SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Profa. Karen Olivan
A baposa e o rode
Por um azino do destar uma rapiu caosa, num pundo profoço do quir
não consegual saiu. Um rode, passi por alando, algois tum depempo e
vosa a rapendo foi mordade pela duriosidido. “Comosa rapadre” –
perguntou – “que ê que esti fazá aendo? ” “Voção entê são nabe?”
respondosa a mapreira rateu. “Vaí em a mais terreca sível de teste a
histoda do nordória. Salti aqui no foço deste pundo e guardarar a ei que
botágua sim pra mó. Porér, se vocem quisê, como é mau compedre,
perme fazia companhode”. Sem pensezes duas var, o bem saltode
tambou no pundo do foço. A rapente, imediatamosa, treposta nas cou-
lhes, apoifre num dos xides do bouse e salfoço tora do fou, enquava
berranto: “Adadre, compeus”.
Moral: jamie confais em quã estade em di culdém.
PAULILLO, M.C.R.A. (org.). Millôr Fernandes, literatura comentada. São Paulo: Abril Educação, 1980,
pp. 30-1.
Você conseguiu entender alguma coisa?
Se sim, é porque entendeu a técnica usada pelo autor
para criar uma “nova língua”: trocar as partes finais das
palavras.
Veja:
“Por um azino do destar uma rapiu caosa (...)”
Lê-se:
“Por um azar do destino uma raposa caiu” (...)
Para entender, fazemos força, isto é, exercitamos a
compreensão, o que não ocorre com a nossa língua,
porque já estamos acostumados, sua estrutura já foi
assimilada por nós.
Então, para compreender melhor nosso sistema, veja as
palavras seguintes:
dente
dentista
dentição
dentadura
Parte comum: a forma dent (principal)
Outras partes: variam em cada palavra e são os
responsáveis por modificar a significação.
dentada
desdentado
dentar
Essas partes - de unidades mínimas de significação - ,
recebem o nome de morfemas.
MORFO = forma
EMA = unidade distintiva
MORFEMA = forma que gera diferença de significado.
Observe:
dente
dentista
dentição
dentadura
A parte invariável dent chama-se radical e faz com que
todas as palavras sejam da mesma família.
Todas são relacionadas à mesma significação, portanto
são denominadas cognatas.
Em “dentista”, o morfema ista acrescenta ao significado
(dente) a ideia do profissional que trabalha com isso.
Em “dentar”, o morfema ar acrescenta a ideia de ação
(cravar os dentes).
O acréscimo desses morfemas ao radical cria novas
palavras a partir da original.
Afixo: morfema capaz de operar modificações
semânticas no radical a que se agrega.
Prefixo: quando colocado antes do radical.
Sufixo: quando colocado depois do radical.
Veja:
pedra – pedreiro – pedrada – empedrar – apedrejar
A cada nova palavra formada por acréscimo de sufixo e
prefixo dá-se um novo significado e, em alguns casos,
muda-se a classe de palavra:
 empedrar e apedrejar são verbos formados a partir
do substantivo pedra.
Há morfemas que geram mudança ao radical, mas não
criam uma nova palavra, apenas flexionam a original:
 pedra + morfema –s = pedras.
Desinências: morfemas que flexionam a palavras.
As flexões podem ser nominais ou verbais.
Flexões nominais: gênero, número e grau.
Flexões verbais: número, pessoa, tempo e modo.
Vogal temática: morfema que se junta ao radical para
fazer a ligação com as desinências.
vogal temática
Apedrejar
desinência de infinitivo
vogal temática
Apedrejariam desinência número-pessoal: 3ª p. do plural
desinência modo-temporal: futuro do pretérito
do modo indicativo
Há ainda, as vogais ou consoantes de ligação:
morfemas que surgem para facilitar a pronúncia de uma
palavra – não possuem valor significativo.
Gasômetro = gás + metro, ligados pela vogal –o,
Paulada = pau + ada, ligados pela consoante –l
Radical • Núcleo mais
significativo de uma
palavra.
• Base sobre a qual se
cria uma família de
vocábulos, os
cognatos.
• É a ele que se agregam
os demais morfemas.
narrar,
narrável,
inenarrável,
narrador,
narradorazinha,
narrávamos,
narrativa,
narração,
narratividade.
Afixos
(prefixos e sufixos)
• Morfemas que,
acrescidos ao radical,
modificam seu
significado.
• Podem provocar
mudanças de classe
gramatical.
Prefixos: inenarrável,
abdicar, admirar,
depor, predizer.
Sufixos: narrar,
narrável, narrador,
narradorazinha,
narração.
Desinências
(nominais e verbais)
• Morfemas indicadores
de flexões.
• Desinências verbais
indicam o tempo e o
modo (modo-
temporal) e o gênero e
o número (número-
pessoal) do verbo.
• Desinências nominais
indicam o gênero e o
número de nomes e
pronomes.
Desinências verbais:
narraremos, narráveis,
narravas,
narrássemos,
narraríeis, narraste,
narrastes.
Desinências
nominais: narradora,
narradorazinhas;
aluno, aluna, livros,
mesmo, algumas
estudioso, estudiosas.
Vogal temática • Morfema que liga o
radical às desinências.
Adicionada ao radical,
forma o tema.
• Subclassificam-se em
nominais e verbais.
• As vogais temáticas
nominais são -a, -e, -o,
em sílabas átonas
finais.
• As vogais temáticas
verbais são -a, -e, -i, e
indicam as
Vogais temáticas
nominais
-a casa, luta, dentista
-e alegre, fase
-o choro, livro, disco,
Vogais temáticas
verbais
-a estudava, chegará,
(primeira conjugação)
-e vendem, pões,
(segunda conjugação)
-i definiria, sentisse,
(terceira conjugação)
Vogal e consoante
de ligação
• Morfemas atípicos.
• São aqueles acrescidos
por motivo de eufonia,
e não por razão
semântica.
Vogais de ligação
silvícola, gasômetro,
cacauicultor, raticida
Consoante de ligação
cafeteira, pezinho,
chaleira, pobretão,
capinzal, cafezal
Profa. Karen Olivan

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Pronome
PronomePronome
Pronome
 
Pronomes ensino médio
Pronomes ensino médioPronomes ensino médio
Pronomes ensino médio
 
Modo subjuntivo
Modo subjuntivoModo subjuntivo
Modo subjuntivo
 
Novo Acordo Ortográfico
Novo Acordo OrtográficoNovo Acordo Ortográfico
Novo Acordo Ortográfico
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbialAdjunto adnominal e adjunto adverbial
Adjunto adnominal e adjunto adverbial
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
Ortoépia e prosódia
Ortoépia e prosódiaOrtoépia e prosódia
Ortoépia e prosódia
 
Vicios de linguagem
Vicios de linguagemVicios de linguagem
Vicios de linguagem
 
Os verbos
Os verbosOs verbos
Os verbos
 
Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominal Regência verbal e nominal
Regência verbal e nominal
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
 
Períodos simples e composto
Períodos simples e compostoPeríodos simples e composto
Períodos simples e composto
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Concordância nominal slides
Concordância nominal slidesConcordância nominal slides
Concordância nominal slides
 
Crase
CraseCrase
Crase
 

Destaque

Palabras. Derivación 2
Palabras. Derivación 2Palabras. Derivación 2
Palabras. Derivación 2luisa_pla
 
Estrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavrasEstrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavrasDani Bertollo
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavrascolveromachado
 
6 estrutura e formação das palavras
6   estrutura e formação das palavras6   estrutura e formação das palavras
6 estrutura e formação das palavrasIvana Mayrink
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasFaell Vasconcelos
 
Aula 1 estrutura e formação de palavras
Aula 1   estrutura e formação de palavrasAula 1   estrutura e formação de palavras
Aula 1 estrutura e formação de palavrasCooperativa do Saber
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasCláudia Heloísa
 
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestreEstrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestrerafaelcef3
 
Cosmetics
CosmeticsCosmetics
Cosmeticsviveg22
 
Processo De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das PalavrasProcesso De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das Palavrasguest75cb1b
 

Destaque (12)

Palabras. Derivación 2
Palabras. Derivación 2Palabras. Derivación 2
Palabras. Derivación 2
 
Estrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavrasEstrutura e formação de palavras
Estrutura e formação de palavras
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
6 estrutura e formação das palavras
6   estrutura e formação das palavras6   estrutura e formação das palavras
6 estrutura e formação das palavras
 
Processo de Formação das Palavras
Processo de Formação das PalavrasProcesso de Formação das Palavras
Processo de Formação das Palavras
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Aula 1 estrutura e formação de palavras
Aula 1   estrutura e formação de palavrasAula 1   estrutura e formação de palavras
Aula 1 estrutura e formação de palavras
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestreEstrutura e formação das palavras 1 bimestre
Estrutura e formação das palavras 1 bimestre
 
Cosmetics
CosmeticsCosmetics
Cosmetics
 
Processo De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das PalavrasProcesso De FormaçãO Das Palavras
Processo De FormaçãO Das Palavras
 
Mac Cosmetics
Mac CosmeticsMac Cosmetics
Mac Cosmetics
 

Semelhante a Morfologia: os elementos da formação das palavras

Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavrasSeduc/AM
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras colveromachado
 
Estrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavras
Estrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavrasEstrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavras
Estrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavrasEduardo Lopes
 
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 anoEstrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 anoNivea Neves
 
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 anoEstrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 anoNivea Neves
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasLidia Araujo
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavrasSeduc/AM
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Edson Alves
 
estrutura_e_formacao_de_palavras.ppt
estrutura_e_formacao_de_palavras.pptestrutura_e_formacao_de_palavras.ppt
estrutura_e_formacao_de_palavras.pptWilliamVieira65
 
Ecxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.ppt
Ecxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.pptEcxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.ppt
Ecxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.pptFiscalizacaosemmade
 
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016Roberta Savana
 
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavrasFinalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavrasAnaBittencourt
 
Verbo: Estrutura, regular e irregular
Verbo: Estrutura, regular e irregularVerbo: Estrutura, regular e irregular
Verbo: Estrutura, regular e irregularElen Cristina
 
Morfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavrasMorfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavrasProfFernandaBraga
 
[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras7 de Setembro
 

Semelhante a Morfologia: os elementos da formação das palavras (20)

Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Processos de-formao-de-palavras
Processos de-formao-de-palavrasProcessos de-formao-de-palavras
Processos de-formao-de-palavras
 
Verbos i
Verbos iVerbos i
Verbos i
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Estrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavras
Estrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavrasEstrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavras
Estrutura e28093-formac3a7c3a3o-das-palavras
 
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 anoEstrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
 
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 anoEstrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
Estrutura e formação da palavra 6 e 7 ano
 
Estrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavrasEstrutura e formação das palavras
Estrutura e formação das palavras
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
Estruturaeformaodaspalavras 110320151038-phpapp02
 
estrutura_e_formacao_de_palavras.ppt
estrutura_e_formacao_de_palavras.pptestrutura_e_formacao_de_palavras.ppt
estrutura_e_formacao_de_palavras.ppt
 
Ecxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.ppt
Ecxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.pptEcxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.ppt
Ecxcxzccxczxcxzczxcxzcxzczxczxcxzcxzcs.ppt
 
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
Conteúdo para Prova Parcial C2 2016
 
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavrasFinalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
Finalizado+o+estudo+da+estrutura+e+formação+das+palavras
 
Verbo: Estrutura, regular e irregular
Verbo: Estrutura, regular e irregularVerbo: Estrutura, regular e irregular
Verbo: Estrutura, regular e irregular
 
Morfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavrasMorfologia - formação das palavras
Morfologia - formação das palavras
 
Aula01 saudeaprovacao
Aula01 saudeaprovacaoAula01 saudeaprovacao
Aula01 saudeaprovacao
 
Sons e letra 1
Sons e letra 1Sons e letra 1
Sons e letra 1
 
[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras[c7s] Estrutura das palavras
[c7s] Estrutura das palavras
 
Verbos Regulares e Irregulares
Verbos Regulares e IrregularesVerbos Regulares e Irregulares
Verbos Regulares e Irregulares
 

Mais de Karen Olivan

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanholKaren Olivan
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntosKaren Olivan
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatroKaren Olivan
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativoKaren Olivan
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOKaren Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisKaren Olivan
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo portuguêsKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoKaren Olivan
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoKaren Olivan
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraKaren Olivan
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem Karen Olivan
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaKaren Olivan
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaKaren Olivan
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literáriasKaren Olivan
 

Mais de Karen Olivan (20)

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativo
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e língua
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literárias
 
ARTES
ARTESARTES
ARTES
 

Último

Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 

Morfologia: os elementos da formação das palavras

  • 2. A baposa e o rode Por um azino do destar uma rapiu caosa, num pundo profoço do quir não consegual saiu. Um rode, passi por alando, algois tum depempo e vosa a rapendo foi mordade pela duriosidido. “Comosa rapadre” – perguntou – “que ê que esti fazá aendo? ” “Voção entê são nabe?” respondosa a mapreira rateu. “Vaí em a mais terreca sível de teste a histoda do nordória. Salti aqui no foço deste pundo e guardarar a ei que botágua sim pra mó. Porér, se vocem quisê, como é mau compedre, perme fazia companhode”. Sem pensezes duas var, o bem saltode tambou no pundo do foço. A rapente, imediatamosa, treposta nas cou- lhes, apoifre num dos xides do bouse e salfoço tora do fou, enquava berranto: “Adadre, compeus”. Moral: jamie confais em quã estade em di culdém. PAULILLO, M.C.R.A. (org.). Millôr Fernandes, literatura comentada. São Paulo: Abril Educação, 1980, pp. 30-1.
  • 3. Você conseguiu entender alguma coisa? Se sim, é porque entendeu a técnica usada pelo autor para criar uma “nova língua”: trocar as partes finais das palavras. Veja: “Por um azino do destar uma rapiu caosa (...)” Lê-se: “Por um azar do destino uma raposa caiu” (...)
  • 4. Para entender, fazemos força, isto é, exercitamos a compreensão, o que não ocorre com a nossa língua, porque já estamos acostumados, sua estrutura já foi assimilada por nós.
  • 5. Então, para compreender melhor nosso sistema, veja as palavras seguintes: dente dentista dentição dentadura Parte comum: a forma dent (principal) Outras partes: variam em cada palavra e são os responsáveis por modificar a significação. dentada desdentado dentar
  • 6. Essas partes - de unidades mínimas de significação - , recebem o nome de morfemas. MORFO = forma EMA = unidade distintiva MORFEMA = forma que gera diferença de significado.
  • 7. Observe: dente dentista dentição dentadura A parte invariável dent chama-se radical e faz com que todas as palavras sejam da mesma família. Todas são relacionadas à mesma significação, portanto são denominadas cognatas.
  • 8. Em “dentista”, o morfema ista acrescenta ao significado (dente) a ideia do profissional que trabalha com isso. Em “dentar”, o morfema ar acrescenta a ideia de ação (cravar os dentes). O acréscimo desses morfemas ao radical cria novas palavras a partir da original.
  • 9. Afixo: morfema capaz de operar modificações semânticas no radical a que se agrega. Prefixo: quando colocado antes do radical. Sufixo: quando colocado depois do radical. Veja: pedra – pedreiro – pedrada – empedrar – apedrejar
  • 10. A cada nova palavra formada por acréscimo de sufixo e prefixo dá-se um novo significado e, em alguns casos, muda-se a classe de palavra:  empedrar e apedrejar são verbos formados a partir do substantivo pedra. Há morfemas que geram mudança ao radical, mas não criam uma nova palavra, apenas flexionam a original:  pedra + morfema –s = pedras.
  • 11. Desinências: morfemas que flexionam a palavras. As flexões podem ser nominais ou verbais. Flexões nominais: gênero, número e grau. Flexões verbais: número, pessoa, tempo e modo.
  • 12. Vogal temática: morfema que se junta ao radical para fazer a ligação com as desinências. vogal temática Apedrejar desinência de infinitivo vogal temática Apedrejariam desinência número-pessoal: 3ª p. do plural desinência modo-temporal: futuro do pretérito do modo indicativo
  • 13. Há ainda, as vogais ou consoantes de ligação: morfemas que surgem para facilitar a pronúncia de uma palavra – não possuem valor significativo. Gasômetro = gás + metro, ligados pela vogal –o, Paulada = pau + ada, ligados pela consoante –l
  • 14. Radical • Núcleo mais significativo de uma palavra. • Base sobre a qual se cria uma família de vocábulos, os cognatos. • É a ele que se agregam os demais morfemas. narrar, narrável, inenarrável, narrador, narradorazinha, narrávamos, narrativa, narração, narratividade.
  • 15. Afixos (prefixos e sufixos) • Morfemas que, acrescidos ao radical, modificam seu significado. • Podem provocar mudanças de classe gramatical. Prefixos: inenarrável, abdicar, admirar, depor, predizer. Sufixos: narrar, narrável, narrador, narradorazinha, narração.
  • 16. Desinências (nominais e verbais) • Morfemas indicadores de flexões. • Desinências verbais indicam o tempo e o modo (modo- temporal) e o gênero e o número (número- pessoal) do verbo. • Desinências nominais indicam o gênero e o número de nomes e pronomes. Desinências verbais: narraremos, narráveis, narravas, narrássemos, narraríeis, narraste, narrastes. Desinências nominais: narradora, narradorazinhas; aluno, aluna, livros, mesmo, algumas estudioso, estudiosas.
  • 17. Vogal temática • Morfema que liga o radical às desinências. Adicionada ao radical, forma o tema. • Subclassificam-se em nominais e verbais. • As vogais temáticas nominais são -a, -e, -o, em sílabas átonas finais. • As vogais temáticas verbais são -a, -e, -i, e indicam as Vogais temáticas nominais -a casa, luta, dentista -e alegre, fase -o choro, livro, disco, Vogais temáticas verbais -a estudava, chegará, (primeira conjugação) -e vendem, pões, (segunda conjugação) -i definiria, sentisse, (terceira conjugação)
  • 18. Vogal e consoante de ligação • Morfemas atípicos. • São aqueles acrescidos por motivo de eufonia, e não por razão semântica. Vogais de ligação silvícola, gasômetro, cacauicultor, raticida Consoante de ligação cafeteira, pezinho, chaleira, pobretão, capinzal, cafezal