SlideShare uma empresa Scribd logo
CONTO TRADICIONAL
O CONTO TRADICIONAL
Antigamente, as pessoas, nos seus serões, contavam histórias irreais ou verídicas, pois
não tinham outra diversão. Geralmente essas histórias eram contadas à lareira.
O conto popular teve origem não nas camadas mais cultas da sociedade, mas sim no
povo. Talvez venha daí o facto de não ser escrito, pois as pessoas, geralmente, não
sabiam ler.
As pessoas mais velhas são os agentes de transmissão do conto. São elas que,
normalmente, transmitem esses contos aos seus netos. Assim, o conto vai de geração
em geração e muitas vezes é alterado, pois “Quem conta um conto acrescenta um
ponto”.
O conto é pois, uma narrativa com raiz na tradição oral. O seu relato ocorria, em geral,
num ambiente comunitário, ao serão.
ESTRUTURA DO CONTO
TRADICIONAL
Situação inicial
•Tempo indeterminado
•Espaço indefinido
•Número reduzido de personagens
Desenvolvimento
•Mudança de situação
•Surgimento de obstáculos
•Resolução do problema
Situação final
OS DEZ ANÕEZINHOS DA TIA
VERDE-ÁGUA
Era uma mulher casada, mas que se dava muito mal com o marido, porque não trabalhava
nem tinha ordem no governo da casa; começava uma coisa e logo passava para outra, tudo
ficava em meio, de sorte que quando o marido vinha para casa nem tinha o jantar feito, e à
noite nem água para os pés nem a cama arranjada. As coisas foram assim, até que o homem
lhe pôs as mãos e ia-a tosando, e ela a passar muito má vida. A mulher andava triste por o
homem lhe bater, e tinha uma vizinha a quem se foi queixar, a qual era velha e se dizia que as
fados a ajudavam. Chamavam-lhe a Tia Verde-Água:
– Ai, Tia! vocemecê é que me podia valer nesta aflição.
– Pois sim, filha; eu tenho dez anõezinhos muito arranjadores, e mando-tos para tua casa
para te ajudarem.
E a velha começou a explicar-lhe o que devia fazer para que os dez anõezinhos a ajudassem;
que quando pela manha se levantasse fizesse logo a cama, em seguida acendesse o lume,
depois enchesse o cântaro de água, varresse a casa, aponteasse a roupa, e no intervalo em
que cozinhasse o jantar fosse dobando as suas meadas, até o marido chegar. Foi-lhe assim
indicando o que havia de fazer, que em tudo isto seria ajudada sem ela o sentir pelos dez
anõezinhos.
A mulher assim o fez, e se bem o fez melhor lhe saiu. logo à boca da noite foi a casa da Tia
Verde-Água agradecer-lhe o ter-lhe mandado os dez anõezinhos, que ela não viu nem sentiu,
mas porque o trabalho correu-lhe como por encanto. Foram-se assim passando as coisas, e o
marido estava pasmado por ver a mulher tornar-se tão arranjadeira e limposa; ao fim de oito
dias ele não se teve que não lhe dissesse como ela estava outra mulher, e que assim viveriam
como Deus com os anjos. A mulher contente por se ver agora feliz, e mesmo porque a féria
chegava para mais, vai a casa da Tia Verde-Água agradecer-lhe o favor que lhe fez:
– Ai, minha Tia, os seus dez anõezinhos fizeram-me um servição; trago agora tudo arranjado, e o
meu homem anda muito meu amigo. O que lhe eu pedia agora é que mos deixasse lá ficar.
A velha respondeu-lhe:
– Deixo, deixo. Pois tu ainda não viste os dez anõezinhos?
– Ainda não; o que eu queria era vê-los.
– Não sejas tola; se tu queres vê-los olha para as tuas mãos, e os teus dedos é que soo os dez
anõezinhos.
A mulher compreendeu a causa, e foi para casa satisfeita consigo por saber como é que se faz
luzir o trabalho.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
Helena Coutinho
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Célia Gonçalves
 
A menina que detestava livros
A menina que detestava livros  A menina que detestava livros
A menina que detestava livros
Mary Alvarenga
 
Ficha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavrasFicha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavras
Raquel Antunes
 
Atividade de espanhol 8º ano
Atividade de espanhol 8º anoAtividade de espanhol 8º ano
Atividade de espanhol 8º ano
Nadja Dócio
 
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina BragaContos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
profesfrancleite
 
Características da entrevista
Características da entrevistaCaracterísticas da entrevista
Características da entrevista
School help
 
Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)
Ana Janela
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
fercariagomes
 
12 13 preposições
12 13 preposições12 13 preposições
12 13 preposições
Diana Ferreira
 
Atividades de português ortografia, paragrafação
Atividades de português   ortografia, paragrafaçãoAtividades de português   ortografia, paragrafação
Atividades de português ortografia, paragrafação
Priscila Castro de Cara
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
Ana Arminda Moreira
 
Palavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimas
Palavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimasPalavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimas
Palavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimas
Sónia Fernandes
 
Poemas para dramatizar
Poemas para dramatizarPoemas para dramatizar
Poemas para dramatizar
VERA OLIVEIRA
 
Classe dos determinantes
Classe dos determinantesClasse dos determinantes
Classe dos determinantes
Matilde Castanho
 
Ficha de exercícios grau dos adjetivos
Ficha de exercícios   grau dos adjetivosFicha de exercícios   grau dos adjetivos
Ficha de exercícios grau dos adjetivos
Maria Cavaleiro
 
A famã­lia das palavras
A famã­lia das palavrasA famã­lia das palavras
A famã­lia das palavras
difisantos
 
O Cavaleiro Dinamarca síntese
O Cavaleiro Dinamarca sínteseO Cavaleiro Dinamarca síntese
O Cavaleiro Dinamarca síntese
Paulo Fonseca Pauloprofpt
 
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Seduc MT
 
7º ano vi5 gabarito
7º ano   vi5 gabarito7º ano   vi5 gabarito
7º ano vi5 gabarito
Karla Costa
 

Mais procurados (20)

1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
 
A menina que detestava livros
A menina que detestava livros  A menina que detestava livros
A menina que detestava livros
 
Ficha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavrasFicha formativa_ Relação entre palavras
Ficha formativa_ Relação entre palavras
 
Atividade de espanhol 8º ano
Atividade de espanhol 8º anoAtividade de espanhol 8º ano
Atividade de espanhol 8º ano
 
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina BragaContos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
Contos produzidos pelos alunos do 7º ano A e B 2014 - Escola Batistina Braga
 
Características da entrevista
Características da entrevistaCaracterísticas da entrevista
Características da entrevista
 
Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)Meu pé de laranja e lima (personagens)
Meu pé de laranja e lima (personagens)
 
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativaO cavaleiro da dinamarca  categorias da narrativa
O cavaleiro da dinamarca categorias da narrativa
 
12 13 preposições
12 13 preposições12 13 preposições
12 13 preposições
 
Atividades de português ortografia, paragrafação
Atividades de português   ortografia, paragrafaçãoAtividades de português   ortografia, paragrafação
Atividades de português ortografia, paragrafação
 
Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]Ppt tipos texto[1]
Ppt tipos texto[1]
 
Palavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimas
Palavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimasPalavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimas
Palavras homófonas, homónimas, homógrafas e parónimas
 
Poemas para dramatizar
Poemas para dramatizarPoemas para dramatizar
Poemas para dramatizar
 
Classe dos determinantes
Classe dos determinantesClasse dos determinantes
Classe dos determinantes
 
Ficha de exercícios grau dos adjetivos
Ficha de exercícios   grau dos adjetivosFicha de exercícios   grau dos adjetivos
Ficha de exercícios grau dos adjetivos
 
A famã­lia das palavras
A famã­lia das palavrasA famã­lia das palavras
A famã­lia das palavras
 
O Cavaleiro Dinamarca síntese
O Cavaleiro Dinamarca sínteseO Cavaleiro Dinamarca síntese
O Cavaleiro Dinamarca síntese
 
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
Sonetos . Produção Textual de Alunos do 8° ano do Ensino Fundamental da Escol...
 
7º ano vi5 gabarito
7º ano   vi5 gabarito7º ano   vi5 gabarito
7º ano vi5 gabarito
 

Destaque

Conto
ContoConto
O Conto Tradicional
O Conto TradicionalO Conto Tradicional
O Conto Tradicional
Vanda Marques
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
Karen Olivan
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
Karen Olivan
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
Olivaldo Ferreira
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
Carla Souto
 
O conto (apresentação)
O conto  (apresentação)O conto  (apresentação)
O conto (apresentação)
vcosouto
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
Amanda Damasceno
 
Características gerais do conto
Características gerais do contoCaracterísticas gerais do conto
Características gerais do conto
luhren
 
3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popular3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popular
Helena Coutinho
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
Karen Olivan
 
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
O cavaleiro sem cabeça   rodrigoO cavaleiro sem cabeça   rodrigo
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
fantas45
 
O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
ProfFernandaBraga
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
pnaicdertsis
 
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
7 de Setembro
 
Contos
ContosContos
A importância do teatro na escola
A importância do teatro na escolaA importância do teatro na escola
A importância do teatro na escola
josivaldopassos
 
A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...
A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...
A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...
José Augusto
 
Conto de mistério
Conto de mistérioConto de mistério
Conto de mistério
fernandavsm
 

Destaque (20)

Conto
ContoConto
Conto
 
O Conto Tradicional
O Conto TradicionalO Conto Tradicional
O Conto Tradicional
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
Estruturatextoteatral
EstruturatextoteatralEstruturatextoteatral
Estruturatextoteatral
 
O conto (apresentação)
O conto  (apresentação)O conto  (apresentação)
O conto (apresentação)
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
 
Características gerais do conto
Características gerais do contoCaracterísticas gerais do conto
Características gerais do conto
 
3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popular3.conto, tardicional popular
3.conto, tardicional popular
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
O cavaleiro sem cabeça   rodrigoO cavaleiro sem cabeça   rodrigo
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
 
O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
 
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto pptGêneros de discurso e gêneros de texto ppt
Gêneros de discurso e gêneros de texto ppt
 
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e ApólogoRedação: Fábula, Parábola e Apólogo
Redação: Fábula, Parábola e Apólogo
 
Contos
ContosContos
Contos
 
A importância do teatro na escola
A importância do teatro na escolaA importância do teatro na escola
A importância do teatro na escola
 
A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...
A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...
A psicanálise dos Contos de Fadas e importância dos contos na infância e na e...
 
Conto de mistério
Conto de mistérioConto de mistério
Conto de mistério
 

Semelhante a Conto tradicional

A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewloveA bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
Liv Sobrenome
 
Leonia devora os livros
Leonia devora os livrosLeonia devora os livros
Leonia devora os livros
Lídia Barros
 
Oscar wilde-o-amigo-dedicado
Oscar wilde-o-amigo-dedicadoOscar wilde-o-amigo-dedicado
Oscar wilde-o-amigo-dedicado
Ana Paula Guerra
 
Oscar wild o amigo dedicado conto pdf
Oscar wild o amigo dedicado conto pdfOscar wild o amigo dedicado conto pdf
Oscar wild o amigo dedicado conto pdf
Margarida Rosário
 
De santa a puta
De santa a putaDe santa a puta
De santa a puta
Angelo Tomasini
 
Livro Digital
Livro DigitalLivro Digital
Livro Digital
Marceliany Farias
 
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
PMP
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
Biblioteca Escolar Portel
 
Barbara cartland a cruz do amor
Barbara cartland   a cruz do amorBarbara cartland   a cruz do amor
Barbara cartland a cruz do amor
Ariovaldo Cunha
 
Barbara cartland a cruz do amor
Barbara cartland   a cruz do amorBarbara cartland   a cruz do amor
Barbara cartland a cruz do amor
Ariovaldo Cunha
 
Estudo de interpretação de texto 6°ano – 3°trimestre - profª. vanessa
Estudo de interpretação de texto   6°ano – 3°trimestre - profª. vanessaEstudo de interpretação de texto   6°ano – 3°trimestre - profª. vanessa
Estudo de interpretação de texto 6°ano – 3°trimestre - profª. vanessa
Luiza Collet
 
Ficha de trabalho e conto integral
Ficha de trabalho e conto integralFicha de trabalho e conto integral
Ficha de trabalho e conto integral
Maria Manuela Torres Paredes
 
SANGUE RUIM
SANGUE RUIMSANGUE RUIM
SANGUE RUIM
Angelo Tomasini
 
Leónia devora os livros
Leónia devora os livrosLeónia devora os livros
Leónia devora os livros
Lara Gonçalves
 
Velhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos AmbienteVelhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos Ambiente
averm
 
001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)
001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)
001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)
Diogo Souza
 
Lenóia devora os livros...
Lenóia devora os livros...Lenóia devora os livros...
Lenóia devora os livros...
labeques
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
Casa Aura Quartz
 
A velhinha e os animais amigos do ambiente
A velhinha e os animais amigos do ambienteA velhinha e os animais amigos do ambiente
A velhinha e os animais amigos do ambiente
PaulaGil6
 
A carta
A carta A carta
A carta
UlyssesG
 

Semelhante a Conto tradicional (20)

A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewloveA bela tenta a fera   lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
A bela tenta a fera lorraine heath - livro 6 - irmãos trewlove
 
Leonia devora os livros
Leonia devora os livrosLeonia devora os livros
Leonia devora os livros
 
Oscar wilde-o-amigo-dedicado
Oscar wilde-o-amigo-dedicadoOscar wilde-o-amigo-dedicado
Oscar wilde-o-amigo-dedicado
 
Oscar wild o amigo dedicado conto pdf
Oscar wild o amigo dedicado conto pdfOscar wild o amigo dedicado conto pdf
Oscar wild o amigo dedicado conto pdf
 
De santa a puta
De santa a putaDe santa a puta
De santa a puta
 
Livro Digital
Livro DigitalLivro Digital
Livro Digital
 
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
Vera.lucia.m.de.carvalho. .espiritismo.-.novamente juntos.
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
Barbara cartland a cruz do amor
Barbara cartland   a cruz do amorBarbara cartland   a cruz do amor
Barbara cartland a cruz do amor
 
Barbara cartland a cruz do amor
Barbara cartland   a cruz do amorBarbara cartland   a cruz do amor
Barbara cartland a cruz do amor
 
Estudo de interpretação de texto 6°ano – 3°trimestre - profª. vanessa
Estudo de interpretação de texto   6°ano – 3°trimestre - profª. vanessaEstudo de interpretação de texto   6°ano – 3°trimestre - profª. vanessa
Estudo de interpretação de texto 6°ano – 3°trimestre - profª. vanessa
 
Ficha de trabalho e conto integral
Ficha de trabalho e conto integralFicha de trabalho e conto integral
Ficha de trabalho e conto integral
 
SANGUE RUIM
SANGUE RUIMSANGUE RUIM
SANGUE RUIM
 
Leónia devora os livros
Leónia devora os livrosLeónia devora os livros
Leónia devora os livros
 
Velhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos AmbienteVelhinha Animais Amigos Ambiente
Velhinha Animais Amigos Ambiente
 
001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)
001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)
001 paolo - detetive cristóvão (primeira parte)
 
Lenóia devora os livros...
Lenóia devora os livros...Lenóia devora os livros...
Lenóia devora os livros...
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
A velhinha e os animais amigos do ambiente
A velhinha e os animais amigos do ambienteA velhinha e os animais amigos do ambiente
A velhinha e os animais amigos do ambiente
 
A carta
A carta A carta
A carta
 

Mais de Ana PAtrícia Lima

A biografia
A biografiaA biografia
A biografia
Ana PAtrícia Lima
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Anorexia (rodrigo)
Anorexia (rodrigo)Anorexia (rodrigo)
Anorexia (rodrigo)
Ana PAtrícia Lima
 
A diabetes
A diabetesA diabetes
A diabetes
Ana PAtrícia Lima
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalAna PAtrícia Lima
 
S.martinho
S.martinhoS.martinho
S.martinho
Ana PAtrícia Lima
 
Homófonas, Homógrafas e Homónimas
Homófonas, Homógrafas e HomónimasHomófonas, Homógrafas e Homónimas
Homófonas, Homógrafas e Homónimas
Ana PAtrícia Lima
 
A amizade
A amizade A amizade
A amizade
Ana PAtrícia Lima
 
Nova versão da cinderela
Nova versão da cinderelaNova versão da cinderela
Nova versão da cinderela
Ana PAtrícia Lima
 
Pronomes
PronomesPronomes
Determinantes
DeterminantesDeterminantes
Determinantes
Ana PAtrícia Lima
 
O dicionário
O dicionárioO dicionário
O dicionário
Ana PAtrícia Lima
 
Verbos
VerbosVerbos

Mais de Ana PAtrícia Lima (15)

A biografia
A biografiaA biografia
A biografia
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Anorexia (rodrigo)
Anorexia (rodrigo)Anorexia (rodrigo)
Anorexia (rodrigo)
 
A diabetes
A diabetesA diabetes
A diabetes
 
Noite de natal2
Noite de natal2Noite de natal2
Noite de natal2
 
Ninguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natalNinguém da prendas ao pai natal
Ninguém da prendas ao pai natal
 
A bd
A bdA bd
A bd
 
S.martinho
S.martinhoS.martinho
S.martinho
 
Homófonas, Homógrafas e Homónimas
Homófonas, Homógrafas e HomónimasHomófonas, Homógrafas e Homónimas
Homófonas, Homógrafas e Homónimas
 
A amizade
A amizade A amizade
A amizade
 
Nova versão da cinderela
Nova versão da cinderelaNova versão da cinderela
Nova versão da cinderela
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Determinantes
DeterminantesDeterminantes
Determinantes
 
O dicionário
O dicionárioO dicionário
O dicionário
 
Verbos
VerbosVerbos
Verbos
 

Conto tradicional

  • 2. O CONTO TRADICIONAL Antigamente, as pessoas, nos seus serões, contavam histórias irreais ou verídicas, pois não tinham outra diversão. Geralmente essas histórias eram contadas à lareira. O conto popular teve origem não nas camadas mais cultas da sociedade, mas sim no povo. Talvez venha daí o facto de não ser escrito, pois as pessoas, geralmente, não sabiam ler. As pessoas mais velhas são os agentes de transmissão do conto. São elas que, normalmente, transmitem esses contos aos seus netos. Assim, o conto vai de geração em geração e muitas vezes é alterado, pois “Quem conta um conto acrescenta um ponto”. O conto é pois, uma narrativa com raiz na tradição oral. O seu relato ocorria, em geral, num ambiente comunitário, ao serão.
  • 3. ESTRUTURA DO CONTO TRADICIONAL Situação inicial •Tempo indeterminado •Espaço indefinido •Número reduzido de personagens Desenvolvimento •Mudança de situação •Surgimento de obstáculos •Resolução do problema Situação final
  • 4. OS DEZ ANÕEZINHOS DA TIA VERDE-ÁGUA Era uma mulher casada, mas que se dava muito mal com o marido, porque não trabalhava nem tinha ordem no governo da casa; começava uma coisa e logo passava para outra, tudo ficava em meio, de sorte que quando o marido vinha para casa nem tinha o jantar feito, e à noite nem água para os pés nem a cama arranjada. As coisas foram assim, até que o homem lhe pôs as mãos e ia-a tosando, e ela a passar muito má vida. A mulher andava triste por o homem lhe bater, e tinha uma vizinha a quem se foi queixar, a qual era velha e se dizia que as fados a ajudavam. Chamavam-lhe a Tia Verde-Água: – Ai, Tia! vocemecê é que me podia valer nesta aflição. – Pois sim, filha; eu tenho dez anõezinhos muito arranjadores, e mando-tos para tua casa para te ajudarem. E a velha começou a explicar-lhe o que devia fazer para que os dez anõezinhos a ajudassem; que quando pela manha se levantasse fizesse logo a cama, em seguida acendesse o lume, depois enchesse o cântaro de água, varresse a casa, aponteasse a roupa, e no intervalo em que cozinhasse o jantar fosse dobando as suas meadas, até o marido chegar. Foi-lhe assim indicando o que havia de fazer, que em tudo isto seria ajudada sem ela o sentir pelos dez anõezinhos.
  • 5. A mulher assim o fez, e se bem o fez melhor lhe saiu. logo à boca da noite foi a casa da Tia Verde-Água agradecer-lhe o ter-lhe mandado os dez anõezinhos, que ela não viu nem sentiu, mas porque o trabalho correu-lhe como por encanto. Foram-se assim passando as coisas, e o marido estava pasmado por ver a mulher tornar-se tão arranjadeira e limposa; ao fim de oito dias ele não se teve que não lhe dissesse como ela estava outra mulher, e que assim viveriam como Deus com os anjos. A mulher contente por se ver agora feliz, e mesmo porque a féria chegava para mais, vai a casa da Tia Verde-Água agradecer-lhe o favor que lhe fez: – Ai, minha Tia, os seus dez anõezinhos fizeram-me um servição; trago agora tudo arranjado, e o meu homem anda muito meu amigo. O que lhe eu pedia agora é que mos deixasse lá ficar. A velha respondeu-lhe: – Deixo, deixo. Pois tu ainda não viste os dez anõezinhos? – Ainda não; o que eu queria era vê-los. – Não sejas tola; se tu queres vê-los olha para as tuas mãos, e os teus dedos é que soo os dez anõezinhos. A mulher compreendeu a causa, e foi para casa satisfeita consigo por saber como é que se faz luzir o trabalho.