SlideShare uma empresa Scribd logo

LINGUAGENS - KARINA FERNANDES.pdf

novo ensini medio

1 de 54
Baixar para ler offline
Prof.ª Dr.ª Karina Aires
Reinlein Fernandes
MÓDULO 3 – ITINERÁRIOS
FORMATIVOS: CONCEITOS
ITINERÁRIOS FORMATIVOS:
ORGANIZAÇÃO POR ÁREA DO
CONHECIMENTO
Organização
da oferta
Aprofundamentos
Eletivas
Projeto de Vida
Itinerários
Formativos
Exemplos Práticos
carga horáriatotal
máxima de 1.800 horas
carga horáriatotal
mínima de 1.200 horas
LINGUAGENS - KARINA FERNANDES.pdf
Formação
Geral
Itinerários
Formativos
Temáticas
Contempo-
râneas
Interesse
dos
Estudantes
Habilidades
básicas e
específicas
Explorar
potenciais e
vocação
Diferencial
na
Formação
Projeto de
Vida
Livre
escolha
Um
semestre
Sugestões
dos
estudantes
Diversificar
Aprofundar
Caráter
mais lúdico
e prático
Intencionalidade
pedagógica
Áreas do
conhecimento,
Eixos
estruturantes e
Competências
Gerais
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a LINGUAGENS - KARINA FERNANDES.pdf

O Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaD
O Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaDO Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaD
O Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaDGilmara Ozorio
 
O FóRum De Discussão
O FóRum De DiscussãoO FóRum De Discussão
O FóRum De DiscussãoGilmara Ozorio
 
Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...
Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...
Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...Henrique Santos
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologiasjmpg2011
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativacomunidadedepraticas
 
Fichamento vanessa iii periodo diego
Fichamento vanessa iii periodo diegoFichamento vanessa iii periodo diego
Fichamento vanessa iii periodo diegoDiego Carvalho
 
Vf ebook geral_escolas que aprendem_
Vf ebook geral_escolas que aprendem_Vf ebook geral_escolas que aprendem_
Vf ebook geral_escolas que aprendem_João Paulo Silva
 
Apresentacao Geral
Apresentacao GeralApresentacao Geral
Apresentacao GeralMônix Sousa
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundojaniteacher Simoes
 
Teoria pedagógica
Teoria pedagógicaTeoria pedagógica
Teoria pedagógicaEdna M
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologiasjmpg2011
 
Webrádio - Apresentacao dissertacao
Webrádio - Apresentacao dissertacaoWebrádio - Apresentacao dissertacao
Webrádio - Apresentacao dissertacaoJorge Teixeira
 

Semelhante a LINGUAGENS - KARINA FERNANDES.pdf (20)

O Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaD
O Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaDO Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaD
O Fórum De Discussão como Alternativa Didática em EaD
 
O FóRum De Discussão
O FóRum De DiscussãoO FóRum De Discussão
O FóRum De Discussão
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de BiologiaInovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
Inovações Pedagógicas no Ensino de Biologia
 
Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...
Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...
Abordagem de projecto como construtora de competências sociais e relacionais ...
 
Aprender na web social
Aprender na web socialAprender na web social
Aprender na web social
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
 
Fichamento vanessa iii periodo diego
Fichamento vanessa iii periodo diegoFichamento vanessa iii periodo diego
Fichamento vanessa iii periodo diego
 
Aula+9
Aula+9Aula+9
Aula+9
 
Vf ebook geral_escolas que aprendem_
Vf ebook geral_escolas que aprendem_Vf ebook geral_escolas que aprendem_
Vf ebook geral_escolas que aprendem_
 
Apresentacao Geral
Apresentacao GeralApresentacao Geral
Apresentacao Geral
 
Apresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundoApresentação janice raimundo
Apresentação janice raimundo
 
Cartilhapesquisa
CartilhapesquisaCartilhapesquisa
Cartilhapesquisa
 
Teoria pedagógica
Teoria pedagógicaTeoria pedagógica
Teoria pedagógica
 
Formação docente
Formação docenteFormação docente
Formação docente
 
Coisas Boas 2007
Coisas Boas 2007Coisas Boas 2007
Coisas Boas 2007
 
Espaco nao formal
Espaco nao formalEspaco nao formal
Espaco nao formal
 
Metodologias
MetodologiasMetodologias
Metodologias
 
Webrádio - Apresentacao dissertacao
Webrádio - Apresentacao dissertacaoWebrádio - Apresentacao dissertacao
Webrádio - Apresentacao dissertacao
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...manoelaarmani
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptxSlides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
Slides Lição 8, Betel, Família, uma Obra em permanente construção, 1Tr24.pptx
 
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
1° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
Desafie-se Como Estabelecer Metas de Fitness Realistas e Alcançáveis em Casa ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaQuiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Quiz | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 

LINGUAGENS - KARINA FERNANDES.pdf

  • 1. Prof.ª Dr.ª Karina Aires Reinlein Fernandes MÓDULO 3 – ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CONCEITOS ITINERÁRIOS FORMATIVOS: ORGANIZAÇÃO POR ÁREA DO CONHECIMENTO
  • 2. Organização da oferta Aprofundamentos Eletivas Projeto de Vida Itinerários Formativos Exemplos Práticos
  • 3. carga horáriatotal máxima de 1.800 horas carga horáriatotal mínima de 1.200 horas
  • 7. Sentido à existência Tomar decisões 1º Autoconhec imento Agir no presente Planejar o futuro 2º Ampliaçã o de repertório 3º Metas Vivências
  • 9. Metodologias mais ativas e diversificadas Aprendizagem e desenvolvimento Protagonismo Sentido Criatividade e Inovação
  • 10. Organização dos itinerários formativos – 4 Eixos Estruturantes
  • 17. Cuberes apud Vieira e Volquind (2002, p. 11), conceitua a oficina como sendo “um tempo e um espaço para aprendizagem; um processo ativo de transformação recíproca entre sujeito e objeto; um caminho com alternativas, com equilibrações que nos aproximam progressivamente do objeto a conhecer”. Oficina é uma forma de construir conhecimento, com ênfase na ação, sem perder de vista, porém a base teórica. Oficinas
  • 18. Oficinas A oficina é uma oportunidade de vivenciar situações concretas e significativas. Neste sentido, a metodologia da oficina muda o foco tradicional da aprendizagem que considera apenas o aspecto cognitivo, e passaa incorporar a ação e a reflexão, sendotambém um espaço de aprendizagempermanente e de troca de informaçõese experiências diversas no cotidiano da escola. Abrangem atividades de prevalência prática e cultural, de forma extensiva e regular favorecendo a formação integral dos alunos. Proporcionam também uma dinâmica democrática, participativa e reflexiva que tem como fundamento do processo pedagógico a relação teoria-prática, sem elevar a figura do educador como único detentor dos conhecimentos.
  • 19. Oficinas: finalidades Articulação de conceitos, pressupostos e ideias com atuações que são vivenciadas pelo educador e aluno; Execução de atividades de metodologia de trabalho que objetivam a formação coletiva, com apropriação e construção de saberes com momentos de troca de conhecimentos e diversas interações.
  • 20. Por que educar através de oficinas? 1) Desenvolver as potencialidades expressivas 2) Estimular a sensibilidade 3) Ampliar a comunicabilidade 4) Contribuir para a autoestima 5) Propiciar o desenvolvimento da consciência e o respeito aos outros 6) Construção de novos processos de ensino-aprendizagem.
  • 21. Oficinas podem contemplar: Produção de objetos/equipamentos; Simulações de tribunais/debates; Quadrinhos; Audiovisual; Legendagem; Fanzine; Escrita Criativa; Performance; Produções de variados Gêneros textuais; Criações artísticas; Expressão Corporal...
  • 22. “Tocar, mexer e experimentar, é essencial. Na pirâmide de aprendizagem, a experiência do fazer é um dos mecanismos mais eficientes para reter o conteúdo”, afirma o pesquisador brasileiro Leo Burd. Um laboratório é um espaço para exploração criativa, investigação de problemas e trabalho em grupo. Na educação do século XXI, esse tipo de espaço vem sendo substituído pelos espaços maker, ou mão na massa, onde a experimentação, a pesquisa e a manipulação são fundamentais.
  • 23. Laboratórios Supõem atividades que envolvem observação, experimentação e produção em uma área de estudo e/ou o desenvolvimento de práticas de um determinado campo (línguas, jornalismo, comunicação e mídia, humanidades, ciências da natureza, matemática etc.).
  • 24. Laboratórios Segundo Leo Burd, a aprendizagem criativa inverte uma lógica que é normalmente usada nos currículos tradicionais, que primeiro apresenta o conteúdo para que, depois, o aluno construa pontes. Por tudo isso, um espaço maker pode tornar a aprendizagem dos estudantes do ensino médio muito mais interessante e está alinhado com as novas diretrizes da BNCC, que prevê o desenvolvimento de competências, como pensamento científico, crítico e criativo, projeto de vida e cooperação.
  • 25. Laboratórios “As atividades mão na massa têm o poder de engajar, de dar autonomia ao aluno, de tornar os conteúdos mais atraentes e mais próximos do mundo dos jovens, o que é essencial para uma aprendizagem para a vida” (Mônica Mandaji)
  • 26. Laboratórios “Que tal engajar os alunos na concepção do projeto do laboratório maker? A proposta é justamente estimular a colaboração.São três as palavras que resumem a aprendizagem mão na massa: criatividade, comprometimento e colaboração” (Mônica Mandaji)
  • 27. Laboratórios 1) Faça uma lista com os objetivos que você espera alcançar com o laboratório maker. 2) Mapeie e dê funcionalidade a lugares subaproveitados, como paredes no pátio, espaços embaixo das escadas, muros e corredores. 3) Reúna ferramentas simples como chaves de fenda, madeira, cola quente, tesouras e furadeira...
  • 28. 4) Reaproveite materiais eletrônicos como fios, baterias ou pilhas, motores de brinquedos quebrados, peças de computadores, leds, resistores, entre outros. 5) Envolva pais e comunidade e peça doações de equipamentos. 6) Reorganize o mobiliário! Reagrupe mesas e cadeiras em formato de bancada, dê novo uso à madeira de portas e cadeiras velhas, pendure ferramentas e máquinas nas paredes. A organização libera espaço e ajuda a visualizar os materiais disponíveis.
  • 29. Um aspecto importante do Clube Escolar, é que este favorece atividades para todos os perfis de alunos sem exigir treinamentos específicos, ou maiores vivencias nas atividades oferecidas; é na verdade um espaço de prazer, integração e crescimento. São espaços em que os estudantes têm a oportunidade para desenvolver projetos que estimulam não somente atitudes e habilidades científicas, mas também, favorecem ao processo de construção do conhecimento. Clubes
  • 30. Clubes São agrupamentos de estudantes livremente associados que partilham de gostos e opiniões comuns (leitura, conservação ambiental, desportivo, cineclube, fã-clube, fandom etc.).
  • 31. Clube de Leitura Trata-se da realização de reuniões regulares entre leitores, para conversarem sobre suas experiências de leitura. Compartilhar leituras, experiências, temas como amor, amizade, superação, dor, morte, saudade, infância, mistérios, entre outros. Atividades referentes aos livros e à temática (enquetes, músicas, recitação de poesias, teatro)
  • 32. Clube de Leitura O objetivo desse tipo de atividade é conhecer o ponto de vista de cada um, partilhar a leitura, enriquecer o vocabulário e ampliar o conhecimento. Os alunos treinam o ouvir e o falar. Esses alunos acabam tornando-se mais sensíveis, construindo um juízo critico por meio literário e também ampliando competências leitoras, com o despertar do prazer de ler.
  • 33. Clube de Leitura A proposição de clubes ou círculos de leitura tem como intenção a criação de espaços para discussão de uma obra lida, considerando a diversidade de possibilidades de construção de significados no ato de ler e as distintas formas de nos posicionarmos, uma vez que, em cada momento de leitura, nosso olhar se detém em aspectos diferentes do texto de acordo com o ponto de vista já vivido ou pretendido e com as variadas expectativas.
  • 34. Clube de Leitura Além disso, o interesse para expor as opiniões em público, sem a preocupação da avaliação como resposta certa, pode levar a uma maior dedicação individual, uma vez que a existência do encontro e a perspectiva do diálogo com outros leitores podem suscitar uma motivação que se faz presente sem que haja uma formalização para um preparo prévio (Fernanda de Araújo Frambach).
  • 35. O Observatório é constituído a partir de um expressivo esforço interinstitucional, apresenta-se como um espaço de construção permanente, que tem como objetivo central contribuir para a produção (construção) e disseminação de conhecimentose consequentemente, ações. Observatório oferece ao tema um tratamento interdisciplinar. Quanto à metodologia de trabalho é importante destacar que os objetivos do Observatório integram as ações de ensino, pesquisa e extensão. Razãopela qual os observatórios que compõe a rede têm sua sede preferencialmente em universidades cuja metodologia, antes de ser um método de pesquisa, é um método de intervenção. Observatórios
  • 36. Observatórios Grupos de estudantes que se propõe, com base em uma problemática definida, a acompanhar, analisar e fiscalizar a evolução de fenômenos, o desenvolvimento de políticas públicas etc. (imprensa, juventude, democracia, saúde da comunidade, participação da comunidade nos processos decisórios, condições ambientais etc.).
  • 37. é um mecanismo que estimula a criação e o desenvolvimento de micro e pequenas empresas industriais ou de prestação de serviços, de base tecnológica ou de manufaturas leves por meio da formação complementar do empreendedor em seus aspectos técnicos e gerenciais e que, além disso, facilita e agiliza o processo de inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas. Para tanto, conta com um espaço físico especialmente construído ou adaptado para alojar temporariamente micro e pequenas empresas industriais ou de prestação de serviços e que, necessariamente, dispõe de uma série de serviços e facilidades Incubadora
  • 38. Exemplos: Plataformas digitais, canais de comunicação, páginas eletrônicas/sites, projetos de intervenção, projetos culturais, protótipos etc. Estimulam e fornecem condições ideais para o desenvolvimento de determinado produto, técnica ou tecnologia. Incubadoras
  • 39. Incubadoras 1) Promover a interação da escola com a sociedade e as organizações do setor empresarial e do terceiro setor, valendo-se da gestão social; 2) Gerar conhecimento, modelos, metodologias e ferramentas para a gestão de projetos visando à inovação social substantiva; 3) Realizar parcerias público-privadas com a participação das diversas organizações da sociedade para a busca de soluções inovadoras sustentáveis no desenvolvimento regional e local, com base na gestão social; 4) Criar espaços e oportunidades de incubação de ideias e projetos para transferir, socialmente, tecnologias gerenciais de inovação social de base substantiva; 5) Promover a aprendizagem e geração de conhecimento em gestão social em ensino, pesquisa e extensão, nas modalidades presencial e à distância.
  • 40. Exemplos: seminários, palestras, encontros, colóquios —, publicações,campanhas etc. (juventudes, diversidades, sexualidade, mulher, juventude e trabalho etc.). Núcleos de estudos: desenvolvem estudos e pesquisas, promovem fóruns de debates sobre um determinado tema de interesse e disseminam conhecimentos por meio de eventos. Núcleos de estudos
  • 41. Desenvolvem processos criativos e colaborativos, com base nos interesses de pesquisa dos jovens e na investigação das corporalidades, espacialidades, musicalidades, textualidades literárias e teatralidades presentes em suas vidas e nas manifestações culturais das suas comunidades, articulando a prática da criação artística com a apreciação, análise e reflexão sobre referências históricas, estéticas, sociais e culturais. Núcleos de criação artística
  • 42. Exemplos: artes integradas, videoarte, performance, intervenções urbanas, cinema, fotografia, slam, hip hop etc.). Núcleos de criação artística
  • 46. O que é Slam? Poesia, educação e protesto. Uma batalha de poesia autoral, sem acompanhamento de instrumentos musicais ou objetos cênicos, apenas a palavra e o corpo de quem declama a poesia – esse é o slam. O movimento, que começou nos EUA nos anos 1980, chegou ao Brasil em 2008 e desde então tem se espalhado por diversas cidades do país. Só no Campeonato Brasileiro de Slam (Slam Br), uma competição nacional cujo finalista se apresenta na Copa do Mundo de Slam, participaram 53 grupos de diferentes estados brasileiros. •Slam das Minas, onde apenas mulheres podem batalhar; •Slam Marginália, onde apenas travestis, pessoas trans e gênero-dissidentes podem batalhar; •Slam do Corpo, protagonizado por surdos, ouvintes e intérpretes; •Slam des Surdes, onde apenas pessoas surdas batalham, não havendo intérprete.
  • 49. Diversificação dos Itinerários ➢ Garantir oferta de mais de um Itinerário Formativo em cada município; ➢ Permitir que estudantes cursem mais de um Itinerário Formativo, de forma concomitante ou sequencial, durante ou após concluir o Ensino Médio, desde que haja disponibilidade de vaga; ➢ Oferecer atividades eletivas complementares aos Itinerários Formativos; ➢ Estabelecer parcerias com outras instituições de ensino credenciadas para oferta de cursos e outras atividades pedagógicas presenciais e a distância que enriqueçam os Itinerários Formativos (opcional).
  • 50. Escolha pelos Estudantes ➢ Definir regras claras sobre o que e como podem escolher em relação ao currículo; ➢ Garantir que tenham possibilidade de escolha desde o 1º ano do Ensino Médio, mesmo que ainda não seja para definir seu Itinerário Formativo; ➢ Ajudá-los a identificar interesses, aptidões e objetivos e a conectar suas escolhas com seus projetos de vida; ➢ Permitir que mudem de Itinerário Formativo e que aproveitem os estudos realizados no Itinerário anterior em caso de mudança.
  • 52. Referências Recomendações e Orientações para a elaboração e arquitetura curricular dos itinerários formativos.Frente currículo e Novo Ensino Médio. BRASIL,MEC. Referenciais Curriculares para a elaboração de Itinerários Formativos. Brasília, DF: MEC, 2019. Disponívelem: <http://novoensinomedio.mec.gov.br/resources/downloads/pdf/DCEIF.pdf>. Acessoem:26 abr. 2021 https://www.fundacaoroge.org.br/blog/6-motivos-par-educar-atraves-de-oficinas https://fundacaotelefonicavivo.org.br/noticias/como-montar-um-laboratorio-mao-na- massa-para-o-ensino-medio/
  • 53. Lembrete Próximo encontro dia 06-05-2021 Módulo 4 - Itinerários Formativos – Práticas Docentes Como elaborar os Itinerários Formativos? Apresentação de uma sugestão de planner para a construção de um itinerário formativo, sugestão de temáticas e as metodologias possíveis (EAD, presencial,ensino híbrido).