SlideShare uma empresa Scribd logo
CULTURA
POPULAR
7º ANO
ESCOLA BATISTINA BRAGA
BIBLIOGRAFIA DOS MESTRES DE
CULTURA DE ASSARÉ
MESTRE: MARGARIDA ARRAIS DO
NASCIMENTO ( IN MEMORIAM )
o Fundou o grupo de oração da Divina Misericórdia,
coordenou e criou um projeto para adquirir dinheiro,
comprando a imagem de Jesus da Misericórdia. Sempre
foi responsável pela organização do altar de Nossa
Senhora das Dores, passando a responsabilidade para
sua filha Maria das Dores, que a pratica até hoje.
o Em 1956, começou a montar um presépio em sua
residência, realizando um sonho e até hoje sua filha
conserva a construção anual desse espaço religioso, em
memória à sua mãe, preservando a cultura da
religiosidade popular de Dona Margarida Arrais.
o A partir de 1957, criou e coordenou o grupo da Lapinha
com a ajuda de Dona Ligia Firmeza.
Mestra Margarida
Arrais
MESTRE: MARGARIDA ARRAIS DO
NASCIMENTO ( IN MEMORIAM )
o Nas questões humanitárias, ela sempre atendeu aos
menos favorecidos dos sítios e periferias. A sua casa foi
espaço de acolhimento tanto de filhos adotivos como de
pessoas que, passeando ou trabalhando na cidade,
procuravam e eram acolhidas. Ela lutou, de forma
pratica, pelos direitos das mulheres, engajando-se nos
movimentos sociais em nome do bem-estar do povo
assareense. .
Mestra Margarida
Arrais
MESTRE: MARIA DEUSA E SILVA
ALMEIDA ( IN MEMORIAM )
o Dona Deusa foi, desde criança, educada dentro dos
costumes da família e atendendo aos ensinamentos da
Igreja Católica, da qual participava. Aos 08 anos de
idade, ela já estava envolvida nos afazeres da Igreja,
colaborando com o Padre Sabino no que era possível a
uma criança fazer.
o Dona Deusa aprendeu que a Igreja fazia parte de sua
vida, por isso jamais deixou de servi-la,
independentemente do Padre ou de coordenadores da
instituição. Ela servia, atendendo à sua fé.
o Foi coordenadora da Lapinha tendo, como incentivadora,
sua professora e amiga Ligia Firmeza.
Mestra Dona
Deusa
MESTRE: FRANCISCA FERREIRA DE
ARAÚJO ( IN MEMORIAM )
o A dança de São Gonçalo é uma tradição de cultura do
Assaré e Dona Francisca foi umas das principais
personagens dessa tradição cultural. Mestra Dona
Francisca
MESTRE: MARIA ZILDA SAMPAIO
MOTA ( IN MEMORIAM )
o Aos 30 anos de idade, fez o seu primeiro trabalho com
bonecas pra colocar fósforos. Depois, começou a pintar
jarros, quadros, bandeja de azulejos e outros. Aprendeu
sua arte sem a ajuda de ninguém. Em 1962, comprou
uma máquina de estufa em Recife, para trabalhar com
as artes em pinturas. As ferramentas que utilizava eram:
pincéis, lápis e tintas. As telas e as molduras eram feitas
por seu esposo, e dona Zilda fazia somente a pintura.
o Ela sonhava com pinturas e, no outro dia, começava a
pintar o desenho que havia sonhado, sendo assim a sua
grande fonte de inspiração artística.
Mestra Dona Zilda
MESTRE: LUIZA ASSUNÇÃO DO
NASCIMENTO ( IN MEMORIAM )
o Começou a fazer comida no Mercado quando tinha 40
anos de idade e, depois, resolveu fazer linguiça caseira,
o que aprendeu sozinha sem ajuda de ninguém. Quando
casou em 1950, ela e o esposo começaram a trabalhar
juntos no Mercado fazendo caldos, sopas e a tapioca
com linguiça, que era o prato principal.
o A linguiça era preparada com a tripa de gado, que era
posta de molho em água quente. Depois usava um funil
de alumínio para encher as tripas com a carne e todos
os temperos. Utilizava um pedaço de madeira com uma
agulha fixada pra furar as tripas, quando ficavam
prontas, colocavam as linguiças em uma corda para
secarem por umas 05 horas, até ficar no ponto.
Mestra Luiza do
Eldo
MESTRE: MARIA MADALENA
MOREIRA ( IN MEMORIAM )
o Dona Madalena, para manter suas despesas, numa
época de dificuldades econômicas, começou a negociar
na feira com bolos, sequilhos e pão de ló, esse último,
sua grande especialidade. Dona Madalena foi uma
pessoa extraordinária nos dotes culinários. Moça
simples, porém, fabricante de produtos com textura e
sabor inigualáveis na região..
Mestra Dona
Madalena
MESTRE: LAUDA FERREIRA DO
NASCIMENTO ( IN MEMORIAM )
o Lauda, desde jovem, teve uma grande paixão pela
profissão de dentista, nunca lhe faltou aparelhos para a
extração de dentes, fossem de crianças, de jovens e de
adultos ou de idosos.
o Nas segundas-feiras recebia pessoas de todos os sítios
e da Sede do Município. Naquele tempo, quando um
dente doía, ela fazia a extração.
o Confeccionava dentadura com a ajuda de sua irmã
Selma, porém a grande paixão e habilidade, era a
extração. Morreu e deixou seus aparelhos como
lembrança de uma dentista leiga, que prestou relevantes
serviços à comunidade.
Mestra Lauda
Ferreira
MESTRE: ANTONIA NAYLÊE COSTA
SANTANA ( IN MEMORIAM )
o Dona Naylêe contribuiu com a Igreja, recebendo dos
fiéis as suas “ofertas” as quais eram usadas para
comprar velas, flores a serem utilizadas nas épocas de
festa da Igreja e, também, para celebrar missas aos
irmãos vivos e falecidos.
o Devota de Nossa Senhora das Dores, foi uma
incentivadora da religiosidade no Assaré, com seu
trabalho e exemplo para comunidade.
Mestra Dona
Naylêe
MESTRE: MARIA REGINA DO NASCIMENTO
( IN MEMORIAM )
o Na sua época, médicos não existiam no Assaré, às vezes,
somente a passeio. Dona Regina nasceu com o dom da cultura
milenar de parteira, herança de seus ancestrais.
o Quantas vidas de mulheres foram salvas, quantas crianças
foram recebidas pelas mãos habilidosas de dona Regina. Que
fosse rica ou pobre; que fosse dia ou noite; que estivesse
fazendo sol ou chovendo; que fosse longe ou perto; que fosse
a pé ou a cavalo; que seus filhos estivessem doentes ou
sadios; quando lhe convidavam, ela estava pronta e
gratuitamente fazia os partos e salvava vidas.
o Uma demonstração de solidariedade com sua comunidade.
Sempre foi respeitada na Cidade do Assaré. Tanto que muitos
lhe chamavam de ‘‘mãe’’ Regina.
Mestra Dona
Regina
MESTRE: MARIA APARECIDA
AMADEU DA SILVA ( IN MEMORIAM )
o Dona Maria Paulista, com sua religiosidade veio morar
no Nordeste, possuindo duas tradições culturais
fortíssimas, que são as promessas aos santos e a reza
para a cura de males como: dor de cabeça, quebrante
em criança, espinhela caída, torção em alguma
articulação etc.
o Sempre foi requisitada pela população local para fazer
suas orações nas pessoas que lhe procuravam, onde
gentilmente fazia o atendimento de forma gratuita, pura
e simplesmente com a certeza de estar agradando a
Deus, quando atendia às pessoas.
Mestra Maria
Paulista
MESTRA: FRANCISCA FERNANDES
DA SILVA ( IN MEMORIAM )
NOME ARTÍSTICO: DONA SANTA REZADEIRA
OFÍCIO: MESTRA EM RELIGIOSIDADE
o Dona Santa resolve seguir o seu tio Sebasto, fazendo o
bem para as pessoas da época. Onde ela morava, não
tinha assistência médica e, por esse e outros motivos,
ela passou a praticar o ofício da reza, quando tinha
apenas 14 anos de idade, exercício esse, aceito por toda
a comunidade. Sofreu resistência de seu marido e de
alguns familiares, porém ela não desistiu de seu oficio
até o fim da vida.
Dona Santa
Rezadeira
Por esse motivo, a Secretaria de Cultura, Turismo,
Desporto e Lazer e a Gestão Municipal lhe conferiram
o título de Mestre e Mestra do Saberes e Fazeres da
Cultura Popular Assareense.
MESTRE: Maria Ozemira Rodrigues Prudêncio
Nome Artístico: Dona Bibita
Ofício: Artesanato
Maria Ozemira Rodrigues Prudêncio, dona Bibita, assim conhecida
em Assaré, nasceu no dia 13 de março de 1947, em solo assareense.
Filha de pais humildes: Joaquim Pereira Lima, (seu Joaquim de Cota)
um exímio profissional em couro (em especial sela e arreio de
cabeça) e Maria Azevedo Rodrigues, mulher honrosa e cuidadora
dos afazeres domésticos. O casal teve outros filhos: Francisco
Rodrigues Pereira, Maria Ozemita Rodrigues (Loura), Antonia
Rodrigues, Antonio Rodrigues Pereira (Mulico), Alzir Rodrigues
Pereira e Maria de Fátima Rodrigues Nogueira.
Gostava de estudar e concluiu o curso primário no Colégio Almir
Pinto, mas a continuidade nos estudos foi interrompida porque
Bibita não dispunha de recursos financeiros para ingressar no curso
ginasial, haja vista que, naquela época, teria que sair de Assaré.
Com a mãe, aprendeu a fiar e fazer crochê e, a partir dos dez anos,
foi chamada de “musa da arte” pela comunidade do Município de
Assaré.
Aos quatorze anos, já era costureira e bordadeira profissional. Daí
por diante diversificou sua arte, confeccionando roupas para adultos
e crianças, bonecas de pano, bolsas em crochê, toalhas, varanda de
redes, peças para escorar portas em forma de animais, peças para
os brincantes de quadrilhas juninas, entre outras.
É casada com Antônio Carlos Prudêncio, com quem teve quatro
filhos, que são: Francisca Alvenir Prudêncio, Antônio Carlos
Prudêncio (Junior), Maria Carla Isabel Prudêncio e Emanuel
Rodrigues Prudêncio.
Católica e participante dos momentos religiosos, Bibita é
simpatizante da arte de representar. Essa vocação a levou
acompanhar um Grupo de Lapinha, que há 34 encena peças
natalinas em ruas, capelas rurais e casas de família.
E, em comunhão com as ações religiosas, descobre outra arte:
compor música. E essa história de compositora é contada assim
pela própria Bibita. “Faltavam alguns hinos para alguns personagens
da lapinha e, como não consegui encontrá-los na Igreja Matriz local e
até na Diocese, eu mesma os compus’’.
MESTRE: Francisca Maria da Silva
Nome Artístico: Dona Francisca Louceira
Ofício: Artesanato em barro.
Francisca Maria da Silva (Dona Francisca do Barro), nasceu em 05 de
agosto de 1957, em Assaré - Ceará, onde também reside, sendo filha de
Sebastião Martins de Moura e Maria de Jesus e tem como membros de
sua família, 09 irmãos: Miguel Martins de Moura, Raimundo Martins de
Moura, Antônio Martins de Moura, Manuel Martins de Moura, Terezinha
Martins de Moura, Maria Martins de Moura, Zefinha Martins de Moura,
Socorro Martins de Moura e Antônia Martins de Moura. Começou a fazer
artesanato em barro com 07 anos de idade, ofício esse adquirido com sua
avó, sendo, o artesanato em barro uma tradição, em sua família, que vem
sendo passado a cada geração.
Suas incentivadoras foram sua mãe e sua avó, que era índia com nome
de Maria. Com o passar dos anos, e com o seu aperfeiçoamento na arte
de barro, ela foi se profissionalizando e iniciou a fase de comercializar
suas peças, depois que casou e teve dois filhos: Luiz Alves da Silva e
Maria Alves (Toinha), e assim gerando uma renda familiar, através das
vendas das suas peças de artesanato em barro, herança indígena do
Maranhão. Já são mais de 40 (quarenta) anos que Dona Francisca
trabalha com barro (argila).
Todos os dias, pela manhã Dona Francisca se encontra, na Praça do
Mercado Público de Assaré, vendendo obras de arte em barro. Nossa
mestra, além de louceira, também é agricultora aposentada, e foi
reconhecida como Mestra da Cultura no ano de 2007.
MESTRA: Francisca Chagas da Costa
Nome Artístico: Dona Chaguinha
Ofício: Mestra de Tradição Religiosa de Assaré (Cânticos)
Francisca Chagas da Costa (Dona Chaguinha) nasceu em 24 de maio
de 1950, no Sítio Umbuzeiro, Município de Tarrafas. Filha de Emídio
Alves da Costa e Salvina Batista da Costa, cuja família era composta
por mais 03 filhos: Luiz Valdeci da Costa, Espedita da Costa Paz
(Edite) e Marilia Batista da Costa. Casou-se em 24 de outubro de 1972
com Francisco Lourenço da Silva (Dedé de Sinval) e tiveram 04 filhos:
Maria Girlândia da Costa, Maria Iolanda Costa, Francisco Gilberlândio
da Costa e José Gilcernio da Costa (Gilcerlândio).
Aos 12 anos de idade começou a fazer trabalhos religiosos nas
capelas de São Vicente e de Caiçara, no Município de Tarrafas, por
morar no Sítio Rozeiro, que ficava nas proximidades.
Em 1976, veio embora para Assaré e começou a frequentar a Igreja
Católica, conhecendo o Padre Manoel Alves Feitosa. Foi convidada
para fazer parte do coral da igreja, que já existia, sendo composto por
Socorro Rosado, Célia Paiva, Clarisse, Valdelice e outras. A função era
de cantar nas missas, nas novenas, na coroação e ensinar os jovens
nos ensaios, também se apresentavam com o padre nos distritos de
Assaré. Chaguinha começou a gostar de ser cantora, tendo feito
vários cursos como de liturgia e música, no Crato.
No ano de 2000, também coordenou o grupo Nossa Senhora de
Fátima, que tinha 47 crianças aprendendo as rezas e hinos religiosos.
Ela se apresentou em Juazeiro do Norte, Milagres, Rio de Janeiro e
vários outros lugares. Depois de muito tempo fazendo trabalhos no
coral da igreja, passou a cantar no 1º e 3º domingos mensais, nas
missas realizadas na Paróquia Nossa Senhora das Dores de Assaré-
CE.
Em 13 de Abril de 2010, sofreu muito com a morte de seu marido, mas
continuou cantando nas apresentações da Igreja.
No dia 01 de março de 2012, foi homenageada como mestra da
Cultura dos Saberes e Fazeres em Religiosidade de Assaré.
MESTRE: Maria Marluce Santana Vieira
Nome Artístico: Mestra Marlene
Ofício: Caretas e Malhação do Judas
Maria Marluce Santana Vieira nasceu no dia 02 setembro de 1968 na
cidade de Iguatu, Ceará. Filha de Francisco Vieira de Macedo e de
Antônia Muniz de Santana, Marlene, assim conhecida, foi casada com
Alceu Roldino Pereira com quem teve oito filhos: Damiana Vieira
Pereira; José Cleison Pereira; Clésia Vieira Pereira, (Tatá); Antônio
Clésio Vieira Pereira (falecido); Rita de Cássia Vieira Pereira; Cícero
Antônio Vieira Pereira; Kátia Vieira Pereira e José Vieira Pereira
(falecido nos primeiros dias de vida).
Como irmãos, Marlene registra alguns “galhos genealógicos”: Maria
Lúcia Santana Vieira, Maria Lucileide Santana Vieira, Raimundo
Santana Vieira, Antônio Juvenal Santana Vieira, Hugo Santana Vieira e
Maria Sueli Santana Vieira.
Fantasiados nas ruas, animados nos sítios, com voz disfarçadas,
armados de chicotes, chocalhos pendurados pelo corpo e aos
pedidos de “uma esmolinha pelo amor de Deus”, os caretas
perambulam por vários dias, com o objetivo de arrecadar as
“esmolas” para realizarem a festa dos CARETAS, na Comunidade da
Serra de Santana, no Município de Assaré, Ceará.
Assim, nesse contexto cultural, Marlene se relaciona como exímia
representante dessa manifestação cultural, os CARETAS, no resgate
desse patrimônio imaterial, tão difícil nesse momento atual que é a
cultura brasileira.
Esse fazer cultural nasceu nos quandos, na Serra de Santana, vindo, de fato a se
enraizar no sítio São Félix, também na Serra.
Tudo começou, quando um grupo formado por crianças e adolescentes saíram de
suas casas para desenvolver tal atividade: a brincadeiras dos caretas. Nesse
grupo de brincantes, dois adolescentes eram filhos de Marlene. Entre subidas e
descidas por vários caminhos, os meninos tomaram direção incerta.
Mas, em casa, chegaram assustados!
A partir daí, com o incentivo de um vizinho, seu Geraldo, o grupo folclórico se
formou e permanece até hoje.
“Confesso que já tentei não mais organizar o grupo, pois as dificuldades são
demais. Mas por conta dos meninos, todos são unidos, não parei.”
O grupo de MARLENE é muito participativo e muito conhecido em Assaré e
cidades circunvizinhas, haja visto que, no período dos “trabalhos”, eles
percorrem vários quilômetros, divulgando nossa cultura e arrecadando “esmolas”
para realizarem o dia da culminância do projeto.
Mas, com a morte de um dos filhos, Marlene deixa o São Félix e passa a morar no
sítio Bonita, também na Região da Serra de Santana.
A mudança de comunidade não altera os planos de Marlene. Continua a organizar
o grupo de caretas, mesmo enfrentando algumas dificuldades. Ela diz: “o prazer tá
no sangue de cada brincante”.
Relata ainda que, sua filha Kátia está sempre com o grupo em qualquer lugar para
o qual se dirijam. Ela é um braço forte nesses momentos. Não nega esforços.
Nos dias de pique, de andanças, alguns dos brincantes se hospedam na sua
própria casa com direito a merenda, almoço, jantar e dormida.
Salienta ainda que, Cláudio de Albenir é quem faz todo o percurso
com os brincantes. Percurso esse, feito a TRATOR. Esse meio de
transporte leva e traz o grupo e as esmolas arrecadadas.
Não é um trabalho de andanças. É um trabalho feito às custas de
muito suor, pois em cada casa visitada o grupo tem a obrigação de
executar o PISEIRO – dança peculiar do grupo, em forma de
agradecimento.
Viúva a partir de 2014, MARLENE continua na organização dessa
manifestação folclórica, que representa tão bem a nossa diversidade
cultural, por que não dizer, nosso sincretismo religioso.
E no sábado de Aleluia os meninos-homens CARETAS fazem um
cortejo com um boneco de pano representando o traidor Judas, para
ser malhado na comunidade da Bonita.
MESTRE: Josefa Merandolina de Oliveira
Nome Artístico: Dona Zefa
Ofício: Dança do Coco.
Josefa Merandolina de Oliveira nasceu no Município de Icó, no dia 20
de janeiro de 1936. Filha de José Francisco de Oliveira e Maria
Merandolina de Oliveira, tem 05 irmãs todas falecidas: Maria
Merandolina de Oliveira, Rosa Merandolina de Oliveira, Cecilia
Merandolina de Oliveira, Leila Merandolina de Oliveira e Geralda
Merandolina de Oliveira.
Dona Zefa Merandolina, como era conhecida, veio de Icó para Assaré
com 08 anos de idade, indo morar na Coruja. Aos 10 anos de idade
aprendeu a dança do coco com a família dos Beliscos, sendo sua
amiga Ciana quem ensinou a todo um grupo que morava na
Batateiras, no Município do Crato.
Fazia suas apresentações em festas, quando o grupo era convidado.
Na época, ela entrou no grupo, que já tinha formação completa, e fez
muitos dramas na casa dos Moreiras, que era sucesso na época. Com
19 anos, foi morar no Recife e fez teatro na casa espetacular
“Marrocos”. Depois viajou até São Paulo, onde trabalhou em pensão e
hotel, espaços frequentados por artistas populares, como exemplo,
Luiz Gonzaga. Passou 37 anos fora, para regressar a Assaré com seus
dois filhos José Destamento Junior e Moisés Cassiano de Barros.
Retornando a Assaré no ano de 2000, resgata a dança do coco que
estava parada. Começou a chamar o grupo, que era formado por sete
pessoas, para dançar nos eventos. Receberam convites para dançar
em Nova Olinda, Altaneira e em várias localidades do Assaré. A dança
do coco se caracteriza pela alegria e todos do grupo dançam, cantam,
rodam, e ficam trocando de pares de acordo com o ritmo da música
cantada pela mestra do grupo. As roupas são diferenciadas, a mestra
veste vermelho e as outras componentes qualquer cor. Por ensinar e
praticar a dança do coco no Município de Assaré, a Secretaria de
Cultura, Turismo, Desporto e Lazer e a Gestão Municipal lhe
reconhecem como Mestra dos Saberes e Fazeres da Cultura
Assareense, sendo reconhecida no dia 03 de março de 2007.
MESTRE: Maria Lúcia Pereira
Nome Artístico: Dona Lúcia Doceira
Ofício: Culinária Regional
Maria Lúcia Pereira nasceu no dia 19 de janeiro de 1951, no Município de
Nova Olinda. É filha de Antônio Pereira de Souza e Josefa Maria da
Conceição.
Dona Lúcia faz parte de uma grande família, tendo como irmãos: Mauro
Pereira de Souza, Irene Pereira de Souza, Esmeralda Pereira de Souza,
Josefa Pereira de Souza, Marina Pereira de Souza, Rosália Pereira de
Souza e Maria Ilda de Souza.
Sempre residiu na zona rural, trabalhando na luta do campo. É casada
com Luiz Serafim dos Santos, desde 18 de julho de 1973. Desse
matrimônio teve 16 filhos, a saber: Josefa Edvânia Serafim, Silvano
Serafim, Francisco Ivan Serafim, José Ideval Serafim, Ronaldo Serafim,
Rafael Serafim, Rogério Serafim, Daniel Serafim, Damião Serafim, Cosmo
Roberto Serafim, Aparecida Serafim, Flávia Serafim, Fabiana Serafim,
Luciene Serafim, Simoni Serafim e José Idevan (falecido, morreu com 11
meses).
Com seu esposo, Lúcia ainda hoje convive em boa harmonia no sítio São
João, próximo ao Distrito de Aratama, em Assaré. O casal de agricultores
trabalhava na lavoura e viviam da produção de algodão e mamona. Com o
passar dos tempos, a produção da mamona e do algodão entra em
declínio. O casal, sabiamente, busca outro tipo de atividade: resolvem
fazer doce caseiro. Desse trabalho, Lúcia e Luiz criaram toda sua prole
familiar. Salienta-se, ainda, que esse fazer culinário foi herdado do pai de
Lúcia que, a partir dos anos 80, trabalhou a todo vapor nessa nova
empreitada, para sustento da família.
Por três vezes na semana, com seu filho Cosmo, saía vendendo os
doces pela redondeza. O filho levava o doce numa panelinha para
Cacimbinha, Santo Antônio, Fortuna, Bezerra, Aratama, chegando em
casa, à tardinha. A fabricação do doce caseiro ficou tão conhecida,
que LÚCIA expandiu os trabalhos para as cidades circunvizinhas:
Potengi, Nova Olinda, entre outras.
Ela “fabrica” doce a gosto do freguês, trabalhando no período
chuvoso ou de sol, chegando a desmanchar 30 quilos de açúcar num
mesmo tacho. A sua iguaria é presença marcante entre muitos
compradores, tais como (aqui em Assaré): Geraldinho da Farmácia,
Marquinho da Farmácia e Cícero de Paulo Paiva.
Além das vendas no Município de Assaré e em cidades vizinhas, o
doce caseiro de LÚCIA chegou ao Estado de São Paulo, via
encomenda e enviado por topiqueiros. Um dos filhos de LÚCIA,
Daniel, herdou esse fazer culinário. Foi morar em Santa Catarina e lá,
nas “horas vagas”, trabalha fazendo doce e vendendo, a pedido.
Lúcia trabalha com uma boa diversidade de doces: batata de umbu
(cuca de umbu), goiaba, amendoim, gergelim, banana, mamão com
coco, leite puro, leite com coco, abacaxi com coco, chouriço. Relata
MESTRE: Francisca Zenilda Soares Ferreira
Nome Artístico: Dona Zenilda da Linguiça Caseira
Ofício: Culinária Regional
Francisca Zenilda Soares Ferreira, conhecida em Assaré, como “Zenilda da
linguiça”, nasceu no dia 04 de fevereiro 1933, na cidade de Assaré. Filha de
Alexandrina Gomes de Matos e de Cicero Soares de Sousa, teve como irmãos:
Francisca, Lídia, Helena, Pureza, Idelzuite e Fabilino.
Sua mãe possuía um restaurante denominado de “café” e, desse pequeno
comércio, atendia fregueses de Assaré, dos sítios e cidades circunvizinhas,
principalmente, nos dias das tradicionais feiras livres, nas segundas-feiras. E,
desse pequeno comércio era retirado o sustento da família.
Dona Alexandrina sempre enfrentou desafios em sua vida conjugal, devido seu
esposo não cumprir os juramentos do matrimônio, causando transtornos e mal-
estar entre o casal, atingindo diretamente seus filhos. Enfim, de fato, veio a
separação. Dona Alexandrina com seus filhos, ainda menores, sobreviveram do
lucro de sua pequena pensão, situada na rua que hoje recebe o nome de Padre
Agamenon Coelho, onde está localizado o prédio do 1º cartório.
Sua separação provocou bastante sofrimento, devido três motivos: primeiro, na
metade do século XX, mulher separada era discriminada, devido a prática abusiva
do machismo e, sem lei que as protegessem; depois, a situação financeira,
Assaré vivia uma pobreza extrema, tanto no campo quanto na cidade; e, por
último, na questão social. Tínhamos um poder público quase que inexistente para
atender à saúde, à educação e à ação social. A dificuldade era total. Nesse
cenário, Dona Alexandrina consegue criar seus sete filhos. Francisca Zenilda,
devido às circunstâncias, teve que trabalhar desde criança no pequeno
restaurante, como auxiliar de sua mãe, contato este que a tornou herdeira da
profissão de sua genitora.
Naquele período, não existia energia elétrica em Assaré e os
alimentos tinham pouca durabilidade. Por isso, as técnicas europeias
de conservação de alimentos, que vieram para o Brasil nas caravelas
coloniais, foram postas em práticas no nosso pequeno comércio. No
Nordeste, não era diferente. Os conservantes mais usados eram
pimenta do reino, noz-moscada, sal, alho e vinagre. Dona Alexandrina
aprendeu e ensinou a sua filha Zenilda no restaurante da família a
tradição de conservar alimentos, tendo como destaque a linguiça,
conhecida hoje como linguiça caseira ou artesanal.
O casal Zenilda e Dim Ferreira sentou para traçar planos e metas para
a família. Dim não queria a continuidade do restaurante, mas sua
esposa, com seu jeito cativante, não abdicou da tradição da família e
resistiu, continuando com o restaurante de sua mãe, promovendo
assim o rápido sucesso. Ao saírem do prédio onde hoje está
localizado o cartório de 1º oficio, foram se estabelecer no Mercado,
prédio que pertencia ao Sr. Manoel de Benta, durante muitos anos. No
ano de 1970, mudou-se para o prédio que permanece com sua família
até os dias de hoje.
Enfim, um prédio da família. Ela não esqueceu sua mãe e manteve vários
lanches entre eles a tapioca com linguiça do restaurante de Dona Zenilda.
Vale salientar que o seu produto é fabricado e vendido com produtos
naturais de excelência e só compra carne de porco caipira, novo, de
referência boa, tempero selecionado pessoalmente por ela, preparado
para conserva. E estes são uns dos segredos do sabor diferenciado na
fabricação de linguiça. Figuras ilustres como Patativa do Assaré, Adauto
Bezerra, Raul Onofre, homens e mulheres comuns de Assaré e vários
empresários que atuam fora e dentro do Município comeram e comem
esse saboroso alimento. Hoje, sua linguiça é produto de exportação para
filhos de Assaré que percorrem os mais diferentes lugares como:
Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza, etc.
Em 1994, Dona Zenilda perdeu seu esposo com quem convivera 45 anos
e lutou para construir sua história familiar. Mesmo triste e com o peso da
idade, se apoia nas duas filhas Alexandrina e Maria das Dores e continua
com o restaurante e a mesma garra. Elas ajudando sua mãe a levar o
sabor do tempero da linguiça mais famosa de Assaré para outros locais.
Em 2010 perdeu sua filha Maria das Dores ainda jovem. Um impacto,
muito triste, porém deu a volta por cima e apoiada em sua outra filha,
Alexandrina, continua com as portas abertas de seu restaurante, o
“ZENILDIM”, oferecendo seu prato principal: ‘‘linguiça caseira com
tapioca de Dona Zenilda” e muito carinho com fregueses fiéis que
frequentam seu estabelecimento há décadas.
MESTRE: Maria Pereira da Silva
Nome Artístico: Maria de Zé de Lara
Ofício: Culinária Regional
Maria Pereira da Silva (Maria de Zé de Lara) nasceu em São Gonçalo,
Distrito de Assaré em 10 de outubro1948, filha de Antônio Raimundo
da Silva e Norvina Tereza da Silva. Casou com José Pereira da Silva
em 15 de janeiro 1966, e tiveram 11 filhos e criam 2 netas.
Começou a fazer pão de ló aos 15 anos de idade, que aprendeu com
sua mãe Novina Tereza da Silva. Fazia os pães de ló só para
alimentação da família. Depois, começou a fazer por encomenda para
as pessoas e vendia na vizinhança de onde ela morava. Muito tempo
depois, deixou de fazer por conta que as pessoas queriam comprar
por um preço bem abaixo, por isso ficou fazendo somente para os
filhos que moravam fora, e para a alimentação de casa. Na fabricação
do pão de ló, utilizava os ingredientes que era: goma, açúcar,
rapadura, ovo, erva doce, canela, bicarbonato e mel. Depois, colocava
no pilão o mel com a goma e batia pra misturar os ingredientes. Em
seguida, colocava nos depósitos de lata de sardinha, doce ou
alumínio pra levar ao forno.
Utilizava um forno de barro que tinha no quintal da casa dela ou o
forno a gás para assar, por apenas 05 minutos. Puxava os depósitos
com uma vara de madeira com um gancho que fixava nas latinhas,
para assim retirar do forno.
Ela ensinou o ofício a todos os filhos, mas apenas a filha Marlene
resolveu seguir tal ensinamento, por pouco tempo.
Em 2010, recebeu o reconhecimento da Cultura como mestra da
culinária de pão de ló.
Dona Maria nunca deixou de ser agricultora e cria animais como:
porco, galinha e gado, que serve para alimentação da família. Nos dias
de hoje, dona Maria, dificilmente, faz pão de ló, às vezes pra se
alimentar com a família, não comercializando mais. Mora em São
Gonçalo, Distrito de Assaré e vive com seu marido, uma neta e uma
bisneta.
MESTRE: Inês Cidrão Alencar
Nome Artístico: Dona Inês
Ofício: Mestra Guardiã da Memória da Obra e Vida de
Patativa
Inês, cujo nome completo é Inês Cidrão Alencar, nasceu no sítio
Lagoa Dantas, na Região da Serra de Santana, Assaré (CE), no dia 20
de abril de 1939.
Filha de pais humildes, sendo seu pai, Antônio Gonçalves da Silva
(nosso saudoso PATATIVA) e sua mãe, Belarmina Gonçalves Cidrão
(dona Belinha, assim conhecida). Sua irmandade totaliza 14 irmãos,
sendo que sobreviveram os seguintes: Maroni Gonçalves Cidrão,
Raimundo Gonçalves Cidrão, Miriam Gonçalves da Silva, Lúcia
Gonçalves da Silva, Geraldo Gonçalves de Castro (todos falecidos),
Afonso Gonçalves de Castro, Pedro Gonçalves e João Batista Cidrão.
Inês, assim conhecida pelos familiares, casou-se em 1º de julho de
1962 com Raimundo Gonçalves Alencar e desse matrimônio, teve os
seguintes filhos: Maria Cidrão Alencar, Espedito Cidrão Alencar
(falecido), Fátima Cidrão Alencar, Antônia Cidrão Alencar (Toinha) e
Francisco Cidrão Alencar.
Sempre residiu na Serra de Santana, ambiente povoado de bons
vizinhos e em contato direto com a natureza.
O gosto pela poesia é advindo desde criança, pois, naquela época,
ouvia do pai PATATIVA, belas rimas que descreviam traços amorosos
e, sobretudo, poesias de cunho social.
Testemunhou, inúmeras vezes, na sala de casa, os encontros
marcantes dialogados entre seu pai PATATIVA e poetas diversos,
pesquisadores, escritores, entre outros. Mas um, para Inês, foi muito
marcante: a “pega” de versos entre PATATIVA e Geraldo Gonçalves
que, com o passar dos anos, é transformado no livro AO PÉ DA
MESA.
Continuou a observar os dois grandes poetas e via que eles
“brincavam” de construir poesias, composições, dentre outros!
Em nenhum momento, Inês pensou em deixar a Serra de Santana,
haja vista que sempre teve uma excelente relação com todos os
familiares, principalmente com seu pai PATATIVA, que tratava a todos
com profunda igualdade.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf

Adivinha quem é (1)
Adivinha quem é (1)Adivinha quem é (1)
Adivinha quem é (1)
Alice Lirio
 
Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)
Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)
Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Irmã Agustina Rivas - Mártir da Misericórdia
Irmã Agustina Rivas - Mártir da MisericórdiaIrmã Agustina Rivas - Mártir da Misericórdia
Irmã Agustina Rivas - Mártir da Misericórdia
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777
Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777
Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777
Comunidades Vivas
 
Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539
Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539
Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539
Comunidades Vivas
 
Bimba kids 12 05-2013 - dia das mães (3)
Bimba kids  12 05-2013 - dia das mães (3)Bimba kids  12 05-2013 - dia das mães (3)
Bimba kids 12 05-2013 - dia das mães (3)
Regina Lissone
 
A_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdf
A_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdfA_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdf
A_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdf
SupervisoPiaget
 
ARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIO
ARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIOARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIO
ARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIO
Luciano Alencar
 
Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3
Mónica Martins
 
Benedita Fernandes
Benedita FernandesBenedita Fernandes
Benedita Fernandes
Ana Xavier
 
FMA Pari Cachoeira_2 parte_POR
FMA Pari Cachoeira_2 parte_PORFMA Pari Cachoeira_2 parte_POR
FMA Pari Cachoeira_2 parte_POR
Maike Loes
 
“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”
“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”
“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”
Maike Loes
 
Boletim bimba 16 06 2013
Boletim bimba 16 06 2013Boletim bimba 16 06 2013
Boletim bimba 16 06 2013
Debora Teixeira
 
Ppt anderson
Ppt andersonPpt anderson
Ppt anderson
Jeca Tatu
 
Presenza FMA Mision de La Merced_POR
Presenza FMA Mision de La Merced_PORPresenza FMA Mision de La Merced_POR
Presenza FMA Mision de La Merced_POR
Maike Loes
 
Boletim esperança 01
Boletim esperança 01Boletim esperança 01
Boletim esperança 01
Robervaldu
 
Os Desamparados
Os DesamparadosOs Desamparados
Os Desamparados
Nazarete Barros Andrade
 
Texto santa maria de itabira
Texto   santa maria de itabiraTexto   santa maria de itabira
Texto santa maria de itabira
Renata Duarte
 
Escritores da Cassiano Mendes
Escritores da Cassiano Mendes Escritores da Cassiano Mendes
Escritores da Cassiano Mendes
Obed Souza
 
Site historicizar
Site historicizarSite historicizar
Site historicizar
Site Historicizar
 

Semelhante a MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf (20)

Adivinha quem é (1)
Adivinha quem é (1)Adivinha quem é (1)
Adivinha quem é (1)
 
Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)
Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)
Serva de Deus Agustina Rivas (27 de setembro)
 
Irmã Agustina Rivas - Mártir da Misericórdia
Irmã Agustina Rivas - Mártir da MisericórdiaIrmã Agustina Rivas - Mártir da Misericórdia
Irmã Agustina Rivas - Mártir da Misericórdia
 
Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777
Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777
Folha Dominical - 28.07.19 Nº 777
 
Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539
Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539
Folha Dominical - 12.10.14 Nº 539
 
Bimba kids 12 05-2013 - dia das mães (3)
Bimba kids  12 05-2013 - dia das mães (3)Bimba kids  12 05-2013 - dia das mães (3)
Bimba kids 12 05-2013 - dia das mães (3)
 
A_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdf
A_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdfA_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdf
A_QUIMBANDA_DE_MAE_IEDA.pdf
 
ARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIO
ARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIOARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIO
ARVORE GENEOLOGICA DA FAMILIA SAMPAIO
 
Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3Maias - capitulo 3
Maias - capitulo 3
 
Benedita Fernandes
Benedita FernandesBenedita Fernandes
Benedita Fernandes
 
FMA Pari Cachoeira_2 parte_POR
FMA Pari Cachoeira_2 parte_PORFMA Pari Cachoeira_2 parte_POR
FMA Pari Cachoeira_2 parte_POR
 
“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”
“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”
“Eis que um anjo deixou a terra agora: anjo de nome e de fato!”
 
Boletim bimba 16 06 2013
Boletim bimba 16 06 2013Boletim bimba 16 06 2013
Boletim bimba 16 06 2013
 
Ppt anderson
Ppt andersonPpt anderson
Ppt anderson
 
Presenza FMA Mision de La Merced_POR
Presenza FMA Mision de La Merced_PORPresenza FMA Mision de La Merced_POR
Presenza FMA Mision de La Merced_POR
 
Boletim esperança 01
Boletim esperança 01Boletim esperança 01
Boletim esperança 01
 
Os Desamparados
Os DesamparadosOs Desamparados
Os Desamparados
 
Texto santa maria de itabira
Texto   santa maria de itabiraTexto   santa maria de itabira
Texto santa maria de itabira
 
Escritores da Cassiano Mendes
Escritores da Cassiano Mendes Escritores da Cassiano Mendes
Escritores da Cassiano Mendes
 
Site historicizar
Site historicizarSite historicizar
Site historicizar
 

Mais de profesfrancleite

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
História Do Assaré - Prof. Francisco Leite
História Do Assaré - Prof. Francisco LeiteHistória Do Assaré - Prof. Francisco Leite
História Do Assaré - Prof. Francisco Leite
profesfrancleite
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
profesfrancleite
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
profesfrancleite
 
PRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
PRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfPRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
PRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
profesfrancleite
 
AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)
AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)
AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)
profesfrancleite
 
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptxREVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
profesfrancleite
 
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptxSEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
profesfrancleite
 
Brasil Monárquico/Brasil Império
Brasil Monárquico/Brasil ImpérioBrasil Monárquico/Brasil Império
Brasil Monárquico/Brasil Império
profesfrancleite
 
PRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptx
PRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptxPRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptx
PRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptx
profesfrancleite
 
BRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptx
BRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptxBRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptx
BRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptx
profesfrancleite
 
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptxSLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
profesfrancleite
 
Breve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CEBreve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CE
profesfrancleite
 
A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)
A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)
A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)
profesfrancleite
 
Cordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio Ambiente
Cordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio AmbienteCordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio Ambiente
Cordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio Ambiente
profesfrancleite
 
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina BragaContos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
profesfrancleite
 
Recuperando arquivos ocultos do pen drive
Recuperando arquivos ocultos do pen driveRecuperando arquivos ocultos do pen drive
Recuperando arquivos ocultos do pen driveprofesfrancleite
 
Trabalho de inglês 8º
Trabalho  de inglês 8ºTrabalho  de inglês 8º
Trabalho de inglês 8º
profesfrancleite
 
Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012
Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012
Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012
profesfrancleite
 

Mais de profesfrancleite (19)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
História Do Assaré - Prof. Francisco Leite
História Do Assaré - Prof. Francisco LeiteHistória Do Assaré - Prof. Francisco Leite
História Do Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
PRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
PRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfPRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
PRÉDIOS HISTÓRICOS DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)
AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)
AS REBELIÕES NA AMERICA IBERICA (Prof. Francisco Leite)
 
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptxREVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
REVISÃO PARA O PROVÃO DE HISTÓRIA.pptx
 
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptxSEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
SEGUNDO REINADO TRABALHO.pptx
 
Brasil Monárquico/Brasil Império
Brasil Monárquico/Brasil ImpérioBrasil Monárquico/Brasil Império
Brasil Monárquico/Brasil Império
 
PRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptx
PRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptxPRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptx
PRIMEIRO REINADO E PERIODO REGENCIAL.pptx
 
BRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptx
BRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptxBRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptx
BRASIL MONÁRQUICO OU BRASIL IMPÉRIO.pptx
 
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptxSLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
SLIDES SOBRE CAPITULOS 8 - 10.pptx
 
Breve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CEBreve Histórico Do Assaré - CE
Breve Histórico Do Assaré - CE
 
A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)
A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)
A ERA NAPOLEÔNICA (Professor Francisco Leite)
 
Cordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio Ambiente
Cordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio AmbienteCordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio Ambiente
Cordel História e Lazer da Barragem Canoas IX AMA Amigos do Meio Ambiente
 
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina BragaContos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
 
Recuperando arquivos ocultos do pen drive
Recuperando arquivos ocultos do pen driveRecuperando arquivos ocultos do pen drive
Recuperando arquivos ocultos do pen drive
 
Trabalho de inglês 8º
Trabalho  de inglês 8ºTrabalho  de inglês 8º
Trabalho de inglês 8º
 
Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012
Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012
Trabalho de inglês 7º ano mês de novembro 2012
 

Último

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 

Último (20)

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 

MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf

  • 1. CULTURA POPULAR 7º ANO ESCOLA BATISTINA BRAGA BIBLIOGRAFIA DOS MESTRES DE CULTURA DE ASSARÉ
  • 2. MESTRE: MARGARIDA ARRAIS DO NASCIMENTO ( IN MEMORIAM ) o Fundou o grupo de oração da Divina Misericórdia, coordenou e criou um projeto para adquirir dinheiro, comprando a imagem de Jesus da Misericórdia. Sempre foi responsável pela organização do altar de Nossa Senhora das Dores, passando a responsabilidade para sua filha Maria das Dores, que a pratica até hoje. o Em 1956, começou a montar um presépio em sua residência, realizando um sonho e até hoje sua filha conserva a construção anual desse espaço religioso, em memória à sua mãe, preservando a cultura da religiosidade popular de Dona Margarida Arrais. o A partir de 1957, criou e coordenou o grupo da Lapinha com a ajuda de Dona Ligia Firmeza. Mestra Margarida Arrais
  • 3. MESTRE: MARGARIDA ARRAIS DO NASCIMENTO ( IN MEMORIAM ) o Nas questões humanitárias, ela sempre atendeu aos menos favorecidos dos sítios e periferias. A sua casa foi espaço de acolhimento tanto de filhos adotivos como de pessoas que, passeando ou trabalhando na cidade, procuravam e eram acolhidas. Ela lutou, de forma pratica, pelos direitos das mulheres, engajando-se nos movimentos sociais em nome do bem-estar do povo assareense. . Mestra Margarida Arrais
  • 4. MESTRE: MARIA DEUSA E SILVA ALMEIDA ( IN MEMORIAM ) o Dona Deusa foi, desde criança, educada dentro dos costumes da família e atendendo aos ensinamentos da Igreja Católica, da qual participava. Aos 08 anos de idade, ela já estava envolvida nos afazeres da Igreja, colaborando com o Padre Sabino no que era possível a uma criança fazer. o Dona Deusa aprendeu que a Igreja fazia parte de sua vida, por isso jamais deixou de servi-la, independentemente do Padre ou de coordenadores da instituição. Ela servia, atendendo à sua fé. o Foi coordenadora da Lapinha tendo, como incentivadora, sua professora e amiga Ligia Firmeza. Mestra Dona Deusa
  • 5. MESTRE: FRANCISCA FERREIRA DE ARAÚJO ( IN MEMORIAM ) o A dança de São Gonçalo é uma tradição de cultura do Assaré e Dona Francisca foi umas das principais personagens dessa tradição cultural. Mestra Dona Francisca
  • 6. MESTRE: MARIA ZILDA SAMPAIO MOTA ( IN MEMORIAM ) o Aos 30 anos de idade, fez o seu primeiro trabalho com bonecas pra colocar fósforos. Depois, começou a pintar jarros, quadros, bandeja de azulejos e outros. Aprendeu sua arte sem a ajuda de ninguém. Em 1962, comprou uma máquina de estufa em Recife, para trabalhar com as artes em pinturas. As ferramentas que utilizava eram: pincéis, lápis e tintas. As telas e as molduras eram feitas por seu esposo, e dona Zilda fazia somente a pintura. o Ela sonhava com pinturas e, no outro dia, começava a pintar o desenho que havia sonhado, sendo assim a sua grande fonte de inspiração artística. Mestra Dona Zilda
  • 7. MESTRE: LUIZA ASSUNÇÃO DO NASCIMENTO ( IN MEMORIAM ) o Começou a fazer comida no Mercado quando tinha 40 anos de idade e, depois, resolveu fazer linguiça caseira, o que aprendeu sozinha sem ajuda de ninguém. Quando casou em 1950, ela e o esposo começaram a trabalhar juntos no Mercado fazendo caldos, sopas e a tapioca com linguiça, que era o prato principal. o A linguiça era preparada com a tripa de gado, que era posta de molho em água quente. Depois usava um funil de alumínio para encher as tripas com a carne e todos os temperos. Utilizava um pedaço de madeira com uma agulha fixada pra furar as tripas, quando ficavam prontas, colocavam as linguiças em uma corda para secarem por umas 05 horas, até ficar no ponto. Mestra Luiza do Eldo
  • 8. MESTRE: MARIA MADALENA MOREIRA ( IN MEMORIAM ) o Dona Madalena, para manter suas despesas, numa época de dificuldades econômicas, começou a negociar na feira com bolos, sequilhos e pão de ló, esse último, sua grande especialidade. Dona Madalena foi uma pessoa extraordinária nos dotes culinários. Moça simples, porém, fabricante de produtos com textura e sabor inigualáveis na região.. Mestra Dona Madalena
  • 9. MESTRE: LAUDA FERREIRA DO NASCIMENTO ( IN MEMORIAM ) o Lauda, desde jovem, teve uma grande paixão pela profissão de dentista, nunca lhe faltou aparelhos para a extração de dentes, fossem de crianças, de jovens e de adultos ou de idosos. o Nas segundas-feiras recebia pessoas de todos os sítios e da Sede do Município. Naquele tempo, quando um dente doía, ela fazia a extração. o Confeccionava dentadura com a ajuda de sua irmã Selma, porém a grande paixão e habilidade, era a extração. Morreu e deixou seus aparelhos como lembrança de uma dentista leiga, que prestou relevantes serviços à comunidade. Mestra Lauda Ferreira
  • 10. MESTRE: ANTONIA NAYLÊE COSTA SANTANA ( IN MEMORIAM ) o Dona Naylêe contribuiu com a Igreja, recebendo dos fiéis as suas “ofertas” as quais eram usadas para comprar velas, flores a serem utilizadas nas épocas de festa da Igreja e, também, para celebrar missas aos irmãos vivos e falecidos. o Devota de Nossa Senhora das Dores, foi uma incentivadora da religiosidade no Assaré, com seu trabalho e exemplo para comunidade. Mestra Dona Naylêe
  • 11. MESTRE: MARIA REGINA DO NASCIMENTO ( IN MEMORIAM ) o Na sua época, médicos não existiam no Assaré, às vezes, somente a passeio. Dona Regina nasceu com o dom da cultura milenar de parteira, herança de seus ancestrais. o Quantas vidas de mulheres foram salvas, quantas crianças foram recebidas pelas mãos habilidosas de dona Regina. Que fosse rica ou pobre; que fosse dia ou noite; que estivesse fazendo sol ou chovendo; que fosse longe ou perto; que fosse a pé ou a cavalo; que seus filhos estivessem doentes ou sadios; quando lhe convidavam, ela estava pronta e gratuitamente fazia os partos e salvava vidas. o Uma demonstração de solidariedade com sua comunidade. Sempre foi respeitada na Cidade do Assaré. Tanto que muitos lhe chamavam de ‘‘mãe’’ Regina. Mestra Dona Regina
  • 12. MESTRE: MARIA APARECIDA AMADEU DA SILVA ( IN MEMORIAM ) o Dona Maria Paulista, com sua religiosidade veio morar no Nordeste, possuindo duas tradições culturais fortíssimas, que são as promessas aos santos e a reza para a cura de males como: dor de cabeça, quebrante em criança, espinhela caída, torção em alguma articulação etc. o Sempre foi requisitada pela população local para fazer suas orações nas pessoas que lhe procuravam, onde gentilmente fazia o atendimento de forma gratuita, pura e simplesmente com a certeza de estar agradando a Deus, quando atendia às pessoas. Mestra Maria Paulista
  • 13. MESTRA: FRANCISCA FERNANDES DA SILVA ( IN MEMORIAM ) NOME ARTÍSTICO: DONA SANTA REZADEIRA OFÍCIO: MESTRA EM RELIGIOSIDADE o Dona Santa resolve seguir o seu tio Sebasto, fazendo o bem para as pessoas da época. Onde ela morava, não tinha assistência médica e, por esse e outros motivos, ela passou a praticar o ofício da reza, quando tinha apenas 14 anos de idade, exercício esse, aceito por toda a comunidade. Sofreu resistência de seu marido e de alguns familiares, porém ela não desistiu de seu oficio até o fim da vida. Dona Santa Rezadeira
  • 14. Por esse motivo, a Secretaria de Cultura, Turismo, Desporto e Lazer e a Gestão Municipal lhe conferiram o título de Mestre e Mestra do Saberes e Fazeres da Cultura Popular Assareense.
  • 15.
  • 16. MESTRE: Maria Ozemira Rodrigues Prudêncio Nome Artístico: Dona Bibita Ofício: Artesanato
  • 17. Maria Ozemira Rodrigues Prudêncio, dona Bibita, assim conhecida em Assaré, nasceu no dia 13 de março de 1947, em solo assareense. Filha de pais humildes: Joaquim Pereira Lima, (seu Joaquim de Cota) um exímio profissional em couro (em especial sela e arreio de cabeça) e Maria Azevedo Rodrigues, mulher honrosa e cuidadora dos afazeres domésticos. O casal teve outros filhos: Francisco Rodrigues Pereira, Maria Ozemita Rodrigues (Loura), Antonia Rodrigues, Antonio Rodrigues Pereira (Mulico), Alzir Rodrigues Pereira e Maria de Fátima Rodrigues Nogueira. Gostava de estudar e concluiu o curso primário no Colégio Almir Pinto, mas a continuidade nos estudos foi interrompida porque Bibita não dispunha de recursos financeiros para ingressar no curso ginasial, haja vista que, naquela época, teria que sair de Assaré. Com a mãe, aprendeu a fiar e fazer crochê e, a partir dos dez anos, foi chamada de “musa da arte” pela comunidade do Município de Assaré.
  • 18. Aos quatorze anos, já era costureira e bordadeira profissional. Daí por diante diversificou sua arte, confeccionando roupas para adultos e crianças, bonecas de pano, bolsas em crochê, toalhas, varanda de redes, peças para escorar portas em forma de animais, peças para os brincantes de quadrilhas juninas, entre outras. É casada com Antônio Carlos Prudêncio, com quem teve quatro filhos, que são: Francisca Alvenir Prudêncio, Antônio Carlos Prudêncio (Junior), Maria Carla Isabel Prudêncio e Emanuel Rodrigues Prudêncio. Católica e participante dos momentos religiosos, Bibita é simpatizante da arte de representar. Essa vocação a levou acompanhar um Grupo de Lapinha, que há 34 encena peças natalinas em ruas, capelas rurais e casas de família. E, em comunhão com as ações religiosas, descobre outra arte: compor música. E essa história de compositora é contada assim pela própria Bibita. “Faltavam alguns hinos para alguns personagens da lapinha e, como não consegui encontrá-los na Igreja Matriz local e até na Diocese, eu mesma os compus’’.
  • 19. MESTRE: Francisca Maria da Silva Nome Artístico: Dona Francisca Louceira Ofício: Artesanato em barro.
  • 20. Francisca Maria da Silva (Dona Francisca do Barro), nasceu em 05 de agosto de 1957, em Assaré - Ceará, onde também reside, sendo filha de Sebastião Martins de Moura e Maria de Jesus e tem como membros de sua família, 09 irmãos: Miguel Martins de Moura, Raimundo Martins de Moura, Antônio Martins de Moura, Manuel Martins de Moura, Terezinha Martins de Moura, Maria Martins de Moura, Zefinha Martins de Moura, Socorro Martins de Moura e Antônia Martins de Moura. Começou a fazer artesanato em barro com 07 anos de idade, ofício esse adquirido com sua avó, sendo, o artesanato em barro uma tradição, em sua família, que vem sendo passado a cada geração. Suas incentivadoras foram sua mãe e sua avó, que era índia com nome de Maria. Com o passar dos anos, e com o seu aperfeiçoamento na arte de barro, ela foi se profissionalizando e iniciou a fase de comercializar suas peças, depois que casou e teve dois filhos: Luiz Alves da Silva e Maria Alves (Toinha), e assim gerando uma renda familiar, através das vendas das suas peças de artesanato em barro, herança indígena do Maranhão. Já são mais de 40 (quarenta) anos que Dona Francisca trabalha com barro (argila). Todos os dias, pela manhã Dona Francisca se encontra, na Praça do Mercado Público de Assaré, vendendo obras de arte em barro. Nossa mestra, além de louceira, também é agricultora aposentada, e foi reconhecida como Mestra da Cultura no ano de 2007.
  • 21.
  • 22. MESTRA: Francisca Chagas da Costa Nome Artístico: Dona Chaguinha Ofício: Mestra de Tradição Religiosa de Assaré (Cânticos)
  • 23. Francisca Chagas da Costa (Dona Chaguinha) nasceu em 24 de maio de 1950, no Sítio Umbuzeiro, Município de Tarrafas. Filha de Emídio Alves da Costa e Salvina Batista da Costa, cuja família era composta por mais 03 filhos: Luiz Valdeci da Costa, Espedita da Costa Paz (Edite) e Marilia Batista da Costa. Casou-se em 24 de outubro de 1972 com Francisco Lourenço da Silva (Dedé de Sinval) e tiveram 04 filhos: Maria Girlândia da Costa, Maria Iolanda Costa, Francisco Gilberlândio da Costa e José Gilcernio da Costa (Gilcerlândio). Aos 12 anos de idade começou a fazer trabalhos religiosos nas capelas de São Vicente e de Caiçara, no Município de Tarrafas, por morar no Sítio Rozeiro, que ficava nas proximidades. Em 1976, veio embora para Assaré e começou a frequentar a Igreja Católica, conhecendo o Padre Manoel Alves Feitosa. Foi convidada para fazer parte do coral da igreja, que já existia, sendo composto por Socorro Rosado, Célia Paiva, Clarisse, Valdelice e outras. A função era de cantar nas missas, nas novenas, na coroação e ensinar os jovens nos ensaios, também se apresentavam com o padre nos distritos de Assaré. Chaguinha começou a gostar de ser cantora, tendo feito vários cursos como de liturgia e música, no Crato.
  • 24. No ano de 2000, também coordenou o grupo Nossa Senhora de Fátima, que tinha 47 crianças aprendendo as rezas e hinos religiosos. Ela se apresentou em Juazeiro do Norte, Milagres, Rio de Janeiro e vários outros lugares. Depois de muito tempo fazendo trabalhos no coral da igreja, passou a cantar no 1º e 3º domingos mensais, nas missas realizadas na Paróquia Nossa Senhora das Dores de Assaré- CE. Em 13 de Abril de 2010, sofreu muito com a morte de seu marido, mas continuou cantando nas apresentações da Igreja. No dia 01 de março de 2012, foi homenageada como mestra da Cultura dos Saberes e Fazeres em Religiosidade de Assaré.
  • 25.
  • 26. MESTRE: Maria Marluce Santana Vieira Nome Artístico: Mestra Marlene Ofício: Caretas e Malhação do Judas
  • 27. Maria Marluce Santana Vieira nasceu no dia 02 setembro de 1968 na cidade de Iguatu, Ceará. Filha de Francisco Vieira de Macedo e de Antônia Muniz de Santana, Marlene, assim conhecida, foi casada com Alceu Roldino Pereira com quem teve oito filhos: Damiana Vieira Pereira; José Cleison Pereira; Clésia Vieira Pereira, (Tatá); Antônio Clésio Vieira Pereira (falecido); Rita de Cássia Vieira Pereira; Cícero Antônio Vieira Pereira; Kátia Vieira Pereira e José Vieira Pereira (falecido nos primeiros dias de vida). Como irmãos, Marlene registra alguns “galhos genealógicos”: Maria Lúcia Santana Vieira, Maria Lucileide Santana Vieira, Raimundo Santana Vieira, Antônio Juvenal Santana Vieira, Hugo Santana Vieira e Maria Sueli Santana Vieira. Fantasiados nas ruas, animados nos sítios, com voz disfarçadas, armados de chicotes, chocalhos pendurados pelo corpo e aos pedidos de “uma esmolinha pelo amor de Deus”, os caretas perambulam por vários dias, com o objetivo de arrecadar as “esmolas” para realizarem a festa dos CARETAS, na Comunidade da Serra de Santana, no Município de Assaré, Ceará. Assim, nesse contexto cultural, Marlene se relaciona como exímia representante dessa manifestação cultural, os CARETAS, no resgate desse patrimônio imaterial, tão difícil nesse momento atual que é a cultura brasileira.
  • 28. Esse fazer cultural nasceu nos quandos, na Serra de Santana, vindo, de fato a se enraizar no sítio São Félix, também na Serra. Tudo começou, quando um grupo formado por crianças e adolescentes saíram de suas casas para desenvolver tal atividade: a brincadeiras dos caretas. Nesse grupo de brincantes, dois adolescentes eram filhos de Marlene. Entre subidas e descidas por vários caminhos, os meninos tomaram direção incerta. Mas, em casa, chegaram assustados! A partir daí, com o incentivo de um vizinho, seu Geraldo, o grupo folclórico se formou e permanece até hoje. “Confesso que já tentei não mais organizar o grupo, pois as dificuldades são demais. Mas por conta dos meninos, todos são unidos, não parei.” O grupo de MARLENE é muito participativo e muito conhecido em Assaré e cidades circunvizinhas, haja visto que, no período dos “trabalhos”, eles percorrem vários quilômetros, divulgando nossa cultura e arrecadando “esmolas” para realizarem o dia da culminância do projeto. Mas, com a morte de um dos filhos, Marlene deixa o São Félix e passa a morar no sítio Bonita, também na Região da Serra de Santana. A mudança de comunidade não altera os planos de Marlene. Continua a organizar o grupo de caretas, mesmo enfrentando algumas dificuldades. Ela diz: “o prazer tá no sangue de cada brincante”. Relata ainda que, sua filha Kátia está sempre com o grupo em qualquer lugar para o qual se dirijam. Ela é um braço forte nesses momentos. Não nega esforços. Nos dias de pique, de andanças, alguns dos brincantes se hospedam na sua própria casa com direito a merenda, almoço, jantar e dormida.
  • 29. Salienta ainda que, Cláudio de Albenir é quem faz todo o percurso com os brincantes. Percurso esse, feito a TRATOR. Esse meio de transporte leva e traz o grupo e as esmolas arrecadadas. Não é um trabalho de andanças. É um trabalho feito às custas de muito suor, pois em cada casa visitada o grupo tem a obrigação de executar o PISEIRO – dança peculiar do grupo, em forma de agradecimento. Viúva a partir de 2014, MARLENE continua na organização dessa manifestação folclórica, que representa tão bem a nossa diversidade cultural, por que não dizer, nosso sincretismo religioso. E no sábado de Aleluia os meninos-homens CARETAS fazem um cortejo com um boneco de pano representando o traidor Judas, para ser malhado na comunidade da Bonita.
  • 30. MESTRE: Josefa Merandolina de Oliveira Nome Artístico: Dona Zefa Ofício: Dança do Coco.
  • 31. Josefa Merandolina de Oliveira nasceu no Município de Icó, no dia 20 de janeiro de 1936. Filha de José Francisco de Oliveira e Maria Merandolina de Oliveira, tem 05 irmãs todas falecidas: Maria Merandolina de Oliveira, Rosa Merandolina de Oliveira, Cecilia Merandolina de Oliveira, Leila Merandolina de Oliveira e Geralda Merandolina de Oliveira. Dona Zefa Merandolina, como era conhecida, veio de Icó para Assaré com 08 anos de idade, indo morar na Coruja. Aos 10 anos de idade aprendeu a dança do coco com a família dos Beliscos, sendo sua amiga Ciana quem ensinou a todo um grupo que morava na Batateiras, no Município do Crato. Fazia suas apresentações em festas, quando o grupo era convidado. Na época, ela entrou no grupo, que já tinha formação completa, e fez muitos dramas na casa dos Moreiras, que era sucesso na época. Com 19 anos, foi morar no Recife e fez teatro na casa espetacular “Marrocos”. Depois viajou até São Paulo, onde trabalhou em pensão e hotel, espaços frequentados por artistas populares, como exemplo, Luiz Gonzaga. Passou 37 anos fora, para regressar a Assaré com seus dois filhos José Destamento Junior e Moisés Cassiano de Barros.
  • 32. Retornando a Assaré no ano de 2000, resgata a dança do coco que estava parada. Começou a chamar o grupo, que era formado por sete pessoas, para dançar nos eventos. Receberam convites para dançar em Nova Olinda, Altaneira e em várias localidades do Assaré. A dança do coco se caracteriza pela alegria e todos do grupo dançam, cantam, rodam, e ficam trocando de pares de acordo com o ritmo da música cantada pela mestra do grupo. As roupas são diferenciadas, a mestra veste vermelho e as outras componentes qualquer cor. Por ensinar e praticar a dança do coco no Município de Assaré, a Secretaria de Cultura, Turismo, Desporto e Lazer e a Gestão Municipal lhe reconhecem como Mestra dos Saberes e Fazeres da Cultura Assareense, sendo reconhecida no dia 03 de março de 2007.
  • 33.
  • 34. MESTRE: Maria Lúcia Pereira Nome Artístico: Dona Lúcia Doceira Ofício: Culinária Regional
  • 35. Maria Lúcia Pereira nasceu no dia 19 de janeiro de 1951, no Município de Nova Olinda. É filha de Antônio Pereira de Souza e Josefa Maria da Conceição. Dona Lúcia faz parte de uma grande família, tendo como irmãos: Mauro Pereira de Souza, Irene Pereira de Souza, Esmeralda Pereira de Souza, Josefa Pereira de Souza, Marina Pereira de Souza, Rosália Pereira de Souza e Maria Ilda de Souza. Sempre residiu na zona rural, trabalhando na luta do campo. É casada com Luiz Serafim dos Santos, desde 18 de julho de 1973. Desse matrimônio teve 16 filhos, a saber: Josefa Edvânia Serafim, Silvano Serafim, Francisco Ivan Serafim, José Ideval Serafim, Ronaldo Serafim, Rafael Serafim, Rogério Serafim, Daniel Serafim, Damião Serafim, Cosmo Roberto Serafim, Aparecida Serafim, Flávia Serafim, Fabiana Serafim, Luciene Serafim, Simoni Serafim e José Idevan (falecido, morreu com 11 meses). Com seu esposo, Lúcia ainda hoje convive em boa harmonia no sítio São João, próximo ao Distrito de Aratama, em Assaré. O casal de agricultores trabalhava na lavoura e viviam da produção de algodão e mamona. Com o passar dos tempos, a produção da mamona e do algodão entra em declínio. O casal, sabiamente, busca outro tipo de atividade: resolvem fazer doce caseiro. Desse trabalho, Lúcia e Luiz criaram toda sua prole familiar. Salienta-se, ainda, que esse fazer culinário foi herdado do pai de Lúcia que, a partir dos anos 80, trabalhou a todo vapor nessa nova empreitada, para sustento da família.
  • 36. Por três vezes na semana, com seu filho Cosmo, saía vendendo os doces pela redondeza. O filho levava o doce numa panelinha para Cacimbinha, Santo Antônio, Fortuna, Bezerra, Aratama, chegando em casa, à tardinha. A fabricação do doce caseiro ficou tão conhecida, que LÚCIA expandiu os trabalhos para as cidades circunvizinhas: Potengi, Nova Olinda, entre outras. Ela “fabrica” doce a gosto do freguês, trabalhando no período chuvoso ou de sol, chegando a desmanchar 30 quilos de açúcar num mesmo tacho. A sua iguaria é presença marcante entre muitos compradores, tais como (aqui em Assaré): Geraldinho da Farmácia, Marquinho da Farmácia e Cícero de Paulo Paiva. Além das vendas no Município de Assaré e em cidades vizinhas, o doce caseiro de LÚCIA chegou ao Estado de São Paulo, via encomenda e enviado por topiqueiros. Um dos filhos de LÚCIA, Daniel, herdou esse fazer culinário. Foi morar em Santa Catarina e lá, nas “horas vagas”, trabalha fazendo doce e vendendo, a pedido. Lúcia trabalha com uma boa diversidade de doces: batata de umbu (cuca de umbu), goiaba, amendoim, gergelim, banana, mamão com coco, leite puro, leite com coco, abacaxi com coco, chouriço. Relata
  • 37. MESTRE: Francisca Zenilda Soares Ferreira Nome Artístico: Dona Zenilda da Linguiça Caseira Ofício: Culinária Regional
  • 38. Francisca Zenilda Soares Ferreira, conhecida em Assaré, como “Zenilda da linguiça”, nasceu no dia 04 de fevereiro 1933, na cidade de Assaré. Filha de Alexandrina Gomes de Matos e de Cicero Soares de Sousa, teve como irmãos: Francisca, Lídia, Helena, Pureza, Idelzuite e Fabilino. Sua mãe possuía um restaurante denominado de “café” e, desse pequeno comércio, atendia fregueses de Assaré, dos sítios e cidades circunvizinhas, principalmente, nos dias das tradicionais feiras livres, nas segundas-feiras. E, desse pequeno comércio era retirado o sustento da família. Dona Alexandrina sempre enfrentou desafios em sua vida conjugal, devido seu esposo não cumprir os juramentos do matrimônio, causando transtornos e mal- estar entre o casal, atingindo diretamente seus filhos. Enfim, de fato, veio a separação. Dona Alexandrina com seus filhos, ainda menores, sobreviveram do lucro de sua pequena pensão, situada na rua que hoje recebe o nome de Padre Agamenon Coelho, onde está localizado o prédio do 1º cartório. Sua separação provocou bastante sofrimento, devido três motivos: primeiro, na metade do século XX, mulher separada era discriminada, devido a prática abusiva do machismo e, sem lei que as protegessem; depois, a situação financeira, Assaré vivia uma pobreza extrema, tanto no campo quanto na cidade; e, por último, na questão social. Tínhamos um poder público quase que inexistente para atender à saúde, à educação e à ação social. A dificuldade era total. Nesse cenário, Dona Alexandrina consegue criar seus sete filhos. Francisca Zenilda, devido às circunstâncias, teve que trabalhar desde criança no pequeno restaurante, como auxiliar de sua mãe, contato este que a tornou herdeira da profissão de sua genitora.
  • 39. Naquele período, não existia energia elétrica em Assaré e os alimentos tinham pouca durabilidade. Por isso, as técnicas europeias de conservação de alimentos, que vieram para o Brasil nas caravelas coloniais, foram postas em práticas no nosso pequeno comércio. No Nordeste, não era diferente. Os conservantes mais usados eram pimenta do reino, noz-moscada, sal, alho e vinagre. Dona Alexandrina aprendeu e ensinou a sua filha Zenilda no restaurante da família a tradição de conservar alimentos, tendo como destaque a linguiça, conhecida hoje como linguiça caseira ou artesanal. O casal Zenilda e Dim Ferreira sentou para traçar planos e metas para a família. Dim não queria a continuidade do restaurante, mas sua esposa, com seu jeito cativante, não abdicou da tradição da família e resistiu, continuando com o restaurante de sua mãe, promovendo assim o rápido sucesso. Ao saírem do prédio onde hoje está localizado o cartório de 1º oficio, foram se estabelecer no Mercado, prédio que pertencia ao Sr. Manoel de Benta, durante muitos anos. No ano de 1970, mudou-se para o prédio que permanece com sua família até os dias de hoje.
  • 40. Enfim, um prédio da família. Ela não esqueceu sua mãe e manteve vários lanches entre eles a tapioca com linguiça do restaurante de Dona Zenilda. Vale salientar que o seu produto é fabricado e vendido com produtos naturais de excelência e só compra carne de porco caipira, novo, de referência boa, tempero selecionado pessoalmente por ela, preparado para conserva. E estes são uns dos segredos do sabor diferenciado na fabricação de linguiça. Figuras ilustres como Patativa do Assaré, Adauto Bezerra, Raul Onofre, homens e mulheres comuns de Assaré e vários empresários que atuam fora e dentro do Município comeram e comem esse saboroso alimento. Hoje, sua linguiça é produto de exportação para filhos de Assaré que percorrem os mais diferentes lugares como: Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza, etc. Em 1994, Dona Zenilda perdeu seu esposo com quem convivera 45 anos e lutou para construir sua história familiar. Mesmo triste e com o peso da idade, se apoia nas duas filhas Alexandrina e Maria das Dores e continua com o restaurante e a mesma garra. Elas ajudando sua mãe a levar o sabor do tempero da linguiça mais famosa de Assaré para outros locais. Em 2010 perdeu sua filha Maria das Dores ainda jovem. Um impacto, muito triste, porém deu a volta por cima e apoiada em sua outra filha, Alexandrina, continua com as portas abertas de seu restaurante, o “ZENILDIM”, oferecendo seu prato principal: ‘‘linguiça caseira com tapioca de Dona Zenilda” e muito carinho com fregueses fiéis que frequentam seu estabelecimento há décadas.
  • 41. MESTRE: Maria Pereira da Silva Nome Artístico: Maria de Zé de Lara Ofício: Culinária Regional
  • 42. Maria Pereira da Silva (Maria de Zé de Lara) nasceu em São Gonçalo, Distrito de Assaré em 10 de outubro1948, filha de Antônio Raimundo da Silva e Norvina Tereza da Silva. Casou com José Pereira da Silva em 15 de janeiro 1966, e tiveram 11 filhos e criam 2 netas. Começou a fazer pão de ló aos 15 anos de idade, que aprendeu com sua mãe Novina Tereza da Silva. Fazia os pães de ló só para alimentação da família. Depois, começou a fazer por encomenda para as pessoas e vendia na vizinhança de onde ela morava. Muito tempo depois, deixou de fazer por conta que as pessoas queriam comprar por um preço bem abaixo, por isso ficou fazendo somente para os filhos que moravam fora, e para a alimentação de casa. Na fabricação do pão de ló, utilizava os ingredientes que era: goma, açúcar, rapadura, ovo, erva doce, canela, bicarbonato e mel. Depois, colocava no pilão o mel com a goma e batia pra misturar os ingredientes. Em seguida, colocava nos depósitos de lata de sardinha, doce ou alumínio pra levar ao forno.
  • 43. Utilizava um forno de barro que tinha no quintal da casa dela ou o forno a gás para assar, por apenas 05 minutos. Puxava os depósitos com uma vara de madeira com um gancho que fixava nas latinhas, para assim retirar do forno. Ela ensinou o ofício a todos os filhos, mas apenas a filha Marlene resolveu seguir tal ensinamento, por pouco tempo. Em 2010, recebeu o reconhecimento da Cultura como mestra da culinária de pão de ló. Dona Maria nunca deixou de ser agricultora e cria animais como: porco, galinha e gado, que serve para alimentação da família. Nos dias de hoje, dona Maria, dificilmente, faz pão de ló, às vezes pra se alimentar com a família, não comercializando mais. Mora em São Gonçalo, Distrito de Assaré e vive com seu marido, uma neta e uma bisneta.
  • 44.
  • 45. MESTRE: Inês Cidrão Alencar Nome Artístico: Dona Inês Ofício: Mestra Guardiã da Memória da Obra e Vida de Patativa
  • 46. Inês, cujo nome completo é Inês Cidrão Alencar, nasceu no sítio Lagoa Dantas, na Região da Serra de Santana, Assaré (CE), no dia 20 de abril de 1939. Filha de pais humildes, sendo seu pai, Antônio Gonçalves da Silva (nosso saudoso PATATIVA) e sua mãe, Belarmina Gonçalves Cidrão (dona Belinha, assim conhecida). Sua irmandade totaliza 14 irmãos, sendo que sobreviveram os seguintes: Maroni Gonçalves Cidrão, Raimundo Gonçalves Cidrão, Miriam Gonçalves da Silva, Lúcia Gonçalves da Silva, Geraldo Gonçalves de Castro (todos falecidos), Afonso Gonçalves de Castro, Pedro Gonçalves e João Batista Cidrão. Inês, assim conhecida pelos familiares, casou-se em 1º de julho de 1962 com Raimundo Gonçalves Alencar e desse matrimônio, teve os seguintes filhos: Maria Cidrão Alencar, Espedito Cidrão Alencar (falecido), Fátima Cidrão Alencar, Antônia Cidrão Alencar (Toinha) e Francisco Cidrão Alencar.
  • 47. Sempre residiu na Serra de Santana, ambiente povoado de bons vizinhos e em contato direto com a natureza. O gosto pela poesia é advindo desde criança, pois, naquela época, ouvia do pai PATATIVA, belas rimas que descreviam traços amorosos e, sobretudo, poesias de cunho social. Testemunhou, inúmeras vezes, na sala de casa, os encontros marcantes dialogados entre seu pai PATATIVA e poetas diversos, pesquisadores, escritores, entre outros. Mas um, para Inês, foi muito marcante: a “pega” de versos entre PATATIVA e Geraldo Gonçalves que, com o passar dos anos, é transformado no livro AO PÉ DA MESA. Continuou a observar os dois grandes poetas e via que eles “brincavam” de construir poesias, composições, dentre outros! Em nenhum momento, Inês pensou em deixar a Serra de Santana, haja vista que sempre teve uma excelente relação com todos os familiares, principalmente com seu pai PATATIVA, que tratava a todos com profunda igualdade.