SlideShare uma empresa Scribd logo
atencaobasica.org.br
Aprendizagem Social e Aprendizagem
Colaborativa
através de comunidades de práticas
Você já pensou como
acontece um processo
processo de
aprendizagem?
Quando nos propomos a realizar ações de educação, é importante
refletirmos sobre qual é o nosso entendimento sobre o processo ensino e
aprendizagem.
● Esse processo diz respeito à forma como as pessoas constroem conhecimentos,
competências e comportamentos;
● para isso, muitas metodologias podem ser empregadas, baseadas em concepções
epistemológicas distintas, ou seja, há uma diversidade de teorias que procuram explicar
como as pessoas constroem seus conhecimentos, e as práticas utilizadas no processo de
aprender e ensinar estão intimamente relacionadas a elas;
● dessas concepções teóricas e metodológicas resultam diferentes práticas pedagógicas.
Você já pensou sobre qual é a sua?
O processo ensino e aprendizagem baseia-se em metodologias desenvolvidas em
diversas concepções epistemológicas, orientando diferentes modelos educacionais e
práticas pedagógicas. As três principais concepções epistemológicas são:
● concepção apriorista: nessa concepção, acredita-se que o conhecimento está
no sujeito e precisa ser despertado;
● concepção empirista: nessa concepção, o professor detém o conhecimento e o
transmite ao aluno. O aluno é visto como uma “tábula rasa”, e de forma passiva
recebe o conhecimento pronto; e
● concepção interacionista: nessa concepção, o conhecimento é resultado das
interações.
(Mussoi, Flores e Behar, 2007)
Como as tecnologias
podem ser usadas
na concepção ensino e
aprendizagem?
O computador pode ser usado de diferentes formas, refletindo as diversas teorias que
embasam a proposta educativa. Pode ser usado como “máquina de ensinar”, refletindo um
modelo empirista, e pode ser usado em Comunidades Virtuais de Aprendizagem, refletindo um
modelo interacionista.
(Mussoi, Flores e Behar, 2007)
Por quê?
Vamos falar da perspetiva interacionista.
Ela é a que mais tem contribuído para
desenvolver processos de aprendizagem
nas Comunidades de Práticas.
● Nessa concepção, busca-se romper a hierarquia das relações professor-aluno
e superar a ideia de que o professor só ensina, e o estudante só aprende.
● O professor oportuniza relações com as informações, favorece processos de mediação e
promove problematizações.
● Mais do que o próprio sujeito ou o objeto de aprendizagem, são as ações do sujeito que
realmente importam no processo de aprendizagem interacionista. E, coletivamente, são as
interações que promovem o processo de aprender e ensinar.
Vamos relembrar ?
● Comunidades de práticas são grupos de pessoas que compartilham um interesse
comum sobre um assunto ou problema e aprendem com interações regulares.
(WENGER, 2008).
● Mais do que comunidades de aprendizes, as comunidades podem ser “comunidades
que aprendem”, pois são compostas por pessoas que têm o compromisso de agregar
as melhores práticas. (WENGER, 2008).
● O contato e a interação entre os membros deve possibilitar a troca de informações e
conhecimentos, que, ao serem postos em prática pelos outros membros, auxiliam na
busca de soluções.
Teoria da Aprendizagem Social:
compreensões que podem nos ajudar a refletir sobre como se dá a
aprendizagem nas comunidades de prática
Teoria da Aprendizagem Social
● A aprendizagem social é a aprendizagem colaborativa que se dá por meio do contato e
de associações regulares com outros indivíduos. (BANDURA, 1977).
● Princípios básicos:
○ as pessoas aprendem observando o que as outras fazem;
○ o mesmo conjunto de estímulos pode provocar respostas diferentes de pessoas
diferentes ou das mesmas pessoas em momentos diferentes;
○ o mundo e o comportamento de uma pessoa estão conectados;
○ a personalidade é uma interação entre três fatores: o meio ambiente, o comportamento
e os processos psicológicos de uma pessoa.
É possível ensinar e aprender ao
mesmo tempo?
Aprendizagem colaborativa:
quando ensinar e aprender é um
processo coletivo!
Aprendizagem colaborativa
● A aprendizagem colaborativa ocorre a partir de um trabalho conjunto
entre dois ou mais indivíduos, que, através da troca de ideias e
conhecimentos, geram novas ideias e conhecimentos de forma coletiva.
(DILLENBOURG, 1995).
● Componentes básicos:
o critérios: para definir uma situação, simetria, divisão de tarefas, gerando padrões de
interação;
o interações: disparam mecanismos cognitivos que geram efeitos cognitivos (troca,
negociação, etc.);
o processos: background, modelagem mútua, indução, carga cognitiva; e
o efeitos: resultado dos processos sobre o objeto de aprendizagem (ideia, produto,
conhecimento, interação).
Como a interação
por meio do uso de
tecnologias contribui
na construção
de processos de
aprendizagem?
● As comunidades dão suporte à aprendizagem colaborativa, permitindo aos alunos a
formação de redes, o ensino entre os pares e a construção de projetos conjuntamente. As
ferramentas disponíveis permitem que o foco pedagógico seja a interação. (KIRKWOOD,
2006).
● Um dos grandes avanços dos modelos de formação que utilizam ambientes virtuais, deve-se
à incorporação das Tecnologias da Informação e de elementos pedagógicos provenientes de
teorias de aprendizagem social.
● Essas tecnologias proporcionam o suporte necessário para que ocorra a interação do
aprendiz com o tutor e com outros aprendizes.
● Dessa forma, os alunos tornam-se agentes ativos do próprio processo de ensino e
aprendizagem, e os professores, facilitadores da construção e da apropriação do
conhecimento pelos alunos. (Quiroz, 2010)
A aprendizagem social em comunidades
Wenger, um importante pensador sobre comunidades de prática, destaca
algumas das perspectivas da aprendizagem social:
● é inerente à natureza humana; o homem é um ser social por natureza;
● está centrada na habilidade de negociar novos significados, através da comunicação e da
ressignificação das nossas experiências;
● é fundamentalmente social e baseada em experiências individuais (observação) e
coletivas (interação);
● transforma a nossa identidade pela reflexão da percepção em grupo;
● é uma questão de energia social e força; é preciso um envolvimento cognitivo no processo
colaborativo, ou seja, todos devem querer participar e ter um objetivo em comum; e
● envolve a interação entre o local (experiências e habilidades individuais) e o global
(construção coletiva e conhecimento do grupo).
Referências
● BANDURA, A. (1977) Social Learning Theory. New York: General Learning Press
● KIRKWOOD, K. 2006. If they build it, they will come: creating opportunities for E-learning communities of
practice. Universitas 21 Conference on E-learning and pedagogy.
● MUSSOI, E., FLORES, M., BEHAR, P. 2007. Comunidades virtuais: um novo espaço de aprendizagem.
● QUIROZ, J. El rol del tutor en los entornos virtuales de aprendizaje. Innovación Educativa, v. 10(52), jul-
set, pp. 13-23. 2010.
● RIBEIRO, A. M., SILVA, J. L. T, BOFF, E., VICARI, R. 2011. Dos ambientes de aprendizagem às
comunidades de práticas. Anais do XXII SBIE-WIE.
● WENGER, E. (2008) Communities of practice: a brief introduction. Disponível em:
www.ewenger.com/theory/index.htm. Acesso: jun/2010.
● WENGER, E. (2000) Communities of Practice and Social Learning Systems. Wenger Organization.
● WOOLF, B.P. (org). (2010) A Roadmap for Education Technology. Global Resources for Online
Education (GROE).
Dúvidas? Envie e-mail para:
contato@atencaobasica.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Construtivismo Apresentação
Construtivismo ApresentaçãoConstrutivismo Apresentação
Construtivismo Apresentação
Mayara Vellardi
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Thais1976
 
Slide informatica educatia i tarefa 2
Slide informatica educatia i tarefa 2Slide informatica educatia i tarefa 2
Slide informatica educatia i tarefa 2
jeanderson nascimento
 
Educação, paradígmas e tendências
Educação, paradígmas e tendênciasEducação, paradígmas e tendências
Educação, paradígmas e tendências
Pedagogiasoft
 
O construtivismo na sala de aula
O construtivismo na sala de aulaO construtivismo na sala de aula
O construtivismo na sala de aula
Maristela Couto
 
Pedagogia Critica Cefetrn
Pedagogia Critica CefetrnPedagogia Critica Cefetrn
Pedagogia Critica Cefetrn
ukauka2010
 
Sapalo mutiava aprendizagem colaborativa
Sapalo  mutiava   aprendizagem colaborativaSapalo  mutiava   aprendizagem colaborativa
Sapalo mutiava aprendizagem colaborativa
Sapalo Mutiava
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
Ana Medeiros
 
Grupo a atividade_is
Grupo a atividade_isGrupo a atividade_is
Grupo a atividade_is
Luciana
 
12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem
Hernando Professor
 
Abordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicasAbordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicas
Elicio Lima
 
Castorina piajet vigotsky
Castorina piajet vigotskyCastorina piajet vigotsky
Castorina piajet vigotsky
Leonardo Vieira
 
Pedagogia Renovada
Pedagogia RenovadaPedagogia Renovada
Pedagogia Renovada
Lourienny Ellen
 
Teorias pedagógicas ii
Teorias pedagógicas iiTeorias pedagógicas ii
Teorias pedagógicas ii
Mizael Pereira
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
Greicy Kely
 
Teoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasTeoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneas
Elias Junior
 
Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1
Cássio Landher Alves
 
Concepções do Conhecimento
Concepções do ConhecimentoConcepções do Conhecimento
Concepções do Conhecimento
karinaabreu
 
Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)
Carla Fernanda Matté Marengo
 

Mais procurados (19)

Construtivismo Apresentação
Construtivismo ApresentaçãoConstrutivismo Apresentação
Construtivismo Apresentação
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Slide informatica educatia i tarefa 2
Slide informatica educatia i tarefa 2Slide informatica educatia i tarefa 2
Slide informatica educatia i tarefa 2
 
Educação, paradígmas e tendências
Educação, paradígmas e tendênciasEducação, paradígmas e tendências
Educação, paradígmas e tendências
 
O construtivismo na sala de aula
O construtivismo na sala de aulaO construtivismo na sala de aula
O construtivismo na sala de aula
 
Pedagogia Critica Cefetrn
Pedagogia Critica CefetrnPedagogia Critica Cefetrn
Pedagogia Critica Cefetrn
 
Sapalo mutiava aprendizagem colaborativa
Sapalo  mutiava   aprendizagem colaborativaSapalo  mutiava   aprendizagem colaborativa
Sapalo mutiava aprendizagem colaborativa
 
Teorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagemTeorias da aprendizagem
Teorias da aprendizagem
 
Grupo a atividade_is
Grupo a atividade_isGrupo a atividade_is
Grupo a atividade_is
 
12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem12 ensino e aprendizagem
12 ensino e aprendizagem
 
Abordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicasAbordagens pedagógicas
Abordagens pedagógicas
 
Castorina piajet vigotsky
Castorina piajet vigotskyCastorina piajet vigotsky
Castorina piajet vigotsky
 
Pedagogia Renovada
Pedagogia RenovadaPedagogia Renovada
Pedagogia Renovada
 
Teorias pedagógicas ii
Teorias pedagógicas iiTeorias pedagógicas ii
Teorias pedagógicas ii
 
Construtivismo
ConstrutivismoConstrutivismo
Construtivismo
 
Teoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneasTeoria pedagógicas conteporâneas
Teoria pedagógicas conteporâneas
 
Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1Tendência progressista libertária1
Tendência progressista libertária1
 
Concepções do Conhecimento
Concepções do ConhecimentoConcepções do Conhecimento
Concepções do Conhecimento
 
Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)Como formar os grupos áulicos (1)
Como formar os grupos áulicos (1)
 

Destaque

Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Eduardo Manfré
 
Seminário communities of practice
Seminário communities of practiceSeminário communities of practice
Seminário communities of practice
Escola do Futuro/GV & Skill Idiomas/ GV
 
Wenger teoria aprendizagem social
Wenger teoria aprendizagem socialWenger teoria aprendizagem social
Wenger teoria aprendizagem social
Fernanda Ledesma
 
Comunidade de prática síntese
Comunidade de prática   sínteseComunidade de prática   síntese
Comunidade de prática síntese
Escola do Futuro/GV & Skill Idiomas/ GV
 
Fatores de influência
Fatores de influênciaFatores de influência
Fatores de influência
Alexandre Rodriguez
 
Rede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo webRede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo web
Felipe Moreno
 
Modelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learningModelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learning
Alvaro Galvis
 
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Felipe Moreno
 
Ensinando terapia comportamental ao pais
Ensinando terapia comportamental ao paisEnsinando terapia comportamental ao pais
Ensinando terapia comportamental ao pais
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Gestão de Crise e Reputação nas Empresas
Gestão de Crise e Reputação nas EmpresasGestão de Crise e Reputação nas Empresas
Gestão de Crise e Reputação nas Empresas
Trama Comunicação
 
Modificação do Comportamento - Bandura
Modificação do Comportamento - BanduraModificação do Comportamento - Bandura
Modificação do Comportamento - Bandura
Paula Prata
 
Modelos Pedagogicos para a Aprendizagem Online
Modelos Pedagogicos para a Aprendizagem OnlineModelos Pedagogicos para a Aprendizagem Online
Modelos Pedagogicos para a Aprendizagem Online
José Bidarra
 
McDonald's - Gerenciamento de crise
McDonald's - Gerenciamento de criseMcDonald's - Gerenciamento de crise
McDonald's - Gerenciamento de crise
marioluisoliveira
 
Modelos de eLearning
Modelos de eLearningModelos de eLearning
Modelos de eLearning
Manuel Area
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
comunidadedepraticas
 
Mentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessárioMentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessário
Graça Maciel
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
aritovi
 
Como Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com AdversidadesComo Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com Adversidades
aavbatista
 
Esperança em meio à adversidade
Esperança em meio à adversidadeEsperança em meio à adversidade
Esperança em meio à adversidade
Moisés Sampaio
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
comunidadedepraticas
 

Destaque (20)

Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert BanduraTeoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
Teoria da Aprendizagem Social - Albert Bandura
 
Seminário communities of practice
Seminário communities of practiceSeminário communities of practice
Seminário communities of practice
 
Wenger teoria aprendizagem social
Wenger teoria aprendizagem socialWenger teoria aprendizagem social
Wenger teoria aprendizagem social
 
Comunidade de prática síntese
Comunidade de prática   sínteseComunidade de prática   síntese
Comunidade de prática síntese
 
Fatores de influência
Fatores de influênciaFatores de influência
Fatores de influência
 
Rede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo webRede de conexões na criação de conteúdo web
Rede de conexões na criação de conteúdo web
 
Modelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learningModelos pedagógicos para e learning
Modelos pedagógicos para e learning
 
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
Arquétipos comportamentais dos tipos de personalidade3
 
Ensinando terapia comportamental ao pais
Ensinando terapia comportamental ao paisEnsinando terapia comportamental ao pais
Ensinando terapia comportamental ao pais
 
Gestão de Crise e Reputação nas Empresas
Gestão de Crise e Reputação nas EmpresasGestão de Crise e Reputação nas Empresas
Gestão de Crise e Reputação nas Empresas
 
Modificação do Comportamento - Bandura
Modificação do Comportamento - BanduraModificação do Comportamento - Bandura
Modificação do Comportamento - Bandura
 
Modelos Pedagogicos para a Aprendizagem Online
Modelos Pedagogicos para a Aprendizagem OnlineModelos Pedagogicos para a Aprendizagem Online
Modelos Pedagogicos para a Aprendizagem Online
 
McDonald's - Gerenciamento de crise
McDonald's - Gerenciamento de criseMcDonald's - Gerenciamento de crise
McDonald's - Gerenciamento de crise
 
Modelos de eLearning
Modelos de eLearningModelos de eLearning
Modelos de eLearning
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
 
Mentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessárioMentira, um mal desnecessário
Mentira, um mal desnecessário
 
Aprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social BanduraAprendizagem Social Bandura
Aprendizagem Social Bandura
 
Como Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com AdversidadesComo Lidar Com Adversidades
Como Lidar Com Adversidades
 
Esperança em meio à adversidade
Esperança em meio à adversidadeEsperança em meio à adversidade
Esperança em meio à adversidade
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
 

Semelhante a Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de práticas

G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05G ped didp_3_1_05
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Ensinoporproj
EnsinoporprojEnsinoporproj
Ensinoporproj
Angelos Angel
 
G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05G ped didp_3_1_05
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdfDIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
Denise De Ramos
 
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdfufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
evapinto19
 
Interacao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielleInteracao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielle
Patricia Torres
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
Júlia Eugênia Gonçalves
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagem
Alcione Santos
 
Aula+9
Aula+9Aula+9
Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)
UyaraPortugal
 
UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215
Antonio Andrade
 
UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215
Antonio Andrade
 
Curriculo por projetos
Curriculo por projetos   Curriculo por projetos
Curriculo por projetos
Telma da Silva Barbosa
 
Ppt Adla
Ppt AdlaPpt Adla
Ppt Adla
Jamaic
 
Conectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digitalConectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digital
Bruno Leite
 
O papel do e tutor
O papel do e tutorO papel do e tutor
O papel do e tutor
ruteferreira76
 
pesquisa ação
pesquisa açãopesquisa ação
pesquisa ação
Ana Valeria Silva
 
Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]
Maria Flores
 
Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]
Márcio Martins
 

Semelhante a Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de práticas (20)

G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Ensinoporproj
EnsinoporprojEnsinoporproj
Ensinoporproj
 
G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05G ped didp_3_1_05
G ped didp_3_1_05
 
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdfDIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
DIDATICA _ objeto estudo _texto.pdf
 
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdfufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
ufcd_9637_-_principais_modelos_pedagogicos.pdf
 
Interacao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielleInteracao pea katia_danielle
Interacao pea katia_danielle
 
Pedagogia de projetos
Pedagogia de projetosPedagogia de projetos
Pedagogia de projetos
 
Teorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagemTeorias de aprendizagem
Teorias de aprendizagem
 
Aula+9
Aula+9Aula+9
Aula+9
 
Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)Atv.ling. metafora (1)
Atv.ling. metafora (1)
 
UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF - NTEM - Informática Educativa I - tarefa semana 2 - Antonio José ANcon215
 
UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215
UFF NTEM - Informática Educativa I - Tarefa Semana 2 - Antonio José ANcon215
 
Curriculo por projetos
Curriculo por projetos   Curriculo por projetos
Curriculo por projetos
 
Ppt Adla
Ppt AdlaPpt Adla
Ppt Adla
 
Conectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digitalConectivismo: uma teoria para a era digital
Conectivismo: uma teoria para a era digital
 
O papel do e tutor
O papel do e tutorO papel do e tutor
O papel do e tutor
 
pesquisa ação
pesquisa açãopesquisa ação
pesquisa ação
 
Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]
 
Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]Conectivismo[siemens]
Conectivismo[siemens]
 

Mais de comunidadedepraticas

Tutorial InovaSUS
Tutorial  InovaSUSTutorial  InovaSUS
Tutorial InovaSUS
comunidadedepraticas
 
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
comunidadedepraticas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
comunidadedepraticas
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
comunidadedepraticas
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
comunidadedepraticas
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
comunidadedepraticas
 
Cadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUSCadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUS
comunidadedepraticas
 
Plantas tóxicas
Plantas tóxicasPlantas tóxicas
Plantas tóxicas
comunidadedepraticas
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
comunidadedepraticas
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
comunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicas
comunidadedepraticas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
comunidadedepraticas
 
Passos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICsPassos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICs
comunidadedepraticas
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
comunidadedepraticas
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
comunidadedepraticas
 
Medicina Tradicional Chinesa e a Biomedicina
Medicina Tradicional Chinesa e a BiomedicinaMedicina Tradicional Chinesa e a Biomedicina
Medicina Tradicional Chinesa e a Biomedicina
comunidadedepraticas
 
Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC
Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTCProcesso de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC
Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC
comunidadedepraticas
 

Mais de comunidadedepraticas (20)

Tutorial InovaSUS
Tutorial  InovaSUSTutorial  InovaSUS
Tutorial InovaSUS
 
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
 
Cadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUSCadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUS
 
Plantas tóxicas
Plantas tóxicasPlantas tóxicas
Plantas tóxicas
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
 
Passos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICsPassos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICs
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
 
Medicina Tradicional Chinesa e a Biomedicina
Medicina Tradicional Chinesa e a BiomedicinaMedicina Tradicional Chinesa e a Biomedicina
Medicina Tradicional Chinesa e a Biomedicina
 
Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC
Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTCProcesso de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC
Processo de Saúde e Doença na Acupuntura / MTC
 

Último

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Aprendizagem social e e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de práticas

  • 1. atencaobasica.org.br Aprendizagem Social e Aprendizagem Colaborativa através de comunidades de práticas
  • 2. Você já pensou como acontece um processo processo de aprendizagem?
  • 3. Quando nos propomos a realizar ações de educação, é importante refletirmos sobre qual é o nosso entendimento sobre o processo ensino e aprendizagem. ● Esse processo diz respeito à forma como as pessoas constroem conhecimentos, competências e comportamentos; ● para isso, muitas metodologias podem ser empregadas, baseadas em concepções epistemológicas distintas, ou seja, há uma diversidade de teorias que procuram explicar como as pessoas constroem seus conhecimentos, e as práticas utilizadas no processo de aprender e ensinar estão intimamente relacionadas a elas; ● dessas concepções teóricas e metodológicas resultam diferentes práticas pedagógicas. Você já pensou sobre qual é a sua?
  • 4. O processo ensino e aprendizagem baseia-se em metodologias desenvolvidas em diversas concepções epistemológicas, orientando diferentes modelos educacionais e práticas pedagógicas. As três principais concepções epistemológicas são: ● concepção apriorista: nessa concepção, acredita-se que o conhecimento está no sujeito e precisa ser despertado; ● concepção empirista: nessa concepção, o professor detém o conhecimento e o transmite ao aluno. O aluno é visto como uma “tábula rasa”, e de forma passiva recebe o conhecimento pronto; e ● concepção interacionista: nessa concepção, o conhecimento é resultado das interações. (Mussoi, Flores e Behar, 2007)
  • 5. Como as tecnologias podem ser usadas na concepção ensino e aprendizagem?
  • 6. O computador pode ser usado de diferentes formas, refletindo as diversas teorias que embasam a proposta educativa. Pode ser usado como “máquina de ensinar”, refletindo um modelo empirista, e pode ser usado em Comunidades Virtuais de Aprendizagem, refletindo um modelo interacionista. (Mussoi, Flores e Behar, 2007)
  • 7. Por quê? Vamos falar da perspetiva interacionista. Ela é a que mais tem contribuído para desenvolver processos de aprendizagem nas Comunidades de Práticas.
  • 8. ● Nessa concepção, busca-se romper a hierarquia das relações professor-aluno e superar a ideia de que o professor só ensina, e o estudante só aprende. ● O professor oportuniza relações com as informações, favorece processos de mediação e promove problematizações. ● Mais do que o próprio sujeito ou o objeto de aprendizagem, são as ações do sujeito que realmente importam no processo de aprendizagem interacionista. E, coletivamente, são as interações que promovem o processo de aprender e ensinar.
  • 10. ● Comunidades de práticas são grupos de pessoas que compartilham um interesse comum sobre um assunto ou problema e aprendem com interações regulares. (WENGER, 2008). ● Mais do que comunidades de aprendizes, as comunidades podem ser “comunidades que aprendem”, pois são compostas por pessoas que têm o compromisso de agregar as melhores práticas. (WENGER, 2008). ● O contato e a interação entre os membros deve possibilitar a troca de informações e conhecimentos, que, ao serem postos em prática pelos outros membros, auxiliam na busca de soluções.
  • 11. Teoria da Aprendizagem Social: compreensões que podem nos ajudar a refletir sobre como se dá a aprendizagem nas comunidades de prática
  • 12. Teoria da Aprendizagem Social ● A aprendizagem social é a aprendizagem colaborativa que se dá por meio do contato e de associações regulares com outros indivíduos. (BANDURA, 1977). ● Princípios básicos: ○ as pessoas aprendem observando o que as outras fazem; ○ o mesmo conjunto de estímulos pode provocar respostas diferentes de pessoas diferentes ou das mesmas pessoas em momentos diferentes; ○ o mundo e o comportamento de uma pessoa estão conectados; ○ a personalidade é uma interação entre três fatores: o meio ambiente, o comportamento e os processos psicológicos de uma pessoa.
  • 13. É possível ensinar e aprender ao mesmo tempo? Aprendizagem colaborativa: quando ensinar e aprender é um processo coletivo!
  • 14. Aprendizagem colaborativa ● A aprendizagem colaborativa ocorre a partir de um trabalho conjunto entre dois ou mais indivíduos, que, através da troca de ideias e conhecimentos, geram novas ideias e conhecimentos de forma coletiva. (DILLENBOURG, 1995). ● Componentes básicos: o critérios: para definir uma situação, simetria, divisão de tarefas, gerando padrões de interação; o interações: disparam mecanismos cognitivos que geram efeitos cognitivos (troca, negociação, etc.); o processos: background, modelagem mútua, indução, carga cognitiva; e o efeitos: resultado dos processos sobre o objeto de aprendizagem (ideia, produto, conhecimento, interação).
  • 15. Como a interação por meio do uso de tecnologias contribui na construção de processos de aprendizagem?
  • 16. ● As comunidades dão suporte à aprendizagem colaborativa, permitindo aos alunos a formação de redes, o ensino entre os pares e a construção de projetos conjuntamente. As ferramentas disponíveis permitem que o foco pedagógico seja a interação. (KIRKWOOD, 2006). ● Um dos grandes avanços dos modelos de formação que utilizam ambientes virtuais, deve-se à incorporação das Tecnologias da Informação e de elementos pedagógicos provenientes de teorias de aprendizagem social.
  • 17. ● Essas tecnologias proporcionam o suporte necessário para que ocorra a interação do aprendiz com o tutor e com outros aprendizes. ● Dessa forma, os alunos tornam-se agentes ativos do próprio processo de ensino e aprendizagem, e os professores, facilitadores da construção e da apropriação do conhecimento pelos alunos. (Quiroz, 2010)
  • 18. A aprendizagem social em comunidades Wenger, um importante pensador sobre comunidades de prática, destaca algumas das perspectivas da aprendizagem social: ● é inerente à natureza humana; o homem é um ser social por natureza; ● está centrada na habilidade de negociar novos significados, através da comunicação e da ressignificação das nossas experiências; ● é fundamentalmente social e baseada em experiências individuais (observação) e coletivas (interação); ● transforma a nossa identidade pela reflexão da percepção em grupo; ● é uma questão de energia social e força; é preciso um envolvimento cognitivo no processo colaborativo, ou seja, todos devem querer participar e ter um objetivo em comum; e ● envolve a interação entre o local (experiências e habilidades individuais) e o global (construção coletiva e conhecimento do grupo).
  • 19. Referências ● BANDURA, A. (1977) Social Learning Theory. New York: General Learning Press ● KIRKWOOD, K. 2006. If they build it, they will come: creating opportunities for E-learning communities of practice. Universitas 21 Conference on E-learning and pedagogy. ● MUSSOI, E., FLORES, M., BEHAR, P. 2007. Comunidades virtuais: um novo espaço de aprendizagem. ● QUIROZ, J. El rol del tutor en los entornos virtuales de aprendizaje. Innovación Educativa, v. 10(52), jul- set, pp. 13-23. 2010. ● RIBEIRO, A. M., SILVA, J. L. T, BOFF, E., VICARI, R. 2011. Dos ambientes de aprendizagem às comunidades de práticas. Anais do XXII SBIE-WIE. ● WENGER, E. (2008) Communities of practice: a brief introduction. Disponível em: www.ewenger.com/theory/index.htm. Acesso: jun/2010. ● WENGER, E. (2000) Communities of Practice and Social Learning Systems. Wenger Organization. ● WOOLF, B.P. (org). (2010) A Roadmap for Education Technology. Global Resources for Online Education (GROE).
  • 20. Dúvidas? Envie e-mail para: contato@atencaobasica.org.br