Língua PortuguesaTexto e Contexto        Psicologia
Profª Gláuci H. Mora DiasMestre pela USP- FEUSP em Psicologia e LinguagemEspecialista em Linguagem nos Meios de Comunicaçã...
A linguagem viva e dialógica como emancipação econstituição do SER HUMANO em sociedade decultura escrita.
Interpretação da imagem do slide anterior:Fibras óticas – velocidade de informaçãoLinguagem – informaçãoMãos segurando as ...
Qual a importância da linguagem? A linguagem nos constitui como seres humanos e é por meio dela que podemos interagir, nos...
GÊNESIS, I, 1-5No princípio, Deus criou o céu e a terra, poréma terra estava informe e vazia. As trevascobriam a face do a...
O PODER CRIADOR DA LINGUAGEMA palavra é associada ao poder mágico decriar. O fascínio que a linguagem sempreexerceu sobre ...
Apropriação da concepção dialógica de           linguagem de Bakhtin A linguagem é vista numa perspectiva de totalidade, ...
TEXTOS LIDOS, INTERPRETADOS E    PRODUZIDOS NA UNISOOs     textos    produzidos,   lidos   einterpretados em sala de aula ...
MIKHAIL BAKHTIN   A vida é dialógica por natureza. Viversignifica participar de um diálogo: interrogar,escutar, responder,...
Paulo Leminski e o prazer de se usar a             linguagem• Poeta, escritor, professor,  sempre chamou a  atenção por su...
COMO SE DEVE LER?Temos que engendrar uma “reflexão sentida” deum coração informado sobre aspectosfundamentais    da    vid...
Leitura das múltiplas linguagens A poesia, a arte exercitam o leitor o aprendizado da liberdade, mas, para que essa arte p...
Arte/LiteraturaA arte é uma criação humana com valores estéticos,  como beleza, equilíbrio, harmonia, que representam  um ...
Leitura e análise da tela
ContextualizaçãoQual sua concepção de beleza?A tela é bonita? Organizada?O que você enxerga na tela? Todos vemos a mesma c...
Aparição de rosto e fruteira numa praia,        de Salvador Dalí, 1938.
Caminhada “interpretativa”O título como recuperador de sentidoancora nossa interpretação, assim como oconhecimento do pint...
O QUE É TEXTO?As notícias lidas ou ouvidas sãotexto; aquelas conversas, de quefazemos ou não parte, são um texto;o que o p...
Quadro 1Ouvido     Você ouve conversas ocorridas entre duas ou mais pessoas;  noticiários ouvidos pelas rádios ou televisã...
Lido    Você lê textos escritos: notícias, horóscopos, carta do  leitor, editorial em revista ou jornal; romances, contos,...
Em resumo...Quando queremos nos comunicar, recorremosao texto e, por meio dele, nos expressamos.Assim, o texto é expressão...
Todo texto é instituído de intenção, uma vez querecorremos a ele com um objetivo específico.Produzimos – fala, escrita – c...
TIPOLOGIA TEXTUALTEXTOS PODEM SER:DESCRITIVOSNARRATIVOSARGUMENTATIVOS/DISSERTATIVOS
Texto descritivo; descrição objetiva• O texto descritivo tem por base um sujeito observador.• Descrição objetiva: descriçã...
Texto descritivo: descrição               subjetiva• Quanto à segunda, é a descrição em que o sujeito  descreve a realidad...
Texto narrativo• O texto narrativo é aquele que serve de  estrutura para narrar, contar uma história, seja  real ou ficcio...
Texto argumentativo• Esse é o tipo de texto que revela a  intenção de alguém de convencer e/ou  persuadir “o outro” sobre ...
A ESCRITA É MAIS DO QUE UMINSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃOPermite ao sujeito expressar seuspensamentos do começo ao fim, seminte...
• A escrita é, então, o instrumento de  pensamento reflexivo, a linguagem da  abstração e do pensamento teórico.• É uma te...
Abordagem interativa para o que é              ler:• O texto é um espaço que mediatiza a  interação entre autor (locutor q...
• O sentido não está no texto que é um  veículo de comunicação entre autor e  leitor, mas é sugerido pelo autor e  constit...
DIALOGAR COM TEXTOS             REQUER...• Assumir o papel de sujeito desse ato• Ter uma atitude de indagação frente ao  m...
Referências•   BAKHTIN, M. Estética da criação verbal.São Paulo: Martins Fontes, 2003•   _________.Marxismo e filosofia da...
• PERISSÉ, Gabriel. Filosofia, ética e  literatura:uma proposta pedagógica. São• Paulo: Manole, 2004.• POSSENTI, S. . Prag...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias

4.860 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.860
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
863
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias

  1. 1. Língua PortuguesaTexto e Contexto Psicologia
  2. 2. Profª Gláuci H. Mora DiasMestre pela USP- FEUSP em Psicologia e LinguagemEspecialista em Linguagem nos Meios de Comunicação pela UNISOPós-Graduada em Língua Oral e Língua Escrita, Linguística Textual pela USP-FFLCHGraduada em Letras- UNISOProfessora Universitária desde 1998Formadora de Professores desde 2004
  3. 3. A linguagem viva e dialógica como emancipação econstituição do SER HUMANO em sociedade decultura escrita.
  4. 4. Interpretação da imagem do slide anterior:Fibras óticas – velocidade de informaçãoLinguagem – informaçãoMãos segurando as fibras óticasDomínio da informação- linguagem A velocidade da linguagem em nossas mãos. A necessidade de se dominar a informação na era do conhecimento.
  5. 5. Qual a importância da linguagem? A linguagem nos constitui como seres humanos e é por meio dela que podemos interagir, nos emancipar, cumprir nossos direitos e deveres, trabalhar,enfim, viver de forma digna e autônoma em sociedade escrita. Assim, justifica-se o estudo da língua portuguesa na graduação para que possamos ter leitura e escrita proficientes e aquisição de autoria reflexiva.
  6. 6. GÊNESIS, I, 1-5No princípio, Deus criou o céu e a terra, poréma terra estava informe e vazia. As trevascobriam a face do abismo e o Espírito de Deuspairava sobre as águas. E Deus disse: "Faça-se a luz!" E a luz foi feita. Deus viu que a luzera boa, e separou a luz das trevas. Deuschamou à luz DIA, e às trevas NOITE.Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi oprimeiro dia.
  7. 7. O PODER CRIADOR DA LINGUAGEMA palavra é associada ao poder mágico decriar. O fascínio que a linguagem sempreexerceu sobre o homem vem desse poderque permite não sónomear/criar/transformar o universo real,mas também possibilita trocarexperiências, falar sobre o que existiu,poderá vir a existir, e até mesmo imaginaro que não precisa e nem pode existir...
  8. 8. Apropriação da concepção dialógica de linguagem de Bakhtin A linguagem é vista numa perspectiva de totalidade, integrada à vida humana. A comunicação verbal não pode ser compreendida fora de sua ligação com uma situação concreta, numa perspectiva de totalidade, integrada à vida humana.
  9. 9. TEXTOS LIDOS, INTERPRETADOS E PRODUZIDOS NA UNISOOs textos produzidos, lidos einterpretados em sala de aula serãoimportantes, porque são fundamentaispara coexistirmos fora da Universidade enão o contrário.
  10. 10. MIKHAIL BAKHTIN A vida é dialógica por natureza. Viversignifica participar de um diálogo: interrogar,escutar, responder, concordar etc. Nestediálogo o homem participa todo e com toda asua vida: com os olhos, os lábios, as mãos, aalma, o espírito, com o corpo todo, com assuas ações. Ele se põe todo na palavra, eesta palavra entra no tecido dialógico daexistência humana, no simpósio universal.
  11. 11. Paulo Leminski e o prazer de se usar a linguagem• Poeta, escritor, professor, sempre chamou a atenção por sua intelectualidade, cultura e genialidade. Estava sempre à beira de uma explosão e assim produziu muito. É dono de uma extensa e relevante obra. Desde muito cedo, Leminski inventou um jeito próprio de escrever poesia.
  12. 12. COMO SE DEVE LER?Temos que engendrar uma “reflexão sentida” deum coração informado sobre aspectosfundamentais da vida humana: leituracompartilhada – ainda que seja com o autor –daquilo que a gente pensa, sente e ouve.Leitura deve ser aquela que provoca a açãode pensar e sentir criticamente as coisas davida e da morte, os afetos e suasdificuldades, os medos, sabores e dissabores;que permite conhecer questões relativas aomundo social e às tantas e tão diversas lutaspor justiça (ou combate à injustiça).
  13. 13. Leitura das múltiplas linguagens A poesia, a arte exercitam o leitor o aprendizado da liberdade, mas, para que essa arte possa servir de proposta de libertação e integração do ser (constituição) com os outros e consigo mesmo, é preciso que a sensibilidade seja desenvolvida, para que ele não se feche diante do mundo.
  14. 14. Arte/LiteraturaA arte é uma criação humana com valores estéticos, como beleza, equilíbrio, harmonia, que representam um conjunto de procedimentos utilizados para realizar obras. Arte, sendo uma atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e ideias, tem o objetivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores. Cada obra de arte possui um significado único e diferente.A arte apresenta-se através de diversas formas como, a plástica, música, escultura, cinema, teatro, dança, arquitetura etc.
  15. 15. Leitura e análise da tela
  16. 16. ContextualizaçãoQual sua concepção de beleza?A tela é bonita? Organizada?O que você enxerga na tela? Todos vemos a mesma coisa?Você a colocaria em sua casa?
  17. 17. Aparição de rosto e fruteira numa praia, de Salvador Dalí, 1938.
  18. 18. Caminhada “interpretativa”O título como recuperador de sentidoancora nossa interpretação, assim como oconhecimento do pintor Salvador Dalípode conduzir a análise da tela, uma vezque conhecemos uma pouco da estéticado pintor e a contextualizamos.Explora-se, na tela, o onírico e a ilusão deótica.
  19. 19. O QUE É TEXTO?As notícias lidas ou ouvidas sãotexto; aquelas conversas, de quefazemos ou não parte, são um texto;o que o palestrante diz é um texto; ospoemas, os contos etc. são textos;enfim, estamos rodeados de textos,uma vez que, repetindo: quandofalamos, ouvimos, lemos eescrevemos, produzimos textos. Porisso, texto é:
  20. 20. Quadro 1Ouvido Você ouve conversas ocorridas entre duas ou mais pessoas; noticiários ouvidos pelas rádios ou televisão; palestras; discursos em época de eleição; letras de música; entre tantos outros textos.Falado Você produz textos falados, quando participa de conversas (entre você e outra(s) pessoa(s)); uma aula que você ministra (caso seja professor(a)); apresentação de um tópico em reunião de trabalho; uma declaração de amor; entre tantos outros textos.
  21. 21. Lido Você lê textos escritos: notícias, horóscopos, carta do leitor, editorial em revista ou jornal; romances, contos, poemas etc. em livros impressos; email, Facebook e outros textos virtuais; recados, bilhetes, receitas, bula e outros do cotidiano.Escrito Você escreve bilhetes, recados e outros do cotidiano; email, cartas comerciais, memorandos, relatórios e outros possíveis de trabalho; talvez poemas, contos, crônicas do mundo da literatura; e outros, conforme a necessidade e vontade.
  22. 22. Em resumo...Quando queremos nos comunicar, recorremosao texto e, por meio dele, nos expressamos.Assim, o texto é expressão. Além disso, porqueem cada situação comunicativa nós temos umpropósito,o texto exerce uma função, isto é, tem umaserventia. A notícia serve para informar um fatorecente erelevante à sociedade; um recado, para lembrarou pedir algo combinado; uma receita culinária,paraorientar; e assim por diante.
  23. 23. Todo texto é instituído de intenção, uma vez querecorremos a ele com um objetivo específico.Produzimos – fala, escrita – com a intenção defazer algo e o sucesso da comunicação está naidentificação dessa intenção por parte dointerlocutor (o outro, com quem falamos ou paraquem escrevemos). No percurso da interação –entre nós e o outro – damos instruçãonecessária para que o outro faça, com eficácia,essa identificação. Consequentemente, todotexto é expressão de atividade social ecomunicativa, não existindo fora das inter-relações pessoais. Qualquer texto estáancorado em um contexto social concreto.
  24. 24. TIPOLOGIA TEXTUALTEXTOS PODEM SER:DESCRITIVOSNARRATIVOSARGUMENTATIVOS/DISSERTATIVOS
  25. 25. Texto descritivo; descrição objetiva• O texto descritivo tem por base um sujeito observador.• Descrição objetiva: descrição fiel da, em que o sujeito tem como objetivo primeiro informar sobre algo. Ameixeira. Árvore pequena ou arbusto ornamental da família das rosáceas, originária da Europa e do Cáucaso, e que tem drupas de polpa doce ou ácida e frutos comestíveis. FERREIRA, A.B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa.
  26. 26. Texto descritivo: descrição subjetiva• Quanto à segunda, é a descrição em que o sujeito descreve a realidade como a sente, passando a exprimir a afetividade que tem em relação ao objeto, pessoa ou lugar descrito. Cidadezinha cheia de graça Cidadezinha cheia de graça... Tão pequenina que até causa dó! Com seus burricos a pastar na praça... Sua igrejinha de uma torre só... (QUINTANA, Mário)
  27. 27. Texto narrativo• O texto narrativo é aquele que serve de estrutura para narrar, contar uma história, seja real ou ficcional.• Exemplos são o romance, conto, crônica, que são em prosa, essencialmente, mas pode-se encontrar narrativa em poema também.• O texto narrativo pode ser encontrado em conversações (duas pessoas conversando face a face podem narrar uma história acontecida com elas.), MSN, Orkut e em outros textos do cotidiano.
  28. 28. Texto argumentativo• Esse é o tipo de texto que revela a intenção de alguém de convencer e/ou persuadir “o outro” sobre a validade de uma tese, ou seja, que compreende uma proposição (ideia proposta) a ser defendida no desenvolvimento do texto.• Ex.: texto publicitário, dissertação, dissertação de mestrado, tese de doutorado etc.
  29. 29. A ESCRITA É MAIS DO QUE UMINSTRUMENTO DE COMUNICAÇÃOPermite ao sujeito expressar seuspensamentos do começo ao fim, seminterrupção, mas permite também revisaro texto, reformular, fazer correções erasuras, enfim buscar a fórmulaadequada, o que significa a elucidaçãodos pensamentos
  30. 30. • A escrita é, então, o instrumento de pensamento reflexivo, a linguagem da abstração e do pensamento teórico.• É uma tecnologia intelectual porque permite que interrompa a leitura, retorne sobre a mensagem, modifique a recepção, perceba as estratégias, as articulações, as fraquezas.
  31. 31. Abordagem interativa para o que é ler:• O texto é um espaço que mediatiza a interação entre autor (locutor que comunica algo a alguém) e leitor (destinatário real ou imaginário da mensagem) que atribui uma contra- palavra à palavra inscrita no texto que foi objeto de leitura. É nessa interação que se produz o sentido.
  32. 32. • O sentido não está no texto que é um veículo de comunicação entre autor e leitor, mas é sugerido pelo autor e constituído pelo leitor, isto é, o leitor passa a ser um construtor de sentidos a partir das pistas do texto.
  33. 33. DIALOGAR COM TEXTOS REQUER...• Assumir o papel de sujeito desse ato• Ter uma atitude de indagação frente ao mundo• Ler outras leituras afins• Dialogar com o autor do texto• Ter humildade Paulo Freire
  34. 34. Referências• BAKHTIN, M. Estética da criação verbal.São Paulo: Martins Fontes, 2003• _________.Marxismo e filosofia da lingagem. São Paulo: Editora Hucitec, 2006.• BARTHES, Roland. O rumor da língua.Tradução Mario Laranjeira, São Paulo:Editora• Brasiliense, 1988.• ________. A aula.Tradução Leyla Perrone – Moisés.São Paulo: Cultrix, 2004.• ________. O prazer do texto.Tradução J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2006.• COLELLO, Silvia. A escola que (não) ensina a escrever.Paz e Terra:São Paulo, 2007.• _________. A Pedagogia da Exclusão no Ensino da Língua Escrita.• http://www.hottopos.com/videtur23/silvia.htm acesso em junho,2007.• GERALDI, J. W. (org.) O texto na sala de aula – leitura e produção.Cascavel:• Assoeste, 1984.• _________. Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.• KLEIMAN, Angela e MORAES, Silvia. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo• redes nos projetos de escola. Campinas: Mercado de Letras, 1999.• KRAMER, S. Leitura e escrita como experiência – notas sobre seu papel na• formação.In ZACCUR, E. A magia da linguagem. Rio de Janeiro, 2000.
  35. 35. • PERISSÉ, Gabriel. Filosofia, ética e literatura:uma proposta pedagógica. São• Paulo: Manole, 2004.• POSSENTI, S. . Pragas da leitura. Leitura, escola e sociedade. São Paulo, FDE, Série• Idéias n.13, páginas 27-33, 1994.• _________.Por que (não) ensinar gramática na escola.Campinas, SP: ALB: Mercado• de Letras, 1996.

×