SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
PORTUGAL NO CONTEXTO
EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV
O DINAMISMO RURAL E O
CRESCIMENTO ECONÓMICO
O Crescimento Demográfico Séculos XII-XIV

   FIM DAS INVASÕES                             ALTERAÇÕES
     (CLIMA DE PAZ)                             CLIMÁTICAS




                       AUMENTO DA PRODUÇÃO
                            AGÍCOLA




                      MELHORIA DA ALIMENTAÇÃO
                       (AUMENTO DEMOGRÁFICO)
Os Progressos Agrícolas

O aumento da produção agrícola está ligado à aplicação das seguintes técnicas:

          • Arroteias – Aproveitamento de terras através do derrube
            de florestas e drenagem de pântanos.
          • Utilização do ferro – Substituição da madeira pelo ferro
            nas alfaias agrícolas (arado).
          • Adubação – Utilização de estrume animal para fertilização
            dos campos.
          • Construção de moinhos de vento e de água – moer
            cereal.
          • Afolhamento trienal – Divisão da terra em três folhas.
Os Progressos Agrícolas
Os Progressos Agrícolas




                Afolhamento Trienal
Os Progressos nos Transportes

• Ferradura – Aplicação da ferradura nos cascos
  (impedia o desgaste).
• Atrelagem em fila – Facilitava a deslocação de
  cargas pesadas.
• Uso da Coelheira – Colocação de uma coleira nas
  omoplatas facilitando a tração.
• Leme fixo à popa – facilitava a manobra dos
  navios.




                                                    A – Atrelagem Tradicional

                                                    B – Atrelagem com Coelheira
A Reanimação do Comércio

                                        PROGRESSOS NOS
      AUMENTO DA                         TRANSPORTES
   PRODUÇÃO AGRÍCOLA                          +
                                         CLIMA DE PAZ




      EXCEDENTES                       MAIOR SEGURANÇA
          DE                                  DE
       PRODUÇÃO                          DESLOCAÇÕES




                    REANIMAÇÃO DO COMÉRCIO
                      (MERCADOS E FEIRAS)
                              +
                   REAPARECIMENTO DA MOEDA
A Reanimação do Comércio: Mercados e Feiras

 FEIRAS – Realizavam-se uma vez por           MERCADOS – Realizavam-se com
 ano e envolviam mercadores de lugares        frequência (semanalmente/mensalmente)
 muito distantes (estavam associadas a        e apenas envolviam mercadores locais
 festas religiosas e peregrinações).          ou regionais.




CRIADAS PELA CARTA DE FEIRA


CARTA DE FEIRA – Documento passado
pelo rei que estabelecia as regras da feira
e os direitos e deveres dos mercadores
A Reanimação das Cidades

              REALIZAÇÃO DE FEIRAS E MERCADOS
                NA PROXIMIDADE DAS CIDADES




             CRESCIMENTO DOS CENTROS URBANOS



      APARECIMENTO                    ALARGAMENTO DAS
     DE NOVAS CIDADES                CIDADES EXISTENTES



                                            BURGOS
                                   (Novos Bairros em que os
                                   habitantes deram origem a uma
                                   nova classe – BURGUESIA)
PORTUGAL NO CONTEXTO
EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV
RELAÇÕES SOCIAIS E
PODER POLÍTICO
O Reforço do Poder Senhorial

                    RECONQUISTA CRISTÃ




            DOAÇÕES DE TERRAS FEITAS PELOS REIS
           PORTUGUESES AO CLERO E NOBREZA PELOS
                   SERVIÇOS PRESTADOS




      SENHORIOS DA NOBREZA       SENHORIOS DO CLERO
           (HONRAS)                   (COUTOS)




                REFORÇO DO PODER SENHORIAL
Honras – Domínios da nobreza (Norte do País)


Coutos – Domínios do Clero (Sul do País)
Os Benefícios dos Senhorios


•   JEIRAS e JUGADOS – Serviços
    gratuitos prestados pelos camponeses
    do domínio senhorial.
•   RENDAS– Pagamento feito pelos
    camponeses pelo uso e exploração dos
    casais (mansos).
•   DÍZIMO – Imposto pago pelos
    camponeses nos domínios senhoriais
    do clero (1/10 da produção).
•   ISENÇÃO FISCAL – Isentos de
    impostos ao rei.
•   APLICAÇÃO DA JUSTIÇA – Direito de
                                           Quem atravessava o domínio senhorial pagava
    aplicar a justiça nos seus domínios.                   Portagem
Os Concelhos

  AVANÇO DA RECONQUISTA PARA SUL

   (NECESSIDADE DE POVOAR E DEFENDER
       AS ÁREAS RECONQUISTADAS)




        CRIAÇÃO DE CONCELHOS

            (CARTA DE FORAL)




CARTA DE FORAL – Documento através do qual
o rei criava os concelhos e onde estavam definidos
os direitos e deveres dos seus habitantes.           CONCELHOS
Os Símbolos dos Concelhos



                  SELO




     HABITANTES DOS CONCELHOS


•    Cavaleiros-vilãos ou Homens-bons
     (tinham rendimentos suficientes
                                                                PELOURINHO
     para servir a cavalo no exército do
     rei).

•    Peões (pequenos proprietários e
     rendeiros que trabalhavam em troca    CONCELHOS – Comunidade de homens
     de salário).                          livres que tinham autonomia administrativa e
                                           judicial.
A Centralização do Poder Régio

Entre os séculos XIII-XIV os reis
em Portugal vão criar medidas
para limitar os poderes das
ordens privilegiadas e                                Inquéritos feitos
                                                     pelo poder central
centralizar o poder em si                               no sentido de
próprios:                            Inquirições      recuperar terras
                                                      usurpadas pelos
                                                      senhores à coroa


                                                     Confirmação de
              Medidas a                              bens doados pela
            partir do século        Confirmações         coroa aos
                  XIII                                 senhores e às
                                                        povoações

                                                          Impedir a
                                                      concentração de
                                       Leis de        terras pelo clero.
                                    Desamortização      Proibição de
                                                        adquirir bens
                                                         fundiários
PORTUGAL NO CONTEXTO
EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV
O COMÉRCIO EUROPEU DOS
SÉCULOS XII E XIV
Os Centros do Comércio Internacional


No século XIII as rotas
terrestres, fluviais e
marítimas colocavam em
contacto quatro grandes
centros do comércio
internacional europeu:


     Liga Hanseática


     Feiras da
     Champagne

     Cidades Italianas


     Flandres
Lisboa nos Circuitos Comerciais do Século XIII

                  O transporte terrestre continuava problemático pois
                       era muito caro devido à sua lentidão e ao
                        pagamento de peagens e de portagens.




                         O transporte preferido era o fluvial e
                       marítimo porque era mais rápido e barato




 Lisboa tornou-se porto de escala das rotas
 europeias o que tornou a cidade centro da
  vida económica, política e social do país
Lisboa e o Comércio
Externo Português

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medievalcattonia
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romanoVítor Santos
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medievalcattonia
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANOCarina Vale
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direitoNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Vítor Santos
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANOCarina Vale
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xivcattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismocattonia
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...200166754
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundoCatarinaTavares28
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoVítor Santos
 

Mais procurados (20)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
01 02_o_modelo_romano
01  02_o_modelo_romano01  02_o_modelo_romano
01 02_o_modelo_romano
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
A crise comercial de 1670, a política mercantilista do conde da Ericeira e o ...
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 15_16triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 

Destaque

Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXTeresa Maia
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiVítor Santos
 
D3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivD3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivVítor Santos
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiAna Barreiros
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaVítor Santos
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueVítor Santos
 
A construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaA construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaSusana Simões
 
Desenvolvimento economico sec_xii
Desenvolvimento economico sec_xiiDesenvolvimento economico sec_xii
Desenvolvimento economico sec_xiiIsabel Ribeiro
 
O pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimento
O pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimentoO pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimento
O pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimentoRafael Pinto
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1Carla Teixeira
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeJoão Lima
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVICatarina Sequeira
 
Energia Fontes E Formas De Energia
Energia   Fontes E Formas De EnergiaEnergia   Fontes E Formas De Energia
Energia Fontes E Formas De EnergiaJoão França
 
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisLeopoldo Galvão
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.João Medeiros
 
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão MarítimaRevisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão MarítimaJanaína Bindá
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaPaulo Alexandre
 
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas Vídeo Aulas Apoio
 

Destaque (20)

Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
 
D3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivD3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xiv
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
 
A construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeiaA construção da modernidade europeia
A construção da modernidade europeia
 
Desenvolvimento economico sec_xii
Desenvolvimento economico sec_xiiDesenvolvimento economico sec_xii
Desenvolvimento economico sec_xii
 
O pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimento
O pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimentoO pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimento
O pensamento econômico brasileiro – o ciclo ideológico do desenvolvimento
 
Crescimento económico parte 1
Crescimento económico  parte 1Crescimento económico  parte 1
Crescimento económico parte 1
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
Energia Fontes E Formas De Energia
Energia   Fontes E Formas De EnergiaEnergia   Fontes E Formas De Energia
Energia Fontes E Formas De Energia
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 
Formação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionaisFormação dos estados nacionais
Formação dos estados nacionais
 
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
O Fim do Antigo Regime, Revolução Francesa e Era Napoleônica.
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão MarítimaRevisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
Revisão 7º ANO - ASSUNTO: Expansão Marítima
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução Francesa
 
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
www.CentroApoio.com - História - Formação dos Estados Nacionais - Vídeo Aulas
 

Semelhante a Portugal nos Séculos XII-XIV: Progressos Agrícolas e Crescimento Econômico

portugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdf
portugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdfportugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdf
portugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdfMonicaSalvador14
 
Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)
Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)
Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)Maria Pereira Mota
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVCarlos Vieira
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVCarlos Vieira
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xivFlora Domingos
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoBeatrizMarques25
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVCarlos Vieira
 
Concelhos e cortes
Concelhos e cortesConcelhos e cortes
Concelhos e cortescattonia
 
Poder na idade média
Poder na idade médiaPoder na idade média
Poder na idade médiaMaria Gomes
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder localKarina Bastos
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Laboratório de História
 

Semelhante a Portugal nos Séculos XII-XIV: Progressos Agrícolas e Crescimento Econômico (20)

portugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdf
portugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdfportugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdf
portugal-sc3a9culos-xii-a-xiv.pdf
 
Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)
Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)
Portugalsculosxii xiv-120528194411-phpapp01 (1)
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
 
Foral Manuelino de Vila Real - 1515 (v. digital)
Foral Manuelino de Vila Real - 1515 (v. digital)Foral Manuelino de Vila Real - 1515 (v. digital)
Foral Manuelino de Vila Real - 1515 (v. digital)
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Concelhos e cortes
Concelhos e cortesConcelhos e cortes
Concelhos e cortes
 
O Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptxO Feudalismo.pptx
O Feudalismo.pptx
 
Poder na idade média
Poder na idade médiaPoder na idade média
Poder na idade média
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder local
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Aula feudalismo
Aula feudalismoAula feudalismo
Aula feudalismo
 
Absolutismo 8
Absolutismo 8Absolutismo 8
Absolutismo 8
 

Mais de Nelson Faustino

Mais de Nelson Faustino (10)

A Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de PortugalA Reconquista e a Formação de Portugal
A Reconquista e a Formação de Portugal
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Revoluçao Agricola e Revolução Industrial
Revoluçao Agricola e Revolução IndustrialRevoluçao Agricola e Revolução Industrial
Revoluçao Agricola e Revolução Industrial
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo ComercialA Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
A Disputa dos Mares e a Afirmação do Capitalismo Comercial
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 

Portugal nos Séculos XII-XIV: Progressos Agrícolas e Crescimento Econômico

  • 1. PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O DINAMISMO RURAL E O CRESCIMENTO ECONÓMICO
  • 2. O Crescimento Demográfico Séculos XII-XIV FIM DAS INVASÕES ALTERAÇÕES (CLIMA DE PAZ) CLIMÁTICAS AUMENTO DA PRODUÇÃO AGÍCOLA MELHORIA DA ALIMENTAÇÃO (AUMENTO DEMOGRÁFICO)
  • 3. Os Progressos Agrícolas O aumento da produção agrícola está ligado à aplicação das seguintes técnicas: • Arroteias – Aproveitamento de terras através do derrube de florestas e drenagem de pântanos. • Utilização do ferro – Substituição da madeira pelo ferro nas alfaias agrícolas (arado). • Adubação – Utilização de estrume animal para fertilização dos campos. • Construção de moinhos de vento e de água – moer cereal. • Afolhamento trienal – Divisão da terra em três folhas.
  • 5. Os Progressos Agrícolas Afolhamento Trienal
  • 6. Os Progressos nos Transportes • Ferradura – Aplicação da ferradura nos cascos (impedia o desgaste). • Atrelagem em fila – Facilitava a deslocação de cargas pesadas. • Uso da Coelheira – Colocação de uma coleira nas omoplatas facilitando a tração. • Leme fixo à popa – facilitava a manobra dos navios. A – Atrelagem Tradicional B – Atrelagem com Coelheira
  • 7. A Reanimação do Comércio PROGRESSOS NOS AUMENTO DA TRANSPORTES PRODUÇÃO AGRÍCOLA + CLIMA DE PAZ EXCEDENTES MAIOR SEGURANÇA DE DE PRODUÇÃO DESLOCAÇÕES REANIMAÇÃO DO COMÉRCIO (MERCADOS E FEIRAS) + REAPARECIMENTO DA MOEDA
  • 8. A Reanimação do Comércio: Mercados e Feiras FEIRAS – Realizavam-se uma vez por MERCADOS – Realizavam-se com ano e envolviam mercadores de lugares frequência (semanalmente/mensalmente) muito distantes (estavam associadas a e apenas envolviam mercadores locais festas religiosas e peregrinações). ou regionais. CRIADAS PELA CARTA DE FEIRA CARTA DE FEIRA – Documento passado pelo rei que estabelecia as regras da feira e os direitos e deveres dos mercadores
  • 9.
  • 10. A Reanimação das Cidades REALIZAÇÃO DE FEIRAS E MERCADOS NA PROXIMIDADE DAS CIDADES CRESCIMENTO DOS CENTROS URBANOS APARECIMENTO ALARGAMENTO DAS DE NOVAS CIDADES CIDADES EXISTENTES BURGOS (Novos Bairros em que os habitantes deram origem a uma nova classe – BURGUESIA)
  • 11. PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV RELAÇÕES SOCIAIS E PODER POLÍTICO
  • 12. O Reforço do Poder Senhorial RECONQUISTA CRISTÃ DOAÇÕES DE TERRAS FEITAS PELOS REIS PORTUGUESES AO CLERO E NOBREZA PELOS SERVIÇOS PRESTADOS SENHORIOS DA NOBREZA SENHORIOS DO CLERO (HONRAS) (COUTOS) REFORÇO DO PODER SENHORIAL
  • 13. Honras – Domínios da nobreza (Norte do País) Coutos – Domínios do Clero (Sul do País)
  • 14. Os Benefícios dos Senhorios • JEIRAS e JUGADOS – Serviços gratuitos prestados pelos camponeses do domínio senhorial. • RENDAS– Pagamento feito pelos camponeses pelo uso e exploração dos casais (mansos). • DÍZIMO – Imposto pago pelos camponeses nos domínios senhoriais do clero (1/10 da produção). • ISENÇÃO FISCAL – Isentos de impostos ao rei. • APLICAÇÃO DA JUSTIÇA – Direito de Quem atravessava o domínio senhorial pagava aplicar a justiça nos seus domínios. Portagem
  • 15. Os Concelhos AVANÇO DA RECONQUISTA PARA SUL (NECESSIDADE DE POVOAR E DEFENDER AS ÁREAS RECONQUISTADAS) CRIAÇÃO DE CONCELHOS (CARTA DE FORAL) CARTA DE FORAL – Documento através do qual o rei criava os concelhos e onde estavam definidos os direitos e deveres dos seus habitantes. CONCELHOS
  • 16. Os Símbolos dos Concelhos SELO HABITANTES DOS CONCELHOS • Cavaleiros-vilãos ou Homens-bons (tinham rendimentos suficientes PELOURINHO para servir a cavalo no exército do rei). • Peões (pequenos proprietários e rendeiros que trabalhavam em troca CONCELHOS – Comunidade de homens de salário). livres que tinham autonomia administrativa e judicial.
  • 17. A Centralização do Poder Régio Entre os séculos XIII-XIV os reis em Portugal vão criar medidas para limitar os poderes das ordens privilegiadas e Inquéritos feitos pelo poder central centralizar o poder em si no sentido de próprios: Inquirições recuperar terras usurpadas pelos senhores à coroa Confirmação de Medidas a bens doados pela partir do século Confirmações coroa aos XIII senhores e às povoações Impedir a concentração de Leis de terras pelo clero. Desamortização Proibição de adquirir bens fundiários
  • 18. PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XII-XIV O COMÉRCIO EUROPEU DOS SÉCULOS XII E XIV
  • 19. Os Centros do Comércio Internacional No século XIII as rotas terrestres, fluviais e marítimas colocavam em contacto quatro grandes centros do comércio internacional europeu: Liga Hanseática Feiras da Champagne Cidades Italianas Flandres
  • 20. Lisboa nos Circuitos Comerciais do Século XIII O transporte terrestre continuava problemático pois era muito caro devido à sua lentidão e ao pagamento de peagens e de portagens. O transporte preferido era o fluvial e marítimo porque era mais rápido e barato Lisboa tornou-se porto de escala das rotas europeias o que tornou a cidade centro da vida económica, política e social do país
  • 21. Lisboa e o Comércio Externo Português