SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
A GEOGRAFIA DOS MOVIMENTOS
REVOLUCIONÁRIOS NA PRIMEIRA METADE DO
SÉCULO XIX:
História A 11ºAno Prof. Carla Freitas
AS VAGAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS E NACIONAIS
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
(PÁG. 62, DOCUMENTO 1A E B)
A Revolução Francesa à conquista da
Europa
Dá origem a opiniões contraditórias e emotivas
 Oposição
• Os conservadores receavam que este movimento
se difundisse para outros reinos
 Adesão
• Os liberais consideravam-na um exemplo a seguir
Em 1792 Franceses iniciam uma guerra contra a
Europa:
 Defesa da revolução
 Propagação do liberalismo
 Libertação dos povos da tirania
Transforma-se em política expansionista a partir
da Convenção
A batalha de Veroux, em 1792
Campanha do Egito
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
(PÁG. 64, DOCUMENTO 2)
O Império
Napoleónico
 Criação de um vasto
império (proclamava a
libertação da opressão
absolutistas)
MAS
 Visto como usurpador e
ladrão, não como
libertador
Sublevação dos
diferentes espaços
do império com o
apoio britânico
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
A derrota de
Napoleão
 Entre 1812 e 1814,
Napoleão sofre
diversas derrotas
 Em 1814 é forçado a
abdicar e exilado
para a ilha de Elba.
 Em 1815 (Governo
dos Cem dias)
regressa a França e é
finalmente derrotado
na Batalha de
Waterloo
É definitivamente
exilado para a ilha de
Santa Helena
Campanha da Rússia, em 1812
A Batalha de Waterloo, a 18 de junho de 1815, por William Sadler.
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
(PÁG. 65, DOCUMENTO 5)
Congresso de Viena (1814-15)
Pretende-se
 Estabelecer uma nova ordem política
 Reorganizar as fronteiras
 Restaurar as legitimidade política monárquica
 Impedir o alastramento de revoluções liberais
 Apagar a obra da revolução francesa
Diretrizes fundamentais por que se regeu
 Princípio da legitimidade – consideravam-se
legítimos os governos e as fronteiras que
vigoravam antes da Revolução Francesa
 Princípio da restauração – restauração das
monarquias absolutistas
 Princípio do equilíbrio - defendeu a
organização equilibrada dos poderes económico
e político
Caricaturas alusivas ao Congresso
de Viena
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
Reorganização das fronteiras no Congresso de Viena
 Criam-se Estados Tampão: Paises Baixos e Piemonte-Sardenha
 Fragmentação arbitrária da Alemanha e da Itália
 Anexações abusivas, pelos grandes impérios (Rússia, Prússia, Áustria)
 Desrespeito por belgas, polacos, italianos, alemães
Desrespeito Pelas Liberdades E Pelo Princípio Das Nacionalidades
1815 – Criação da Santa Aliança e da Quadrúpla Aliança
ERA REVOLUCIONÁRIA
Santa Aliança
Aústria, Rússia e Prússia
Inglaterra
Quadrúpla Aliança
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
Primeira vaga revolucionária (1820-24)
Revoluções liberais em:
 Espanha (1820)
 Portugal (1820)
 Nápoles (1820)
 Grécia (1820)
Causas
 Expansão dos ideais liberais
 Descontentamento dos povos (condições de vida
miseráveis e injustas)
Objectivos:
 Queda dos regimes autocráticos e absolutistas
 Formação de regimes constitucionais
Provocam:
 Revoluções liberais e nacionalistas na América Latina
 Libertação e independência
 Formação de regimes constitucionais
Cádiz, vitória sobre os absolutistas
Revolução em Nápoles
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
Segunda vaga revolucionária
(1829-39)
Revoluções liberais em:
 França (1830) – revolução popular e
burguesa depõe o absolutista Carlos X e
estabelece uma monarquia constitucional
 Bélgica (1830) – torna-se independente da
Holanda
 Polónia (1830) - luta independentista
contra a Rússia, fracassada
 Revoltas na Alemanha e Itália contra o
domínio Austríaco, fracassaram graças à
atuação da Santa Aliança que as
massacra
 Guerras civis em Portugal e Espanha
(1833-36) – guerras entre liberais e
absolutistas
Episódio da
revolução
belga de 1830,
Gustaf
Wappers
(1834)
"Cruzando
a fronteira
prussiana”,
obra de
Franciszek
Faliński,
1831
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
Terceira vaga revolucionária (1848)
A Primavera dos Povos
 Vaga revolucionária liberal
 Contexto de crise económica
• França, é instaurada uma República
mas a constituição é abolida e é
instaurado o II Império Napoleónico
• Revoltas nacionalistas e liberais na
Alemanha, Itália, e Hungria contra o
império Austro-Húngaro, não vitoriosas
Vitórias efémeras
Repressão das forças conservadoras
Luís Napoleão
Bonaparte,
Presidente da
República em 1848,
proclama-se imperador
em 1852
Revolta em Berlim, 1848
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
A França da revolução ao século XIX
Cronologia de regimes políticos
 1791 -1792  Monarquia Constitucional
 1792 -1795  República
 1795 -1799  Diretório
 1799 - 1804  Consulado
 1804 - 1814  Império Napoleónico
 1814 - 1815  Monarquia Constitucional (Luís XVIII)
 1815 - 1815  Império Napoleónico (junho a julho)
 1815 - 1824  Monarquia Constitucional (Luís XVIII)
 1824 - 1830  Monarquia Absolutista (Carlos X)
 1830 - 1848  Monarquia Constitucional (Luís Filipe I)
 1848 - 1852  República
 1852 - 1870  II império Napoleónico (Napoleão III)
 1870 - 1940  República
A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
Revoluções e movimentos nacionalistas
Princípio das nacionalidades
“cada povo, uma Nação; cada Nação, um Estado”
 Ideologia de cariz liberal e romântico que defende:
• Soberania nacional
• Direito dos povos à autodeterminação
• Que a um povo com uma unidade comum de raça, língua, história, tradição, corresponde
a uma Nação
Resulta em dois tipos de revoltas/revoluções
 Lutas pela independência:
• Gregos e Sérvios contra a dominação turca
• Separação da Bélgica em relação à Holanda
• Tentativas de emancipação da Polónia e da Hungria (face aos russos e austríacos)
 Lutas pela Unificação política de nações: Itália (1870) e Alemanha (1871)
DEVES SABER
 Reconhecer o papel da Revolução Francesa na expansão das
ideias liberais
 Relacionar o Congresso de Viena com a criação de condições
favoráveis à eclosão de revoluções liberais e nacionais
 Distinguir as vagas revolucionárias da era pós-napoleónica
 Valorizar a consciencialização da legitimidade dos anseios
de liberdade por parte de indivíduos e povos.
E AINDA
 Interpretar documentos escritos e iconográficos relacionando-
os com os conteúdos
 Integrar a análise de documentos nas tuas respostas e análise
de conteúdos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - GeografiaAna Vilardouro
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentistaluisant
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalJoana Filipa Rodrigues
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1Susana Simões
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de périclesAna Barreiros
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionáriosVítor Santos
 
Portugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalPortugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalCarlos Vieira
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbanaIlda Bicacro
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaIlda Bicacro
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 
MACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisMACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisJoana Pinto
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunosVítor Santos
 

Mais procurados (20)

11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
11º ano Línguas e Humanidade - Geografia
 
A Sociedade Oitocentista
A Sociedade OitocentistaA Sociedade Oitocentista
A Sociedade Oitocentista
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
A sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em PortugalA sociedade de antigo regime em Portugal
A sociedade de antigo regime em Portugal
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
O século de péricles
O século de périclesO século de péricles
O século de péricles
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
Portugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacionalPortugal no novo quadro internacional
Portugal no novo quadro internacional
 
As características da rede urbana
As características da rede urbanaAs características da rede urbana
As características da rede urbana
 
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeiaOs desafios para portugal do alargamento da união europeia
Os desafios para portugal do alargamento da união europeia
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
MACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionaisMACS - modelos populacionais
MACS - modelos populacionais
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 

Semelhante a 11 Ha M5 u3

Vagas revolucionarias liberais e nacionalistas
Vagas revolucionarias liberais e nacionalistasVagas revolucionarias liberais e nacionalistas
Vagas revolucionarias liberais e nacionalistasHistoria2000
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xix1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xixvaldeck1
 
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europaOs movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europaRafaelyLeite1
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionariosVítor Santos
 
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptxRevoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptxMarsellus Cardousous
 
Apostila a era napoleônica
Apostila a era napoleônica Apostila a era napoleônica
Apostila a era napoleônica valdeck1
 
Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX DealdyPony
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3ºdinicmax
 
RevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power PointRevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power PointSilvânio Barcelos
 

Semelhante a 11 Ha M5 u3 (20)

Revoluções liberais xix
Revoluções liberais xixRevoluções liberais xix
Revoluções liberais xix
 
Vagas revolucionarias liberais e nacionalistas
Vagas revolucionarias liberais e nacionalistasVagas revolucionarias liberais e nacionalistas
Vagas revolucionarias liberais e nacionalistas
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848Revoluções liberais de 1830 e 1848
Revoluções liberais de 1830 e 1848
 
1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xix1.1.a europa do século xix
1.1.a europa do século xix
 
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europaOs movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
Os movimentos revolucionários do século xix (1820, 1830 e 1848) na europa
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
5 03 a geografia dos movimentos revolucionarios
 
3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França3ºano - Revoluções na França
3ºano - Revoluções na França
 
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptxRevoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
Revoluções de 1830 e 1848 - Professor Marsellus.pptx
 
Primavera dos Povos
Primavera dos PovosPrimavera dos Povos
Primavera dos Povos
 
A onda revolucionária
A onda revolucionáriaA onda revolucionária
A onda revolucionária
 
Apostila a era napoleônica
Apostila a era napoleônica Apostila a era napoleônica
Apostila a era napoleônica
 
Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020Revoluções de 1830 e 1848 2020
Revoluções de 1830 e 1848 2020
 
Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX Europa durante o século XIX
Europa durante o século XIX
 
As revoluções burguesas do século XIX
As revoluções burguesas do século XIXAs revoluções burguesas do século XIX
As revoluções burguesas do século XIX
 
Revoluções Liberais
Revoluções LiberaisRevoluções Liberais
Revoluções Liberais
 
Europa no século xix
Europa no século xixEuropa no século xix
Europa no século xix
 
As revoluções burguesas
As revoluções burguesasAs revoluções burguesas
As revoluções burguesas
 
História 2º ano 3º
História   2º ano 3ºHistória   2º ano 3º
História 2º ano 3º
 
RevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power PointRevoluçãO Francesa Power Point
RevoluçãO Francesa Power Point
 

Mais de Carla Freitas

Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXCarla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoCarla Freitas
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoCarla Freitas
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaCarla Freitas
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoCarla Freitas
 
Módulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático InicialMódulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático InicialCarla Freitas
 
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalCarla Freitas
 
Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)
Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)
Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)Carla Freitas
 
Módulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico ProfissionalCarla Freitas
 

Mais de Carla Freitas (20)

11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 
Módulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto HistóricoMódulo 5 - Contexto Histórico
Módulo 5 - Contexto Histórico
 
Módulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático InicialMódulo 10 - Caso Prático Inicial
Módulo 10 - Caso Prático Inicial
 
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
 
Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)
Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)
Módulo 5 - Caso Prático Inicial (Helena Almeida)
 
Módulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 5 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 5 - Contexto Histórico Profissional
 

Último

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )MayaraDaSilvaAssis
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 

Último (20)

FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 

11 Ha M5 u3

  • 1. A GEOGRAFIA DOS MOVIMENTOS REVOLUCIONÁRIOS NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XIX: História A 11ºAno Prof. Carla Freitas AS VAGAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS E NACIONAIS
  • 2. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA (PÁG. 62, DOCUMENTO 1A E B) A Revolução Francesa à conquista da Europa Dá origem a opiniões contraditórias e emotivas  Oposição • Os conservadores receavam que este movimento se difundisse para outros reinos  Adesão • Os liberais consideravam-na um exemplo a seguir Em 1792 Franceses iniciam uma guerra contra a Europa:  Defesa da revolução  Propagação do liberalismo  Libertação dos povos da tirania Transforma-se em política expansionista a partir da Convenção A batalha de Veroux, em 1792 Campanha do Egito
  • 3. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA (PÁG. 64, DOCUMENTO 2) O Império Napoleónico  Criação de um vasto império (proclamava a libertação da opressão absolutistas) MAS  Visto como usurpador e ladrão, não como libertador Sublevação dos diferentes espaços do império com o apoio britânico
  • 4. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA A derrota de Napoleão  Entre 1812 e 1814, Napoleão sofre diversas derrotas  Em 1814 é forçado a abdicar e exilado para a ilha de Elba.  Em 1815 (Governo dos Cem dias) regressa a França e é finalmente derrotado na Batalha de Waterloo É definitivamente exilado para a ilha de Santa Helena Campanha da Rússia, em 1812 A Batalha de Waterloo, a 18 de junho de 1815, por William Sadler.
  • 5. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA (PÁG. 65, DOCUMENTO 5) Congresso de Viena (1814-15) Pretende-se  Estabelecer uma nova ordem política  Reorganizar as fronteiras  Restaurar as legitimidade política monárquica  Impedir o alastramento de revoluções liberais  Apagar a obra da revolução francesa Diretrizes fundamentais por que se regeu  Princípio da legitimidade – consideravam-se legítimos os governos e as fronteiras que vigoravam antes da Revolução Francesa  Princípio da restauração – restauração das monarquias absolutistas  Princípio do equilíbrio - defendeu a organização equilibrada dos poderes económico e político Caricaturas alusivas ao Congresso de Viena
  • 6. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA
  • 7. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA Reorganização das fronteiras no Congresso de Viena  Criam-se Estados Tampão: Paises Baixos e Piemonte-Sardenha  Fragmentação arbitrária da Alemanha e da Itália  Anexações abusivas, pelos grandes impérios (Rússia, Prússia, Áustria)  Desrespeito por belgas, polacos, italianos, alemães Desrespeito Pelas Liberdades E Pelo Princípio Das Nacionalidades 1815 – Criação da Santa Aliança e da Quadrúpla Aliança ERA REVOLUCIONÁRIA Santa Aliança Aústria, Rússia e Prússia Inglaterra Quadrúpla Aliança
  • 8. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA Primeira vaga revolucionária (1820-24) Revoluções liberais em:  Espanha (1820)  Portugal (1820)  Nápoles (1820)  Grécia (1820) Causas  Expansão dos ideais liberais  Descontentamento dos povos (condições de vida miseráveis e injustas) Objectivos:  Queda dos regimes autocráticos e absolutistas  Formação de regimes constitucionais Provocam:  Revoluções liberais e nacionalistas na América Latina  Libertação e independência  Formação de regimes constitucionais Cádiz, vitória sobre os absolutistas Revolução em Nápoles
  • 9. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA Segunda vaga revolucionária (1829-39) Revoluções liberais em:  França (1830) – revolução popular e burguesa depõe o absolutista Carlos X e estabelece uma monarquia constitucional  Bélgica (1830) – torna-se independente da Holanda  Polónia (1830) - luta independentista contra a Rússia, fracassada  Revoltas na Alemanha e Itália contra o domínio Austríaco, fracassaram graças à atuação da Santa Aliança que as massacra  Guerras civis em Portugal e Espanha (1833-36) – guerras entre liberais e absolutistas Episódio da revolução belga de 1830, Gustaf Wappers (1834) "Cruzando a fronteira prussiana”, obra de Franciszek Faliński, 1831
  • 10. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA Terceira vaga revolucionária (1848) A Primavera dos Povos  Vaga revolucionária liberal  Contexto de crise económica • França, é instaurada uma República mas a constituição é abolida e é instaurado o II Império Napoleónico • Revoltas nacionalistas e liberais na Alemanha, Itália, e Hungria contra o império Austro-Húngaro, não vitoriosas Vitórias efémeras Repressão das forças conservadoras Luís Napoleão Bonaparte, Presidente da República em 1848, proclama-se imperador em 1852 Revolta em Berlim, 1848
  • 11. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA A França da revolução ao século XIX Cronologia de regimes políticos  1791 -1792  Monarquia Constitucional  1792 -1795  República  1795 -1799  Diretório  1799 - 1804  Consulado  1804 - 1814  Império Napoleónico  1814 - 1815  Monarquia Constitucional (Luís XVIII)  1815 - 1815  Império Napoleónico (junho a julho)  1815 - 1824  Monarquia Constitucional (Luís XVIII)  1824 - 1830  Monarquia Absolutista (Carlos X)  1830 - 1848  Monarquia Constitucional (Luís Filipe I)  1848 - 1852  República  1852 - 1870  II império Napoleónico (Napoleão III)  1870 - 1940  República
  • 12. A EUROPA E A REVOLUÇÃO FRANCESA Revoluções e movimentos nacionalistas Princípio das nacionalidades “cada povo, uma Nação; cada Nação, um Estado”  Ideologia de cariz liberal e romântico que defende: • Soberania nacional • Direito dos povos à autodeterminação • Que a um povo com uma unidade comum de raça, língua, história, tradição, corresponde a uma Nação Resulta em dois tipos de revoltas/revoluções  Lutas pela independência: • Gregos e Sérvios contra a dominação turca • Separação da Bélgica em relação à Holanda • Tentativas de emancipação da Polónia e da Hungria (face aos russos e austríacos)  Lutas pela Unificação política de nações: Itália (1870) e Alemanha (1871)
  • 13. DEVES SABER  Reconhecer o papel da Revolução Francesa na expansão das ideias liberais  Relacionar o Congresso de Viena com a criação de condições favoráveis à eclosão de revoluções liberais e nacionais  Distinguir as vagas revolucionárias da era pós-napoleónica  Valorizar a consciencialização da legitimidade dos anseios de liberdade por parte de indivíduos e povos. E AINDA  Interpretar documentos escritos e iconográficos relacionando- os com os conteúdos  Integrar a análise de documentos nas tuas respostas e análise de conteúdos