Apresentacao aprendizagem colaborativa

1.066 visualizações

Publicada em

Curso Facilitação: promovendo interação em ambientes de aprendizagem colaborativa - Apresentacao aprendizagem colaborativa

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.066
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
484
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentacao aprendizagem colaborativa

  1. 1. atencaobasica.org.br Aprendizagem Colaborativa Ensinamos e aprendemos nas relações
  2. 2. Você já ouviu coisas assim por aí?
  3. 3. Todas elas falam da importância da colaboração!
  4. 4. Mas como a aprendizagem colaborativa acontece ? ● No encontro com o outro. ● Nos desafios e necesidades de ensino- aprendizagem, que a relação entre as pessoas provocam em nós. ● Nas análises coletivas que fazemos da nossa prática.
  5. 5. Quando compartilhamos as experiências da vida cotidiana por meio da interação, temos a possibilidade de construir processos colaborativos de aprendizagem entre os trabalhadores da saúde.
  6. 6. Ao relatar uma experiência do cotidiano de trabalho na Comunidade de Práticas, podemos colocar em análise e problematizar nossa prática. O processo de sistematização das experiências pessoais e a provocação de novas abordagens para ela, constroem processos de aprendizagem colaborativa pela troca de ideias sobre o tema.
  7. 7. A colaboração acontece quando os participantes se sentem provocados a expressarem seu entendimento do significado que está sendo construído no processo de interação. Colaboração Colaborar com outros na tentativa de resolver um problema permite [...] confrontar o seu repertório de estratégias cognitivas com os demais, possibilitando o enriquecimento mutuo (Tractenberg & Struchiner, 2010, p. 73). ” “
  8. 8. A aprendizagem colaborativa problematiza as relações verticais entre quem ensina e quem aprende, colocadas pelas perspectivas tradicionais de educação.
  9. 9. Há a necessidade do desenvolvimento de um processo de interação, que reconhece os saberes de todos os envolvidos no processo educativo e a potência do encontro desses saberes para produzir novos conhecimentos.
  10. 10. Em uma comunidade de prática os membros trocam informações e experiências sobre o domínio da comunidade, envolvem-se em reflexões e discussões, ajudam-se. Desenvolvem assim um relacionamento, que permite que aprendam uns com os outros. Por essa característica essencial, Wenger (2008) afirma que a interação é fundamental para que as pessoas aprendam umas com as outras em uma comunidade de práticas. Aprendizagem Colaborativa e Comunidade de Práticas
  11. 11. Aprendizagem Colaborativa e Comunidade de Práticas As novas tecnologias da informação permitem formas de acessar e produzir conhecimentos que tem ampliado a capacidade humana de se comunicar, gerar, armazenar e operar conteúdos colaborativamente. As comunidades de práticas oferecem diferentes ferramentas para facilitar a colaboração: Comentários Curtidas Postagens Chats Etc...
  12. 12. Não basta que essas ferramentas tecnológicas existam, é preciso que elas sejam utilizadas com a intenção de construir situações que possibilitem uma aprendizagem colaborativa. Para isso precisamos nos sentir parte de um grupo!
  13. 13. A experiência do “comum” se dá no grupo! Um grupo não é a soma de indivíduos! Várias pessoas se tornam um GRUPO quando sentem que tem algo em comum entre elas. Isso não significa que as pessoas tenham que pensar e praticar as mesmas coisas para fazer parte dele. É importante que o grupo tenha espaço para todos os tipos de interação e sentimentos. Eles são permeados por conflitos e opiniões divergentes. Colocar essas questões em análise, pode produzir processos de desenvolvimento e aprendizagem colaborativa.
  14. 14. Formas de utilizar a Aprendizagem Colaborativa para produzir Educação Permanente em Saúde: Instigar a argumentação dos participantes sobre seus pontos de vista. Provocar processos de análise. Debater os comentários e as práticas.
  15. 15. Há diversos usos dessas práticas de colaboração e nem sempre elas contribuem para produção de relações transformadoras de educação e trabalho.
  16. 16. • O discurso da colaboração também tem servido para mascarar as diversidades de opiniões e homogeneizar práticas. • O trabalho em equipe também tem sido usado como forma de controle dos trabalhadores: a vigilância deixa de ser do chefe e passa a ser de todo o grupo. Então...atenção Facilitador: ”Nem tudo que reluz é ouro!”
  17. 17. Desafios para o facilitador contribuir com a criação de aprendizagens colaborativas: • debater sobre situações-problema • fomentar a conversa sobre os temas debatidos na perspectiva de identificar quais os significados comuns que são produzidos na interação • provocar as trocas de experiência entre os participantes • promover processos de análise sobre as práticas compartilhadas • valorizar o protagonismo dos participantes no processo de debate - não é aconselhável dar respostas prontas, em geral elas acabam com a troca de ideias Ser facilitador também é estar aberto para aprender colaborativamente, sempre!!
  18. 18. Referências FREIRE, Paulo (1996). Pedagogia do oprimido. 23a reimpressão. São Paulo, Editora Paz e Terra. KIRKWOOD, K. If They Build It, They Will Come: Creating Opportunities for E-learning Communities of Practice. In Universitas 21 Conference on E-learning and Pedagogy. Guadalajara, Mexico. 2006. Disponível em http://www.google.com.br/url? sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=2&ved=0CDgQFjAB&url=http%3A%2F %2F130.203.133.150%2Fviewdoc%2Fdownload%3Bjsessionid%3D6692394B7BB1B7592198A10F3FBA5%3Fdoi%3D10.1.1.130.5695%26rep% 3Drep1%26type%3Dpdf&ei=QY0OUtP6L4WWyA GNj4FI&usg=AFQjCNF1wKrgjqNOHMSeBg0g-sYsAYLoNQ&sig2=AVZNf073illGZMtazZN FGg&bvm=bv.50768961,d.aWc Acesso em 05 Jun 2013. MEHRY, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec, 2002. MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2015, 28 de maio). Comunidade de práticas [Web log post]. Disponível em https://novo.atencaobasica.org.br/ RIBEIRO, A.C.L. A psicologia e o cuidado nos serviços de saúde: formação e trabalho. Curitiba: Appris. 2014. STAHL, G. ; KOSCHMANN, T. & SUTHERS, D. (2006). Aprendizagem colaborativa com suporte computacional: Uma perspectiva histórica. In R.K. Sawyer (Ed.), Cambrindge handbook of the learning sciences (pp. 409-426). [Traduzido por Hugo Fuks & Tatiana Escovedo]. Cambridge: Cambrindge University Press. Disponível em http://gerrystahl.net/cscl/CSCL_Portuguese.pdf TRACTENBERG, L., & STRUCHINER, M. (2010). A emergência da colaboração na educação e as transformações na sociedade pós-industrial: Em busca de uma compreensão problematizadora. B. Téc. Senac a R. Educ. Prof., 36 (2), 65-77. WENGER, E. (2008) Communities of practice: a brief introduction. Disponivel em: www.ewenger.com/theory/index.htm Acesso em 19 Jun 2010.
  19. 19. Este conteúdo possui licença Crative Commons: Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuições não-comercial- compartilhaIgual 4.0 Internacional. Para ver uma cópia desta licença, visite: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

×