SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Baixar para ler offline
Escola Trabalho elaborado por: Beatriz Nº5  Cláudio Nº9 Daniel Nº 10 Inês Nº14 JéssicaNº15 1 A democracia ateniense no séc.V a.C. 7.º   Ano lectivo: 2008/09
Disciplina: HistóriaProfessor: Jorge GrandãoTema: A democracia ateniense no séc. V a. C.Dia de entrega:16/03/09 2
Introdução 	Este trabalho foi-nos pedido pelo nosso professor de História.Vamos falar sobre a democracia ateniense no séc. V a.C. 	A escolha de um tema foi difícil, todos os temas eram muito interessantes e importantes para a nossa cultura juvenil. 	Mas houve um tema que nos suscitou algum interesse “A democracia ateniense no séc. V a.C.”. Escolhemos este tema pois porque queríamos descobrir as várias diferenças entre a democracia portuguesa e a democracia ateniense antiga. Além de descobrirmos as várias diferenças existentes entre as duas democracias também descobrimos muitas outras coisas importantes que vamos passar a apresentar. 3
A democracia ateniense no séc. V a.C. 4
5 A sociedade ateniense  A sociedade ateniense tinha três grupos muito distintos  pois tinham funções, costumes e direitos diferentes. Os seus direitos dependiam do grupo a que pertenciam.  Por volta do séc. V a.C. o número rondava os 300 000 habitantes.
6 Cidadãos ,[object Object]
 Com mais de 18 anos do sexo masculino;
 Nascidos em Atenas filhos de pai e mãe atenienses;
 Eram os únicos a possuir terras na Ática;
 Só eles tinham direitos políticos, participando nas assembleias, conselhos e tribunais;
 Constituíam uma minoria da população, cerca de 13,3% em meados do século V a. C.,[object Object]
 Eram homens livres, mas sem direitos políticos;
 Estavam sujeitos ao serviço militar e ao pagamento de impostos:
 Não podiam possuir terras;
 Dedicavam-se ao comércio e ao artesanato;
 Tinham de pagar impostos e prestar serviço militar;
 Excepcionalmente, podiam tornar-se cidadãos distinguindo-se na guerra;
 Não podiam casar com mulheres atenienses.,[object Object]
 Até casarem ficavam na dependência do pai;
 Não tinham direitos políticos;
 Participavam nos cultos e nas festividades religiosas;
 As mulheres mais ricas entregavam os trabalhos domésticos aos escravos;
 Parte da sua vida era passada numa divisão da casa, o gineceu;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo atenienseEscoladocs
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
A demografia ateniense
A demografia atenienseA demografia ateniense
A demografia ateniensenita2000
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhioSusana Simões
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaZé Mário
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2cattonia
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoSusana Grandão
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romanabamp
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Lucas Nunes
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaPatricia .
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antigacattonia
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder políticocattonia
 

Mais procurados (20)

A Democracia Em Atenas
A Democracia Em  AtenasA Democracia Em  Atenas
A Democracia Em Atenas
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
A demografia ateniense
A demografia atenienseA demografia ateniense
A demografia ateniense
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Historia A - Grécia
Historia A - Grécia Historia A - Grécia
Historia A - Grécia
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 

Semelhante a A Democracia Ateniense no séc. V a. C.

O modelo ateniense a democracia
O modelo ateniense  a democraciaO modelo ateniense  a democracia
O modelo ateniense a democraciaCarla Teixeira
 
O modelo ateniense a democracia
O modelo ateniense  a democraciaO modelo ateniense  a democracia
O modelo ateniense a democraciaCarla Teixeira
 
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOJorge Miklos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdfVítor Santos
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geralHCA_10I
 
Importância da Oratória.pptx
Importância da Oratória.pptxImportância da Oratória.pptx
Importância da Oratória.pptxLciaBarbosa8
 
Grecia antiga período arcaico
Grecia antiga   período arcaicoGrecia antiga   período arcaico
Grecia antiga período arcaicoFatima Freitas
 
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana Isah Lopes
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaicoJhorlando
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
CivilizacaogregaNuno Pinto
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseJoão Neves
 
6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e AtenasJanaína Bindá
 

Semelhante a A Democracia Ateniense no séc. V a. C. (20)

O modelo ateniense a democracia
O modelo ateniense  a democraciaO modelo ateniense  a democracia
O modelo ateniense a democracia
 
O modelo ateniense a democracia
O modelo ateniense  a democraciaO modelo ateniense  a democracia
O modelo ateniense a democracia
 
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICOGRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
GRÉCIA DEMOCRACIA ATENIENSE E PERÍODO CLÁSSICO
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
Grecia geral
Grecia geralGrecia geral
Grecia geral
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Importância da Oratória.pptx
Importância da Oratória.pptxImportância da Oratória.pptx
Importância da Oratória.pptx
 
Atenas e esparta
Atenas e espartaAtenas e esparta
Atenas e esparta
 
Grecia antiga período arcaico
Grecia antiga   período arcaicoGrecia antiga   período arcaico
Grecia antiga período arcaico
 
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
A democracia ateniense e a oligarquia militar espartana
 
Trabalho de historia periodo arcaico
Trabalho de historia   periodo arcaicoTrabalho de historia   periodo arcaico
Trabalho de historia periodo arcaico
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
M1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo atenienseM1.1 o modelo ateniense
M1.1 o modelo ateniense
 
A DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGAA DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGA
 
Mundo Grego
Mundo GregoMundo Grego
Mundo Grego
 
6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas
 
720
720720
720
 
Pp os gregos
Pp os gregosPp os gregos
Pp os gregos
 
GréCia Antiga
GréCia AntigaGréCia Antiga
GréCia Antiga
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 

Mais de Jorge Almeida

Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Jorge Almeida
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novoJorge Almeida
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseuJorge Almeida
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilJorge Almeida
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilJorge Almeida
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2Jorge Almeida
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]Jorge Almeida
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaJorge Almeida
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpJorge Almeida
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3Jorge Almeida
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaJorge Almeida
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Jorge Almeida
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaJorge Almeida
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Jorge Almeida
 

Mais de Jorge Almeida (20)

Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
Exposição especiarias e frutas tropiciais 8.º ano_2011-12
 
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
Exposição trabalhos alunos_7.º ano_2011-12
 
Salazar e o estado novo
Salazar e o estado novoSalazar e o estado novo
Salazar e o estado novo
 
Exposição visitai viseu
Exposição visitai viseuExposição visitai viseu
Exposição visitai viseu
 
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abrilExposição trabalhos alunos_25 de abril
Exposição trabalhos alunos_25 de abril
 
Tertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abrilTertúlia 25 de abril
Tertúlia 25 de abril
 
25 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 225 de abril de 1974 2
25 de abril de 1974 2
 
O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]O 25 de_abril_de_1974[1]
O 25 de_abril_de_1974[1]
 
Iª república
Iª repúblicaIª república
Iª república
 
Guerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevistaGuerra colonial entrevista
Guerra colonial entrevista
 
Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)Guerra colonial (1)
Guerra colonial (1)
 
A guerra colonial
A guerra colonialA guerra colonial
A guerra colonial
 
A 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgpA 1ª guerra mundial hgp
A 1ª guerra mundial hgp
 
25 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 325 de abril de 1974 3
25 de abril de 1974 3
 
Trabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pcaTrabalhos alunos 7.º pca
Trabalhos alunos 7.º pca
 
Salamanca
SalamancaSalamanca
Salamanca
 
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
Folheto visionarium e castelo st.ª m.ª feira -2010-11
 
Visita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz CôaVisita de estudo a Foz Côa
Visita de estudo a Foz Côa
 
Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11Folheto Foz Côa -2010-11
Folheto Foz Côa -2010-11
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 

Último (20)

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 

A Democracia Ateniense no séc. V a. C.

  • 1. Escola Trabalho elaborado por: Beatriz Nº5 Cláudio Nº9 Daniel Nº 10 Inês Nº14 JéssicaNº15 1 A democracia ateniense no séc.V a.C. 7.º Ano lectivo: 2008/09
  • 2. Disciplina: HistóriaProfessor: Jorge GrandãoTema: A democracia ateniense no séc. V a. C.Dia de entrega:16/03/09 2
  • 3. Introdução Este trabalho foi-nos pedido pelo nosso professor de História.Vamos falar sobre a democracia ateniense no séc. V a.C. A escolha de um tema foi difícil, todos os temas eram muito interessantes e importantes para a nossa cultura juvenil. Mas houve um tema que nos suscitou algum interesse “A democracia ateniense no séc. V a.C.”. Escolhemos este tema pois porque queríamos descobrir as várias diferenças entre a democracia portuguesa e a democracia ateniense antiga. Além de descobrirmos as várias diferenças existentes entre as duas democracias também descobrimos muitas outras coisas importantes que vamos passar a apresentar. 3
  • 4. A democracia ateniense no séc. V a.C. 4
  • 5. 5 A sociedade ateniense A sociedade ateniense tinha três grupos muito distintos pois tinham funções, costumes e direitos diferentes. Os seus direitos dependiam do grupo a que pertenciam. Por volta do séc. V a.C. o número rondava os 300 000 habitantes.
  • 6.
  • 7. Com mais de 18 anos do sexo masculino;
  • 8. Nascidos em Atenas filhos de pai e mãe atenienses;
  • 9. Eram os únicos a possuir terras na Ática;
  • 10. Só eles tinham direitos políticos, participando nas assembleias, conselhos e tribunais;
  • 11.
  • 12. Eram homens livres, mas sem direitos políticos;
  • 13. Estavam sujeitos ao serviço militar e ao pagamento de impostos:
  • 14. Não podiam possuir terras;
  • 15. Dedicavam-se ao comércio e ao artesanato;
  • 16. Tinham de pagar impostos e prestar serviço militar;
  • 17. Excepcionalmente, podiam tornar-se cidadãos distinguindo-se na guerra;
  • 18.
  • 19. Até casarem ficavam na dependência do pai;
  • 20. Não tinham direitos políticos;
  • 21. Participavam nos cultos e nas festividades religiosas;
  • 22. As mulheres mais ricas entregavam os trabalhos domésticos aos escravos;
  • 23. Parte da sua vida era passada numa divisão da casa, o gineceu;
  • 24. Cuidavam dos seus filhos educando-os para uma vida política;
  • 25.
  • 26. Eram prisioneiros de guerra, devido à sua naturalidade ou pela condenação pelos tribunais devido a não cumprirem algumas leis tais como não pagarem as dívidas;
  • 27. Ocupados em tarefas variadas como a agricultura, artesanato, comércio, exploração das minas, trabalhos domésticos ou trabalhavam como funcionários na administração da cidade;
  • 28. Constituíam cerca de 1/3 da população;
  • 29.
  • 31. EscravosNão participavam na vida politica.
  • 32. 11 DEMOS (POVO) + CRATOS (GOVERNO) A democracia ateniense A Democracia era o regime político que surgiu em Atenas no século V a. C. e que se caracterizava por todos os cidadãos serem iguais perante a lei e terem o direito de eleger e ser eleitos para os diversos órgãos do governo da cidade. Como os cidadãos podem participar pessoalmente na vida politica, não havendo um grupo designado para os representar dizia-se que era uma democracia directa. Porém tinha ainda algumas limitações pois as mulheres, estrangeiros, escravos e crianças não podiam participar nas decisões políticas da cidade. Portanto, esta forma antiga de democracia era ainda limitada. No entanto, apesar das suas imperfeições, o regime político de Atenas foi seguido em muitas cidades gregas e serviu de modelo às democracias modernas.
  • 33. 12 Atenas teve diversas formas de governo a monarquia ( governada por reis), oligarquia (nobreza) e tirania ( por tiranos). Relógio de água A água escorria do vaso de cima para o de baixo media o tempo ( cerca de 6 minutos) que era concedido a cada cidadão pala falar na Assembleia.
  • 34. 13 O funcionamento do regime democrático Atenas teve diversas formas de governo a monarquia, oligarquia e tirania. No século VI. a.C. surgiu a democracia. Clístenes reconheceu a igualdade de direitos a todos os cidadãos e impôs o ostracismo, Péricles deu continuidade à política de Clístenes mas porém tomou medidas para que os mais pobres não fossem prejudicados pela falta de meios económicos para exercer cargos políticos. Clístenes e Péricles foram assim os responsáveis por esta nova forma de governo a democracia. Assembleia Nela todos os cidadão tinham o direito à palavra, apresentando propostas de leis e a sua opinião sobre o assunto em debates.
  • 35.
  • 36. Só os cidadãos podiam exercer cargos políticos tinham de ser do sexo masculino e com 18 anos;
  • 37. Graças à escravatura gratuita os cidadãos podiam desempenhar cargos políticos pois dispunham de tempos livres;
  • 38. Atenas tinha uma boa situação económica, devido ao pagamento que a pólis exigia aos seus aliados da liga de Delos;
  • 39. Condenações ao ostracismo ( devido ao não cumprimento das regras democráticas eram expulsos da cidade por um período mínimo de dez anos) e a pena de morte.Ostraco Peça de cerâmica onde se escreviam os nomes dos condenados ao ostracismo
  • 40. 15 Órgãos de poder na democracia ateniense No tempo de Péricles a participação dos cidadãos fazia-se , principalmente, através de três grandes instituições: a Eclésia ou assembleia de todos os cidadãos ( o principal órgão decisório que votava as leis e os candidatos às magistraturas); a Bulé ou o Conselho dos Quinhentos (assembleia representativa que preparava o trabalho da Eclésia) e o tribunal popular ou Helieia. Existiam ainda outros órgãos políticos como os Magistrados (estrategas e arcontes) e o Areópago (assembleia consultiva). Esquema explicativo na página seguinte.
  • 41.
  • 42. decidia se havia paz ou guerra;
  • 43. votava o ostracismo;
  • 44. fiscalizavam os magistrados.Tribunais Magistrados Bulé
  • 45. 17 Reconstituição da acrópole de Atenas no séc. VII a.C.
  • 46. 18 Clístenes Clístenes foi um nobre ateniense que, além de liderar uma revolta popular, reformou a constituição da antiga Atenas em 508 a.C., sendo considerado, geralmente, o pai da democracia, por tê-la implantado. Realizou uma verdadeira reforma política que proporcionou aos cidadãos, independentemente do critério de renda, o direito de voto e ocupação dos mais diversos cargos. Era parente de Clístenes de Sícion, sendo filho de Agarista e de Mégacles. Como pertencia à família dos Alcmeónidas, obteve o apoio necessário para a destituição de Hípias, filho do "tirano" Pisístrato, de uma família rival; abriu caminho para a adopção de uma postura democrática para Perícles.
  • 47. 19 Péricles Político ateniense, enquanto o líder político e militar de Atenas, foi a figura marcante, na Grécia, do século V a.C.. Em meados do século, com o fim da guerra contra os Persas, que se arrastara por mais de quatro décadas, e a cessação de hostilidades entre as cidades-estado gregas, Péricles pôde assumir a tarefa de reforçar a influência política ateniense na região . Fê-lo, desde logo, assegurando protecção a outras cidades-estado da Grécia, a troco de elevados tributos. Estes tornariam possível a realização de um conjunto de obras magnificentes como o Parténon. Enquanto legislador, Péricles deu um importante contributo para o fortalecimento da índole democrática do sistema politico ateniense, embora, a ser julgada pelos padrões da actualidade, uma democracia limitada. Assim, pode-se atribuir-lhe, em larga medida, o desenvolvimento do sistema democrático ateniense, bem como o lugar de destaque que a cidade-estado ocupou naquela região.
  • 48. 20 A vida quotidiana do cidadão A maior parte dos cidadãos passavam o dia fora de casa. Pois beneficiavam de um clima ameno. Cidadão da cidade: Levantava-se cedo, vestia o seu quíton e tomava a primeira refeição do dia que era composta por pão molhado em vinho. Caso fosse proprietário de terras dirigia-se a elas para orientar os trabalhos. Alguns ocupavam-se nas suas oficinas de artesão ou nas lojas que mantinham na ágora, onde também participavam na vida política. Ao almoço, a sua refeição era, normalmente composta por peixe, legumes, azeitonas, queijo, figos, pão e, por vezes, carne de carneiro, de veado ou de coelho. Ocupava-se ainda o seu tempo nas piscinas e ginásio onde tomava banho e praticava exercício físico. Ao pôr-do-sol, comia a única refeição quente do dia e recebia os seus convidados. Cidadão do campo: Trabalhavam nos campos todo o dia, auxiliados por escravos, deslocando-se raramente à cidade. Nalgumas épocas do ano, os cidadãos participavam em actividades culturais e religiosas como, por exemplo, procissões, jogos e festivais.
  • 49. 21 A vida quotidiana da mulher As mulheres atenienses gozavam de menos direitos do que as restantes mulheres gregas. Embora participassem activamente nos cultos e nas festividades religiosas, estavam impedidas de participar na administração da cidade. O governo da casa era da sua inteira responsabilidade, entregando as tarefas domésticas tais como cozinhar ou lavar a roupa aos escravos. As mulheres mais pobres eram obrigadas a trabalhar fora de casa, sendo, por exemplo, vendedoras no mercado. Mulher a comprar na ágora
  • 50. Conclusão Gostámos de realizar este trabalho. Desenvolvemos os nossos conhecimentos e começamos a aprender mais sobre a democracia ateniense. Concluímos que a democracia é o regime político no qual a soberania é exercida pelo povo, pertencente ao conjunto dos cidadãos. Este tipo de governo foi denominado por Péricles tratava-se de uma democracia directa. No ponto de vista teórico a democracia grega era brilhante, mas na prática existiam algumas limitações. Ficamos também a saber mais sobre as suas vidas quotidianas. 22
  • 51. Webgrafia/Bibliografia 23 http://turismogrecia.net/fotos/historia-acropolis.jpg http://www.debevec.org/Parthenon/TheParthenon-WideView-Med-sharp.jpg www.gooogle.com/imagens http://pt.wikipedia.org/wiki/Cl%C3%ADstenes Dicionário de Biografias da Porto editora Enciclopédia do Estudante História Universal, Editora Santillana, Vol.2 OLIVEIRA, Ana, CANTANHEDE, Francisco, CATARINO, Isabel, TORRÃO, Paula, História 7, Texto Editores, Lisboa, 2006.