SlideShare uma empresa Scribd logo
 A palavra Gestalt tem origem alemã e surgiu em 1523
 de uma tradução da Bíblia, significando "o que é
 colocado diante dos olhos, exposto aos olhares".



 Hoje adotada no mundo inteiro significa um processo
 de dar forma ou configuração. Gestalt significa uma
 integração de partes em oposição à soma do "todo".
 A Psicologia da Gestalt teve sua origem na Alemanha.
 Como muitos movimentos científicos importantes, a
 psicologia da forma (gestalt) nasceu de uma rebelião
 contra a ciência estabelecida na época. Por se oporem à
 tradição acadêmica da psicologia mais antiga
 (psicologia experimental), a gestalt era conhecida
 como uma psicologia de protesto.

 A Psicologia da Gestalt originou-se como uma teoria
 da percepção que incluía as relações entre a forma do
 objeto e os processos do indivíduo que o recebe. Foi
 uma reação às abordagens atomistas que reduziam a
 percepção aos processos mentais ou conteúdos
 mentais.
 A Psicologia da Gestalt questionou a explicação da
 percepção como uma soma de sensações. Duvidou
 também da concepção dos processos fisiológicos
 correspondentes como uma soma de atividades
 separadas. Para os gestaltistas, nem o processo
 ideológico, nem a percepção ou a excitação nervosa
 poderiam ser concebidas como uma simples soma das
 partes.

 O processo cerebral, assim como a percepção, deveria
 ser um todo unificado, não sendo mais uma integração
 de atividades isoladas de unidades distintas, assim
 como a percepção é tampouco uma composição de
 sensações separadas.
Principais conceitos:
"A 'fórmula' fundamental da teoria da Gestalt poderia
 ser expressa da seguinte maneira: existem
 totalidades, cujo comportamento não é determinado
 pelos seus elementos individuais, mas nos quais os
 processos parciais são eles mesmos determinados pela
 natureza intrínseca do todo" (Max Wertheimer).
Os teóricos da Gestalt propuseram uma série de
 princípios para percepção, tais como:
 proximidade, semelhança, direção, disposição
 objetiva, destino comum. Também como conceitos
 básicos destacam-se:

• O todo e a parte;
• Figura e Fundo;
• Aqui e agora.
Onde ressalta-se a concepção estruturalista desta
escola – o problema para o gestaltista não é como o
dado é solucionado, mas como é estruturado.
Do todo uma parte emerge e vira figura, ficando o
restante indiferenciado ou num fundo.
A experiência passada da percepção de um objeto ou
forma tem menor influência na visão de um objeto que
se está vendo aqui e agora do que a experiência da
percepção aqui e agora.
Campo, Estrutura e Forma
 são conceitos básicos
 desta teoria.
Campo é, segundo Marcolli, um espaço que apresenta
algumas características constantes em todos os seus
pontos; o espaço de uma folha de desenho ou a tela de
um pintor são campos, tal como o é uma parede, o
espaço de um compartimento um móvel ou um bloco
de pedra. À noção de campo está ligada a 4ª
dimensão, a noção de tempo. No meio do cinema a
ação decorre em determinado tempo; leva tempo a
percorrer, com o olhar, o trajeto de uma estrada, o teto
de uma igreja barroca ou o desenho numa folha.
Estrutura é o conjunto de elementos que compõem
uma forma e a ordem de organização; com três
segmentos de reta pode-se formar a letra A, desde que
se respeite determinada ordem.
Forma é a zona do campo que por ter determinada
estrutura se destaca das zonas não estruturadas ou
fundo.
 Forma, estrutura e campo estão intimamente ligados e
  influenciam-se mutuamente; se for mudada a ordem da
  estrutura, muda a forma; ter uma pequena mancha no canto
  inferior esquerdo de uma folha não é equivalente a ter uma
  grande mancha no topo da mesma. Posição e escala não são
  indiferentes, tanto mais que a visão humana está profundamente
  influenciada pelo modo de leitura.

 Qualquer padrão de estímulos obedece à lei da economia de
  meios, ou seja, tende a ser visto de modo a que a estrutura
  resultante seja a mais simples que as condições permitam.

 Proximidade, semelhança e continuidade são princípios a que
  obedece a estruturação das formas. Por vezes predomina a
  relação de proximidade entre formas adjacentes, outras vezes é a
  relação de semelhança das partes o elo mais forte do conjunto de
  formas. A continuidade acontece quando a figura não está
  completa, faltando-lhe apenas uma parte pequena, havendo
  tendência a perceber a figura como completa, e a falta como
  lacuna.
Em condições iguais, eventos próximos no tempo e
espaço tenderão a permanecer unidos, formando um
só todo:




                                   É um cubo grande
                                   ou pequeno?
Eventos semelhantes se agruparão entre si. Essa
semelhança se dá por
intensidade, cor,odor, peso, tamanho, forma etc. e se
dá em igualdade de condições.




                                       Qual a cor dos
                                       pontos?
É a simples adição dos dois princípios anteriores, se em
condições iguais:




                                       Formam-se círculos
                                       brancos junto ao
                                       centro.
É o acompanhamento de uns elementos por outros, de
modo que uma linha ou uma forma continuem em
uma direção ou maneira já conhecidas.




                                       É um tridente?
Há formas que parecem se impor em relação às
outras, nos fazendo, por muito tempo, não conseguir
ver outra forma de distribuição:




                                        Existe uma
                                        mulher nua na
                                        figura?
Há certos elementos que parecem se dirigir a um
mesmo lugar, se destacando de outros que não o
pareçam.




                                        Fixe os olhos no
                                        ponto central e
                                        então avance e
                                        retroceda sua
                                        cabeça.
Em todos as formas, todos os estímulos, os elementos
aproximam-se uns dos outros e tendemos a fazer com
que os grupos continuem os mesmos.




                                           As linhas
                                           horizontais
                                           são
                                           paralelas?
É a subjetividade do percebedor: para cada um a
percepção pode ser diferente, de acordo com a
experiência do indivíduo, de acordo com o que ele já
viveu ou aprendeu, conheceu. Tomemos como
exemplo um texto qualquer: para um analfabeto ou
alguém que não conheça a língua em questão, parecerá
uma confusão completa, mas, para aquele que saiba ler
ou conheça a língua, parecerá inteiramente inteligível.



                 É um pato ou é
                 um coelho?
Os elementos de uma forma tendem a se agrupar de
modo que formem uma figura mais total ou fechada.




                                      O quadrado
                                      realmente está
                                      desenhado?
Essas tendências ou princípios, dependendo de sua
intensidade podem produzir efeitos
diferentes, devemos sempre lembrar que, para a Escola
da Forma, o todo não é apenas a soma das partes, sua
essência depende da configuração das partes.
Transcorridos pouco mais de 50 anos desde a
proposição da Gestalt Terapia, a abordagem gestáltica
consolidou sua presença no cenário das práticas
psicológicas, seja como abordagem
psicoterapêutica, quanto como alternativa
pedagógica, bem como eficiente instrumento na área
de Recursos Humanos das empresas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestalt
GestaltGestalt
Introdução a Gestalt
Introdução a GestaltIntrodução a Gestalt
Introdução a Gestalt
Odair Cavichioli
 
A teoria de gestalt
A teoria de gestaltA teoria de gestalt
A teoria de gestalt
Rute Oliveira
 
Gestalt para apresentar
Gestalt para apresentarGestalt para apresentar
Gestalt para apresentar
Eduardo Barbosa da Silva
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
Ludmila Moura
 
Aula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da GestaltAula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da Gestalt
Danilo Aroeira
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Jean piaget PPT
Jean piaget PPTJean piaget PPT
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
Adriane Fernandes
 
Leis da Gestalt
Leis da GestaltLeis da Gestalt
Leis da Gestalt
Heber Coimbra
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
Isaac Santos
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
Jemuel Araújo da Silva
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Sara Campagnaro
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
LIMA, Alan Lucas de
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
Poliana Tavares
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Fábio Nogueira, PhD
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Juliermeson Morais
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestalt
Diego Avila
 

Mais procurados (20)

Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Introdução a Gestalt
Introdução a GestaltIntrodução a Gestalt
Introdução a Gestalt
 
A teoria de gestalt
A teoria de gestaltA teoria de gestalt
A teoria de gestalt
 
Gestalt para apresentar
Gestalt para apresentarGestalt para apresentar
Gestalt para apresentar
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
 
Aula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da GestaltAula 02 - Princípios da Gestalt
Aula 02 - Princípios da Gestalt
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Jean piaget PPT
Jean piaget PPTJean piaget PPT
Jean piaget PPT
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Leis da Gestalt
Leis da GestaltLeis da Gestalt
Leis da Gestalt
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
 
HENRI WALLON
HENRI WALLONHENRI WALLON
HENRI WALLON
 
Estruturalismo
EstruturalismoEstruturalismo
Estruturalismo
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
A historia da gestalt
A historia da gestaltA historia da gestalt
A historia da gestalt
 

Destaque

Leis da Gestalt
Leis da GestaltLeis da Gestalt
Leis da Gestalt
Camila Casarotto
 
Teoria de Gestalt
Teoria de GestaltTeoria de Gestalt
Teoria de Gestalt
Patrícia Filipa Martins
 
Teoria da gestalt parte 1
Teoria da gestalt  parte 1Teoria da gestalt  parte 1
Teoria da gestalt parte 1
Silvia Marina Anaruma
 
tarea 2
tarea 2tarea 2
tarea 2
katuarias
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
Misterios10
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
Over Lane
 
Como analisar uma imagem
Como analisar uma imagemComo analisar uma imagem
Como analisar uma imagem
BibliotecaAroes
 
Gestalt. psicologia[1][1]
Gestalt. psicologia[1][1]Gestalt. psicologia[1][1]
Gestalt. psicologia[1][1]
Escuela Sarmiento
 

Destaque (10)

Leis da Gestalt
Leis da GestaltLeis da Gestalt
Leis da Gestalt
 
Teoria de Gestalt
Teoria de GestaltTeoria de Gestalt
Teoria de Gestalt
 
Teoria da gestalt parte 1
Teoria da gestalt  parte 1Teoria da gestalt  parte 1
Teoria da gestalt parte 1
 
tarea 2
tarea 2tarea 2
tarea 2
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Gestalt
GestaltGestalt
Gestalt
 
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumondAtividade 3 projeto de artes simone helen drumond
Atividade 3 projeto de artes simone helen drumond
 
Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
 
Como analisar uma imagem
Como analisar uma imagemComo analisar uma imagem
Como analisar uma imagem
 
Gestalt. psicologia[1][1]
Gestalt. psicologia[1][1]Gestalt. psicologia[1][1]
Gestalt. psicologia[1][1]
 

Semelhante a Teoria da Gestalt

Gestalt do objeto
Gestalt do objetoGestalt do objeto
Gestalt do objeto
Priscila Souza
 
Interface Homem Computador - Aula04 - Principios da Gestalt
Interface Homem Computador - Aula04 - Principios da GestaltInterface Homem Computador - Aula04 - Principios da Gestalt
Interface Homem Computador - Aula04 - Principios da Gestalt
CEULJI/ULBRA Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná
 
Apostila sobre Gestalt
Apostila sobre GestaltApostila sobre Gestalt
Apostila sobre Gestalt
Doisnovemeia Publicidade
 
A teoria da gestalt
A teoria da gestaltA teoria da gestalt
A teoria da gestalt
Patrycia Patty
 
Aula sobre Gestalt - FPE
Aula sobre Gestalt - FPEAula sobre Gestalt - FPE
Aula sobre Gestalt - FPE
Rodrigo Castro
 
introdução gestalt
introdução gestaltintrodução gestalt
introdução gestalt
carol brandao
 
GESTALT.pptx
GESTALT.pptxGESTALT.pptx
GESTALT.pptx
MaeSoaresdaSilva
 
Extrato capítulo 7 pensamento e linguagem
Extrato capítulo 7   pensamento e linguagemExtrato capítulo 7   pensamento e linguagem
Extrato capítulo 7 pensamento e linguagem
Gabrielledallagnol
 
ConcepçãO%20 Racionalista[1]
ConcepçãO%20 Racionalista[1]ConcepçãO%20 Racionalista[1]
ConcepçãO%20 Racionalista[1]
paulorodrigomiranda
 
Concepção e racionalismo
Concepção e racionalismoConcepção e racionalismo
Concepção e racionalismo
wagnersilva
 
Seminário de concepção racionalista
Seminário de concepção racionalistaSeminário de concepção racionalista
Seminário de concepção racionalista
wagnersilva
 
Gestalt poligrafo
Gestalt poligrafoGestalt poligrafo
PERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUALPERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUAL
Andrea Dalforno
 
Teoria de Gestalt
Teoria de GestaltTeoria de Gestalt
Teoria de Gestalt
Bruno Mendes
 
Aula 03 linguagem visual
Aula 03   linguagem visualAula 03   linguagem visual
Aula 03 linguagem visual
Elizeu Nascimento Silva
 
Psicologia Gestalt.pptx
Psicologia Gestalt.pptxPsicologia Gestalt.pptx
Psicologia Gestalt.pptx
LetciaSchneider
 
Aula gestalt 01
Aula gestalt 01Aula gestalt 01
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
SofiaOliveira96
 
7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok
7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok
7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok
brandermarlonxavier
 
Gestalt - Teoria do Design
Gestalt - Teoria do DesignGestalt - Teoria do Design
Gestalt - Teoria do Design
Rodrigo Losina
 

Semelhante a Teoria da Gestalt (20)

Gestalt do objeto
Gestalt do objetoGestalt do objeto
Gestalt do objeto
 
Interface Homem Computador - Aula04 - Principios da Gestalt
Interface Homem Computador - Aula04 - Principios da GestaltInterface Homem Computador - Aula04 - Principios da Gestalt
Interface Homem Computador - Aula04 - Principios da Gestalt
 
Apostila sobre Gestalt
Apostila sobre GestaltApostila sobre Gestalt
Apostila sobre Gestalt
 
A teoria da gestalt
A teoria da gestaltA teoria da gestalt
A teoria da gestalt
 
Aula sobre Gestalt - FPE
Aula sobre Gestalt - FPEAula sobre Gestalt - FPE
Aula sobre Gestalt - FPE
 
introdução gestalt
introdução gestaltintrodução gestalt
introdução gestalt
 
GESTALT.pptx
GESTALT.pptxGESTALT.pptx
GESTALT.pptx
 
Extrato capítulo 7 pensamento e linguagem
Extrato capítulo 7   pensamento e linguagemExtrato capítulo 7   pensamento e linguagem
Extrato capítulo 7 pensamento e linguagem
 
ConcepçãO%20 Racionalista[1]
ConcepçãO%20 Racionalista[1]ConcepçãO%20 Racionalista[1]
ConcepçãO%20 Racionalista[1]
 
Concepção e racionalismo
Concepção e racionalismoConcepção e racionalismo
Concepção e racionalismo
 
Seminário de concepção racionalista
Seminário de concepção racionalistaSeminário de concepção racionalista
Seminário de concepção racionalista
 
Gestalt poligrafo
Gestalt poligrafoGestalt poligrafo
Gestalt poligrafo
 
PERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUALPERCEPÇÃO VISUAL
PERCEPÇÃO VISUAL
 
Teoria de Gestalt
Teoria de GestaltTeoria de Gestalt
Teoria de Gestalt
 
Aula 03 linguagem visual
Aula 03   linguagem visualAula 03   linguagem visual
Aula 03 linguagem visual
 
Psicologia Gestalt.pptx
Psicologia Gestalt.pptxPsicologia Gestalt.pptx
Psicologia Gestalt.pptx
 
Aula gestalt 01
Aula gestalt 01Aula gestalt 01
Aula gestalt 01
 
Percepção visual
Percepção visualPercepção visual
Percepção visual
 
7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok
7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok
7 ges-teoria-palestra-outubro-06 ok
 
Gestalt - Teoria do Design
Gestalt - Teoria do DesignGestalt - Teoria do Design
Gestalt - Teoria do Design
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 

Teoria da Gestalt

  • 1.
  • 2.  A palavra Gestalt tem origem alemã e surgiu em 1523 de uma tradução da Bíblia, significando "o que é colocado diante dos olhos, exposto aos olhares".  Hoje adotada no mundo inteiro significa um processo de dar forma ou configuração. Gestalt significa uma integração de partes em oposição à soma do "todo".
  • 3.  A Psicologia da Gestalt teve sua origem na Alemanha. Como muitos movimentos científicos importantes, a psicologia da forma (gestalt) nasceu de uma rebelião contra a ciência estabelecida na época. Por se oporem à tradição acadêmica da psicologia mais antiga (psicologia experimental), a gestalt era conhecida como uma psicologia de protesto.  A Psicologia da Gestalt originou-se como uma teoria da percepção que incluía as relações entre a forma do objeto e os processos do indivíduo que o recebe. Foi uma reação às abordagens atomistas que reduziam a percepção aos processos mentais ou conteúdos mentais.
  • 4.  A Psicologia da Gestalt questionou a explicação da percepção como uma soma de sensações. Duvidou também da concepção dos processos fisiológicos correspondentes como uma soma de atividades separadas. Para os gestaltistas, nem o processo ideológico, nem a percepção ou a excitação nervosa poderiam ser concebidas como uma simples soma das partes.  O processo cerebral, assim como a percepção, deveria ser um todo unificado, não sendo mais uma integração de atividades isoladas de unidades distintas, assim como a percepção é tampouco uma composição de sensações separadas.
  • 6. "A 'fórmula' fundamental da teoria da Gestalt poderia ser expressa da seguinte maneira: existem totalidades, cujo comportamento não é determinado pelos seus elementos individuais, mas nos quais os processos parciais são eles mesmos determinados pela natureza intrínseca do todo" (Max Wertheimer).
  • 7. Os teóricos da Gestalt propuseram uma série de princípios para percepção, tais como: proximidade, semelhança, direção, disposição objetiva, destino comum. Também como conceitos básicos destacam-se: • O todo e a parte; • Figura e Fundo; • Aqui e agora.
  • 8. Onde ressalta-se a concepção estruturalista desta escola – o problema para o gestaltista não é como o dado é solucionado, mas como é estruturado.
  • 9. Do todo uma parte emerge e vira figura, ficando o restante indiferenciado ou num fundo.
  • 10. A experiência passada da percepção de um objeto ou forma tem menor influência na visão de um objeto que se está vendo aqui e agora do que a experiência da percepção aqui e agora.
  • 11. Campo, Estrutura e Forma são conceitos básicos desta teoria.
  • 12. Campo é, segundo Marcolli, um espaço que apresenta algumas características constantes em todos os seus pontos; o espaço de uma folha de desenho ou a tela de um pintor são campos, tal como o é uma parede, o espaço de um compartimento um móvel ou um bloco de pedra. À noção de campo está ligada a 4ª dimensão, a noção de tempo. No meio do cinema a ação decorre em determinado tempo; leva tempo a percorrer, com o olhar, o trajeto de uma estrada, o teto de uma igreja barroca ou o desenho numa folha.
  • 13. Estrutura é o conjunto de elementos que compõem uma forma e a ordem de organização; com três segmentos de reta pode-se formar a letra A, desde que se respeite determinada ordem.
  • 14. Forma é a zona do campo que por ter determinada estrutura se destaca das zonas não estruturadas ou fundo.
  • 15.  Forma, estrutura e campo estão intimamente ligados e influenciam-se mutuamente; se for mudada a ordem da estrutura, muda a forma; ter uma pequena mancha no canto inferior esquerdo de uma folha não é equivalente a ter uma grande mancha no topo da mesma. Posição e escala não são indiferentes, tanto mais que a visão humana está profundamente influenciada pelo modo de leitura.  Qualquer padrão de estímulos obedece à lei da economia de meios, ou seja, tende a ser visto de modo a que a estrutura resultante seja a mais simples que as condições permitam.  Proximidade, semelhança e continuidade são princípios a que obedece a estruturação das formas. Por vezes predomina a relação de proximidade entre formas adjacentes, outras vezes é a relação de semelhança das partes o elo mais forte do conjunto de formas. A continuidade acontece quando a figura não está completa, faltando-lhe apenas uma parte pequena, havendo tendência a perceber a figura como completa, e a falta como lacuna.
  • 16.
  • 17. Em condições iguais, eventos próximos no tempo e espaço tenderão a permanecer unidos, formando um só todo: É um cubo grande ou pequeno?
  • 18. Eventos semelhantes se agruparão entre si. Essa semelhança se dá por intensidade, cor,odor, peso, tamanho, forma etc. e se dá em igualdade de condições. Qual a cor dos pontos?
  • 19. É a simples adição dos dois princípios anteriores, se em condições iguais: Formam-se círculos brancos junto ao centro.
  • 20. É o acompanhamento de uns elementos por outros, de modo que uma linha ou uma forma continuem em uma direção ou maneira já conhecidas. É um tridente?
  • 21. Há formas que parecem se impor em relação às outras, nos fazendo, por muito tempo, não conseguir ver outra forma de distribuição: Existe uma mulher nua na figura?
  • 22. Há certos elementos que parecem se dirigir a um mesmo lugar, se destacando de outros que não o pareçam. Fixe os olhos no ponto central e então avance e retroceda sua cabeça.
  • 23. Em todos as formas, todos os estímulos, os elementos aproximam-se uns dos outros e tendemos a fazer com que os grupos continuem os mesmos. As linhas horizontais são paralelas?
  • 24. É a subjetividade do percebedor: para cada um a percepção pode ser diferente, de acordo com a experiência do indivíduo, de acordo com o que ele já viveu ou aprendeu, conheceu. Tomemos como exemplo um texto qualquer: para um analfabeto ou alguém que não conheça a língua em questão, parecerá uma confusão completa, mas, para aquele que saiba ler ou conheça a língua, parecerá inteiramente inteligível. É um pato ou é um coelho?
  • 25. Os elementos de uma forma tendem a se agrupar de modo que formem uma figura mais total ou fechada. O quadrado realmente está desenhado?
  • 26. Essas tendências ou princípios, dependendo de sua intensidade podem produzir efeitos diferentes, devemos sempre lembrar que, para a Escola da Forma, o todo não é apenas a soma das partes, sua essência depende da configuração das partes.
  • 27. Transcorridos pouco mais de 50 anos desde a proposição da Gestalt Terapia, a abordagem gestáltica consolidou sua presença no cenário das práticas psicológicas, seja como abordagem psicoterapêutica, quanto como alternativa pedagógica, bem como eficiente instrumento na área de Recursos Humanos das empresas