March 2017 - Spirituality and the Christian
Thorn Group Pvt Ltd
 
Вікторина «рослини та тварини»
Вікторина «рослини та тварини»Вікторина «рослини та тварини»
Вікторина «рослини та тварини»
Таня Гирлаку
 
Tehilim 929 #39 מזמור לד 20161223 ftw
Tehilim 929 #39 מזמור לד 20161223  ftwTehilim 929 #39 מזמור לד 20161223  ftw
Tehilim 929 #39 מזמור לד 20161223 ftw
Eliyahu Schuman
 
Global Marketing
Global Marketing  Global Marketing
Global Marketing
deepak gupta
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
Dr. Walter Cury
 
Ratio analysis shoppers stop (final) (1)
Ratio analysis shoppers stop (final) (1)Ratio analysis shoppers stop (final) (1)
Ratio analysis shoppers stop (final) (1)
deepak gupta
 
Презентація:Додавання і віднімання мішаних чисел
Презентація:Додавання і віднімання мішаних чиселПрезентація:Додавання і віднімання мішаних чисел
Презентація:Додавання і віднімання мішаних чисел
sveta7940
 
Green bldgs 19 12 16
Green bldgs 19 12 16Green bldgs 19 12 16
Green bldgs 19 12 16
Usha Batra
 
Batman and Robin
Batman and RobinBatman and Robin
Batman and Robin
tamilweb
 

Destaque (20)

Презентація:Функція. Лінійна функція.
Презентація:Функція. Лінійна функція.Презентація:Функція. Лінійна функція.
Презентація:Функція. Лінійна функція.
 
Mission in a Virtual World, for The Salvation Army
Mission in a Virtual World, for The Salvation ArmyMission in a Virtual World, for The Salvation Army
Mission in a Virtual World, for The Salvation Army
 
611 23
611 23611 23
611 23
 
Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас
Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас
Побудова речень з однорідними членами-присудками. 4 клас
 
3Com ETHERLINK II
3Com ETHERLINK II3Com ETHERLINK II
3Com ETHERLINK II
 
Ejercicios tema universo
Ejercicios tema universoEjercicios tema universo
Ejercicios tema universo
 
Основи, їх склад і назви
Основи, їх склад і назвиОснови, їх склад і назви
Основи, їх склад і назви
 
Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"
Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"
Презентація:Повторення теми "Додавання і віднімання раціональних чисел"
 
3Com 180-3872A
3Com 180-3872A3Com 180-3872A
3Com 180-3872A
 
Правила дорожного движения
Правила дорожного движенияПравила дорожного движения
Правила дорожного движения
 
IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...
IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...
IMPACTO DA GRADUAÇÃO NO COTIDIANO DO DISCENTE SANTA-VITORIENSE MATRICULADO NO...
 
19th March 2017 - Spirituality and the Christian
19th March 2017 -  Spirituality and the Christian19th March 2017 -  Spirituality and the Christian
19th March 2017 - Spirituality and the Christian
 
Вікторина «рослини та тварини»
Вікторина «рослини та тварини»Вікторина «рослини та тварини»
Вікторина «рослини та тварини»
 
Tehilim 929 #39 מזמור לד 20161223 ftw
Tehilim 929 #39 מזמור לד 20161223  ftwTehilim 929 #39 מזמור לד 20161223  ftw
Tehilim 929 #39 מזמור לד 20161223 ftw
 
Global Marketing
Global Marketing  Global Marketing
Global Marketing
 
Transtornos mentais
Transtornos mentaisTranstornos mentais
Transtornos mentais
 
Ratio analysis shoppers stop (final) (1)
Ratio analysis shoppers stop (final) (1)Ratio analysis shoppers stop (final) (1)
Ratio analysis shoppers stop (final) (1)
 
Презентація:Додавання і віднімання мішаних чисел
Презентація:Додавання і віднімання мішаних чиселПрезентація:Додавання і віднімання мішаних чисел
Презентація:Додавання і віднімання мішаних чисел
 
Green bldgs 19 12 16
Green bldgs 19 12 16Green bldgs 19 12 16
Green bldgs 19 12 16
 
Batman and Robin
Batman and RobinBatman and Robin
Batman and Robin
 

Semelhante a Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva

Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
erickxk
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
João Paulo Rodrigues
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
j_sdias
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
João Bastos
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
Adeilsa Ferreira
 
Estrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimentoEstrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimento
Márcia Franco
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
NTM - Núcleo de Tecnologia Municipal
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
NTM - Núcleo de Tecnologia Municipal
 
Comparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.docComparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.doc
AssunoCristinaBolota
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
Sandra Wirthmann
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Unidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimentoUnidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimento
Alex Alembert
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
Pedro Rocha Da Silva
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
JorgeNogueira40
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Helena Serrão
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 

Semelhante a Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva (20)

Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
 
Epistemologia introdução
Epistemologia   introduçãoEpistemologia   introdução
Epistemologia introdução
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Ae ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacionalAe ci11 prep_exame_nacional
Ae ci11 prep_exame_nacional
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Trabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimentoTrabalho teoria do conhecimento
Trabalho teoria do conhecimento
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
Estrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimentoEstrutura do ato de conhecimento
Estrutura do ato de conhecimento
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Comparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.docComparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.doc
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Unidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimentoUnidade I – evolução do conhecimento
Unidade I – evolução do conhecimento
 
A Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódicaA Dúvida Cartesiana/metódica
A Dúvida Cartesiana/metódica
 
1 desca alunos
1 desca alunos1 desca alunos
1 desca alunos
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 

Último

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Filosofia 11 - Descrição e Interpretação da Atividade Cognoscitiva

  • 1. 1. Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva
  • 2. GNOSIOLOGIA Origem, natureza, possibilidade e limites do conhecimento. Estudo do conhecimento – estudo das relações entre o sujeito e o objeto, procurando esclarecer e analisar criticamente os problemas que essas relações suscitam. TEORIA DO CONHECIMENTO
  • 3. O que é o conhecimento? Que tipos de conhecimento existem? Quais as fontes do conhecimento? Qual a origem do conhecimento? Será que o conhecimento é possível? Qual o fundamento do conhecimento? ALGUMAS QUESTÕES GNOSIOLÓGICAS
  • 4. Representar o objeto é também, em certa medida, construí-lo. Aquele que conhece Aquilo que é conhecido CONHECIMENTO Um SUJEITO apreende um OBJETO CORRELAÇÃO: o sujeito só é sujeito em relação a um objeto e este só é objeto em relação a um sujeito. INTERAÇÃO: o sujeito interage com a realidade, e é desse processo que o conhecimento emerge.
  • 5. Exemplo: saber cozinhar. Conhecimento prático ou conhecimento de atividades. Conhecimento direto de alguma realidade. TIPOS DE CONHECIMENTO CONHECIMENTO POR CONTACTO SABER-QUE (conhecimento proposicional) SABER-FAZER (conhecimento por aptidão ou saber- como) Conhecimento de proposições ou pensamentos verdadeiros. Exemplo: saber que «2 + 2 = 4». Exemplo: conhecer Paris. O saber-que também se designa por conhecimento factual, podendo ser expresso com outras locuções: por exemplo, «sei onde»; «sei quando»; «sei quem», etc.
  • 6. Relação adequada entre o sujeito cognoscente e a realidade. Atitude de adesão a uma determinada proposição, tomando-a como verdadeira. CONHECIMENTO PROPOSICIONAL (SABER-QUE) Proposições falsasProposições verdadeiras Saber é acreditar naquilo que se sabe. CRENÇA OBJETOSUJEITO O verdadeiro e o falso de qualquer crença dependem de algo exterior à própria crença. No conhecimento proposicional verifica-se uma relação entre um sujeito e um objeto. A crença é uma condição necessária do conhecimento. Mas as crenças podem ser verdadeiras ou falsas.
  • 7. DEFINIÇÃO TRADICIONAL DE CONHECIMENTO S acredita que P. CRENÇA JUSTIFICAÇÃO CONDIÇÕES DO CONHECIMENTO VERDADE P é verdadeira. S dispõe de justificação ou provas para acreditar que P. S sabe que P se, e só se:
  • 8. CONHECIMENTO – DEFINIÇÃO TRIPARTIDA CRENÇA VERDADEIRA JUSTIFICADA PLATÃO – DIÁLOGO TEETETO Crença, verdade e justificação: condições necessárias e suficientes para que haja conhecimento. Todas as três condições são necessárias para que haja conhecimento. Consideradas isoladamente, nenhuma delas é suficiente.
  • 9. EDMUND GETTIER Contraexemplos à definição de conhecimento como crença verdadeira justificada. Pode haver crenças verdadeiras que são justificadas apenas acidentalmente, em resultado da sorte, do acaso ou da mera coincidência. Pode haver crenças verdadeiras justificadas sem que tais crenças equivalham a um efetivo conhecimento. É possível que alguém não possua conhecimento, ainda que sejam realizadas as três condições: crença, verdade e justificação. Críticas à definição tradicional de conhecimento
  • 10. Podemos alegar que uma crença só estará adequadamente justificada se estiver apoiada por razões tão fortes que não exista a menor hipótese de ser falsa. Estipula-se então que, é preciso uma crença estar infalivelmente justificada. Esta é uma forma insatisfatória de evitar os problemas dado que, se dissermos que qualquer crença justificada tem que excluir toda a possibilidade de erro, teremos de concluir que quase nenhuma das nossas crenças está justificada, o que é muito implausível… Por exemplo, parece-nos que acreditamos justificadamente que Saturno é um planeta e que a água e H²O, etc, mas não é completamente impossível que estas crenças sejam falsas… O infalibilismo impõe demasiadas restrições ao conhecimento, pois só reconhece como conhecimento as crenças de que temos provas infalíveis de que são verdadeiras e é óbvio que as crenças que cumprem essa condição são, apesar de tudo, poucas. Assim, a maior parte dos filósofos é da opinião de que a justificação das nossas crenças não deve ser infalível, mas falível. Admitimos então que podemos ter crenças falivelmente justificadas. Mas, é preciso não esquecer que isso não significa que toda e qualquer explicação (justificação) desde que seja falível, é conhecimento… Uma explicação falível, mas acidental ou má, não é conhecimento. Então: S sabe que P se, e só se: 1. S acredita em P 2. P é verdadeira 3. S tem uma justificação falível para acreditar em P Justificação falível vs infalível
  • 11. CONHECIMENTO PROPOSICIONAL CONHECIMENTO A POSTERIORI  Afirmações que ilustram:  Estão 3 cadeiras nesta sala.  Ontem estive profundamente triste.  O 25 de Abril pôs fim à guerra colonial.  Nem todos os cisnes são brancos.  Dói-me imenso o braço.  A neve é branca.  Nenhum objeto totalmente azul é frágil. A justificação para acreditar nestas afirmações é a experiência/nossos sentidos. Um sujeito sabe que P a posteriori se e só se, sabe que P, através da experiencia. CONHECIMENTO A PRIORI  Afirmações que ilustram:  Os solteiros não são casados.  Tudo aquilo que é branco tem cor.  523 x 2 = 1046  a + b = b + a  O Universo está em expansão ou o Universo não está em expansão.  Nenhum objeto totalmente azul é vermelho. A justificação para acreditar nestas afirmações é o pensamento/razão. Um sujeito sabe que P a priori se e só se, sabe que P, independentemente da experiência, ou pelo pensamento apenas.
  • 12. CONHECIMENTO PROPOSICIONAL CONHECIMENTO A POSTERIORI  Conhecimento empírico.  Depende da experiência, seja sensorial (advém dos nossos sentidos -visão, audição …- que nos colocam em contacto com o mundo exterior) ou introspetiva (advém daquilo que encontramos dentro de nós – emoções, desejos, dores …).  Constituído por crenças que só podemos justificar se recorrermos a dados empíricos, isto é, à informação que nos é fornecida pelos sentidos ou introspeção.  Conhecimento facultado pelas Ciências da Natureza, Ciências Humanas e conhecimento que obtemos todos os dias é a posteriori. CONHECIMENTO A PRIORI  Não depende da experiência empírica.  Constituído por crenças que podemos justificar recorrendo unicamente ao pensamento, sem nos basearmos em quaisquer dados empíricos.  As verdades da lógica e da matemática, bem como outras afirmações que possamos saber que são verdadeiras pensando apenas no seu significado, constituem conhecimento a priori.
  • 13. ORIGEM DO CONHECIMENTO RACIONALISMO (Racionalismo do século XVII) EMPIRISMO (Empirismo inglês do século XVIII) Filósofos: René Descartes (1596-1650) Gottfried Leibniz (1646-1716) Bento de Espinosa (1632-1677) Nicolas Malebranche (1638-1715) Filósofos: John Locke (1632-1704) George Berkeley (1685-1753) David Hume (1711-1776) Será que todo o nosso conhecimento provém da experiência? Ou será que provém também da razão? Ou procederá de ambas estas fontes, mas tem maior importância quando provém de uma do que de outra? Problemas do conhecimento:
  • 14. RACIONALISMO A razão (entendimento) é a fonte principal do conhecimento. A razão é fonte de um conhecimento totalmente independente da experiência sensível . O sujeito impõe-se ao objeto através das noções e princípios evidentes que traz em si. Ideias inatas: As ideias fundamentais já nascem connosco. Intuição e dedução: As ideias fundamentais descobrem-se por intuição intelectual. O conhecimento constrói-se de forma dedutiva. Desconfiança dos sentidos: Eles são fonte de crenças confusas e, muitas vezes, incertas. Otimismo racionalista: Há uma correspondência entre pensamento e realidade.Toda a realidade pode ser conhecida.
  • 15. EMPIRISMO A experiência é a fonte principal do conhecimento. Todas as ideias têm uma base empírica, até as mais complexas. O conhecimento do mundo obtém-se através de impressões sensoriais. O objeto impõe-se ao sujeito. Rejeição do inatismo: Não existem ideias, conhecimentos ou princípios inatos. O entendimento assemelha-se a uma página em branco. Significado da experiência: É nela que o conhecimento tem o seu fundamento e os seus limites. John Locke: O conhecimento encontra-se limitado pela experiência (externa ou interna), ao nível da sua: Extensão: o entendimento é incapaz de ultrapassar os limites impostos pela experiência. Certeza: as certezas de que dispomos referem-se apenas àquilo que se encontra dentro dos limites da experiência.
  • 16. RACIONALISMO EMPIRISMO FUNDACIONALISMO EXPERIÊNCIACombinação da RAZÃO e da EXPERIÊNCIA RAZÃO Valorização do conhecimento a priori (mas não se nega a existência do conhecimento a posteriori). Valorização do conhecimento a posteriori (mas não se nega a existência do conhecimento a priori). O conhecimento deve ser concebido como uma estrutura que se ergue e se desenvolve a partir de fundamentos certos, seguros e indubitáveis.
  • 17. Corre-se o risco da regressão infinita da justificação. A justificação é inferencial: a crença justificada infere- se daquela que a justifica. Uma crença é justificada por outra, a qual por sua vez é justificada por outra e assim sucessivamente. De acordo com a definição tradicional de conhecimento, uma crença encontra-se justificada se tivermos razões para pensar que ela é verdadeira. FUNDACIONALISMO crenças básicas ou fundacionais permitem evitar a
  • 18. Suportam o sistema do saber. Não necessitam de uma justificação fornecida por outras crenças, porque se justificam a si mesmas. infalíveis – não podem estar erradas FUNDACIONALISMO Crenças básicas Crenças não básicas incorrigíveis – não podem ser refutadas indubitáveis – não podem ser postas em dúvida São justificadas por outras crenças.
  • 19. DOGMATISMO CETICISMO Possibilidade do conhecimento Será que o sujeito apreende efetivamente o objeto? Será que o conhecimento é possível? NÃOSIM
  • 20. É o dogmatismo ingénuo. Não coloca o problema do conhecimento. Não ocorre propriamente na filosofia. DOGMATISMO Posição própria do realismo ingénuo – ausência de exame crítico das aparências. O conhecimento é possível. Esta perspetiva opõe-se ao ceticismo. Confiança de que a razão pode atingir a certeza e a verdade. Expressando uma ausência de espírito crítico, o termo adquire aqui um sentido pejorativo. Submissão, sem exame pessoal, a certos princípios ou à autoridade de que provêm. Opõe-se ao criticismo (Kant). Exercício da razão, em domínios metafísicos, sem uma crítica prévia da sua capacidade. QUATRO ACEÇÕES DO TERMO
  • 21. Pirro de Élis (c. 365-275 a. C.) Sexto Empírico (séculos II-III d. C) CETICISMO Ceticismo absoluto ou radical Arcesilau (c. 315-241 a. C.) Carnéades (c.213-c.128a.C.) Ceticismo mitigado ou moderado Não é possível ao sujeito apreender, de um modo efetivo ou então de um modo rigoroso, o objeto. Pode haver apenas um ceticismo localizado, que incide sobre um conhecimento determinado: por exemplo, o conhecimento metafísico – ceticismo metafísico.