Diagnóstico em MTC

8.758 visualizações

Publicada em

Esta apresentação de slides foi desenvolvida para o curso introdutório em Medicina Tradicional Chinesa, na Comunidade de Práticas . Acesse: https://cursos.atencaobasica.org.br/courses/16683
Material produzido pelo Ministério da Saúde (Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares) e Instituto Communitas.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Diagnóstico em MTC

  1. 1. CURSO INTRODUTÓRIO EM MEDICINA TRADICIONAL CHINESA Diagnóstico em MTC
  2. 2. RECONHECIMENTO A MTC é reconhecida pelo estado Chinês, pela OMS e pela ONU em igualdade com a prática da Medicina Moderna, sustentadas através dos tempos e integram os métodos de validação da ciência Moderna. (ROSSETTO, 2012)
  3. 3. A MTC A Medicina Tradicional Chinesa possui uma experiência de um estatuto oficial, e ao mesmo tempo, uma abordagem mais humanista e global do ser humano, da saúde e da enfermidade, através de um diagnóstico específico, procurando desenvolver no paciente o auto cuidado, tratamento e prevenção de doenças.
  4. 4. DIAGNÓSTICO NA MTC Observação facial Audição da voz Questionamento sobre eventuais sintomas Tomada dos pulsos para observação dos Zang-Fu (órgãos e vísceras). (Macciocia, 2007) Figura 22: Palpação tradicional do pulso na MTC do Pulso- MTC
  5. 5. DIAGNÓSTICO NA MTC Cheirar Perguntar e tocar • Examinar a língua (Macciocia, 2005)
  6. 6. BASES DIAGNÓSTICAS O estudo do Yin-Yang A teoria dos Cinco Elementos Circulação da Energia pelos Meridianos do Corpo Humano (Souza, SEA-2005)
  7. 7.   Além do interrogatório a inspeção da face e da língua e a palpação dos pulsos radiais, esquerdo e direito análise da biotipologia (Constitucional), são algumas das formas de diagnóstico da Acupuntura/MTC. Figura 23: Pulsologia Tradicional Chinesa
  8. 8. Os Chineses são os únicos povos do planeta a utilizarem a palpação superficial e profunda, dos pulsos radiais, no trajeto do meridiano do Pulmão, nos pontos P7 (Liequi), P8 e P9 (bilateralmente) para diagnóstico das condições energéticas e da presença e quantidade de Energia (Qi) e Sangue (Xue) dos Orgãos ( Zang) e das Vísceras ( Fu).
  9. 9. A interferência dos fatores climáticos sobre os sintomas, a preferência por paladares e sabores, o horário do surgimento dos sintomas e determinadas patologias em determinadas estações do ano são também sugestivas alterações energéticas do Zang (Órgãos) e Fu (Vísceras).
  10. 10. MÉTODOS DIAGNÓSTICOS Várias são as formas e métodos de diagnóstico através da Medicina Tradicional Chinesa, no presente Curso destacaremos a Pulsologia Tradicional Chinesa e o Diagnóstico através da Inspeção da Lingua.
  11. 11. MÉTODOS DIAGNÓSTICOS Diagnóstico pela Pulsologia Diagnóstico pela Língua
  12. 12. PULSOLOGIA DA MTC A medicina chinesa utiliza a pulsologia como uma forma de diagnóstico na modalidade palpação.
  13. 13. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Os chineses são os únicos povos do planeta a utilizarem a palpação dos pulsos radiais direitos e esquerdos, em palpação superficial e profunda para diagnostico das condições de energia (QI), sangue (Xue) nos Órgãos (Zang) e nas Vísceras (FU).
  14. 14. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Podem ser avaliados através da Pulsologia Tradicional Chinesa: a) Quantidade de Energia no Corpo b) Qualidade da Energia que circula no Meridiano c) Estado de energização do Órgão ou função d) Estado Físico e Emocional do indivíduo, e assim entender a enfermidade
  15. 15. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Classificação dos pulsos a) Radiais b) Carotídeos c) Reveladores ou Periféricos
  16. 16. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Pela relevância, efetividade e operacionalidade, a ênfase é nos Pulsos Radiais. Os demais (Carotídeos e Reveledores/Periféricos) não serão objetos de estudo.
  17. 17. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Nos pontos do meridiano do Pulmão: P7 ( Liequi), P8 e P9 (direitos e esquerdos) através da palpação superficial e profunda podemos verificar os diferentes pulso Os órgãos ( Yin) são palpados profundamente e as vísceras ( yang) são palpados superficialmente.
  18. 18. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Figura 24: Posição do Zang Fú no Pulso Tradicional Chinês
  19. 19. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Pulsos Direito: • P9 Superficial: Intestino Grosso Profundo: Pulmão • P8 Superficial: Estomago Profunda: Baço e Pâncreas
  20. 20. • P7 Superficial: Triplo Aquecedor Profundo: Circulação e Sexo
  21. 21. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Figura 25: Pulso Tradicional Chinês e sua Relação no Meridiano do Pulmão
  22. 22. Pulsos Esquerdo: • P9 Superficial: Intestino Delgado Profundo: Coração • P8 Superficial: Vesícula Biliar Profundo: Fígado • P7 Superficial: Bexiga Profundo: Rim
  23. 23. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Observações: Para alguns autores os Pulsos P8 da direita e o Pulso P7 da esquerda podem ser divididos em superficial, médio e profundos.
  24. 24. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Assim, nas posições intermediárias da direita podem ser avaliado o Baço separadamente do Pâncreas e a posição do ponto P7 da esquerda separadamente os Pulsos do Rim ( yin- excreção) do Rim ( yang- essência da energia ancestral) ou Jing Qi Ancestral, entre outras classificações.
  25. 25. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA No Pulso profundo da posição III da direita, no ponto P7 podemos também separar a posição superficial, intermediária e profunda, distinguindo o pulso da circulação do pulso da sexualidade. E o pulso Superficial podemos palpar o Triplo Aquecedor ( SAN JIAO).
  26. 26. DIAGNÓSTICO PELA PULSOLOGIA Na palpação são avaliados: ritmo, intensidade, frequência, consistência entre outros aspectos exclusivamente diagnosticados pela Tradição Oriental Chinesa. (Souza, 2005)
  27. 27. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA Além dos vários métodos diagnósticos em Acupuntura/MTC, que se utilizam do Interrogatório, Queixa Principal, Inspeção (Língua e da Face) Palpação (de pontos específicos, dos trajetos de meridianos e dos Pulsos) há a inspeção da língua.
  28. 28. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA • Inspeção: A língua, desde os Períodos dos Estados Combatentes ( 403-221 AC), passou a ser utilizada através da sua inspeção como Diagnóstico em Acupuntura/MTC.
  29. 29. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA Aspectos como tamanho da língua, forma, cor, mobilidade, presença de saburra e umidade são utilizadas para determinar condições do sangue (Xue) , energia (Qi) , líquidos corporais( Jing Ye), condições que se apresentam no Zang (Orgãos) e Fu (Visceras).
  30. 30. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA “A Língua é o espelho do Coração” assim descreve o Nei Ching, o coração é um dos principais órgãos a serem avaliados e observados na língua, seguidos do Estomago ( Wei) e Baço e Pâncreas ( PI). Essa afirmação milenar pode ser hoje confirmada embriologicamente.
  31. 31. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA A distribuição somatotópica e topográfica do Zang Fu na língua fica assim definida: a) Ponta da Língua: Coração ( Xin), logo atrás o Pulmão (Fei) b) Nas laterais da Língua, o Fígado (Gan) e Vesícula Biliar (DAN) c) No Centro da Língua: Baço Pâncreas (PI) d) Na Raiz da Língua: Bexiga (Pang Guang) e Rim (Shen)
  32. 32. Representação do Zang Fu na Língua Figura 26: Representação do Zang Fú no Micro Sistema da Língua
  33. 33. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA Assim podemos definir os Três Aquecedores (SAN JIAO) na língua, com a distribuição holográfica do HOMEM em posição invertida na língua.
  34. 34. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA a) Ponta da Língua: SAN JIAO SUPERIOR – função cardiorrespiratória b) Meio da Língua: SAN JIAO MÉDIO – função digestiva c) Raiz da Língua: SAN JIAO INFERIOR – função genito- urinária e reprodutiva
  35. 35. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA Três Aquecedores na Língua Figura 27: Representação do Zang Fú no Micro Sistema da Língua
  36. 36. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA A presença de Frio Interno, ou Externo,(natureza yin), de excesso e ou estagnação de sangue (XUE), Calor Interno ou Externo (natureza Yang), presença de Vento Perverso, Umidade ou Secura, alterações psíquicas, e a evolução da patologia no sentido de agravamento ou cura podem ser visualizadas através da inspeção da língua pelo profissional treinado, levando-se em conta as estações do ano e os diversos aspectos descritos anteriormente.
  37. 37. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA A língua é um microssistema importante para o diagnóstico em Acupuntura/MTC, porém as disfunções patológicas agudas muitas vezes não são passíveis de serem diagnosticadas, sendo utilizadas em diagnósticos e evolução de patologias crônicas.
  38. 38. DIAGNÓSTICO PELA LÍNGUA Hoje também é possível por meio de métodos de micromassagem e/ou microssangrias, realizar também tratamentos de várias disfunções somato e psíquicas através da língua.
  39. 39. Referencias Bibliográficas BING, WANG; Princípios de medicina interna do imperador Amarelo / tradução José Ricardo Amaral de Souza Cruz; revisor técnico Olivier- Michel Niepeeron. – São Paulo: Ícone, 2013. BOTSARIS, A.; MELKLER, T. Medicina Complementar: Vantagens e questionamentos sobre as terapias não-convencionais. Rio de Janeiro: Record, 2004. BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria MS/GM nº 971, de 3 de maio de 2006 – Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil – Edição Número 84, p. 20-24. Brasília, DF, de 04 de maio de 2006.
  40. 40. Referencias Bibliográficas BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC-SUS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 92 p. – (Série B. Textos Básicos de Saúde). ERNST, E.; WHITE, A. Acupuntura: uma avaliação científica. São Paulo: Manole, 2001.208 p. FRONER, T. M. Laserpuntura. (TCC). Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007. GARCIA, E. G. Auriculoterapia. Escola Huang li Chun. São Paulo: Rocca, 1999. GIFFONI, J. M. S. Medicina Tradicional Chinesa: Práticas Integrativas e Complementares – Canal Minas Saúde, Secretaria do Estado de Saúde do Estado de Minas Gerais, 2013.
  41. 41. Referencias Bibliográficas KUREBAYASHI, LEONICE FUMIKO SATO; FREITAS, GENIVAL FERNANDES DE; Acupuntura multiprofissional: aspectos éticos e legais – São Caetano do Sul – SP: Yendis Editora, 2011. MA, YUN-TAO; MA, MILA; CHO, ZANG HEE; Acupuntura para controle da dor: um enfoque integrado, - São Paulo, Roca, 2006. MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para Acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo: Roca, 2007. MACIOCIA, GIOVANNI; Canais de Acupuntura: uso clínico dos canais secundários e dos oito vasos extraordinários; prefácio de Richard Blackwell; [ tradução Ednéa Iara Souza Martins]. – São Paulo: Roca, 2007.
  42. 42. Referências Bibliográficas MACIOCIA, GIOVANNI; Diagnóstico na medicina chinesa: um guia geral; introdução de Julian Scott [tradução de Maria Inês Garbino Rodrigues]. – São Paulo, Roca, 2005. MINAS GERAIS. Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares – MG. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. 2009. 60p. / MINAS GERAIS. Deliberação CIB-SUS-MG nº 532, de 27 de maio de 2009. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares. / MINAS GERAIS. Resolução SES nº 1885 de 27 de maio de 2009. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE / UNICEF. Cuidados Primários em Saúde. In: Conferência Mundial sobre Cuidados Primários. Relatório final. Brasília: UNICEF, Alma Ata, Cazaquistão, 1979.
  43. 43. Referências Bibliográficas ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Estrategia de la OMS sobre medicina tradicional. 2002 – 2005. PIN, SON TIAN; Atlas de Semiologia da Língua / Tradutor Lo Der Cheng – São Paulo, Roca, 1994. ROSS, J. Zang Fu: Sistemas de órgãos e vísceras da medicina tradicional chinesa. São Paulo: Roca, 1994. ROSSETTO, SEZETE COLÓ; Acupuntura Multidisciplinar – São Paulo; Phorte, 2012. SILVA, D. F. da. Psicologia e acupuntura: aspectos históricos, políticos e teóricos. Psicol. Cienc. Prof., v. 27, n. 3, 2007.
  44. 44. Referências Bibliográficas SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 1: Taoísmo. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2003. SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 2: Cinco Elementos. Uberlândia, Center Fisio-Imes, 2004. SOUZA, JEAN LUIS: Sistema de Ensino em Acupuntura (SEA), Módulo 3: Microssistemas, Diagnósticos e Constitucional. Uberlândia, Center Fisio- Imes, 2004. SUSSMANN, DAVID J.; Acupuntura Teoria Y Práctica, Kier Editoda S.A., Buenos Aires- Argentina, 1995.
  45. 45. Referências Bibliográficas VILLELA, M. P. C.; LEMOS, M. E. S. Os cuidados do Enfermeiro-acupunturista ao paciente com angina estável: uma relação rumo à integralidade da assistência. Ver. RMR, v. 4, n. 14, 2010. WEN, TOM SINTAN; Acupuntura clássica chinesa / - [2.ed., 3. Reimp.] – São Paulo: Cultrix, 2014. WEN, TOM SINTAN; Manual terapêutico de acupuntura / editor Wu Tu Hsing; tradutora Míriam Akemi Kumatsu. – Barueri, SP: Manole, 2008. WOLD HEALTH ORGANIZATION. Acupunture: Review and Analysis of Reports on Controlled Clinical Trials. Nonserial publication. Out of print. 2002.
  46. 46. Referências Bibliográficas YAMAMURA, Y. Alimentos: aspectos energéticos. A essência dos alimentos na saúde e na doença. São Paulo: Triom, 2001. YAMAMURA, YSAO; YAMAMURA, MARCIA L.; Propedêutica Energética: Inspeção & Interrogatório, 1ª Edição, São Paulo, 2010.
  47. 47. Figura 1 – Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Meridiano_(acupuntura) Acesso em Agosto de 2015 Figura 2 – Disponível em: http://acuforma.com/pressione-pontos-do-meridiano-do-coracao/ Acesso em Agosto de 2015 Figura 3 a 14: CGAT//DAB/SAS/MS,2015) Figura 15 – Disponível em: https://www.google.com.br/?gws_rd=ssl#q=raul+breves+figura+de+meridianos Acesso em Agosto de 2015 Figura 16 – Disponível em: http://artesdotao.com.br/?page_id=581 Acesso em Agosto de 2015 Figura 17 – Disponível em: http://cyncardon.blogspot.com.br/2011/07/tartaruga-mistica.htm Acesso em Agosto de 2015

×