SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
TEATRO
Profa. Karen Olivan
TEATRO
 Teatro é a arte de representar, através da qual
atores assumem, durante algumas horas,
papéis diferentes de suas atuações na vida real.
 Mas é apenas no teatro que isso ocorre?
 Não. Vemos essa arte também em filmes,
minisséries, novelas etc.
TEATRO
 O gênero teatro pode ser definido como “um
texto [...] encenado em que os diálogos são os
que mais bem imitam as situações reais. Neles
os personagens conversam entre si para dar ao
espectador a sensação de estar dentro da cena.
[...] A maneira como as coisas são ditas
permite ao leitor fazer inferências sobre as
características de cada personagem e
compreender os conflitos da trama.”
COSTA, Sérgio Roberto da. Dicionário de gêneros textuais. Belo
Horizonte: Autêntica, 2008. p. 146.
TEATRO
 Em um texto desse gênero, além da encenação,
há outras características fundamentais.
 São elas:
 Por meio de palavras e gestos, atores
apresentam um acontecimento, num espaço
determinado.
 O texto é formado por diálogos e dividido
em atos e cenas.
TEATRO
 São elas:
 Normalmente não há narrador, há apenas
as falas, os gestos das personagens; a cada
fala, uma personagem assume a primeira
pessoa.
 Por meio de rubricas (ou didascálias),
geralmente colocadas com letras diferentes
e/ou entre parênteses, ocorrem as
descrições do cenário, do figurino, do
ambiente ou da situação antes de cada ato.
TEATRO
 São elas:
 Geralmente a sequência da ação dramática
é constituída de exposição, conflito,
complicação, clímax e desfecho.
https://www.youtube.com/watch?v=N
eGZR6s5Pmc
TRAGÉDIA E COMÉDIA
 Na Antiguidade Clássica, os textos teatrais eram
classificados como tragédia ou comédia.
 Para Aristóteles, a tragédia imita a ação de
homens nobres e de caráter superior, sendo
capaz de causar terror e piedade em quem
assiste a ela ou a lê.
 A comédia, por outro lado, era a imitação de
homens inferiores, ou seja, "do povo",
possuidores de vícios e que viviam situações
ridículas.
https://www.youtube.com/watch?v=J
y8vS4MPiZI
TRAGÉDIA E COMÉDIA
 Segundo Aristóteles, o texto literário, inclusive a
obra teatral, é imitação das atitudes naturais do
homem.
 Atualmente, as representações são feitas, na
sua maioria, com a incorporação de roupas,
atitudes e vozes distintas das dos atores e
atrizes.
 Antes, no teatro grego, eram feitas, também, por
meio de máscaras.
O USO DE MÁSCARAS
 O teatro grego nasceu por volta do século VI
a.C., em Atenas, com apresentações em
festivais sagrados relacionados ao deus Dioniso
(Baco, na mitologia latina).
 Segundo a tradição, com a tragédia e a
comédiá bem organizadas, é o ator e teatrólogo
Téspis quem dá origem à representação
individualizada, apresentando-se com uma
máscara de linho.
O USO DE MÁSCARAS
 A máscara possibilita ao homem assumir novas
ideias e atitudes, pois garante o anonimato.
 Assim, surgiram as festas populares
mascaradas, como o carnaval.
 Mais tarde, na época do Renascimento (século
XVI), as máscaras voltaram a fazer sucesso no
teatro popular italiano conhecido como
Commedia dell’arte, em que os atores
representam tipos fixos. Assim, a representação
seria fiel ao tipo que se desejava transmitir.
O USO DE MÁSCARAS
 Essa tradição europeia foi se modificando,
chegando aos espetáculos circenses, em que a
figura do "palhaço", ainda que desprovida de
máscara, apresenta-se com maquiagem
excessiva, que lhe esconde o rosto, ajudando a
criar uma personalidade diferente da do ator.
 No Oriente, especialmente na Índia, no Japão e
na China, é tradicional o uso de pinturas que
modificam os rostos, como as máscaras, o que
permite a criação de vários tipos.
O USO DE MÁSCARAS
 Nas comunidades africanas, as máscaras têm o
poder de tirar os homens da condição de
mortais e de colocá-los ao lado dos deuses. O
artista, ao se valer da máscara, busca se
aproximar da espiritualidade que ela contém.
 Para povos africanos, as árvores cortadas para
a confecção das máscaras possuem uma alma.
MÁSCARAS SOCIAIS
 As só fazem sentido quando são "vestidas" por
alguém e demonstram toda a simbologia por
trás do seu uso.
 O velho pode se tornar jovem, o feliz
transforma-se em triste, o bom moço em
assassino etc.
 O jogo teatral das máscaras proporciona ao ser
humano deixar de ser quem ele realmente é e
criar uma personagem diferente para si mesmo.
MÁSCARAS SOCIAIS
 As só fazem sentido quando são "vestidas" por
alguém e demonstram toda a simbologia por
trás do seu uso.
 O velho pode se tornar jovem, o feliz
transforma-se em triste, o bom moço em
assassino etc.
 O jogo teatral das máscaras proporciona ao ser
humano deixar de ser quem ele realmente é e
criar uma personagem diferente para si mesmo.
TEATRO
Profa. Karen Olivan

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASJaicinha
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacaobubble13
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAMarcelo Cordeiro Souza
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literaturafabrinnem
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbalSadrak Silva
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade Denise
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros TextuaisEdna Brito
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalRebeca Kaus
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualISJ
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 

Mais procurados (20)

Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Notícia e reportagem
Notícia e reportagemNotícia e reportagem
Notícia e reportagem
 
Notícia gênero textual
Notícia gênero textualNotícia gênero textual
Notícia gênero textual
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Conto Fantástico
Conto FantásticoConto Fantástico
Conto Fantástico
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 

Destaque

Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1rosanafpontes
 
Adaptação para teatro fábula
Adaptação para teatro fábulaAdaptação para teatro fábula
Adaptação para teatro fábulaliamara
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes) Wellinton Augusto
 

Destaque (6)

O texto teatral
O texto teatralO texto teatral
O texto teatral
 
Texto teatral 2
Texto teatral 2Texto teatral 2
Texto teatral 2
 
Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1Literatura infantil eli 2013 1
Literatura infantil eli 2013 1
 
Adaptação para teatro fábula
Adaptação para teatro fábulaAdaptação para teatro fábula
Adaptação para teatro fábula
 
Teatro infantil
Teatro infantilTeatro infantil
Teatro infantil
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 

Semelhante a Gênero textual: teatro

‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, ‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, studio silvio selva
 
14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatralEnilde Diniz
 
Teatro
TeatroTeatro
TeatroAna
 
Elementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatralElementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatralJailson Carvalho
 
Módulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacionalMódulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacionalAgenor Júnior
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriassin3stesia
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramáticoJulia Lemos
 
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatroTaís Ferreira
 
2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatroO Ciclista
 
09 - O teatro
09 - O teatro09 - O teatro
09 - O teatroNAPNE
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesGeo Honório
 
O dramatico
O dramaticoO dramatico
O dramaticoCatarse
 

Semelhante a Gênero textual: teatro (20)

‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin, ‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
‘Manual mínimo do ator, de dario fo. pelo professor oswaldo anzolin,
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral14465604 linguagemteatral
14465604 linguagemteatral
 
Teatro
TeatroTeatro
Teatro
 
Elementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatralElementos estruturais da linguagem teatral
Elementos estruturais da linguagem teatral
 
Módulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacionalMódulo5 multimídia educacional
Módulo5 multimídia educacional
 
Texto dramático história e categorias
Texto dramático história e categoriasTexto dramático história e categorias
Texto dramático história e categorias
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Resumão historia do teatro
Resumão historia do teatroResumão historia do teatro
Resumão historia do teatro
 
2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro2011 08-30 - teatro
2011 08-30 - teatro
 
09 - O teatro
09 - O teatro09 - O teatro
09 - O teatro
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e Atividades
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
O dramatico
O dramaticoO dramatico
O dramatico
 
Teatro contemporâneo
Teatro contemporâneoTeatro contemporâneo
Teatro contemporâneo
 
Teatro Grego
Teatro GregoTeatro Grego
Teatro Grego
 
Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes. Teatro para iniciantes.
Teatro para iniciantes.
 

Mais de Karen Olivan

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanholKaren Olivan
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntosKaren Olivan
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativoKaren Olivan
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOKaren Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisKaren Olivan
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavrasKaren Olivan
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo portuguêsKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoKaren Olivan
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoKaren Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Karen Olivan
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraKaren Olivan
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem Karen Olivan
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaKaren Olivan
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaKaren Olivan
 

Mais de Karen Olivan (20)

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativo
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
Cultura linguagem e língua
Cultura linguagem e línguaCultura linguagem e língua
Cultura linguagem e língua
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 

Gênero textual: teatro

  • 2. TEATRO  Teatro é a arte de representar, através da qual atores assumem, durante algumas horas, papéis diferentes de suas atuações na vida real.  Mas é apenas no teatro que isso ocorre?  Não. Vemos essa arte também em filmes, minisséries, novelas etc.
  • 3. TEATRO  O gênero teatro pode ser definido como “um texto [...] encenado em que os diálogos são os que mais bem imitam as situações reais. Neles os personagens conversam entre si para dar ao espectador a sensação de estar dentro da cena. [...] A maneira como as coisas são ditas permite ao leitor fazer inferências sobre as características de cada personagem e compreender os conflitos da trama.” COSTA, Sérgio Roberto da. Dicionário de gêneros textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 146.
  • 4. TEATRO  Em um texto desse gênero, além da encenação, há outras características fundamentais.  São elas:  Por meio de palavras e gestos, atores apresentam um acontecimento, num espaço determinado.  O texto é formado por diálogos e dividido em atos e cenas.
  • 5. TEATRO  São elas:  Normalmente não há narrador, há apenas as falas, os gestos das personagens; a cada fala, uma personagem assume a primeira pessoa.  Por meio de rubricas (ou didascálias), geralmente colocadas com letras diferentes e/ou entre parênteses, ocorrem as descrições do cenário, do figurino, do ambiente ou da situação antes de cada ato.
  • 6. TEATRO  São elas:  Geralmente a sequência da ação dramática é constituída de exposição, conflito, complicação, clímax e desfecho.
  • 8. TRAGÉDIA E COMÉDIA  Na Antiguidade Clássica, os textos teatrais eram classificados como tragédia ou comédia.  Para Aristóteles, a tragédia imita a ação de homens nobres e de caráter superior, sendo capaz de causar terror e piedade em quem assiste a ela ou a lê.  A comédia, por outro lado, era a imitação de homens inferiores, ou seja, "do povo", possuidores de vícios e que viviam situações ridículas.
  • 10. TRAGÉDIA E COMÉDIA  Segundo Aristóteles, o texto literário, inclusive a obra teatral, é imitação das atitudes naturais do homem.  Atualmente, as representações são feitas, na sua maioria, com a incorporação de roupas, atitudes e vozes distintas das dos atores e atrizes.  Antes, no teatro grego, eram feitas, também, por meio de máscaras.
  • 11. O USO DE MÁSCARAS  O teatro grego nasceu por volta do século VI a.C., em Atenas, com apresentações em festivais sagrados relacionados ao deus Dioniso (Baco, na mitologia latina).  Segundo a tradição, com a tragédia e a comédiá bem organizadas, é o ator e teatrólogo Téspis quem dá origem à representação individualizada, apresentando-se com uma máscara de linho.
  • 12. O USO DE MÁSCARAS  A máscara possibilita ao homem assumir novas ideias e atitudes, pois garante o anonimato.  Assim, surgiram as festas populares mascaradas, como o carnaval.  Mais tarde, na época do Renascimento (século XVI), as máscaras voltaram a fazer sucesso no teatro popular italiano conhecido como Commedia dell’arte, em que os atores representam tipos fixos. Assim, a representação seria fiel ao tipo que se desejava transmitir.
  • 13. O USO DE MÁSCARAS  Essa tradição europeia foi se modificando, chegando aos espetáculos circenses, em que a figura do "palhaço", ainda que desprovida de máscara, apresenta-se com maquiagem excessiva, que lhe esconde o rosto, ajudando a criar uma personalidade diferente da do ator.  No Oriente, especialmente na Índia, no Japão e na China, é tradicional o uso de pinturas que modificam os rostos, como as máscaras, o que permite a criação de vários tipos.
  • 14. O USO DE MÁSCARAS  Nas comunidades africanas, as máscaras têm o poder de tirar os homens da condição de mortais e de colocá-los ao lado dos deuses. O artista, ao se valer da máscara, busca se aproximar da espiritualidade que ela contém.  Para povos africanos, as árvores cortadas para a confecção das máscaras possuem uma alma.
  • 15. MÁSCARAS SOCIAIS  As só fazem sentido quando são "vestidas" por alguém e demonstram toda a simbologia por trás do seu uso.  O velho pode se tornar jovem, o feliz transforma-se em triste, o bom moço em assassino etc.  O jogo teatral das máscaras proporciona ao ser humano deixar de ser quem ele realmente é e criar uma personagem diferente para si mesmo.
  • 16. MÁSCARAS SOCIAIS  As só fazem sentido quando são "vestidas" por alguém e demonstram toda a simbologia por trás do seu uso.  O velho pode se tornar jovem, o feliz transforma-se em triste, o bom moço em assassino etc.  O jogo teatral das máscaras proporciona ao ser humano deixar de ser quem ele realmente é e criar uma personagem diferente para si mesmo.