Cibercultura e redes sociais - aula 02 - turma 03

1.019 visualizações

Publicada em

Slide da 2ª aula de Cibercultura e Redes Sociais, ministrada para a 3ª turma do MBA em Marketing Digital e Gestão de Projetos Web da Faculdade Pitágoras de Londrina em 19/05/2012.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.019
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Giuliano R. de Souza - Cibercultura e Redes Sociais - MBA em Marketing Digital e Gestão de Projetos Web
  • Giuliano R. de Souza - Cibercultura e Redes Sociais - MBA em Marketing Digital e Gestão de Projetos Web
  • Cibercultura e redes sociais - aula 02 - turma 03

    1. 1. CIBERCULTURA E REDES SOCIAIS Aula 2
    2. 2. Slides das aulas• Os slides das aulas já ministradas estão disponíveis no Slideshare, na URL: – http://www.slideshare.net/mbamktdigital/
    3. 3. Conteúdo da Aula1. Novos perfis de consumidores no Brasil2. Redes Sociais no Brasil – qual o perfil do brasileiro em cada um delas3. As redes sociais facilitam o relacionamento com as marcas4. Facebook X Twitter – panorama brasileiro5. Negócios Sustentáveis por Redes Sociais6. Crowdfunding - no exterior e no Brasil7. Ciberativismo8. Modelos de Negócios na Internet
    4. 4. NOVOS PERFIS DE CONSUMIDORES NO BRASIL
    5. 5. Perfis de Consumidores no Brasil• Através do documentário Breakonsumers, produzido pela Limo Inc., agência de planejamento e pesquisa brasileira, podemos perceber três novos perfis de consumidores entre as classes de consumo A, B e C: – Estáveis – Emergentes – Engajados • Estes perfis se encontram em mais de uma classe de consumidor, variando devido aos valores pessoais dos indivíduos.
    6. 6. Estáveis• Procuram fazer a manutenção do status quo• Buscam a estabilidade no emprego a qualquer custo• Ligados a valores familiares sem grandes mudanças de vida
    7. 7. Emergentes• Definitivamente insatisfeitos com o status quo• Representa grande numero de pessoas que se aproveitaram do momento econômico para aumentar o seu poder de compra• Autocentrados – priorizam o crescimento pessoal• Pouco interferem nas questões sociais e ligadas a comunidade• Individualistas – creditam o sucesso ao esforço próprio e solitário• Confiam que a vida não deu tudo o que necessitam• Fogem de qualquer referencia a pobreza
    8. 8. Engajados• Representa parte da população que enxerga a mobilidade como fator importante para a transformação pessoal e coletiva• São pessoas que possuem afinidade com o consumo cultural e responsabilidade sócio-ambiental• A mobilidade reflete a busca constante por informação, educação e construção de uma carreira.
    9. 9. REDES SOCIAIS NO BRASILQUAL É O PERFIL DO BRASILEIRO EM CADA UMA DELAS?
    10. 10. Acesso e uso de redes sociais no Brasil 95% dos usuários acessaram ao menos uma rede social nos últimos 30 diasFonte: M. Sense / Hí-Midia
    11. 11. Redes sociais mais acessadasFonte: M. Sense / Hí-Midia
    12. 12. Acesso ao menos uma vez por diaFonte: M. Sense / Hí-Midia
    13. 13. Local de acessoFonte: M. Sense / Hí-Midia
    14. 14. AS REDES SOCIAIS FACILITAM ORELACIONAMENTO COM AS MARCAS
    15. 15. Você comenta sobre compra de produtos ou serviços nas redes sociais?Fonte: M. Sense / Hí-Midia
    16. 16. 57% 65% curtem alguma buscam novidades sobre marca ou produto sobre a marca que curtemFonte: M. Sense / Hí-Midia
    17. 17. 41% 78% seguem uma marca buscam promoção ou produtoFonte: M. Sense / Hí-Midia
    18. 18. Marcas mais curtidas noFonte: M. Sense / Hí-Midia
    19. 19. Produtos/serviços mais comentados nas redes sociaisFonte: M. Sense / Hí-Midia
    20. 20. X
    21. 21. Motivo de acessoFonte: M. Sense / Hí-Midia
    22. 22. Perfil do usuário Espectador – só olha o que está acontecendo Participante – compartilha conteúdo e interage Criador – publica conteúdo próprio nas redesFonte: M. Sense / Hí-Midia
    23. 23. Valorização da interaçãoFonte: M. Sense / Hí-Midia
    24. 24. Preocupação com privacidade ou segurançaFonte: M. Sense / Hí-Midia
    25. 25. Comportamento nas redes sociais pode influenciar na vida profissionalFonte: M. Sense / Hí-Midia
    26. 26. Política As redes sociais devem ter papel relevante durante o ano de 2012 no que se refere a discussões políticas e nas eleiçõesFonte: M. Sense / Hí-MidiaPesquisa realizada com a aanálise do comportamento de 484 pessoas em todo o Brasildurante março de 2012
    27. 27. Outras estudos e pesquisas para referência• Comscore - http://www.comscore.com/por/• Wave 6 - http://www.wave6.co.uk/• Pesquisa da IAB Brasil, sobre como os brasileiros usam a Internet - http://www.mediafire.com/?k7uixk0unb2dyid• O uso da internet e da mídia social na América Latina - http://web2engagebrasil.com/2011/09/01/o-uso-da-internet-e-a- midia-social-na-america-latina/• Usuários passam mais tempo no Facebook do que em todas as outras redes juntas - http://idgnow.uol.com.br/internet/2012/02/28/usuarios-passam- mais-tempo-no-facebook-do-que-em-todas-as-outras-redes- juntas/
    28. 28. NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS POR REDES SOCIAIS
    29. 29. Ebbsfleet United Football Club • O Ebbsfleet United Footbal Club é um time de futebol inglês fundado em 1946 e que hoje está na 5ª divisão (Conference National). • Ficou mundialmente conhecido quando foi noticiado que, estando à beira da falência, abriu o seu capital para todos pela internet, existindo a possibilidade de os próprios torcedores adquirirem uma ação por pessoa ao preço de 35 libras esterlinas.
    30. 30. Ebbsfleet United Football Club • Em novembro de 2007, o site MyFootballClub.co.uk anunciou que tinha alcançado um acordo, através de voto dos membros, para a compra do clube. O clube, que chegou a ter 30.000 sócios, hoje está com o número de associados estabilizado em 9.000.
    31. 31. Ebbsfleet United Football Club • Todos os associados podem participar de diversas votações escolhendo os jogadores, o técnico e opinam sobre tudo o que acontece no clube. Com isto o time saiu da situação de dívidas e está obtendo lucro, e também se estabeleceu como um clube profissional, pois antes era semi- profissional.
    32. 32. ZOPA - http://uk.zopa.com • A idéia é simples: o valor que o investidor (pessoa que empresta) é dividido em diversos empréstimos de forma a reduzir o risco de inadimplência, o resto funciona como um empréstimo normal. • Quando o empréstimo é concedido, o usuário beneficiado tem acesso a informações como idade, valor e de onde veio o valor emprestado por cada pessoa.
    33. 33. ZOPA - http://uk.zopa.com • Cada usuário tem liberdade para decidir quanto irá emprestar após analisar o perfil de quem pede o empréstimo e o motivo ou necessidade informada para o empréstimo. • No Banco Espírito Santo (Portugal), as taxas mais baixas ficam em 6,141%, mas no site do banco consta a informação que esse é um valor máximo. Já o Banco do Brasil cobra 28,83%.
    34. 34. ZOPA - http://uk.zopa.com • Quem pega dinheiro emprestado paga 0,5% ao ZOPA no ato do empréstimo. Quem empresta (ou aplica) paga uma taxa de administração de 0,5% a ano. O risco é diversificado, pois o ZOPA aloca o dinheiro de quem empresta no bolso de várias pessoas. Por exemplo, 500 Libras emprestadas vão para 50 pessoas diferentes.
    35. 35. ZOPA - http://uk.zopa.com • Os juros cobrados para o empréstimo de €1000,00 (mil euros), em 12 meses serão de pouco mais de 4%, totalizando € 1040,42 ao final do empréstimo. • No Banco Espírito Santo (Portugal), as taxas mais baixas ficam em 6,141%, mas no site do banco consta a informação que esse é um valor máximo. Já o Banco do Brasil cobra 28,83%.
    36. 36. ZOPA - http://uk.zopa.com • Emprestar dinheiro sem a utilização de instituições bancárias não é crime, desde que os juros cobrados não ultrapassem o máximo permitido pela lei no Brasil, de 1% ao mês. Portanto o sistema do Zopa pode ser implementado no Brasil.
    37. 37. SLICETHEPIE - http://www.slicethepie.com • O “statement” deles é “Se você é um artista, ganhe dinheiro com sua música. Se você é um fã de música, ganhe dinheiro descobrindo novos talentos e fazendo críticas. Se você quer financiar ou negociar com bandas e artistas, construa o seu próprio selo e lucre com o sucesso dos seus artistas”.
    38. 38. SLICETHEPIE - http://www.slicethepie.com • Tem um formato de bolsa de apostas, onde o mais importante é a banda conseguir popularidade e ir vencendo um processo seletivo que vai se afunilando com o passar do tempo. O site inclusive diz que o interesse é gerar oportunidade para que 1000 bandas gravem, e não 100 bandas – como costuma ser a cultura tradicional do “hit parade” (essa é exatamente a teoria do livro “A Cauda Longa” de Chris Robinson).
    39. 39. SLICETHEPIE - http://www.slicethepie.com • O site adota a posição de confiar na "sabedoria das multidões". Cerca de 7,5 mil músicos se registraram para ter seu trabalho resenhado de maneira independente e anônima pelos associados do site e a cada mês os 20 trabalhos com mais votos avançam e tentam obter financiamento para suas gravações.
    40. 40. SLICETHEPIE - http://www.slicethepie.com • Geralmente um ou dois deles recebem o nível de apoio necessário - investidores que desejam adquirir "contratos" relativos a seu trabalho, que têm valores de 50 pence (meia libra) - e obtêm as 15 mil libras necessárias para gravarem e lançarem um disco. E enquanto um músico precisaria vender 100 mil discos para que sua gravadora convencional tenha lucro, na slicethepie.com bastam mil cópias vendidas para se começar a gerar lucro para os investidores.
    41. 41. SLICETHEPIE - http://www.slicethepie.com • Dois anos depois do investimento, os "acionistas" recebem uma libra por álbum vendido e 10 centavos de libra por música vendida em cada contrato que possuem. Se a banda Arctic Monkeys tivesse começado no Slicethepie, por exemplo, investidores teriam recebido pouco mais de 100 libras por cada ação comprada, baseado nas vendas de 1,1 milhão de álbuns. Com isso, um investimento de 20 libras geraria um retorno de 2 mil libras.
    42. 42. SLICETHEPIE - http://www.slicethepie.com • Os artistas mantêm direitos autorais sobre seus trabalhos e ficam livres para assinarem com uma gravadora tradicional a qualquer momento, desde que a empresa esteja disposta a pagar um ágio de 50%. O site se mantém com comissões cobradas dos fundos levantados, operações com as ações dos investidores das bandas e pequena porcentagem obtida com os royalties dos artistas.
    43. 43. SMARTY PIG - http://www.smartypig.com • A britânica Smarty Pig reúne e incentiva as pessoas a fazerem poupança para adquirir determinado produto ou serviço. • Esse "cofrinho inteligente" proporciona aos seus usuários a possibilidade de criar uma conta gratuita no portal e também uma conta bancária no WesBank, onde poderá guardar seu dinheiro
    44. 44. SMARTY PIG - http://www.smartypig.com • . O site aconselha onde economizar e de que forma, calculando o tempo necessário para chegar ao objetivo. • Também permite que o usuário coloque disponível algumas informações sobre seu perfil, incentivando parentes e amigos a colaborar com seu sonho, depositando algum dinheiro no "cofrinho". • No Brasil existe um serviço semelhante, o www.vakinha.com.br
    45. 45. CrowdfundingDe forma bem simples, é o termo para usar quando a gente falade iniciativas de financiamento colaborativas. Traduzindo para oportuguês seria algo como “financiamento pela multidão”. Aideia é que várias pessoas contribuam, com pequenas quantias,de maneira colaborativa, a viabilizar uma ideia, um negócio, umprojeto.
    46. 46. Alguns sites de crowdfunding estrangeiros• Kickstarter - http://www.kickstarter.com/• Crowdtilt - http://www.crowdtilt.com/• AngelList (para startups) - http://angel.co/• Crowdfunder (para startups) - http://crowdfunder.com/• WeFunder (para startups) - http://wefunder.com/beta• Indiegogo - http://www.indiegogo.com/• MicroVentures (angel investors para startups) - http://www.microventures.com/• SecondMarket - https://www.secondmarket.com/
    47. 47. Alguns sites de crowdfunding no Brasil• Catarse - http://catarse.me/pt• Movere - http://movere.me/• Embolacha (focado em música) - http://www.embolacha.com.br/• Impulso (para microenpreendedores) - http://www.impulso.org.br/• Let’s - http://www.lets.bt/• ComeçAki - http://comecaki.com.br/• MiniMecenas - http://www.minimecenas.com.br/• Instituto Liderar - http://www.institutoliderar.org.br/
    48. 48. Mobilize FB – www.mobilizefb.com• O Mobilize FB é um aplicativo que transforma fan pages no Facebook em pontos de interação para campanhas de crowdfunding.• A adesão ao Mobilize é gratuita e também não há custo de manutenção nem mensalidade.• O Mobilize é mais barato. As taxas cobradas pelos sites concorrentes são maiores, chegando a mais do que 7% do valor arrecadado pelo projeto. No Mobilize apenas 3%, ou seja, menos da metade. Os idealizadores devem ter uma conta MoIP (sistema seguro de intermediação de pagamentos pela Internet) para receber as contribuições realizadas ao seu projeto.
    49. 49. CIBERATIVISMO
    50. 50. Ciberativismo• Na década de 90, a internet chegou mostrando a facilidade de conectar pessoas diferentes em diversas partes do mundo e logo se tornou popular. A velocidade que as informações levam para ir de um extremo ao outro chamou atenção e despertou o interesse, incluindo a de ativistas que divulgavam suas idéias através de outros meios de comunicação. Foi então que surgiram os primeiros vestígios do ciberativismo.
    51. 51. Ciberativismo• O Ciberativismo geralmente busca apoio para suas causas (que costumam ser de cunho ambiental, político ou social) através da Internet e de outros meios midiaticos; divulgam e abrem espaço para discussões, procurando algumas vezes estabelecer uma rede de solidariedade. A utilização das informações na Internet passou a ter maior visibilidade até mesmo pelo baixo custo e eficácia na resposta a curto, médio e longo prazo pela comunidade virtual.
    52. 52. Ciberativismo• Apesar de estar basicamente tudo à distância de um clique, não quer dizer que o ciberativismo se restrinja apenas a isso. Além do virtual, ainda é necessária a existência do ativismo real, por um ainda ser muito dependente do outro e ambos fazerem parte de um processo que se completa. É preciso também, o comprometimento e conhecimento do ativista pela causa que se está lutando e não apenas um clique a mais ou a menos.
    53. 53. Projeto EXCELENCIAS.ORG.BR• Iniciativa da Transparência Brasil, organização não- governamental que tem como objetivo combater a corrupção no país, o Projeto Excelências é um instrumento online que disponibiliza para consulta uma lista de todos os parlamentares com pendências na Justiça e nos tribunais de conta pelo país. São cerca de 2.368 políticos, entre senadores, deputados estaduais e federais.
    54. 54. Projeto EXCELENCIAS.ORG.BR• As informações presentes no site são extraídas das próprias Casas legislativas, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tribunais estaduais e superiores, tribunais de contas, entre outros. Além disso, conta com dados de outros projetos da Transparência Brasil, como o Às Claras, sobre financiamento eleitoral e o Deu no Jornal, sobre notícias acerca da corrupção política.
    55. 55. Projeto EXCELENCIAS.ORG.BRO banco de dados do Excelências possui:• Histórico do político, com informações sobre seus cargos mais relevantes, votos recebidos na última eleição, seu histórico de filiações partidárias;• Resumo dos crimes pelos quais o político responde a processo, além disso, você poderá checar se já houve condenação e uso de recursos;• Número de viagens;• Faltas nas sessões plenárias e comissões temáticas;
    56. 56. Projeto EXCELENCIAS.ORG.BRO banco de dados do Excelências possui:• Notícias sobre o político, as matérias legislativas que apresentou. Por meio dessas informações, podemos avaliar o grau de fidelidade do político aos compromissos assumidos em campanha, por exemplo;• Produtividade do político, quanto e como o político utilizou a verba indenizatória, similar ao décimo terceiro salário que os políticos recebem, além de saber se a verba gasta foi de acordo com o que é previsto, em relação a sua função na política;• Patrimônio declarado do político
    57. 57. Projeto DOEPALAVRAS.COM.BR• A comunicação de boas palavras faz parte da terapêutica de pacientes em tratamento de câncer no Instituto Mário Penna, em Belo Horizonte (MG). O projeto Doe Palavras é simples e pessoas de qualquer lugar podem participar dessa rede de solidariedade. Basta enviar uma mensagem positiva pelo site www.doepalavras.com ou pelo twitter, acrescentando a hastag #doepalavras. Depois de passar por uma triagem, as mensagens são exibidas em telões no Hospital.
    58. 58. Projeto DOEPALAVRAS.COM.BR• Os organizadores do Projeto consideram que em muitos momentos o que mais os pacientes necessitam é de uma boa palavra. “Mensagens positivas de amor, esperança e força têm o poder de transformar a maneira como eles enfrentam o câncer”.
    59. 59. MODELOS DE NEGÓCIOS NA INTERNET
    60. 60. Modelos de Negócios na Internet• Os modelos de negócios que possuem alguma relação com a Internet foram categorizados por diversos autores de formas diferentes. A busca por uma taxonomia que explique e coloque dentro de uma certa lógica operacional cada um dos modelos é válida considerando o grau de inovação dos diversos negócios online. Para tanto devemos ir muito além do e-commerce e do business-to-business . Neste caso, Rappa (2005) nos apresenta um quadro bem mais detalhado dos diversos modelos, com nove categorias: RAPPA, M. Business Models on the Web, 2005. acessível em http://digitalenterprise.org/models/ models.html - última atualização: 17/01/2010
    61. 61. Modelos de Negócios na Internet1. Intermediários2. Publicidade3. Informacionais4. Comerciais5. Manufatura (Direto)6. Afiliados7. Comunidades ou sociais8. Assinatura9. Sob demanda
    62. 62. Modelos de Negócios na InternetCada uma das categorias contempla uma série de modelos. Umabreve explicação para o entendimento de cada um é necessáriapois deve-se apresentar o impacto, benefícios e alterações que acolaboração e as redes sociais exercem sobre eles.
    63. 63. 1. IntermediáriosRepresentados por websites que colocam compradores evendedores frente a frente. Sites B2C ou B2B estão nestacategoria. Normalmente os proprietários destes websitesrecebem comissão pelas vendas.
    64. 64. 2. PublicidadeNeste modelo, semelhante ao utilizado pela TV ou pelo Rádio, um“anunciante” veicula propaganda em espaços pré-determinados,fazendo uso de formatos padrão de mídia digital (ex. banners).Este modelo possui hoje uma variante, inaugurada pelo Google, oAdWords, onde o internauta pode, ele mesmo, “comprandopalavras” posicionar a campanha de seu website dentro dosespaços reservados para os anunciantes nos resultados de buscado Google.
    65. 65. 3. InformacionaisUma das questões mais relevantes do universo digital é aexistência de ferramentas capazes de identificar o perfil docliente. Empresas especializadas em “coletar” esses dadosacabaram por criar um negócio valioso baseado no conhecimentosobre os hábitos dos internautas, permitindo que websites eportais possam segmentar campanhas e direcionar melhor avenda de produtos e serviços.
    66. 66. 4. ComerciaisSão as lojas virtuais que vendem produtos (ex. Amazon ouAmericanas no Brasil) e também as lojas que vendem produtosdigitais (ex. iTunes da Apple, com a venda de músicas).
    67. 67. 5. ManufaturaSão empresas que comercializam seus produtos por meio dewebsites de sua propriedade somente. Caso da Dell com a vendade seus computadores ou de empresas de software quedisponibilizam seus programas em seus websites para download,comercializando os mesmos por meio de licenciamento ou vendadireta ao consumidor.
    68. 68. 6. AfiliadosNeste modelo, websites se juntam dentro de um programa queoferece incentivos (em termos de descontos ou “cupons digitais”)para os internautas que efetuarem compras ou clicarem emanúncios. Este modelo também suporta um “repasse” monetário,ou percentual do valor da venda de um produto, se além dointernauta clicar no anúncio também comprar o produto.
    69. 69. 7. Comunidades ou sociaisAs comunidades virtuais (ou redes sociais) sempre estiverampresentes na Internet. As comunidades evoluíram com a adiçãode ferramentas de comunicação síncronas e assíncronas, a adiçãode recursos áudio visuais e a possibilidade de seu crescimento,em termos de conteúdo ser de responsabilidade dos própriosusuários. Apesar da popularidade das atuais comunidades (ex.Orkut, Facebook e Google +), seu maior desafio é definir ummodelo de negócios sustentável, baseado na audiência e lealdadede seus usuários, isto sem afetar a privacidade e a gratuidade dosserviços prestados.
    70. 70. 8. AssinaturasEste é basicamente o modelo dos provedores de acesso aInternet, ou portais. Internautas precisam pagar umamensalidade para “entrar” na Internet e navegar. Este modelotambém tem sido adotado por grupos de mídia tradicionais(grandes jornais e revistas) que “cobram” dos internautas umamensalidade para acesso a seu conteúdo restrito.
    71. 71. 9. Sob demandaEm nosso dia-a-dia estamos acostumados a pagar por serviços namedida de nossa utilização. Por exemplo serviços de luz e água. Omodelo sob demanda, tem por objetivo medir o quanto ointernauta usa de determinado serviço, para cobrá-loproporcionalmente. Ao contrário de uma mensalidade fixa eacesso ilimitado a Internet por exemplo, o internauta pagaria pelaquantidade de horas que efetivamente ficou navegando. Estemodelo pode ser interessante para serviços VOIP ou de aluguelvirtual de filmes, normalmente variáveis, e dependente do perfilde cada internauta.
    72. 72. ATIVIDADE EM GRUPOModelagem e criação de modelos de negóciosbaseados, sustentados ou operacionalizados por redes sociais
    73. 73. Contato com Giuliano Rodrigues de Souza• E-mail – relacionamento@mbamktdigital.com.br• Outros contatos – http://www.meadiciona.com/giuliano

    ×