SlideShare uma empresa Scribd logo
A Europa nos
séculos XVII e XVIII
A Europa dos Estados
Absolutos
Conteúdos
• A população da Europa nos
séculos XVII e XVIII
• A Europa dos Estados
Absolutos e a Europa dos
Parlamentos
• Construção da modernidade
europeia
• As Revoluções Liberais
Objetivos
• Identificar os fatores que interferiram no comportamento
demográfico das populações europeias nos séculos XVII e
XVIII.
• Caraterizar as crises demográficas do século XVII.
• Identificar as condições económicas, sociais e culturais em
que vivia a população rural nos séculos XVII e XVIII.
• Caraterizar a sociedade do Antigo Regime.
• Diferenciar as três ordens, a sua composição e o seu
estatuto.
• Reconhecer, nos comportamentos, os valores da sociedade
de ordens.
• Analisar as razões e o carácter das amotinações populares.
• Reconhecer os princípios liberais da Revolução Francesa.
organizada a
sociedade de
ordens?
• sociedade encontra-se fortemente
hierarquizada em ordens ou
estados
• poder, a ocupação, a consideração
social de cada indivíduo são definidos
pelo nascimento e reforçados por um
estatuto jurídico diferenciado
• três ordens ou estados: o clero, a
nobreza e o povo ou Terceiro Estado,
multiplicadas por várias subcategorias
• mundos paralelos, mentalidades e
formas de vida quase antagónicas
A nobreza
• A nobreza constitui o segundo
estado, sendo uma peça
fundamental para o regime
monárquico
• organiza-se como um grupo
fechado, demarcado pelas
condições de nascimento, pelo
poder fundiário, pela sua função
militar
• isenção de pagamentos ao
Estado, regime jurídico próprio e
usufruto de alguns direitos de
natureza senhorial
O clero
• O clero, considerado o primeiro
estado, é o único que não se
adquire pelo nascimento, mas
pela tonsura
• goza de imunidades e privilégios
(isenção fiscal e militar) e
beneficia do direito à cobrança do
dízimo, desempenhando altos
cargos
Os não
privilegiados
• ordem não privilegiada, inferior na
consideração pública
• ordem tributária por excelência
• composição muito heterogénea,
cujas diferenças residem
essencialmente na atividade
profissional e modo de vida
• salienta-se o estrato dos
camponeses e o da burguesia
(mercadores, banqueiros e
cambistas, advogados, notários e,
por fim, artesãos, trabalhadores
assalariados não qualificados,
geralmente associados ao trabalho
braçal)
O poder absoluto
• O poder do monarca absoluto é sagrado, ou seja,
escolhido por Deus, possui certas qualidades
intrínsecas: bondade, firmeza, força de carácter,
prudência, capacidade de previsão
• É absoluto, o que significa independente, por isso,
o príncipe não deve prestar contas a ninguém do
que ordena e não está coagido de forma alguma
• Pessoal (ou seja, não admitindo delegações)
• O poder real parecia não admitir limites: nenhum
privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública,
estava acima do rei
• O Rei era o supremo juiz no seu reino e as suas
decisões eram únicas que não admitiam apelação
• Possuía a chefia suprema do exército e só ele
podia declarar a guerra ou a paz; chefiava todas as
instituições e órgãos político-administrativos e a
ele eram devidos todos os impostos
Manifestações da
hierarquia social
• sociedade de símbolos;
• trajes (reservando-se o uso de certos
tecidos, de certos adornos como a
prata para a nobreza)
• formas de saudação e tratamento que
se adoptavam e a que tinham direito
pela sua condição social (por exemplo,
um eclesiástico receberia o tratamento
de Sua Eminência, Sua Excelência ou
Sua Senhoria, Vossa Mercê ou Dom)
• conjunto rígido de regras de protocolo,
sendo todos os comportamentos
previstos.
Caraterísticas da
Filosofia das
Luzes
• O raciocínio humano seria o meio de atingir o
progresso em todos os campos
• Acreditava na existência de um conjunto de direitos
próprios da natureza humana
• Defendem a igualdade entre todos os homens;
• Liberdade de todos os homens
• O direito à posse de bens
• O direito a um julgamento justo
• Os direitos eram universais
• Jean-Jacques Rosseau defende a soberania do povo
• Montesquieu defende a doutrina da separação dos
poderes (legislativo, executivo e judicial) como
garantia de liberdade dos cidadãos
• Voltaire advoga a tolerância religiosa e a liberdade de
consciência
Causas da
Revolução
Francesa
• O défice orçamental está na origem da convocação dos
Estados Gerais
• Impotência da monarquia para suprimir os privilégios
• O apoio à guerra de independência da América
• A ameaça crónica da penúria faz da fome
• O endurecimento dos privilegiados, a firmeza com que
defendem os seus lugares, contribuem para exacerbar
os antagonismos
• A deslocação da riqueza, que empobrece a nobreza e
enriquece a burguesia
• A monarquia não terá perecido mais por excesso de
fraqueza do que de autoridade: por não ter conseguido
impor aos privilegiados o respeito pelo interesse geral
• O movimento das ideias do século XVIII contribuíram
para a génese da revolução
• A revolução americana propõe uma solução alternativa a
uma parte da opinião pública
Princípios da
Declaração do
Homem e do Cidadão
• Liberdade individual é, por
consequência, um direito natural,
inviolável e imprescritível
• Liberdade de opinião
• Liberdade de imprensa
• Direito à propriedade, segurança e
resistência à opressão
• Direito à igualdade implicava a igualdade
perante a lei, perante a justiça, perante a
administração e perante os impostos
• O rei era apenas o mandatário do povo,
de quem recebia o poder; e a lei, a
expressão da vontade geral
• O poder devia funcionar tripartido,
estando cada função entregue a órgãos
diferentes e independentes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
JoanaRitaSilva
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
Pac
PacPac
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte
Edenilson Morais
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
Maria Gomes
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
EconomicSintese
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
Maria Gomes
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
Carla Teixeira
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
Maria Adelaide
 

Mais procurados (20)

4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Pac
PacPac
Pac
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte O Absolutismo e a sociedade de Corte
O Absolutismo e a sociedade de Corte
 
Sociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIXSociedade do séc.XIX
Sociedade do séc.XIX
 
Política econ. pombalina
Política econ. pombalinaPolítica econ. pombalina
Política econ. pombalina
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Rev americana 11º d
Rev americana  11º dRev americana  11º d
Rev americana 11º d
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
 

Destaque

Antigo regime ii
Antigo regime iiAntigo regime ii
Antigo regime ii
Teresa Maia
 
Sociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeuSociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeu
Profdaltonjunior
 
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
Kerol Brombal
 
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Carla Freitas
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
Teresa Maia
 
Sociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo RegimeSociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo Regime
Susana Simões
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
Hist8
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Ana Batista
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Vítor Santos
 

Destaque (9)

Antigo regime ii
Antigo regime iiAntigo regime ii
Antigo regime ii
 
Sociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeuSociedade do antigo regime europeu
Sociedade do antigo regime europeu
 
Apogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismoApogeu do absolutismo
Apogeu do absolutismo
 
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens30   absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
30 absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Sociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo RegimeSociedade do Antigo Regime
Sociedade do Antigo Regime
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 

Semelhante a Apresentação Sociedade de Ordens

Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRevoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Rivea Leal
 
Apresentação o absolutismo ou antigo regi me
Apresentação o absolutismo ou antigo regi meApresentação o absolutismo ou antigo regi me
Apresentação o absolutismo ou antigo regi me
Péricles Penuel
 
Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014
Zeze Silva
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesa
Marilia Pimentel
 
Revolução em imagens
Revolução em imagensRevolução em imagens
Revolução em imagens
Acrópole - História & Educação
 
Ciência política - John Lock
Ciência política - John LockCiência política - John Lock
Ciência política - John Lock
unisocionautas
 
República
RepúblicaRepública
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
historiando
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
Nelia Salles Nantes
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
harlissoncarvalho
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
historiando
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Pework
 
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Revolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidadeRevolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidade
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Ricardo Diniz campos
 
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidadeRevolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Ricardo Diniz campos
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Marcelo Ferreira Boia
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
Isabel Aguiar
 
A Revolução Francesa
A Revolução FrancesaA Revolução Francesa
A Revolução Francesa
seixasmarianas
 
Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
Aline Oliveira
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Luiz Henrique Ferreira
 

Semelhante a Apresentação Sociedade de Ordens (20)

Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair AguilarRevolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Francesa - Prof. Altair Aguilar
 
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e IndustrialRevoluções Francesa, Inglesa e Industrial
Revoluções Francesa, Inglesa e Industrial
 
Apresentação o absolutismo ou antigo regi me
Apresentação o absolutismo ou antigo regi meApresentação o absolutismo ou antigo regi me
Apresentação o absolutismo ou antigo regi me
 
Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014Primeiro Reinado - Ano 2014
Primeiro Reinado - Ano 2014
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesa
 
Revolução em imagens
Revolução em imagensRevolução em imagens
Revolução em imagens
 
Ciência política - John Lock
Ciência política - John LockCiência política - John Lock
Ciência política - John Lock
 
República
RepúblicaRepública
República
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
As fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profneliaAs fases da revolução francesa profnelia
As fases da revolução francesa profnelia
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
Revolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidadeRevolução francesa. liberdade  igualdade  fraternidade
Revolução francesa. liberdade igualdade fraternidade
 
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidadeRevolução francesa.liberdade igualde fraternidade
Revolução francesa.liberdade igualde fraternidade
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Slide revolução francesa
Slide revolução francesaSlide revolução francesa
Slide revolução francesa
 
A Revolução Francesa
A Revolução FrancesaA Revolução Francesa
A Revolução Francesa
 
Revolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - CompletoRevolução Francesa - Completo
Revolução Francesa - Completo
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 

Mais de Laboratório de História

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Laboratório de História
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Laboratório de História
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Laboratório de História
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Laboratório de História
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Laboratório de História
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Laboratório de História
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 

Mais de Laboratório de História (20)

Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
Apresentação n.º3 A Europa nos séculos XIII a XIV 1516
 
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo RomanoApresentação n.º 2 O Modelo Romano
Apresentação n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo RomanoGuia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
Guia de estudo n.º 2 O Modelo Romano
 
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo AtenienseGuia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
Guia de estudo n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
Caderno diário os loucos anos 20 n.º 17 1415
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
Caderno diário as opções totalitárias n.º 19 1415
 
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
Caderno diário a grande depressão n.º 18 1415
 
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
Caderno Diário A revolução russa e o marxismo leninismo n.º 16 1415
 
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
Caderno Diário A Primeira Guerra Mundial e as transformações do pós-guerra n...
 
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
Caderno diário As propostas socialistas n.º12 1415
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
Caderno diário O Liberalismo em Portugal n.º9 1415
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
Caderno diário A Revolução Francesa n.º8 1415
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
Caderno diário A Filosofia das Luzes n.º7 1415
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 

Último

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 

Apresentação Sociedade de Ordens

  • 1. A Europa nos séculos XVII e XVIII A Europa dos Estados Absolutos
  • 2. Conteúdos • A população da Europa nos séculos XVII e XVIII • A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos • Construção da modernidade europeia • As Revoluções Liberais
  • 3. Objetivos • Identificar os fatores que interferiram no comportamento demográfico das populações europeias nos séculos XVII e XVIII. • Caraterizar as crises demográficas do século XVII. • Identificar as condições económicas, sociais e culturais em que vivia a população rural nos séculos XVII e XVIII. • Caraterizar a sociedade do Antigo Regime. • Diferenciar as três ordens, a sua composição e o seu estatuto. • Reconhecer, nos comportamentos, os valores da sociedade de ordens. • Analisar as razões e o carácter das amotinações populares. • Reconhecer os princípios liberais da Revolução Francesa.
  • 4.
  • 5.
  • 6. organizada a sociedade de ordens? • sociedade encontra-se fortemente hierarquizada em ordens ou estados • poder, a ocupação, a consideração social de cada indivíduo são definidos pelo nascimento e reforçados por um estatuto jurídico diferenciado • três ordens ou estados: o clero, a nobreza e o povo ou Terceiro Estado, multiplicadas por várias subcategorias • mundos paralelos, mentalidades e formas de vida quase antagónicas
  • 7. A nobreza • A nobreza constitui o segundo estado, sendo uma peça fundamental para o regime monárquico • organiza-se como um grupo fechado, demarcado pelas condições de nascimento, pelo poder fundiário, pela sua função militar • isenção de pagamentos ao Estado, regime jurídico próprio e usufruto de alguns direitos de natureza senhorial
  • 8. O clero • O clero, considerado o primeiro estado, é o único que não se adquire pelo nascimento, mas pela tonsura • goza de imunidades e privilégios (isenção fiscal e militar) e beneficia do direito à cobrança do dízimo, desempenhando altos cargos
  • 9. Os não privilegiados • ordem não privilegiada, inferior na consideração pública • ordem tributária por excelência • composição muito heterogénea, cujas diferenças residem essencialmente na atividade profissional e modo de vida • salienta-se o estrato dos camponeses e o da burguesia (mercadores, banqueiros e cambistas, advogados, notários e, por fim, artesãos, trabalhadores assalariados não qualificados, geralmente associados ao trabalho braçal)
  • 10. O poder absoluto • O poder do monarca absoluto é sagrado, ou seja, escolhido por Deus, possui certas qualidades intrínsecas: bondade, firmeza, força de carácter, prudência, capacidade de previsão • É absoluto, o que significa independente, por isso, o príncipe não deve prestar contas a ninguém do que ordena e não está coagido de forma alguma • Pessoal (ou seja, não admitindo delegações) • O poder real parecia não admitir limites: nenhum privilégio e nenhuma liberdade, privada ou pública, estava acima do rei • O Rei era o supremo juiz no seu reino e as suas decisões eram únicas que não admitiam apelação • Possuía a chefia suprema do exército e só ele podia declarar a guerra ou a paz; chefiava todas as instituições e órgãos político-administrativos e a ele eram devidos todos os impostos
  • 11.
  • 12. Manifestações da hierarquia social • sociedade de símbolos; • trajes (reservando-se o uso de certos tecidos, de certos adornos como a prata para a nobreza) • formas de saudação e tratamento que se adoptavam e a que tinham direito pela sua condição social (por exemplo, um eclesiástico receberia o tratamento de Sua Eminência, Sua Excelência ou Sua Senhoria, Vossa Mercê ou Dom) • conjunto rígido de regras de protocolo, sendo todos os comportamentos previstos.
  • 13.
  • 14. Caraterísticas da Filosofia das Luzes • O raciocínio humano seria o meio de atingir o progresso em todos os campos • Acreditava na existência de um conjunto de direitos próprios da natureza humana • Defendem a igualdade entre todos os homens; • Liberdade de todos os homens • O direito à posse de bens • O direito a um julgamento justo • Os direitos eram universais • Jean-Jacques Rosseau defende a soberania do povo • Montesquieu defende a doutrina da separação dos poderes (legislativo, executivo e judicial) como garantia de liberdade dos cidadãos • Voltaire advoga a tolerância religiosa e a liberdade de consciência
  • 15.
  • 16. Causas da Revolução Francesa • O défice orçamental está na origem da convocação dos Estados Gerais • Impotência da monarquia para suprimir os privilégios • O apoio à guerra de independência da América • A ameaça crónica da penúria faz da fome • O endurecimento dos privilegiados, a firmeza com que defendem os seus lugares, contribuem para exacerbar os antagonismos • A deslocação da riqueza, que empobrece a nobreza e enriquece a burguesia • A monarquia não terá perecido mais por excesso de fraqueza do que de autoridade: por não ter conseguido impor aos privilegiados o respeito pelo interesse geral • O movimento das ideias do século XVIII contribuíram para a génese da revolução • A revolução americana propõe uma solução alternativa a uma parte da opinião pública
  • 17. Princípios da Declaração do Homem e do Cidadão • Liberdade individual é, por consequência, um direito natural, inviolável e imprescritível • Liberdade de opinião • Liberdade de imprensa • Direito à propriedade, segurança e resistência à opressão • Direito à igualdade implicava a igualdade perante a lei, perante a justiça, perante a administração e perante os impostos • O rei era apenas o mandatário do povo, de quem recebia o poder; e a lei, a expressão da vontade geral • O poder devia funcionar tripartido, estando cada função entregue a órgãos diferentes e independentes