SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Profa. Karen Olivan
HEINE, Ben. Pencil vs. camera
Na era digital, tudo é texto: uma propaganda, uma
fotografia, um gráfico, um bate-papo, enfim, toda
atividade humana que objetiva informar, comunicar,
produzir sentidos.
• Você verá, a seguir, três fotografias. Conforme cada
uma, descreva as práticas sociais e algumas atividades
humanas envolvidas.
• Que tipo de diálogo pode ser estabelecido em cada
atividade humana representada nas fotografias?
Maracanã
• Práticas sociais e atividades humanas envolvidas?
• Diálogo?
• Práticas sociais e atividades humanas envolvidas?
• Diálogo?
• Práticas sociais e atividades humanas envolvidas?
• Diálogo?
• As fotografias mostram agentes das relações sociais,
responsáveis pela produção de sentido no mundo.
• Em cada atividade que participamos, assumimos um
determinado papel social que se dá por meio da
interação com o outro.
• A interação é o diálogo que se estabelece em todas as
atividades humanas.
• O termo “diálogo” não designa apenas uma conversa
cara a cara, mas assume um sentido em que um texto
recupera outro texto.
• Toda a produção realizada pelo ser humano é
direcionada a alguém – presente ou ausente.
• Mesmo quando lemos em silêncio há comunicação,
afinal estabelecemos um diálogo com as ideias do autor.
• Você verá, a seguir, duas propagandas produzidas pelo
mesmo anunciante. Descreva as semelhanças e
diferenças entre elas.
• Releia os textos e relacione o conteúdo ao anunciante.
Justifique o objetivo das propagandas com elementos do
texto.
• A interação constitui todas as situações de uso da
linguagem.
• As propagandas analisadas foram produzidas por
alguém, para alguém, em determinado tempo e espaço
de circulação.
• Colocadas em diálogo, elas evidenciam valores sociais
relacionados aos papéis sociais de diferentes perfis de
leitores.
• Para cada prática social, textos diferentes são
vinculados, com o objetivo de expressar valores e
ideologias através da linguagem.
• Texto é um todo significativo resultante da interação
entre interlocutores. Se isolado desse espaço, pode
assumir um sentido completamente diferente.
• Todo texto traz os valores ideológicos de seu autor.
• Então, em cada texto produzido para determinado
locutor, ausente ou presente, há finalidades diferentes,
para as quais selecionamos signos específicos.
• Discurso é toda atividade comunicativa que produz
sentidos e é resultante da interação entre emissor e
receptor.
• Os interlocutores de uma situação discursiva são seres
situados em um determinado tempo e espaço,
pertencem a uma comunidade, a um grupo social.
• Cada texto produzido veicula crenças, valores culturais,
sociais, enfim: a ideologia do grupo.
• Então, todo discurso produz sentidos que expressam
posições sociais, culturais e ideológicas dos sujeitos da
linguagem.
Profa. Karen Olivan

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)Mariany Dutra
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4GernciadeProduodeMat
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguísticaDenise
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoElaine Maia
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesIsis Barros
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisFábio Guimarães
 
A exposição oral
A exposição oralA exposição oral
A exposição oralIsis Barros
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioJomari
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptpnaicdertsis
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade Denise
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasLidiane Rodrigues
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAMarcelo Cordeiro Souza
 

Mais procurados (20)

Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)Gênero textual crônica (narrativa)
Gênero textual crônica (narrativa)
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opiniãoDiferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
Diferenças entre texto dissertativo argumentativo e artigo de opinião
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Orações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas AdverbiaisOrações Subordinadas Adverbiais
Orações Subordinadas Adverbiais
 
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVADISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
 
A exposição oral
A exposição oralA exposição oral
A exposição oral
 
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino MédioConteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
Conteúdos Programáticos 2º ano do Ensino Médio
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Conjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativasConjunções coordenativas e subordinativas
Conjunções coordenativas e subordinativas
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 

Destaque

Gênero textual Conto
Gênero textual ContoGênero textual Conto
Gênero textual ContoJomari
 
Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoThauane Furquim
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoMyllenne Abreu
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, característicasHelena Coutinho
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOKaren Olivan
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavrasKaren Olivan
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasOlivaldo Ferreira
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
EstruturatextoteatralCarla Souto
 
Características gerais do conto
Características gerais do contoCaracterísticas gerais do conto
Características gerais do contoluhren
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatroKaren Olivan
 
A importância do teatro na escola
A importância do teatro na escolaA importância do teatro na escola
A importância do teatro na escolajosivaldopassos
 
Slide teoria do conto
Slide teoria do contoSlide teoria do conto
Slide teoria do contoAna Paula
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemQuezia Neves
 

Destaque (20)

Conto
ContoConto
Conto
 
Gênero textual Conto
Gênero textual ContoGênero textual Conto
Gênero textual Conto
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Sequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual contoSequência didática com gênero textual conto
Sequência didática com gênero textual conto
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Conto tradicional
Conto tradicionalConto tradicional
Conto tradicional
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
 
Características gerais do conto
Características gerais do contoCaracterísticas gerais do conto
Características gerais do conto
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
 
Contos
ContosContos
Contos
 
A importância do teatro na escola
A importância do teatro na escolaA importância do teatro na escola
A importância do teatro na escola
 
Slide teoria do conto
Slide teoria do contoSlide teoria do conto
Slide teoria do conto
 
Elementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagemElementos da comunicação e funções da linguagem
Elementos da comunicação e funções da linguagem
 
Cap 15 Filosofia Estética
Cap 15  Filosofia EstéticaCap 15  Filosofia Estética
Cap 15 Filosofia Estética
 

Semelhante a Diálogo e interação em atividades humanas

Gêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaGêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaHilda Cordeiro
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Ana Camila
 
Trabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e Stephanie
Trabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e StephanieTrabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e Stephanie
Trabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e StephanieVanda Crivillari
 
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011Unip e Uniplan
 
Palestra discurso e poder
Palestra discurso e poderPalestra discurso e poder
Palestra discurso e poderNadia Biavati
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoRose Moraes
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoPré Master
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasAtitude Digital
 
Pesquisa em jornalismo impresso
Pesquisa em jornalismo impressoPesquisa em jornalismo impresso
Pesquisa em jornalismo impressoCarla Baiense
 
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptxCONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptxMARCELACARNEIROGOMES
 
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoBronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoRaquel Salcedo Gomes
 
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - VygotskyPensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - VygotskyAmábile Piacentine
 
Cultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaCultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaOlivaldo Ferreira
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoNadia Biavati
 
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora DiasO que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora DiasUniversidade de Sorocaba
 
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Pâmela Guimarães
 
Comunicação, Cultura e Comunidade.pdf
Comunicação, Cultura e Comunidade.pdfComunicação, Cultura e Comunidade.pdf
Comunicação, Cultura e Comunidade.pdfVELDATORRES1
 

Semelhante a Diálogo e interação em atividades humanas (20)

Gêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da línguaGêneros textuais e o ensino da língua
Gêneros textuais e o ensino da língua
 
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)Slide prod. e compreens. escrita (quase)
Slide prod. e compreens. escrita (quase)
 
Trabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e Stephanie
Trabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e StephanieTrabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e Stephanie
Trabalho 1º B - João, Bruno, Nathaly e Stephanie
 
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011Disciplina comunicação aplicada   2a aula- 28/02/2011
Disciplina comunicação aplicada 2a aula- 28/02/2011
 
Palestra discurso e poder
Palestra discurso e poderPalestra discurso e poder
Palestra discurso e poder
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
Pesquisa em jornalismo impresso
Pesquisa em jornalismo impressoPesquisa em jornalismo impresso
Pesquisa em jornalismo impresso
 
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptxCONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO - APRESENTAÇÃO.pptx
 
Comunicação
ComunicaçãoComunicação
Comunicação
 
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discursoBronckart - os gêneros e tipos de discurso
Bronckart - os gêneros e tipos de discurso
 
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - VygotskyPensamanto e linguagem - Vygotsky
Pensamanto e linguagem - Vygotsky
 
Cultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letradaCultura escrita e sociedade letrada
Cultura escrita e sociedade letrada
 
concepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensinoconcepção sociointeracionista no ensino
concepção sociointeracionista no ensino
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
 
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora DiasO que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
 
Tp4
Tp4Tp4
Tp4
 
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
 
Comunicação, Cultura e Comunidade.pdf
Comunicação, Cultura e Comunidade.pdfComunicação, Cultura e Comunidade.pdf
Comunicação, Cultura e Comunidade.pdf
 

Mais de Karen Olivan

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanholKaren Olivan
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntosKaren Olivan
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativoKaren Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisKaren Olivan
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo portuguêsKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoKaren Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Karen Olivan
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraKaren Olivan
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem Karen Olivan
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaKaren Olivan
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaKaren Olivan
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literáriasKaren Olivan
 

Mais de Karen Olivan (18)

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativo
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e língua
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literárias
 
ARTES
ARTESARTES
ARTES
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 

Diálogo e interação em atividades humanas

  • 2. HEINE, Ben. Pencil vs. camera Na era digital, tudo é texto: uma propaganda, uma fotografia, um gráfico, um bate-papo, enfim, toda atividade humana que objetiva informar, comunicar, produzir sentidos.
  • 3. • Você verá, a seguir, três fotografias. Conforme cada uma, descreva as práticas sociais e algumas atividades humanas envolvidas. • Que tipo de diálogo pode ser estabelecido em cada atividade humana representada nas fotografias?
  • 4. Maracanã • Práticas sociais e atividades humanas envolvidas? • Diálogo?
  • 5. • Práticas sociais e atividades humanas envolvidas? • Diálogo?
  • 6. • Práticas sociais e atividades humanas envolvidas? • Diálogo?
  • 7. • As fotografias mostram agentes das relações sociais, responsáveis pela produção de sentido no mundo. • Em cada atividade que participamos, assumimos um determinado papel social que se dá por meio da interação com o outro.
  • 8. • A interação é o diálogo que se estabelece em todas as atividades humanas. • O termo “diálogo” não designa apenas uma conversa cara a cara, mas assume um sentido em que um texto recupera outro texto. • Toda a produção realizada pelo ser humano é direcionada a alguém – presente ou ausente. • Mesmo quando lemos em silêncio há comunicação, afinal estabelecemos um diálogo com as ideias do autor.
  • 9. • Você verá, a seguir, duas propagandas produzidas pelo mesmo anunciante. Descreva as semelhanças e diferenças entre elas. • Releia os textos e relacione o conteúdo ao anunciante. Justifique o objetivo das propagandas com elementos do texto.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13. • A interação constitui todas as situações de uso da linguagem. • As propagandas analisadas foram produzidas por alguém, para alguém, em determinado tempo e espaço de circulação. • Colocadas em diálogo, elas evidenciam valores sociais relacionados aos papéis sociais de diferentes perfis de leitores. • Para cada prática social, textos diferentes são vinculados, com o objetivo de expressar valores e ideologias através da linguagem.
  • 14. • Texto é um todo significativo resultante da interação entre interlocutores. Se isolado desse espaço, pode assumir um sentido completamente diferente. • Todo texto traz os valores ideológicos de seu autor. • Então, em cada texto produzido para determinado locutor, ausente ou presente, há finalidades diferentes, para as quais selecionamos signos específicos.
  • 15. • Discurso é toda atividade comunicativa que produz sentidos e é resultante da interação entre emissor e receptor. • Os interlocutores de uma situação discursiva são seres situados em um determinado tempo e espaço, pertencem a uma comunidade, a um grupo social. • Cada texto produzido veicula crenças, valores culturais, sociais, enfim: a ideologia do grupo. • Então, todo discurso produz sentidos que expressam posições sociais, culturais e ideológicas dos sujeitos da linguagem.