O BARROCO e a encenação do poder
História 8º ano Prof. Carla Freitas
Absolutismo
“Todo o poder está na mão do rei, e
não pode haver outra autoridade no
Reino para além da que ele
estabelece. ...
Poder Absoluto
 Centralização dos poderes nas mãos
do REI (ou seu ministro).
 Poder legislativo (faz as leis)
 Poder ex...
Poder Absoluto
REI-SOL
Poder Divino
Dado por DEUS
Encenação do poder
 Construções
Encenação do poder
 Pinturas
Encenação do poder
 Festas, cerimónias, banquetes,
ópera
Encenação do poder
 Vestuário
Encenação do poder
 Luxo
Sociedade de Corte
A Corte de Versalhes
A vida da corte, no magnífico palácio de Versalhes, girava em
torno da pessoa de L...
Sociedade de Corte
 Os reis atraíam os nobres
para as suas cortes para os
controlar
 Surge uma rígida e sóbria
etiqueta ...
Sociedade
 Sociedade Hierarquizada
 Profunda desigualdade social
 Posição social determinada
pelo nascimento e pela fun...
Clero
 Provinha maioritariamente da
nobreza
 Eram cerca de 4% da população
 Recebiam rendas do rei;
 Ocupavam cargos d...
Nobreza
 Eram cerca de 10% da população
 Ocupavam os principais cargos no
governo e no exército
 Estavam isentos do pag...
Terceiro Estado
 Eram cerca de 86% da
população
 Pagavam impostos e tributos
 Pagavam rendas
 Estavam obrigados a pres...
Burguesia
Banqueiros, comerciantes e profissões liberais
 Dedicavam-se ao comércio ou a profissões ligadas
às leis
 Em t...
População urbana
 Artesãos, pequenos e médios
comerciantes viviam um pouco melhor
 População tinha uma vida miserável
 ...
Camponeses
 Maioria vivia na miséria
 Elevada mortalidade, devido à fome e
doenças
 Sobrecarregados de taxas, rendas e ...
Mercantilismo
Se à riqueza natural de França, o rei pudesse acrescentar o que a arte e a
indústria do comércio pode produz...
Mercantilismo
● Teoria desenvolvida por Colbert
● Em Portugal posta em prática pelo conde
da Ericeira
● Objetivos:
● Forta...
Mercantilismo
 Diminuição das importações
recorrendo a:
 Desenvolvimento manufatureiro
 Aumento das taxas alfandegárias...
Pragmáticas
"Dom Pedro, por Graça de Deus Príncipe de Portugal e dos Algarves
(...).Primeiramente ordeno e mando que nenhu...
D. João V
 Deixou de convocar as cortes
 Centralizou o poder
 Criou uma corte luxuosa
D. João V
 Promoveu espetáculos, teatros, festas
e procissões
 Ordenou a construção de grandes
edifícios.
● Antigo Regime – Período da História europeia que decorre entre o
século XVI e XVIII, aproximadamente, e que termina com
...
Metas
O que deves saber desta matéria
1. Definir Absolutismo.
2. Caracterizar o poder absoluto.
3. Justificar a encenação ...
Não percas os próximos episódios da Arte
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens

1.410 visualizações

Publicada em

Absolutismo régio
Mercantilismo
Sociedade de ordens
Encenação do Poder
Absolutismo em Portugal

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.410
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
117
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
118
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens

  1. 1. O BARROCO e a encenação do poder História 8º ano Prof. Carla Freitas
  2. 2. Absolutismo “Todo o poder está na mão do rei, e não pode haver outra autoridade no Reino para além da que ele estabelece. (…) O Estado sou Eu”. Luís XIV
  3. 3. Poder Absoluto  Centralização dos poderes nas mãos do REI (ou seu ministro).  Poder legislativo (faz as leis)  Poder executivo (governa e manda executar as leis)  Poder judicial (é o juiz supremo)  Controla:  Sociedade (distribui cargos, atribui subsídios)  Economia (proteccionismo económico)  Exército (comanda o exército)  Controla a Igreja e é apoiado por esta (diminuição do poder eclesiástico após a Reforma Protestante)
  4. 4. Poder Absoluto REI-SOL Poder Divino Dado por DEUS
  5. 5. Encenação do poder  Construções
  6. 6. Encenação do poder  Pinturas
  7. 7. Encenação do poder  Festas, cerimónias, banquetes, ópera
  8. 8. Encenação do poder  Vestuário
  9. 9. Encenação do poder  Luxo
  10. 10. Sociedade de Corte A Corte de Versalhes A vida da corte, no magnífico palácio de Versalhes, girava em torno da pessoa de Luís XIV. Os actos do dia-a-dia do rei – o levantar e o deitar, as refeições, o passeio, a missa – eram regulados por um imponente cerimonial e uma minuciosa etiqueta. Eram os grandes senhores que disputavam entre si a honra de ajudar o rei a vestir a camisa, quando se levantava pela manhã, ou de servir às refeições! Havia por outro lado as caçadas, os bailes e recepções sumptuosas, os saraus de música, o teatro… Quase todos os nobres acorriam a Versalhes, ansiosos por atrair a atenção do rei. In DINIZ, Maria Emília, TAVARES, Adérito e CALDEIRA, Arlindo - História 8, Editorial O Livro, Lisboa, 2003, pág. 102.
  11. 11. Sociedade de Corte  Os reis atraíam os nobres para as suas cortes para os controlar  Surge uma rígida e sóbria etiqueta cortesã  Teatralização da autoridade real
  12. 12. Sociedade  Sociedade Hierarquizada  Profunda desigualdade social  Posição social determinada pelo nascimento e pela função  Dividida em três Estados:  Dois privilegiados: clero e nobreza (minoria da população)  Um não privilegiado: terceiro Estado ou povo (maioria da população)
  13. 13. Clero  Provinha maioritariamente da nobreza  Eram cerca de 4% da população  Recebiam rendas do rei;  Ocupavam cargos de administração na corte;  Estavam isento do pagamento de impostos,  Cobravam a dízima;  Estavam isentos de prestar serviço militar,  Tinham as suas leis e tribunais próprios.
  14. 14. Nobreza  Eram cerca de 10% da população  Ocupavam os principais cargos no governo e no exército  Estavam isentos do pagamento de impostos;  Recebiam subsídios do rei;  Recebiam rendas dos camponeses;  Tinham direito a tratamentos e penas especiais, quando eram julgados;  Tinham direito a roupas próprias,de tecidos muito finos e muito adornados.
  15. 15. Terceiro Estado  Eram cerca de 86% da população  Pagavam impostos e tributos  Pagavam rendas  Estavam obrigados a prestar serviço militar  As suas condições de vida variam de acordo com a sua posição dentro deste grupo.  Estavam divididos pelas suas ocupações e poder económico  Burguesia  Artífices e trabalhadores braçais  Camponeses
  16. 16. Burguesia Banqueiros, comerciantes e profissões liberais  Dedicavam-se ao comércio ou a profissões ligadas às leis  Em troca de impostos e financiamentos tinham a proteção do rei:  Garantia-lhes exclusividade comercial (monopólios)  Vendia-lhes títulos de nobreza  Nomeava-os para cargos importantes: justiça e finanças  Compravam grandes propriedades  Promoviam o casamento com nobres em dificuldades financeiras para obter títulos de nobreza
  17. 17. População urbana  Artesãos, pequenos e médios comerciantes viviam um pouco melhor  População tinha uma vida miserável  viviam de esmolas e doações  instituições religiosas ajudavam os mais pobres
  18. 18. Camponeses  Maioria vivia na miséria  Elevada mortalidade, devido à fome e doenças  Sobrecarregados de taxas, rendas e impostos  Não recebiam ajuda do governo  Não tinham acesso a médicos nem escola
  19. 19. Mercantilismo Se à riqueza natural de França, o rei pudesse acrescentar o que a arte e a indústria do comércio pode produzir ( ... )julgar-se-ia facilmente que a grandeza e o poderio do rei aumentariam prodigiosamente( ... ) Convém ver em detalhe a que estava reduzido o comércio quando Sua Majestade começou a cuidar dos seus negócios ( ... ) Creio que facilmente se estará de acordo sobre este princípio de que apenas a abundância de dinheiro aumenta a grandeza e o poderio de um Estado. Segundo este princípio, é certo que, todos os anos, saem do Reino, em produtos necessários ao consumo dos países estrangeiros cerca de 12 a 13 milhões de libras. São essas as minas do nosso Reino e é na sua conservação que devemos trabalhar cuidadosamente. ( ... ) Para lá das vantagens que traria a entrada de uma quantidade maior de moeda no Reino, é certo que, pelas manufacturas, um milhão de pessoas que definham na ociosidade poderiam vir a ganhar a vida(...) Relação de Colbert ao primeiro Conselho de Comércio, 3/8/1664
  20. 20. Mercantilismo ● Teoria desenvolvida por Colbert ● Em Portugal posta em prática pelo conde da Ericeira ● Objetivos: ● Fortalecimento do poder real ● Enriquecimento do estado (metalismo) ● Depende de: ● Estado Forte (Absolutismo) ● Protecionismo e nacionalismo económico
  21. 21. Mercantilismo  Diminuição das importações recorrendo a:  Desenvolvimento manufatureiro  Aumento das taxas alfandegárias  Leis pragmáticas  Aumento das exportações recorrendo a:  Criação de companhias monopolistas  Colonialismo Balança comercial favorável
  22. 22. Pragmáticas "Dom Pedro, por Graça de Deus Príncipe de Portugal e dos Algarves (...).Primeiramente ordeno e mando que nenhuma pessoa de qualquer condição, grau, qualidade, título, dignidade, por maior que seja, assim homens como mulheres, (...) possa usar, nos adornos das suas pessoas, filhos e criados, casa, serviço e uso, que de novo fizer, de seda, rendas, fitas, bordados as guarnições que tenham ouro ou prata fina ou falsa (...).Nenhuma pessoa se poderá vestir de pano que não seja fabricado neste reino; como também não poderá usar de voltas, de rendas, cintos, talins, e chapéus que não sejam feitos nele.” Pragmática de D. Pedro II, 1677
  23. 23. D. João V  Deixou de convocar as cortes  Centralizou o poder  Criou uma corte luxuosa
  24. 24. D. João V  Promoveu espetáculos, teatros, festas e procissões  Ordenou a construção de grandes edifícios.
  25. 25. ● Antigo Regime – Período da História europeia que decorre entre o século XVI e XVIII, aproximadamente, e que termina com revolução francesa, caracteriza-se pelo poder absoluto, por uma sociedade de ordens e uma economia ligada ao comércio colonial. ● Absolutismo - Regime político monárquico em que existe uma concentração dos poderes nas mãos do rei, que considera o seu poder como de origem divina ● Sociedade de Ordens – Modelo de sociedade em que existem duas ordens sociais privilegiadas e uma não privilegiada. A posição social dependia, quase sempre do nascimento existindo pouca mobilidade social. ● Mercantilismo – Doutrina económica que defendia que a riqueza de um estado dependia da quantidade de metais preciosos que acumulava, pelo que a balança comercial devia ser favorável. ● Manufatura – Oficina onde se fabricavam artigos por métodos manuais e artesanais. ● Pragmáticas - Lei que proibia a importação de determinados produtos de luxo e/ou o seu uso. ● . Conceitos a Reter
  26. 26. Metas O que deves saber desta matéria 1. Definir Absolutismo. 2. Caracterizar o poder absoluto. 3. Justificar a encenação do poder durante este período. 4. Caracterizar a sociedade de ordens. 5. Identificar os diferentes grupos sociais e seus privilégios/obrigações. 6. Explicar em que consistia o mercantilismo. 7. Identificar os principais representantes do mercantilismo na França e em Portugal. 8. Descrever as medidas para equilibrar a balança comercial. 9. Explicar o que foram as pragmáticas. 10. Caracterizar a ação de D. João V em Portugal. 11. Identificar monarcas absolutos na Europa.
  27. 27. Não percas os próximos episódios da Arte

×