Aula 2 psicologia apostila

1.526 visualizações

Publicada em

Psicologia Aplicada a Saúde. Behavorismo, Gestalt e Psicanálise

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

Aula 2 psicologia apostila

  1. 1. Psicologia
  2. 2. Psicologia • Psyché: Alma Psicologia • Logos: Razão Estudo da alma Psicologia é o estudo da mente e dos processos mentais, comportamentos, desejos, percepção, motivação
  3. 3. Psicologia • A psicologia é uma ciência jovem. Ela nasceu de uma ciência-mãe, a Filosofia, que deu origem a muitas outras ciências, como a Sociologia e a Matemática. • Os filósofos antigos procuraram estudar o comportamento do homem e dos animais de maneira não científica. • A pré-história da Psicologia registra estudos do comportamento humano, através da Astrologia, Quiromancia, Grafologia, Fisiognomonia e o outros
  4. 4. Psicologia • Astrologia • Quiromancia • Fisiognomonia
  5. 5. Psicologia Experimental • A psicologia experimental surge no século XIX em Leipzig (alemanha) com Gilherme Wundt (pai da psicologia). • Wundt utilizava aparelhos para medir os chamados fenômenos psíquicos (sensações, vontades, percepções, etc). A psicologia experimental é aquela que defende que as questões da psique podem ser estudadas através da observação, da manipulação e do registo das variáveis que têm influência no paciente. Trata-se, portanto, de recorrer ao método experimental.
  6. 6. Psicologia Baseada em Evidências. • Relatada por Charles Darwin em 1859, na Inglaterra. • Teoria baseada em Evolução das Espécies. • Se você está caindo, é porque, na sua herança, isso lembra o homem primitivo que dormia em cima de árvores e frequentemente caia.
  7. 7. Psicologia Baseada em Evidências. • A teoria de Darwin dizia que os animais se adaptam ao meio onde vivem para um melhor ajustamento.
  8. 8. Psicologia Baseada em Evidências. • O homem desenvolve processos psicológicos (emoção, sensação e outros) para adaptar ao meio que vive.
  9. 9. Psicanálise • Na década de 20, Sigmund Freud fundou a Psicanálise. • Esta disciplina visa também analisar o comportamento humano, decifrar a organização da mente e curar doenças carentes de causas orgânicas
  10. 10. Três Posições Fundamentais • Quando a psicologia se tornou ciência, três sistemas principais ou escola surgiram • Behaviorismo • Psicologia de Gestalt • Psicanálise
  11. 11. Behaviorismo (1913) • O criador behaviorismo é John B. Watson (1878-1959) • A palavra inglesa Behavior (to Behave) quer dizer comportamento, conduta. • Segundo essa teoria, o comportamento dos indivíduos devem ser observados e medidos.
  12. 12. Behaviorismo • O behaviorismo baseia-se no estudo do estímulo (S) e da resposta (R). Assim essa escola passou a se chamar Psicologia do Estímulo e da Resposta ou Psicologia S – R. • Ex: Evento: Lâmpada que se acende Estímulo (S): Luz Resposta (R): Pupilas se contraem • O mesmo acontece ao andar, correr, pensar, dormir. • Ex: Evento: Pensar Estímulo (S): Palavra pronunciada Resposta (R): Associação a memórias
  13. 13. Psicologia de GESTALT • O termo alemão Gestalt quer dizer Forma ou Configuração. • A Gestalt estudou a organização do processo mental. • Observe a figura abaixo: • O que você visualiza? • Vaso? • Rostos?
  14. 14. Psicologia de GESTALT • Ora vê se um vaso, ora vê os dois perfils de rostos • Ora o vaso é a figura (elemento principal) da forma (configuração), ora é o fundo, isto é passa para segundo plano. • Assim acontece com nossos comportamentos. No instante em que você esta lendo este slide, ele é a figura (o foco da atenção), os outros eventos ou percepções, como fome, musica, ruídos, conversas, passam a ser o fundo • A qualquer momento a aula pode passar a ser o fundo e outra ação tornar-se o evento. • Você pode estar na aula, mas ausente dela.
  15. 15. Psicologia de GESTALT • Percepção: Qual o ponto de foco? O que é principal e o que é fundo?
  16. 16. Psicologia de GESTALT • De acordo com os psicólogos de Gestalt, nossa experiência depende dos modelos (estruturas) que os estímulos despertam, na organização da nossa experiência. • Assim para aprender um assunto, você deve, em primeiro lugar, ter uma visão de conjunto do texto, do fato, do livro e depois estudar as partes.
  17. 17. Psicologia de GESTALT • Os estímulos devem ser vividos e não inseridos passivamente.
  18. 18. Psicanálise • Fundada por Sigmund Freud (1856-1939) • Psicanálise é o nome de um procedimento para a investigação de processos mentais que são quase inacessíveis por qualquer outro modo, um método (baseado nessa investigação) para o tratamento de distúrbios neuróticos
  19. 19. Psicanálise • Conceitos Fundamentais da Psicanálise • Princípio do determinismo psíquico • Princípio da transferência afetiva • Princípio da repressão ou censura • Princípio da divisão da personalidade • Princípio de autocomposição
  20. 20. Psicanálise: Princípio do determinismo psíquico • Se você analisa um comportamento, acaba verificando que ele tem um intensão e é motivado por um impulso. • Ex. Você já deve ter observado pessoas que tiram e colocam a aliança no dedo anular. Este ato é simbólico e não traduz apenas nervosismo, mas uma atitude ambivalente em relação ao casamento.
  21. 21. Psicanálise: Princípio do determinismo psíquico Gosto ou não Gosto, Quero ou não Quero, Tiro ou não Tiro? Já lhe aconteceu de ter esquecido o nome de uma pessoa ou a hora de uma consulta ou compromisso? Isso leva a psicanálise a crer que todo ato psíquico possui sentido, tem um significado.
  22. 22. • Você já ouviu uma música que lhe evoque a saudade de alguém? • Você já notou que certas pessoas têm medo de trovões? Não um medo comum, mas exagerado? • Conhece alguém que não pode sentir um perfume específico sem chorar? • O que significa cada um destes eventos? Psicanálise: Princípio da Transferência Afetiva
  23. 23. • Assim: • Música: Pode significar pessoa distante. • Trovão: Pode significar medo da solidão • Flor: Pode significar saudade que ficou presa • Há um deslocamento em virtude do qual um objeto qualquer ou fato neutro adquire uma força atrativa ou repulsiva suficiente para determinar um comportamento. Psicanálise: Princípio da Transferência Afetiva
  24. 24. • Pode ser que você aprecie muito seu chefe porque ele lhe simboliza a bondade de seu pai. • Pode ser que você rejeite qualquer autoridade, porque isso lhe recorde a figura despótica de seu pai. Princípio da Transferência Afetiva = Associação Psicanálise: Princípio da Transferência Afetiva
  25. 25. • Você já esqueceu o nome de alguém ou algum compromisso? • Esse “esquecimento” não é devido a falhas de memória, mas o resultado de uma força inibidora que mantem afastados da consciência os conteúdos psíquicos que se tornam desagradáveis. • Um dos lemas da psicanálise: Custa mais esquecer do que lembrar. Sempre você censura ou procura esquecer eventos desagradáveis. Psicanálise: Princípio da Repressão ou Censura
  26. 26. • Querido você sabe que dia é hoje? • Aniversario? • Dia da mulher? • Dia das mães? Psicanálise: Princípio da Repressão ou Censura
  27. 27. Psicanálise: Princípio da Repressão ou Censura
  28. 28. • A nossa personalidade está dividida em 3 grupos de forças • Id • Ego • Superego Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  29. 29. • Id • As forças que provém da camada mais profunda da nossa personalidade. • São forças primárias ou impulsos chamados instintivos. • Instintos destruidores: sádicos, masoquistas (de morte) • Instintos criadores: da libido (da vida) • Pelo Id se explica muitos comportamentos, tiques nervosos e depressões. • O Id é um componente genético-hereditário aquilo que o indivíduo já traz ao nascer e já está constitucionalmente estabelecido Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  30. 30. • Ego • Intermediário entre o Id é o mundo externo. • Age freando e controlando o comportamento. • O Ego protege a pessoa dos perigos, criando o medo. Assim vai acumulando experiências e adaptando o indivíduo ao mundo que vive, de forma útil e conveniente ao seu desenvolvimento. • O Ego orienta-se por uma fria moral autoritária e por uma razão lógica. Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  31. 31. • Superego • Representante da sociedade dentro de nós. • Os pais, os educadores, determinam às crianças em que medidas podem ser cumpridas as exigências do Id. • Menino, não faça isso. Não pode • Não faça isso, moça. É pecado • Cuidado! Você vai se queimar. • É preciso tomar banho todos os dias. Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  32. 32. • Esses estados de personalidade atuam como um todo, havendo no entanto manifestações mais acentudadas: • Pessoas Ídicas: são impulsivas, sensuais, amorais, guiadas principalmente pelo pensamento mágico ou não lógico. • Pessoas Egóicas: são frios, calculistas, utilitários, práticos e cautelosos. Evitam consequências desagradáveis para com seus atos (EGOISTAS). • Pessoas Superegóicas: são angustiadas, indecisas. Mostram-se tímidas, receosas. Possuem um exagerado sentimento de responsabilidade. Psicanálise: Princípio da Divisão da Personalidade
  33. 33. • É difícil manter um equilíbrio diante das três forças que atuam na expressão do comportamento. Cada força procura orientar o indivíduo para um caminho distinto e isso pode ocasionar o chamado conflito, que perturba a pessoa e a leva â ansiedade. • No entanto existem forças compensatórias que procuram equilibrar o indivíduo em relação a vida normal. • Sublimação • Catitimia • Projeção • Racionalização • Bolotomia Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  34. 34. • Sublimação • Você já viu alguém esmurrar uma mesa? • Ao passar por um problema, há uma tendência de transferir o efeito para outras vias. • Ex: Um beijo apaixonado  Um aperto de mão demorado Soco na cara do chefe  Soco é dado sobre a mesa Morte ao Ditador  Foto do mesmo queimada em praça pública. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  35. 35. • Catitimia • Indica a ação que as tendências afetivas exercem sobre a percepção da realidade. • Se você começa a descobrir só qualidade numa pessoa é porque, talvez, você esteja amando essa pessoa. • Você só descobre defeitos numa pessoa, possivelmente, ela é sua inimiga. • Há uma distorção da realidade pelo indivíduo. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  36. 36. • Projeção • No zoológico a criança pergunta ao avô: Vovô, você está morrendo de medo do leão, não é? • Não vou bem em Matemática, mas não sei o por quê. É o professor não vai com minha cara. • O indivíduo se vê livre da responsabilidade de seus atos, desaparecendo de sua consciência todo conflito entre desejo e dever. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  37. 37. • Racionalização • Na fábula sobre as “uvas verdes”, a raposa queria saborear algumas uvas que não conseguiu colher, porque não conseguiu alcança-las, disse: “Ora, estão verdes”. • O rapaz apaixonado, teve seu amor não correspondido e disse aos amigos: “Afinal ela não me server. Tem um nariz muito grande”. • O estudante que não passou em Medicina e foi fazer outro curso, diz: “Ora, nunca gostei de sangue” • Função autocompensadora que consiste em criar uma falsa motivação, que permite justificar aparentemente a satisfação da tendência à qual se opõe a mesma censura. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  38. 38. • Holotomia • Às vezes, na solução de seus conflitos, o indivíduo tenta obter uma dose de “auto-engano”, a fim de acalmar as tendências opostas. • Foi melhor assim. Se eu tivesse viajado, teria sido pior. Acontecem tantos desastres de avião! • A atendente me voltou troco errado. Não faz mal, o céu é o lugar dos justos. Psicanálise: Princípio da Autocomposição
  39. 39. Relações Humanas
  40. 40. Relações Humanas • As relações humanas ocupam-se do comportamento humano, no que diz respeito ao seu relacionamento intra e interpessoal
  41. 41. Relações Humanas • O relacionamento intrapessoal é aquele que o indivíduo realiza consigo mesmo • O interpessoal ocorre entre duas ou mais pessoas. São de interesse as relações que se dão em grupo.
  42. 42. Relações Humanas • Pode ser : • Espontâneo • Planejado
  43. 43. O Estágio do Processo da Morte • O Modelo de Kübler-Ross propõe uma descrição de cinco estágios discretos pelo qual as pessoas passam ao lidar com a perda, o luto e a tragédia. Segundo esse modelo, pacientes com doenças terminais passam por esses estágios. • O modelo foi proposto por Elisabeth Kübler-Ross em seu livro On Death and Dying, publicado em 1969. Os estágios se popularizaram e são conhecidos como Os Cinco Estágios do Luto (ou da Dor da Morte, ou da Perspectiva da Morte).
  44. 44. • Negação: quando descobrem que estão morrendo, os indivíduos ficam chocados e tendem a negar que a vida deles está chegando ao fim. • Negação e o isolamento se tornam mecanismos de defesa contra a dor psíquica diante do risco de morte O Estágio do Processo da Morte
  45. 45. • Raiva: a pessoa agonizante sente-se ludibriada porque seus planos de vida estão sendo interrompidos, demonstrando sinais de raiva e agressividade para com as pessoas próximas • Barganha: a maioria das barganhas é feita em acordo com um superior. • há a promessa de um bom comportamento ou dedicação a alguma causa nobre em troca do adiamento do inevitáve O Estágio do Processo da Morte
  46. 46. • Depressão: indivíduo tem consciência de sua real situação. Ele apresenta-se em um estado de profunda apatia, choros incontroláveis, tristeza e solidão. • Aceitação indivíduos capazes de superar a angústia atingem a fase de aceitação do processo de morte e morrer. O Estágio do Processo da Morte
  47. 47. O Estágio do Processo da Morte
  48. 48. TEORIA DE MASLOW • A Pirâmide de Maslow • Maslow hierarquizou as necessidades humanas por importância, dispondo-as em uma pirâmide:
  49. 49. TEORIA DE MASLOW
  50. 50. Necessidades fisiológicas • a são necessidades básicas para sustentação da própria vida, tais como comida, abrigo, sono.
  51. 51. Necessidades de segurança • São necessidades de estar livre do perigo físico e também é o medo da perda do emprego, do abrigo, da sustentabilidade, etc.
  52. 52. Necessidades de afiliação ou aceitação • Por serem seres sociais, as pessoas têm necessidade de se sentirem aceitas, pertencentes a um grupo
  53. 53. Necessidades de estima • Uma vez satisfeita a necessidade de afiliação, as pessoas passam a sentir necessidade de serem estimadas, respeitadas pelos outros.
  54. 54. Necessidade de auto realização • É o desejo de tornar-se aquilo que a pessoa é capaz de ser – maximizar seu potencial, realizar tudo que seja possível.
  55. 55. Necessidades • As necessidades humanas não são excludentes entre si. Elas estão presentes em intensidades diferentes • A cada momento, existe uma necessidade emergente, ou seja, predominante • A motivação das pessoas depende delas mesmas e das necessidades que elas possuem em determinado momento de suas vidas.
  56. 56. Fim Discutir com um homem que renunciou à sua razão é como medicar um cadáver. Thomas Paine

×