SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Psicanálise
  O estudo do inconsciente humano




                      Psicologia | Teorias e Sistemas
       Equipe: Fernanda, Micaella, Renata e Waydson
A Psicanálise
Ÿ É um modo de Terapia e uma
 teoria cujos fundamentos foram
 estabelecidos por Freud, para
 tratar o comportamento anormal
 a partir da investigação do
 inconsciente;


Ÿ seu  método primário é a
 observação clinica voltada para o
 inconsciente.




 Psicanálise
Sigmund Freud
(1856-1939)

Ÿ Fundador da Psicanálise. Foi Médico
 Neurologista e nasceu na atual República
 Tcheca.

Ÿ Os pressupostos básicos da psicanálise surgiram
 não só dos seus estudos em Neurologia como
 também de sua preocupação terapêutica com os
 doentes mentais, o que o levou a focalizar os
 aspectos anormais da personalidade.

Ÿ As teorias de Freud foram derivadas da auto-
 observação e da observação dos seus pacientes
 submetidos à psicanálise.


 Psicanálise
Sigmund Freud
Freud se utilizou da técnica considerada a mais significativa na evolução da
psicanálise: a livre associação.

Nessa técnica, o paciente deita num divã e é encorajado a falar aberta e
espontaneamente, dando completa expressão a qualquer idéia, por mais
embaraçosa, irrelevante ou tola que pareça, com a intenção de tornar conscientes
os recessos mais ocultos da mente.

Ÿ Freud  explorou áreas ignoradas pelos
 psicólogos, como as forças motivadoras
 inconscientes, os conflitos entre essas forças
 e os efeitos desses conflitos sobre o
 comportamento humano.




 Psicanálise
Psicanálise = Psicologia
            /
Ÿ A psicanálise não tinha vínculo direto com os
 movimentos das outras escolas de pensamento em
 psicologia, pois não surgira no âmbito da psicologia
 acadêmica.

Ÿ A Psicologia acadêmica se esforçava por ser uma
 ciência pura, era centrada no método, e só queria
 trabalhar em termos específicos de estímulo-
 resposta.

Ÿ Já a psicanálise, não era um produto de estudo de
 academia nem uma ciência pura, estava centrada no
 problema. A preocupação de Freud era mais global —
 a personalidade humana total, em vez de funções
 especificas como a percepção e a aprendizagem.


  Psicanálise
Conceitos da
Principais
Psicanálise freudiana



 Psicanálise
Determinismo

Ÿ     Freud acreditava que nenhum processo
    mental ocorre por acaso. A cada ação
    correspondia sempre uma causa, sempre
    h av i a u m m o t i vo c o n s c i e n t e o u
    inconsciente. Há uma continuidade na vida
    mental.




    Psicanálise
Sistema da Personalidade
Instinto
ŸSão pressões que dirigem o organismo para determinados fins.

ŸPara Freud, os instintos são as únicas fontes de energia do comportamento
e os fatores propulsores da personalidade.

ŸNa perspectiva freudiana, desde o nascimento, os indivíduos são dotados
de uma base biologicamente instintual: instintos sexuais e instintos
agressivos que, inconscientemente, motivam cada coisa que os seres
humanos pensam, dizem ou fazem durante suas vidas.

ŸFreud denominou de libido a energia pela qual os instintos se manifestam.



 Psicanálise
Classificou os instintos em dois grupos:

Ÿ    Instintos de vida- servem à sobrevivência do
homem e a propagação da raça. Por exemplo, a fome, a
sede, a necessidade de contato sexual. Este último foi o
instinto de vida no qual Freud prestou mais atenção.




Ÿ    Instintos de morte-           instintos destrutivos.
Toda pessoa morre, o que levou Freud a pensar que a
finalidade de toda vida é a morte. Convenceu-se, então,
de que a pessoa tem, inconscientemente, o desejo de
morrer. O impulso agressivo é um importante derivativo
dos instintos de morte.



    Psicanálise
Aspectos da Personalidade
Considerado por alguns autores, o primeiro tópico da estrutura da
personalidade, Freud apresenta em sua obra “A interpretação dos
sonhos”(1900), uma tentativa de dividir a mente humana em três regiões:

Ÿ   INCONSCIENTE - Nele concentram-se elementos instintivos, que não
são acessíveis â consciência. Aí, estão as fontes de energia psíquica e
instintos.

Ÿ  PRÉ-CONSCIENTE - É uma parte do inconsciente que pode tornasse
consciente com facilidade; são as porções acessíveis da memória;

Ÿ    e CONSCIENTE - Inclui tudo o que estamos cientes num dado momento;




    Psicanálise
Ÿ   Freud remodela o primeiro tópico
e introduz o que alguns autores
chamam de segundo tópico da
estrutura da personalidade, em que
apresenta três sistemas de
funcionamento psíquico:
o ID, o EGO e o SUPEREGO.


Ÿ   De acordo com esta teoria, id,
ego e superego atuam entre si num
sistema dinâmico, mas possuem
diferentes funções.




    Psicanálise
O ID
Ÿ Opera de acordo com o PRINCÍPIO DO
 PRAZER;


Ÿ Procura   apenas a satisfação de suas
 necessidades instintivas, sem levar em conta
 as circunstâncias da realidade objetiva, como
 juízos de valor, o bem, o mal e a moral;


Ÿ Todas as atividades do id são inconscientes:
 não temos consciência de nossos instintos e
 de seus profundos efeitos sobre nosso
 comportamento.


 Psicanálise
O EGO
Ÿ Opera de acordo com o PRINCÍPIO DA REALIDADE;

Ÿ Sistema   que estabelece o
 equilíbrio entre as exigências
 do id, as exigências da
 realidade e as 'ordens' do
 superego;

Ÿ Apresenta razão, em contraste
 às paixões cegas e insistentes
 do id;

Ÿ Freud denominava o ego ich,
 traduzido como eu.


 Psicanálise
O SUPEREGO
Ÿ Opera de acordo com o PRINCÍPIO DO DEVER.

Ÿ O papel do superego é comparável ao de um juiz ou
 censor do ego. Sua ação se manifesta pela consciência
 moral, atitudes de autocrítica, proibição.

Ÿ Representa mais o ideal do que o real. Desempenha as
 seguintes funções:
                         - Inibir os impulsos do id;
                         - Persuadir o ego;
                         - Lutar pela perfeição.

Ÿ O superego é o "defensor de um impulso rumo à perfeição".




 Psicanálise
O superego está evidentemente em conflito com o id. Ao contrário do
ego, o superego não tenta apenas adiar a satisfação do id; ele tenta inibi-la por
completo,o que causa um conflito interminável no interior da personalidade
humana.

O ego está numa posição difícil, sendo pressionado por todos os lados, cabendo
a ele:
    1. adiar os anseios e incessantes do id;

    2. perceber e manipular a
realidade para aliviar as tensões do
instinto do id;

    3. lidar com o anseio de
perfeição do superego.




  Psicanálise
Ansiedade

Sempre que o ego é submetido a uma pressão muito grande, resulta na
ansiedade, que funciona como advertência que o ego está sendo
ameaçado.

A Ansiedade é uma força que induz a tensão do comportamento humano,
motivando o indivíduo a agir para reduzir essa tensão.

Freud sugeriu que o ego desenvolve algumas defesas
protetoras contra a ansiedade, que são os
mecanismos de defesa.




 Psicanálise
Mecanismos de Defesa

Ÿ São os processos psíquicos cuja finalidade consiste em
 afastar um evento gerador de angústia da percepção
 consciente.

Ÿ O ego, como sede da angústia, é mobilizado diante de um
 sinal de perigo e desencadeia uma série de mecanismos
 repressores que impedirão a vivência de fatos
 dolorosos, os quais o organismo não está pronto para
 suportar.

Ÿ Todos os mecanismos de defesa negam, falsificam ou
 distorcem a realidade; operam inconscientemente, sem
 que a pessoa se dê conta.



 Psicanálise
Mecanismos de Defesa

ŸIdentificação
EX.: Exemplo: identificação com um ídolo.

ŸRepressão
Ex.: o marido traído que nega a traição.

ŸSublimação
Ex.:desejo muito ter filhos, como não posso me dedico às crianças carentes.

ŸProjeção
Ex.: quando se diz ‘‘ele me odeia’’ em vez de ‘‘eu o odeio’’




  Psicanálise
Mecanismos de Defesa

ŸFixação
Ex.: Dormir com urso de pelúcia na idade adulta.


ŸRegressão
Ex.: Criança que começa a se comportar como bebê quando nasce um
irmãozinho.


ŸFormação Reativa
Ex.: uma pessoa tem exagerada preocupação com organização, devido a
inconsciente tendência ao desregramento.




  Psicanálise
Estágios Psicossexuais do
Desenvolvimento da Personalidade
Na teoria psicanalítica do desenvolvimento, a
criança passa por uma série de estágios
psicossexuais, os quais são:

ŸEstágio oral - que vai até o segundo ano de vida,
quando a estimulação da boca, como sugar, morder
e engolir, é a fonte primária de satisfação erótica.




 Psicanálise
ŸEstágio anal - quando a gratificação vai da boca
para o ânus, e as crianças derivam prazer da zona
anal.




ŸEstágio fálico - ocorre por volta do
quarto ano de idade, quando a
satisfação erótica se transfere para a
região genital. Freud situou nesse
estágio o desenvolvimento do
complexo de Êdipo.




 Psicanálise
ŸPeríodo da latência - que dura mais
ou menos do quinto ao décimo segundo
ano de vida, quando a energia da libido
canalizada para atividades sociais.




ŸEstágio Genital - quando o comportamento
heterossexual se torna evidente. Prevalência de
uma sexualidade genital.




 Psicanálise
Apesar das críticas de falta de rigor científico e de
  fraqueza metodológica, a psicanálise freudiana continua
  sendo uma importante força na psicologia moderna.




Psicanálise

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudIsabella Ruas
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaDeisiane Cazaroto
 
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humanoTeoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humanoThiago de Almeida
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudUNESC
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaEdgard Lombardi
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologiaLeila Bezerra
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconscientenorberto faria
 

Mais procurados (20)

Freud apresentação
Freud apresentaçãoFreud apresentação
Freud apresentação
 
Freud
FreudFreud
Freud
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Slide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogersSlide apresentação carl rogers
Slide apresentação carl rogers
 
O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humanoTeoria psicossexual do desenvolvimento humano
Teoria psicossexual do desenvolvimento humano
 
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freudDesenvolvimento psicossexual segundo freud
Desenvolvimento psicossexual segundo freud
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
 
PERSONALIDADE
PERSONALIDADEPERSONALIDADE
PERSONALIDADE
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 
A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUDA PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
A PSICANÁLISE, POR SIGMUND FREUD
 
8 fundamentos da psicanálise
8 fundamentos da psicanálise8 fundamentos da psicanálise
8 fundamentos da psicanálise
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
 
2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente2. freud e o inconsciente
2. freud e o inconsciente
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 

Semelhante a Introdução à Psicanálise

Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdfElionayFigueiredo1
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensBruno Carrasco
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slidesguest2e3f5d
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slidesguest2e3f5d
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar SlidesValdeck Oliveira
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Daniele Rubim
 
O ponto de vista psicanalítico
O ponto de vista psicanalíticoO ponto de vista psicanalítico
O ponto de vista psicanalíticomacariojr
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freudDani Silva
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaRita Cristiane Pavan
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoThaisremo
 

Semelhante a Introdução à Psicanálise (20)

Apresentaopsicanlise
ApresentaopsicanliseApresentaopsicanlise
Apresentaopsicanlise
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Carl Jung
Carl JungCarl Jung
Carl Jung
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
 
Psicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes AbordagensPsicologia: Diferentes Abordagens
Psicologia: Diferentes Abordagens
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Carl Jung
Carl Jung Carl Jung
Carl Jung
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Sigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdfSigmund_FREUD .pdf
Sigmund_FREUD .pdf
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
O ponto de vista psicanalítico
O ponto de vista psicanalíticoO ponto de vista psicanalítico
O ponto de vista psicanalítico
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 

Introdução à Psicanálise

  • 1. Psicanálise O estudo do inconsciente humano Psicologia | Teorias e Sistemas Equipe: Fernanda, Micaella, Renata e Waydson
  • 2. A Psicanálise Ÿ É um modo de Terapia e uma teoria cujos fundamentos foram estabelecidos por Freud, para tratar o comportamento anormal a partir da investigação do inconsciente; Ÿ seu método primário é a observação clinica voltada para o inconsciente. Psicanálise
  • 3. Sigmund Freud (1856-1939) Ÿ Fundador da Psicanálise. Foi Médico Neurologista e nasceu na atual República Tcheca. Ÿ Os pressupostos básicos da psicanálise surgiram não só dos seus estudos em Neurologia como também de sua preocupação terapêutica com os doentes mentais, o que o levou a focalizar os aspectos anormais da personalidade. Ÿ As teorias de Freud foram derivadas da auto- observação e da observação dos seus pacientes submetidos à psicanálise. Psicanálise
  • 4. Sigmund Freud Freud se utilizou da técnica considerada a mais significativa na evolução da psicanálise: a livre associação. Nessa técnica, o paciente deita num divã e é encorajado a falar aberta e espontaneamente, dando completa expressão a qualquer idéia, por mais embaraçosa, irrelevante ou tola que pareça, com a intenção de tornar conscientes os recessos mais ocultos da mente. Ÿ Freud explorou áreas ignoradas pelos psicólogos, como as forças motivadoras inconscientes, os conflitos entre essas forças e os efeitos desses conflitos sobre o comportamento humano. Psicanálise
  • 5. Psicanálise = Psicologia / Ÿ A psicanálise não tinha vínculo direto com os movimentos das outras escolas de pensamento em psicologia, pois não surgira no âmbito da psicologia acadêmica. Ÿ A Psicologia acadêmica se esforçava por ser uma ciência pura, era centrada no método, e só queria trabalhar em termos específicos de estímulo- resposta. Ÿ Já a psicanálise, não era um produto de estudo de academia nem uma ciência pura, estava centrada no problema. A preocupação de Freud era mais global — a personalidade humana total, em vez de funções especificas como a percepção e a aprendizagem. Psicanálise
  • 7. Determinismo Ÿ Freud acreditava que nenhum processo mental ocorre por acaso. A cada ação correspondia sempre uma causa, sempre h av i a u m m o t i vo c o n s c i e n t e o u inconsciente. Há uma continuidade na vida mental. Psicanálise
  • 8. Sistema da Personalidade Instinto ŸSão pressões que dirigem o organismo para determinados fins. ŸPara Freud, os instintos são as únicas fontes de energia do comportamento e os fatores propulsores da personalidade. ŸNa perspectiva freudiana, desde o nascimento, os indivíduos são dotados de uma base biologicamente instintual: instintos sexuais e instintos agressivos que, inconscientemente, motivam cada coisa que os seres humanos pensam, dizem ou fazem durante suas vidas. ŸFreud denominou de libido a energia pela qual os instintos se manifestam. Psicanálise
  • 9. Classificou os instintos em dois grupos: Ÿ Instintos de vida- servem à sobrevivência do homem e a propagação da raça. Por exemplo, a fome, a sede, a necessidade de contato sexual. Este último foi o instinto de vida no qual Freud prestou mais atenção. Ÿ Instintos de morte- instintos destrutivos. Toda pessoa morre, o que levou Freud a pensar que a finalidade de toda vida é a morte. Convenceu-se, então, de que a pessoa tem, inconscientemente, o desejo de morrer. O impulso agressivo é um importante derivativo dos instintos de morte. Psicanálise
  • 10. Aspectos da Personalidade Considerado por alguns autores, o primeiro tópico da estrutura da personalidade, Freud apresenta em sua obra “A interpretação dos sonhos”(1900), uma tentativa de dividir a mente humana em três regiões: Ÿ INCONSCIENTE - Nele concentram-se elementos instintivos, que não são acessíveis â consciência. Aí, estão as fontes de energia psíquica e instintos. Ÿ PRÉ-CONSCIENTE - É uma parte do inconsciente que pode tornasse consciente com facilidade; são as porções acessíveis da memória; Ÿ e CONSCIENTE - Inclui tudo o que estamos cientes num dado momento; Psicanálise
  • 11. Ÿ Freud remodela o primeiro tópico e introduz o que alguns autores chamam de segundo tópico da estrutura da personalidade, em que apresenta três sistemas de funcionamento psíquico: o ID, o EGO e o SUPEREGO. Ÿ De acordo com esta teoria, id, ego e superego atuam entre si num sistema dinâmico, mas possuem diferentes funções. Psicanálise
  • 12. O ID Ÿ Opera de acordo com o PRINCÍPIO DO PRAZER; Ÿ Procura apenas a satisfação de suas necessidades instintivas, sem levar em conta as circunstâncias da realidade objetiva, como juízos de valor, o bem, o mal e a moral; Ÿ Todas as atividades do id são inconscientes: não temos consciência de nossos instintos e de seus profundos efeitos sobre nosso comportamento. Psicanálise
  • 13. O EGO Ÿ Opera de acordo com o PRINCÍPIO DA REALIDADE; Ÿ Sistema que estabelece o equilíbrio entre as exigências do id, as exigências da realidade e as 'ordens' do superego; Ÿ Apresenta razão, em contraste às paixões cegas e insistentes do id; Ÿ Freud denominava o ego ich, traduzido como eu. Psicanálise
  • 14. O SUPEREGO Ÿ Opera de acordo com o PRINCÍPIO DO DEVER. Ÿ O papel do superego é comparável ao de um juiz ou censor do ego. Sua ação se manifesta pela consciência moral, atitudes de autocrítica, proibição. Ÿ Representa mais o ideal do que o real. Desempenha as seguintes funções: - Inibir os impulsos do id; - Persuadir o ego; - Lutar pela perfeição. Ÿ O superego é o "defensor de um impulso rumo à perfeição". Psicanálise
  • 15. O superego está evidentemente em conflito com o id. Ao contrário do ego, o superego não tenta apenas adiar a satisfação do id; ele tenta inibi-la por completo,o que causa um conflito interminável no interior da personalidade humana. O ego está numa posição difícil, sendo pressionado por todos os lados, cabendo a ele: 1. adiar os anseios e incessantes do id; 2. perceber e manipular a realidade para aliviar as tensões do instinto do id; 3. lidar com o anseio de perfeição do superego. Psicanálise
  • 16. Ansiedade Sempre que o ego é submetido a uma pressão muito grande, resulta na ansiedade, que funciona como advertência que o ego está sendo ameaçado. A Ansiedade é uma força que induz a tensão do comportamento humano, motivando o indivíduo a agir para reduzir essa tensão. Freud sugeriu que o ego desenvolve algumas defesas protetoras contra a ansiedade, que são os mecanismos de defesa. Psicanálise
  • 17. Mecanismos de Defesa Ÿ São os processos psíquicos cuja finalidade consiste em afastar um evento gerador de angústia da percepção consciente. Ÿ O ego, como sede da angústia, é mobilizado diante de um sinal de perigo e desencadeia uma série de mecanismos repressores que impedirão a vivência de fatos dolorosos, os quais o organismo não está pronto para suportar. Ÿ Todos os mecanismos de defesa negam, falsificam ou distorcem a realidade; operam inconscientemente, sem que a pessoa se dê conta. Psicanálise
  • 18. Mecanismos de Defesa ŸIdentificação EX.: Exemplo: identificação com um ídolo. ŸRepressão Ex.: o marido traído que nega a traição. ŸSublimação Ex.:desejo muito ter filhos, como não posso me dedico às crianças carentes. ŸProjeção Ex.: quando se diz ‘‘ele me odeia’’ em vez de ‘‘eu o odeio’’ Psicanálise
  • 19. Mecanismos de Defesa ŸFixação Ex.: Dormir com urso de pelúcia na idade adulta. ŸRegressão Ex.: Criança que começa a se comportar como bebê quando nasce um irmãozinho. ŸFormação Reativa Ex.: uma pessoa tem exagerada preocupação com organização, devido a inconsciente tendência ao desregramento. Psicanálise
  • 20. Estágios Psicossexuais do Desenvolvimento da Personalidade Na teoria psicanalítica do desenvolvimento, a criança passa por uma série de estágios psicossexuais, os quais são: ŸEstágio oral - que vai até o segundo ano de vida, quando a estimulação da boca, como sugar, morder e engolir, é a fonte primária de satisfação erótica. Psicanálise
  • 21. ŸEstágio anal - quando a gratificação vai da boca para o ânus, e as crianças derivam prazer da zona anal. ŸEstágio fálico - ocorre por volta do quarto ano de idade, quando a satisfação erótica se transfere para a região genital. Freud situou nesse estágio o desenvolvimento do complexo de Êdipo. Psicanálise
  • 22. ŸPeríodo da latência - que dura mais ou menos do quinto ao décimo segundo ano de vida, quando a energia da libido canalizada para atividades sociais. ŸEstágio Genital - quando o comportamento heterossexual se torna evidente. Prevalência de uma sexualidade genital. Psicanálise
  • 23. Apesar das críticas de falta de rigor científico e de fraqueza metodológica, a psicanálise freudiana continua sendo uma importante força na psicologia moderna. Psicanálise