SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
 Excerto de língua escrita ou falada, de 
qualquer extensão, que constitui um todo 
unificado. Toda e qualquer expressão, ou 
conjunto de expressões, que a escrita fixou. 
(Dicionário Aurélio)
O texto se caracteriza por sua unidade 
formal,material. Seus constituintes 
lingüísticos devem se mostrar 
reconhecivelmente integrados. 
 a) O pragmático: Analisa o funcionamento do 
texto, enquanto atuação informacional e 
comunicativa. 
 b) Semântico Conceitual: Que diz respeito a 
sua coerência. 
 c) O formal: Que diz respeito a sua coesão.
 Características, que fazem um texto,ser 
mesmo um texto, e não uma seqüência de 
frases.Apontam-se sete fatores responsáveis 
pela textualidade. 
FATORES DE TEXTUALIDADE 
Intencionalidade 
Inforcmatividade 
Aceitabilidade 
Situcionalidade 
Informatividade 
Intertextualidade
 Num discurso oral ou escrito, conjunto de 
relações que unem os significados de sentenças. 
[A coerência de um discurso pode apoiar-se em 
mecanismos formais, i. e., de natureza 
gramatical ou lexical, e no conhecimento 
partilhado entre os usuários da língua.] 
(Dicionário Aurélio)
 Ligação, de natureza gramatical ou lexical, 
entre os elementos de uma frase ou de um 
texto. (Dicionário Aurélio)
 É fundamental para a textualidade que as 
idéias apresentem relações coerentes.Logo 
estes recursos ( Coerência e Coesão) devem 
ser usados conforme regras especificas sob 
pena de reduzir a aceitabilidade do texto.
 Tais fatores foram estudados inicialmente por 
Beugrande e Dressler , formam um grupo 
composto por cinco fatores sendo estes:
 Refere-se ao esforço do produtor do texto 
em construir uma comunicação eficiente 
capaz de satisfazer os objetivos de ambos os 
interlocutores. Quer dizer, o texto produzido 
deverá ser compatível com as intenções 
comunicativas de quem o produz.
 O texto produzido também deverá ser 
compatível com a expectativa do receptor 
em colocar-se diante de um texto coerente, 
coeso, útil e relevante. O contrato de 
cooperação estabelecido pelo produtor e 
pelo receptor permite que a comunicação 
apresente falha de quantidade e de 
qualidade, sem que haja vazios 
comunicativos. Isso se dá porque o receptor 
esforça-se em compreender os textos 
produzidos.
 É a adequação do texto a uma situação comunicativa, 
ao contexto. Note-se que a situação orienta o sentido 
do discurso, tanto na sua produção como na sua 
interpretação. Por isso, muitas vezes, menos coeso e, 
aparentemente, menos claro pode funcionar melhor 
em determinadas situações do que outro de 
configuração mais completa. É importante notar que 
a situação comunicativa interfere na produção do 
texto, assim como este tem reflexos sobre toda a 
situação, já que o texto não é um simples reflexo do 
mundo real. O homem serve de mediador, com suas 
crenças e idéias, recriando a situação. O mesmo 
objeto é descrito por duas pessoas distintamente, 
pois elas o encaram de modo diverso. Muitos 
lingüistas têm-se preocupado em desenvolver cada 
um dos fatores citados, ressaltando sua importância 
na construção dos textos.
 É a medida na quais as ocorrências de um 
texto são esperadas ou não, conhecidas ou 
não, pelo receptor. Um discurso menos 
previsível tem mais Informatividade. Sua 
recepção é mais trabalhosa, porém mais 
interessante e envolvente. O excesso de 
Informatividade pode ser rejeitado pelo 
receptor, que não poderá processá-lo. O 
ideal é que o texto se mantenha num nível 
mediano de Informatividade, que fale de 
informações que tragam novidades, mas que 
venham ligadas a dados conhecidos.
 Concerne aos fatores que tornam a interpretação 
de um texto dependente da interpretação de 
outros. Cada texto constrói-se, não 
isoladamente, mas em relação a outro já dito, 
do qual abstrai alguns aspectos para dar-lhes 
outra feição. O contexto de um texto também 
pode ser de outros textos com os quais se 
relaciona.
 Exercício 1: (UDESC 2008)Identifique a ordem em que os 
períodos devem aparecer, para que constituam um texto 
coeso e coerente. (Texto de Marcelo Marthe: Tatuagem 
com bobagem. Veja, 05 mar. 2008, p. 86.) 
 I - Elas não são mais feitas em locais precários, e sim em 
grandes estúdios onde há cuidado com a higiene. 
 II - As técnicas se refinaram: há mais cores disponíveis, os 
pigmentos são de melhor qualidade e ferramentas como o 
laser tornaram bem mais simples apagar uma tatuagem 
que já não se quer mais. 
 III - Vão longe, enfim, os tempos em que o conceito de 
tatuagem se resumia à velha âncora de marinheiro. 
 IV - Nos últimos dez ou quinze anos, fazer uma tatuagem 
deixou de ser símbolo de rebeldia de um estilo de vida 
marginal . 
 Assinale a alternativa que contém a seqüência correta, em 
que os períodos devem aparecer.
 A) II, I, III, IV 
 B) IV, II, III,I 
 C) IV, I, II, III 
 D) III, I, IV, II 
 E) I, III, II, IV
 Sobre o conceito de intertextualidade, podemos 
afirmar: 
 I. Introdução de novos elementos no texto. Pode-se 
também retomar esses elementos para introduzir 
novos referentes; 
 II. Operação responsável pela manutenção do foco 
nos objetos de discurso previamente introduzidos; 
 III. Elemento constituinte do processo de escrita e 
leitura, trata-se das relações dialógicas estabelecidas 
entre dois ou mais textos; 
 IV. Pode ocorrer de maneira implícita ou explícita; 
 V. Responsável pela continuidade de um tema e pelo 
estabelecimento das relações semânticas presentes 
em um texto.
 Estão corretas as proposições: 
 a) Todas estão corretas. 
 b) Apenas I, II e V estão corretas. 
 c) Apenas III e IV estão corretas. 
 d) III, IV e V estão corretas. 
 e) I e II estão corretas.
 Exercícios Texto e Textualidade Disponível 
em 
:http://exercicios.brasilescola.com/exercici 
os-redacao/exercicios-sobre-tipos-intertex 
 tualidade.htm#resposta-5400

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
Luciene Gomes
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 

Mais procurados (20)

Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Gramatica
GramaticaGramatica
Gramatica
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Coesão Referencial
Coesão ReferencialCoesão Referencial
Coesão Referencial
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 

Semelhante a Texto e textualidade

Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos CostaFatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Sabrina Dará
 
A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos
Atitude Digital
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
littlevic4
 

Semelhante a Texto e textualidade (20)

Slide elaborado a construção do texto
Slide elaborado   a construção do textoSlide elaborado   a construção do texto
Slide elaborado a construção do texto
 
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos CostaFatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
Fatores de textualidade na produção textual - Daniela dos Santos Costa
 
A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos A intertextualidade nos comerciais televisivos
A intertextualidade nos comerciais televisivos
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Leitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentidoLeitura e producao de sentido
Leitura e producao de sentido
 
produção textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptxprodução textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptx
 
Textualidade
TextualidadeTextualidade
Textualidade
 
Textualidade
TextualidadeTextualidade
Textualidade
 
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdfTRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
TRABALHO DE APRESENTAÇÃO slide coesão e coerência.pdf
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
Expressão Escrita e Oral Presentes na Leitura, na Produção e na Interpretação...
 
A construção do_texto_coesão_e_coerência_textuais
A construção do_texto_coesão_e_coerência_textuaisA construção do_texto_coesão_e_coerência_textuais
A construção do_texto_coesão_e_coerência_textuais
 
Texto E Textualidade
Texto E TextualidadeTexto E Textualidade
Texto E Textualidade
 
PARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdfPARTE 1- 1 - 153.pdf
PARTE 1- 1 - 153.pdf
 
Leitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escritoLeitura e compreensão texto falado e escrito
Leitura e compreensão texto falado e escrito
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
O que é texto?
O que é texto?O que é texto?
O que é texto?
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
01-apostila-versao-digital-lingua-portuguesa-015.909.942-05-1657644533.pdf
 
06
0606
06
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 

Texto e textualidade

  • 1.
  • 2.
  • 3.  Excerto de língua escrita ou falada, de qualquer extensão, que constitui um todo unificado. Toda e qualquer expressão, ou conjunto de expressões, que a escrita fixou. (Dicionário Aurélio)
  • 4. O texto se caracteriza por sua unidade formal,material. Seus constituintes lingüísticos devem se mostrar reconhecivelmente integrados.  a) O pragmático: Analisa o funcionamento do texto, enquanto atuação informacional e comunicativa.  b) Semântico Conceitual: Que diz respeito a sua coerência.  c) O formal: Que diz respeito a sua coesão.
  • 5.  Características, que fazem um texto,ser mesmo um texto, e não uma seqüência de frases.Apontam-se sete fatores responsáveis pela textualidade. FATORES DE TEXTUALIDADE Intencionalidade Inforcmatividade Aceitabilidade Situcionalidade Informatividade Intertextualidade
  • 6.
  • 7.  Num discurso oral ou escrito, conjunto de relações que unem os significados de sentenças. [A coerência de um discurso pode apoiar-se em mecanismos formais, i. e., de natureza gramatical ou lexical, e no conhecimento partilhado entre os usuários da língua.] (Dicionário Aurélio)
  • 8.
  • 9.  Ligação, de natureza gramatical ou lexical, entre os elementos de uma frase ou de um texto. (Dicionário Aurélio)
  • 10.  É fundamental para a textualidade que as idéias apresentem relações coerentes.Logo estes recursos ( Coerência e Coesão) devem ser usados conforme regras especificas sob pena de reduzir a aceitabilidade do texto.
  • 11.  Tais fatores foram estudados inicialmente por Beugrande e Dressler , formam um grupo composto por cinco fatores sendo estes:
  • 12.  Refere-se ao esforço do produtor do texto em construir uma comunicação eficiente capaz de satisfazer os objetivos de ambos os interlocutores. Quer dizer, o texto produzido deverá ser compatível com as intenções comunicativas de quem o produz.
  • 13.  O texto produzido também deverá ser compatível com a expectativa do receptor em colocar-se diante de um texto coerente, coeso, útil e relevante. O contrato de cooperação estabelecido pelo produtor e pelo receptor permite que a comunicação apresente falha de quantidade e de qualidade, sem que haja vazios comunicativos. Isso se dá porque o receptor esforça-se em compreender os textos produzidos.
  • 14.  É a adequação do texto a uma situação comunicativa, ao contexto. Note-se que a situação orienta o sentido do discurso, tanto na sua produção como na sua interpretação. Por isso, muitas vezes, menos coeso e, aparentemente, menos claro pode funcionar melhor em determinadas situações do que outro de configuração mais completa. É importante notar que a situação comunicativa interfere na produção do texto, assim como este tem reflexos sobre toda a situação, já que o texto não é um simples reflexo do mundo real. O homem serve de mediador, com suas crenças e idéias, recriando a situação. O mesmo objeto é descrito por duas pessoas distintamente, pois elas o encaram de modo diverso. Muitos lingüistas têm-se preocupado em desenvolver cada um dos fatores citados, ressaltando sua importância na construção dos textos.
  • 15.  É a medida na quais as ocorrências de um texto são esperadas ou não, conhecidas ou não, pelo receptor. Um discurso menos previsível tem mais Informatividade. Sua recepção é mais trabalhosa, porém mais interessante e envolvente. O excesso de Informatividade pode ser rejeitado pelo receptor, que não poderá processá-lo. O ideal é que o texto se mantenha num nível mediano de Informatividade, que fale de informações que tragam novidades, mas que venham ligadas a dados conhecidos.
  • 16.  Concerne aos fatores que tornam a interpretação de um texto dependente da interpretação de outros. Cada texto constrói-se, não isoladamente, mas em relação a outro já dito, do qual abstrai alguns aspectos para dar-lhes outra feição. O contexto de um texto também pode ser de outros textos com os quais se relaciona.
  • 17.
  • 18.
  • 19.  Exercício 1: (UDESC 2008)Identifique a ordem em que os períodos devem aparecer, para que constituam um texto coeso e coerente. (Texto de Marcelo Marthe: Tatuagem com bobagem. Veja, 05 mar. 2008, p. 86.)  I - Elas não são mais feitas em locais precários, e sim em grandes estúdios onde há cuidado com a higiene.  II - As técnicas se refinaram: há mais cores disponíveis, os pigmentos são de melhor qualidade e ferramentas como o laser tornaram bem mais simples apagar uma tatuagem que já não se quer mais.  III - Vão longe, enfim, os tempos em que o conceito de tatuagem se resumia à velha âncora de marinheiro.  IV - Nos últimos dez ou quinze anos, fazer uma tatuagem deixou de ser símbolo de rebeldia de um estilo de vida marginal .  Assinale a alternativa que contém a seqüência correta, em que os períodos devem aparecer.
  • 20.  A) II, I, III, IV  B) IV, II, III,I  C) IV, I, II, III  D) III, I, IV, II  E) I, III, II, IV
  • 21.  Sobre o conceito de intertextualidade, podemos afirmar:  I. Introdução de novos elementos no texto. Pode-se também retomar esses elementos para introduzir novos referentes;  II. Operação responsável pela manutenção do foco nos objetos de discurso previamente introduzidos;  III. Elemento constituinte do processo de escrita e leitura, trata-se das relações dialógicas estabelecidas entre dois ou mais textos;  IV. Pode ocorrer de maneira implícita ou explícita;  V. Responsável pela continuidade de um tema e pelo estabelecimento das relações semânticas presentes em um texto.
  • 22.  Estão corretas as proposições:  a) Todas estão corretas.  b) Apenas I, II e V estão corretas.  c) Apenas III e IV estão corretas.  d) III, IV e V estão corretas.  e) I e II estão corretas.
  • 23.  Exercícios Texto e Textualidade Disponível em :http://exercicios.brasilescola.com/exercici os-redacao/exercicios-sobre-tipos-intertex  tualidade.htm#resposta-5400