Fortalecimento poder reis

37.765 visualizações

Publicada em

Fortalecimento poder reis

Publicada em: Educação
0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
37.765
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
390
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fortalecimento poder reis

  1. 1. Capítulo 7
  2. 2. <ul><li>Com o revigoramento das cidades e do comércio formou-se um novo grupo social, a burguesia, composta principalmente de comerciantes. </li></ul><ul><li>A palavra burguês vem de burgo (nome que recebiam as cidades medievais). Estes comerciantes eram chamados de burgueses, pois viviam nestas cidades. </li></ul><ul><li>Como havia muitos senhores feudais, e com isto, diferentes moedas e impostos, isto encarecia os produtos e dificultava a ação dos burgueses. </li></ul><ul><li>Para fugir deste problema, os burgueses se aproximaram dos reis para conseguir proteção e leis favoráveis aos seus interesses. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Em troca da proteção do rei, os burgueses doavam dinheiro. </li></ul><ul><li>A nobreza, enfraquecida pelo fracasso das Cruzadas também, também se aproximou do rei para pedir ajuda militar, para reprimir as revoltas camponesas. </li></ul><ul><li>Os camponeses, pediam ajuda ao rei para defendê-los contra os abusos dos senhores feudais. </li></ul><ul><li>Com isto, o rei fortaleceu-se, e pôde criar impostos, estabelecer uma moeda única em todo o reino e criar exércitos profissionais assalariados com as doações e os impostos. </li></ul><ul><li>A partir disto o rei impôs sua autoridade a todos os habitantes do reino. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Portugal e Espanha se formaram durante as lutas dos cristãos para expulsar os árabes muçulmanos da Península Ibérica. </li></ul><ul><li>Lutas são chamadas de Reconquista, pois o objetivo era reconquistar as terras cristãs perdidas para os árabes. </li></ul>
  5. 7. <ul><li>Século XI, Henrique de Borgonha ganhou do rei de Leão e Castela uma faixa de terra por sua luta contra os muçulmanos (Condado Portucalense). </li></ul><ul><li>Seu filho, Afonso Henriques continuou a luta contra os muçulmanos e ao mesmo tempo lutou pela independência do condado frente a Leão e Castela. </li></ul><ul><li>Em 1139 Afonso Henriques conquistou a independência, se tornando o primeiro rei de Portugal, que se consolidou como o primeiro Estado Moderno </li></ul>
  6. 8. <ul><li>Os reinos de Castela e Aragão lideraram as lutas dos cristãos contra os muçulmanos. </li></ul><ul><li>Ambos possuíam cidades portuárias e uma burguesia próspera, que auxiliava a luta contra os árabes doando dinheiro. </li></ul><ul><li>Em 1469 os reis cristãos Fernando de Aragão e Isabel de Castela se casam, unindo suas terras e esforços para derrotar os muçulmanos. Em 1492, conquistam Granada, último reduto muçulmano na Península Ibérica. Pouco tempo depois conquistam o reino cristão de Navarra e completam a formação da Espanha. </li></ul>
  7. 10. <ul><li>Século XI, Guilherme, duque da Normandia (região ao norte da França), conquistou a Inglaterra e tornou-se o primeiro rei. </li></ul><ul><li>No seu reinado obrigou a nobreza a lhe jurar lealdade, proibiu guerras entre nobres e nomeou funcionários reais para administrar os condados. </li></ul><ul><li>Seu herdeiro, Henrique II continuou a centralização do poder, criando tribunais reais para impor a justiça (e não mais os nobres) </li></ul><ul><li>Seu sucessor Ricardo Coração de Leão passou a maior parte do seu reinado nas Cruzadas e em disputas com o rei da França, enfraquecendo o poder real. </li></ul>
  8. 11. <ul><li>Seu irmão João Sem Terra, autorizou grandes aumentos de impostos, que levou os nobres a reagirem e obrigarem o rei a assinar a Magna Carta (1215) </li></ul><ul><li>Henrique III filho de João aumentou os impostos violentamente, e a nobreza reagiu com uma grande revolta. </li></ul><ul><li>Derrotado, o rei foi obrigado a negociar com os rebeldes. A burguesia tendo apoiado a revolta ganhou o direito de fazer parte do Grande Conselho, que em 1265, passou a ser chamado de Parlamento. </li></ul>
  9. 13. <ul><li>O Rei Filipe Augusto (1165-1223) impôs sua autoridade a todos os grupos sociais. Conquistou feudos através de casamento por interesse, da compra de terras ou conquistando através de seu exército profissional e assalariado. </li></ul><ul><li>Luís IX contribuiu para a centralização do poder ao ordenar que a moeda real fosse aceita em todo o território e permitindo que os condenados em tribunais dos nobres pudessem recorrer no tribunal do rei. </li></ul><ul><li>A Guerra dos Cem anos, entre França e Inglaterra também ajudou a fortalecer o poder dos reis europeus, a partir de uma maior centralização para enfrentar os inimigos. </li></ul>
  10. 14. <ul><li>Monarquias de alguns países europeus evoluíram para o absolutismo </li></ul><ul><li>Conceito: regime político em que o rei tem o poder de decretar leis, fazer a justiça e criar e decretar impostos. No absolutismo o rei está acima de todos os setores socais (nobreza, burguesia e camponeses), e é o árbitro dos interesses desses grupos rivais. </li></ul><ul><li>Teóricos: Thomas Hobbes (Leviatã): para evitar a destruição da humanidade todos deveriam renunciar seus direitos e sua liberdade em favor de um senhor único, o rei, que teria poderes totais. Jacques Bossuet (A política inspirada na Sagrada Escritura): para ele o rei era o representante de Deus na terra, por isto, infalível. Tinha o direito de governar de modo absoluto, pois tinha origem divina. Sua teoria é chamada de “teoria do direito divino dos reis”. </li></ul>
  11. 16. <ul><li>Foi o principal rei absolutista, a tal ponto de dizer: O Estado sou eu”. </li></ul><ul><li>Usou o Exército para impor a sua autoridade, mas procurou atender os interesses da burguesia e da nobreza para melhor governar. </li></ul><ul><li>Para a nobreza distribuía favores como pensões, presentes e empregos públicos. </li></ul><ul><li>Para a burguesia incentivou as exportações e as manufaturas, isentando-as de impostos. </li></ul>
  12. 18. <ul><li>Definição: conjunto de práticas econômicas dos Estados Absolutistas. </li></ul><ul><li>Objetivo : fortalecer e enriquecer o Estado , o rei e a burguesia dirigir e administrar o desenvolvimento do capitalismo </li></ul><ul><li>Quando : aproximadamente entre os séculos XV e XVIII. </li></ul><ul><li>Onde : vários países da Europa, principalmente Portugal, Espanha, França e Inglaterra. </li></ul><ul><li>Característica básica e fundamental : intervenção do Estado na economia. </li></ul>
  13. 19. <ul><li>PRINCÍPIOS DO MERCANTILISMO </li></ul><ul><li>Metalismo : Seria considerado rico e forte o Estado que tivesse o maior acúmulo de metais preciosos. </li></ul><ul><li>Balança de Comércio Favorável : Exportar mais(superávit) e importar menos (eliminação do déficit). </li></ul><ul><li>Protecionismo ou Intervencionismo Estatal : O Estado intervem na economia protegendo o mercado interno ou criando impostos. </li></ul><ul><li>Colonialismo : Conquista de novas terras para exploração de seus recursos e de seu povo </li></ul>
  14. 20. <ul><li>ESPANHA – Bulionismo (estocagem de ouro e prata). </li></ul><ul><li>FRANÇA – Colbertismo: limitação de importações e desenvolvimento de manufaturas de artigos de luxo e criação de companhias de comércio. Devido ao estímulo da indústria, também ficou conhecido como industrialismo . </li></ul><ul><li>INGLATERRA – Adoção de tarifas protecionistas, desenvolvimento da frota naval e da marinha mercante para o comércio externo, desenvolvimento das manufaturas. Política conhecida como comercialista e posteriormente industrialista . </li></ul>

×