SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
+
Profa. Karen Olivan
AS ORIGENS DA
LITERATURA
PORTUGUESA
PARTE 1:
TROVADORISMO
+
A literatura brasileira, em suas primeiras
manifestações, prende-se aos modelos
literários trazidos pelos colonizadores
portugueses. Esses modelos formaram-se
em Portugal entre os séculos XII e XVI, ou
seja, durante a Baixa Idade Média e o
Renascimento.
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
A ERA MEDIEVAL
 Os primeiros registros escritos da literatura
portuguesa datam do século XII.
 Momento que coincide com a expulsão dos árabes
da península Ibérica e com a formação do Estado
português.
 Esses textos eram escritos em galego-português,
em virtude da integração cultural e linguística entre
Portugal e Galícia, região da atual Espanha.
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
A ERA MEDIEVAL
 Esses primeiros escritos constituem a produção da
primeira época medieval 
ERA MEDIEVAL ERA CLÁSSICA
PRIMEIRA ÉPOCA:
TROVADORISMO
(SÉCULOS XII A XIV)
SEGUNDA ÉPOCA
(SÉCULO XV E INÍCIO DO
SÉCULO XVI)
SÉCULO XVI
Poesia
Cantigas de amigo
Lírica Cantigas de amor
Cantigas de escárnio
Satírica Cantigas de maldizer
Poesia palaciana
Cancioneiro geral, de Garcia
de Resende
Lírica: Luís de Camões
Épica: Os lusíadas, de Luís de
Camões
Prosa
Novelas de cavalaria
Hagiografias
Cronições
Nobiliários
Crônicas de Fernão Lopes Novela sentimental: Bernardim
Ribeiro, com Menina e moça
Novelas de cavalaria: João de
Barros
Crônica histórica: João de Barros
Crônica de viagem: Fernão
Mendes Pinto, com Peregrinação
Teatro
Mistérios
Milagres
Moralidades
Autos
Sotties
O Teatro leigo de Gil Vicente Antônio Ferreira:nA Castro (a
primeira peça de influência
clássica no teatro português)
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
O TROVADORISMO
 Portugal conheceu, na primeira época medieval,
manifestações literárias na prosa e no teatro, mas
foi na poesia que alcançou popularidade.
 Uma das razões é que a escrita era pouco difundida
na época.
 A poesia era memorizada e transmitida oralmente.
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
O TROVADORISMO
 Os poemas eram sempre cantados e
acompanhados de instrumentos musicais e de
dança, daí a denominação de cantigas.
 Os autores das cantigas eram trovadores.
 Geralmente, esses poetas pertenciam à nobreza ou
ao clero.
 Além da letra, esses poetas criavam também a
música das composições que executavam para o
púclico das cortes.
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
O TROVADORISMO
 Entre as camadas populares, quem cantava e
executava as canções – mas não as criava – eram
os jograis.
 Os autores desse período eram classificado como:
 trovador: artista profissional de classe superior.
 menestrel: geralmente quem compunha as
cantigas.
 jogral: artista profissional de origem popular.
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
O TROVADORISMO
 As cantigas chegaram até nós por meio de
cancioneiros  coletâneas de poemas de vários
tipos e autores.
 Linguagem em português arcaico e atitude
teocêntrica.
 O rei trovador D. Dinis foi o autor que deixou a obra
mais consistente desse período na península
Ibérica.
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
O TROVADORISMO
 Os cancioneiros mais importantes são:
 Cancioneiro da Ajuda (Séc. XIII)
 Cancioneiro da vaticana (Séc. XV)
 Cancioneiro da Biblioteca Nacional ou
Cancioneiro Colocci-Brancutti (Séc XIV)
 A cantiga mais antiga de que se tem registro é a
Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós,
de 1189 ou 1198.
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
O TROVADORISMO
 As cantigas foram cultivadas tanto no gênero lírico
como no satírico.
 Dependendo das características, elas se organizam
em quatros tipos:
 Líricas: cantigas de amigo e cantigas de amor
 Satíricas: cantigas de escárnio e cantigas de maldizer
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
 Influência da tradição oral
Ibérica.
 Ambientação popular rural ou
urbana.
 Trovador: masculino.
 Eu lírico: masculino.
 Relação de vassalagem com a
mulher.
 Mulher inacessível pela classe
social ou pela idealização do
trovador.
 Forte influência provençal.
 Ambientação aristocrática das
cortes.
 Trovador: masculino.
 Eu lírico: feminino.
 Mulher lamenta a ausência do
“amigo” para as amigas, mãe ou
natureza.
 Mulher e amigo pertencem a
mesma camada social (povo).
CANTIGAS DE AMOR CANTIGAS DE AMIGO
+
AS ORIGENS DA LITERATURA
PORTUGUESA
 CrÍtica indireta por meio do
humor e da ironia.
 Mais direta e objetiva, utiliza
expressões grosseiras e, até, o
nome da pessoa satirizada.
CANTIGAS DE ESCÁRNIO CANTIGAS DE MALDIZER
+
Profa. Karen Olivan
AS ORIGENS DA
LITERATURA
PORTUGUESA
PARTE 1:
TROVADORISMO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

LITERATURA MEDIEVAL
LITERATURA MEDIEVALLITERATURA MEDIEVAL
LITERATURA MEDIEVAL
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Gramatica
GramaticaGramatica
Gramatica
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
Preposições
PreposiçõesPreposições
Preposições
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura - Barroco
Literatura - BarrocoLiteratura - Barroco
Literatura - Barroco
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 

Semelhante a Origens da Literatura Portuguesa: O Trovadorismo

As origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptx
As origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptxAs origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptx
As origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptxEdilmaBrando1
 
trovadorismo.ppt
trovadorismo.ppttrovadorismo.ppt
trovadorismo.pptMaruce2
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismoJonatas Carlos
 
A literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudA literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudSonia Matias
 
Origens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesaOrigens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesadiegopla
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º anoColégio Santa Luzia
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugalSinziana Socol
 
Poesia trovadoresca
Poesia trovadorescaPoesia trovadoresca
Poesia trovadorescaMartaNeto8
 
Poesia trovadoresca - Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...
Poesia trovadoresca -  Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...Poesia trovadoresca -  Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...
Poesia trovadoresca - Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...GabrielaCaetano22
 

Semelhante a Origens da Literatura Portuguesa: O Trovadorismo (20)

As origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptx
As origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptxAs origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptx
As origens da literatura portuguesa-trovadorismo-.pptx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
trovadorismo.ppt
trovadorismo.ppttrovadorismo.ppt
trovadorismo.ppt
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Aula 01 introdução e trovadorismo
Aula 01   introdução e trovadorismoAula 01   introdução e trovadorismo
Aula 01 introdução e trovadorismo
 
Trovadorismo
Trovadorismo Trovadorismo
Trovadorismo
 
A literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudA literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaud
 
Origens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesaOrigens da literatura portuguesa
Origens da literatura portuguesa
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
O renascimento ou classicismo 1º ano
O renascimento ou classicismo  1º anoO renascimento ou classicismo  1º ano
O renascimento ou classicismo 1º ano
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
Poesia trovadoresca
Poesia trovadorescaPoesia trovadoresca
Poesia trovadoresca
 
Literatura Portuguesa
Literatura PortuguesaLiteratura Portuguesa
Literatura Portuguesa
 
Trovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao BarrocoTrovadorismo ao Barroco
Trovadorismo ao Barroco
 
O trovadorismo
O trovadorismoO trovadorismo
O trovadorismo
 
Trovadorismo trabalho 1
Trovadorismo trabalho 1Trovadorismo trabalho 1
Trovadorismo trabalho 1
 
Poesia trovadoresca - Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...
Poesia trovadoresca -  Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...Poesia trovadoresca -  Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...
Poesia trovadoresca - Contextualizac%CC%A7a%CC%83o histo%CC%81rico-litera%CC...
 

Mais de Karen Olivan

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanholKaren Olivan
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntosKaren Olivan
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatroKaren Olivan
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativoKaren Olivan
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOKaren Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisKaren Olivan
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavrasKaren Olivan
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo portuguêsKaren Olivan
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoKaren Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Karen Olivan
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraKaren Olivan
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem Karen Olivan
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaKaren Olivan
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaKaren Olivan
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literáriasKaren Olivan
 

Mais de Karen Olivan (20)

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativo
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e língua
 
As formas literárias
As formas literáriasAs formas literárias
As formas literárias
 
ARTES
ARTESARTES
ARTES
 

Último

ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

Origens da Literatura Portuguesa: O Trovadorismo

  • 1. + Profa. Karen Olivan AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA PARTE 1: TROVADORISMO
  • 2. + A literatura brasileira, em suas primeiras manifestações, prende-se aos modelos literários trazidos pelos colonizadores portugueses. Esses modelos formaram-se em Portugal entre os séculos XII e XVI, ou seja, durante a Baixa Idade Média e o Renascimento.
  • 3. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA A ERA MEDIEVAL  Os primeiros registros escritos da literatura portuguesa datam do século XII.  Momento que coincide com a expulsão dos árabes da península Ibérica e com a formação do Estado português.  Esses textos eram escritos em galego-português, em virtude da integração cultural e linguística entre Portugal e Galícia, região da atual Espanha.
  • 4. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA A ERA MEDIEVAL  Esses primeiros escritos constituem a produção da primeira época medieval 
  • 5. ERA MEDIEVAL ERA CLÁSSICA PRIMEIRA ÉPOCA: TROVADORISMO (SÉCULOS XII A XIV) SEGUNDA ÉPOCA (SÉCULO XV E INÍCIO DO SÉCULO XVI) SÉCULO XVI Poesia Cantigas de amigo Lírica Cantigas de amor Cantigas de escárnio Satírica Cantigas de maldizer Poesia palaciana Cancioneiro geral, de Garcia de Resende Lírica: Luís de Camões Épica: Os lusíadas, de Luís de Camões Prosa Novelas de cavalaria Hagiografias Cronições Nobiliários Crônicas de Fernão Lopes Novela sentimental: Bernardim Ribeiro, com Menina e moça Novelas de cavalaria: João de Barros Crônica histórica: João de Barros Crônica de viagem: Fernão Mendes Pinto, com Peregrinação Teatro Mistérios Milagres Moralidades Autos Sotties O Teatro leigo de Gil Vicente Antônio Ferreira:nA Castro (a primeira peça de influência clássica no teatro português)
  • 6. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA O TROVADORISMO  Portugal conheceu, na primeira época medieval, manifestações literárias na prosa e no teatro, mas foi na poesia que alcançou popularidade.  Uma das razões é que a escrita era pouco difundida na época.  A poesia era memorizada e transmitida oralmente.
  • 7. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA O TROVADORISMO  Os poemas eram sempre cantados e acompanhados de instrumentos musicais e de dança, daí a denominação de cantigas.  Os autores das cantigas eram trovadores.  Geralmente, esses poetas pertenciam à nobreza ou ao clero.  Além da letra, esses poetas criavam também a música das composições que executavam para o púclico das cortes.
  • 8. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA O TROVADORISMO  Entre as camadas populares, quem cantava e executava as canções – mas não as criava – eram os jograis.  Os autores desse período eram classificado como:  trovador: artista profissional de classe superior.  menestrel: geralmente quem compunha as cantigas.  jogral: artista profissional de origem popular.
  • 9. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA O TROVADORISMO  As cantigas chegaram até nós por meio de cancioneiros  coletâneas de poemas de vários tipos e autores.  Linguagem em português arcaico e atitude teocêntrica.  O rei trovador D. Dinis foi o autor que deixou a obra mais consistente desse período na península Ibérica.
  • 10. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA O TROVADORISMO  Os cancioneiros mais importantes são:  Cancioneiro da Ajuda (Séc. XIII)  Cancioneiro da vaticana (Séc. XV)  Cancioneiro da Biblioteca Nacional ou Cancioneiro Colocci-Brancutti (Séc XIV)  A cantiga mais antiga de que se tem registro é a Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós, de 1189 ou 1198.
  • 11. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA O TROVADORISMO  As cantigas foram cultivadas tanto no gênero lírico como no satírico.  Dependendo das características, elas se organizam em quatros tipos:  Líricas: cantigas de amigo e cantigas de amor  Satíricas: cantigas de escárnio e cantigas de maldizer
  • 12. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA  Influência da tradição oral Ibérica.  Ambientação popular rural ou urbana.  Trovador: masculino.  Eu lírico: masculino.  Relação de vassalagem com a mulher.  Mulher inacessível pela classe social ou pela idealização do trovador.  Forte influência provençal.  Ambientação aristocrática das cortes.  Trovador: masculino.  Eu lírico: feminino.  Mulher lamenta a ausência do “amigo” para as amigas, mãe ou natureza.  Mulher e amigo pertencem a mesma camada social (povo). CANTIGAS DE AMOR CANTIGAS DE AMIGO
  • 13. + AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA  CrÍtica indireta por meio do humor e da ironia.  Mais direta e objetiva, utiliza expressões grosseiras e, até, o nome da pessoa satirizada. CANTIGAS DE ESCÁRNIO CANTIGAS DE MALDIZER
  • 14. + Profa. Karen Olivan AS ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA PARTE 1: TROVADORISMO