SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Passos para se
redigir uma boa redação
Professora: Érika Sinara F. Lustosa
Dicas e conselhos para criar
textos claros e concisos e
sair-se bem no ENEM e em
processos seletivos.
Redigir bons textos tornou-se uma exigência tão
difundida na sociedade contemporânea que chega a
ser quase impossível alcançar alguns êxitos sem que se
adquira familiaridade com a qualidade da escrita.
Desse modo, esta aula visa mostrar dicas e conselhos
para criar textos claros e sair-se bem no mercado e em
eficazes processos seletivos.
Geral:
•Aprender conceitos e dicas essencias para a produção
de textos claros e eficazes.
Específicos:
•Mostrar aos alunos os principais erros cometidos em
uma redação.
• Específicos:
Levar os alunos a identificar e utilizar os elementos
de coerência e coesão para o equilíbrio na relação
entre os termos estruturais da dissertação.
Expor aos alunos conceitos essenciais para a produção
de um bom texto dissertativo.
O que é um Texto Dissertativo
Dissertar é o mesmo que desenvolver ou explicar um
assunto. Em princípio, o texto dissertativo não está
preocupado com a persuasão e sim, com a
transmissão de conhecimento, sendo, portanto, um
texto informativo.
O que é um Texto Dissertativo
• Os textos argumentativos, ao contrário, têm por
finalidade principal persuadir o leitor sobre o ponto
de vista do autor a respeito do assunto. Quando o
texto, além de explicar, também persuade o
interlocutor e modifica seu comportamento, temos um
texto dissertativo-argumentativo.
Elementos para uma Boa Redação
Coerência e Coesão
•Coerência - A coerência textual é a relação lógica entre
as ideias, pois essas devem se complementar. Resultado
da não contradição entre as partes do texto.
•Coesão - É a conexão, ligação, harmonia entre os
elementos de um texto.
A Importância dos Conectivos
A coesão de um texto depende muito da relação entre as
orações que formam os períodos e os parágrafos. Os
períodos compostos precisam ser relacionados por meio
de conectivos adequados, se não quisermos torná-los
incompreensíveis.
Para cada tipo de relação que se pretende estabelecer
entre duas orações, existe uma conjunção que se adapta
perfeitamente a ela.
Exemplos de Conectivos
Contraste, oposição, restrição, ressalva:
•pelo contrário, exceto, menos, mas, contudo, todavia,
entretanto, no entanto, embora, apesar de, ainda que,
mesmo que, se bem que, por mais que, por menos que,
só que.
Resumo, recapitulação, conclusão:
•em suma, em síntese, enfim, em resumo, portanto,
assim, dessa forma, dessa maneira, desse modo, logo,
assim sendo.
Como Fazer Uma Boa Dissertação?
Quer fazer uma boa dissertação? Todos desejam ser
bem avaliados em suas dissertações, afinal, esse tipo de
texto é cobrado na maioria dos processos seletivos.
Portanto, fique atento quanto às características dessa
modalidade textual. Muitos escrevem, escrevem e não
procuram saber nem mesmo o básico necessário para se
fazer um texto dissertativo.
Então, seja cauteloso em sua dissertação quanto aos
seguintes pontos:
Como Fazer Uma Boa Dissertação?
a) Verbos: os verbos devem estar em terceira pessoa,
ou seja, referindo-se a: ele, ela, eles, elas.
b) Linguagem: é formal, logo, obedece às normas
gramaticais. Dessa forma, empregos de expressões
coloquiais, ou seja, da oralidade e gírias estão excluídas,
tais como: tá boa, o bofe lá, tampá o sol com a peneira,
ninguém merece, isso está cheirando mal, sem noção,
camarada, etc.
Como Fazer Uma Boa Dissertação?
c) Palavras: devem ser usadas no seu sentido
denotativo, literal, ou melhor, no que consta no
dicionário. Deixe o sentido figurado para as poesias e
outros tipos de textos.
d) Expressões: é comum lermos: eu acho, na minha
opinião, de acordo com que penso a esse respeito, em
redações dissertativas. No entanto, essas colocações são
redundantes, pois é um texto que mostra o ponto de
vista do autor em relação a um fato. Então, é redundante
usar tais expressões, mesmo porque deve-se manter a
terceira pessoa do discurso.
Como Fazer Uma Boa Dissertação?
e) Períodos: devem ser objetivos e claros. De
preferência, mais breves, pois períodos muito longos
geram confusão. Aproveite e verifique se a pontuação
está correta: se o ponto final está presente em cada ideia
finalizada! Estará errada se as orações estiverem
emendadas por vírgulas, ocasionando o período longo e
confuso.
f) Estrutura: observe aqui a paragrafação, ou seja, a
divisão por parágrafos e também se há introdução,
desenvolvimento e uma boa conclusão. Muitas vezes,
esta última parte é esquecida!
Como Fazer Uma Boa Dissertação?
Por último observe se sua dissertação tem o mínimo de
15 linhas escritas e o máximo de 35 (tamanho exigido
na maioria dos processos seletivos, principalmente no
ENEM).
Se você seguir esses critérios básicos e suficientes da
dissertação, então, com certeza, terá uma ótima
avaliação!
Impessoalidade
Adj. e s.m. Gramática Diz-se de, ou verbo que se
emprega apenas na 3ª pess. do sing., sem um sujeito
determinado. A razão é impessoal.
•Ex.: Esperava-se que nesta segunda rodada de
debates alguma solução concreta fosse apresentada.
A marca da pessoalidade em um texto se dá pelo
emprego da primeira pessoa do singular ou do plural.
Ex.: Foi um resultado que não esperávamos, mas
fizemos tudo para merecê-lo e estamos muitos
satisfeitos com isso.
Intertextualidade
• A intertextualidade é uma espécie de conversa
entre textos; esta interação pode aparecer
explicitamente diante do leitor ou estar em uma
camada subentendida, nos mais diferentes gêneros
textuais.
Antes de escrever sua redação, é preciso planejá-la
bem, procurando elaborar um esquema. Mas cuidado,
não confunda esquema com rascunho!
Esquema é um guia que estabelecemos para ser
seguido, no qual colocamos em frases sucintas (ou
mesmo palavras) o roteiro para a elaboração do texto.
No rascunho, por outro lado, damos forma à redação,
pois nele as ideias colocadas no esquema passam a ser
redigidas, tomando a forma de frases que aos poucos se
transformam em um texto coerente.
• 1) Interrogue o tema;
• 2) Responda-o de acordo com a sua opinião;
• 3) Apresente um argumento básico;
• 4) Apresente argumentos auxiliares;
• 5) Apresente um fato-exemplo;
• 6) Conclua.
Sugestão de Produção de Texto
com Base em Esquemas
Esquema Básico da Dissertação
1° parágrafo: TEMA+ argumento 1 + argumento 2 +
argumento 3
2° parágrafo: desenvolvimento do argumento 1
3° parágrafo: desenvolvimento do argumento 2
4° parágrafo: desenvolvimento do argumento 3
5° parágrafo: expressão inicial + reafirmação do tema
final.
Tema e Ponto de Vista
Exemplo:
Chegando ao terceiro milênio, o homem
ainda não conseguiu resolver graves
problemas que preocupam a todos.
Porquê?
*arg. 1: Existem populações imersas em
completa miséria.
*arg. 2: A paz é interrompida frequentemente
por conflitos internacionais.
*arg. 3: o meio ambiente encontra-se
ameaçado por sério desequilíbrio ecológico.
Texto Desenvolvido
INTRODUÇÃO
Chegando ao terceiro milênio, o homem
ainda não conseguiu resolver os graves problemas
que preocupam a todos, pois existem populações
imersas em completa miséria, a paz é
interrompida frequentemente por conflitos
internacionais e, além do mais, o meio ambiente
encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio
ecológico.
1° parágrafo do Desenvolvimento
Embora o planeta disponha de riquezas
incalculáveis, estas, mal distribuídas, quer entre
Estados, quer entre indivíduos, encontramos
legiões de famintos em pontos específicos da terra.
Nos países do Terceiro Mundo, sobretudo em
certas regiões da África, vemos com tristeza, a
falência da solidariedade humana e da colaboração
entre nações.
2° parágrafo do Desenvolvimento
Além disso, nestas últimas décadas, temos
assistido, com certa preocupação, aos conflitos
internacionais que sucedem. Muitos trazem na
memória a triste lembrança das guerras do Vietnã e
da Coréia, as quais provocaram grande extermínio.
Em nossos dias, testemunhamos conflitos na antiga
Iugoslávia, em alguns membros da Comunidade dos
Estados Independentes, sem falar da Guerra do
Golfo, que tanta apreensão causou.
3° parágrafo do Desenvolvimento
Outra preocupação constante é o
desequilíbrio ecológico, provocado pela
ambição desmedida de alguns, que
promovem desmatamentos desordenados e
poluem as águas dos rios. Tais atitudes
contribuem para que o meio ambiente, em
virtude de tantas agressões, acabe por se
transformar em local inabitável.
Conclusão
Em virtude dos fatos mencionados, somos
levados a acreditar que o homem está muito
longe de solucionar os graves problemas que
afligem diretamente uma grande parcela da
humanidade e indiretamente a qualquer pessoa
consciente e solidária. É desejo de todos nós que
algo seja feito no sentido de conter essas forças
ameaçadoras.
Outra Redação
Redação de Isabela Carvalho Leme Vieira da
Cruz,
Rio de Janeiro (RJ).
Redação nota 1000 em 2011
Introdução
O fim do Grande Irmão
Câmeras que gravam qualquer movimento, telas
transmitindo notícias a todo minuto, o Estado e a
mídia controlando os cidadãos. O mundo idealizado
por George Orwell em seu romance 1984, onde
aparelhos denominados teletelas controlam os
habitantes de Oceania vem se tornando realidade. Com
a televisão e, principalmente, a internet, somos
influenciados – para não dizer manipulados – todos os
dias.
1º paragrafo do Desenvolvimento
Tal influência ocorre, majoritariamente, através da
mídia e da propaganda. Com elas, padrões de vida são
disseminados a uma velocidade assombrosa, fazendo a
sociedade, muitas vezes privada de consciência crítica,
absorvê-los e incorporá-los como ideais próprios.
Desse modo, deixamos de ter opinião particular para
seguir os modelos ditados pelo computador,
acreditando no que foi publicado, sem o devido
questionamento da veracidade dos fatos apresentados.
2º paragrafo do Desenvolvimento
Com isso, as novas redes sociais, surgidas nesse início
do século XXI, se tornam os principais vetores da
alienação cultural e social da população, uma vez que
todos possuem um perfil virtual com acesso
imensurável a todo o tipo de informações. Por isso,
diversas empresas e personalidades se valem da
criação de perfis próprios, atraindo diversos
seguidores, aos quais impõe sua maneira de agir e
pensar. Esses usuários, então, se tornam mais
vulneráveis e suscetíveis à manipulação virtual .
3º paragrafo do Desenvolvimento
Outro ponto negativo dessas redes, como o Facebook e o
Twitter, é o fato de todo o conteúdo publicado ficar
armazenado na internet, permitindo a determinação do
perfil dos usuários e a escolha da melhor maneira
midiática de agir para conquistá-los. Além disso, o uso
indiscriminado de tais perfis possibilita a veiculação de
imagens ou arquivos difamadores, servindo como
ferramenta política e social para aumentar a credibilidade
de determinadas personalidades, como ocorre com Hugo
Chaves em sua ditadura na Venezuela e comprometendo
outras, com falsas denúncias, por exemplo.
Conclusão
Diante disso, é necessária a aplicação de medidas
visando a um maior controle da internet. A
implantação, na grade escolar brasileira, do estudo
dessas novas tecnologias de informação, incluindo as
redes sociais, e a, consequente, formação crítica dos
brasileiros, seria um bom começo. Só assim,
poderemos negar as previsões feitas por George
Orwell e ter um futuro livre do controle e da
alienação.
• SIMPLICIDADE - Use palavras conhecidas e adequadas.
• CLAREZA - O segredo está em não deixar nada subentendido,
nem imaginar que o leitor sabe o que você quer dizer.
• OBJETIVIDADE - Você tem que expressar o máximo de
conteúdo com o menor número de palavras possíveis.
• UNIDADE - Você deve traçar uma linha coerente do começo
ao final do texto.
• LEIA E RELEIA - Lembre-se, é fundamental pensar, planejar,
escrever e reler seu texto.
A leitura é para o intelecto o
que o exercício é para o corpo.
Joseph Addison
A leitura torna o homem
completo; a conversação torna-o
ágil; e o escrever dá-lhe precisão.
Francis Bacon
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Redação enem
Redação enemRedação enem
Redação enem
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Conto
ContoConto
Conto
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 

Destaque

AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOMarcelo Cordeiro Souza
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redaçãoteleestacao
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritocolegio elite
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Jaqueline Sarges
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoBiblioteca Escolar Ourique
 

Destaque (6)

AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redação
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
 
Como elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escritoComo elaborar um trabalho escrito
Como elaborar um trabalho escrito
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 

Semelhante a Passos para uma boa redação

Elementos constituintes
Elementos constituintesElementos constituintes
Elementos constituintesJhussyenna
 
Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4ABCursos OnLine
 
O que fazer na hora do branco
O que fazer na hora do brancoO que fazer na hora do branco
O que fazer na hora do brancoWilton Ricardo
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corenciaDior FG
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativocomplementoindirecto
 
Relações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.ppt
Relações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.pptRelações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.ppt
Relações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.pptCarolinaLorenaCoelho1
 
Lp Slides Aula 2
Lp   Slides   Aula 2Lp   Slides   Aula 2
Lp Slides Aula 2annave
 
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdfPDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdfSelmaViana4
 
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdfInterpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdfgabrielbrumdias
 
Redação no enem 2013
Redação no enem 2013Redação no enem 2013
Redação no enem 2013Kleber Brito
 
Redação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafoRedação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafoKatcavenum
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagemjohnypakato
 
Aula 3 esquema básico de dissertação
Aula 3  esquema básico de dissertaçãoAula 3  esquema básico de dissertação
Aula 3 esquema básico de dissertaçãoAndréa Blessed
 

Semelhante a Passos para uma boa redação (20)

Elementos constituintes
Elementos constituintesElementos constituintes
Elementos constituintes
 
Aula05 - Comunicação oral e escrita
Aula05 - Comunicação oral e escritaAula05 - Comunicação oral e escrita
Aula05 - Comunicação oral e escrita
 
Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4Curso de Redação- Parte 4/4
Curso de Redação- Parte 4/4
 
O que fazer na hora do branco
O que fazer na hora do brancoO que fazer na hora do branco
O que fazer na hora do branco
 
Coesao e corencia
Coesao e corenciaCoesao e corencia
Coesao e corencia
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
 
Relações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.ppt
Relações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.pptRelações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.ppt
Relações textuais indicadas por meio de expressões conectoras.ppt
 
Iii aula parágrafo
Iii aula parágrafoIii aula parágrafo
Iii aula parágrafo
 
1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa1 lingua portuguesa
1 lingua portuguesa
 
Lp Slides Aula 2
Lp   Slides   Aula 2Lp   Slides   Aula 2
Lp Slides Aula 2
 
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdfPDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
PDF_JACKSON_BEZERRA_PORTUGUES_TEORIA.pdf
 
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdfInterpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
Interpretacao_de_Textos_TEORIA_e_800_QUE.pdf
 
Redação no enem 2013
Redação no enem 2013Redação no enem 2013
Redação no enem 2013
 
Dissertação argumentativa
Dissertação argumentativaDissertação argumentativa
Dissertação argumentativa
 
O texto em rádio
O texto em rádioO texto em rádio
O texto em rádio
 
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
 
Redação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafoRedação o estudo do parágrafo
Redação o estudo do parágrafo
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
Aula 3 esquema básico de dissertação
Aula 3  esquema básico de dissertaçãoAula 3  esquema básico de dissertação
Aula 3 esquema básico de dissertação
 

Mais de Sinara Lustosa

Português instrumental I
Português instrumental IPortuguês instrumental I
Português instrumental ISinara Lustosa
 
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadasSinara Lustosa
 
Português instrumental II
Português instrumental IIPortuguês instrumental II
Português instrumental IISinara Lustosa
 
Educação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisEducação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisSinara Lustosa
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaSinara Lustosa
 
Recursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosRecursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosSinara Lustosa
 
Agricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialAgricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialSinara Lustosa
 

Mais de Sinara Lustosa (9)

Português instrumental I
Português instrumental IPortuguês instrumental I
Português instrumental I
 
Frase, oração e período - Orações coordenadas
Frase, oração e período  - Orações coordenadasFrase, oração e período  - Orações coordenadas
Frase, oração e período - Orações coordenadas
 
Português instrumental II
Português instrumental IIPortuguês instrumental II
Português instrumental II
 
Educação e Redes Sociais
Educação e Redes SociaisEducação e Redes Sociais
Educação e Redes Sociais
 
Fontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de EnergiaFontes Alternativas de Energia
Fontes Alternativas de Energia
 
Recursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicosRecursos minerais não metálicos
Recursos minerais não metálicos
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Espanhol primeiro ano
Espanhol primeiro anoEspanhol primeiro ano
Espanhol primeiro ano
 
Agricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrialAgricultura na sociedade urbano-industrial
Agricultura na sociedade urbano-industrial
 

Último

CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSilvana Silva
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxleandropereira983288
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?Rosalina Simão Nunes
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 

Último (20)

CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptxSlides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
Slides 1 - O gênero textual entrevista.pptx
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 

Passos para uma boa redação

  • 1. Passos para se redigir uma boa redação Professora: Érika Sinara F. Lustosa
  • 2. Dicas e conselhos para criar textos claros e concisos e sair-se bem no ENEM e em processos seletivos.
  • 3. Redigir bons textos tornou-se uma exigência tão difundida na sociedade contemporânea que chega a ser quase impossível alcançar alguns êxitos sem que se adquira familiaridade com a qualidade da escrita. Desse modo, esta aula visa mostrar dicas e conselhos para criar textos claros e sair-se bem no mercado e em eficazes processos seletivos.
  • 4. Geral: •Aprender conceitos e dicas essencias para a produção de textos claros e eficazes. Específicos: •Mostrar aos alunos os principais erros cometidos em uma redação.
  • 5. • Específicos: Levar os alunos a identificar e utilizar os elementos de coerência e coesão para o equilíbrio na relação entre os termos estruturais da dissertação. Expor aos alunos conceitos essenciais para a produção de um bom texto dissertativo.
  • 6. O que é um Texto Dissertativo Dissertar é o mesmo que desenvolver ou explicar um assunto. Em princípio, o texto dissertativo não está preocupado com a persuasão e sim, com a transmissão de conhecimento, sendo, portanto, um texto informativo.
  • 7. O que é um Texto Dissertativo • Os textos argumentativos, ao contrário, têm por finalidade principal persuadir o leitor sobre o ponto de vista do autor a respeito do assunto. Quando o texto, além de explicar, também persuade o interlocutor e modifica seu comportamento, temos um texto dissertativo-argumentativo.
  • 8. Elementos para uma Boa Redação Coerência e Coesão •Coerência - A coerência textual é a relação lógica entre as ideias, pois essas devem se complementar. Resultado da não contradição entre as partes do texto. •Coesão - É a conexão, ligação, harmonia entre os elementos de um texto.
  • 9. A Importância dos Conectivos A coesão de um texto depende muito da relação entre as orações que formam os períodos e os parágrafos. Os períodos compostos precisam ser relacionados por meio de conectivos adequados, se não quisermos torná-los incompreensíveis. Para cada tipo de relação que se pretende estabelecer entre duas orações, existe uma conjunção que se adapta perfeitamente a ela.
  • 10. Exemplos de Conectivos Contraste, oposição, restrição, ressalva: •pelo contrário, exceto, menos, mas, contudo, todavia, entretanto, no entanto, embora, apesar de, ainda que, mesmo que, se bem que, por mais que, por menos que, só que. Resumo, recapitulação, conclusão: •em suma, em síntese, enfim, em resumo, portanto, assim, dessa forma, dessa maneira, desse modo, logo, assim sendo.
  • 11. Como Fazer Uma Boa Dissertação? Quer fazer uma boa dissertação? Todos desejam ser bem avaliados em suas dissertações, afinal, esse tipo de texto é cobrado na maioria dos processos seletivos. Portanto, fique atento quanto às características dessa modalidade textual. Muitos escrevem, escrevem e não procuram saber nem mesmo o básico necessário para se fazer um texto dissertativo. Então, seja cauteloso em sua dissertação quanto aos seguintes pontos:
  • 12. Como Fazer Uma Boa Dissertação? a) Verbos: os verbos devem estar em terceira pessoa, ou seja, referindo-se a: ele, ela, eles, elas. b) Linguagem: é formal, logo, obedece às normas gramaticais. Dessa forma, empregos de expressões coloquiais, ou seja, da oralidade e gírias estão excluídas, tais como: tá boa, o bofe lá, tampá o sol com a peneira, ninguém merece, isso está cheirando mal, sem noção, camarada, etc.
  • 13. Como Fazer Uma Boa Dissertação? c) Palavras: devem ser usadas no seu sentido denotativo, literal, ou melhor, no que consta no dicionário. Deixe o sentido figurado para as poesias e outros tipos de textos. d) Expressões: é comum lermos: eu acho, na minha opinião, de acordo com que penso a esse respeito, em redações dissertativas. No entanto, essas colocações são redundantes, pois é um texto que mostra o ponto de vista do autor em relação a um fato. Então, é redundante usar tais expressões, mesmo porque deve-se manter a terceira pessoa do discurso.
  • 14. Como Fazer Uma Boa Dissertação? e) Períodos: devem ser objetivos e claros. De preferência, mais breves, pois períodos muito longos geram confusão. Aproveite e verifique se a pontuação está correta: se o ponto final está presente em cada ideia finalizada! Estará errada se as orações estiverem emendadas por vírgulas, ocasionando o período longo e confuso. f) Estrutura: observe aqui a paragrafação, ou seja, a divisão por parágrafos e também se há introdução, desenvolvimento e uma boa conclusão. Muitas vezes, esta última parte é esquecida!
  • 15. Como Fazer Uma Boa Dissertação? Por último observe se sua dissertação tem o mínimo de 15 linhas escritas e o máximo de 35 (tamanho exigido na maioria dos processos seletivos, principalmente no ENEM). Se você seguir esses critérios básicos e suficientes da dissertação, então, com certeza, terá uma ótima avaliação!
  • 16. Impessoalidade Adj. e s.m. Gramática Diz-se de, ou verbo que se emprega apenas na 3ª pess. do sing., sem um sujeito determinado. A razão é impessoal. •Ex.: Esperava-se que nesta segunda rodada de debates alguma solução concreta fosse apresentada. A marca da pessoalidade em um texto se dá pelo emprego da primeira pessoa do singular ou do plural. Ex.: Foi um resultado que não esperávamos, mas fizemos tudo para merecê-lo e estamos muitos satisfeitos com isso.
  • 17. Intertextualidade • A intertextualidade é uma espécie de conversa entre textos; esta interação pode aparecer explicitamente diante do leitor ou estar em uma camada subentendida, nos mais diferentes gêneros textuais.
  • 18. Antes de escrever sua redação, é preciso planejá-la bem, procurando elaborar um esquema. Mas cuidado, não confunda esquema com rascunho! Esquema é um guia que estabelecemos para ser seguido, no qual colocamos em frases sucintas (ou mesmo palavras) o roteiro para a elaboração do texto.
  • 19. No rascunho, por outro lado, damos forma à redação, pois nele as ideias colocadas no esquema passam a ser redigidas, tomando a forma de frases que aos poucos se transformam em um texto coerente.
  • 20. • 1) Interrogue o tema; • 2) Responda-o de acordo com a sua opinião; • 3) Apresente um argumento básico; • 4) Apresente argumentos auxiliares; • 5) Apresente um fato-exemplo; • 6) Conclua.
  • 21. Sugestão de Produção de Texto com Base em Esquemas
  • 22. Esquema Básico da Dissertação 1° parágrafo: TEMA+ argumento 1 + argumento 2 + argumento 3 2° parágrafo: desenvolvimento do argumento 1 3° parágrafo: desenvolvimento do argumento 2 4° parágrafo: desenvolvimento do argumento 3 5° parágrafo: expressão inicial + reafirmação do tema final.
  • 23. Tema e Ponto de Vista Exemplo: Chegando ao terceiro milênio, o homem ainda não conseguiu resolver graves problemas que preocupam a todos.
  • 24. Porquê? *arg. 1: Existem populações imersas em completa miséria. *arg. 2: A paz é interrompida frequentemente por conflitos internacionais. *arg. 3: o meio ambiente encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio ecológico.
  • 25. Texto Desenvolvido INTRODUÇÃO Chegando ao terceiro milênio, o homem ainda não conseguiu resolver os graves problemas que preocupam a todos, pois existem populações imersas em completa miséria, a paz é interrompida frequentemente por conflitos internacionais e, além do mais, o meio ambiente encontra-se ameaçado por sério desequilíbrio ecológico.
  • 26. 1° parágrafo do Desenvolvimento Embora o planeta disponha de riquezas incalculáveis, estas, mal distribuídas, quer entre Estados, quer entre indivíduos, encontramos legiões de famintos em pontos específicos da terra. Nos países do Terceiro Mundo, sobretudo em certas regiões da África, vemos com tristeza, a falência da solidariedade humana e da colaboração entre nações.
  • 27. 2° parágrafo do Desenvolvimento Além disso, nestas últimas décadas, temos assistido, com certa preocupação, aos conflitos internacionais que sucedem. Muitos trazem na memória a triste lembrança das guerras do Vietnã e da Coréia, as quais provocaram grande extermínio. Em nossos dias, testemunhamos conflitos na antiga Iugoslávia, em alguns membros da Comunidade dos Estados Independentes, sem falar da Guerra do Golfo, que tanta apreensão causou.
  • 28. 3° parágrafo do Desenvolvimento Outra preocupação constante é o desequilíbrio ecológico, provocado pela ambição desmedida de alguns, que promovem desmatamentos desordenados e poluem as águas dos rios. Tais atitudes contribuem para que o meio ambiente, em virtude de tantas agressões, acabe por se transformar em local inabitável.
  • 29. Conclusão Em virtude dos fatos mencionados, somos levados a acreditar que o homem está muito longe de solucionar os graves problemas que afligem diretamente uma grande parcela da humanidade e indiretamente a qualquer pessoa consciente e solidária. É desejo de todos nós que algo seja feito no sentido de conter essas forças ameaçadoras.
  • 30. Outra Redação Redação de Isabela Carvalho Leme Vieira da Cruz, Rio de Janeiro (RJ). Redação nota 1000 em 2011
  • 31. Introdução O fim do Grande Irmão Câmeras que gravam qualquer movimento, telas transmitindo notícias a todo minuto, o Estado e a mídia controlando os cidadãos. O mundo idealizado por George Orwell em seu romance 1984, onde aparelhos denominados teletelas controlam os habitantes de Oceania vem se tornando realidade. Com a televisão e, principalmente, a internet, somos influenciados – para não dizer manipulados – todos os dias.
  • 32. 1º paragrafo do Desenvolvimento Tal influência ocorre, majoritariamente, através da mídia e da propaganda. Com elas, padrões de vida são disseminados a uma velocidade assombrosa, fazendo a sociedade, muitas vezes privada de consciência crítica, absorvê-los e incorporá-los como ideais próprios. Desse modo, deixamos de ter opinião particular para seguir os modelos ditados pelo computador, acreditando no que foi publicado, sem o devido questionamento da veracidade dos fatos apresentados.
  • 33. 2º paragrafo do Desenvolvimento Com isso, as novas redes sociais, surgidas nesse início do século XXI, se tornam os principais vetores da alienação cultural e social da população, uma vez que todos possuem um perfil virtual com acesso imensurável a todo o tipo de informações. Por isso, diversas empresas e personalidades se valem da criação de perfis próprios, atraindo diversos seguidores, aos quais impõe sua maneira de agir e pensar. Esses usuários, então, se tornam mais vulneráveis e suscetíveis à manipulação virtual .
  • 34. 3º paragrafo do Desenvolvimento Outro ponto negativo dessas redes, como o Facebook e o Twitter, é o fato de todo o conteúdo publicado ficar armazenado na internet, permitindo a determinação do perfil dos usuários e a escolha da melhor maneira midiática de agir para conquistá-los. Além disso, o uso indiscriminado de tais perfis possibilita a veiculação de imagens ou arquivos difamadores, servindo como ferramenta política e social para aumentar a credibilidade de determinadas personalidades, como ocorre com Hugo Chaves em sua ditadura na Venezuela e comprometendo outras, com falsas denúncias, por exemplo.
  • 35. Conclusão Diante disso, é necessária a aplicação de medidas visando a um maior controle da internet. A implantação, na grade escolar brasileira, do estudo dessas novas tecnologias de informação, incluindo as redes sociais, e a, consequente, formação crítica dos brasileiros, seria um bom começo. Só assim, poderemos negar as previsões feitas por George Orwell e ter um futuro livre do controle e da alienação.
  • 36. • SIMPLICIDADE - Use palavras conhecidas e adequadas. • CLAREZA - O segredo está em não deixar nada subentendido, nem imaginar que o leitor sabe o que você quer dizer. • OBJETIVIDADE - Você tem que expressar o máximo de conteúdo com o menor número de palavras possíveis. • UNIDADE - Você deve traçar uma linha coerente do começo ao final do texto. • LEIA E RELEIA - Lembre-se, é fundamental pensar, planejar, escrever e reler seu texto.
  • 37. A leitura é para o intelecto o que o exercício é para o corpo. Joseph Addison A leitura torna o homem completo; a conversação torna-o ágil; e o escrever dá-lhe precisão. Francis Bacon