SlideShare uma empresa Scribd logo

Linguagem, língua, escrita e oralidade

Reconhecer que a língua está em constante mudança e que tais mudanças são fenômenos sociais, regionais, os quais resultam em diferentes formas de registro.

1 de 50
Baixar para ler offline
Linguagem, língua, escrita e oralidade
LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE
Linguagem
 Todo indivíduo pertence a uma nação ou comunidade,
na qual cria raízes, com a qual se identifica ou é
identificado.
 Nesse grupo, ocorrem a troca experiências e a
absorção de saberes e comportamentos, graças à
utilização de signos culturais típicos dessa sociedade,
que foram se acumulando através dos tempos.
LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE
Linguagem
 O homem vive entre de dois universos:
composto de tudo que é material
composto de tudo que é abstrato
físico ou natural  intelectual ou cultural
LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE
Linguagem
 Cultura é…
 o universo das ideias, da inteligência e da criação.
 o somatório de todas as contribuições resultantes da
atividade intelectual do homem sobre o mundo físico.
 É através das palavras que se perpetuam as
aquisições intelectuais dos povos.
LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE
Linguagem
 “Linguagem é qualquer meio sistemático de comunicar
ideias ou sentimentos através de signos convencionais,
sonoros, gráficos, gestuais, ou seja, a linguagem é todo
ato de comunicação, seja por que meio for.”
(Dicionário Houaiss)
LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE
Linguagem
 Quando o homem cria um novo sentido para uma
palavra, cria novas maneiras para expressar
significados, traduz em texto suas experiências e o
mundo em que vive.
 É por meio da linguagem que se amplia a cultura.
 Então, a linguagem é uma manifestação cultural.

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagemKelly Moraes
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacaobubble13
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaDenise Oliveira
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Professor Rômulo Viana
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04Lygia Souza
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesaGerdian Teixeira
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguísticaDenise
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagemValeria Nunes
 

Mais procurados (20)

Gramática
GramáticaGramática
Gramática
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Concepções de linguagem
Concepções de linguagemConcepções de linguagem
Concepções de linguagem
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aulaOralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
Oralidade e gêneros orais: um olhar sobre as práticas orais em sala de aula
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Ensino da lingua portuguesa
Ensino da  lingua portuguesaEnsino da  lingua portuguesa
Ensino da lingua portuguesa
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Gramatica
GramaticaGramatica
Gramatica
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Fonética & fonologia
Fonética & fonologiaFonética & fonologia
Fonética & fonologia
 

Destaque

Aula de lingua portuguesa slides
Aula de lingua portuguesa slidesAula de lingua portuguesa slides
Aula de lingua portuguesa slidesbetaniap
 
Aula3 linguagem formal e informal prof andre luiz
Aula3  linguagem formal e informal  prof andre luizAula3  linguagem formal e informal  prof andre luiz
Aula3 linguagem formal e informal prof andre luizAndré Figundio
 
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaA formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaFernanda Moliterno
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaGlacemi Loch
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesaveroleal
 
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...myrianlaste
 
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...André Figundio
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoblogdoalunocefa
 
Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaRoselene Rocha
 
A gramática portuguesa
A gramática portuguesaA gramática portuguesa
A gramática portuguesaJoão Patacão
 

Destaque (13)

A lingua portuguesa
A lingua portuguesaA lingua portuguesa
A lingua portuguesa
 
Aula de lingua portuguesa slides
Aula de lingua portuguesa slidesAula de lingua portuguesa slides
Aula de lingua portuguesa slides
 
Aula3 linguagem formal e informal prof andre luiz
Aula3  linguagem formal e informal  prof andre luizAula3  linguagem formal e informal  prof andre luiz
Aula3 linguagem formal e informal prof andre luiz
 
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguisticaA formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
A formação-do-professor-alfabetizador-e-a-linguistica
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
Gramática.Noções Básicas
Gramática.Noções BásicasGramática.Noções Básicas
Gramática.Noções Básicas
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
O ensino da língua portuguesa seminário diana bovi_emanuelecomim_julianabonot...
 
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
Português Aula1: A importância da língua portuguesa e da leitura (PRONATEC - ...
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
 
A gramática portuguesa
A gramática portuguesaA gramática portuguesa
A gramática portuguesa
 
Aula de português
Aula de portuguêsAula de português
Aula de português
 

Semelhante a Linguagem, língua, escrita e oralidade

Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaKaren Olivan
 
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxsec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxirmaosbatista2023
 
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdfAula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdflucasicm
 
Idiomas
IdiomasIdiomas
Idiomasedi
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaKaren Olivan
 
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptxROSAMONTEIROMARQUES
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012Mariana Correia
 
Seminário filologia
Seminário filologiaSeminário filologia
Seminário filologiaMyrian Conor
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaJowandreo Paixão
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaLarissa Oliveira
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaLarissa Oliveira
 
Historia5 identidade cultural
Historia5 identidade culturalHistoria5 identidade cultural
Historia5 identidade culturalhsurdez
 
A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da línguaVanda Marques
 
Aula de imersão linguagem, língua e fala
Aula  de  imersão  linguagem, língua e falaAula  de  imersão  linguagem, língua e fala
Aula de imersão linguagem, língua e falaRenato Oliveira
 
Aprsentação.pptx
Aprsentação.pptxAprsentação.pptx
Aprsentação.pptxFabis13
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essamarciaorion
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdosprofamiriamnavarro
 

Semelhante a Linguagem, língua, escrita e oralidade (20)

Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxsec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
 
Linguagem E Sociedade
Linguagem E SociedadeLinguagem E Sociedade
Linguagem E Sociedade
 
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdfAula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
Aula_1___L_ngua__linguagem_e_variedades_lingu_sticas.pdf
 
Idiomas
IdiomasIdiomas
Idiomas
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e língua
 
Língua pdf
Língua pdfLíngua pdf
Língua pdf
 
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
_Aula 02 - Língua Portuguesa.pptx
 
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
Parte 1   linguística geral  apresentação 2012Parte 1   linguística geral  apresentação 2012
Parte 1 linguística geral apresentação 2012
 
Aula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdfAula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdf
 
Seminário filologia
Seminário filologiaSeminário filologia
Seminário filologia
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua Portuguesa
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua Portuguesa
 
Historia5 identidade cultural
Historia5 identidade culturalHistoria5 identidade cultural
Historia5 identidade cultural
 
A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da língua
 
Aula de imersão linguagem, língua e fala
Aula  de  imersão  linguagem, língua e falaAula  de  imersão  linguagem, língua e fala
Aula de imersão linguagem, língua e fala
 
Aprsentação.pptx
Aprsentação.pptxAprsentação.pptx
Aprsentação.pptx
 
Que língua é essa
Que língua é essaQue língua é essa
Que língua é essa
 
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os SurdosLIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
LIBRAS AULA 2: As línguas de sinais: sua importância para os Surdos
 

Mais de Karen Olivan

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanholKaren Olivan
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntosKaren Olivan
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatroKaren Olivan
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativoKaren Olivan
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOKaren Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisKaren Olivan
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavrasKaren Olivan
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo portuguêsKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoKaren Olivan
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoKaren Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Karen Olivan
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraKaren Olivan
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem Karen Olivan
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literáriasKaren Olivan
 

Mais de Karen Olivan (20)

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativo
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literárias
 
ARTES
ARTESARTES
ARTES
 

Último

1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...apoioacademicoead
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfalexandrerodriguespk
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...excellenceeducaciona
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 

Último (20)

1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
3. Como você (aluno) relaciona as informações coletadas na entrevista com o c...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA ESTRELAS - VOLUME 6. EDIÇÃO 2^^.pdf
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
Discorra sobre a classificação da interpretação jurídica quanto à sua origem ...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 

Linguagem, língua, escrita e oralidade

  • 2. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  Todo indivíduo pertence a uma nação ou comunidade, na qual cria raízes, com a qual se identifica ou é identificado.  Nesse grupo, ocorrem a troca experiências e a absorção de saberes e comportamentos, graças à utilização de signos culturais típicos dessa sociedade, que foram se acumulando através dos tempos.
  • 3. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  O homem vive entre de dois universos: composto de tudo que é material composto de tudo que é abstrato físico ou natural  intelectual ou cultural
  • 4. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  Cultura é…  o universo das ideias, da inteligência e da criação.  o somatório de todas as contribuições resultantes da atividade intelectual do homem sobre o mundo físico.  É através das palavras que se perpetuam as aquisições intelectuais dos povos.
  • 5. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  “Linguagem é qualquer meio sistemático de comunicar ideias ou sentimentos através de signos convencionais, sonoros, gráficos, gestuais, ou seja, a linguagem é todo ato de comunicação, seja por que meio for.” (Dicionário Houaiss)
  • 6. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  Quando o homem cria um novo sentido para uma palavra, cria novas maneiras para expressar significados, traduz em texto suas experiências e o mundo em que vive.  É por meio da linguagem que se amplia a cultura.  Então, a linguagem é uma manifestação cultural.
  • 7. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  A linguagem é a capacidade humana de poder comunicar pensamentos.  Nosso corpo também é comunicativo, também possui linguagem própria, seja pela postura, pelo olhar, pelo gesto etc.
  • 9. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  Linguagem unidade básica: palavra unidade básica: aquelas que excluem a palavra (gestos, sons etc.)  Verbal Não verbal Mista +
  • 10. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Linguagem  Conclusão: a linguagem humana permite a interação, a comunicação entre as pessoas, logo é um fenômeno universal.
  • 11. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Língua  A língua é um conjunto de signos convencionais utilizados por um grupo social.  Entende-se por signo linguístico a união indissolúvel de um significante (parte material) e um significado (ideia).  A língua é formada de regras a serem respeitadas por todos os que dela fazem uso, para que a comunicação entre os cidadãos ocorre sem problemas.
  • 12. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Língua  Gramática é a sistemática das normas da língua.  Por ser utilizada por pessoas de determinado grupo, a língua é um fenômeno social.
  • 14. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Oralidade  A oralidade é a língua na forma de som.
  • 15. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Norma padrão e variação linguística Norma padrão  A língua sofre transformações no tempo e no espaço, logo é um sistema vivo.  A uniformidade da língua se dá pela norma padrão.  A rigor, o uso da norma padrão depende do contexto e da situação comunicativa em que se encontra o usuário da língua.
  • 16. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Norma padrão e variação linguística Variação linguística  No Brasil, agrupamos as variantes em: Variantes nacionais  O português falado no Brasil apresenta diferenças de vocabulário e pronúncia em relação ao falado em Portugal.
  • 17. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Norma padrão e variação linguística Variação linguística  No Brasil, agrupamos as variantes em: Variantes regionais  As diferentes regiões do Brasil apresentam variações de pronúncia (sotaque) e léxico (vocabulário).
  • 18. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Norma padrão e variação linguística Variação socioculturais  Dizem respeito ao grau de instrução, nível socioeconômico, sexo, profissão e idade do falante.  Apesar de todas as variantes linguísticas, a norma culta é a variante de maior prestígio social porque é ensinada na escola e utilizada na maior parte dos livros, jornais, obras científicas, textos acadêmicos etc.
  • 19. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Norma padrão e variação linguística Variação socioculturais  As outras variantes que contêm desvios da norma padrão são chamados de norma popular.  Então, dependendo da situação comunicativa (oral ou escrita), existem níveis diferentes de linguagem ou graus de formalismo.
  • 20. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Norma padrão e variação linguística Graus de formalismo Formal  Linguagem que segue fielmente a norma padrão.  Exemplo: O professor doutor convidado a participar como palestrante neste simpósio fará sua exposição às 20 horas no Salão Nobre.
  • 21. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE Norma padrão e variação linguística Graus de formalismo Informal ou coloquial  Linguagem sem a rigidez das normas gramaticais, descontraída, afetiva. É a linguagem do dia a dia, aquela que usamos com pessoas de nossas relações mais próximas ou apenas conhecidas.  Exemplo: A gente já tá cheio de tanta corrupção.
  • 22. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Há milhares de anos, na atual península Ibérica, habitavam os iberos.  Os celtas, contudo, povo mais numeroso e mais antigo, que viviam perambulando pelo território europeu, invadiram a península e se misturaram aos iberos. Dessa mistura nasceram os celtiberos.
  • 23. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  No ano 219 a.C., os romanos (povo mais poderoso e de civilização mais avançada na Europa na época) invadiram e dominaram a península, submetendo a seu domínio os celtiberos.
  • 24. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Os romanos, habitantes do Lácio na península Itálica, construíram cidades, introduziram culturas, abriram estradas, deram àquela região uma feição organizativa e administrativa que os povos primitivos não conheciam.
  • 25. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Ao dominarem inteiramente a vida política, econômica, administrativa e cultural da península, a língua que trouxeram da Roma antiga (o latim) começou a se misturar, na boca do povo, com o celtibero, até então falado pelos antigos habitantes do lugar.
  • 26. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Mas o latim, falado principalmente pelos soldados invasores, prestava-se melhor à comunicação de uma vida mais complicada, isto é, mais civilizada.  Pouco mais de meio século depois, a península foi invadida pelos povos bárbaros, que eram menos civilizados e, portanto, assimilararam os costumes e a língua.
  • 27. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Em 711 de nossa era, houve uma nova invasão: os mouros, que permaneceram por mais de 700 anos como verdadeiros donos de mais da metade do que hoje são Espanha e Portugal.  Afonso IV, rei das Hespanhas (Leão, Castela e Aragão), pediu auxílio para expulsar os invasores maometanos. O que ocorreu em 1492, pouco antes do descobrimento do Brasil.
  • 28. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Nessa época já se falava, principalmente entre o povo inculto, uma língua que nada mais era do que a mistura de tantas influências.  Afonso Henrique no comando do agora reino português preocupou-se em adotar a língua falada pelo povo como a língua oficial do reino.  Come- çaram, então, a se desenvolver textos literários, religiosos, forenses, nessa língua que o povo entendia.
  • 29. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Hoje, o português é língua oficial em Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Em algumas regiões da Ásia (Macau, Goa, Damão e Malaca), o português é falado por uma parcela da população. Cerca de 250 milhões de pessoas falam nossa língua no mundo.  A partir do século XV, com as grandes navegações portuguesas, teve início a expansão do português.
  • 30. LINGUAGEM, LÍNGUA, ESCRITA E ORALIDADE História da Língua Portuguesa  Com relação à vinda dos portugueses ao Brasil, sabemos que o contato com o europeu foi devastador para o índio. Se não fosse isso, provavelmente o Brasil seria um país bilíngue, com parte da população falando também o tupi.  Além disso, nossa língua sofreu influência dos negros na cultura brasileira.
  • 31. LINGUAGEM E IDEOLOGIA O que precisamos para compreender um texto? Essa atribuição de sentido sempre dá certo? Vejamos algumas situações: Atribuir sentido. Não, pois as pessoas nem sempre estão sintonizadas na mesma estação.
  • 35. De: Leninha lele_2011@zetamail.com.br Assunto: Início das aulas Para zyw@yahoo.com.br Data: Domingo, 6 de fevereiro de 2011, 17:18 Oi cara Tô te enviando esta mensagem para te dizer que a fêmea ruminante deslocou-se para terreno sáfaro e alagadiço. Eu rompi a face, creditei o maior primata: emprestei uma grana para um cara que conheci na praia e ele não me pagou, fiquei sem dinheiro. Degluti um batráquio, mas decidi derrubar, com a extremidade do membro inferior, o suporte sustentáculo de uma das unidades de acampamento. Não é prosopopeia flácida para acalentar bovinos. Tô aqui, trabalhando num bar, para conseguir grana para voltar para casa. Quando chegar aí, vou derrubar com intenções mortais. Vc pode justificar a minha ausência com os professores aí da escola? Saudade Leninha LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 36. A fêmea ruminante deslocou-se para terreno sáfaro e alagadiço. LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 37. Prosopopeia flácida para acalentar bovino. LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 40. Derrubar, com a extremidade do membro inferior, o suporte sustentáculo de uma das unidades de acampamento. LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 41. Derrubar com intenções mortais. LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 43. A compreensão de um texto varia de pessoa para pessoa. LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 44. Jargão é um vocabulário usado por um grupo social ou profissional. O jargão nasce quando sai do meio social ou profissional em que é empregado e torna-se uma linguagem que é difundida por pedantismo ou exibicionismo. LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 46. Psicologuês: "A atual classificação de doenças não acompanha o sofrimento mental do ser humano de hoje" LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 47. Mediquês: "O remédio teve efeito contrário, mas não causará problema se suspenso logo" LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 48. Sindicalês: "Ele luta para garantir o direito do trabalhador. É bem preparado, mas não está ligado a nenhuma facção política do movimento sindical" LINGUAGEM E IDEOLOGIA
  • 49. Juridiquês: "O estupro aconteceu sob violência física ou sob ameaça grave?" LINGUAGEM E IDEOLOGIA