SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Objetivo: Expor, argumentar ou
desenvolver uma tema proposto,
analisando-o sob um determinado
ponto de vista e fundamentando-o
com argumentos convincentes, em
defesa de nossas posições.
Texto Dissertativo-Argumentativo
Dissertar é tratar com desenvolvimento um
assunto.
 É discorrer sobre um ponto de vista,
opinando ou persuadindo.
 procuramos justificativas:
para a elevação dos preços;
para o aumento da violência;
para o desemprego.
 estamos preocupados com:
os descasos com a Amazônia;
as guerras;
a AIDS;
a natureza: a poluição, os desmatamentos, o aquecimento
global, etc.
DISSERTAR é um ato que desenvolvemos todos
os dias, quando:
Defendemos nossos pontos de vista em relação:
à nossa liberdade;
ao futebol;
à música;
ao aborto;
às minorias;
às injustiças sociais;
ao avanço da tecnologia;
à genética.
O TEXTO DISSERTATIVO é aquele que expressa uma TESE
(um ponto de vista) sobre determinado ASSUNTO, apoiada
em dados, fatos (exemplos), fundamentações; enfim, em
ARGUMENTOS (informações que comprovem sua tese).
Em suma, dissertação implica em discussão de ideias,
argumentação, raciocínio, organização de pensamento,
defesa de pontos de vista, descoberta de soluções.
Significa refletir sobre o mundo que nos cerca.
ESTRUTURA
Um texto dissertativo precisa ter uma estrutura bem
organizada. Nesse sentido, os maiores problemas de um
texto dissertativo são:
- Expor as ideias desordenadas no papel;
- falta de uma linha de raciocínio (coerência);
- não relacionar uma ideia com outra (coesão);
- não provar absolutamente nada.
=> As partes da dissertação devem
estar bem definidas e intimamente
ligadas.
=> O modo de se estruturar a redação
é o que mais se valoriza para a
inteligibilidade do texto.
1 – Introdução: apresentação da ideia principal ou
tese.
2 – Desenvolvimento: apresentação de argumentos
que sustentam a ideia principal.
3 – Conclusão: apresentação de um resumo da ideia
principal ou de uma sugestão para a resolução do
problema.
O texto dissertativo - argumentativo organiza-se
em três partes:
INTRODUÇÃO – normalmente apresenta-se a ideia
central a ser discutida, de modo que o leitor saiba de
que o texto vai tratar. Corresponde, geralmente, a
um parágrafo.
A Introdução deve:
 Apresentar a ideia núcleo do texto
 Apontar o que o texto tratará no desenvolvimento
Transmitir a mensagem de modo que fique clara e
objetiva para o leitor.
DESENVOLVIMENTO – Parte encarregada pelo
desdobramento da ideia central. Corresponde à
exposição dos argumentos que comprovam o
ponto de vista contido na introdução. Pode
haver mais de um parágrafo, dependendo da
quantidade de linhas disponíveis.
•Parte que se discorre sobre o assunto
abordado pela tese;
•Utiliza-se de fatos e de exemplos;
•Fatos e argumentos fazem com que o
conteúdo ideológico da tese seja
plenamente desenvolvido, levando a
uma conclusão.
Desenvolvimento
Conclusão
Síntese das ideias.
Apontamento da solução para as
questões abordadas no desenvolvimento.
CONCLUSÃO: É o acabamento da redação, parte que
“amarra” o texto. Não deve ser iniciada abruptamente, como
também não pode ser acabada de súbito.
Pode funcionar de três maneiras:
Retomada da ideia central, a fim de confirmá-la;
Resumo das ideias principais apresentadas e discutidas;
Sugestão de soluções para a resolução da problemática
abordada.
Observações:
1 – A linguagem tende à impessoalidade, por isso os verbos
e os pronomes são empregados na 3ª pessoa do singular.
2 – A variedade linguística predominante é a padrão.
3 – Os verbos são empregados predominantemente no
presente do indicativo.
 Em resumo: a linguagem do texto dissertativo
A linguagem neste tipo de texto é denotativa, isto é,
preocupada com a informação. Deve ser uma linguagem
impessoal e objetiva, com emprego da forma culta e
formal da língua (padrão).
 Deve-se ter como preocupação persuadir o leitor e transmitir
informações que se pretende como conhecimentos verdadeiros, e
dessa forma se tornar convincente.
 Diante do tema, o autor deve se posicionar acerca do assunto e,
através dos seus argumentos, demonstrar conhecimento de mundo:
Com clareza, domínio da língua, seleção de conteúdos pelos seus
valores reais, organizando-os de forma coesa e coerente entre os
assuntos, os quais serão fechados na conclusão, completando
assim, o ponto de vista inicial.
Argumentação nos textos dissertativos
EXEMPLOS DE TEXTOS
DISSERTATIVO - ARGUMENTATIVOS
Gêneros predominantes:
Editorial
Artigo
Crítica
Monografia
Tese
Tipos de argumentos aos quais podemos
recorrer:
Argumento com base em citação – Fundamenta-se mediante a
citação de uma frase ou pensamento de uma autoridade ou
especialista no assunto.
 Promove credibilidade ao texto;
 Enriquece o texto com informações a respeito dos trabalhos desenvolvidos
na área foco;
 Fornece exemplos de pontos de vista semelhantes ou divergentes sobre o
assunto objeto de sua pesquisa.
 Citação direta
Ao identificar o conceito de atividade, Leontiev, Especialista
em Psicopedagogia, afirma que “por esse termo designamos
apenas aqueles processos que, realizando as relações do
homem com o mundo, satisfazem uma necessidade
especial correspondente a ele”.
 Citação indireta
Ao identificar o conceito de atividade, Leontiev, Especialista
em Psicopedagogia, afirma que pelo termo mencionado é
possível designar apenas aqueles processos relativos às relações
do homem com o mundo, e que satisfazem uma necessidade
humana específica.
Fundamenta-se nas ideias voltadas para princípios
e valores que são reconhecidamente partilhados
pela maioria das pessoas de uma sociedade.
Refere-se a conceitos considerados irrefutáveis,
partilhados.
Argumento com base no senso comum
 São aqueles fatos que comprovam a tese
e confirmam crédito ao texto (dados,
estatísticas, pesquisas, informações
comprovadamente científicas, ou seja, de
fontes sérias).
Argumento com base em evidências
Estabelece uma relação de causa e consequência,
para que não se prejudiquem a sequência ordenada
dos parágrafos nem o sentido geral do texto.
Mantém a coesão e coerência entre palavras e
entre parágrafos.
Argumento com base no raciocínio lógico
A IMPORTÂNCIA DOS EXEMPLOS
 Os exemplos dão vida ao texto.
 Esclarecem o raciocínio.
 Iluminam a compreensão.
 Intensificam o processo de persuasão, expondo
as ideias de modo concreto.
 Não só ilustram o texto, mas levam o leitor a sentir,
a pensar, a viver.
 Apresentação do tema e do ponto de vista.
 Exemplos a, b, c (do passado, apresentados na
sequência).
 Exemplo d (do presente).
 Apresentação dos porquês.
 Reafirmação do ponto de vista.
Leia uma proposta de redação da FUVEST e uma dissertação
que obteve nota máxima. Observe como o texto foi desenvolvido.
Há um conto de H. G. Wells, chamado A terra dos
cegos, que narra o esforço de um homem com visão
normal para persuadir uma população cega de que ele
possui um sentido do qual ela é destituída; fracassa, e
afinal a população decide arrancar-lhe os olhos para
curá-lo de sua ilusão.
 Discuta a ideia central do conto, comparando-a com a
do ditado popular “Em terra de cego quem tem um
olho é rei”. Em sua opinião essas ideias são antagônicas
ou você vê um modo de conciliá-las?
TERRA DE CEGOS
A AUDÁCIA DE ENXERGAR À FRENTE
A capacidade de estar à frente de seu tempo quase nunca confere ao
seu possuidor alguma vantagem. A dureza das sociedades humanas em
aceitar certas noções desmente, não raro, o ditado popular que diz que “Em
terra de cego quem tem um olho é rei”.
Exemplos, a história é pródiga em nos apresentar. Sócrates foi obrigado,
pela sociedade ateniense, a tomar cicuta, em razão de suas ideias. Giordano
Bruno, que concebeu a terra como um simples planeta, tal como sabemos hoje, foi
chamado herege e queimado. Darwin debateu-se contra a incompreensão e
condenação de suas ideias, mais tarde aceitas.
Ainda hoje, temos exemplos de procedimentos similares. Oscar Arias,
presidente da Costa Rica e prêmio Nobel da Paz, ainda há pouco tempo se
debatia contra a sociedade de seu país, que teimava em colocar obstáculos à sua
atuação. Em tempo: o mérito de Oscar Arias nem era o de estar à frente de seu
tempo, mas simplesmente o de analisar os problemas do presente.
Esse mal não será curado tão cedo. Isso porque as pessoas que
conseguem enxergar à frente apresentam ao homem o que ele odeia desde
tempos imemoriais: a necessidade de rever as próprias convicções. Enquanto
esse ódio – ou será medo – não for superado, a humanidade continuará
mandando outros “Giordano Bruno” para a fogueira da incompreensão e do
isolamento. E, ignorando as pessoas de visão, continuará cega para o futuro
e para si mesma.
Vamos partir do princípio de que escrever é
comunicar, é transmitir uma mensagem ao
leitor. Portanto, quem quer comunicar e ser
bem compreendido precisa ser claro, bem
organizado nos seus atos de comunicação.
ALGUMAS FORMAS DE SE
INICIAR UMA DISSERTAÇÃO
Definição: Pode-se começar a dissertar
fazendo uma definição do tema, para
atribuir maior clareza e objetividade
ao texto.
Violência consiste em...
A violência se caracteriza como....
Um ato é violento quando...
Existe violência se...
 Comparação: Tem-se também a opção de
começar, buscando uma definição do tema por
comparação.
Atribui-se a violência como...
A violência torna-se semelhante a...
A violência parece-se com..., lembra...
 Citação: Pode-se ainda iniciar o texto com uma
citação relativa ao tema. Uma frase interessante,
um verso, um fragmento...
O ideal é que a citação seja feita do modo clássico:
entre aspas, reproduzindo exatamente as palavras
do autor e com indicação da fonte de onde foi
retirada.
Em seguida, faz-se uma pequena análise, um breve
comentário a respeito da opinião citada, expondo,
ao mesmo tempo, o seu ponto de vista sobre o
assunto.
 Histórico: no início do texto pode fazer um histórico, uma
explanação rápida do tema através dos tempos, dando ao tema
uma abordagem temporal.
Antes, a violência era “X”; agora é...
Ontem, a violência era “X”; hoje é “Y”; amanhã será...
Depois do histórico, apresenta-se a IDEIA CENTRAL e inicia-se
a argumentação.
 Exemplo: Pode-se também escolher um fato-exemplo
expressivo para iniciar o texto. Em seguida, faz-se uma
análise interpretativa desse exemplo – que poderá ou não
ser retomado mais adiante – , revelando nossa visão sobre
o tema.
Iniciar uma dissertação a partir de um exemplo dá
concretude e comunicabilidade ao texto.
 Estatística: Pode-se começar a redação pela
apresentação de um dado estatístico esclarecedor
sobre o tema. O procedimento é praticamente
idêntico ao de iniciar o texto pela exemplificação.
 Resumo: Um resumo daquilo que se pensa sobre o
assunto da redação é uma das possibilidades de início.
O começo da dissertação funcionaria, assim, como
uma espécie de índice, de sumário do texto, em que se
apresentaria de modo sintético o tema, o ponto de
vista e a argumentação.
É possível afirmar que, desde 2004, alguns eleitores desinformados
vêm sendo confundidos, principalmente, por causa de falsos e-mails que
circulam pela Internet. Essas mensagens, de autoria desconhecida,
transmitem uma informação incorreta sobre o voto nulo e acabam
convencendo os cidadãos insatisfeitos com os políticos a anular seu voto.
Porém muitos eleitores não sabem que o único voto capaz de anular a
eleição é o voto que é anulado decorrente de algum acontecimento que
prejudica o processo eleitoral, como, por exemplo, a falsificação de votos, a
compra de votos ou o furto de urnas.
Assim, o voto nulo é apenas uma manifestação direta da pessoa que vota,
muitas vezes, pensando que pode anular a eleição e ter, como
consequência, a substituição dos candidatos, sendo aparentemente algo
vantajoso.
Então, em alguns casos, quando uma pessoa vota nulo, visando a
provocar uma nova eleição, ela está sendo, muitas vezes, enganada por falsas
informações que recebeu na Internet ou que ouviu de alguém, o que faz com
que o eleitor desperdice um dos nossos direitos mais valiosos, o direito de
escolher um candidato para representá-lo politicamente.
Assim, antes de uma pessoa votar, além de pensar qual será o
melhor candidato para votar, deve ter o cuidado de não se enganar com
informações incorretas , procurando sempre confirmar essas informações
e verificar se as fontes são confiáveis, pois, assim, os eleitores estarão
valorizando o seu voto.
Redação de um aluno do Ensino Médio
A linguagem dissertativa
 Adequação: A redação deve obedecer à norma culta escrita,
evitando-se repetições inexpressivas, gírias, vocabulário
impreciso...
 Clareza: Deve-se evitar ambiguidade e obscuridade.
 Concisão: Evitar redundâncias, prolixidade.
 Coesão: Evitar frases e períodos desconexos.
 Expressividade: Evitar as frases feitas e os lugares-comuns.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Gênero notícia
Gênero notíciaGênero notícia
Gênero notícia
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Transitividade verbal
Transitividade verbalTransitividade verbal
Transitividade verbal
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Slides aula verbos
Slides   aula verbosSlides   aula verbos
Slides aula verbos
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Diferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opiniãoDiferença entre fato e opinião
Diferença entre fato e opinião
 

Destaque

AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOMarcelo Cordeiro Souza
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redaçãoteleestacao
 
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosExemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosmundograduado
 
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--12015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1Davi Ávila
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoSinara Lustosa
 
Plano de aula dissertação
Plano de aula   dissertaçãoPlano de aula   dissertação
Plano de aula dissertaçãoportalredacao
 
Redação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introduçãoRedação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introduçãoMande Bem no ENEM
 

Destaque (9)

AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
 
Curso de redação
Curso de redaçãoCurso de redação
Curso de redação
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
 
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosExemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
 
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--12015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
2015 tipos-de-introdução-texto-dissertativo-argumentativo--1
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Plano de aula dissertação
Plano de aula   dissertaçãoPlano de aula   dissertação
Plano de aula dissertação
 
Redação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introduçãoRedação: Proposta, planejamento e introdução
Redação: Proposta, planejamento e introdução
 
10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação10 passos para uma boa redação
10 passos para uma boa redação
 

Semelhante a AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA

Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Edson Alves
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo7 de Setembro
 
aula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptx
aula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptxaula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptx
aula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptxStfaniLopes
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaRobson Melo
 
Texto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptx
Texto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptxTexto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptx
Texto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptxEdson Cavalcante
 
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao   texto dissert.-argumentativoAula de redacao   texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao texto dissert.-argumentativodoryoliveira
 
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao   texto dissert.-argumentativoAula de redacao   texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao texto dissert.-argumentativodoryoliveira
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo7 de Setembro
 
Eptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressaoEptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressaoClara Bueno
 
Eptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressaoEptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressaoClara Bueno
 
Artigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptxArtigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptxFtimaDantas7
 
Dissertação i
Dissertação iDissertação i
Dissertação iPaula Gali
 
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdfSLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdfevandro163685
 
Generostextuais3serie
Generostextuais3serieGenerostextuais3serie
Generostextuais3serieutencilio
 
Dissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativaDissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativatali_vini
 

Semelhante a AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA (20)

Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
aula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptx
aula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptxaula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptx
aula01-textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02.pptx
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
 
Texto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptx
Texto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptxTexto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptx
Texto dissertativo argumentativo - Aula 1.pptx
 
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao   texto dissert.-argumentativoAula de redacao   texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
 
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao   texto dissert.-argumentativoAula de redacao   texto dissert.-argumentativo
Aula de redacao texto dissert.-argumentativo
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
 
Eptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressaoEptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressao
 
Eptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressaoEptv artigo de opiniao portinari impressao
Eptv artigo de opiniao portinari impressao
 
Artigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptxArtigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptx
 
Aula dissertação
Aula dissertaçãoAula dissertação
Aula dissertação
 
Dissertação i
Dissertação iDissertação i
Dissertação i
 
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdfSLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
SLIDES-Tipo-textual-DISSERTATIVO.pdf
 
Aula de redacao
Aula de redacaoAula de redacao
Aula de redacao
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]Ot 26 05[1]
Ot 26 05[1]
 
Generostextuais3serie
Generostextuais3serieGenerostextuais3serie
Generostextuais3serie
 
Dissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativaDissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativa
 

Mais de Marcelo Cordeiro Souza

Origem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosOrigem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosMarcelo Cordeiro Souza
 
Anatomia Músculos Para Peças Anatômicas
Anatomia Músculos Para Peças AnatômicasAnatomia Músculos Para Peças Anatômicas
Anatomia Músculos Para Peças AnatômicasMarcelo Cordeiro Souza
 
Anatomia na prática - Sistema musculoesquelético
Anatomia na prática  - Sistema musculoesquelético Anatomia na prática  - Sistema musculoesquelético
Anatomia na prática - Sistema musculoesquelético Marcelo Cordeiro Souza
 
Os Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de AlmeidaOs Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de AlmeidaMarcelo Cordeiro Souza
 
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova prática de aprendizagem
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova  prática  de aprendizagemO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova  prática  de aprendizagem
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova prática de aprendizagemMarcelo Cordeiro Souza
 
A CIDADE DE CANDIBA: transformações e permanências
A CIDADE  DE CANDIBA: transformações e permanências A CIDADE  DE CANDIBA: transformações e permanências
A CIDADE DE CANDIBA: transformações e permanências Marcelo Cordeiro Souza
 
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONALO COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONALMarcelo Cordeiro Souza
 
Elementos componentes da organização agrária
Elementos componentes da organização agráriaElementos componentes da organização agrária
Elementos componentes da organização agráriaMarcelo Cordeiro Souza
 
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OKAULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OKMarcelo Cordeiro Souza
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAMarcelo Cordeiro Souza
 
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFOAULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFOMarcelo Cordeiro Souza
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTOMarcelo Cordeiro Souza
 
Polarização da luz, matematizando a luz fisica
Polarização da luz, matematizando a luz   fisicaPolarização da luz, matematizando a luz   fisica
Polarização da luz, matematizando a luz fisicaMarcelo Cordeiro Souza
 

Mais de Marcelo Cordeiro Souza (17)

Origem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculosOrigem, inserção e ação dos músculos
Origem, inserção e ação dos músculos
 
Anatomia Músculos Para Peças Anatômicas
Anatomia Músculos Para Peças AnatômicasAnatomia Músculos Para Peças Anatômicas
Anatomia Músculos Para Peças Anatômicas
 
Anatomia na prática - Sistema musculoesquelético
Anatomia na prática  - Sistema musculoesquelético Anatomia na prática  - Sistema musculoesquelético
Anatomia na prática - Sistema musculoesquelético
 
Os Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de AlmeidaOs Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
Os Simpsons e a História - Alessandro de Almeida
 
Resumo do Filme "As filhas de eva"
Resumo do Filme "As filhas de eva"Resumo do Filme "As filhas de eva"
Resumo do Filme "As filhas de eva"
 
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova prática de aprendizagem
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova  prática  de aprendizagemO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova  prática  de aprendizagem
O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: construção de uma nova prática de aprendizagem
 
A CIDADE DE CANDIBA: transformações e permanências
A CIDADE  DE CANDIBA: transformações e permanências A CIDADE  DE CANDIBA: transformações e permanências
A CIDADE DE CANDIBA: transformações e permanências
 
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONALO COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
O COMPUTADOR COMO TECNOLOGIA EDUCACIONAL
 
Elementos componentes da organização agrária
Elementos componentes da organização agráriaElementos componentes da organização agrária
Elementos componentes da organização agrária
 
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OKAULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL  - OK
AULA 09 - AULA DE REDACAO - EDITORIAL - OK
 
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTAAULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
AULA 08 - RESENHA CRÍTICA - PRONTA
 
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMAAULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
AULA 07 - CARTA ARGUMENTATIVA - PPT - ATUALÍSSIMA
 
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFOAULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
AULA 04 - REFLEXÕES ACERCA DO PARÁGRAFO
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Industrialização do Brasil
Industrialização do BrasilIndustrialização do Brasil
Industrialização do Brasil
 
Polarização da luz, matematizando a luz fisica
Polarização da luz, matematizando a luz   fisicaPolarização da luz, matematizando a luz   fisica
Polarização da luz, matematizando a luz fisica
 
Transporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiroTransporte ferroviário brasileiro
Transporte ferroviário brasileiro
 

Último

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 

Último (20)

662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 

AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA

  • 1.
  • 2. Objetivo: Expor, argumentar ou desenvolver uma tema proposto, analisando-o sob um determinado ponto de vista e fundamentando-o com argumentos convincentes, em defesa de nossas posições. Texto Dissertativo-Argumentativo
  • 3. Dissertar é tratar com desenvolvimento um assunto.  É discorrer sobre um ponto de vista, opinando ou persuadindo.
  • 4.  procuramos justificativas: para a elevação dos preços; para o aumento da violência; para o desemprego.  estamos preocupados com: os descasos com a Amazônia; as guerras; a AIDS; a natureza: a poluição, os desmatamentos, o aquecimento global, etc. DISSERTAR é um ato que desenvolvemos todos os dias, quando:
  • 5. Defendemos nossos pontos de vista em relação: à nossa liberdade; ao futebol; à música; ao aborto; às minorias; às injustiças sociais; ao avanço da tecnologia; à genética.
  • 6. O TEXTO DISSERTATIVO é aquele que expressa uma TESE (um ponto de vista) sobre determinado ASSUNTO, apoiada em dados, fatos (exemplos), fundamentações; enfim, em ARGUMENTOS (informações que comprovem sua tese). Em suma, dissertação implica em discussão de ideias, argumentação, raciocínio, organização de pensamento, defesa de pontos de vista, descoberta de soluções. Significa refletir sobre o mundo que nos cerca.
  • 7. ESTRUTURA Um texto dissertativo precisa ter uma estrutura bem organizada. Nesse sentido, os maiores problemas de um texto dissertativo são: - Expor as ideias desordenadas no papel; - falta de uma linha de raciocínio (coerência); - não relacionar uma ideia com outra (coesão); - não provar absolutamente nada.
  • 8. => As partes da dissertação devem estar bem definidas e intimamente ligadas. => O modo de se estruturar a redação é o que mais se valoriza para a inteligibilidade do texto.
  • 9. 1 – Introdução: apresentação da ideia principal ou tese. 2 – Desenvolvimento: apresentação de argumentos que sustentam a ideia principal. 3 – Conclusão: apresentação de um resumo da ideia principal ou de uma sugestão para a resolução do problema. O texto dissertativo - argumentativo organiza-se em três partes:
  • 10. INTRODUÇÃO – normalmente apresenta-se a ideia central a ser discutida, de modo que o leitor saiba de que o texto vai tratar. Corresponde, geralmente, a um parágrafo.
  • 11. A Introdução deve:  Apresentar a ideia núcleo do texto  Apontar o que o texto tratará no desenvolvimento Transmitir a mensagem de modo que fique clara e objetiva para o leitor.
  • 12. DESENVOLVIMENTO – Parte encarregada pelo desdobramento da ideia central. Corresponde à exposição dos argumentos que comprovam o ponto de vista contido na introdução. Pode haver mais de um parágrafo, dependendo da quantidade de linhas disponíveis.
  • 13. •Parte que se discorre sobre o assunto abordado pela tese; •Utiliza-se de fatos e de exemplos; •Fatos e argumentos fazem com que o conteúdo ideológico da tese seja plenamente desenvolvido, levando a uma conclusão. Desenvolvimento
  • 14. Conclusão Síntese das ideias. Apontamento da solução para as questões abordadas no desenvolvimento.
  • 15. CONCLUSÃO: É o acabamento da redação, parte que “amarra” o texto. Não deve ser iniciada abruptamente, como também não pode ser acabada de súbito. Pode funcionar de três maneiras: Retomada da ideia central, a fim de confirmá-la; Resumo das ideias principais apresentadas e discutidas; Sugestão de soluções para a resolução da problemática abordada.
  • 16. Observações: 1 – A linguagem tende à impessoalidade, por isso os verbos e os pronomes são empregados na 3ª pessoa do singular. 2 – A variedade linguística predominante é a padrão. 3 – Os verbos são empregados predominantemente no presente do indicativo.
  • 17.  Em resumo: a linguagem do texto dissertativo A linguagem neste tipo de texto é denotativa, isto é, preocupada com a informação. Deve ser uma linguagem impessoal e objetiva, com emprego da forma culta e formal da língua (padrão).
  • 18.  Deve-se ter como preocupação persuadir o leitor e transmitir informações que se pretende como conhecimentos verdadeiros, e dessa forma se tornar convincente.  Diante do tema, o autor deve se posicionar acerca do assunto e, através dos seus argumentos, demonstrar conhecimento de mundo: Com clareza, domínio da língua, seleção de conteúdos pelos seus valores reais, organizando-os de forma coesa e coerente entre os assuntos, os quais serão fechados na conclusão, completando assim, o ponto de vista inicial. Argumentação nos textos dissertativos
  • 19. EXEMPLOS DE TEXTOS DISSERTATIVO - ARGUMENTATIVOS Gêneros predominantes: Editorial Artigo Crítica Monografia Tese
  • 20. Tipos de argumentos aos quais podemos recorrer: Argumento com base em citação – Fundamenta-se mediante a citação de uma frase ou pensamento de uma autoridade ou especialista no assunto.  Promove credibilidade ao texto;  Enriquece o texto com informações a respeito dos trabalhos desenvolvidos na área foco;  Fornece exemplos de pontos de vista semelhantes ou divergentes sobre o assunto objeto de sua pesquisa.
  • 21.  Citação direta Ao identificar o conceito de atividade, Leontiev, Especialista em Psicopedagogia, afirma que “por esse termo designamos apenas aqueles processos que, realizando as relações do homem com o mundo, satisfazem uma necessidade especial correspondente a ele”.  Citação indireta Ao identificar o conceito de atividade, Leontiev, Especialista em Psicopedagogia, afirma que pelo termo mencionado é possível designar apenas aqueles processos relativos às relações do homem com o mundo, e que satisfazem uma necessidade humana específica.
  • 22. Fundamenta-se nas ideias voltadas para princípios e valores que são reconhecidamente partilhados pela maioria das pessoas de uma sociedade. Refere-se a conceitos considerados irrefutáveis, partilhados. Argumento com base no senso comum
  • 23.  São aqueles fatos que comprovam a tese e confirmam crédito ao texto (dados, estatísticas, pesquisas, informações comprovadamente científicas, ou seja, de fontes sérias). Argumento com base em evidências
  • 24. Estabelece uma relação de causa e consequência, para que não se prejudiquem a sequência ordenada dos parágrafos nem o sentido geral do texto. Mantém a coesão e coerência entre palavras e entre parágrafos. Argumento com base no raciocínio lógico
  • 25. A IMPORTÂNCIA DOS EXEMPLOS  Os exemplos dão vida ao texto.  Esclarecem o raciocínio.  Iluminam a compreensão.  Intensificam o processo de persuasão, expondo as ideias de modo concreto.  Não só ilustram o texto, mas levam o leitor a sentir, a pensar, a viver.
  • 26.  Apresentação do tema e do ponto de vista.  Exemplos a, b, c (do passado, apresentados na sequência).  Exemplo d (do presente).  Apresentação dos porquês.  Reafirmação do ponto de vista. Leia uma proposta de redação da FUVEST e uma dissertação que obteve nota máxima. Observe como o texto foi desenvolvido.
  • 27. Há um conto de H. G. Wells, chamado A terra dos cegos, que narra o esforço de um homem com visão normal para persuadir uma população cega de que ele possui um sentido do qual ela é destituída; fracassa, e afinal a população decide arrancar-lhe os olhos para curá-lo de sua ilusão.  Discuta a ideia central do conto, comparando-a com a do ditado popular “Em terra de cego quem tem um olho é rei”. Em sua opinião essas ideias são antagônicas ou você vê um modo de conciliá-las? TERRA DE CEGOS
  • 28. A AUDÁCIA DE ENXERGAR À FRENTE A capacidade de estar à frente de seu tempo quase nunca confere ao seu possuidor alguma vantagem. A dureza das sociedades humanas em aceitar certas noções desmente, não raro, o ditado popular que diz que “Em terra de cego quem tem um olho é rei”. Exemplos, a história é pródiga em nos apresentar. Sócrates foi obrigado, pela sociedade ateniense, a tomar cicuta, em razão de suas ideias. Giordano Bruno, que concebeu a terra como um simples planeta, tal como sabemos hoje, foi chamado herege e queimado. Darwin debateu-se contra a incompreensão e condenação de suas ideias, mais tarde aceitas. Ainda hoje, temos exemplos de procedimentos similares. Oscar Arias, presidente da Costa Rica e prêmio Nobel da Paz, ainda há pouco tempo se debatia contra a sociedade de seu país, que teimava em colocar obstáculos à sua atuação. Em tempo: o mérito de Oscar Arias nem era o de estar à frente de seu tempo, mas simplesmente o de analisar os problemas do presente. Esse mal não será curado tão cedo. Isso porque as pessoas que conseguem enxergar à frente apresentam ao homem o que ele odeia desde tempos imemoriais: a necessidade de rever as próprias convicções. Enquanto esse ódio – ou será medo – não for superado, a humanidade continuará mandando outros “Giordano Bruno” para a fogueira da incompreensão e do isolamento. E, ignorando as pessoas de visão, continuará cega para o futuro e para si mesma.
  • 29. Vamos partir do princípio de que escrever é comunicar, é transmitir uma mensagem ao leitor. Portanto, quem quer comunicar e ser bem compreendido precisa ser claro, bem organizado nos seus atos de comunicação.
  • 30. ALGUMAS FORMAS DE SE INICIAR UMA DISSERTAÇÃO
  • 31. Definição: Pode-se começar a dissertar fazendo uma definição do tema, para atribuir maior clareza e objetividade ao texto. Violência consiste em... A violência se caracteriza como.... Um ato é violento quando... Existe violência se...
  • 32.  Comparação: Tem-se também a opção de começar, buscando uma definição do tema por comparação. Atribui-se a violência como... A violência torna-se semelhante a... A violência parece-se com..., lembra...
  • 33.  Citação: Pode-se ainda iniciar o texto com uma citação relativa ao tema. Uma frase interessante, um verso, um fragmento... O ideal é que a citação seja feita do modo clássico: entre aspas, reproduzindo exatamente as palavras do autor e com indicação da fonte de onde foi retirada. Em seguida, faz-se uma pequena análise, um breve comentário a respeito da opinião citada, expondo, ao mesmo tempo, o seu ponto de vista sobre o assunto.
  • 34.  Histórico: no início do texto pode fazer um histórico, uma explanação rápida do tema através dos tempos, dando ao tema uma abordagem temporal. Antes, a violência era “X”; agora é... Ontem, a violência era “X”; hoje é “Y”; amanhã será... Depois do histórico, apresenta-se a IDEIA CENTRAL e inicia-se a argumentação.
  • 35.  Exemplo: Pode-se também escolher um fato-exemplo expressivo para iniciar o texto. Em seguida, faz-se uma análise interpretativa desse exemplo – que poderá ou não ser retomado mais adiante – , revelando nossa visão sobre o tema. Iniciar uma dissertação a partir de um exemplo dá concretude e comunicabilidade ao texto.
  • 36.  Estatística: Pode-se começar a redação pela apresentação de um dado estatístico esclarecedor sobre o tema. O procedimento é praticamente idêntico ao de iniciar o texto pela exemplificação.  Resumo: Um resumo daquilo que se pensa sobre o assunto da redação é uma das possibilidades de início. O começo da dissertação funcionaria, assim, como uma espécie de índice, de sumário do texto, em que se apresentaria de modo sintético o tema, o ponto de vista e a argumentação.
  • 37. É possível afirmar que, desde 2004, alguns eleitores desinformados vêm sendo confundidos, principalmente, por causa de falsos e-mails que circulam pela Internet. Essas mensagens, de autoria desconhecida, transmitem uma informação incorreta sobre o voto nulo e acabam convencendo os cidadãos insatisfeitos com os políticos a anular seu voto. Porém muitos eleitores não sabem que o único voto capaz de anular a eleição é o voto que é anulado decorrente de algum acontecimento que prejudica o processo eleitoral, como, por exemplo, a falsificação de votos, a compra de votos ou o furto de urnas. Assim, o voto nulo é apenas uma manifestação direta da pessoa que vota, muitas vezes, pensando que pode anular a eleição e ter, como consequência, a substituição dos candidatos, sendo aparentemente algo vantajoso.
  • 38. Então, em alguns casos, quando uma pessoa vota nulo, visando a provocar uma nova eleição, ela está sendo, muitas vezes, enganada por falsas informações que recebeu na Internet ou que ouviu de alguém, o que faz com que o eleitor desperdice um dos nossos direitos mais valiosos, o direito de escolher um candidato para representá-lo politicamente. Assim, antes de uma pessoa votar, além de pensar qual será o melhor candidato para votar, deve ter o cuidado de não se enganar com informações incorretas , procurando sempre confirmar essas informações e verificar se as fontes são confiáveis, pois, assim, os eleitores estarão valorizando o seu voto. Redação de um aluno do Ensino Médio
  • 39. A linguagem dissertativa  Adequação: A redação deve obedecer à norma culta escrita, evitando-se repetições inexpressivas, gírias, vocabulário impreciso...  Clareza: Deve-se evitar ambiguidade e obscuridade.  Concisão: Evitar redundâncias, prolixidade.  Coesão: Evitar frases e períodos desconexos.  Expressividade: Evitar as frases feitas e os lugares-comuns.