Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC

2.843 visualizações

Publicada em

Essa apresentação faz parte do curso introdutório em práticas corporais e mentais da MTC, ofertado gratuitamente pelo Ministério da Saúde na plataforma colaborativa Comunidade de Práticas.
Acesse https://cursos.atencaobasica.org.br/courses/16684

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.843
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.145
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC

  1. 1.   Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC CURSO INTRODUTÓRIO EM PRÁTICAS CORPORAIS E MENTAIS DA MTC
  2. 2. Introdução A Medicina Tradicional Chinesa dispõe de um grande número de práticas voltadas para a saúde do corpo e da mente, e cada uma delas tem diversos estilos e variações. Neste momento, vamos nos deter naquelas mais difundidas e conhecidas: o Qigong, o Tai Chi Chuan, o Lian Gong em 18 Terapias, Massagens e Manobras Manuais (Shiatsu, Do-in, Tui-ná, Automassagem) e a Meditação. É sempre bom lembrar que todas essas práticas têm três alicerces na sua execução: o movimento (ou manipulação, no caso da massagem), a atitude mental e a atenção à respiração.
  3. 3. Qigong O termo Qigong (às vezes grafado “Chi Kung” ou “Chikung”) se refere a uma categoria de técnicas que envolve o treinamento do Qi, que pode ser feito com movimentos corporais ou não. Através do Qigong, vamos regular o fluxo de Qi no nosso corpo, aumentando a vitalidade e promovendo a saúde. Originou-se nos primórdios da civilização chinesa, a partir de práticas meditativas e ascéticas, com posterior popularização. Anteriormente, as técnicas de Qigong recebiam o nome de Daoyin (Guiar e Induzir a Circulação de Qi), Tuna (Expelir e Absorver), tendo recebido o nome atual no Século XX. A circulação correta de Qi é tão imprescindível para a saúde, que os chineses não concebem a existência de uma prática de cuidado que não envolva o Qigong. Assim, nas práticas de Tai Chi Chuan e de Lian Gong em 18 Terapias, vistas a seguir, o Qigong está sempre presente.
  4. 4. Tai = grande, máximo Chi = pólo, extremidade Tai Chi = a interação entre os pólos Yin e Yang Chuan = punho fechado, arte marcial O Tai Chi Chuan, segundo registros históricos, foi sistematizado no Seculo XVII, a partir de técnicas marciais e meditativas então existentes. Com as transformações da sociedade chinesa e a ampla divulgação no meio urbano, o Tai Chi Chuan tornou-se mais suave, possibilitando a sua prática a pessoas de todas as idades e sem treinamento prévio. Existem cinco estilos principais – Chen, Yang, Wu, Wuu e Sun, sendo que o estilo Yang é o mais difundido no mundo. Tai Chi Chuan - I Figura 1 Estátua de Chen Wangting, em Chenjiagou, sua terra natal. (Fonte: The Way of Tai Chi)
  5. 5. CARACTERÍSTICAS DOS ESTILOS: (i) Estilo Chen – esse é o estilo que deu origem aos demais estilos existentes atualmente. Suas formas apresentam movimentos suaves alternados com movimentos explosivos, saltos e chutes. Sua popularidade está aumentando, graças ao trabalho de divulgação feito pelo grão-mestre Chen Xiaowang, decaneto de Chen Wangting. (ii) Estilo Yang – historicamente foi o segundo a se desenvolver, é o mais difundido nos dias de hoje. A forma mais tradicional tem 108 movimentos (que também são contados como sendo 85, 88, ou 103, dependendo de como esses mesmos movimentos da sequência são agrupados). Seus movimentos são suaves, amplos, confortáveis. A forma não apresenta saltos, variações bruscas de ritmo, ou movimentos explosivos, facilitando a sua execução pelas massas. Tai Chi Chuan - II
  6. 6. CARACTERÍSTICAS DOS ESTILOS: (iii) Estilo Wuu – também chamado de estilo Hao (em homenagem a um importante mestre nessa escola, chamado Hao Weizhen), foi o terceiro estilo a se desenvolver. Os movimentos da forma são suaves e mais “contidos” que os do estilo Yang: a extensão dos braços e a flexão das pernas são menores. (iv) Estilo Wu – cronologicamente, foi o quarto estilo. Sua característica marcante é o alinhamento do tronco, que, diferente dos outros grandes estilos, não segue a vertical, mas acompanha o eixo da perna que está atrás nas posturas de deslocamento. (v) Estilo Sun – o mais recente dos cinco grandes estilos, foi formado por Sun Lutang combinando-se o estilo Wuu/Hao com outras duas artes marciais: o Xingyiquan (da qual era mestre no estilo Hebei) e o Baguazhang (em que era mestre do estilo Cheng). Tem passos curtos, e ágeis. Tai Chi Chuan - III
  7. 7. Tai Chi Chuan como Prática Integrativa e Complementar - Independente do estilo, os movimentos são feitos buscando-se a maior acessibilidade possível do usuário à prática. - Está indicado para todas as faixas etárias. - Tem efeito comprovado na diminuição da ansiedade, redução de quedas em idosos, diminuição da dor articular, melhora da função cerebral, entre outros. - É contra-indicado na fase aguda de doenças infecciosas, na presença de febre e em patologias crônicas descompensadas. - Pode ser praticado durante a gravidez, desde que seja liberado pelo obstetra assistente. Tai Chi Chuan - V
  8. 8. Na prática de Tai Chi Chuan para a saúde, o instrutor, devidamente capacitado, orienta o grupo, fazendo as correções necessárias e explicando o sentido e natureza dos movimentos. Normalmente, além da forma de Tai Chi Chuan propriamente dita, a prática inclui técnicas de Qigong e treinamento de posturas e movimentos básicos. É aconselhável que a prática seja executada ao ar livre, com proteção da chuva e do sol forte. Como os praticantes se deslocam, é necessário que haja pelo menos dois metros entre uma pessoa e outra, além de um espaço que permita a execução da forma. Tai Chi Chuan - VI Figuras 2 e 3 O segundo movimento da forma de 24 (Fonte: Egreenway)
  9. 9. Lian Gong em 18 Terapias - I Em chinês, “Liangong Shi Ba Fa”. Liangong = “exercitar” Shi Ba – “dezoito” Fa – “método” O Lian Gong em 18 Terapias foi criado pelo dr. Zhuang Yuanming, médico da Medicina Tradicional Chinesa, especializado em ortopedia e tui-ná. A partir de sua vivência clínica, desenvolveu o Lian Gong em 18 Terapias, no ano de 1974. A prática reúne os conceitos tradicionais da Medicina Tradicional Chinesa com os conhecimentos de anatomia e fisiologia da Medicina Convencional Ocidental. Figura 4 Dr. Zhuang Yuanming (1919-2013) (Fonte: Banco de imagens do Baidu)
  10. 10. Lian Gong em 18 Terapias - II O Lian Gong em 18 Terapias é composto de três sequências, cada uma delas composta de 18 exercícios: 1ª - Lian Gong Qian Shi Ba Fa, ou Lian Gong em 18 Terapias Anteriores, dividido em três séries: (i) Pescoço e ombros (ii) Coluna vertebral e cintura (iii) Quadris e pernas Figura 5 A primeira série das 18 Terapias Anteriores (Fonte: Autocuidado)
  11. 11. Lian Gong em 18 Terapias - III 2ª - Lian Gong Hou Shi Ba Fa, ou Lian Gong em 18 Terapias posteriores, também dividido em três séries: (i) Articulações (ii) Tendões e ligamentos (iii) Órgãos internos 3ª - Lian Gong Shi Ba Fa Xu Ji, ou Continuação de Lian Gong em 18 Terapias. O foco dessa parte é a função cardiorrespiratória.
  12. 12. Lian Gong em 18 Terapias - IV - Além de ser uma prática corporal de promoção da saúde e de prevenção de adoecimentos, o Lian Gong em 18 Terapias é indicado em casos de dor, como artralgias, mialgias, entre outras. - Os movimentos devem ser amplos, bem definidos e dirigidos conscientemente pelo praticante. - Está indicado para todas as faixas etárias. - É contra-indicado na fase aguda de doenças infecciosas, na presença de febre, na gravidez, no câncer em atividade, e em patologias crônicas descompensadas.
  13. 13. A prática de Lian Gong é feita, geralmente, em grupos, dirigidos por um instrutor devidamente capacitado, ao som de um áudio padrão contendo as instruções para os movimentos e uma música tradicional chinesa. Cada uma das três partes dura 12 minutos. Os movimentos são bem definidos, devendo ser realizados dentro dos limites individuais do praticante. A respiração é sincronizada com os movimentos e a mente deve estar sempre presente. O ideal é que a prática seja feita em local bem ventilado, com proteção para chuva e sol forte. Deve haver uma distância de aproximadamente dois metros entre os praticantes, possibilitando a amplitude dos movimentos sem que as pessoas se esbarrem. Lian Gong em 18 Terapias - V
  14. 14. Massagem e Manobras Manuais - IPossivelmente, a massagem tenha sido a mais antiga prática utilizada para o tratamento de dor. Ainda na pré-história, o homem, ferido em caçadas ou lutas, teria esfregado com a mão a área dolorida e observado o alivio obtido. Na China, essa observação foi sistematizada e acumulada ao longo dos séculos, levando ao desenvolvimento da Teoria dos Pontos e Meridianos. Também ao longo do tempo, técnicas diferentes de estimulação e sedação foram criadas e aperfeiçoadas, recebendo nomes diferentes, de acordo com a abordagem enfatizada: An-mo, Tui-ná, Do-in e Shiatsu são alguns dos sistemas terapêuticos que se desenvolveram a partir da utilização de manobras (pressão, tração, rotação, apreensão, etc) utilizando, geralmente, o dedo, a mão ou diferentes partes dos membros, em determinados pontos ou regiões do corpo, para se tratar, não só a dor, como diversas outras situações patológicas, além de promover o fortalecimento orgânico.
  15. 15. Massagem e Manobras Manuais - IIA massagem, na MTC, pode ser feita por um profissional em um paciente, ou ainda, pela própria pessoa nela mesma, quando, então, falamos em Automassagem. A automassagem permite que a pessoa desenvolva o seu autoconhecimento. É uma prática extremamente simples para ser acompanhada, e os grupos de praticantes criam vinculos bastante fortes entre si. A prática de Automassagem pode ser feita em grupo, sob a orientação de uma pessoa habilitada para tanto. Pode ser feita ao ar livre, ou em local bem arejado, preferencialmente com cobertura para proteger da chuva e do sol forte, com dimensões que acomodem os participantes. De modo geral, a pessoa fica sentada, levantando-se conforme a necessidade da técnica. Não é necessário deslocamento. As pessoas devem ser estimuladas a incorporar as técnicas no seu dia-a-dia. Figura 6 Automassagem nos pontos VB20 (Fonte: Dharmazen)
  16. 16. Massagem e Manobras Manuais - III - As massagens, sejam feitas pelo terapeuta, sejam feitas pelo próprio indivíduo, podem ser usufruídas por pessoas de todas as idades. - A massagem está indicada em diversas situações, como dores articulares, rinite, constipação intestinal, entre outros. - As contra-indicações comuns para a aplicação de massagem são: doença infectocontagiosa (pelo risco de infecção para o terapeuta), lesões de pele abertas, traumas agudos no sistema nervoso central e nos órgãos internos, fraturas e lesões na coluna vertebral (massagem no local pode piorar a lesão), situações cirúrgicas (apendicite aguda, hemorragia interna, entre outras), câncer em atividade (pelo risco de disseminação das células cancerosas).
  17. 17. Massagem e Manobras Manuais - IV - A aplicação da massagem por um terapeuta em um paciente deve ser feita em ambiente apropriado, reservado, com iluminação, espaço, e mobiliário adequados, e registradas em ficha clínica ou equivalente. - A prática de automassagem pode ser feita em grupo, ao ar livre, preferencialmente com proteção da chuva e do sol forte. Proporciona, além dos efeitos terapêuticos físicos, a sociabilização entre os praticantes.
  18. 18. Meditação - IA meditação para a saúde, no contexto da Medicina Tradicional Chinesa, não tem um caráter religioso, embora o aspecto espiritual, ao lado do corporal e mental, também seja beneficiado. De maneira simples, existem três pilares para a prática da meditação: - a postura: como o corpo deve se posicionar durante a prática. Existem várias posições possíveis, que se adequam a cada situação e praticante; - a mente: a mente deve estar tranquila, estável e serena, sem tentar eliminar os pensamentos e sem criá-los. Pode-se estabelecer um foco (por exemplo, a própria respiração) para facilitar essa estabilização mental; - a respiração: existem, também, muitos padrões respiratórios que podem ser utilizados, de acordo com cada situação. Para quem está iniciando, é importante que a respiração aconteça naturalmente (“permitindo que ela seja natural”).
  19. 19. Meditação - II A prática de meditação deve ser feita em ambiente tranquilo, sem interferências, preferencialmente em penumbra. Havendo música, deve ser suave e em baixo volume. Sendo em grupo, o instrutor conduz a prática através das várias etapas. É bastante benéfica para calma, a consciência corporal e a respiração, fortalecendo a saúde, prevenindo adoecimentos e auxiliando em diversos quadros patológicos. Figura 8 Meditação deitada (Fonte: Jiang Weiqiao) Figura 7 Meditação sentado em posição de lótus (Fonte: Jiang Weiqiao) Figura 9 Meditação sentado em cadeira (Fonte: Jiang Weiqiao) Figura 10 Meditação em pé (Fonte: Daode99)
  20. 20. Apesar de ser uma prática milenar, apenas muito recentemente a meditação passou a ser objeto de investigação científica. - Britta Hölzel e colegas avaliaram os mecanismos de ação da meditação e seus efeitos positivos sobre o sistema imune, em Perspectives on Psychological Science November 2011 6: 537-559. - Indivíduos que praticam meditação apresentam níveis mais elevados de serotonina. Essa substância reduz a pressão arterial e a frequência cardíaca, tem um efeito anti-estresse e anti-insônia. (Alexander, citado em « Psicologia da Saúde – Uma Abordagem Biopsicossocial », de Richard Straub). - A meditação pode alterar a resposta inicial de uma pessoa a sintomas como a dor. (Eisenberg, citado em « Psicologia da Saúde – Uma Abordagem Biopsicossocial », de Richard Straub). Meditação - III
  21. 21. Créditos das fotos e imagens   Figura 1: http://thewayoftaichi.com/wp-content/uploads/2014/12/Chen_Wanting.jpg Figura 2: https://i2.wp.com/www.egreenway.com/taichichuan/images/ST2a.gif Figura 3: https://i2.wp.com/www.egreenway.com/taichichuan/images/ST2b.gif Figura 4: http://img1.gtimg.com/sports/pics/hv1/239/228/1269/82575104.jpg Figura 5: http://www.autocuidado.com/2014/wp-content/gallery/liangong-series/serie01.gif
  22. 22. Figura 6: http://www.dharmazen.org/X2GB/D32Health/H732.files/image012.jpg Figura 7: Jiang, Weiqiao. Yin Shizi Jingzuofa. Shangwuyin Shuguan, 1914. Figura 8: Jiang, Weiqiao. Yin Shizi Jingzuofa. Shangwuyin Shuguan, 1914. Figura 9: Jiang, Weiqiao. Yin Shizi Jingzuofa. Shangwuyin Shuguan, 1914. Figura 10: http://www.daode99.com/attach/map/2013/09/1_20130902170933188F2.jp g
  23. 23. Bibliografia consultada - Zhuang Yuanming. Lian Gong Shi Ba Fa (Lian Gong em 18 Terapias). Editora Pensamento. 1ª Edição. 2001 - Zhuang Yuanming & Zhuang Jianshen Guia Ilustrado de Auto Tuina para Problemas Comuns de Saúde. Editora Pensamento. 1ª Edição. 2006. - Liang Shou-yu & Wu Wen-ching. Tai Chi Chuan – 24 & 48 Postures with Martial applications. YMAA Publication Center. 1996. - Hu Ximing. Chinese Qigong. Publishing House of Shanghai University of Traditional Chinese Medicine. 1988. - Straub, Richard O. Psicologia da Saúde – Uma Abordagem Psicossocial. Artmed. 3ª Edição. 2014.
  24. 24. Sites consultados: http://www.liangong.com/ http://www.marama.org.uk/taichi/tablineage.svg http://en.ptcc.dk/what-is-tai-chi/the-other-styles-of-tai-chi-chuan/ http://www.who.int/medicines/areas/traditional/BenchmarksforTraininginTui na.pdf?ua=1 http://www.liangongbrasil.com.br/sobre-lian-kong/ http://pps.sagepub.com/content/6/6.toc

×