SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Estrofe
• Parte de um poema.
• Série versos (linhas) dispostos em uma certa
configuração regular, definidos por metrificação e rima
que se repetem periodicamente.
• Na corrente modernista, encontramos estrofes livres,
onde a preocupação maior é com o conteúdo dando-se
menor importância à metrificação, à rima ou a qualquer
outra configuração regular.
• As estrofes podem ser classificadas como:
1 - monóstico
2 - dístico
3 - terceto
4 - quarteto (ou quadra)
5 – quintilha
• Todas as estrofes que tenham mais de dez versos
recebem a denominação de Irregulares.
6 - sextilha
7 - sétima
8 - oitava
9 - nona
10 - décima
Ritmo
• É a mística da palavra.
• É uma alternação uniforme de sílabas tônicas e não
tônicas em cada verso de uma composição poética.
• O ritmo de um poema ainda tem muito a ver com a
metrificação e a correspondência sonora provocada pela
rima. Todo esse conjunto de elementos determina o
ritmo da obra.
Ritmo
• No verso livre, a sonoridade rítmica obedece a um
padrão próprio, não sendo governado por regras
externas derivadas da alternação uniforme de sílabas
tônicas ou de metrificação e rima, a essa modalidade
dá-se o nome de Arritmia.
Elisão
• A elisão é a supressão (na escrita ou na pronúncia) na
vogal final de uma palavra e antes da vogal inicial da
palavra seguinte. É usado para adequar o número de
sílabas poéticas dentro de um verso.
• Ex.: Copo-d’água - Pau-d’alho
Metrificação - Escansão
• Metrificação é a técnica para se medir um verso.
• Em Português, ela se apóia na tonicidade das palavras,
a escansão; contagem dos sons dos versos.
• É importante observar que as sílabas métricas diferem
das sílabas gramaticais, observando-se as seguintes
regras:
Metrificação – Escansão
1. Contagem das sílabas métricas:
a) Só contaremos até a última sílaba tônica de um
verso.
Tal / a / chu / va
Trans / pa / re / ce
Quan / do / des / ce
Metrificação – Escansão
1. Contagem das sílabas métricas:
b) Quando em um verso uma palavra terminar por
vogal átona e a palavra seguinte começar por vogal ou
H (que não tem som), dar-se-á uma elisão.
A/mo/-te, ó/ cruz/ no/ vér/ti/ce/ fir/ma/da
De es/plên/di/das/ i/gre/jas.
Metrificação – Escansão
2. Classificação do verso quanto ao número de sílabas:
a) Isométricos: são os versos de uma só medida:
• monossílabos
• dissílabos
• trissílabos
• tetrassílabos
• pentassílabos (ou redondilha menor)
• hexassílabos (heróico quebrado
Metrificação – Escansão
2. Classificação do verso quanto ao número de sílabas:
a) Isométricos: são os versos de uma só medida:
• heptassílabos (redondilha maior)
• octossílabos
• eneassílabos
• decassílabos (medida nova)
• hendecassílabos
• dodecassílabos (ou alexandrinos)
Rima
• A rima é um dos elementos do verso, mas não é
essencial ou obrigatório.
• As composições poéticas onde as rimas não são usadas
recebem o nome de Poesia Branca ou Poesia Solta.
• As rimas são classificadas quanto à disposição nas
estrofes, e de acordo com as classes gramaticais que a
compõem. Veja alguns exemplos:
1 - Quanto à posição:
Emparelhada  AA BB
Alternada ABAB
Entrelaçada  ABBA
Interpolada  AABCCB
2 - Quanto ao valor:
• Pobre – Formada por palavras da mesma classe
gramatical.
Existe (verbo)
Teimoso (adjetivo)
Aviste (verbo)
Amoroso (adjetivo)
2 - Quanto ao valor:
• Rica – Formada por palavras de classes gramaticais
diferentes.
Espero (verbo)
Vida (substantivo)
Sincero (adjetivo)
Querida (adjetivo)
2 - Quanto ao valor:
• Preciosa – Formada por artifícios gramaticais, ou
junção de palavras.
Amá-la
Tranqüilo
De gala
Por certo fi-lo
2 - Quanto ao valor:
• Imperfeitas – Formada por palavras homógrafas
(escrita igual ou semelhante, e significado diferente) e
homofônicas (pronúncia igual ou semelhante).
Estrela (Homógrafa)
Vejo (Homofônica)
Vê-la (Homógrafa)
Beijo (Homofônica)
As formas literárias

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textualAgnaldo Paulino
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivosCarla Souto
 
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes RelativosAngélica Manenti
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaJirede Abisai
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Keu Oliveira
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redaçãoElaine Maia
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Denise
 
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioGêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioLae167
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavrascolveromachado
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxeEdson Alves
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras colveromachado
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerenciasilnog
 

Mais procurados (20)

Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
 
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
9º ano E. F. II - Pronomes Relativos
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
AdvéRbios
AdvéRbiosAdvéRbios
AdvéRbios
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
Homonimos e paronimos
Homonimos e paronimosHomonimos e paronimos
Homonimos e paronimos
 
Regência Nominal
Regência NominalRegência Nominal
Regência Nominal
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagem Figuras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioGêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Regência Nominal
Regência NominalRegência Nominal
Regência Nominal
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
Verbete teoria
Verbete teoriaVerbete teoria
Verbete teoria
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 

Destaque

Estudo sobre o homem
Estudo sobre o homemEstudo sobre o homem
Estudo sobre o homemprjosealencar
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugalSinziana Socol
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheimLucio Braga
 
O ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagem
O ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagemO ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagem
O ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagemRogério Almeida
 
Literatura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoLiteratura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoHelena Coutinho
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASAmelia Barros
 
Poesia Y Figuras Literarias
Poesia Y Figuras LiterariasPoesia Y Figuras Literarias
Poesia Y Figuras Literariasmelc81
 
Projeto Social - Modelo
Projeto Social - ModeloProjeto Social - Modelo
Projeto Social - ModeloDaniel Santos
 
Como Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos SociaisComo Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos Sociaisafp.leite
 

Destaque (17)

Literatura
Literatura Literatura
Literatura
 
Cantigas
CantigasCantigas
Cantigas
 
Trabalho como mediação
Trabalho como mediaçãoTrabalho como mediação
Trabalho como mediação
 
Estudo sobre o homem
Estudo sobre o homemEstudo sobre o homem
Estudo sobre o homem
 
Literatura em portugal
Literatura em portugalLiteratura em portugal
Literatura em portugal
 
A literatura
A literaturaA literatura
A literatura
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
O ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagem
O ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagemO ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagem
O ensino da literatura como meio lúdico de aprendizagem
 
Épocas literárias
Épocas literáriasÉpocas literárias
Épocas literárias
 
Literatura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinópticoLiteratura portuguesa quadro sinóptico
Literatura portuguesa quadro sinóptico
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Poesia Y Figuras Literarias
Poesia Y Figuras LiterariasPoesia Y Figuras Literarias
Poesia Y Figuras Literarias
 
Projeto Social - Modelo
Projeto Social - ModeloProjeto Social - Modelo
Projeto Social - Modelo
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
 
Como Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos SociaisComo Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos Sociais
 

Semelhante a As formas literárias

Versificação
VersificaçãoVersificação
VersificaçãoISJ
 
NoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãONoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãOguestacbec3
 
Elementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesiaElementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesiaAline Castro
 
Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Rosa Maria Mendes
 
Noções de versificação
Noções de versificaçãoNoções de versificação
Noções de versificaçãoMaria Oliveira
 
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptxae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptxMarleneVieiraSilva
 
Versos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernosVersos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernosViviane Calasans
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaBrenda Tacchelli
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificaçãoJosé Luís
 
Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificaçãoDeia1975
 
Caracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdf
Caracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdfCaracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdf
Caracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdfssuserf541be
 

Semelhante a As formas literárias (20)

Versificacao
VersificacaoVersificacao
Versificacao
 
Versificacao
VersificacaoVersificacao
Versificacao
 
Poesia 3
Poesia 3Poesia 3
Poesia 3
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
NoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãONoçõEs De VersificaçãO
NoçõEs De VersificaçãO
 
Elementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesiaElementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesia
 
Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Noções de versificação 2
Noções de versificação 2
 
Noções de versificação
Noções de versificaçãoNoções de versificação
Noções de versificação
 
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptxae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
ae_pt8_texto_poetico_ed_lit.pptx
 
Texto poético
Texto poéticoTexto poético
Texto poético
 
Versos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernosVersos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernos
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificação
 
O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)
 
Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificação
 
Caracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdf
Caracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdfCaracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdf
Caracteristicas_formais_da_lirica-camoniana-1.pdf
 
Texto lírico
Texto líricoTexto lírico
Texto lírico
 
Texto poético (3).pptx
Texto poético (3).pptxTexto poético (3).pptx
Texto poético (3).pptx
 
Poesia lírica
Poesia líricaPoesia lírica
Poesia lírica
 

Mais de Karen Olivan

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanholKaren Olivan
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntosKaren Olivan
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatroKaren Olivan
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativoKaren Olivan
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOKaren Olivan
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisKaren Olivan
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavrasKaren Olivan
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo portuguêsKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoKaren Olivan
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoKaren Olivan
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoKaren Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Karen Olivan
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Karen Olivan
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraKaren Olivan
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem Karen Olivan
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaKaren Olivan
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeKaren Olivan
 

Mais de Karen Olivan (20)

Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos   prof. anderson fronza - espanholLos imperativos   prof. anderson fronza - espanhol
Los imperativos prof. anderson fronza - espanhol
 
Teoria de conjuntos
Teoria de conjuntosTeoria de conjuntos
Teoria de conjuntos
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Gênero textual: teatro
Gênero textual: teatroGênero textual: teatro
Gênero textual: teatro
 
Aposto vs vocativo
Aposto vs vocativoAposto vs vocativo
Aposto vs vocativo
 
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIOCLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
CLASSE DE PALAVRAS - ADVÉRBIO
 
Período composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiaisPeríodo composto por subodinação - adverbiais
Período composto por subodinação - adverbiais
 
Processo de formação de palavras
Processo de formação de palavrasProcesso de formação de palavras
Processo de formação de palavras
 
Romantismo português
Romantismo portuguêsRomantismo português
Romantismo português
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - HumanismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 2 - Humanismo
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Carta
CartaCarta
Carta
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Texto, gênero e discurso
Texto, gênero e discursoTexto, gênero e discurso
Texto, gênero e discurso
 
Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2Processos de formação de palavras - parte 2
Processos de formação de palavras - parte 2
 
Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1Processos de formação de palavras - parte 1
Processos de formação de palavras - parte 1
 
Elementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavraElementos estruturais da palavra
Elementos estruturais da palavra
 
Funções da linguagem
Funções da linguagem Funções da linguagem
Funções da linguagem
 
Adequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguísticaAdequação e inadequação linguística
Adequação e inadequação linguística
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 

Último

Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxLuisCarlosAlves10
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 

Último (20)

Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS (MID)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptxRomero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
Romero Britto - biografia 6º ano (1).pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 

As formas literárias

  • 1.
  • 2. Estrofe • Parte de um poema. • Série versos (linhas) dispostos em uma certa configuração regular, definidos por metrificação e rima que se repetem periodicamente. • Na corrente modernista, encontramos estrofes livres, onde a preocupação maior é com o conteúdo dando-se menor importância à metrificação, à rima ou a qualquer outra configuração regular.
  • 3. • As estrofes podem ser classificadas como: 1 - monóstico 2 - dístico 3 - terceto 4 - quarteto (ou quadra) 5 – quintilha • Todas as estrofes que tenham mais de dez versos recebem a denominação de Irregulares. 6 - sextilha 7 - sétima 8 - oitava 9 - nona 10 - décima
  • 4. Ritmo • É a mística da palavra. • É uma alternação uniforme de sílabas tônicas e não tônicas em cada verso de uma composição poética. • O ritmo de um poema ainda tem muito a ver com a metrificação e a correspondência sonora provocada pela rima. Todo esse conjunto de elementos determina o ritmo da obra.
  • 5. Ritmo • No verso livre, a sonoridade rítmica obedece a um padrão próprio, não sendo governado por regras externas derivadas da alternação uniforme de sílabas tônicas ou de metrificação e rima, a essa modalidade dá-se o nome de Arritmia.
  • 6. Elisão • A elisão é a supressão (na escrita ou na pronúncia) na vogal final de uma palavra e antes da vogal inicial da palavra seguinte. É usado para adequar o número de sílabas poéticas dentro de um verso. • Ex.: Copo-d’água - Pau-d’alho
  • 7. Metrificação - Escansão • Metrificação é a técnica para se medir um verso. • Em Português, ela se apóia na tonicidade das palavras, a escansão; contagem dos sons dos versos. • É importante observar que as sílabas métricas diferem das sílabas gramaticais, observando-se as seguintes regras:
  • 8. Metrificação – Escansão 1. Contagem das sílabas métricas: a) Só contaremos até a última sílaba tônica de um verso. Tal / a / chu / va Trans / pa / re / ce Quan / do / des / ce
  • 9. Metrificação – Escansão 1. Contagem das sílabas métricas: b) Quando em um verso uma palavra terminar por vogal átona e a palavra seguinte começar por vogal ou H (que não tem som), dar-se-á uma elisão. A/mo/-te, ó/ cruz/ no/ vér/ti/ce/ fir/ma/da De es/plên/di/das/ i/gre/jas.
  • 10. Metrificação – Escansão 2. Classificação do verso quanto ao número de sílabas: a) Isométricos: são os versos de uma só medida: • monossílabos • dissílabos • trissílabos • tetrassílabos • pentassílabos (ou redondilha menor) • hexassílabos (heróico quebrado
  • 11. Metrificação – Escansão 2. Classificação do verso quanto ao número de sílabas: a) Isométricos: são os versos de uma só medida: • heptassílabos (redondilha maior) • octossílabos • eneassílabos • decassílabos (medida nova) • hendecassílabos • dodecassílabos (ou alexandrinos)
  • 12. Rima • A rima é um dos elementos do verso, mas não é essencial ou obrigatório. • As composições poéticas onde as rimas não são usadas recebem o nome de Poesia Branca ou Poesia Solta. • As rimas são classificadas quanto à disposição nas estrofes, e de acordo com as classes gramaticais que a compõem. Veja alguns exemplos:
  • 13. 1 - Quanto à posição: Emparelhada  AA BB Alternada ABAB Entrelaçada  ABBA Interpolada  AABCCB
  • 14. 2 - Quanto ao valor: • Pobre – Formada por palavras da mesma classe gramatical. Existe (verbo) Teimoso (adjetivo) Aviste (verbo) Amoroso (adjetivo)
  • 15. 2 - Quanto ao valor: • Rica – Formada por palavras de classes gramaticais diferentes. Espero (verbo) Vida (substantivo) Sincero (adjetivo) Querida (adjetivo)
  • 16. 2 - Quanto ao valor: • Preciosa – Formada por artifícios gramaticais, ou junção de palavras. Amá-la Tranqüilo De gala Por certo fi-lo
  • 17. 2 - Quanto ao valor: • Imperfeitas – Formada por palavras homógrafas (escrita igual ou semelhante, e significado diferente) e homofônicas (pronúncia igual ou semelhante). Estrela (Homógrafa) Vejo (Homofônica) Vê-la (Homógrafa) Beijo (Homofônica)