SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª. Drª. Andréa Forgiarini Cechin
        Universidade Federal de Santa Maria
     
                        afcechin@gmail.com
PRECURSOR DO BEHAVIORISMO:

              Ivan P. Pavlov
                     1849 ­ 1936


             O comportamento
                respondente
      Pavlov e os seus colaboradores verificaram que os
       cães salivavam ao cheiro ou à vista da comida.
      Cada vez que a comida era apresentada, ao
       mesmo tempo soava uma campainha.
      O animal foi condicionado a salivar como reação
       ao som da campainha.
      Surge assim o reforço, não só como elemento
       imprescindível na aprendizagem, como também na
       sua manutenção ao longo do tempo.
                          
     
RESUMINDO

     O   condicionamento          clássico     (respondente)
      consiste    na   transferência       de   uma   resposta
      associada    a   um       estímulo   para   outro,   que
      inicialmente não a provocava.


      O ORGANISMO É PASSIVO NA PRODUÇÃO DA
                    RESPOSTA



     O âmbito e campos de aplicação desta forma de
     aprendizagem são vastos, praticamente todos os
     domínios de atividade. No homem, por exemplo,
     muitos comportamentos de medo são adquiridos
     através dele.
                             
 Surgiu no início do século XX, como uma
     corrente da Psicologia cujo único objeto de
     estudo     é    o   comportamento   observável   nos
     homens ou nos animais.


     O comportamento é toda a ação observável e
     pode ser medido.


     O homem é visto como um organismo que
     responde a estímulos provenientes do meio
     exterior       de   uma   forma   mais   ou   menos
     “automática”.

                            
 A aprendizagem é considerada como uma forma
        de condicionamento, resultado de associações
        entre E - R (específicos), e que podem ser
        reforçadas ou inibidas.


        Baseia-se no comportamento exterior do sujeito
        e na análise minuciosa da tarefa que ele terá que
        aprender. Vê o aluno como moldável e passivo.




                            
PRESSUPOSTOS DA TEORIA BEHAVIORISTA

    Os princípios de aprendizagem behaviorista, foram
     desenvolvidos tendo em vista quatro regras básicas da
     construção do conhecimento:

     EMPIRISMO - tem por base fatos realmente observados, para
      sustentar as explicações da natureza.      A fonte de todo
      conhecimento é a experiência sensorial. A base do empirismo
      é a observação.


     DETERMINISMO - estabelece que qualquer evento é resultado
      de um grupo de determinadas condições e variáveis.


     PARCIMÔNIA   - diante de duas explicações igualmente
     sustentadas em dados e plausíveis para um mesmo fato,
     deve-se dar preferência a mais simples delas.


     MANIPULAÇÃO    CIENTÍFICA - as conclusões devem ser
 
     decorrentes de experimentos em que a aplicação sistemática
                             
     e freqüente de certos procedimentos demonstre a validade
 Os   behavioristas    defendiam      que    quase    todos   os
     comportamentos característicos do ser humano eram
     aprendidos.      Desta     forma,     como     veremos,       a
     aprendizagem torna-se a área de maior interesse para
     os behavioristas.


     Os   behavioristas    atribuem      um     imenso    poder   ao
     ambiente no desenvolvimento humano, considerando o
     homem      como       um    ser     que     desenvolve    suas
     características em função das condições presentes no
     meio em que está inserido. Partem do princípio de que
     manipulando os elementos presentes no ambiente
     (estímulos) pode-se controlar o comportamento. O
     homem é, portanto, produto do meio.


     Para os comportamentalistas, a ciência consiste numa
     tentativa de descobrir a ordem na natureza e nos
     eventos.    Os    seguidores        desta    teoria   procuram
     demonstrar       que       certos    acontecimentos       estão
     relacionados, que o meio pode ser manipulado e o
John Broadus Watson
          1878 ­ 1958




              
   Em 1919 iniciou o estudo do condicionamento
        do bebê.


     “O bebê não é mais do que um pedaço de
        barro que pode ser moldado e trabalhado
        pelas mãos de um mestre artesão”.


       Um bebê pode ser moldado, através do uso
        das técnicas de condicionamento.


        Começou a escrever a sua obra (1913) na
        mesma altura em que o trabalho de Pavlov
        começava a ser conhecido nos EUA. Pensou
        que   se   um   cão   podia   ser   condicionado,
        também um bebê podia ser.
                          
 Testou esta teoria condicionando um bebê de nove
         meses, a ter medo de toda a variedade de objetos:
         estímulos.
      Conseguiu este condicionamento apresentando ao
         bebê um certo estímulo condicionado (EC) – um rato
         branco – e depois, batia com um martelo (estímulo
         incondicionado – EI) numa tábua, perto da cabeça
         do bebê.
     EC – rato branco – inicialmente neutro e em termos
        de propriedades indutoras de medo;
        EI – o som forte – produzia uma resposta de medo
        por parte do bebê.
     Associação EC + EI  fez com que o bebê reagisse,
        de forma idêntica à que reagia com um som forte.
        “Aprendeu”    a   associar   o   rato   ao   som   forte   =

 
        “aprendeu” a ter medo do rato.
                            
Mais tarde o bebê apresentava medo de qualquer
    estímulo que lhe fizesse lembrar um rato 
    generalização de estímulos.


       O   estudo   do    bebê       o    fez   acreditar   que   o
    comportamento humano podia ser controlado.


    Acreditava      que        não       só     os   antecedentes
    genéticos, mas também a estimulação do meio,
    sob a forma de condicionamento, podia produzir
    qualquer comportamento.




                             
     
 Watson, considerado pai do behaviorismo, foi o
     primeiro        a   utilizar    o   termo       behaviorismo,
     defendendo que o objeto da psicologia era o
     comportamento,          definido       como:     um   OBJETO
     OBSERVÁVEL,           MENSURÁVEL,         que     podia    ser
     REPRODUZIDO           em    diferentes    condições    e   em
     diferentes sujeitos.


     A partir desta perspectiva watsoniana, o homem
     começa a ser estudado como produto do processo
     de aprendizagem pelo qual passa desde a infância,
     ou      seja,       como       produto    de      associações
     estabelecidas durante a vida, entre estímulos (do
     meio)           e          respostas           (manifestações
     comportamentais).  
Teóricos da aprendizagem comportamentalista
                seguidores de Watson:




        Thorndike,
        Guthrie,         Defensores da importância
        Hull                  do meio sobre a
                               aprendizagem.
        Skinner




                       
   Foram poucos os teóricos da aprendizagem que
        estudaram crianças na sala de aula ou que de
        fato estudaram crianças:



                   THORNDIKE  gatos;
                   GUTHRIE  gatos;
                   HULL  ratos;
                   SKINNER  ratos e
                   pombos.


        Mas os princípios da aprendizagem derivados
        destas estudos foram generalizados aos seres
        humanos.


                           
BURRHUS FREDERIC SKINNER
           1904 - 1990



       O comportamento operante

      É considerado por muitos o mais expressivo psicólogo
      americano.


      Graduou-se em inglês e desejava tornar-se escritor, mas
      após dois anos de formado, frustrado com sua incapacidade
      literária, declarou que “não tinha nada importante a dizer”.


      Estava tão desesperado e com a auto-estima tão abalada
      que chegou a pensar em procurar ajuda psiquiátrica. Mas,
      após a ler obras de Watson e Pavlov, decidiu transferir seu
                              
      interesse literário pelas pessoas para um interesse mais
     Em   1931   pós-graduou-se    em   Psicologia,   em
        Harvard, abordando pela primeira vez a posição que
        iria nortear toda sua carreira: que um reflexo nada
        mais é do que a correlação entre um estímulo e uma
        resposta.


        Considerava   a   vida   um   produto   de   reforços
        passados e afirmava que a sua própria vida fora era
        predeterminada, organizada e ordeira quando o seu
        sistema ditava que todas as vidas humanas fossem.


     Manteve-se produtivo até a sua morte, aos oitenta
        e seis anos. Suas principais obras foram: “Sobre o
        behaviorismo”, “O mito da liberdade”, “Walden II”
        (1948), “Ciência e comportamento humano” (1953)
                             
        e “Contingências de reforço - uma análise teórica”.
TEORIA DO CONDICIONAMENTO OPERANTE



     O mundo é algo já construído, a realidade é um
        fenômeno objetivo e o meio pode ser manipulado.
        Pode-se mudar o comportamento alterando-se os
        elementos (estímulos) ambientais.


        O papel do indivíduo nesta sociedade é um ser
        passivo e respondente ao que dele    é esperado. É
        uma peça numa máquina planejada e controlada,
        realizando a função que ele realize de maneira
        eficiente.


         A   base   de   todo   conhecimento     na   teoria
        behaviorista é a experiência planejada.
                             
 A preocupação de Skinner em seus estudos
    sempre foi com o controle dos comportamentos
    observáveis, os chamados “estados internos” não
    são considerados relevantes em uma análise
    funcional.


     Toda teoria de Skinner tem por objetivo uma
    modificação social, uma sociedade ideal regida pelas
    leis da engenharia comportamental.


     Na obra Walden II (1948) o autor deixa bem claro o
    que ele pretende como sociedade: o homem pode
    obter uma vida melhor se as tradições sociais forem
    substituídas por um planejamento amplo que
    busque o bem-estar de todos, e que utilize, para
    isso, a teoria do reforço.


        A   principal    contribuição  de    Skinner,
    profundamente difundida e aplicada na educação, é,
     COMPORTAMENTO OPERANTE - são todas as
         coisas que fazemos e que têm um efeito sobre o
         ambiente    ou   operam   sobre    ele.   Não   são
         automáticos e não se relacionam com estímulos
         conhecidos. Ex.: caminhar, andar de bicicleta, ler,
         estudar, etc.


         No modelo operante a resposta é a condição do
         reforço: o organismo deve atuar sobre o ambiente
        Apara obtê-lo. central das pesquisas e da teoria de
          preocupação
        Skinner era o condicionamento de comportamentos
        operantes. A partir de suas experiências com ratos
        albinos na chamada “caixa de Skinner”, o psicólogo
        conseguiu condicionar o comportamento dos ratos. A
        partir disto, estabeleceu as bases de sua teoria,
        acreditando que os princípios do condicionamento
        operante poderia ser  aplicado em qualquer pessoa.
Caixa de Skinner




            
     
De acordo com o condicionamento operante,
    manipulando        os   elementos     presentes   no
    ambiente (os estímulos) pode-se controlar o
    comportamento:


    - fazer com que aumente o diminua a freqüência
    com que ele aparece;
    - extingui-lo;
    -    fazer   com    que     apareça   em   situações
    adequadas.

        No condicionamento operante o comportamento é
        controlado   por   suas    conseqüências, pelos
        estímulos que se segue às respostas.



                             
REFORÇO

           Fator que torna provável o aumento de
           freqüência de uma resposta. Pode ser positivo
           ou negativo.




     Positivo                                    Negativo



    Qualquer       estímulo         Qualquer estímulo que,
    que,            quando          quando      retirado    da
    acrescentado         à          situação,    aumenta     a
    situação, aumenta a             probabilidade           de
    probabilidade       de          ocorrência da resposta.
    ocorrência          da
    resposta.
                               
contínuo         TIPOS DE REFORÇO          intermitente




          É    contínuo        quando   reforçamos   um
        comportamento toda vez que ele ocorre. Este
        tipo   de     reforço      provoca,   geralmente,
        comportamentos pouco resistentes a extinção.


        É intermitente quando um comportamento é
        reforçado de forma descontínua. Este tipo de
        reforço provoca um comportamento mais estável
        e resistente à extinção.



                             
EXTINÇÃO - É a negação do reforço com o propósito
    de eliminar ou enfraquecer um comportamento. Para
    que isto aconteça, é necessário retirar do ambiente
    as conseqüências que mantém o comportamento.




                         
Condicionamento operante na sala de
                      aula
     Educação = aprendizagem de certas respostas que
     mais tarde serão úteis para a vida.
     O professor deve utilizar técnicas que produzem
     mudanças comportamentais significativas.

        Reforços
     Condicionados      • Reforço social generalizado;
                        • Promoções;
                        • Prêmios;
    Geralmente mais     • Aprovação.
      produtivos


     O condicionamento operante é mais eficaz quando o
                    reforço é imediato.
                          
Skinner é contra o uso da punição na sala de aula.


                        leva
        Punição                              reações emocionais
                                                 negativas.

        A   educação      deverá    maximizar     o   conhecimento,
        conseguido através do condicionamento operante,
        construindo o reportório de respostas do aluno.


    Para um bom ensino:
     capacidade de organizar a sequência de
          reforços apropriada;
     verificar que estes reforços são contingentes à
          emissão das respostas apropriadas por parte
          dos alunos.
                                 
A proposta psico-pedagógica de
                    Skinner


       Apresentações das informações em pequenas etapas.

       Exigência de participação ativa do aluno através de um 
       sistema de avaliação ancorado na reprodução da resposta.


      Reforço imediato à resposta, no sentido de um feedback 
       indicando acerto ou erro.


      Auto ­ controle por parte do aluno.
                           
 Esta teoria deu suporte, durante muito tempo, à
     escola americana e depois, durante a ditadura
     militar, foi importada para nosso país. A tendência
     conhecida       como     tecnicismo      pedagógico,
     extremamente difundida no final da década de 60 e
     durante a década de 70 no Brasil, propunha
     justamente uma educação baseada na emissão de
     respostas, no reforço e na superficialidade.




                          
TECNOLOGIA DO ENSINO

     EDUCAÇÃO - Nesta perspectiva, a educação deverá
    transmitir conhecimentos, comportamentos éticos, práticas
    sociais, habilidades consideradas básicas para manipulação e
    controle do mundo/ambiente. A educação tem um poder
    controlador.
     ENSINO - arranjo e planejamento de contingências de
    reforço sob as quais os estudantes aprendem.
     CONTEÚDO - visa objetivos e habilidades que levem à
    competência .
     Este ensino baseado na competência é caracterizado por:
           - especificação de objetivos em termos
    comportamentais;
           - especificação dos meios de avaliação;
           - fornecimento de uma ou mais formas de ensino
    pertinentes aos objetivos;
                              
 ALUNO - passivo, à mercê das contingências do
            ambiente e dos agentes controladores.


             PROFESSOR         -       planejador   e     analista   de
            contingências. Sua função é arranjar contingências de
            reforço, possibilitando o aumento da probabilidade de
            ocorrência de uma resposta.
     METODOLOGIA - individualização do ensino - máquinas
        de ensinar, instrução programada;            apresentação de
        contingências de reforço de forma controlada.



           AVALIAÇÃO       -       preocupada       com     aspectos
    mensuráveis e observáveis.

                                     
Implicações Pedagógicas

    1)   Definir,  com  a  maior  exactidão  possível,  os  objetivos  finais  da 
         aprendizagem.

    3)   Analisar  a  estrutura  das  tarefas,  de  modo  a  determinar  os 
         objectivos do percurso.

    5)   Estruturar  o  ensino  em  unidades  muito  pequenas,  de  forma  a 
         permitir  um  melhor  condicionamento  do  aluno  e  conduzi­lo 
         através  de  experiências  positivas  da  aprendizagem  (com 
         resultado de sucesso).

    7)   Apresentar estímulos capazes de suscitar reações adequadas.

    9)   Evitar  as  ocasiões  de  erro,  ignorá­lo  o  mais  possível  ou  puni­lo, 
         de modo a evitar a instalação de hábitos errados.

                                     
1)   Proporcionar  aos  alunos  conhecimento  dos  resultados  obtidos  e 
         retro ­ alimentação adequada;


    3)   Recompensar,  retirar  recompensas  ou  punir  os  alunos,  de 
         acordo com a natureza dos seus comportamentos e em relação à 
         aprendizagem desejada.


    5)   Aos  princípios  Behavioristas  podem  ser  associadas  técnicas  de 
         ensino  que  permitem  concretizá­los  na  sala  de  aula.  Entre  elas 
         faz­se    referência    a:    exercícios    de    repetição,    ensino 
         individualizado  de  tipo  programando,  demonstrações  de 
         atividades  a  imitar  sem  serem  acompanhadas  de  grandes 
         explicações, etc.

                                   

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
ruibraz
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Manô Araújo
 

Mais procurados (20)

Behaviorismo de Skinner
Behaviorismo de SkinnerBehaviorismo de Skinner
Behaviorismo de Skinner
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014Trabalho slides behavorismo 2014
Trabalho slides behavorismo 2014
 
psicologia da educação
psicologia da educaçãopsicologia da educação
psicologia da educação
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: PiagetDesenvolvimento Cognitivo: Piaget
Desenvolvimento Cognitivo: Piaget
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRiaPsicologia Da EducaçãO  Aula IntrodutóRia
Psicologia Da EducaçãO Aula IntrodutóRia
 
Psicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãOPsicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãO
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Psicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimentoPsicologia do desenvolvimento
Psicologia do desenvolvimento
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamentoAula 2   O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
Aula 2 O Behaviorismo - uma proposta de estudo do comportamento
 
O Behaviorismo
O BehaviorismoO Behaviorismo
O Behaviorismo
 
As teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humanoAs teorias do desenvolvimento humano
As teorias do desenvolvimento humano
 
Princípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamentoPrincípios de análise do comportamento
Princípios de análise do comportamento
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 

Destaque (8)

Teorias Behavioristas
Teorias BehavioristasTeorias Behavioristas
Teorias Behavioristas
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
41
4141
41
 
Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2Discriminação e controle de estímulos 2
Discriminação e controle de estímulos 2
 
Equivalência de estímulos
Equivalência de estímulosEquivalência de estímulos
Equivalência de estímulos
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
Portifólio Psicologia do Trabalho
Portifólio Psicologia do TrabalhoPortifólio Psicologia do Trabalho
Portifólio Psicologia do Trabalho
 
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da PsicologiaPsicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
 

Semelhante a Behaviorismo

Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
SUZILEY
 
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptxAULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
PregadorJonasKoncept
 

Semelhante a Behaviorismo (20)

O método das ciências humanas
O método das ciências humanasO método das ciências humanas
O método das ciências humanas
 
Behaviorismo - Período Pós Fundação
Behaviorismo - Período Pós FundaçãoBehaviorismo - Período Pós Fundação
Behaviorismo - Período Pós Fundação
 
Teoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de SkinnerTeoria do Behaviorismo de Skinner
Teoria do Behaviorismo de Skinner
 
Watson e o behaviorismo
Watson e o behaviorismoWatson e o behaviorismo
Watson e o behaviorismo
 
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docxTrabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
Trabalho Introdução à Psicologia Cap 4.docx
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Behavorismo
BehavorismoBehavorismo
Behavorismo
 
Comportamentalismo e Educaç ão_2020.pptx
Comportamentalismo e Educaç ão_2020.pptxComportamentalismo e Educaç ão_2020.pptx
Comportamentalismo e Educaç ão_2020.pptx
 
Aula semsa 2015
Aula semsa 2015Aula semsa 2015
Aula semsa 2015
 
Teorias da Aprendizagen
Teorias da AprendizagenTeorias da Aprendizagen
Teorias da Aprendizagen
 
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptxPSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
PSICOLOGIA APRENDIZAGEM E DA AVALIAÇÃO.pptx
 
Behavorismo
BehavorismoBehavorismo
Behavorismo
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
 
Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11Psicologia da educação 25.06.11
Psicologia da educação 25.06.11
 
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptxAULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
AULA 2 SLIDE 1 de Desenvolvimento Humano Infância cap 1.pptx
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimentoinato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
inato_adquirido.ppt teorias do desenvolvimento
 
AULA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA PARA PEDAGOGIA.pptx
AULA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA PARA PEDAGOGIA.pptxAULA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA PARA PEDAGOGIA.pptx
AULA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA PARA PEDAGOGIA.pptx
 
Psicologia geral i[1]
Psicologia geral i[1]Psicologia geral i[1]
Psicologia geral i[1]
 

Mais de Andréa Forgiarni Cechin (14)

Quatro pilares
Quatro pilaresQuatro pilares
Quatro pilares
 
Educação para o século XX
Educação para o século XXEducação para o século XX
Educação para o século XX
 
Piage Completo
Piage CompletoPiage Completo
Piage Completo
 
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria PsicanalíticaVisão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
 
Introdução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da EducaçãoIntrodução - Psicologia da Educação
Introdução - Psicologia da Educação
 
Hereditariedade X Ambiente
Hereditariedade X AmbienteHereditariedade X Ambiente
Hereditariedade X Ambiente
 
Os Neufredianos
Os NeufredianosOs Neufredianos
Os Neufredianos
 
Rogers
RogersRogers
Rogers
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Neo
NeoNeo
Neo
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Humanista
HumanistaHumanista
Humanista
 

Último

5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
EduardaMedeiros18
 

Último (20)

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 

Behaviorismo

  • 1. Profª. Drª. Andréa Forgiarini Cechin Universidade Federal de Santa Maria     afcechin@gmail.com
  • 2. PRECURSOR DO BEHAVIORISMO: Ivan P. Pavlov 1849 ­ 1936 O comportamento respondente  Pavlov e os seus colaboradores verificaram que os cães salivavam ao cheiro ou à vista da comida.  Cada vez que a comida era apresentada, ao mesmo tempo soava uma campainha.  O animal foi condicionado a salivar como reação ao som da campainha.  Surge assim o reforço, não só como elemento imprescindível na aprendizagem, como também na sua manutenção ao longo do tempo.    
  • 3.    
  • 4. RESUMINDO  O condicionamento clássico (respondente) consiste na transferência de uma resposta associada a um estímulo para outro, que inicialmente não a provocava. O ORGANISMO É PASSIVO NA PRODUÇÃO DA RESPOSTA  O âmbito e campos de aplicação desta forma de aprendizagem são vastos, praticamente todos os domínios de atividade. No homem, por exemplo, muitos comportamentos de medo são adquiridos através dele.    
  • 5.  Surgiu no início do século XX, como uma corrente da Psicologia cujo único objeto de estudo é o comportamento observável nos homens ou nos animais.  O comportamento é toda a ação observável e pode ser medido.  O homem é visto como um organismo que responde a estímulos provenientes do meio exterior de uma forma mais ou menos “automática”.    
  • 6.  A aprendizagem é considerada como uma forma de condicionamento, resultado de associações entre E - R (específicos), e que podem ser reforçadas ou inibidas.  Baseia-se no comportamento exterior do sujeito e na análise minuciosa da tarefa que ele terá que aprender. Vê o aluno como moldável e passivo.    
  • 7. PRESSUPOSTOS DA TEORIA BEHAVIORISTA Os princípios de aprendizagem behaviorista, foram desenvolvidos tendo em vista quatro regras básicas da construção do conhecimento:  EMPIRISMO - tem por base fatos realmente observados, para sustentar as explicações da natureza. A fonte de todo conhecimento é a experiência sensorial. A base do empirismo é a observação.  DETERMINISMO - estabelece que qualquer evento é resultado de um grupo de determinadas condições e variáveis.  PARCIMÔNIA - diante de duas explicações igualmente sustentadas em dados e plausíveis para um mesmo fato, deve-se dar preferência a mais simples delas.  MANIPULAÇÃO CIENTÍFICA - as conclusões devem ser   decorrentes de experimentos em que a aplicação sistemática   e freqüente de certos procedimentos demonstre a validade
  • 8.  Os behavioristas defendiam que quase todos os comportamentos característicos do ser humano eram aprendidos. Desta forma, como veremos, a aprendizagem torna-se a área de maior interesse para os behavioristas.  Os behavioristas atribuem um imenso poder ao ambiente no desenvolvimento humano, considerando o homem como um ser que desenvolve suas características em função das condições presentes no meio em que está inserido. Partem do princípio de que manipulando os elementos presentes no ambiente (estímulos) pode-se controlar o comportamento. O homem é, portanto, produto do meio.  Para os comportamentalistas, a ciência consiste numa tentativa de descobrir a ordem na natureza e nos eventos. Os seguidores desta teoria procuram   demonstrar que   certos acontecimentos estão relacionados, que o meio pode ser manipulado e o
  • 9. John Broadus Watson 1878 ­ 1958    
  • 10. Em 1919 iniciou o estudo do condicionamento do bebê.  “O bebê não é mais do que um pedaço de barro que pode ser moldado e trabalhado pelas mãos de um mestre artesão”.  Um bebê pode ser moldado, através do uso das técnicas de condicionamento.  Começou a escrever a sua obra (1913) na mesma altura em que o trabalho de Pavlov começava a ser conhecido nos EUA. Pensou que se um cão podia ser condicionado, também um bebê podia ser.    
  • 11.  Testou esta teoria condicionando um bebê de nove meses, a ter medo de toda a variedade de objetos: estímulos.  Conseguiu este condicionamento apresentando ao bebê um certo estímulo condicionado (EC) – um rato branco – e depois, batia com um martelo (estímulo incondicionado – EI) numa tábua, perto da cabeça do bebê.  EC – rato branco – inicialmente neutro e em termos de propriedades indutoras de medo;  EI – o som forte – produzia uma resposta de medo por parte do bebê.  Associação EC + EI  fez com que o bebê reagisse, de forma idêntica à que reagia com um som forte. “Aprendeu” a associar o rato ao som forte =   “aprendeu” a ter medo do rato.  
  • 12. Mais tarde o bebê apresentava medo de qualquer estímulo que lhe fizesse lembrar um rato  generalização de estímulos.  O estudo do bebê o fez acreditar que o comportamento humano podia ser controlado. Acreditava que não só os antecedentes genéticos, mas também a estimulação do meio, sob a forma de condicionamento, podia produzir qualquer comportamento.    
  • 13.    
  • 14.  Watson, considerado pai do behaviorismo, foi o primeiro a utilizar o termo behaviorismo, defendendo que o objeto da psicologia era o comportamento, definido como: um OBJETO OBSERVÁVEL, MENSURÁVEL, que podia ser REPRODUZIDO em diferentes condições e em diferentes sujeitos.  A partir desta perspectiva watsoniana, o homem começa a ser estudado como produto do processo de aprendizagem pelo qual passa desde a infância, ou seja, como produto de associações estabelecidas durante a vida, entre estímulos (do meio) e respostas (manifestações   comportamentais).  
  • 15. Teóricos da aprendizagem comportamentalista seguidores de Watson:  Thorndike,  Guthrie, Defensores da importância  Hull do meio sobre a aprendizagem.  Skinner    
  • 16. Foram poucos os teóricos da aprendizagem que estudaram crianças na sala de aula ou que de fato estudaram crianças: THORNDIKE  gatos; GUTHRIE  gatos; HULL  ratos; SKINNER  ratos e pombos.  Mas os princípios da aprendizagem derivados destas estudos foram generalizados aos seres humanos.    
  • 17. BURRHUS FREDERIC SKINNER 1904 - 1990 O comportamento operante  É considerado por muitos o mais expressivo psicólogo americano.  Graduou-se em inglês e desejava tornar-se escritor, mas após dois anos de formado, frustrado com sua incapacidade literária, declarou que “não tinha nada importante a dizer”.  Estava tão desesperado e com a auto-estima tão abalada que chegou a pensar em procurar ajuda psiquiátrica. Mas,   após a ler obras de Watson e Pavlov, decidiu transferir seu   interesse literário pelas pessoas para um interesse mais
  • 18. Em 1931 pós-graduou-se em Psicologia, em Harvard, abordando pela primeira vez a posição que iria nortear toda sua carreira: que um reflexo nada mais é do que a correlação entre um estímulo e uma resposta.  Considerava a vida um produto de reforços passados e afirmava que a sua própria vida fora era predeterminada, organizada e ordeira quando o seu sistema ditava que todas as vidas humanas fossem.  Manteve-se produtivo até a sua morte, aos oitenta e seis anos. Suas principais obras foram: “Sobre o behaviorismo”, “O mito da liberdade”, “Walden II” (1948), “Ciência e comportamento humano” (1953)     e “Contingências de reforço - uma análise teórica”.
  • 19. TEORIA DO CONDICIONAMENTO OPERANTE  O mundo é algo já construído, a realidade é um fenômeno objetivo e o meio pode ser manipulado. Pode-se mudar o comportamento alterando-se os elementos (estímulos) ambientais.  O papel do indivíduo nesta sociedade é um ser passivo e respondente ao que dele é esperado. É uma peça numa máquina planejada e controlada, realizando a função que ele realize de maneira eficiente.  A base de todo conhecimento na teoria behaviorista é a experiência planejada.    
  • 20.  A preocupação de Skinner em seus estudos sempre foi com o controle dos comportamentos observáveis, os chamados “estados internos” não são considerados relevantes em uma análise funcional.  Toda teoria de Skinner tem por objetivo uma modificação social, uma sociedade ideal regida pelas leis da engenharia comportamental.  Na obra Walden II (1948) o autor deixa bem claro o que ele pretende como sociedade: o homem pode obter uma vida melhor se as tradições sociais forem substituídas por um planejamento amplo que busque o bem-estar de todos, e que utilize, para isso, a teoria do reforço.    A principal   contribuição de Skinner, profundamente difundida e aplicada na educação, é,
  • 21. COMPORTAMENTO OPERANTE - são todas as coisas que fazemos e que têm um efeito sobre o ambiente ou operam sobre ele. Não são automáticos e não se relacionam com estímulos conhecidos. Ex.: caminhar, andar de bicicleta, ler, estudar, etc.  No modelo operante a resposta é a condição do reforço: o organismo deve atuar sobre o ambiente Apara obtê-lo. central das pesquisas e da teoria de preocupação Skinner era o condicionamento de comportamentos operantes. A partir de suas experiências com ratos albinos na chamada “caixa de Skinner”, o psicólogo conseguiu condicionar o comportamento dos ratos. A partir disto, estabeleceu as bases de sua teoria, acreditando que os princípios do condicionamento   operante poderia ser  aplicado em qualquer pessoa.
  • 23.    
  • 24. De acordo com o condicionamento operante, manipulando os elementos presentes no ambiente (os estímulos) pode-se controlar o comportamento: - fazer com que aumente o diminua a freqüência com que ele aparece; - extingui-lo; - fazer com que apareça em situações adequadas. No condicionamento operante o comportamento é controlado por suas conseqüências, pelos estímulos que se segue às respostas.    
  • 25. REFORÇO Fator que torna provável o aumento de freqüência de uma resposta. Pode ser positivo ou negativo. Positivo Negativo Qualquer estímulo Qualquer estímulo que, que, quando quando retirado da acrescentado à situação, aumenta a situação, aumenta a probabilidade de probabilidade de ocorrência da resposta. ocorrência da resposta.    
  • 26. contínuo TIPOS DE REFORÇO intermitente  É contínuo quando reforçamos um comportamento toda vez que ele ocorre. Este tipo de reforço provoca, geralmente, comportamentos pouco resistentes a extinção.  É intermitente quando um comportamento é reforçado de forma descontínua. Este tipo de reforço provoca um comportamento mais estável e resistente à extinção.    
  • 27. EXTINÇÃO - É a negação do reforço com o propósito de eliminar ou enfraquecer um comportamento. Para que isto aconteça, é necessário retirar do ambiente as conseqüências que mantém o comportamento.    
  • 28. Condicionamento operante na sala de aula  Educação = aprendizagem de certas respostas que mais tarde serão úteis para a vida.  O professor deve utilizar técnicas que produzem mudanças comportamentais significativas. Reforços Condicionados • Reforço social generalizado; • Promoções; • Prêmios; Geralmente mais • Aprovação. produtivos O condicionamento operante é mais eficaz quando o   reforço é imediato.  
  • 29. Skinner é contra o uso da punição na sala de aula. leva Punição reações emocionais negativas.  A educação deverá maximizar o conhecimento, conseguido através do condicionamento operante, construindo o reportório de respostas do aluno. Para um bom ensino:  capacidade de organizar a sequência de reforços apropriada;  verificar que estes reforços são contingentes à emissão das respostas apropriadas por parte dos alunos.    
  • 30. A proposta psico-pedagógica de Skinner    Apresentações das informações em pequenas etapas.    Exigência de participação ativa do aluno através de um  sistema de avaliação ancorado na reprodução da resposta.   Reforço imediato à resposta, no sentido de um feedback  indicando acerto ou erro.   Auto ­ controle por parte do aluno.    
  • 31.  Esta teoria deu suporte, durante muito tempo, à escola americana e depois, durante a ditadura militar, foi importada para nosso país. A tendência conhecida como tecnicismo pedagógico, extremamente difundida no final da década de 60 e durante a década de 70 no Brasil, propunha justamente uma educação baseada na emissão de respostas, no reforço e na superficialidade.    
  • 32. TECNOLOGIA DO ENSINO  EDUCAÇÃO - Nesta perspectiva, a educação deverá transmitir conhecimentos, comportamentos éticos, práticas sociais, habilidades consideradas básicas para manipulação e controle do mundo/ambiente. A educação tem um poder controlador.  ENSINO - arranjo e planejamento de contingências de reforço sob as quais os estudantes aprendem.  CONTEÚDO - visa objetivos e habilidades que levem à competência .  Este ensino baseado na competência é caracterizado por: - especificação de objetivos em termos comportamentais; - especificação dos meios de avaliação; - fornecimento de uma ou mais formas de ensino   pertinentes aos objetivos;  
  • 33.  ALUNO - passivo, à mercê das contingências do ambiente e dos agentes controladores.  PROFESSOR - planejador e analista de contingências. Sua função é arranjar contingências de reforço, possibilitando o aumento da probabilidade de ocorrência de uma resposta.  METODOLOGIA - individualização do ensino - máquinas de ensinar, instrução programada; apresentação de contingências de reforço de forma controlada.  AVALIAÇÃO - preocupada com aspectos mensuráveis e observáveis.    
  • 34. Implicações Pedagógicas 1) Definir,  com  a  maior  exactidão  possível,  os  objetivos  finais  da  aprendizagem. 3) Analisar  a  estrutura  das  tarefas,  de  modo  a  determinar  os  objectivos do percurso. 5) Estruturar  o  ensino  em  unidades  muito  pequenas,  de  forma  a  permitir  um  melhor  condicionamento  do  aluno  e  conduzi­lo  através  de  experiências  positivas  da  aprendizagem  (com  resultado de sucesso). 7) Apresentar estímulos capazes de suscitar reações adequadas. 9) Evitar  as  ocasiões  de  erro,  ignorá­lo  o  mais  possível  ou  puni­lo,  de modo a evitar a instalação de hábitos errados.    
  • 35. 1) Proporcionar  aos  alunos  conhecimento  dos  resultados  obtidos  e  retro ­ alimentação adequada; 3) Recompensar,  retirar  recompensas  ou  punir  os  alunos,  de  acordo com a natureza dos seus comportamentos e em relação à  aprendizagem desejada. 5) Aos  princípios  Behavioristas  podem  ser  associadas  técnicas  de  ensino  que  permitem  concretizá­los  na  sala  de  aula.  Entre  elas  faz­se  referência  a:  exercícios  de  repetição,  ensino  individualizado  de  tipo  programando,  demonstrações  de  atividades  a  imitar  sem  serem  acompanhadas  de  grandes  explicações, etc.