SEQUÊNCIA DIDÁTICA COMGÊNERO TEXTUAL CONTOTexto “Pausa”- Moacyr Scliar
Disciplina: Língua PortuguesaPúblico Alvo: 9º Ano / Ensino FundamentalTempo previsto: 6 a 8 aulas
• Competências e habilidades:saber organizarinformações sobre um mesmo tema,retiradas detextos ou fontes diferentes;escuta...
ETAPA 1
ETAPA 1 - ATIVAÇÃO DECONHECIMENTOS PRÉVIOS• O que é um conto?• O que é uma pausa?• Em que momento do seu dia é necessário ...
ETAPA 2
ETAPA 2 – INFERÊNCIASA seguir, vamos ler o conto dividido em trêspartes.
PAUSAMOACYR SCLIARÀs sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro, fez abarba e lavou-se....
Depois dessa reflexão, podemos voltar ao conto.a) O que você imagina queSamuel fora fazer naquele hotel?b) Qual era o moti...
Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante. Ao chegar ao último andar,duas mulheres gordas, de chambre floreado, o...
VAMOS PARAR NOVAMENTEPARA MAIS UMA PEQUENAREFLEXÃO.Ao longo do cais, guiava lentamente. Parouum instante, ficou olhando os...
ETAPA 3
ETAPA 3 – REFLEXÃO• Escreva uma opinião a respeito do finaldo conto. Para ajudá-lo na reflexão,discuta com seus colegas em...
ETAPA 4
ETAPA 4 – RECUPERANDO OCONTEXTO DE PRODUÇÃO DETEXTOPesquise a biografia do autor Moacyr Scliar
ETAPA 5
ETAPA 5 – UTILIZAÇÃO DEMÍDIAS• O professor fará a reprodução damúsica: COTIDIANO. Versão - Seu Jorge, leia a letra eprocur...
ETAPA 6
ETAPA 6 – PRODUÇÃO ESCRITA1-) A tarefa de vocês agora, é digitar uma resenhado filme Como se fosse a primeira vez, na SAI ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sequência didática com gênero textual conto

24.244 visualizações

Publicada em

Sequência didática com gênero textual conto

  1. 1. SEQUÊNCIA DIDÁTICA COMGÊNERO TEXTUAL CONTOTexto “Pausa”- Moacyr Scliar
  2. 2. Disciplina: Língua PortuguesaPúblico Alvo: 9º Ano / Ensino FundamentalTempo previsto: 6 a 8 aulas
  3. 3. • Competências e habilidades:saber organizarinformações sobre um mesmo tema,retiradas detextos ou fontes diferentes;escutar e falarrespeitando o tempo do outro e o próprio;coletar,relacionar e anotar informações; trabalhar demaneira cooperativa; observar, investigar, refletire propor soluções para os problemas; escreverresenhas e artigos de opinião utilizando osconhecimentos adquiridos sobre textosargumentativos.• Avaliação: exposição oral de dados e opiniõessobre textos lidos; elaboração de respostasescritas a partir de questões sobreentendimentos de textos; discussão oral sobre ofilme assistido; produção de resenha e artigo deopinião .
  4. 4. ETAPA 1
  5. 5. ETAPA 1 - ATIVAÇÃO DECONHECIMENTOS PRÉVIOS• O que é um conto?• O que é uma pausa?• Em que momento do seu dia é necessário dar umapausa?• O que é rotina?• O que podemos esperar de um conto intituladopausa?
  6. 6. ETAPA 2
  7. 7. ETAPA 2 – INFERÊNCIASA seguir, vamos ler o conto dividido em trêspartes.
  8. 8. PAUSAMOACYR SCLIARÀs sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para o banheiro, fez abarba e lavou-se. Vestiu-se rapidamente e sem ruído. Estava na cozinha, preparandosanduíches, quando a mulher apareceu,bocejando:— Vais sair de novo, Samuel?Fez que sim com a cabeça. Embora jovem, tinha a fronte calva; mas as sobrancelhas eramespessas, a barba, embora recém-feita, deixava ainda no rosto uma sombra azulada. Oconjunto era uma máscara escura.— Todos os domingos tu sais cedo — observou a mulher com azedume na voz.— Temos muito trabalho no escritório — disse o marido, secamente.Ela olhou os sanduíches:— Por que não vens almoçar?— Já te disse; muito trabalho. Não há tempo. Levo um lanche.A mulher coçava a axila esquerda. Antes que voltasse à carga. Samuel pegou o chapéu:— Volto de noite.As ruas ainda estavam úmidas de cerração. Samuel tirou o carro da garagem. Guiavavagarosamente; ao longo do cais, olhando os guindastes, as barcaças atracadas.Estacionou o carro numa travessa quieta. Como pacote de sanduíches debaixo do braço,caminhou apressadamente duas quadras. Deteve-se ao chegar a um hotel pequeno e sujo.Olhou para os lados e entrou furtivamente. Bateu com as chaves do carro no balcão,acordando um homenzinho que dormia sentado numa poltrona rasgada. Era o gerente.Esfregando os olhos, pôs-se de pé:— Ah! Seu Isidoro! Chegou mais cedo hoje. Friozinho bom este, não é? A gente...— Estou com pressa, seu Raul - atalhou Samuel.— Está bem, não vou atrapalhar. O de sempre. - Estendeu a chave.
  9. 9. Depois dessa reflexão, podemos voltar ao conto.a) O que você imagina queSamuel fora fazer naquele hotel?b) Qual era o motivo de suapressa?c) Por que ele se apresentou comoutro nome para o gerente dohotel?
  10. 10. Samuel subiu quatro lanços de uma escada vacilante. Ao chegar ao último andar,duas mulheres gordas, de chambre floreado, olharam-no com curiosidade:— Aqui, meu bem! - uma gritou, e riu; um cacarejo curto.Ofegante, Samuel entrou no quarto e fechou a porta à chave. Era um aposentopequeno: uma cama de casal, um guarda-roupa de pinho; a um canto, uma baciacheia dágua, sobre um tripé. Samuel correu as cortinas esfarrapadas, tirou dobolso um despertador de viagem, deu corda e colocou-o na mesinha de cabeceira.Puxou a colcha e examinou os lençóis com o cenho franzido; com um suspiro,tirou o casaco e os sapatos, afrouxou a gravata.Sentado na cama, comeu vorazmente quatro sanduíches. Limpou os dedos nopapel de embrulho, deitou-se e fechou os olhos.Dormir.Em pouco, dormia. Lá embaixo, a cidade começava a mover-se: os automóveisbuzinando, os jornaleiros gritando, os sons longínquos.Um raio de sol filtrou-se pela cortina, estampou um círculo luminoso no chãocarcomido.Samuel dormia; sonhava. Nu, corria por uma planície imensa. Perseguido por umíndio montado a cavalo. No quarto abafado ressoava o galope. No planalto datesta, nas colinas do ventre, no vale entre as pernas, corriam. Samuel mexia-se eresmungava. Às duas e meia da tarde sentiu uma dor lancinante nas costas.Sentou-se na cama, os olhos esbugalhados; índio acabara de traspassá-lo com alança Esvaindo-se em sangue, molhado de suor. Samuel tombou lentamente: ouviuo apito soturno de um vapor. Depois, silêncio.Às sete horas o despertador tocou. Samuel saltou da cama, correu para a bacia,lavou-se. Vestiu-se rapidamente e saiu. Sentado numa poltrona, o gerente lia umarevista.- Já vai, seu Isidoro?- Já - disse Samuel, entregando a chave. Pagou, conferiu o troco em silêncio.- Até domingo que vem seu Isidoro - disse o gerente.- Não sei se virei - respondeu Samuel, olhando pela porta; a noite caía.- O senhor diz isto, mas volta sempre - observou o homem, rindo.Samuel saiu.
  11. 11. VAMOS PARAR NOVAMENTEPARA MAIS UMA PEQUENAREFLEXÃO.Ao longo do cais, guiava lentamente. Parouum instante, ficou olhando os guindastes recortadoscontra o céu avermelhado. Depois, seguiu. Para casa.d) Por que Samuel saía de casaaos domingos, apenas paradormir no hotel?e) O que você acha que vaiacontecer a seguir no conto?
  12. 12. ETAPA 3
  13. 13. ETAPA 3 – REFLEXÃO• Escreva uma opinião a respeito do finaldo conto. Para ajudá-lo na reflexão,discuta com seus colegas em classe, oque as pessoas devem fazer, para fugirda rotina, do estresse do dia a dia, poisa sociedade condiciona o homem emesmo que se tente fugir dela é inútil.•Dica para o professor: Caso sejapossível, pode-se utilizar a ferramentade dicionário on-line para pesquisar aspalavras desconhecidas no texto.
  14. 14. ETAPA 4
  15. 15. ETAPA 4 – RECUPERANDO OCONTEXTO DE PRODUÇÃO DETEXTOPesquise a biografia do autor Moacyr Scliar
  16. 16. ETAPA 5
  17. 17. ETAPA 5 – UTILIZAÇÃO DEMÍDIAS• O professor fará a reprodução damúsica: COTIDIANO. Versão - Seu Jorge, leia a letra eprocure identificar o tema central.• Discussão oral: Discuta com os colegas: há semelhançasentre o conto e a letra da música? Quais?Filme: Como se fosse a primeira vez
  18. 18. ETAPA 6
  19. 19. ETAPA 6 – PRODUÇÃO ESCRITA1-) A tarefa de vocês agora, é digitar uma resenhado filme Como se fosse a primeira vez, na SAI epostar no blog. (trabalho em duplas)2-)Você deve escrever um artigo de opinião,discorrendo e posicionando-se sobre a questão doestresse causado pela rotina do nosso dia a dia.3-)De acordo com a orientação do professor , emgrupos, vocês vão imaginar o que aconteceu com ohomem ,depois que ele voltou para casa .

×