SlideShare uma empresa Scribd logo
Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro
Secretaria Municipal de Educação
Subsecretaria de Ensino
Coordenadoria de Educação
Seminário
Formação de Gestores e Educadores do Programa
de Educação Inclusiva: Direito à Diversidade
“Educação para as Relações Étnico-Raciais
na Educação”
Jaime Pacheco dos Santos
Coordenadoria de Educação/SME
 Um novo campo da educação: A “Educação das
relações étnico-raciais”
 Visa a construção de uma educação antirracista
que contempla a pluralidade cultural e a
diversidade étnico-racial enquanto temas do
cotidiano escolar.
 Como contribuir para esta forma de educar?
 Este campo dialoga com os conceitos de direitos
humanos, cidadania, dignidade, identidade, raça,
etnia, preconceito, discriminação e racismo.
 Contempla um olhar para as minorias, noção que
significa mais do que uma distinção numérica,
pois refere-se à posição subordinada de
determinado grupo (grupo étnico, religioso,
político, de gênero).
Instrumentos legais para o trato da Educação para as
Relações Ético-Raciais: a legislação brasileira
proclamou a defesa das identidades e das diferenças
 A Lei 10.639/2003:
Instituiu a obrigatoriedade do ensino das histórias e
culturas africanas e afro-brasileiras;
 A Lei 11.645/2008:
Tornou obrigatório o ensino das histórias e
culturas africanas, afro-brasileiras e indígenas.
 As linguagens artísticas e as múltiplas
possibilidades da Inclusão Social em projetos
educativos
 Projeto Playing for Change - documentário
Termos e conceitos relevantes para a
educação das relações étnico-raciais
Negros: (tecnicamente) as pessoas classificados como
pretas e pardas no Censo do IBGE.
IDENTIDADE:
• Não é inata;
• Implica um modo de ser no mundo e com os outros;
• Indica traços culturais que se expressam: nas práticas
linguísticas, festivas, rituais, comportamentos
alimentares e tradições populares, referências
civilizatórias que marcam a condição humana;
• É evocada para oferecer visibilidade social;
• Para ser real, precisa de interação, a visão do seu “eu” é
intermediada pelo reconhecimento do outro;
 Identidade implica em diferença. Não se constrói no
isolamento, é negociada, toda a vida, pelo diálogo;
 Cultura e História: no seu interior se definem as identidades
sociais, não só a racial;
 Os processos identitários se constroem gradativamente;
 Estabelecem um sentido de pertencimento a grupo social de
referência.
 Nilma Gomes: “Construir uma identidade negra positiva numa
sociedade que ensina aos negros, que para ser aceito é preciso
negar a si mesmo é um desafio para negros e negras
brasileiros”.
 E a escola está atenta a essa diversidade cultural na formação
de seus professores?
 Sua construção é um processo contínuo e se dá nos diversos
espaços em que os negros e as demais “minorias” circulam e,
também é construída na trajetória escolar .
 A escola e sua responsabilidade social e educativa, de
compreender a sua complexidade, respeitá-la –como às demais
identidades – e lidar positivamente com essa riqueza.
RAÇA:
 Polêmico para identificar pessoas negras;
 Remete ao racismo, à escravidão, e às imagens construídas
sobre “ser negro” e sobre “ser branco” em nosso país;
 Movimento Negro e intelectuais: uso diferente do conceito
biológico de raças humanas de modelo nazista e distante da
ideia de superior ou inferior.
 Uso baseado na dimensão social e política do termo .
 A espécie humana é uma só!!
 No Brasil o racismo se afirma através da sua negação: um
racismo ambíguo!!
 Diálogos sobre o Racismo: “Onde você guarda o seu
Racismo?”
 87% da pop. reconhece o racismo no Brasil;
 96% dizem: “Não sou racista!!”
 Existe racismo sem racista??
 Ao negá-lo, mais o racismo se propaga, invadindo as
mentalidades, as subjetividades e as condições sociais dos
negros.
 As pesquisas e estatísticas: abismo racial, um quadro de
desigualdades;
 O Preconceito está preso às características físicas; a
discriminação cultural vem a reboque físico.
 Para o racista: “Tudo que vem do negro, do preto?” Ou é
inferior ou é maléfico (religião, ritmos, hábitos)
 Aprendemos na cultura e na sociedade a perceber as
diferenças, a comparar, a classificar;
 Também aprendemos a tratar as diferenças de forma desigual
ao hierarquizar as classificações sociais, raciais, de gênero
etc.
 Como evitar a reprodução do racismo?
 Por meio de ações, de políticas públicas e de programas de
ações afirmativas;
 Criticando, desmobilizando a hierarquização das diferenças
e a sua transformação em desigualdades naturais;
 Reeducando a nós mesmos, às nossas famílias, às escolas e
seus profissionais e à sociedade. A importância de cada um
se atualizar. Orgulhar-se da ancestralidade africana no Brasil.
ETNIA:
 Distante da ideia de raça, do determinismo biológico, de uma
humanidade dividida em raças superiores e inferiores, abolida
pela biologia e pela genética.
 Crítica à dominação político-cultural de um povo sobre outro,
que possibilitou tragédias sociais.
 O racismo e a ideia de raça no sentido biológico: inaceitáveis.
O termo Etnia ganhou força, refere-se aos diferentes povos:
judeus, negros, povos indígenas, asiáticos, dentre outros.
 A intenção era enfatizar que os grupos humanos são
marcados por processos culturais e históricos, e não por
características biológicas herdadas dos seu pais, mães e
ancestrais.
 Etnia é ainda, um grupo social que se define pela língua,
cultura, tradições, monumentos históricos e territórios.
 As diferenças são construções sociais, culturais e políticas.
 Aprendemos a olhar a diversidade humana com ênfase na
particularidade. Por exemplo:
 Diferentes formas de corpo, cores da pele, cabelo, formas
linguísticas etc.
 Nem sempre percebemos: aprendemos a ver as diferenças e
semelhanças de forma hierarquizada: perfeições e
imperfeições, beleza e feiura, superioridade e inferioridade.
RACISMO:
 É um comportamento, uma aversão frente a pessoas de um
determinado pertencimento racial observável por meio de
sinais.
 É, também, um conjunto de ideias e imagens referentes aos
grupos humanos que acreditam na existência de raças
superiores e inferiores, na supremacia racial.
 O racismo visa impor uma verdade ou crença particular, como
verdadeira e única.
ETNOCENTRISMO:
 Designa o sentimento de superioridade que uma cultura tem
em relação a outras. Busca postular, indevidamente, como
valores universais os valores de sua própria sociedade e
cultura a que pertence.
PRECONCEITO RACIAL:
 Temos aqui o julgamento negativo e prévio dos membros de
um grupo social de pertença, de uma etnia ou religião, ou de
pessoas que ocupam papel social significativo.
 Suas características: a inflexibilidade, a posição dogmática e
o sectarismo.
 O preconceito não é inato, é aprendido socialmente.
 Os primeiros julgamentos raciais de uma criança são frutos
do seu contato como mundo adulto.
DISCRIMINAÇÃO RACIAL:
 Discriminar significa “distinguir”, “diferenciar”, “discernir”.
 A discriminação racial pode ser considerada como a prática
do racismo e a efetivação do preconceito.
 Racismo e preconceito: no âmbito das doutrinas e
julgamentos, concepções de mundo e das crenças, e a
Discriminação é adoção de práticas que os efetivam.
FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS -501 ESCOLAS DA REDE PÚBLICA, 26
ESTADOS DO BRASIL, 18.599 PESSOAS: ESTUDANTES, PROFESSORES, PAIS, MÃES E
RESPONSÁVEIS, DIRETORES E FUNCIONÁRIOS.
(2009. SOLICITAÇÃO MEC)
99,3% têm algum tipo de preconceito
96,5% com relação a portadores de necessidades especiais
94,2% têm preconceito étnico-racial
93,5% de gênero
91,0% de geração
87,5% socioeconômico
87,3% com relação à orientação sexual
75,9% têm preconceito territorial
DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR
DISCRIMINAÇÃO RACIAL:
 Discriminar significa
“distinguir”, “diferenciar”, “discernir”.
 Discriminação racial pode ser considerada como
a pratica do racismo e a efetivação do
preconceito.
 Racismo e preconceito: no âmbito das doutrinas
e julgamentos, concepções de mundo e das
crenças, o Discriminação é adoção de práticas
que os efetivam.
 A Importância de se conhecer as “Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação das
Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da
História e Cultura Afro-Brasileira e Africana”
(DCN).
 As DCN enquanto política curricular, tendo como
referência fundamentos
históricos, sociais, antropológicos oriundos da
realidade brasileira, para contribuir no combate
ao racismo e discriminações que atingem
diferentes parcelas da sociedade e, em
particular, aos negros.
 As Diretrizes Curriculares (DCN): uma abordagem
das questões da reparação e das relações étnico-
raciais.
 A intenção de oferecer uma resposta na área de
educação, à demanda da população afro-
descendente, no sentido de políticas afirmativas,
isto é, politicas que se ocupam de promover
reparações, como também de reconhecimento e
valorização de sua história, cultura e identidade.
 Propõe que se divulgue e se produza
conhecimentos, a formação de atitudes, posturas e
valores que eduquem cidadãos orgulhosos de seu
pertencimento étnico-racial – descendentes de
africanos, povos indígenas, descendentes de
europeus, de asiáticos – para interagirem na
construção de uma sociedade democrática em que
todos, igualmente, tenham seus direitos
garantidos e sua identidade valorizada...
(BRASIL,2004:10).
 Proclama a necessidade de se rever atitudes e
procedimentos, como os promovidos por educadores
reformadores da primeira metade do século XX, a favor
do projeto de construir uma civilização branca às
custas da eliminação das características fenotípicas e
culturais de negros e indígenas.
 Essa legislação coloca para o educador uma dupla
necessidade:
1) A de se questionar a legitimidade dos discursos que
colaboraram na promoção de uma retórica da
inferioridade racial e negou direitos de cidadania às
populações não brancas e,
2) De se identificar tanto essas ideias, quanto os seus
autores, ampliando as possibilidades de se repensar o
imaginário social que marca as relações raciais no
Brasil.
Esse mesmo ideário provocou:
 a redução da importância da cidadania, enquanto
categoria política de referência para os negros,
afro-descendentes, indígenas e outras minorias;
 a prática do racismo e da discriminação racial
implicou numa violação dos direitos
humanos, condenada em todos os
países, inclusive no Brasil.
 e, também a condição desses segmentos sociais
expressarem sua dignidade, foi
ameaçada, subtraída ... As Políticas de Reconhecimento tornam
obrigatória as mudanças nos discursos, nos
raciocínios, nas lógicas, nos gestos, nas posturas,
no modo de tratar as pessoas negras
(Idem,2004:10).
Reconhecer representa, ainda:
 adotar políticas educacionais e estratégias
pedagógicas de valorização da diversidade;
 questionar relações étnico-raciais fundadas em
preconceitos que desqualificam os negros e outras
etnias, e salientam estereótipos depreciativos;
 valorizar, respeitar e divulgar os processos históricos
de resistência negra iniciada pelos africanos
escravizados no Brasil e por seus descendentes na
atualidade;
 implica, também, ser sensível ao sofrimento causado
por tantas formas de desqualificação e perdas.
Os programas de ações afirmativas - conjunto de
ações políticas dirigidas à correção de desigualdades
raciais e sociais, orientadas para oferta de tratamento
diferenciado com vistas a corrigir desvantagens e
marginalizações criadas e mantidas por estrutura
social excludente e discriminatória - deverão ser os
veículos para as políticas de reparação e de
reconhecimento (BRASIL,2004:12).
 Os programas de ações afirmativas - conjunto de
ações políticas dirigidas à correção de
desigualdades raciais e sociais, orientadas para
oferta de tratamento diferenciado com vistas a
corrigir desvantagens e marginalizações criadas
e mantidas por estrutura social excludente e
discriminatória - deverão ser os veículos para as
políticas de reparação e de reconhecimento
(BRASIL,2004:12).
 Brasil: a maior população negra fora da África e
um imaginário étnico-racial que privilegia a
brancura e valoriza unicamente as raízes
europeias de sua cultura, ignorando ou
desprezando as demais (Idem,2004:14).
“Quem são as crianças e adolescentes brasileiros?”
VÍdeo O impacto do Racismo na Infância. UNICEF,
2010.
 São 31 milhões de meninas e meninos negros e 140
mil crianças indígenas: 54,5% de todas as crianças
e adolescentes brasileiros;
 26 milhões de crianças e adolescentes vivem em
famílias pobres, isto é, 45,6% desse segmento
etário, sendo 17 milhões deles, negros;
 Entre crianças brancas a pobreza atinge
32,9%, entre as crianças negras, 56%.
 De um total de 530 mil crianças de 7 a 14 anos fora
da escola, 330 mil são negras e 190 mil são
brancas.
 Quanto custa para nós o racismo?
Cálculos econômicos indicam serem necessários R$
67,2 bilhões para superar os indicadores de desigualdades
raciais na população brasileira, em curto prazo: chances de
equalizar os indicadores de educação, habitação e
saneamento.
Educação para as relações ético-raciais
e as múltiplas culturas
•Interculturalidade: a respeito das culturas, da comunicação
entre elas, das tensões e dos estranhamentos presentes
nessas relações.
• Promover a consciência do caráter monocultural da
escola, para formular outra compreensão da relação entre
educação e cultura: a concepção diferente da escola como
espaço de cruzamento de culturas, híbrido e
complexo, atravessado por tensões e conflitos (Candau:2007).
 Samwaad, Rua do Encontro – um exemplo de
negociação cultural e espaço de cruzamento de
culturas tendo como referência as linguagens
artísticas. O Duo: abertura para o diálogo entre as
culturas indiana e afrobrasileira.
 Samwaad serve, de forma emblemática, para
demonstrar as múltiplas dimensões do
diálogo, do reconhecimento do outro, que
identidades distintas e originais conseguem se
comunicar, enriquecendo a cada um e a todos.
 Para se alcançar esse resultado, todas as
intenções e vontades anteriores precisaram ser
trabalhadas, negociadas, planejadas, desejadas, c
onsideradas e respeitadas.
 Todos precisamos nos afastar da lógica
monocultural que ainda marca uma boa parte das
ações desenvolvidas pelas escolas e assim, dispor
de uma nova forma de nos relacionarmos com a
cultura afro-brasileira, da qual fazemos parte e
que nos constitui enquanto elemento formador da
civilização brasileira.
 O espírito da África está presente em todos nós.
(Leonardo Boff)
Bibliografia:
 BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das
Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-Brasileira e Africana. Brasília: Ministério da Educação,
Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial,
outubro, 2004.
 GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no
debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In
Educação Anti-Racista: caminhos abertos pela Lei Federal
10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de
Educação continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.
 KAMEL, Ali. Não somos racistas: uma reação aos que querem
nos transformar numa nação bicolor. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 2006.
 MUNANGA, Kabenguele. Redescutindo a mestiçagem no Brasil:
identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ:
Vozes, 1999.
Sites sugeridos onde se pode ter acesso a várias publicações:
. www.ipeafro.org.br
Ali, visite, entre outras coisas a Linha de Tempo sobre a África e suaDiáspora com
informações desde 5.000 anos Antes de Cristo até o século XX. E também o
Suplemento Didático da Linha de Tempo, material de qualidade com muitas
informações sobre a África e sua cultura.
 www.portal.mec.gov.br
Ao abrir o site localize o acesso “digite o que procura” e adicione a sigla Secadi que
quer dizer Secretaria de Educação Continuada, Alfbetização, Diversidade e
Inclusão. Em seguida localize Publicações e ali há cópia de várias obras, inclusive
as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais
e para o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (DCN).
 www.institutobuzios.org.br
Navegue em Publicações, visite também “Movimento Negro”, na lateral esquerda da
página e clique em Documentos e Textos e ao abrir clique em “A Lei 10.639/03 e
Políticas de Ações Afirmativas Documentos e textos ” e explore as diferentes temas.
Ainda na aba esquerda da página principal, conheça as informações, caso
interesse, sobre Mulheres, Meio Ambiente, Direitos Humanos.
 Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos, acesse
http://www.dhnet.org.br/educar/pnedh/index.htm
 Os Direitos Humanos, Ziraldo.
Trata-se de uma cartilha que aborda este tema com ilustrações do Ziraldo, é
apropriado para trabalhar com as séries do ensino fundamental. In
www.portal.mj.gov.br/sedh/documentos/CartilhaZiraldo.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01
Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01
Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01
Odairdesouza
 
Pluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e EtniaPluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e Etnia
Welton Castro
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
temastransversais
 
Diversidade na educação
Diversidade na educaçãoDiversidade na educação
Diversidade na educação
Fernnandaok
 
Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos
Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e AdultosRelações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos
Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos
Joyce Ludimile
 
Relações Raciais na Escola
Relações Raciais na EscolaRelações Raciais na Escola
Relações Raciais na Escola
estudosacademicospedag
 
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
Pcn   10.2   Tt Pluralidade CulturalPcn   10.2   Tt Pluralidade Cultural
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
literatoliberato
 
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologiaRaça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologia
Íris Ferreira
 
Educação e diversidade
Educação e diversidadeEducação e diversidade
Etnica Racial
Etnica RacialEtnica Racial
Etnica Racial
Edillson
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
weca.lab
 
Conhecimento escolar e diversidade cultural
Conhecimento  escolar e diversidade culturalConhecimento  escolar e diversidade cultural
Conhecimento escolar e diversidade cultural
Carla Regina
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
temastransversais
 
Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade justiça social, inclusão e direito...
Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade  justiça social, inclusão e direito...Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade  justiça social, inclusão e direito...
Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade justiça social, inclusão e direito...
Manoel Santhos
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
João Couto
 
Escola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedadeEscola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedade
Universidade Federal do Ceará
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
Aline Vaz
 
Apresentação Diversidade 2013
Apresentação Diversidade 2013Apresentação Diversidade 2013
Apresentação Diversidade 2013
coordenacaodiversidade
 

Mais procurados (18)

Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01
Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01
Pluralidade cultural, diversidade e cidadania 01
 
Pluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e EtniaPluralidade Cultural e Etnia
Pluralidade Cultural e Etnia
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
 
Diversidade na educação
Diversidade na educaçãoDiversidade na educação
Diversidade na educação
 
Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos
Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e AdultosRelações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos
Relações etino raciais e Gênero na Educação de Jovens e Adultos
 
Relações Raciais na Escola
Relações Raciais na EscolaRelações Raciais na Escola
Relações Raciais na Escola
 
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
Pcn   10.2   Tt Pluralidade CulturalPcn   10.2   Tt Pluralidade Cultural
Pcn 10.2 Tt Pluralidade Cultural
 
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologiaRaça, etnia e multiculturalismo   aula 2º ano sociologia
Raça, etnia e multiculturalismo aula 2º ano sociologia
 
Educação e diversidade
Educação e diversidadeEducação e diversidade
Educação e diversidade
 
Etnica Racial
Etnica RacialEtnica Racial
Etnica Racial
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Conhecimento escolar e diversidade cultural
Conhecimento  escolar e diversidade culturalConhecimento  escolar e diversidade cultural
Conhecimento escolar e diversidade cultural
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 1.ppt
 
Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade justiça social, inclusão e direito...
Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade  justiça social, inclusão e direito...Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade  justiça social, inclusão e direito...
Conae 2014 Eixo II Educação e Diversidade justiça social, inclusão e direito...
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
Escola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedadeEscola, cultura e sociedade
Escola, cultura e sociedade
 
Cultura negra e educação
Cultura negra e educaçãoCultura negra e educação
Cultura negra e educação
 
Apresentação Diversidade 2013
Apresentação Diversidade 2013Apresentação Diversidade 2013
Apresentação Diversidade 2013
 

Semelhante a 2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (2)

Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2
temastransversais
 
Etica
Etica  Etica
Etica
Nayane Sousa
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
isabela30
 
Equidade Racial.pptx
Equidade Racial.pptxEquidade Racial.pptx
Equidade Racial.pptx
HildenesBarbosaDelfi
 
Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03
Tamiris Morroni
 
PRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdf
PRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdfPRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdf
PRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdf
imonilps
 
Ressignificando a história
Ressignificando a históriaRessignificando a história
Ressignificando a história
primeiraopcao
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
ANDI - Comunicação e Direitos
 
A questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e EtniaA questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e Etnia
Junior Ozono
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
temastransversais
 
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
culturaafro
 
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
culturaafro
 
RACISMO1.pptx
RACISMO1.pptxRACISMO1.pptx
RACISMO1.pptx
Cleber Gonçalves
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
temastransversais
 
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
culturaafro
 
Aula 2 - CIDADANIA.ppt
Aula 2 - CIDADANIA.pptAula 2 - CIDADANIA.ppt
Aula 2 - CIDADANIA.ppt
GiseleDias67
 
DIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdfDIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdf
MariaIsiliaSousa
 
Étnico racial
Étnico racialÉtnico racial
Étnico racial
Edenilson Morais
 
Resenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil
Resenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no BrasilResenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil
Resenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil
Waleska Medeiros de Souza
 

Semelhante a 2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (2) (20)

Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
Monografia Ana Lúcia Pedagogia 2011
 
Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2Ilicínea pluralidade cultural 2
Ilicínea pluralidade cultural 2
 
Etica
Etica  Etica
Etica
 
Pluralidade
PluralidadePluralidade
Pluralidade
 
Equidade Racial.pptx
Equidade Racial.pptxEquidade Racial.pptx
Equidade Racial.pptx
 
Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03Pluralidade cultural lei 10639.03
Pluralidade cultural lei 10639.03
 
PRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdf
PRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdfPRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdf
PRECONCEITO_RACIAL_CONTEXTUALZICAO_HISTORICA_RELACOES_ETNICO_RACIAIS.pdf
 
Ressignificando a história
Ressignificando a históriaRessignificando a história
Ressignificando a história
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
 
A questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e EtniaA questão de Raça e Etnia
A questão de Raça e Etnia
 
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1Ipanema durandé pluraridade  cultural-5.1
Ipanema durandé pluraridade cultural-5.1
 
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
 
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13  O4  09
Palestra Curitiba Faxinal Do CéU 13 O4 09
 
RACISMO1.pptx
RACISMO1.pptxRACISMO1.pptx
RACISMO1.pptx
 
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.pptBoa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
Boa esperança.santa rita pluralidade cultural 2.ppt
 
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)Educar Para A Diversidade   SimpóSio Paraná (2)
Educar Para A Diversidade SimpóSio Paraná (2)
 
Aula 2 - CIDADANIA.ppt
Aula 2 - CIDADANIA.pptAula 2 - CIDADANIA.ppt
Aula 2 - CIDADANIA.ppt
 
DIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdfDIVERSIDADE.pdf
DIVERSIDADE.pdf
 
Étnico racial
Étnico racialÉtnico racial
Étnico racial
 
Resenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil
Resenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no BrasilResenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil
Resenha: Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 

2014 seminário formação de gestores e educadores - direito à diversidade (2)

  • 1. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Educação Subsecretaria de Ensino Coordenadoria de Educação Seminário Formação de Gestores e Educadores do Programa de Educação Inclusiva: Direito à Diversidade “Educação para as Relações Étnico-Raciais na Educação” Jaime Pacheco dos Santos Coordenadoria de Educação/SME
  • 2.  Um novo campo da educação: A “Educação das relações étnico-raciais”  Visa a construção de uma educação antirracista que contempla a pluralidade cultural e a diversidade étnico-racial enquanto temas do cotidiano escolar.  Como contribuir para esta forma de educar?  Este campo dialoga com os conceitos de direitos humanos, cidadania, dignidade, identidade, raça, etnia, preconceito, discriminação e racismo.  Contempla um olhar para as minorias, noção que significa mais do que uma distinção numérica, pois refere-se à posição subordinada de determinado grupo (grupo étnico, religioso, político, de gênero).
  • 3. Instrumentos legais para o trato da Educação para as Relações Ético-Raciais: a legislação brasileira proclamou a defesa das identidades e das diferenças  A Lei 10.639/2003: Instituiu a obrigatoriedade do ensino das histórias e culturas africanas e afro-brasileiras;  A Lei 11.645/2008: Tornou obrigatório o ensino das histórias e culturas africanas, afro-brasileiras e indígenas.  As linguagens artísticas e as múltiplas possibilidades da Inclusão Social em projetos educativos  Projeto Playing for Change - documentário
  • 4. Termos e conceitos relevantes para a educação das relações étnico-raciais Negros: (tecnicamente) as pessoas classificados como pretas e pardas no Censo do IBGE. IDENTIDADE: • Não é inata; • Implica um modo de ser no mundo e com os outros; • Indica traços culturais que se expressam: nas práticas linguísticas, festivas, rituais, comportamentos alimentares e tradições populares, referências civilizatórias que marcam a condição humana; • É evocada para oferecer visibilidade social; • Para ser real, precisa de interação, a visão do seu “eu” é intermediada pelo reconhecimento do outro;
  • 5.  Identidade implica em diferença. Não se constrói no isolamento, é negociada, toda a vida, pelo diálogo;  Cultura e História: no seu interior se definem as identidades sociais, não só a racial;  Os processos identitários se constroem gradativamente;  Estabelecem um sentido de pertencimento a grupo social de referência.  Nilma Gomes: “Construir uma identidade negra positiva numa sociedade que ensina aos negros, que para ser aceito é preciso negar a si mesmo é um desafio para negros e negras brasileiros”.  E a escola está atenta a essa diversidade cultural na formação de seus professores?  Sua construção é um processo contínuo e se dá nos diversos espaços em que os negros e as demais “minorias” circulam e, também é construída na trajetória escolar .  A escola e sua responsabilidade social e educativa, de compreender a sua complexidade, respeitá-la –como às demais identidades – e lidar positivamente com essa riqueza.
  • 6. RAÇA:  Polêmico para identificar pessoas negras;  Remete ao racismo, à escravidão, e às imagens construídas sobre “ser negro” e sobre “ser branco” em nosso país;  Movimento Negro e intelectuais: uso diferente do conceito biológico de raças humanas de modelo nazista e distante da ideia de superior ou inferior.  Uso baseado na dimensão social e política do termo .  A espécie humana é uma só!!  No Brasil o racismo se afirma através da sua negação: um racismo ambíguo!!  Diálogos sobre o Racismo: “Onde você guarda o seu Racismo?”  87% da pop. reconhece o racismo no Brasil;  96% dizem: “Não sou racista!!”  Existe racismo sem racista??  Ao negá-lo, mais o racismo se propaga, invadindo as mentalidades, as subjetividades e as condições sociais dos negros.
  • 7.  As pesquisas e estatísticas: abismo racial, um quadro de desigualdades;  O Preconceito está preso às características físicas; a discriminação cultural vem a reboque físico.  Para o racista: “Tudo que vem do negro, do preto?” Ou é inferior ou é maléfico (religião, ritmos, hábitos)  Aprendemos na cultura e na sociedade a perceber as diferenças, a comparar, a classificar;  Também aprendemos a tratar as diferenças de forma desigual ao hierarquizar as classificações sociais, raciais, de gênero etc.  Como evitar a reprodução do racismo?  Por meio de ações, de políticas públicas e de programas de ações afirmativas;  Criticando, desmobilizando a hierarquização das diferenças e a sua transformação em desigualdades naturais;  Reeducando a nós mesmos, às nossas famílias, às escolas e seus profissionais e à sociedade. A importância de cada um se atualizar. Orgulhar-se da ancestralidade africana no Brasil.
  • 8. ETNIA:  Distante da ideia de raça, do determinismo biológico, de uma humanidade dividida em raças superiores e inferiores, abolida pela biologia e pela genética.  Crítica à dominação político-cultural de um povo sobre outro, que possibilitou tragédias sociais.  O racismo e a ideia de raça no sentido biológico: inaceitáveis. O termo Etnia ganhou força, refere-se aos diferentes povos: judeus, negros, povos indígenas, asiáticos, dentre outros.  A intenção era enfatizar que os grupos humanos são marcados por processos culturais e históricos, e não por características biológicas herdadas dos seu pais, mães e ancestrais.  Etnia é ainda, um grupo social que se define pela língua, cultura, tradições, monumentos históricos e territórios.  As diferenças são construções sociais, culturais e políticas.  Aprendemos a olhar a diversidade humana com ênfase na particularidade. Por exemplo:
  • 9.  Diferentes formas de corpo, cores da pele, cabelo, formas linguísticas etc.  Nem sempre percebemos: aprendemos a ver as diferenças e semelhanças de forma hierarquizada: perfeições e imperfeições, beleza e feiura, superioridade e inferioridade. RACISMO:  É um comportamento, uma aversão frente a pessoas de um determinado pertencimento racial observável por meio de sinais.  É, também, um conjunto de ideias e imagens referentes aos grupos humanos que acreditam na existência de raças superiores e inferiores, na supremacia racial.  O racismo visa impor uma verdade ou crença particular, como verdadeira e única. ETNOCENTRISMO:  Designa o sentimento de superioridade que uma cultura tem em relação a outras. Busca postular, indevidamente, como valores universais os valores de sua própria sociedade e cultura a que pertence.
  • 10. PRECONCEITO RACIAL:  Temos aqui o julgamento negativo e prévio dos membros de um grupo social de pertença, de uma etnia ou religião, ou de pessoas que ocupam papel social significativo.  Suas características: a inflexibilidade, a posição dogmática e o sectarismo.  O preconceito não é inato, é aprendido socialmente.  Os primeiros julgamentos raciais de uma criança são frutos do seu contato como mundo adulto. DISCRIMINAÇÃO RACIAL:  Discriminar significa “distinguir”, “diferenciar”, “discernir”.  A discriminação racial pode ser considerada como a prática do racismo e a efetivação do preconceito.  Racismo e preconceito: no âmbito das doutrinas e julgamentos, concepções de mundo e das crenças, e a Discriminação é adoção de práticas que os efetivam.
  • 11. FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS -501 ESCOLAS DA REDE PÚBLICA, 26 ESTADOS DO BRASIL, 18.599 PESSOAS: ESTUDANTES, PROFESSORES, PAIS, MÃES E RESPONSÁVEIS, DIRETORES E FUNCIONÁRIOS. (2009. SOLICITAÇÃO MEC) 99,3% têm algum tipo de preconceito 96,5% com relação a portadores de necessidades especiais 94,2% têm preconceito étnico-racial 93,5% de gênero 91,0% de geração 87,5% socioeconômico 87,3% com relação à orientação sexual 75,9% têm preconceito territorial DISCRIMINAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR
  • 12. DISCRIMINAÇÃO RACIAL:  Discriminar significa “distinguir”, “diferenciar”, “discernir”.  Discriminação racial pode ser considerada como a pratica do racismo e a efetivação do preconceito.  Racismo e preconceito: no âmbito das doutrinas e julgamentos, concepções de mundo e das crenças, o Discriminação é adoção de práticas que os efetivam.  A Importância de se conhecer as “Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana” (DCN).
  • 13.  As DCN enquanto política curricular, tendo como referência fundamentos históricos, sociais, antropológicos oriundos da realidade brasileira, para contribuir no combate ao racismo e discriminações que atingem diferentes parcelas da sociedade e, em particular, aos negros.  As Diretrizes Curriculares (DCN): uma abordagem das questões da reparação e das relações étnico- raciais.  A intenção de oferecer uma resposta na área de educação, à demanda da população afro- descendente, no sentido de políticas afirmativas, isto é, politicas que se ocupam de promover reparações, como também de reconhecimento e valorização de sua história, cultura e identidade.
  • 14.  Propõe que se divulgue e se produza conhecimentos, a formação de atitudes, posturas e valores que eduquem cidadãos orgulhosos de seu pertencimento étnico-racial – descendentes de africanos, povos indígenas, descendentes de europeus, de asiáticos – para interagirem na construção de uma sociedade democrática em que todos, igualmente, tenham seus direitos garantidos e sua identidade valorizada... (BRASIL,2004:10).  Proclama a necessidade de se rever atitudes e procedimentos, como os promovidos por educadores reformadores da primeira metade do século XX, a favor do projeto de construir uma civilização branca às custas da eliminação das características fenotípicas e culturais de negros e indígenas.
  • 15.  Essa legislação coloca para o educador uma dupla necessidade: 1) A de se questionar a legitimidade dos discursos que colaboraram na promoção de uma retórica da inferioridade racial e negou direitos de cidadania às populações não brancas e, 2) De se identificar tanto essas ideias, quanto os seus autores, ampliando as possibilidades de se repensar o imaginário social que marca as relações raciais no Brasil. Esse mesmo ideário provocou:  a redução da importância da cidadania, enquanto categoria política de referência para os negros, afro-descendentes, indígenas e outras minorias;
  • 16.  a prática do racismo e da discriminação racial implicou numa violação dos direitos humanos, condenada em todos os países, inclusive no Brasil.  e, também a condição desses segmentos sociais expressarem sua dignidade, foi ameaçada, subtraída ... As Políticas de Reconhecimento tornam obrigatória as mudanças nos discursos, nos raciocínios, nas lógicas, nos gestos, nas posturas, no modo de tratar as pessoas negras (Idem,2004:10). Reconhecer representa, ainda:  adotar políticas educacionais e estratégias pedagógicas de valorização da diversidade;
  • 17.  questionar relações étnico-raciais fundadas em preconceitos que desqualificam os negros e outras etnias, e salientam estereótipos depreciativos;  valorizar, respeitar e divulgar os processos históricos de resistência negra iniciada pelos africanos escravizados no Brasil e por seus descendentes na atualidade;  implica, também, ser sensível ao sofrimento causado por tantas formas de desqualificação e perdas. Os programas de ações afirmativas - conjunto de ações políticas dirigidas à correção de desigualdades raciais e sociais, orientadas para oferta de tratamento diferenciado com vistas a corrigir desvantagens e marginalizações criadas e mantidas por estrutura social excludente e discriminatória - deverão ser os veículos para as políticas de reparação e de reconhecimento (BRASIL,2004:12).
  • 18.  Os programas de ações afirmativas - conjunto de ações políticas dirigidas à correção de desigualdades raciais e sociais, orientadas para oferta de tratamento diferenciado com vistas a corrigir desvantagens e marginalizações criadas e mantidas por estrutura social excludente e discriminatória - deverão ser os veículos para as políticas de reparação e de reconhecimento (BRASIL,2004:12).  Brasil: a maior população negra fora da África e um imaginário étnico-racial que privilegia a brancura e valoriza unicamente as raízes europeias de sua cultura, ignorando ou desprezando as demais (Idem,2004:14).
  • 19. “Quem são as crianças e adolescentes brasileiros?” VÍdeo O impacto do Racismo na Infância. UNICEF, 2010.  São 31 milhões de meninas e meninos negros e 140 mil crianças indígenas: 54,5% de todas as crianças e adolescentes brasileiros;  26 milhões de crianças e adolescentes vivem em famílias pobres, isto é, 45,6% desse segmento etário, sendo 17 milhões deles, negros;  Entre crianças brancas a pobreza atinge 32,9%, entre as crianças negras, 56%.  De um total de 530 mil crianças de 7 a 14 anos fora da escola, 330 mil são negras e 190 mil são brancas.
  • 20.  Quanto custa para nós o racismo? Cálculos econômicos indicam serem necessários R$ 67,2 bilhões para superar os indicadores de desigualdades raciais na população brasileira, em curto prazo: chances de equalizar os indicadores de educação, habitação e saneamento. Educação para as relações ético-raciais e as múltiplas culturas •Interculturalidade: a respeito das culturas, da comunicação entre elas, das tensões e dos estranhamentos presentes nessas relações. • Promover a consciência do caráter monocultural da escola, para formular outra compreensão da relação entre educação e cultura: a concepção diferente da escola como espaço de cruzamento de culturas, híbrido e complexo, atravessado por tensões e conflitos (Candau:2007).
  • 21.  Samwaad, Rua do Encontro – um exemplo de negociação cultural e espaço de cruzamento de culturas tendo como referência as linguagens artísticas. O Duo: abertura para o diálogo entre as culturas indiana e afrobrasileira.  Samwaad serve, de forma emblemática, para demonstrar as múltiplas dimensões do diálogo, do reconhecimento do outro, que identidades distintas e originais conseguem se comunicar, enriquecendo a cada um e a todos.  Para se alcançar esse resultado, todas as intenções e vontades anteriores precisaram ser trabalhadas, negociadas, planejadas, desejadas, c onsideradas e respeitadas.
  • 22.  Todos precisamos nos afastar da lógica monocultural que ainda marca uma boa parte das ações desenvolvidas pelas escolas e assim, dispor de uma nova forma de nos relacionarmos com a cultura afro-brasileira, da qual fazemos parte e que nos constitui enquanto elemento formador da civilização brasileira.  O espírito da África está presente em todos nós. (Leonardo Boff)
  • 23. Bibliografia:  BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, outubro, 2004.  GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In Educação Anti-Racista: caminhos abertos pela Lei Federal 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.  KAMEL, Ali. Não somos racistas: uma reação aos que querem nos transformar numa nação bicolor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.  MUNANGA, Kabenguele. Redescutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.
  • 24. Sites sugeridos onde se pode ter acesso a várias publicações: . www.ipeafro.org.br Ali, visite, entre outras coisas a Linha de Tempo sobre a África e suaDiáspora com informações desde 5.000 anos Antes de Cristo até o século XX. E também o Suplemento Didático da Linha de Tempo, material de qualidade com muitas informações sobre a África e sua cultura.  www.portal.mec.gov.br Ao abrir o site localize o acesso “digite o que procura” e adicione a sigla Secadi que quer dizer Secretaria de Educação Continuada, Alfbetização, Diversidade e Inclusão. Em seguida localize Publicações e ali há cópia de várias obras, inclusive as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (DCN).  www.institutobuzios.org.br Navegue em Publicações, visite também “Movimento Negro”, na lateral esquerda da página e clique em Documentos e Textos e ao abrir clique em “A Lei 10.639/03 e Políticas de Ações Afirmativas Documentos e textos ” e explore as diferentes temas. Ainda na aba esquerda da página principal, conheça as informações, caso interesse, sobre Mulheres, Meio Ambiente, Direitos Humanos.  Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos, acesse http://www.dhnet.org.br/educar/pnedh/index.htm  Os Direitos Humanos, Ziraldo. Trata-se de uma cartilha que aborda este tema com ilustrações do Ziraldo, é apropriado para trabalhar com as séries do ensino fundamental. In www.portal.mj.gov.br/sedh/documentos/CartilhaZiraldo.pdf