SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Área de
Integração
1.2 PESSOA E CULTURA
Níveis de desempenho
• Discutir o conceito de Pessoa partindo de referências etimológicas, históricas e
simbólicas.
• Compreender o modo como se estrutura a personalidade: corpo e herança biológica;
meio, cultura e herança cultural.
• Reconhecer a existência de diferentes contextos com os quais as comunidades
humanas se deparam: a relatividade cultural; os padrões de cultura e aculturação
como indutores de comportamentos comuns/grupais.
• Problematizar algumas características do Homem como ser social: a interferência
sobre o meio e o seu recíproco; a adaptação como meio de sobrevivência.
• Relacionar desenvolvimento pessoal e inserção social: a socialização entre pares
etários e entre gerações.
Níveis de desempenho
• Identificar alguns agentes de socialização e suas estratégias: a família; a escola; a
comunicação social; a moda; a publicidade.
• Compreender a importância da opinião pública como instrumento de controlo dos
comportamentos individuais.
• Bibliografia
• Borregana, António (1998), Fernando Pessoa e Heterónimos: o texto em análise,
Lisboa, Texto Editora.
• Chevalier, Jean; Gheerbrant, Alain (1994), Dicionário dos Símbolos, Lisboa, Teorema.
• Enciclopédia Einaudi (vd. Tema-problema 1.1.)
• Ishiguro, Kasuo (1991), Os Despojos do Dia, Lisboa, Gradiva.
• Lessing, Doris (1990), Os Diários de Jane Somers: diário de uma boa vizinha, col.
Século XX, Lisboa, Europa-América.
• Sarraute, Natalie (1984), Infância, Lisboa, Publicações D. Quixote
PESSOA
• O substantivo feminino singular da língua portuguesa «pessoa»
deriva etimologicamente da palavra latina persona.
• A palavra persona significava o mesmo que a palavra grega
prósopon: máscara e personagem.
• Em português familiar, pessoa é sinónimo de ser humano.
• Pessoa significa atualmente indivíduo, considerado em si mesmo,
homem ou mulher, ser humano; personagem social.
• “Pessoa é a característica do indivíduo dotado de personalidade”.
PERSONALIDADE
• Segundo Alport, um dos maiores estudiosos da personalidade
humana, a personalidade pode ser definida como «a organização
psicodinâmica dos sistemas psicofísicos do indivíduo que
determinam o seu comportamento e pensamento característico».
• A personalidade é uma construção pessoal que fazemos ao longo da
vida, da forma como sentimos as nossas experiências.
• A personalidade é o que nos torna únicos, diferentes de todos.
• Diz respeito às nossas características pessoais. É o que permite que
nos reconheçamos e que sejamos reconhecidos pelos outros.
PERSONALIDADE
• Para Carl Jung, a personalidade saudável é aquela que consegue o
equilíbrio entre o consciente e o inconsciente, entre a vida interior e
exterior.
• A formação da personalidade é um processo complexo, gradual e
único.
• São três os fatores que influenciam a personalidade:
– influências hereditárias;
– meio (físico e social);
– experiências pessoais.
HEREDITARIEDADE
• O padrão genético influencia as características da personalidade
que um indivíduo desenvolverá. Por exemplo, um mal que afete o
cérebro, herdado ou causado à nascença pode ter grande influência
sobre o comportamento da pessoa.
• As alterações individuais do organismo, concretamente a
constituição física e o funcionamento do sistema nervoso, que são
em grande parte hereditários, podem também ter reflexos na
personalidade do ser humano.
HEREDITARIEDADE
• Fatores corporais ou orgânicos como o peso, a altura ou o
funcionamento dos órgãos dos sentidos podem afetar o
desenvolvimento da personalidade.
• O estudo dos gémeos é um dos métodos usados para analisar o
papel da hereditariedade. Este estudo demonstrou que, na
generalidade, é nas características da personalidade que a
semelhança é menor, em comparação com as semelhanças físicas
e intelectuais.
MEIO FÍSICO
• O aspeto que menos nos condiciona enquanto seres em formação.
• É verdade que lugares com condições geográficas e ambientais
mais agradáveis produzem seres humanos mais alegres e
comunicativos. O oposto é também verdade. No entanto, podemos
encontrar pessoas com uma personalidade depressiva no Brasil ou
a pessoa mais feliz na Islândia.
MEIO SOCIAL
• O meio social desempenha um papel determinante na construção
da personalidade.
• Esta forma-se num processo interativo com tudo o que envolve a
vida em sociedade: a família, o grupo de amigos, a escola, o
trabalho, ...
• A família tem um papel muito importante, principalmente nos
primeiros anos de vida pelas características e qualidade das
relações existentes.
MEIO SOCIAL
• O contexto em que estamos inseridos e as pessoas com quem
estabelecemos relações contribuem para o desenvolvimento da
personalidade, uma vez que conduzem à aquisição de valores,
atitudes, normas, comportamentos e construção de padrões de
relacionamento com os outros.
• Quanto mais próximo é o relacionamento de duas pessoas, mais é
provável que as características da sua personalidade sejam
semelhantes.
EXPERIÊNCIAS
• A qualidade das relações iniciais e a relação mãe/filho são
fundamentais na estruturação e organização da personalidade.
• A complexidade das relações familiares vai influenciar as
capacidades cognitivas, linguísticas, afetivas, de autonomia, de
socialização e de construção de valores das crianças e jovens.
• A adolescência é a época da vida humana mais importante na
formação de uma identidade, que se reflete no vestir, nas ideias
defendidas e nas formas de se expressar.
EXPERIÊNCIAS
• Ao longo de toda a vida verificam-se acontecimentos que marcam a
personalidade de quem os vive, tais como: mortes, violações,
frustrações, cura de uma doença grave, divórcio.
• A forma como conseguimos (ou não) superá-las e integrá-las na
nossa vida traduzem a nossa personalidade.
CULTURA
• No sentido corrente, cultura é o “Conjunto de conhecimentos em
domínios considerados «nobres».
Ex: considera-se culta uma pessoa que domine bem conhecimentos de
literatura, filosofia, música ou arte.
• Em sentido sociológico, refere-se ao “Conjunto de maneiras de
pensar, sentir e agir específicas de um grupo social”.
Ex: cumprimentar baixando a cabeça com respeito ou comer peixe cru
são alguns dos traços da cultura japonesa.
CULTURA E PERSONALIDADE
• Quando nasce, o ser humano é “uma tábua rasa” (John Locke).
• Ao tomar conhecimento do que a rodeia, a criança vai assimilando,
de forma gradual, valores, normas e regras.
• O comportamento é regulado pelos padrões de conduta do grupo,
mostrando que o conhecimento resulta de uma aprendizagem.
• A sua personalidade vai sendo moldada pelo contacto com o grupo
e pelos padrões de conduta do espaço em que se insere.
ELEMENTOS
DA CULTURA
Material
inclui todos os
utensílios criados
pelo ser humano.
Imaterial
inclui os princípios
da vida social:
valores, normas,
costumes,
ideologias...
PADRÕES DE CULTURA
• Padrões de cultura: ”Conjuntos específicos de maneiras de
pensar, sentir e agir e exclusivos dos grupos sociais”.
• Os padrões de cultura (normas específicas de uma população
que a permitem identificar e distinguir de outras) moldam o
indivíduo.
• O facto de frequentarmos vários grupos ao longo da vida, às
vezes com regras específicas um pouco diferentes entre si, faz
com que absorvamos ideias de muitos lados e que as levemos
connosco para onde quer que vamos.
SOCIALIZAÇÃO
• Todas as sociedades têm os seus padrões de cultura. É este que
garante o entendimento dos indivíduos.
• É esse processo de ensino-aprendizagem da cultura de um grupo
que chamamos de socialização. É um processo:
√ permanente;
√ dinâmico;
√ de ensino e aprendizagem da cultura;
√ que tem em vista a integração social;
√ que tem como consequência a coesão social.
Mecanismos
de
Socialização
aprendizagem
tentativas
erros
repetições
Imitação
observação
cópia
identificação
apropriação
cópia
AGENTES DE SOCIALIZAÇÃO
• Primária: a família. Para a criança, a socialização faz-se por via
afetiva.
• Secundária (processos posteriores de aprendizagem social):
– A escola;
– Os amigos;
– Os mass media;
– Outras instituições.
ETAPAS DA SOCIALIZAÇÃO
• Infância: período de maior aprendizagem cultural da vida do ser
humano, que aprende sua primeira língua e começa a ter o seu
comportamento moldado pelo convívio social com a família.
• Adolescência: o contacto com os pares, as novidades decorrentes
de uma nova realidade como o grupo de amigos, permite uma nova
forma de socialização.
• Maturidade ou idade adulta: os mass media, o trabalho… trazem
consigo valores, normas e crenças agregadas à realidade social e
cultural na qual o indivíduo se insere.
SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA
• Opinião pública designa a opinião geral de uma sociedade.
Aqui se inserem as ideias consideradas corretas pela maior
parte da sociedade, que seguem um padrão ético-moral
segundo a cultura, condições sociais e, em alguns casos, a
religião de uma determinada sociedade.
• Forma-se com base em alguns fatores:
• sociais;
• psicológicos;
• mass media;
• influência de grupos;
• influência de líderes.
SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA
Fatores sociais Fatores psicológicos – persuasão
e estereótipos
A sociedade a que se pertence, a
classe social e as várias relações
estabelecidas interferem na formação
da opinião pública.
“Toda a opinião é uma opinião de
classe, uma opinião determinada pelo
grupo social em que se vive.”
(Marx)
Relaciona-se com o conjunto de
crenças e ideologias que tem disposição
para expressar-se.
Os estereótipos são fantasias que
determinam atitudes que podem levar à
ação. Pessoas, frases e modelos podem
transformar-se em estereótipos.
Criar estereótipos, alterar e induzir
opiniões requer a persuasão.
SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA
Ex: Grupos Ex: Líderes Ex. Mass Media
Todos nós pertencemos a
grupos, onde partilhamos
opiniões, finalidades e
objetivos.
É no interior destes
grupos que as opiniões se
formam, sejam elas de
apoio ou oposição.
Indivíduos que se
destacam dos restantes do
grupo.
Caracterizam-se pela
forte personalidade e
poder de persuasão.
Conseguem mobilizar o
grupo e atribuir uma
sensação de realização de
um objetivo.
Os mass media, através
de persuasão direta ou
indireta têm o poder de
controlar as notícias e
as ideias, formando a
opinião pública e, com
isso, exercendo uma
verdadeira manipulação
de massas.
ACULTURAÇÃO
• NATUREZA DAS RELAÇÕES CULTURAIS:
– Coexistência Cultural: ocorre quando há convivência entre duas
ou mais culturas.
– Troca Cultural: quando alguns elementos culturais se unificam
devido a trocas comerciais, matrimónio ou guerras.
– Fusão Cultural: quando os elementos culturais de duas ou mais
culturas se misturam e dão origem a uma nova cultura.
– Segregação Cultural: quando se verifica a recusa de qualquer
tipo de aculturação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

estrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica socialestrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica socialJoão Marrocano
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaIlda Bicacro
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaCarlos Henrique Tavares
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
SocializaçãoBiaa
 
Area de integracao modulo 6
Area de integracao   modulo 6Area de integracao   modulo 6
Area de integracao modulo 6Alfredo Garcia
 
A Construção do Social
A Construção do SocialA Construção do Social
A Construção do SocialJorge Barbosa
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoturma12d
 
Identidade regional
Identidade regionalIdentidade regional
Identidade regionalcattonia
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Daniel Nunes
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbanaIlda Bicacro
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaIlda Bicacro
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosIlda Bicacro
 
Cultura global ou globalização das culturas
Cultura global ou globalização das culturasCultura global ou globalização das culturas
Cultura global ou globalização das culturasAdriana Cahongo
 
A inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço ruralA inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço ruralIdalina Leite
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociaismikto
 
O Conceito de Pessoa
O Conceito de PessoaO Conceito de Pessoa
O Conceito de PessoaLuis Santos
 

Mais procurados (20)

estrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica socialestrutura familiar e dinamica social
estrutura familiar e dinamica social
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
 
Socialização
SocializaçãoSocialização
Socialização
 
Area de integracao modulo 6
Area de integracao   modulo 6Area de integracao   modulo 6
Area de integracao modulo 6
 
A Construção do Social
A Construção do SocialA Construção do Social
A Construção do Social
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
F aval ai m11.2 10º
F aval ai m11.2 10ºF aval ai m11.2 10º
F aval ai m11.2 10º
 
Família- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAnoFamília- Sociologia 12ºAno
Família- Sociologia 12ºAno
 
Identidade regional
Identidade regionalIdentidade regional
Identidade regional
 
Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)Trabalho de sociologia (1)
Trabalho de sociologia (1)
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
Cultura global ou globalização das culturas
Cultura global ou globalização das culturasCultura global ou globalização das culturas
Cultura global ou globalização das culturas
 
A inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço ruralA inter relação entre espaço urbano e espaço rural
A inter relação entre espaço urbano e espaço rural
 
Grupos sociais
Grupos sociaisGrupos sociais
Grupos sociais
 
Funções urbanas (2)
Funções urbanas (2)Funções urbanas (2)
Funções urbanas (2)
 
O Conceito de Pessoa
O Conceito de PessoaO Conceito de Pessoa
O Conceito de Pessoa
 
Globalização t2
Globalização t2Globalização t2
Globalização t2
 

Semelhante a Módulo 1 1.2.

Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaAna Felizardo
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisJorge Barbosa
 
3 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp013 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp01Joelson Nascimento
 
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADESOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADELIMA, Alan Lucas de
 
Sociedade e indivíduo
Sociedade e indivíduoSociedade e indivíduo
Sociedade e indivíduoPedro Zito
 
Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Wilton Moretto
 
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...profamiriamnavarro
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoroberto mosca junior
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal PersonalidadeCarlos Pessoa
 
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfPedro R. Coutinho
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Maria Freitas
 

Semelhante a Módulo 1 1.2. (20)

Cultura - Psicologia
Cultura - PsicologiaCultura - Psicologia
Cultura - Psicologia
 
Instituições
InstituiçõesInstituições
Instituições
 
Cultura2
Cultura2Cultura2
Cultura2
 
ai_pessoa_e_cultura.pptx
ai_pessoa_e_cultura.pptxai_pessoa_e_cultura.pptx
ai_pessoa_e_cultura.pptx
 
Pessoa e cultura.pptx
Pessoa e cultura.pptxPessoa e cultura.pptx
Pessoa e cultura.pptx
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
3 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp013 cultura-111110095859-phpapp01
3 cultura-111110095859-phpapp01
 
Início da Vida
Início da VidaInício da Vida
Início da Vida
 
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADESOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO - CULTURA E SOCIEDADE
 
Sociedade e indivíduo
Sociedade e indivíduoSociedade e indivíduo
Sociedade e indivíduo
 
Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)Grupos sociais e instituições (tema 9)
Grupos sociais e instituições (tema 9)
 
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
EJA AULA 11: Fundamentos teóricos da Educação de Jovens e Adultos: desenvolvi...
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
1 slide modulo 3
1 slide  modulo 31 slide  modulo 3
1 slide modulo 3
 
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdfHistória da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
História da Psicologia Social - aulas 1, 2 e 3.pdf
 
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3Objetivos Psicologia - Teste Nº3
Objetivos Psicologia - Teste Nº3
 
Sociologia iii
Sociologia iiiSociologia iii
Sociologia iii
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxcattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxcattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxcattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxcattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digitalcattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesacattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundocattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço portuguêscattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo portuguêscattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivcattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimentocattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europacattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalizaçãocattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmoscattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social iicattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do socialcattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 

Módulo 1 1.2.

  • 2. Níveis de desempenho • Discutir o conceito de Pessoa partindo de referências etimológicas, históricas e simbólicas. • Compreender o modo como se estrutura a personalidade: corpo e herança biológica; meio, cultura e herança cultural. • Reconhecer a existência de diferentes contextos com os quais as comunidades humanas se deparam: a relatividade cultural; os padrões de cultura e aculturação como indutores de comportamentos comuns/grupais. • Problematizar algumas características do Homem como ser social: a interferência sobre o meio e o seu recíproco; a adaptação como meio de sobrevivência. • Relacionar desenvolvimento pessoal e inserção social: a socialização entre pares etários e entre gerações.
  • 3. Níveis de desempenho • Identificar alguns agentes de socialização e suas estratégias: a família; a escola; a comunicação social; a moda; a publicidade. • Compreender a importância da opinião pública como instrumento de controlo dos comportamentos individuais. • Bibliografia • Borregana, António (1998), Fernando Pessoa e Heterónimos: o texto em análise, Lisboa, Texto Editora. • Chevalier, Jean; Gheerbrant, Alain (1994), Dicionário dos Símbolos, Lisboa, Teorema. • Enciclopédia Einaudi (vd. Tema-problema 1.1.) • Ishiguro, Kasuo (1991), Os Despojos do Dia, Lisboa, Gradiva. • Lessing, Doris (1990), Os Diários de Jane Somers: diário de uma boa vizinha, col. Século XX, Lisboa, Europa-América. • Sarraute, Natalie (1984), Infância, Lisboa, Publicações D. Quixote
  • 4. PESSOA • O substantivo feminino singular da língua portuguesa «pessoa» deriva etimologicamente da palavra latina persona. • A palavra persona significava o mesmo que a palavra grega prósopon: máscara e personagem. • Em português familiar, pessoa é sinónimo de ser humano. • Pessoa significa atualmente indivíduo, considerado em si mesmo, homem ou mulher, ser humano; personagem social. • “Pessoa é a característica do indivíduo dotado de personalidade”.
  • 5. PERSONALIDADE • Segundo Alport, um dos maiores estudiosos da personalidade humana, a personalidade pode ser definida como «a organização psicodinâmica dos sistemas psicofísicos do indivíduo que determinam o seu comportamento e pensamento característico». • A personalidade é uma construção pessoal que fazemos ao longo da vida, da forma como sentimos as nossas experiências. • A personalidade é o que nos torna únicos, diferentes de todos. • Diz respeito às nossas características pessoais. É o que permite que nos reconheçamos e que sejamos reconhecidos pelos outros.
  • 6. PERSONALIDADE • Para Carl Jung, a personalidade saudável é aquela que consegue o equilíbrio entre o consciente e o inconsciente, entre a vida interior e exterior. • A formação da personalidade é um processo complexo, gradual e único. • São três os fatores que influenciam a personalidade: – influências hereditárias; – meio (físico e social); – experiências pessoais.
  • 7. HEREDITARIEDADE • O padrão genético influencia as características da personalidade que um indivíduo desenvolverá. Por exemplo, um mal que afete o cérebro, herdado ou causado à nascença pode ter grande influência sobre o comportamento da pessoa. • As alterações individuais do organismo, concretamente a constituição física e o funcionamento do sistema nervoso, que são em grande parte hereditários, podem também ter reflexos na personalidade do ser humano.
  • 8. HEREDITARIEDADE • Fatores corporais ou orgânicos como o peso, a altura ou o funcionamento dos órgãos dos sentidos podem afetar o desenvolvimento da personalidade. • O estudo dos gémeos é um dos métodos usados para analisar o papel da hereditariedade. Este estudo demonstrou que, na generalidade, é nas características da personalidade que a semelhança é menor, em comparação com as semelhanças físicas e intelectuais.
  • 9. MEIO FÍSICO • O aspeto que menos nos condiciona enquanto seres em formação. • É verdade que lugares com condições geográficas e ambientais mais agradáveis produzem seres humanos mais alegres e comunicativos. O oposto é também verdade. No entanto, podemos encontrar pessoas com uma personalidade depressiva no Brasil ou a pessoa mais feliz na Islândia.
  • 10. MEIO SOCIAL • O meio social desempenha um papel determinante na construção da personalidade. • Esta forma-se num processo interativo com tudo o que envolve a vida em sociedade: a família, o grupo de amigos, a escola, o trabalho, ... • A família tem um papel muito importante, principalmente nos primeiros anos de vida pelas características e qualidade das relações existentes.
  • 11. MEIO SOCIAL • O contexto em que estamos inseridos e as pessoas com quem estabelecemos relações contribuem para o desenvolvimento da personalidade, uma vez que conduzem à aquisição de valores, atitudes, normas, comportamentos e construção de padrões de relacionamento com os outros. • Quanto mais próximo é o relacionamento de duas pessoas, mais é provável que as características da sua personalidade sejam semelhantes.
  • 12. EXPERIÊNCIAS • A qualidade das relações iniciais e a relação mãe/filho são fundamentais na estruturação e organização da personalidade. • A complexidade das relações familiares vai influenciar as capacidades cognitivas, linguísticas, afetivas, de autonomia, de socialização e de construção de valores das crianças e jovens. • A adolescência é a época da vida humana mais importante na formação de uma identidade, que se reflete no vestir, nas ideias defendidas e nas formas de se expressar.
  • 13. EXPERIÊNCIAS • Ao longo de toda a vida verificam-se acontecimentos que marcam a personalidade de quem os vive, tais como: mortes, violações, frustrações, cura de uma doença grave, divórcio. • A forma como conseguimos (ou não) superá-las e integrá-las na nossa vida traduzem a nossa personalidade.
  • 14. CULTURA • No sentido corrente, cultura é o “Conjunto de conhecimentos em domínios considerados «nobres». Ex: considera-se culta uma pessoa que domine bem conhecimentos de literatura, filosofia, música ou arte. • Em sentido sociológico, refere-se ao “Conjunto de maneiras de pensar, sentir e agir específicas de um grupo social”. Ex: cumprimentar baixando a cabeça com respeito ou comer peixe cru são alguns dos traços da cultura japonesa.
  • 15. CULTURA E PERSONALIDADE • Quando nasce, o ser humano é “uma tábua rasa” (John Locke). • Ao tomar conhecimento do que a rodeia, a criança vai assimilando, de forma gradual, valores, normas e regras. • O comportamento é regulado pelos padrões de conduta do grupo, mostrando que o conhecimento resulta de uma aprendizagem. • A sua personalidade vai sendo moldada pelo contacto com o grupo e pelos padrões de conduta do espaço em que se insere.
  • 16. ELEMENTOS DA CULTURA Material inclui todos os utensílios criados pelo ser humano. Imaterial inclui os princípios da vida social: valores, normas, costumes, ideologias...
  • 17. PADRÕES DE CULTURA • Padrões de cultura: ”Conjuntos específicos de maneiras de pensar, sentir e agir e exclusivos dos grupos sociais”. • Os padrões de cultura (normas específicas de uma população que a permitem identificar e distinguir de outras) moldam o indivíduo. • O facto de frequentarmos vários grupos ao longo da vida, às vezes com regras específicas um pouco diferentes entre si, faz com que absorvamos ideias de muitos lados e que as levemos connosco para onde quer que vamos.
  • 18. SOCIALIZAÇÃO • Todas as sociedades têm os seus padrões de cultura. É este que garante o entendimento dos indivíduos. • É esse processo de ensino-aprendizagem da cultura de um grupo que chamamos de socialização. É um processo: √ permanente; √ dinâmico; √ de ensino e aprendizagem da cultura; √ que tem em vista a integração social; √ que tem como consequência a coesão social.
  • 20. AGENTES DE SOCIALIZAÇÃO • Primária: a família. Para a criança, a socialização faz-se por via afetiva. • Secundária (processos posteriores de aprendizagem social): – A escola; – Os amigos; – Os mass media; – Outras instituições.
  • 21. ETAPAS DA SOCIALIZAÇÃO • Infância: período de maior aprendizagem cultural da vida do ser humano, que aprende sua primeira língua e começa a ter o seu comportamento moldado pelo convívio social com a família. • Adolescência: o contacto com os pares, as novidades decorrentes de uma nova realidade como o grupo de amigos, permite uma nova forma de socialização. • Maturidade ou idade adulta: os mass media, o trabalho… trazem consigo valores, normas e crenças agregadas à realidade social e cultural na qual o indivíduo se insere.
  • 22. SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA • Opinião pública designa a opinião geral de uma sociedade. Aqui se inserem as ideias consideradas corretas pela maior parte da sociedade, que seguem um padrão ético-moral segundo a cultura, condições sociais e, em alguns casos, a religião de uma determinada sociedade. • Forma-se com base em alguns fatores: • sociais; • psicológicos; • mass media; • influência de grupos; • influência de líderes.
  • 23. SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA Fatores sociais Fatores psicológicos – persuasão e estereótipos A sociedade a que se pertence, a classe social e as várias relações estabelecidas interferem na formação da opinião pública. “Toda a opinião é uma opinião de classe, uma opinião determinada pelo grupo social em que se vive.” (Marx) Relaciona-se com o conjunto de crenças e ideologias que tem disposição para expressar-se. Os estereótipos são fantasias que determinam atitudes que podem levar à ação. Pessoas, frases e modelos podem transformar-se em estereótipos. Criar estereótipos, alterar e induzir opiniões requer a persuasão.
  • 24. SOCIEDADE E OPINIÃO PÚBLICA Ex: Grupos Ex: Líderes Ex. Mass Media Todos nós pertencemos a grupos, onde partilhamos opiniões, finalidades e objetivos. É no interior destes grupos que as opiniões se formam, sejam elas de apoio ou oposição. Indivíduos que se destacam dos restantes do grupo. Caracterizam-se pela forte personalidade e poder de persuasão. Conseguem mobilizar o grupo e atribuir uma sensação de realização de um objetivo. Os mass media, através de persuasão direta ou indireta têm o poder de controlar as notícias e as ideias, formando a opinião pública e, com isso, exercendo uma verdadeira manipulação de massas.
  • 25. ACULTURAÇÃO • NATUREZA DAS RELAÇÕES CULTURAIS: – Coexistência Cultural: ocorre quando há convivência entre duas ou mais culturas. – Troca Cultural: quando alguns elementos culturais se unificam devido a trocas comerciais, matrimónio ou guerras. – Fusão Cultural: quando os elementos culturais de duas ou mais culturas se misturam e dão origem a uma nova cultura. – Segregação Cultural: quando se verifica a recusa de qualquer tipo de aculturação.