SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 84
Baixar para ler offline
CURSO INTRODUTÓRIO EM MEDICINA
TRADICIONAL CHINESA
Medicina Tradicional Chinesa-MTC e a
Biomedicina
MTC
É uma das mais antigas formas de Medicina Oriental, termo que engloba
também as outras medicinas da Ásia, tais como os sistemas tradicionais do
Japão, Coréia, Tibete, Mongólia e da Índia. (Giffoni, J.M.S. 2013)
MTC
Estrutura teórica sistemática e abrangente, de natureza filosófica, com
base no reconhecimento das leis fundamentais que governam o
funcionamento do organismo humano e sua interação com o ambiente
segundo os ciclos da natureza, envolvendo o preventivo e o curativo.
O que levou a árvore ficar assim ?
Figura 1: A famosa árvore torta pelo vento, um dos símbolos da Terra do
Fogo, no sul do Chile
“A MTC/Acupuntura, detém seus princípios na influência da natureza sobre
si mesma e sobre o Homem”. (Souza, J.L., 2004)
A Medicina Tradicional Chinesa, possui uma experiência de um
estatuto oficial e, ao mesmo tempo, uma abordagem mais humanista
e mais global do ser humano, da saúde e da enfermidade, procurando
desenvolver o auto cuidado. (Giffoni, J.M.S. 2013)
O QUE É ACUPUNTURA?
•A acupuntura (do latim acus = agulha e punctura = colocação) é um dos
Recursos da Medicina Tradicional Chinesa e, de acordo com a nova
terminologia da OMS - Organização Mundial da Saúde, um método de
tratamento complementar.
•Foi também declarado Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade
pela United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization
(Unesco) em 19 de novembro de 2010.
• A palavra "Acupuntura" vem do latim
• Foi criada em 1517 pelos Jesuítas - Acus significa agulha e punctura
significa picar. “Picada da Agulha”: Acupuntura. (Kurebayashi,L.F.S. et
al 2013)
Figura 2: Ideograma Chinês de Acupuntura
O tratamento acupuntural consiste no diagnóstico (igualmente
baseado em ensinamentos clássicos da Medicina Tradicional
Chinesa) e na aplicação de agulhas em pontos definidos do corpo,
chamados de "Pontos de Acupuntura" ou "Acupontos" que se
distribuem principalmente sobre linhas chamadas "Meridianos
Chineses" ou "CANAIS" “MAI”, “CAMINHOS”, “TRAJETOS”, para
obter diferentes efeitos terapêuticos conforme o caso tratado.
(Macciocia, G. 2007)
Também são utilizadas outras técnicas complementares, sendo as
mais conhecidas a moxabustão (aplicação de calor sobre os
Acupontos ou Meridianos), a Auriculoterapia e, mais
recentemente, a Eletroacupuntura.
Existe uma estreita relação entre termos e uso das agulhas e da moxa. Na
Acupuntura/MTC fica evidente na tradução literal da expressão que, em
chinês, designa acupuntura (Zhen Jiú - 针灸 ), sendo Zhen ( 针 ) agulha e
Jiú ( 灸 ) fogo lento, fogo que queima vagarosamente (ação de cauterizar).
(Wen, T.S. 2008)
CONCEITO ORIENTAL DE ACUPUNTURA
• Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, a energia vital, chamada
"Qi", flui através de canais de energia no corpo que ligam os órgãos
principais, denominados meridianos.
• Ao longo dos meridianos, existem pontos específicos que, quando
são estimulados, podem influenciar e equilibrar a energia vital "Qi".
• De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, a doença surge
quando o fluxo cíclico de Qi nos meridianos é desequilibrado ou
bloqueado. (Minas Gerais, PEPIC 2009)
O leque de opções entretanto, costuma ser bem mais amplo, podendo-
se estimular os Acupontos e meridianos com os dedos (do in), moedas,
pentes de osso ou de jade (Gua Sha- Raspadura Terapêutica), Ventosas
(ventosaterapia), Massagens (tui na), Técnicas Coporais como Lian Gong,
Tai Chi Chuan, que mobilizam a energia dos meridianos por meio dos
movimentos e outras técnicas, como por exemplo a sangria.
A Acupuntura Chinesa, por seu histórico milenar, acabou por desenvolver
escolas específicas em países próximos da China, dando origem ao shiatsu
(espécie de massagem) no Japão e a estimulação nos denominados
microssistemas do corpo: manopuntura ou quiropuntura, podopuntura,
cranipuntura, facepuntura, nasopuntura,, entre outras.
Com as tecnologias modernas a acupuntura vem agregando recursos
como a eletricidade (eletroacupuntura, ryodoraku e moxa elétrica),
agulhas mais seguras e práticas, cristais stiper ("Stimulation and
Permanency” ou Estimulação Permanente), esferas banhadas a ouro,
prata, de quartzo e de vidro, ventosas de material plástico ou acrílico com
válvulas de pressão, ventosas de borracha, sempre observando os mesmos
princípios da Medicina Tradicional Chinesa, estimulando pontos sobre os
meridianos.(Souza, J.L. 2003)
CONCEITO OCIDENTAL DE ACUPUNTURA
A Medicina Ocidental define a acupuntura como sendo a estimulação de
pontos específicos localizados na superfície da pele, que tem a capacidade de
alterar diferentes condições fisiológicas e bioquímicas no corpo, a fim de se
obter o efeito desejado. (Ernst,E. 2001)
Figura 3: Boneco de Bronze
É fundamental compreender que, apesar do uso de recursos
tecnológicos atuais, a Acupuntura que se realiza hoje é bem
semelhante à forma como era realizada nos primórdios da civilização
chinesa unificada pela Dinastia Han, utilizando um raciocínio
absolutamente diferente à medicina ocidental moderna, análogo
talvez à medicina grego-hipocrática e outras formas de medicina
oriental.
Os mapas de meridianos ultrapassaram milênios chegando quase intocados
aos dias atuais; o raciocínio que se desenvolve na verificação e tratamento
dos problemas práticos apresentados nos consultórios é baseado em
conceitos que soam estranhos aos ocidentais, como os Cinco Elementos, o
Tao (equilíbrio entre Yin e Yang), o fluxo de chi ( traduzido como energia
vital) e xué (a grosso modo traduzido como sangue), Zang (traduzido como
órgão por inexistência de palavra adequada) e Fu (literalmente oco, mas
geralmente traduzido como Víscera).(Macciocia, G. 2005)
Segundo a biomedicina moderna, os pontos de acupuntura são áreas de
sensibilidade, com grande presença de receptores e que possuem
resistência elétrica mais baixa que as áreas vizinhas (Acupontos), nas quais
são introduzidas agulhas para estimular diversos receptores sensoriais que,
por sua vez, estimulam os nervos, que se conectam até a medula. (Souza,
J.L. 2003)
Dependendo a espessura da fibra de nervo, determinada pela
quantidade de mielina, sua velocidade de condução se altera na medula
através de um mecanismo descrito por Melzak e denominado “comportas
medulares”, no qual mediadores químicos são liberados a exemplo das
endorfinas, que são substâncias analgésicas. (Souza, J.L. 2003)
Esses mesmos pontos são estimulados de formas diversas, não somente
por agulhas. Assim o termo Acupuntura/MTC melhor pode explicar a
utilização de diversos recursos terapêuticos para prevenir, tratar doenças.
(Souza, J.L. 2003)
De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, essa estimulação tem a
capacidade de regular o fluxo energético que é responsável pela fisiologia
do corpo humano. (Souza, J.L. 2003)
Figura 4: Angulação da Agulha em sedação em relação ao meridiano
A medula por sua vez envia impulsos via conjunto de nervos denominado
tractos (Tracto Espino Talâmico Lateral) para o a região denominada
Formação Reticular. Essa, dependendo do Acuponto estimulado, por meio
de uma especificidade de estímulos, enviam e conectam esses estímulos a
regiões específicas do Sistema Nervoso Central como hipotálamo e para a
hipófise, localizados na base do cérebro. (Souza, J.L. 2003)
Essas regiões liberam mediadores químicos pré formados, como
Serotonina, Dopamina e outras Encefalinas Dependentes, neuro-
hormônios que agem sobre o organismo produzindo, por meio de
mediadores, respostas no organismo para desencadear o processo de cura,
melhorando o fluxo sanguíneo e estimulando o sistema imunológico. (Ma,
Y. T. et al 2006)
24
EFEITOS E INDICAÇÕES DA ACUPUNTURA
 
As endorfinas desempenham um importante papel no funcionamento
do sistema hormonal, além de ser várias vezes mais potente que a
morfina. Disso decorre sua indicação e eficiência no tratamento de
dores como lombalgias, artrites, infertilidade, dismenorréia,
incontinência urinária, dores miofasciais, cercobraquialgias,
hipertensão, constipação intestinal, alergias, entre outras.
• Além de promoverem relaxamento, as substâncias liberadas pela
Acupuntura também atuam na regulação de serotonina no cérebro. Por
isso muitas vezes a depressão é tratada com Acupuntura.
• Alguns dos efeitos fisiológicos observados num tratamento contínuo
com acupuntura são a redução de inflamações, o alívio da dor e
espasmos musculares, sensação de bem estar, prazer, além do
aumento do número de células de defesa. (Wen, T.S. 2014)
EFEITOS DA ACUPUNTURA
a)  Analgésicos
b) Antinflamatórios
c) Auto - imunes
d) Hormonais
e) Funcionais sobre órgãos e sistemas
f) Psíquicos (Souza, J.L. 2004)
TIPOS DE ESTÍMULOS UTILIZADOS NOS ACUPONTOS
Para realização da Acupuntura as Agulhas Filiformes (sistêmicas), a
Artemisia Vulgaris (Moxabustão) e Ventosoterapia são os tipos de
estímulos tradicionais e mais utilizados, porém existem outros como:
elétricos (Eletroacupuntura), Luminosos de diversas frequências e faixas
luminosas (Cromopuntura), Imãs (Magnetopuntura), Sementes
(Fitoacupuntura), Laser (Laserpuntura) entre outros.
Bases Filosóficas da Acupuntura
Tradicional Chinesa
O TAOISMO
Figura 5: Ideograma Chinês do TAO
•O termo chinês Tao significa "caminho", "via" ou "princípio” e
também pode ser encontrado em outras filosofias e religiões
chinesas.
•No Taoismo, especificamente, o termo designa a fonte, a dinâmica e
a força motriz por trás de tudo que existe. (Souza, J.L. 2003)
O TAOISMO
O TAOISMO
Agrega crenças e práticas que antecediam até mesmo os textos clássicos
do próprio Taoismo – a exemplo, as teorias da Escola dos Naturalistas, que
sintetizaram conceitos como o das Leis do Yin-Yang e o dos Cinco
Elementos, visando obter longevidade. (Souza, J.L. 2003)
O TAOISMO
• Reprimido nas primeiras décadas da República Popular da China e
perseguido durante a Revolução Cultural de Mao Tsé-Tung; continuou,
no entanto, a ser praticado livremente em Taiwan. (Wen, T. S. 2008)
• A Medicina Tradicional Chinesa – MTC- teve suas bases na Filosofia
Taoista, através da Lei da Dualidade, dos opostos complementares, do
Yin e do Yang. (Bing, Wang 2013)
Figura 6: Yin e Yang
“Não existe Yin sem o Yang,
não existe Yang sem Yin”
No cânone do Imperador lendário Huang Tchi
Nei Ching (Tratado de Longevidade do Imperador Amarelo- Dois livros: Su
Wen e Ling Shu), se encontram os princípios do Yin e do Yang.
(Bing, Wang 2013)
O TAOISMO
O yin e o Yang podem ser exemplificados através do lado claro
(nascer do sol- yang) de uma montanha e lado escuro (oposto ao
nascente – yin de uma montanha). Situação que se transmutam como o
desenrolar do movimento da terra onde o yin se transforma em yang e
o yang se transforma em yin. (BOTSARIS,A.;MELKLER,T. 2004)
O TAOISMO
O TAOISMO
Figura 7: Aspectos da Dualidade Yin e Yang
38
DUALIDADE DOS OPOSTOS
As duas esferas dentro do símbolo simbolizam a ideia de que, toda vez que
cada uma das forças atinge seu ponto extremo, manifesta-se dentro de si
um sentimento oposto.
Figura 8: Yin e Yang
“Opostos e complementares, dentro do yin tem o yang, dentro do yang
tem o yin”.
Figura 9: Yin e Yang
40
Figura 10: Ideograma do QI Figura 11: Soulié de Morrant
O Yin e o Yang são parte de uma energia denominada Qi, que circula em
canais denominados Mai pelos Chineses e Meridianos, pelo Diplomata
Francês Jorge Soulié de Morant, fazendo analogia aos sistemas de linha
magnéticas terrestres- Meridianos. (Wen, T.S. 2014)
OS MERIDIANOS
O número de 12 (doze) representam os principais canais que circulam o
Qi ( Energia) pelo corpo humano, conectando-se internamente aos Orgãos
(Zang) e as Vísceras (FU) e mesmo de forma análoga em animais.
(YAMAMURA,Y. 2010)
CHI ou Qi= Vapor do Arroz
“O Qi é por demais sutil para circular em vasos, veias,
precisa de um caminho específico
(meridianos)”
Figura 12: Composição do ideograma do CHI
A Energia = QI/Chi
MERIDIANOS PRINCIPAIS
Doze Meridianos principais são assim divididos:
Os seis canais de Energia Principais Yin, correspondem aos órgãos (Zang);
Os seis canais de Energia Principais Yang, correspondem às vísceras (Fu).
(SOUZA, J.L. 2004)
Figura 13: Ideograma do QI
A má circulação de Qi nos meridianos, altera a Saúde ou Harmonia
(Zheng Qi), que é vista como um sinal de perda da homeostase, do
equilíbrio entre o yin e o yang (XIE QI). (ROSS, J. 1994)
PADRÕES DE DESEQUILÍBRIOS ENERGÉTICOS
Podem ocorrer padrões de desequilíbrios ou Doença (Xie Qi), que são:
Excesso de yang, com equilíbrio do yin;
Excesso de Yin, com equilíbrio de do yang;
Excesso de Yang e Deficiência de Yin;
Excesso de Yin e Deficiência de Yang. (ROSS, J. 1994)
Figura14: Esquema de quadros de padrões de desarmonia YIN - YANG
47
OS CINCO MOVIMENTOS OU CINCO
ELEMENTOS
Figura 15: Cinco Elementos e o TAO
Os tratados antigos relatam que:
“Todos os fenômenos existentes na Natureza são abarcados pelos 5
elementos: Fogo, Terra, Metal, Agua e Madeira”. (Bing, W. 2013)
Os cinco elementos Wu Xing, ou cinco movimentos grafados nos
ideogramas, que significam cinco (Wu) e "andar" (Hsing /
Xíng), afirmam que a madeira( 木 ), o fogo ( 火 ), a terra ( 土 ), o
metal ( 金 ) e a água ( 水 ), são os elementos básicos que formam o
mundo material. (Bing, W. 2013)
Como se sabe o ambiente natural, como as mudanças de tempo
e as condições geográficas influenciam grandemente as
atividades fisiológicas. (Bing, W. 2013)
Nas epidemias sazonais de inverno (gripes) ou verão (diarreias),
observações que não passaram despercebidas pela MTC -
Medicina Tradicional Chinesa.
Existem elos entre o ambiente externo (macrocosmos) e
interno (psíquico / afetivo), inclusive relacionados da
Dietoterapia (sabores). (Yamamura,I. 2001)
Figura 16: Cinco Elementos - Sabores
Tabela dos Cinco Elementos
Elemento Direção Cor Órgãos Zang Órgãos Fu Estação do ano Emoção
Madeira Leste verde ou azul Fígado ( 肝 ) Vesícula biliar ( 胆 )
Primavera ( 春
chūn)
Raiva ( 怒 nù)
Fogo Sul vermelho Coração ( 心 ) Intestino delgado ( 小肠 ) Verão ( 夏 xià) Alegria ( 喜 xǐ )
Terra Centro amarelo Baço-pâncreas ( 脾 ) Estômago ( 胃 ) Canícula ( 天狼星 ) Preocupação ( 想 si)
Metal Oeste branco Pulmão ( 肺 ) Intestino grosso ( 大肠 ) Outono ( 秋 qiū) Tristeza ( 悲 bēi)
Água Norte preto Rins ( 肾 ) Bexiga ( 膀胱 ) Inverno ( 冬 dōng) Medo ( 恐 kǒng)
Os 5 elementos conectam a fisiologia e a patologia dos órgãos e tecidos
Zang Fu a muitos fatores ambientais e naturais. Esses fatores são
classificados nas cinco categorias e são empregadas similaridades e
alegorias para explicar os fenômenos naturais e patológicos
Diagrama chinês do "Wu Xing" indicando as relações de estimulação e inibição entre os elementos:
madeira ( 木 ), fogo ( 火 ), terra ( 土 ), metal ( 金 ) e água ( 水
Figura 17: Pentagrama dos Cinco Elementos – Geração / Dominação
55
Os Cinco Elementos/Movimentos
Figura 18: Tabela dos Cinco Elementos
56
Os 5 Elementos e o Zang/Fu
Figura 19: Lei de Geração e Dominação no Zang Fú
57
Os Cinco Elementos estabelecem simultaneamente
comparações entre múltiplos códigos sensoriais e
simbólicos referentes a observações da natureza.
OS CINCO MOVIMENTOS
Podem representar, como selecionado os órgãos do corpo e respectivos
meridianos ou, a fisiologia normal ou patológica do corpo humano, os
sentimentos e emoções, cores e sabores, as estações do ano.
Sempre comparadas aos 5 elementos e às regras de sua transformação,
interdependência e controle recíproco. Pois na concepção da MTC, as leis do
cosmos que regem o universo são relacionadas à vida do homem. (Villela,
M.P.; Lemos, M.E.S. 2010)
Figura 20: Cinco Elementos - Sabores
É básico, o entendimento facilitado para nós ocidentais pela antropologia,
onde se afirma que, ...”todo mito coloca um problema e o trata mostrando
que é análogo a outro problema”..., símbolo, ou relação entre signos.
Nesse caso, o controle ou restrição imposto, por exemplo na ação da água
agindo sobre o fogo ou do fogo sobre o metal, que representam as ações
de inibição que um determinado grupo de meridianos ("canais de
energia”), ou pontos, possui sobre os outros.
O mesmo exemplo pode ser dado para os processos de excitação quando
consideramos que a madeira estimula o fogo ou a água que estimula (gera,
faz crescer) a madeira.
As analogias são organizadas de tal forma que completam um ciclo que,
por sua vez, é análogo às estações do ano que se sucedem, às emoções
humanas que variam durante o dia ou comportamento dos animais
adaptando-se às estações do ano.
..."esse jogo de espelhos e reflexos que se remetem mutuamente, nunca
corresponde um objeto real, para ser mais exato, o objeto tira sua
substância das propriedades invariantes que o pensamento mítico
consegue extrair, quando coloca em paralelo uma pluralidade de
enunciados“. (Levi S. 1986).
DESCRIÇÃO DOS CICLOS
Os processos de estimulação (tonificação) e inibição (sedação) do Qi ( 氣 ),
a energia vital, como vimos, "obedecem" as regras da relação entre os
cinco elementos conhecidas como lei da mãe-filho ou ciclo de geração e lei
do avô-neto ou ciclo de inibição. (Yamamura, I. 2001)
O ciclo de geração (também chamado ciclo de
estimulação) ou 生 – (shēng):
● a madeira alimenta o fogo,
● o fogo, com suas cinzas, produz terra;
● a terra reúne os minerais;
● os minerais enriquecem (ao se dissolver) a água;
● a água dá vida à madeira.
Ciclo de inibição/ sedação (também chamado estrela da
dominação) 剋 / 克 ( kè):
● a madeira se nutre (absorve) a terra;
● a terra retém a água;
● a água apaga o fogo;
● o fogo funde o metal;
● o metal corta a madeira.
As relações resultam, na prática clínica, no aumento ou diminuição da
atividade de um determinado grupo de meridianos ou órgãos
correspondentes que, como vimos, são classificados com representantes
de cada um dos elementos, o que pode ser visto na matriz e diagramas.
Ciclo de Geração - Ciclo de Dominação
Os Elementos mantém
basicamente três
relações entre os
mesmos: geração,
dominância e contra
dominância.
Figura 21: Pentagrama dos Cinco Elementos – Geração / Dominação
LEI DE GERAÇÃO
Lei de Geração: Agua irriga a Madeira;
Madeira produz Fogo;
Fogo gera Terra;
Terra gera Metal; e
Metal Gera Água
(Lei de Geração – Mãe e Filho).
LEI DE DOMINAÇÃO
Lei de Dominação: Agua apaga o Fogo;
Fogo derrete o Metal;
Metal corta a Madeira;
Madeira engedra Terra;
Terra contém a Agua.
(Lei de Dominação- Avô – Neto).
LEI DE CONTRA DOMINÂNCIA
Lei de Contra Dominância: Neto se revolta contra o Avô:
Agua contra domina Terra;
Terra contra domina Madeira;
Madeira contra Domina Metal;
Metal contra Domina Fogo;
Fogo Contra Domina Agua.
Lei Neto Avô. (Silva, D.F. 2007)
Referencias Bibliográficas
• BING, WANG; Princípios de medicina interna do imperador Amarelo /
tradução José Ricardo Amaral de Souza Cruz; revisor técnico Olivier-
Michel Niepeeron. – São Paulo: Ícone, 2013.
• BOTSARIS, A.; MELKLER, T. Medicina Complementar: Vantagens e
questionamentos sobre as Terapias não-convencionais. Record. Rio
de Janeiro. 2004.
• ERNST, E.; WHITE, A. Acupuntura: uma avaliação científica. São Paulo:
Manole, 2001.208 p.
• GIFFONI, J. M. S. Medicina Tradicional Chinesa: Práticas Integrativas e
Complementares – Canal Minas Saúde, Secretaria do Estado de Saúde
do Estado de Minas Gerais, 2013.
Referencias Bibliográficas
• KUREBAYASHI, LEONICE FUMIKO SATO; FREITAS, GENIVAL
FERNANDES DE; Acupuntura multiprofissional: aspectos éticos e
legais – São Caetano do Sul – SP: Yendis Editora, 2011.
• MA, YUN-TAO; MA, MILA; CHO, ZANG HEE; Acupuntura para
controle da dor: um enfoque integrado, - São Paulo, Roca, 2006.
• MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto
abrangente para Acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo: Roca,
2007.
• MACIOCIA, GIOVANNI; Diagnóstico na medicina chinesa: um guia
geral; introdução de Julian Scott. Tradução de Maria Inês Garbino
Rodrigues]. – São Paulo, Roca, 2005.
Referências Bibliográficas
• MINAS GERAIS. Política Estadual de Práticas Integrativas e
Complementares – MG. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais.
2009. 60p. / MINAS GERAIS. Deliberação CIB-SUS-MG nº 532, de 27 de
maio de 2009. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e
Complementares. / MINAS GERAIS. Resolução SES nº 1885 de 27 de maio
de 2009. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e
Complementares.
• ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional
chinesa. São Paulo: Roca, 1994.
• SILVA, D. F. da. Psicologia e acupuntura: aspectos históricos, políticos e
teóricos. Psicol. Cienc. Prof., v. 27, n. 3, 2007.
Referências Bibliográficas
• SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 1:
Taoísmo. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2003.
• SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo
2: Cinco Elementos. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2004.
• SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 3:
Microssistemas, Diagnósticos e Constitucional. Uberlândia, Center
Fisio-Imes, 2004.
• VILLELA, M. P. C.; LEMOS, M. E. S. Os cuidados do Enfermeiro-
acupunturista ao paciente com angina estável: uma relação rumo à
integralidade da assistência. Ver. RMR, v. 4, n. 14, 2010.
Referências Bibliográficas
• WEN, TOM SINTAN; Acupuntura clássica chinesa / - [2.ed., 3. Reimp.]
– São Paulo: Cultrix, 2014.
• WEN, TOM SINTAN; Manual terapêutico de acupuntura / editor Wu
Tu Hsing; tradutora Míriam Akemi Kumatsu. – Barueri, SP: Manole,
2008.
• YAMAMURA, Y. Alimentos: aspectos energéticos. A essência dos
alimentos na saúde e na doença. São Paulo: Triom, 2001.
• YAMAMURA, YSAO; YAMAMURA, MARCIA L.; Propedêutica
Energética: Inspeção & Interrogatório, 1ª Edição, São Paulo, 2010.
Figura 1 – Disponível em:
http://www.1000dias.com/rodrigo/estreito-de-magalhaes-reencontros-e-a-terra-do-fogo/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 2 – Disponível em:
http://vidaoriental.blogspot.com.br/2009/07/china-e-acupuntura-em-chines.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 3 – Disponível em:
http://www.institutobeijing.com/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 4 – Disponível em:
http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/materiais1.pdf
Acesso em Agosto de 2015
Figura 5 – Disponível em:
http://artesdotao.com/2013/02/09/texto-da-autoria-de-wu-jyh-cherng-sacerdote-taoista-e-presidente-da-sociedade-taoist
Acesso em Agosto de 2015
Figura 5 – Disponível em:
http://artesdotao.com/2013/02/09/texto-da-autoria-de-wu-jyh-cherng-sacerdote-taoista-e-presidente-da-sociedade-t
Acesso em Agosto de 2015
Figura 6 – Disponível em:
http://josebiasonorato.blogspot.com.br/2013/03/simbolos-da-nova-era-1.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 7 – Disponível em:
http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf
Acesso em Agosto de 2015
Figura 8 – Disponível em:
http://josebiasonorato.blogspot.com.br/2013/03/simbolos-da-nova-era-1.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 9 – Disponível em:
http://josebiasonorato.blogspot.com.br/2013/03/simbolos-da-nova-era-1.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 10 – Disponível em:
https://en.wikipedia.org/wiki/Qi
Acesso em Agosto de 2015
Figura 11 – Disponível em:
http://www.itmonline.org/arts/italy.htm
Acesso em Agosto de 2015
Figura 12– Disponível em:
http://www.intao.com.br/intaovelho/index.php/modalidades/215-o-que-e-chi-ou-qi
Acesso em Agosto de 2015
Figura 13 – Disponível em:
https://en.wikipedia.org/wiki/Qi
Acesso em Agosto de 2015
Figura 14 – Disponível em:
http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf
Acesso em Agosto de 2015
Figura 15 – Disponível em:
http://sishencong.blogspot.com.br/2009/12/os-5-elementos.html
Acesso em Agosto de 2015
Figura 16– Disponível em:
http://www.centrodeacupuntura.com.br/cura-atraves-alimentacao/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 17 – Disponível em:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cinco_elementos_(filosofia_chinesa)
Acesso em Agosto de 2015
Figura 18 – Disponível em:
http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf
Acesso em Agosto de 2015
Figura 19 – Disponível em:
http://www.institutolongtao.com.br/arquivos/28012015070421.pdf
Acesso em Agosto de 2015
Figura 20 – Disponível em:
http://www.centrodeacupuntura.com.br/cura-atraves-alimentacao/
Acesso em Agosto de 2015
Figura 21 – Disponível em:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Cinco_elementos_(filosofia_chinesa)
Acesso em Agosto de 2015
Curso Introdutório em Medicina Tradicional Chinesa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeacoApostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeacoFisio Júnias
 
Apostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsuApostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsuEli Júnior
 
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em SaúdeA utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúdecomunidadedepraticas
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edducedduc
 
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa   manual de massagem terapêuticaA massagem chinesa   manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa manual de massagem terapêuticaprojetacursosba
 
Conceitos Básicos MTC parte1
Conceitos Básicos MTC  parte1Conceitos Básicos MTC  parte1
Conceitos Básicos MTC parte1Andreia Moreira
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasAbenaNacional
 
Acupuntura pulso tornozelo
Acupuntura pulso tornozeloAcupuntura pulso tornozelo
Acupuntura pulso tornozeloFelipe Zschaber
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentaiscomunidadedepraticas
 
Lingua diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-Virality
Lingua  diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-ViralityLingua  diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-Virality
Lingua diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-ViralityMarcos Dias
 

Mais procurados (20)

Acupuntura aula
Acupuntura aulaAcupuntura aula
Acupuntura aula
 
37060073 apostila-meridianos-2009
37060073 apostila-meridianos-200937060073 apostila-meridianos-2009
37060073 apostila-meridianos-2009
 
Marco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTCMarco Histórico Nacional da MTC
Marco Histórico Nacional da MTC
 
Diagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTCDiagnóstico em MTC
Diagnóstico em MTC
 
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeacoApostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesablzdeaco
 
Auriculopuntura
AuriculopunturaAuriculopuntura
Auriculopuntura
 
Apostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsuApostila de zen shiatsu
Apostila de zen shiatsu
 
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em SaúdeA utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
A utilização da MTC nos Níveis de Atenção em Saúde
 
Shiatsu I
Shiatsu IShiatsu I
Shiatsu I
 
Apostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - EdducApostila massagem tui na - Edduc
Apostila massagem tui na - Edduc
 
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa   manual de massagem terapêuticaA massagem chinesa   manual de massagem terapêutica
A massagem chinesa manual de massagem terapêutica
 
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências CientíficasAcupuntura em dor - Evidências Científicas
Acupuntura em dor - Evidências Científicas
 
Conceitos Básicos MTC parte1
Conceitos Básicos MTC  parte1Conceitos Básicos MTC  parte1
Conceitos Básicos MTC parte1
 
Palestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativasPalestra praticas integrativas
Palestra praticas integrativas
 
Acupuntura pulso tornozelo
Acupuntura pulso tornozeloAcupuntura pulso tornozelo
Acupuntura pulso tornozelo
 
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e MentaisConceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
Conceitos da MTC Aplicados às Práticas Corporais e Mentais
 
Meridianos
MeridianosMeridianos
Meridianos
 
Apresentação do curso de massagem terapêutica & desportiva
Apresentação do curso de massagem terapêutica & desportivaApresentação do curso de massagem terapêutica & desportiva
Apresentação do curso de massagem terapêutica & desportiva
 
Lingua diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-Virality
Lingua  diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-ViralityLingua  diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-Virality
Lingua diagnostico na MTC- MEDICINA TRADICIONAL CHINESA-Virality
 
Atlas De Meridianos
Atlas De MeridianosAtlas De Meridianos
Atlas De Meridianos
 

Semelhante a Curso Introdutório em Medicina Tradicional Chinesa

Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Andreia Moreira
 
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesa
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesaApostila+de+auriculoacupuntura+chinesa
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesaCesar Pereira
 
Auriculoterapia Chinesa.pdf
Auriculoterapia Chinesa.pdfAuriculoterapia Chinesa.pdf
Auriculoterapia Chinesa.pdfCacauCrisTorres
 
Acupuntura bioenergética
Acupuntura bioenergéticaAcupuntura bioenergética
Acupuntura bioenergéticabarrosilson
 
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Edson Bispo Palmeira
 
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)Felippe França
 
52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinria52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinriaGláucia Luna
 
Cristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiCristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiAdriane Cunha
 
Apostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticosApostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticosRogério Versolatto
 

Semelhante a Curso Introdutório em Medicina Tradicional Chinesa (20)

Auriculoterapia 001
Auriculoterapia   001Auriculoterapia   001
Auriculoterapia 001
 
Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6Conceitos Básicos MTC parte 6
Conceitos Básicos MTC parte 6
 
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesa
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesaApostila+de+auriculoacupuntura+chinesa
Apostila+de+auriculoacupuntura+chinesa
 
Apostiladeauriculoacupunturachinesa
ApostiladeauriculoacupunturachinesaApostiladeauriculoacupunturachinesa
Apostiladeauriculoacupunturachinesa
 
Auriculoterapia Chinesa.pdf
Auriculoterapia Chinesa.pdfAuriculoterapia Chinesa.pdf
Auriculoterapia Chinesa.pdf
 
124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do
 
124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do124596584 curso-de-do
124596584 curso-de-do
 
Acupuntura bioenergética
Acupuntura bioenergéticaAcupuntura bioenergética
Acupuntura bioenergética
 
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
Atlasdemeridianos 100411095421-phpapp02 (1)
 
Atlasdemeridianos
Atlasdemeridianos Atlasdemeridianos
Atlasdemeridianos
 
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
Atlas de acupuntura chinesa (meridianos e colaterais)
 
Ato Médico
Ato MédicoAto Médico
Ato Médico
 
52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinria52757969 a-acupuntura-veterinria
52757969 a-acupuntura-veterinria
 
Cristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashiCristais em-pontos-ashi
Cristais em-pontos-ashi
 
08p reflexologia podal
08p   reflexologia podal08p   reflexologia podal
08p reflexologia podal
 
Técnicas em MTC
Técnicas em MTCTécnicas em MTC
Técnicas em MTC
 
Auriculoterapia lar 02
Auriculoterapia lar   02Auriculoterapia lar   02
Auriculoterapia lar 02
 
Apostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticosApostila seis sons terapêuticos
Apostila seis sons terapêuticos
 
24p origem da massagem
24p   origem da massagem24p   origem da massagem
24p origem da massagem
 
04p reflexologia
04p   reflexologia04p   reflexologia
04p reflexologia
 

Mais de comunidadedepraticas

Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicascomunidadedepraticas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCcomunidadedepraticas
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesacomunidadedepraticas
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativacomunidadedepraticas
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPcomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriascomunidadedepraticas
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaiscomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhoscomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelecomunidadedepraticas
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicascomunidadedepraticas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicascomunidadedepraticas
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCcomunidadedepraticas
 
Implementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUSImplementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUScomunidadedepraticas
 
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúdeDivulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúdecomunidadedepraticas
 
Registro e regulação de profissionais
Registro e regulação de profissionaisRegistro e regulação de profissionais
Registro e regulação de profissionaiscomunidadedepraticas
 

Mais de comunidadedepraticas (20)

Tutorial InovaSUS
Tutorial  InovaSUSTutorial  InovaSUS
Tutorial InovaSUS
 
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações BásicasPrograma Academia da Saúde - Informações Básicas
Programa Academia da Saúde - Informações Básicas
 
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTCDescrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
Descrição e Características das Práticas Corporais e Mentais da MTC
 
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional ChinesaHistórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
Histórico das Práticas Corporais da Medicina Tradicional Chinesa
 
Apresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativaApresentacao aprendizagem colaborativa
Apresentacao aprendizagem colaborativa
 
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdPInteração: ensinando e aprendendo na CdP
Interação: ensinando e aprendendo na CdP
 
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratóriasPlantas medicinais usadas em infecções respiratórias
Plantas medicinais usadas em infecções respiratórias
 
Cadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUSCadastramento e-SUS
Cadastramento e-SUS
 
Plantas tóxicas
Plantas tóxicasPlantas tóxicas
Plantas tóxicas
 
Plantas e gravidez
Plantas e gravidezPlantas e gravidez
Plantas e gravidez
 
Remédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinaisRemédio caseiros com plantas medicinais
Remédio caseiros com plantas medicinais
 
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhosPlantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
Plantas medicinais usadas para o tratamento contra infestação de piolhos
 
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pelePlantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
Plantas medicinais antissépticas e cicatrizantes usadas em doenças de pele
 
Plantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicasPlantas medicinais antidiarréicas
Plantas medicinais antidiarréicas
 
Introdução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicasIntrodução a fitoterapia - informações básicas
Introdução a fitoterapia - informações básicas
 
Passos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICsPassos para Implantação de PICs
Passos para Implantação de PICs
 
Marco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTCMarco Histórico Internacional da MTC
Marco Histórico Internacional da MTC
 
Implementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUSImplementação serviços de MTC no SUS
Implementação serviços de MTC no SUS
 
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúdeDivulgação do programa de PIC na rede de saúde
Divulgação do programa de PIC na rede de saúde
 
Registro e regulação de profissionais
Registro e regulação de profissionaisRegistro e regulação de profissionais
Registro e regulação de profissionais
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 

Curso Introdutório em Medicina Tradicional Chinesa

  • 1. CURSO INTRODUTÓRIO EM MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Medicina Tradicional Chinesa-MTC e a Biomedicina
  • 2. MTC É uma das mais antigas formas de Medicina Oriental, termo que engloba também as outras medicinas da Ásia, tais como os sistemas tradicionais do Japão, Coréia, Tibete, Mongólia e da Índia. (Giffoni, J.M.S. 2013)
  • 3. MTC Estrutura teórica sistemática e abrangente, de natureza filosófica, com base no reconhecimento das leis fundamentais que governam o funcionamento do organismo humano e sua interação com o ambiente segundo os ciclos da natureza, envolvendo o preventivo e o curativo.
  • 4. O que levou a árvore ficar assim ? Figura 1: A famosa árvore torta pelo vento, um dos símbolos da Terra do Fogo, no sul do Chile
  • 5. “A MTC/Acupuntura, detém seus princípios na influência da natureza sobre si mesma e sobre o Homem”. (Souza, J.L., 2004)
  • 6. A Medicina Tradicional Chinesa, possui uma experiência de um estatuto oficial e, ao mesmo tempo, uma abordagem mais humanista e mais global do ser humano, da saúde e da enfermidade, procurando desenvolver o auto cuidado. (Giffoni, J.M.S. 2013)
  • 7. O QUE É ACUPUNTURA? •A acupuntura (do latim acus = agulha e punctura = colocação) é um dos Recursos da Medicina Tradicional Chinesa e, de acordo com a nova terminologia da OMS - Organização Mundial da Saúde, um método de tratamento complementar. •Foi também declarado Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade pela United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization (Unesco) em 19 de novembro de 2010.
  • 8. • A palavra "Acupuntura" vem do latim • Foi criada em 1517 pelos Jesuítas - Acus significa agulha e punctura significa picar. “Picada da Agulha”: Acupuntura. (Kurebayashi,L.F.S. et al 2013) Figura 2: Ideograma Chinês de Acupuntura
  • 9. O tratamento acupuntural consiste no diagnóstico (igualmente baseado em ensinamentos clássicos da Medicina Tradicional Chinesa) e na aplicação de agulhas em pontos definidos do corpo, chamados de "Pontos de Acupuntura" ou "Acupontos" que se distribuem principalmente sobre linhas chamadas "Meridianos Chineses" ou "CANAIS" “MAI”, “CAMINHOS”, “TRAJETOS”, para obter diferentes efeitos terapêuticos conforme o caso tratado. (Macciocia, G. 2007)
  • 10. Também são utilizadas outras técnicas complementares, sendo as mais conhecidas a moxabustão (aplicação de calor sobre os Acupontos ou Meridianos), a Auriculoterapia e, mais recentemente, a Eletroacupuntura.
  • 11. Existe uma estreita relação entre termos e uso das agulhas e da moxa. Na Acupuntura/MTC fica evidente na tradução literal da expressão que, em chinês, designa acupuntura (Zhen Jiú - 针灸 ), sendo Zhen ( 针 ) agulha e Jiú ( 灸 ) fogo lento, fogo que queima vagarosamente (ação de cauterizar). (Wen, T.S. 2008)
  • 12. CONCEITO ORIENTAL DE ACUPUNTURA • Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, a energia vital, chamada "Qi", flui através de canais de energia no corpo que ligam os órgãos principais, denominados meridianos. • Ao longo dos meridianos, existem pontos específicos que, quando são estimulados, podem influenciar e equilibrar a energia vital "Qi". • De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, a doença surge quando o fluxo cíclico de Qi nos meridianos é desequilibrado ou bloqueado. (Minas Gerais, PEPIC 2009)
  • 13. O leque de opções entretanto, costuma ser bem mais amplo, podendo- se estimular os Acupontos e meridianos com os dedos (do in), moedas, pentes de osso ou de jade (Gua Sha- Raspadura Terapêutica), Ventosas (ventosaterapia), Massagens (tui na), Técnicas Coporais como Lian Gong, Tai Chi Chuan, que mobilizam a energia dos meridianos por meio dos movimentos e outras técnicas, como por exemplo a sangria.
  • 14. A Acupuntura Chinesa, por seu histórico milenar, acabou por desenvolver escolas específicas em países próximos da China, dando origem ao shiatsu (espécie de massagem) no Japão e a estimulação nos denominados microssistemas do corpo: manopuntura ou quiropuntura, podopuntura, cranipuntura, facepuntura, nasopuntura,, entre outras.
  • 15. Com as tecnologias modernas a acupuntura vem agregando recursos como a eletricidade (eletroacupuntura, ryodoraku e moxa elétrica), agulhas mais seguras e práticas, cristais stiper ("Stimulation and Permanency” ou Estimulação Permanente), esferas banhadas a ouro, prata, de quartzo e de vidro, ventosas de material plástico ou acrílico com válvulas de pressão, ventosas de borracha, sempre observando os mesmos princípios da Medicina Tradicional Chinesa, estimulando pontos sobre os meridianos.(Souza, J.L. 2003)
  • 16. CONCEITO OCIDENTAL DE ACUPUNTURA A Medicina Ocidental define a acupuntura como sendo a estimulação de pontos específicos localizados na superfície da pele, que tem a capacidade de alterar diferentes condições fisiológicas e bioquímicas no corpo, a fim de se obter o efeito desejado. (Ernst,E. 2001) Figura 3: Boneco de Bronze
  • 17. É fundamental compreender que, apesar do uso de recursos tecnológicos atuais, a Acupuntura que se realiza hoje é bem semelhante à forma como era realizada nos primórdios da civilização chinesa unificada pela Dinastia Han, utilizando um raciocínio absolutamente diferente à medicina ocidental moderna, análogo talvez à medicina grego-hipocrática e outras formas de medicina oriental.
  • 18. Os mapas de meridianos ultrapassaram milênios chegando quase intocados aos dias atuais; o raciocínio que se desenvolve na verificação e tratamento dos problemas práticos apresentados nos consultórios é baseado em conceitos que soam estranhos aos ocidentais, como os Cinco Elementos, o Tao (equilíbrio entre Yin e Yang), o fluxo de chi ( traduzido como energia vital) e xué (a grosso modo traduzido como sangue), Zang (traduzido como órgão por inexistência de palavra adequada) e Fu (literalmente oco, mas geralmente traduzido como Víscera).(Macciocia, G. 2005)
  • 19. Segundo a biomedicina moderna, os pontos de acupuntura são áreas de sensibilidade, com grande presença de receptores e que possuem resistência elétrica mais baixa que as áreas vizinhas (Acupontos), nas quais são introduzidas agulhas para estimular diversos receptores sensoriais que, por sua vez, estimulam os nervos, que se conectam até a medula. (Souza, J.L. 2003)
  • 20. Dependendo a espessura da fibra de nervo, determinada pela quantidade de mielina, sua velocidade de condução se altera na medula através de um mecanismo descrito por Melzak e denominado “comportas medulares”, no qual mediadores químicos são liberados a exemplo das endorfinas, que são substâncias analgésicas. (Souza, J.L. 2003)
  • 21. Esses mesmos pontos são estimulados de formas diversas, não somente por agulhas. Assim o termo Acupuntura/MTC melhor pode explicar a utilização de diversos recursos terapêuticos para prevenir, tratar doenças. (Souza, J.L. 2003)
  • 22. De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa, essa estimulação tem a capacidade de regular o fluxo energético que é responsável pela fisiologia do corpo humano. (Souza, J.L. 2003) Figura 4: Angulação da Agulha em sedação em relação ao meridiano
  • 23. A medula por sua vez envia impulsos via conjunto de nervos denominado tractos (Tracto Espino Talâmico Lateral) para o a região denominada Formação Reticular. Essa, dependendo do Acuponto estimulado, por meio de uma especificidade de estímulos, enviam e conectam esses estímulos a regiões específicas do Sistema Nervoso Central como hipotálamo e para a hipófise, localizados na base do cérebro. (Souza, J.L. 2003)
  • 24. Essas regiões liberam mediadores químicos pré formados, como Serotonina, Dopamina e outras Encefalinas Dependentes, neuro- hormônios que agem sobre o organismo produzindo, por meio de mediadores, respostas no organismo para desencadear o processo de cura, melhorando o fluxo sanguíneo e estimulando o sistema imunológico. (Ma, Y. T. et al 2006) 24
  • 25. EFEITOS E INDICAÇÕES DA ACUPUNTURA   As endorfinas desempenham um importante papel no funcionamento do sistema hormonal, além de ser várias vezes mais potente que a morfina. Disso decorre sua indicação e eficiência no tratamento de dores como lombalgias, artrites, infertilidade, dismenorréia, incontinência urinária, dores miofasciais, cercobraquialgias, hipertensão, constipação intestinal, alergias, entre outras.
  • 26. • Além de promoverem relaxamento, as substâncias liberadas pela Acupuntura também atuam na regulação de serotonina no cérebro. Por isso muitas vezes a depressão é tratada com Acupuntura. • Alguns dos efeitos fisiológicos observados num tratamento contínuo com acupuntura são a redução de inflamações, o alívio da dor e espasmos musculares, sensação de bem estar, prazer, além do aumento do número de células de defesa. (Wen, T.S. 2014)
  • 27. EFEITOS DA ACUPUNTURA a)  Analgésicos b) Antinflamatórios c) Auto - imunes d) Hormonais e) Funcionais sobre órgãos e sistemas f) Psíquicos (Souza, J.L. 2004)
  • 28. TIPOS DE ESTÍMULOS UTILIZADOS NOS ACUPONTOS Para realização da Acupuntura as Agulhas Filiformes (sistêmicas), a Artemisia Vulgaris (Moxabustão) e Ventosoterapia são os tipos de estímulos tradicionais e mais utilizados, porém existem outros como: elétricos (Eletroacupuntura), Luminosos de diversas frequências e faixas luminosas (Cromopuntura), Imãs (Magnetopuntura), Sementes (Fitoacupuntura), Laser (Laserpuntura) entre outros.
  • 29. Bases Filosóficas da Acupuntura Tradicional Chinesa
  • 31. Figura 5: Ideograma Chinês do TAO •O termo chinês Tao significa "caminho", "via" ou "princípio” e também pode ser encontrado em outras filosofias e religiões chinesas. •No Taoismo, especificamente, o termo designa a fonte, a dinâmica e a força motriz por trás de tudo que existe. (Souza, J.L. 2003) O TAOISMO
  • 32. O TAOISMO Agrega crenças e práticas que antecediam até mesmo os textos clássicos do próprio Taoismo – a exemplo, as teorias da Escola dos Naturalistas, que sintetizaram conceitos como o das Leis do Yin-Yang e o dos Cinco Elementos, visando obter longevidade. (Souza, J.L. 2003)
  • 33. O TAOISMO • Reprimido nas primeiras décadas da República Popular da China e perseguido durante a Revolução Cultural de Mao Tsé-Tung; continuou, no entanto, a ser praticado livremente em Taiwan. (Wen, T. S. 2008) • A Medicina Tradicional Chinesa – MTC- teve suas bases na Filosofia Taoista, através da Lei da Dualidade, dos opostos complementares, do Yin e do Yang. (Bing, Wang 2013)
  • 34. Figura 6: Yin e Yang “Não existe Yin sem o Yang, não existe Yang sem Yin”
  • 35. No cânone do Imperador lendário Huang Tchi Nei Ching (Tratado de Longevidade do Imperador Amarelo- Dois livros: Su Wen e Ling Shu), se encontram os princípios do Yin e do Yang. (Bing, Wang 2013) O TAOISMO
  • 36. O yin e o Yang podem ser exemplificados através do lado claro (nascer do sol- yang) de uma montanha e lado escuro (oposto ao nascente – yin de uma montanha). Situação que se transmutam como o desenrolar do movimento da terra onde o yin se transforma em yang e o yang se transforma em yin. (BOTSARIS,A.;MELKLER,T. 2004) O TAOISMO
  • 38. Figura 7: Aspectos da Dualidade Yin e Yang 38
  • 39. DUALIDADE DOS OPOSTOS As duas esferas dentro do símbolo simbolizam a ideia de que, toda vez que cada uma das forças atinge seu ponto extremo, manifesta-se dentro de si um sentimento oposto. Figura 8: Yin e Yang
  • 40. “Opostos e complementares, dentro do yin tem o yang, dentro do yang tem o yin”. Figura 9: Yin e Yang 40
  • 41. Figura 10: Ideograma do QI Figura 11: Soulié de Morrant O Yin e o Yang são parte de uma energia denominada Qi, que circula em canais denominados Mai pelos Chineses e Meridianos, pelo Diplomata Francês Jorge Soulié de Morant, fazendo analogia aos sistemas de linha magnéticas terrestres- Meridianos. (Wen, T.S. 2014)
  • 42. OS MERIDIANOS O número de 12 (doze) representam os principais canais que circulam o Qi ( Energia) pelo corpo humano, conectando-se internamente aos Orgãos (Zang) e as Vísceras (FU) e mesmo de forma análoga em animais. (YAMAMURA,Y. 2010)
  • 43. CHI ou Qi= Vapor do Arroz “O Qi é por demais sutil para circular em vasos, veias, precisa de um caminho específico (meridianos)” Figura 12: Composição do ideograma do CHI A Energia = QI/Chi
  • 44. MERIDIANOS PRINCIPAIS Doze Meridianos principais são assim divididos: Os seis canais de Energia Principais Yin, correspondem aos órgãos (Zang); Os seis canais de Energia Principais Yang, correspondem às vísceras (Fu). (SOUZA, J.L. 2004)
  • 45. Figura 13: Ideograma do QI A má circulação de Qi nos meridianos, altera a Saúde ou Harmonia (Zheng Qi), que é vista como um sinal de perda da homeostase, do equilíbrio entre o yin e o yang (XIE QI). (ROSS, J. 1994)
  • 46. PADRÕES DE DESEQUILÍBRIOS ENERGÉTICOS Podem ocorrer padrões de desequilíbrios ou Doença (Xie Qi), que são: Excesso de yang, com equilíbrio do yin; Excesso de Yin, com equilíbrio de do yang; Excesso de Yang e Deficiência de Yin; Excesso de Yin e Deficiência de Yang. (ROSS, J. 1994)
  • 47. Figura14: Esquema de quadros de padrões de desarmonia YIN - YANG 47
  • 48. OS CINCO MOVIMENTOS OU CINCO ELEMENTOS Figura 15: Cinco Elementos e o TAO Os tratados antigos relatam que: “Todos os fenômenos existentes na Natureza são abarcados pelos 5 elementos: Fogo, Terra, Metal, Agua e Madeira”. (Bing, W. 2013)
  • 49. Os cinco elementos Wu Xing, ou cinco movimentos grafados nos ideogramas, que significam cinco (Wu) e "andar" (Hsing / Xíng), afirmam que a madeira( 木 ), o fogo ( 火 ), a terra ( 土 ), o metal ( 金 ) e a água ( 水 ), são os elementos básicos que formam o mundo material. (Bing, W. 2013)
  • 50. Como se sabe o ambiente natural, como as mudanças de tempo e as condições geográficas influenciam grandemente as atividades fisiológicas. (Bing, W. 2013) Nas epidemias sazonais de inverno (gripes) ou verão (diarreias), observações que não passaram despercebidas pela MTC - Medicina Tradicional Chinesa.
  • 51. Existem elos entre o ambiente externo (macrocosmos) e interno (psíquico / afetivo), inclusive relacionados da Dietoterapia (sabores). (Yamamura,I. 2001) Figura 16: Cinco Elementos - Sabores
  • 52. Tabela dos Cinco Elementos
  • 53. Elemento Direção Cor Órgãos Zang Órgãos Fu Estação do ano Emoção Madeira Leste verde ou azul Fígado ( 肝 ) Vesícula biliar ( 胆 ) Primavera ( 春 chūn) Raiva ( 怒 nù) Fogo Sul vermelho Coração ( 心 ) Intestino delgado ( 小肠 ) Verão ( 夏 xià) Alegria ( 喜 xǐ ) Terra Centro amarelo Baço-pâncreas ( 脾 ) Estômago ( 胃 ) Canícula ( 天狼星 ) Preocupação ( 想 si) Metal Oeste branco Pulmão ( 肺 ) Intestino grosso ( 大肠 ) Outono ( 秋 qiū) Tristeza ( 悲 bēi) Água Norte preto Rins ( 肾 ) Bexiga ( 膀胱 ) Inverno ( 冬 dōng) Medo ( 恐 kǒng)
  • 54. Os 5 elementos conectam a fisiologia e a patologia dos órgãos e tecidos Zang Fu a muitos fatores ambientais e naturais. Esses fatores são classificados nas cinco categorias e são empregadas similaridades e alegorias para explicar os fenômenos naturais e patológicos
  • 55. Diagrama chinês do "Wu Xing" indicando as relações de estimulação e inibição entre os elementos: madeira ( 木 ), fogo ( 火 ), terra ( 土 ), metal ( 金 ) e água ( 水 Figura 17: Pentagrama dos Cinco Elementos – Geração / Dominação 55
  • 56. Os Cinco Elementos/Movimentos Figura 18: Tabela dos Cinco Elementos 56
  • 57. Os 5 Elementos e o Zang/Fu Figura 19: Lei de Geração e Dominação no Zang Fú 57
  • 58. Os Cinco Elementos estabelecem simultaneamente comparações entre múltiplos códigos sensoriais e simbólicos referentes a observações da natureza.
  • 59. OS CINCO MOVIMENTOS Podem representar, como selecionado os órgãos do corpo e respectivos meridianos ou, a fisiologia normal ou patológica do corpo humano, os sentimentos e emoções, cores e sabores, as estações do ano.
  • 60. Sempre comparadas aos 5 elementos e às regras de sua transformação, interdependência e controle recíproco. Pois na concepção da MTC, as leis do cosmos que regem o universo são relacionadas à vida do homem. (Villela, M.P.; Lemos, M.E.S. 2010) Figura 20: Cinco Elementos - Sabores
  • 61. É básico, o entendimento facilitado para nós ocidentais pela antropologia, onde se afirma que, ...”todo mito coloca um problema e o trata mostrando que é análogo a outro problema”..., símbolo, ou relação entre signos.
  • 62. Nesse caso, o controle ou restrição imposto, por exemplo na ação da água agindo sobre o fogo ou do fogo sobre o metal, que representam as ações de inibição que um determinado grupo de meridianos ("canais de energia”), ou pontos, possui sobre os outros.
  • 63. O mesmo exemplo pode ser dado para os processos de excitação quando consideramos que a madeira estimula o fogo ou a água que estimula (gera, faz crescer) a madeira.
  • 64. As analogias são organizadas de tal forma que completam um ciclo que, por sua vez, é análogo às estações do ano que se sucedem, às emoções humanas que variam durante o dia ou comportamento dos animais adaptando-se às estações do ano.
  • 65. ..."esse jogo de espelhos e reflexos que se remetem mutuamente, nunca corresponde um objeto real, para ser mais exato, o objeto tira sua substância das propriedades invariantes que o pensamento mítico consegue extrair, quando coloca em paralelo uma pluralidade de enunciados“. (Levi S. 1986).
  • 66. DESCRIÇÃO DOS CICLOS Os processos de estimulação (tonificação) e inibição (sedação) do Qi ( 氣 ), a energia vital, como vimos, "obedecem" as regras da relação entre os cinco elementos conhecidas como lei da mãe-filho ou ciclo de geração e lei do avô-neto ou ciclo de inibição. (Yamamura, I. 2001)
  • 67. O ciclo de geração (também chamado ciclo de estimulação) ou 生 – (shēng): ● a madeira alimenta o fogo, ● o fogo, com suas cinzas, produz terra; ● a terra reúne os minerais; ● os minerais enriquecem (ao se dissolver) a água; ● a água dá vida à madeira.
  • 68. Ciclo de inibição/ sedação (também chamado estrela da dominação) 剋 / 克 ( kè): ● a madeira se nutre (absorve) a terra; ● a terra retém a água; ● a água apaga o fogo; ● o fogo funde o metal; ● o metal corta a madeira.
  • 69. As relações resultam, na prática clínica, no aumento ou diminuição da atividade de um determinado grupo de meridianos ou órgãos correspondentes que, como vimos, são classificados com representantes de cada um dos elementos, o que pode ser visto na matriz e diagramas.
  • 70. Ciclo de Geração - Ciclo de Dominação Os Elementos mantém basicamente três relações entre os mesmos: geração, dominância e contra dominância. Figura 21: Pentagrama dos Cinco Elementos – Geração / Dominação
  • 71. LEI DE GERAÇÃO Lei de Geração: Agua irriga a Madeira; Madeira produz Fogo; Fogo gera Terra; Terra gera Metal; e Metal Gera Água (Lei de Geração – Mãe e Filho).
  • 72. LEI DE DOMINAÇÃO Lei de Dominação: Agua apaga o Fogo; Fogo derrete o Metal; Metal corta a Madeira; Madeira engedra Terra; Terra contém a Agua. (Lei de Dominação- Avô – Neto).
  • 73. LEI DE CONTRA DOMINÂNCIA Lei de Contra Dominância: Neto se revolta contra o Avô: Agua contra domina Terra; Terra contra domina Madeira; Madeira contra Domina Metal; Metal contra Domina Fogo; Fogo Contra Domina Agua. Lei Neto Avô. (Silva, D.F. 2007)
  • 74. Referencias Bibliográficas • BING, WANG; Princípios de medicina interna do imperador Amarelo / tradução José Ricardo Amaral de Souza Cruz; revisor técnico Olivier- Michel Niepeeron. – São Paulo: Ícone, 2013. • BOTSARIS, A.; MELKLER, T. Medicina Complementar: Vantagens e questionamentos sobre as Terapias não-convencionais. Record. Rio de Janeiro. 2004. • ERNST, E.; WHITE, A. Acupuntura: uma avaliação científica. São Paulo: Manole, 2001.208 p. • GIFFONI, J. M. S. Medicina Tradicional Chinesa: Práticas Integrativas e Complementares – Canal Minas Saúde, Secretaria do Estado de Saúde do Estado de Minas Gerais, 2013.
  • 75. Referencias Bibliográficas • KUREBAYASHI, LEONICE FUMIKO SATO; FREITAS, GENIVAL FERNANDES DE; Acupuntura multiprofissional: aspectos éticos e legais – São Caetano do Sul – SP: Yendis Editora, 2011. • MA, YUN-TAO; MA, MILA; CHO, ZANG HEE; Acupuntura para controle da dor: um enfoque integrado, - São Paulo, Roca, 2006. • MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para Acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo: Roca, 2007. • MACIOCIA, GIOVANNI; Diagnóstico na medicina chinesa: um guia geral; introdução de Julian Scott. Tradução de Maria Inês Garbino Rodrigues]. – São Paulo, Roca, 2005.
  • 76. Referências Bibliográficas • MINAS GERAIS. Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares – MG. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. 2009. 60p. / MINAS GERAIS. Deliberação CIB-SUS-MG nº 532, de 27 de maio de 2009. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares. / MINAS GERAIS. Resolução SES nº 1885 de 27 de maio de 2009. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares. • ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional chinesa. São Paulo: Roca, 1994. • SILVA, D. F. da. Psicologia e acupuntura: aspectos históricos, políticos e teóricos. Psicol. Cienc. Prof., v. 27, n. 3, 2007.
  • 77. Referências Bibliográficas • SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 1: Taoísmo. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2003. • SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 2: Cinco Elementos. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2004. • SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 3: Microssistemas, Diagnósticos e Constitucional. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2004. • VILLELA, M. P. C.; LEMOS, M. E. S. Os cuidados do Enfermeiro- acupunturista ao paciente com angina estável: uma relação rumo à integralidade da assistência. Ver. RMR, v. 4, n. 14, 2010.
  • 78. Referências Bibliográficas • WEN, TOM SINTAN; Acupuntura clássica chinesa / - [2.ed., 3. Reimp.] – São Paulo: Cultrix, 2014. • WEN, TOM SINTAN; Manual terapêutico de acupuntura / editor Wu Tu Hsing; tradutora Míriam Akemi Kumatsu. – Barueri, SP: Manole, 2008. • YAMAMURA, Y. Alimentos: aspectos energéticos. A essência dos alimentos na saúde e na doença. São Paulo: Triom, 2001. • YAMAMURA, YSAO; YAMAMURA, MARCIA L.; Propedêutica Energética: Inspeção & Interrogatório, 1ª Edição, São Paulo, 2010.
  • 79. Figura 1 – Disponível em: http://www.1000dias.com/rodrigo/estreito-de-magalhaes-reencontros-e-a-terra-do-fogo/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 2 – Disponível em: http://vidaoriental.blogspot.com.br/2009/07/china-e-acupuntura-em-chines.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 3 – Disponível em: http://www.institutobeijing.com/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 4 – Disponível em: http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/materiais1.pdf Acesso em Agosto de 2015 Figura 5 – Disponível em: http://artesdotao.com/2013/02/09/texto-da-autoria-de-wu-jyh-cherng-sacerdote-taoista-e-presidente-da-sociedade-taoist Acesso em Agosto de 2015
  • 80. Figura 5 – Disponível em: http://artesdotao.com/2013/02/09/texto-da-autoria-de-wu-jyh-cherng-sacerdote-taoista-e-presidente-da-sociedade-t Acesso em Agosto de 2015 Figura 6 – Disponível em: http://josebiasonorato.blogspot.com.br/2013/03/simbolos-da-nova-era-1.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 7 – Disponível em: http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf Acesso em Agosto de 2015 Figura 8 – Disponível em: http://josebiasonorato.blogspot.com.br/2013/03/simbolos-da-nova-era-1.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 9 – Disponível em: http://josebiasonorato.blogspot.com.br/2013/03/simbolos-da-nova-era-1.html Acesso em Agosto de 2015
  • 81. Figura 10 – Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Qi Acesso em Agosto de 2015 Figura 11 – Disponível em: http://www.itmonline.org/arts/italy.htm Acesso em Agosto de 2015 Figura 12– Disponível em: http://www.intao.com.br/intaovelho/index.php/modalidades/215-o-que-e-chi-ou-qi Acesso em Agosto de 2015 Figura 13 – Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Qi Acesso em Agosto de 2015 Figura 14 – Disponível em: http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf Acesso em Agosto de 2015
  • 82. Figura 15 – Disponível em: http://sishencong.blogspot.com.br/2009/12/os-5-elementos.html Acesso em Agosto de 2015 Figura 16– Disponível em: http://www.centrodeacupuntura.com.br/cura-atraves-alimentacao/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 17 – Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cinco_elementos_(filosofia_chinesa) Acesso em Agosto de 2015 Figura 18 – Disponível em: http://www.portalunisaude.com.br/arquivos/taoismo.pdf Acesso em Agosto de 2015 Figura 19 – Disponível em: http://www.institutolongtao.com.br/arquivos/28012015070421.pdf Acesso em Agosto de 2015
  • 83. Figura 20 – Disponível em: http://www.centrodeacupuntura.com.br/cura-atraves-alimentacao/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 21 – Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Cinco_elementos_(filosofia_chinesa) Acesso em Agosto de 2015