SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
OS GÊNEROS DE TEXTO E OS TIPOS DE
DISCURSO COMO FORMATOS DAS
INTERAÇÕES PROPICIADORAS DE
DESENVOLVIMENTO
In: BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem,
discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP:
Mercado das Letras, 2006.
Slides by Raquel Salcedo Gomes
O PROJETO DO ISD
O ISD filia-se a uma Psicologia da Linguagem inscrita
no quadro epistemológico das Ciências Humanas/
Sociais chamado interacionismo social.
Porém, ao contrário da Psicologia da Linguagem
tradicional, o ISD vê a linguagem como o instrumento
fundador e organizador do funcionamento humano.
Assim, o ISD se pretende uma teoria global do
funcionamento psicológico, que toma como unidades
de análise a linguagem, o agir e o pensamento
consciente.
O interacionismo social, ao qual o ISD se filia, não negligencia
as dimensões biológicas/cognitivas do desenvolvimento
humano, mas as toma a partir da continuidade da evolução
das espécies enquanto processo, conforme contribuições
de Darwin, Hegel e Marx/Engels, em que está implicada a
história das interações humanas.
Esta corrente opõe-se a três princípios da tradição
filosófico-científica: i) o princípio da finitude e estabilidade
dos mecanismos de organização do universo, formulado
pela física de Newton, com caráter determinista e
reversível; ii) o princípio do recorte dos objetos e
subobjetos de conhecimento, que fracionou as ciências,
especialmente as Humanas/Sociais, a partir da
epistemologia positivista de Comte; iii) o princípio do
dualismo cartesiano, que divide o ser humano em corpo e
alma.
O INTERACIONISMO NO
SÉC. XX
O interacionismo foi defendido porVygotski, Bühler, Dewey,
Dilthey, Mead, Politzer, Spranger,Wallon e outros.
Uma das apresentações mais precisas do interacionismo inicial
está em Marxismo e filosofia da linguagem, deVolochinov
(Bakhtin, 1929).
Nessa obra, o autor afirma: i) toda a produção ideológica é de
natureza semiótica (“o signo é ideológico”); ii) esses “signos-
ideias” provêm da interação social, sendo condicionados por
ela e apresentando caráter dialógico: inscrevem-se em um
horizonte social e dirigem-se a um auditório social; iii) todo
discurso interior, todo pensamento ou consciência é,
portanto, também de natureza semiótica e dialógica.
O intuito, na obra, era o de elucidar as condições de
constituição do pensamento consciente humano, com um
programa de pesquisa que deveria: i) incidir sobre as
condições e os processos de interação social; ii) incidir
sobre as formas de enunciação que materializam ou
semiotizam essas interações; iii) abordar a organização
das unidades-signos no interior dessas formas.
O interacionismo ficou esquecido entre 1930 e 1970 com
o congelamento positivista, sendo redescoberto a partir
da leitura da obra deVygotski, nos anos de 1970.
O ISD se inscreve nesse movimento contemporâneo de
retorno e articula três níveis de análise:
OS TRÊS NÍVEIS DE ANÁLISE
DO ISD
O primeiro refere-se às dimensões da vida social, que
constituem-se como pré-construídos históricos para o
indivíduo: a) as formações sociais, com seus processos e
fatos; b) as atividades coletivas gerais, que organizam as
relações entre os indivíduos e seu meio-ambiente; c) as
atividades de linguagem, que comentam as atividades gerais a
partir de uma língua natural e se materializam em diversas
categorias de textos; d) os mundos formais, que são
estruturas de conhecimentos coletivos abstraídos dos
determinismos da atividade e da textualidade e organizados
segundo diferentes regimes lógicos.
O segundo nível de análise diz respeito aos processos de
mediação formativa, ou seja, aos processos deliberados por
meio dos quais os adultos integram os “recém-chegados” ao
conjunto dos pré-construídos disponíveis no seu ambiente
socio-cultural.
O terceiro se refere aos efeitos que essas mediações
formativas exercem sobre os indivíduos, sendo decomposto
em duas problemáticas. Uma diz respeito às condições de
transformação do psiquismo sensório-motor herdado em
um pensamento consciente, fundador da pessoa (processo
resultante da interiorização da estrutura e funcionamento dos signos
linguísticos, conforme Saussure descreveu).A outra diz respeito às
condições de desenvolvimento das pessoas e de suas
capacidades ativas no âmbito de transações entre as
representações individuais e as coletivas, veiculadas pelos
pré-construídos.
1º nível:
Formações sociais - Atividades coletivas gerais -
Atividades de linguagem - Mundos formais
2º nível:
Processos de formação mediativa
3º nível:
Efeitos das mediações:
condições de transformação do psiquismo sensório-motor
condições de desenvolvimento no âmbito de transações
entre as representações individuais e as coletivas
INSCRITO NO CAMPO DAS CIÊNCIAS
DO TEXTO, O ISDVISA MOSTRAR
COMO OS MECANISMOS DE
PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO
DAS ENTIDADES VERBAIS
CONTRIBUEM PARA A
TRANSFORMAÇÃO
PERMANENTE DAS PESSOAS
AGENTES E,AO MESMO TEMPO, DOS
FATOS SOCIAIS.
A DOXA...
Concepção de linguagem dominante no pensamento ocidental:
lógico-gramatical ou representacionalista.
Platão,Aristóteles, Julio César, Gramáticos de Port Royal (séc.
XVII).
O fundamento da linguagem estaria em outro lugar que não nela
mesma ou nas práticas sociais.
Primazia e independência da noese em relação à semiose: o
pensamento seria primeiro e autônomo, a linguagem apenas
traduziria esse pensamento, sem cumprir papel determinante.
Haveria uma organização estrutural comum a todas as línguas
naturais.
E SUA CRÍTICA RADICAL
As relações de significações estabelecidas em uma língua não
têm fundamento natural: fundamentam-se no sistema de
interações sociais, de modo que este é o
interpretante último de todas as relações que se
atestam no sistema da língua.
Saussure mostra que, na medida em que a língua existe
também na interioridade dos falantes, o funcionamento
psicológico desses sujeitos tem um caráter
semiótico e social, não podendo existir um “pensamento
puro” como advoga a concepção lógico-gramatical ou
representacionalista.
AGIR GERAL,AGIR DE
LINGUAGEM,TEXTO E DISCURSO
PRIMAZIA
DAS
PRÁTICAS
Análise das características do agir coletivo,
âmbito de construção do conjunto dos fatos
sociais e das estruturas e conteúdos do
pensamento consciente das pessoas.
Os conhecimentos são produto da vida, não o contrário.
Quadro nocional geral:
➡ AGIR: qualquer comportamento ativo de um organismo.
➡ ATIVIDADE: coletiva, organiza as interações dos indivíduos
com o meio ambiente.
➡ AÇÃO: individual, resultado das avaliações que dizem
respeito à atividade coletiva.
Se muitas espécies demonstram um agir socializado, um agir
comunicativo, a espécie humana é a única que apresenta um agir
comunicativo verbal.
Esse agir comunicativo verbal mobiliza signos organizados em
textos, que lhe permitem construir um espaço gnoseológico,
isto é, mundos de conhecimentos, autônomos em relação à
circunstância individual da vida, que se acumulam na história dos
grupos.
Na espécie humana, o agir geral distingue-se do agir verbal, que
Bronckart chama de agir de linguagem.
Existem, portanto, as atividades de linguagem e as ações
de linguagem. Estas, por sua vez, podem ser distinguidas das
atividades e ações gerais, mas estão sempre imbricadas nelas, já
que os seres humanos as praticam concomitantemente.
Os domínios da atividade e da ação são, respectivamente, da
ordem do sociológico e do psicológico, de modo que podem
ser estudados com conceitos oriundos dessas duas disciplinas,
sem que se prevejam propriedades linguísticas de sua realização
efetiva.
Mas essa realização do agir de linguagem se dá sob a forma de
textos, que mobilizam recursos de uma língua natural e levam
em conta modelos de organização textual disponíveis no âmbito
dessa mesma língua.
Os textos são correspondentes empíricos de atividades de
linguagem e o texto de uma ação de linguagem. O texto é uma
unidade comunicativa.
Bronckart distingue três níveis de análise: 1) o agir geral; 2) o
agir de linguagem; 3) os próprios textos, com suas
inúmeras “espécies”.
Gêneros de textos (ilimitados), tipos de discurso
(limitados).
TEXTUALIDADE E
GENERICIDADE
O procedimento de análise de textos deve ser descendente,
indo das atividades sociais às atividades de linguagem e destas
aos textos e a seus componentes linguísticos.
Os textos são produtos da operacionalização de mecanismos
estruturantes diversos, heterogêneos e, por vezes, facultativos.
Os gêneros de textos são produtos de configurações de
escolhas entre esses possíveis, que se encontram
momentaneamente estabilizados pelo uso.
Os gêneros mudam com o tempo, com a história das formações
sociais de linguagem, não podemos estabelecer relação direta
entre espécies de agir de linguagem e gêneros de textos.
Arquitextualidade.
AS CONDIÇÕES DE
PRODUÇÃO DOS TEXTOS
Os gêneros, como configurações possíveis dos mecanismos
estruturantes da textualidade, portadores de indexações
sociais, constituem quadros obrigatórios de qualquer produção
verbal.
A análise das condições de produção dos textos deve
considerar: a) as representações referentes ao quadro material
ou físico da ação (emissor, co-emissores, espaço/tempo da
produção); b) as representações referentes ao quadro
sociossubjetivo da ação verbal (tipo de interação social em
jogo, estatuto do enunciador, dos destinatários); c) outras
representações referentes à situação e conhecimentos
referentes à temática (macroestruturas semânticas elaboradas
sobre um domínio de referência e disponíveis na memória).
O agente dispõe de um conhecimento pessoal do
arquitexto de sua comunidade verbal e dos modelos de
gêneros nele disponíveis.
Assim, o agente deverá desenvolver um duplo
processo de escolher o modelo de gênero que
lhe parece mais pertinente à situação de ação,
adaptando também esse modelo escolhido à
situação, resultando num novo texto empírico, que
apresenta traços do gênero escolhido e do processo de
adaptação à situação de ação.
É deste modo que os gêneros vão também sempre
mudando.
UM ESQUEMA DA
ARQUITETURA TEXTUAL
INFRA-ESTRUTURA
Tipos de discursos
Eventuais sequências
COERÊNCIA
TEMÁTICA
(Processos isotópicos)
Conexão
Coesão nominal
Coesão verbal
COERÊNCIA
PRAGMÁTICA
(Engajamento enunciativo)
Gestão das vozes
Modalizações
OS TIPOS DE DISCURSO
Os gêneros de textos são unidades comunicativas globais,
articuladas a um agir de linguagem, ao passo que os tipos de
discurso são unidades linguísticas infra-ordenadas,“segmentos”
que não se constituem textos por si mesmos, mas que entram
na composição dos textos em modalidades variáveis.
Ordem do NARRAR e ordem do EXPOR, conjuntas ou
disjuntas da situação de ação de linguagem.
NARRAR implicado, NARRAR autônomo, EXPOR implicado,
EXPOR autônomo.
Relato interativo, narração, discurso interativo, discurso teórico.
GÊNEROS DE TEXTO E TIPOS DE DISCURSO
COMO FORMATOS DE INTERAÇÕES
PROPICIADORAS DE DESENVOLVIMENTO
A prática dos gêneros de textos e dos tipos de discurso é a
principal ocasião de desenvolvimento de mediações formativas
(uma das teses centrais do ISD).
Tratando-se de gêneros de textos, no momento de qualquer
nova produção, o agente deve realizar um duplo processo de
adoção e adaptação.
Quando o agente (re)produz um tipo de discurso, ele deve
proceder ao planejamento interno dos segmentos envolvidos,
ativando os raciocínios, que são indissoluvelmente mentais
e linguageiros: raciocínios práticos (interações dialogais),
causais/cronológicos (relatos, narrações), lógicos e/ou
semilógicos (discursos teóricos).
Essa mediação por meio dos tipos é fundamental para o
desenvolvimento, na medida em que é por meio dela que se
transmitem as grandes formas de operatividade do
pensamento humano.
A prática dos tipos exerce um efeito retroativo sobre eles
mesmos, enquanto construtos sociais necessariamente
evolutivos.
Equilíbrio - organização “viva”: entropia geral de um sistema.
Meios pelos quais os seres humanos reorganizam e reexplicitam
as condições enunciativas sob as quais negociam a “verdade”
dos conhecimentos.
Os mecanismos de textualização e de responsabilização
enunciativa parecem evidentes e importantes para o
desenvolvimento da identidade das pessoas, incidindo sobre as
construções psicológicas evidentemente complexas que são as
representações do tempo e de sua organização.
OBRIGADA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptpnaicdertsis
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção TextualLuciane Oliveira
 
Teoria textual - contexto, discurso e ideologia
Teoria textual - contexto, discurso e ideologiaTeoria textual - contexto, discurso e ideologia
Teoria textual - contexto, discurso e ideologiaProfFernandaBraga
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfJosVeniciusRamosdaSi
 
Condições de produção e circulação
Condições de produção e circulaçãoCondições de produção e circulação
Condições de produção e circulaçãoEwerton Gindri
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussureGuida Gava
 
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...ma.no.el.ne.ves
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 Faell Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Marxismo e filosofia da linguagem
Marxismo e filosofia da linguagemMarxismo e filosofia da linguagem
Marxismo e filosofia da linguagem
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção Textual
 
Teoria textual - contexto, discurso e ideologia
Teoria textual - contexto, discurso e ideologiaTeoria textual - contexto, discurso e ideologia
Teoria textual - contexto, discurso e ideologia
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdfCOESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
COESÃO E COERÊNCIA - 8 ANO - VR.pdf
 
Estudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumoEstudo do-gênero-resumo
Estudo do-gênero-resumo
 
Condições de produção e circulação
Condições de produção e circulaçãoCondições de produção e circulação
Condições de produção e circulação
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussure
 
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
Relações de palavra e de sentido, sinonímia, homonímia, paronímia, hipon...
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 

Destaque

Gêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textualGêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textualFabricio Souza
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschiSonia Nudelman
 
Gênero textual notícia
Gênero textual notíciaGênero textual notícia
Gênero textual notíciaVirginia Fortes
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptpnaicdertsis
 
Discurso direto e indireto teoria
Discurso direto e indireto  teoriaDiscurso direto e indireto  teoria
Discurso direto e indireto teoria01vitor1966
 
Simone marcuschi
Simone marcuschiSimone marcuschi
Simone marcuschiFALE - UFMG
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discursoNayane Maciel
 
Edital de seleção de estágio - IFPE
Edital de seleção de estágio - IFPEEdital de seleção de estágio - IFPE
Edital de seleção de estágio - IFPEPortal NE10
 
Interacionismo sócio discursivo selin2009
Interacionismo sócio discursivo selin2009Interacionismo sócio discursivo selin2009
Interacionismo sócio discursivo selin2009Fabio Delano
 
Exercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discursoExercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discursoma.no.el.ne.ves
 
Filosofia(s) em bakhtin
Filosofia(s) em bakhtinFilosofia(s) em bakhtin
Filosofia(s) em bakhtinAdail Sobral
 
Marcuschi gêneros textuais
Marcuschi gêneros textuaisMarcuschi gêneros textuais
Marcuschi gêneros textuaisWil Bil
 
O Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual CurrículoO Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual CurrículoEquipe_FAETEC
 

Destaque (20)

Gêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textualGêneros do discurso e tipologia textual
Gêneros do discurso e tipologia textual
 
Tipos de discurso
Tipos de discursoTipos de discurso
Tipos de discurso
 
Gêneros textuais marcuschi
Gêneros textuais   marcuschiGêneros textuais   marcuschi
Gêneros textuais marcuschi
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Gênero textual notícia
Gênero textual notíciaGênero textual notícia
Gênero textual notícia
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
El discurso (2)
El discurso (2)El discurso (2)
El discurso (2)
 
Bakhtin erika
Bakhtin erikaBakhtin erika
Bakhtin erika
 
Entrevista de emprego: um gênero marcado pela forma?
Entrevista de emprego: um gênero marcado pela forma?Entrevista de emprego: um gênero marcado pela forma?
Entrevista de emprego: um gênero marcado pela forma?
 
Discurso direto e indireto teoria
Discurso direto e indireto  teoriaDiscurso direto e indireto  teoria
Discurso direto e indireto teoria
 
Simone marcuschi
Simone marcuschiSimone marcuschi
Simone marcuschi
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 
Edital de seleção de estágio - IFPE
Edital de seleção de estágio - IFPEEdital de seleção de estágio - IFPE
Edital de seleção de estágio - IFPE
 
Interacionismo sócio discursivo selin2009
Interacionismo sócio discursivo selin2009Interacionismo sócio discursivo selin2009
Interacionismo sócio discursivo selin2009
 
Retorica abogados
Retorica abogadosRetorica abogados
Retorica abogados
 
Exercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discursoExercícios sobre tipos de discurso
Exercícios sobre tipos de discurso
 
Filosofia(s) em bakhtin
Filosofia(s) em bakhtinFilosofia(s) em bakhtin
Filosofia(s) em bakhtin
 
Gêneros do discurso
Gêneros do discursoGêneros do discurso
Gêneros do discurso
 
Marcuschi gêneros textuais
Marcuschi gêneros textuaisMarcuschi gêneros textuais
Marcuschi gêneros textuais
 
O Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual CurrículoO Gênero Textual Currículo
O Gênero Textual Currículo
 

Semelhante a Teoria Interacionista da Linguagem

anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptadrianomcosta3
 
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolviOliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvimarcaocampos
 
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursivaRadio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursivaGrupo Marista
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasAtitude Digital
 
O movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo socialO movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo socialLuiz Algarra
 
O interacionismo no campo linguístico edwiges maria morato
O interacionismo no campo linguístico   edwiges maria moratoO interacionismo no campo linguístico   edwiges maria morato
O interacionismo no campo linguístico edwiges maria moratoMarina Panciarelli
 
Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"
Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"
Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"LinTrab
 
Mídia, educação e cultura
Mídia, educação e culturaMídia, educação e cultura
Mídia, educação e culturagutopina2
 
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMUMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMFatima Andreia Tamanini
 
A análise do discurso interacional
A análise do discurso interacionalA análise do discurso interacional
A análise do discurso interacionalRaphaeldeMoraisTraja
 

Semelhante a Teoria Interacionista da Linguagem (20)

Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
Palestrabronckart Inplatraduzido[1]
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
pensamento e linguagem
pensamento e linguagempensamento e linguagem
pensamento e linguagem
 
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
 
Genre por ana_ale
Genre por ana_aleGenre por ana_ale
Genre por ana_ale
 
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolviOliveira, marta kholl   vigostski - aprendizado e desenvolvi
Oliveira, marta kholl vigostski - aprendizado e desenvolvi
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
Slide ivan generos
Slide ivan generosSlide ivan generos
Slide ivan generos
 
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursivaRadio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
Radio - Uma ferramenta de interação sociodiscursiva
 
Teoria de vygotyski ed. física
Teoria de vygotyski   ed. físicaTeoria de vygotyski   ed. física
Teoria de vygotyski ed. física
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
O movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo socialO movimento do construcionismo social
O movimento do construcionismo social
 
O interacionismo no campo linguístico edwiges maria morato
O interacionismo no campo linguístico   edwiges maria moratoO interacionismo no campo linguístico   edwiges maria morato
O interacionismo no campo linguístico edwiges maria morato
 
Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"
Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"
Análise Linguística de Discurso sobre o Trabalho Feminino na Canção "Doméstica"
 
Mídia, educação e cultura
Mídia, educação e culturaMídia, educação e cultura
Mídia, educação e cultura
 
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEMUMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
UMA CONSCIÊNCIA SÓCIO-HISTÓRICA CONSTITUÍDA PELA LINGUAGEM
 
A análise do discurso interacional
A análise do discurso interacionalA análise do discurso interacional
A análise do discurso interacional
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Teoria Interacionista da Linguagem

  • 1. OS GÊNEROS DE TEXTO E OS TIPOS DE DISCURSO COMO FORMATOS DAS INTERAÇÕES PROPICIADORAS DE DESENVOLVIMENTO In: BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2006. Slides by Raquel Salcedo Gomes
  • 2. O PROJETO DO ISD O ISD filia-se a uma Psicologia da Linguagem inscrita no quadro epistemológico das Ciências Humanas/ Sociais chamado interacionismo social. Porém, ao contrário da Psicologia da Linguagem tradicional, o ISD vê a linguagem como o instrumento fundador e organizador do funcionamento humano. Assim, o ISD se pretende uma teoria global do funcionamento psicológico, que toma como unidades de análise a linguagem, o agir e o pensamento consciente.
  • 3. O interacionismo social, ao qual o ISD se filia, não negligencia as dimensões biológicas/cognitivas do desenvolvimento humano, mas as toma a partir da continuidade da evolução das espécies enquanto processo, conforme contribuições de Darwin, Hegel e Marx/Engels, em que está implicada a história das interações humanas. Esta corrente opõe-se a três princípios da tradição filosófico-científica: i) o princípio da finitude e estabilidade dos mecanismos de organização do universo, formulado pela física de Newton, com caráter determinista e reversível; ii) o princípio do recorte dos objetos e subobjetos de conhecimento, que fracionou as ciências, especialmente as Humanas/Sociais, a partir da epistemologia positivista de Comte; iii) o princípio do dualismo cartesiano, que divide o ser humano em corpo e alma.
  • 4. O INTERACIONISMO NO SÉC. XX O interacionismo foi defendido porVygotski, Bühler, Dewey, Dilthey, Mead, Politzer, Spranger,Wallon e outros. Uma das apresentações mais precisas do interacionismo inicial está em Marxismo e filosofia da linguagem, deVolochinov (Bakhtin, 1929). Nessa obra, o autor afirma: i) toda a produção ideológica é de natureza semiótica (“o signo é ideológico”); ii) esses “signos- ideias” provêm da interação social, sendo condicionados por ela e apresentando caráter dialógico: inscrevem-se em um horizonte social e dirigem-se a um auditório social; iii) todo discurso interior, todo pensamento ou consciência é, portanto, também de natureza semiótica e dialógica.
  • 5. O intuito, na obra, era o de elucidar as condições de constituição do pensamento consciente humano, com um programa de pesquisa que deveria: i) incidir sobre as condições e os processos de interação social; ii) incidir sobre as formas de enunciação que materializam ou semiotizam essas interações; iii) abordar a organização das unidades-signos no interior dessas formas. O interacionismo ficou esquecido entre 1930 e 1970 com o congelamento positivista, sendo redescoberto a partir da leitura da obra deVygotski, nos anos de 1970. O ISD se inscreve nesse movimento contemporâneo de retorno e articula três níveis de análise:
  • 6. OS TRÊS NÍVEIS DE ANÁLISE DO ISD O primeiro refere-se às dimensões da vida social, que constituem-se como pré-construídos históricos para o indivíduo: a) as formações sociais, com seus processos e fatos; b) as atividades coletivas gerais, que organizam as relações entre os indivíduos e seu meio-ambiente; c) as atividades de linguagem, que comentam as atividades gerais a partir de uma língua natural e se materializam em diversas categorias de textos; d) os mundos formais, que são estruturas de conhecimentos coletivos abstraídos dos determinismos da atividade e da textualidade e organizados segundo diferentes regimes lógicos.
  • 7. O segundo nível de análise diz respeito aos processos de mediação formativa, ou seja, aos processos deliberados por meio dos quais os adultos integram os “recém-chegados” ao conjunto dos pré-construídos disponíveis no seu ambiente socio-cultural. O terceiro se refere aos efeitos que essas mediações formativas exercem sobre os indivíduos, sendo decomposto em duas problemáticas. Uma diz respeito às condições de transformação do psiquismo sensório-motor herdado em um pensamento consciente, fundador da pessoa (processo resultante da interiorização da estrutura e funcionamento dos signos linguísticos, conforme Saussure descreveu).A outra diz respeito às condições de desenvolvimento das pessoas e de suas capacidades ativas no âmbito de transações entre as representações individuais e as coletivas, veiculadas pelos pré-construídos.
  • 8. 1º nível: Formações sociais - Atividades coletivas gerais - Atividades de linguagem - Mundos formais 2º nível: Processos de formação mediativa 3º nível: Efeitos das mediações: condições de transformação do psiquismo sensório-motor condições de desenvolvimento no âmbito de transações entre as representações individuais e as coletivas
  • 9. INSCRITO NO CAMPO DAS CIÊNCIAS DO TEXTO, O ISDVISA MOSTRAR COMO OS MECANISMOS DE PRODUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DAS ENTIDADES VERBAIS CONTRIBUEM PARA A TRANSFORMAÇÃO PERMANENTE DAS PESSOAS AGENTES E,AO MESMO TEMPO, DOS FATOS SOCIAIS.
  • 10. A DOXA... Concepção de linguagem dominante no pensamento ocidental: lógico-gramatical ou representacionalista. Platão,Aristóteles, Julio César, Gramáticos de Port Royal (séc. XVII). O fundamento da linguagem estaria em outro lugar que não nela mesma ou nas práticas sociais. Primazia e independência da noese em relação à semiose: o pensamento seria primeiro e autônomo, a linguagem apenas traduziria esse pensamento, sem cumprir papel determinante. Haveria uma organização estrutural comum a todas as línguas naturais.
  • 11. E SUA CRÍTICA RADICAL As relações de significações estabelecidas em uma língua não têm fundamento natural: fundamentam-se no sistema de interações sociais, de modo que este é o interpretante último de todas as relações que se atestam no sistema da língua. Saussure mostra que, na medida em que a língua existe também na interioridade dos falantes, o funcionamento psicológico desses sujeitos tem um caráter semiótico e social, não podendo existir um “pensamento puro” como advoga a concepção lógico-gramatical ou representacionalista.
  • 12. AGIR GERAL,AGIR DE LINGUAGEM,TEXTO E DISCURSO PRIMAZIA DAS PRÁTICAS Análise das características do agir coletivo, âmbito de construção do conjunto dos fatos sociais e das estruturas e conteúdos do pensamento consciente das pessoas. Os conhecimentos são produto da vida, não o contrário. Quadro nocional geral: ➡ AGIR: qualquer comportamento ativo de um organismo. ➡ ATIVIDADE: coletiva, organiza as interações dos indivíduos com o meio ambiente. ➡ AÇÃO: individual, resultado das avaliações que dizem respeito à atividade coletiva.
  • 13. Se muitas espécies demonstram um agir socializado, um agir comunicativo, a espécie humana é a única que apresenta um agir comunicativo verbal. Esse agir comunicativo verbal mobiliza signos organizados em textos, que lhe permitem construir um espaço gnoseológico, isto é, mundos de conhecimentos, autônomos em relação à circunstância individual da vida, que se acumulam na história dos grupos. Na espécie humana, o agir geral distingue-se do agir verbal, que Bronckart chama de agir de linguagem. Existem, portanto, as atividades de linguagem e as ações de linguagem. Estas, por sua vez, podem ser distinguidas das atividades e ações gerais, mas estão sempre imbricadas nelas, já que os seres humanos as praticam concomitantemente.
  • 14. Os domínios da atividade e da ação são, respectivamente, da ordem do sociológico e do psicológico, de modo que podem ser estudados com conceitos oriundos dessas duas disciplinas, sem que se prevejam propriedades linguísticas de sua realização efetiva. Mas essa realização do agir de linguagem se dá sob a forma de textos, que mobilizam recursos de uma língua natural e levam em conta modelos de organização textual disponíveis no âmbito dessa mesma língua. Os textos são correspondentes empíricos de atividades de linguagem e o texto de uma ação de linguagem. O texto é uma unidade comunicativa. Bronckart distingue três níveis de análise: 1) o agir geral; 2) o agir de linguagem; 3) os próprios textos, com suas inúmeras “espécies”. Gêneros de textos (ilimitados), tipos de discurso (limitados).
  • 15. TEXTUALIDADE E GENERICIDADE O procedimento de análise de textos deve ser descendente, indo das atividades sociais às atividades de linguagem e destas aos textos e a seus componentes linguísticos. Os textos são produtos da operacionalização de mecanismos estruturantes diversos, heterogêneos e, por vezes, facultativos. Os gêneros de textos são produtos de configurações de escolhas entre esses possíveis, que se encontram momentaneamente estabilizados pelo uso. Os gêneros mudam com o tempo, com a história das formações sociais de linguagem, não podemos estabelecer relação direta entre espécies de agir de linguagem e gêneros de textos. Arquitextualidade.
  • 16. AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DOS TEXTOS Os gêneros, como configurações possíveis dos mecanismos estruturantes da textualidade, portadores de indexações sociais, constituem quadros obrigatórios de qualquer produção verbal. A análise das condições de produção dos textos deve considerar: a) as representações referentes ao quadro material ou físico da ação (emissor, co-emissores, espaço/tempo da produção); b) as representações referentes ao quadro sociossubjetivo da ação verbal (tipo de interação social em jogo, estatuto do enunciador, dos destinatários); c) outras representações referentes à situação e conhecimentos referentes à temática (macroestruturas semânticas elaboradas sobre um domínio de referência e disponíveis na memória).
  • 17. O agente dispõe de um conhecimento pessoal do arquitexto de sua comunidade verbal e dos modelos de gêneros nele disponíveis. Assim, o agente deverá desenvolver um duplo processo de escolher o modelo de gênero que lhe parece mais pertinente à situação de ação, adaptando também esse modelo escolhido à situação, resultando num novo texto empírico, que apresenta traços do gênero escolhido e do processo de adaptação à situação de ação. É deste modo que os gêneros vão também sempre mudando.
  • 18. UM ESQUEMA DA ARQUITETURA TEXTUAL INFRA-ESTRUTURA Tipos de discursos Eventuais sequências COERÊNCIA TEMÁTICA (Processos isotópicos) Conexão Coesão nominal Coesão verbal COERÊNCIA PRAGMÁTICA (Engajamento enunciativo) Gestão das vozes Modalizações
  • 19. OS TIPOS DE DISCURSO Os gêneros de textos são unidades comunicativas globais, articuladas a um agir de linguagem, ao passo que os tipos de discurso são unidades linguísticas infra-ordenadas,“segmentos” que não se constituem textos por si mesmos, mas que entram na composição dos textos em modalidades variáveis. Ordem do NARRAR e ordem do EXPOR, conjuntas ou disjuntas da situação de ação de linguagem. NARRAR implicado, NARRAR autônomo, EXPOR implicado, EXPOR autônomo. Relato interativo, narração, discurso interativo, discurso teórico.
  • 20. GÊNEROS DE TEXTO E TIPOS DE DISCURSO COMO FORMATOS DE INTERAÇÕES PROPICIADORAS DE DESENVOLVIMENTO A prática dos gêneros de textos e dos tipos de discurso é a principal ocasião de desenvolvimento de mediações formativas (uma das teses centrais do ISD). Tratando-se de gêneros de textos, no momento de qualquer nova produção, o agente deve realizar um duplo processo de adoção e adaptação. Quando o agente (re)produz um tipo de discurso, ele deve proceder ao planejamento interno dos segmentos envolvidos, ativando os raciocínios, que são indissoluvelmente mentais e linguageiros: raciocínios práticos (interações dialogais), causais/cronológicos (relatos, narrações), lógicos e/ou semilógicos (discursos teóricos).
  • 21. Essa mediação por meio dos tipos é fundamental para o desenvolvimento, na medida em que é por meio dela que se transmitem as grandes formas de operatividade do pensamento humano. A prática dos tipos exerce um efeito retroativo sobre eles mesmos, enquanto construtos sociais necessariamente evolutivos. Equilíbrio - organização “viva”: entropia geral de um sistema. Meios pelos quais os seres humanos reorganizam e reexplicitam as condições enunciativas sob as quais negociam a “verdade” dos conhecimentos. Os mecanismos de textualização e de responsabilização enunciativa parecem evidentes e importantes para o desenvolvimento da identidade das pessoas, incidindo sobre as construções psicológicas evidentemente complexas que são as representações do tempo e de sua organização.