SlideShare uma empresa Scribd logo
Idade Média
História 7º ano Prof. Carla Freitas

Cultura

Cultura Monástica
Desenvolvida pelos monges nos mosteiros
 Mosteiros eram centros Culturais:
 Escolas monásticas – Ensino era em latim e tinha
como base a Bíblia e a doutrina da Igreja.
 Oficinas de cópias de livros – greco-romanos,
cristãos e muçulmanos
 Bibliotecas – com manuscritos antigos onde
estava preservada a sabedoria ancestral.
 Em Portugal destacaram-se os mosteiros de:
 Lorvão
 Santa Cruz de Coimbra,
 Alcobaça
 São Vicente de Lisboa

Cultura Monástica
Iluminuras

Cultura Cortesã
Desenvolvida nas cortes de reis
e nos palácios e castelos dos
senhores
 Reis e grandes senhores
começam a rodear-se de uma
numerosa corte.
 Surgem inúmeras diversões de
Corte:
 Banquetes
 Caça
 Torneios
 Jogos de tabuleiro

Cultura Cortesã
 Aparecem os Jograis e Trovadores - que
recitavam e cantavam
 Cantigas de gesta (poema épico narrativo
medieval que celebra os feitos de heróis do
passado)
 Cantigas de amigo (o assunto era a ausência
de um amigo, confidenciava o amor e a
saudade)
 Cantigas de amor (o único tema tratado era o
amor pela sua dama)
 Cantigas de escárnio e maldizer (fazia-se a
sátira/ a sociedade em geral – a vida da corte,
as dificuldades económicas de certos estratos
sociais, as aspirações da burguesia e aspectos
caricatos da vida das camadas populares.

Cultura Cortesã
Ai eu, coitada, como vivo en gran
cuidado
por meu amigo, que hei alongado!
Muito me tarda
o meu amigo na Guarda!
Afonso X ou Sancho I
Se eu podesse desamar
a quen me sempre desamou,
e podess'algún mal buscar
a quen me sempre mal buscou!
Assí me vingaría eu,
se eu podesse coita dar,
a quen me sempre coita deu.
Pero da Ponte
Foi un día Lopo jograr
a casa dun infançón cantar,
e mandou-lh'ele por don dar
tres couces na garganta;
e fui-lh'escass', a meu cuidar,
segundo com'el canta.
Martin Soares

Cultura Cortesã
 Literatura
 Romances de cavalaria (relatam
feitos lendários de cavaleiros como
a corte do rei Artur)
 Vida dos santos (relatam a vida de
santos)
 Crónicas (textos históricos que
relatam os acontecimentos – de um
reinado ou dinastia - por ordem
cronológica)
 Literatura genealógica (relatam
feitos valorosos de famílias nobres)

Cultura Popular
Desenvolvida nos
campos e cidades
 Assentava, sobretudo, na
tradição oral - estava ligada
às lendas, cantares de
trabalho e contos
 Os jograis divulgavam-nas
nas feiras e romarias.
 Era transmitida oralmente
de terra em terra e de
geração em geração

Cultura Popular
Pois nossas madres van a San Simón
de Val de Prados candeas queimar,
nós, as meninhas, punhemos d'andar
con nossas madres, e elas entón
queimen candeas por nós e por si,
e nós, meninhas, bailaremos i.
Nossos amigos todos lá irán
por nos veer e andaremos nós
bailand'ant'eles, fremosas, en cos,
e nossas madres, pois que alá van,
queimen candeas por nós e por si,
e nós, meninhas, bailaremos i.
Nossos amigos irán por cousir
como bailamos, e poden veer,
bailar moças de mui bon parecer,
e nossas madres, pois lá queren ir,
queimen candeas por nós e por si,
e nós, meninhas, bailaremos i.
Pero de Viviães

Cultura Popular
 As romarias, os mercados e as
feiras atraíam músicos,
malabaristas e dançarinos.
 Encontrava-se aí:
• Bailes, dança
• Procissões
• Música popular
• Saltimbancos
• Declamação de poesia

Aparecimento das
Universidades
As escolas monásticas e episcopais eram para
formação religiosa, insuficiente para as
populações das cidades (interessada em
conhecimentos administrativos e comerciais)
Surgem associações de estudantes e professores
(Universidades ou Estudos gerais) onde se
promove um estudo racional de:
Teologia
Direito
Medicina

Estudos Gerais
Lisboa/Coimbra
 1290 - Criação do Estudo Geral
Português por D. Dinis em Lisboa,
após autorização do Papa, com as
Faculdades de Artes, Direito Canónico
(Cânones), Direito Civil (Leis) e
Medicina.
 1308 - O Estudo Geral passa para
Coimbra.
 1338 – Volta a regressar a Lisboa
 1354 – Volta para Coimbra
 1377 - Novo regresso a Lisboa
 1537 – Instalação definitiva em
Coimbra

Religião

Igreja
A Igreja tinha variadas
utilizações, servia de local de:
Culto
Resolução de conflitos recorrendo
ao Padre
Proclamações e avisos
Reuniões
Local de diversão onde se
ouviam jograis, trovadores e se
representavam autos

Religião
Marco da vida quotidiana
Igreja marca o ritmo e o horário de
trabalho
Sinos marcavam o início e o fim do
trabalho
Festas religiosas marcavam os dias de
descanso
As horas de oração marcavam o ritmo
dos dias
Cerimónias religiosas marcavam toda a
vida do Homem
Baptismo
Crisma
Penitência
Comunhão
Extrema Unção

Religião
Pecados e Penitências
“As penas mais violentas abrangiam quinze anos de penitência, com proibição de receber os
sacramentos, jejuns e mortificações contínuas.(...) Recebiam-nas os sodomitas (...) os
incestuosos (...) os incendiários de igrejas e os assassinos de clérigos (...).”
“ Pecava ( ... ) foi torpe em comer ou
em beber, abrindo muito a boca ou
soando com os beiços, como besta,
ou vertendo os manjares ou o vinho
por si ou por a mesa, ou metendo
torpemente toda a mão ou todos os
dedos em escudela(...)”
“ Se algum se banhou em banho com
as mulheres e as viu nuas, e ainda a
sua mulher mesma, jejue dois dias em
pão e água.”
“Quase todas as penitências podiam, no
entanto, ser remidas por oração ou por
esmola. A um dia a pão e água equivaliam
quarenta salmos rezados de joelhos ou
setenta rezados em pé, acompanhados de
caridade de dar de comer a um pobre. Cinco
dinheiros faziam o mesmo serviço remissório.
(...) facilitava a absolvição dos pecadores
ricos que distribuíam pelos pobres e pelos
cofres da igreja somas avultadas.( ... ) era um
meio de enriquecer o clero e promover a
assistência aos pobres(...)”

Peregrinações
 Santiago de Compostela
 Roma
 Igreja do Santo Sepulcro (Jerusalém)

Paganismo
Mantêm-se o culto naturalista
com a crença em :
Signos
Estrelas
Maus olhados
Encantamentos
Agoiros
Magia

Ordens Mendicantes
“(…) Viver em obediência, pobreza e
castidade (…).
Os irmãos não terão nada de próprio,
nem casa, nem terra, nem coisa
nenhuma, mas como peregrinos e
estrangeiros neste mundo, servindo o
Senhor em pobreza e humildade, sigam
pedindo esmolas confiadamente.”
Regra de S. Francisco, 1223

Ordens Mendicantes
Surgem como reação ao luxo, em que viviam
muitos membros do clero.
Viviam do seu trabalho e de esmolas
 Prestavam assistência aos mais necessitados
Estavam em constante contacto com a
população
As duas ordens religiosas que vão defender
o ideal de pobreza e de humildade são:
1209 – Franciscanos, fundada por S.
Francisco de Assis.
 1215 – Dominicanos, fundada por S.
Domingos de Gusmão.

Arte

Românico
Estilo artístico surgido nos finais do século X
e inícios do século XI, e que se prolonga até ao
século XIII, nalgumas zonas da Europa
Ocidental.
 O seu nome foi-lhe atribuído pelos
historiadores de arte devido às influências
romanas.
 De carácter essencialmente religioso
(igrejas e conventos), civil (Domus
Municipalis de Bragança ) e militar
(castelos).
Igreja de St. Nectaire
Sé velha de Coimbra

Românico
Características
Arcos de volta inteira Abóbadas de berço

Paredes robustas e grossas
Reforçadas com contrafortes
Interiores com pouca iluminação
Igreja da Cedofeita - Porto Vézelay, Borgonha
Mosteiro de Santa María la Real de Irache - Ayegui - Aiegi
Românico
Características

Planta em cruz latina
Catedral de Santiago de Compostela
Nave central
Naves laterais
Cruzeiro ou Transepto
Deambulatório
Absidíolos
Românico
Características

Escultura nos tímpanos, arquivoltas e capitéis
Capiteis historiados ou com monstros grotescos para lembrar e
afastar o mal
Tímpano Portal Sul, Santiago de
Compostela, Galiza
Românico
Características

Decoração com frescos
Românico
Características
Frescos Românicos de São Vicente de
Tahull, Barcelona, séc. XII
Frescos na Igreja de Nossa Senhora do Sepulcro
dos Templários, Trancoso, 1162

Grandes Igrejas
Sé de Lisboa
Sé de Coimbra
Sé de Porto
Sé de Braga
Românico
Em Portugal

Pequenas Igrejas Rurais
S. Pedro de Rates
Santo André de Algosinho
Nossa Senhora da Azinheira, Outeiro Seco,
Chaves
Românico
Em Portugal

Castelos e Fortalezas
Castelo de Longroiva, Guarda
Edificios Municipais
Domus Municipalis de
Bragança
Românico
Em Portugal

Gótico
Estilo artístico surgido na Europa entre os
séculos XII e XIII e que se prolonga até ao séc.
XV
 Nome criado por Vasari com fortes
conotações pejorativas, designando um
estilo somente digno de bárbaros e
vãndalos
 Ligado ao desenvolvimento económico das
cidades e ao crescimento da burguesia
 Associado ao fortalecimento do poder real
Catedral de Colónia

Verticalidade – Aproximação do reino
dos céus
Gótico
Características
Catedral de Colónia
Notre Dame, Paris Tours

Amplitude dos espaços interiores
Gótico
Características
Sainte-Chapelle Canterbury
Salisbury

Arco em Ogiva
Abóboda em cruzaria de ogivas
Gótico
Características
Saint Adriá de Besos Mosteiro da Batalha Sainte-Chapelle
Amiens
Decoração abundante
Portais Monumentais
Arcobotantes e Botaréus
Pináculos e Agulhas
Gótico
Características
Notre-Dame
Abadia de WestminsterDuomo de Milão
Ambiente de luz divina
Grandes janelas
Rosáceas
Utilização de vitrais
Gótico
Características
Notre-Dame Sainte-ChapelleCatedral de Colónia
Associação à estatuária
Gótico
Características
Notre-Dame
Catedral de Chartres
Mais modesto
Ligado sobretudo a mosteiros
Surge em alguns castelos
Gótico
Em Portugal
Mosteiro de Leça do Balio
Mosteiro de Alcobaça
Santa Maria da Feira
Mosteiro da Batalha
Gótico
Português

 Cultura Monástica – Cultura desenvolvida nos mosteiros pelos
monges
 Cultura Cortesã – Cultura desenvolvida nas cirtes de reis e de
grandes senhores
 Cultura popular – Cultura do povo, tradicionalmente de
transmissão oral, onde se incluem danças, cantares, lendas e
contos.
 Jogral – poeta e músico ambulante que ganhava a vida
divertindo o público das cortes ou nas feiras.
 Trovador – Poeta nobre que compunha trovas para serem
cantadas
 Universidades – Corporação de pessoas, com direitos especiais,
concedidos pelo papa ou pelos reis: acolhia alunos de qualquer
parte, tinha um conjuntos de mestres que ensinavam as diferentes
disciplinas e no final concediam uma licenciatura.
1. Caracterizar as culturas monástica, cortesã e
popular.
2. Explicar o aparecimento das universidades.
3. Justificar a importância da Igreja na Idade Média
4. Identificar as principais zonas de destino dos
peregrinos.
5. Identificar as ordens mendicantes.
6. Explicar o que eram as ordens mendicantes.
7. Identificar vestigios de paganismo na idade
média.
8. Caracterizar o Românico.
9. Caracterizar o Gótico.
Metas
O que deves saber desta matéria

Voltamos à
crise!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalEstilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Rui Nobre
 
Rates
RatesRates
Rates
cattonia
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
Ana Barreiros
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
Ana Barreiros
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
cattonia
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
Cátia Botelho
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesMódulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Carla Freitas
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
Carla Teixeira
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
bamp
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
TLopes
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
Carla Freitas
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
cattonia
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
Susana Simões
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
cattonia
 

Mais procurados (20)

Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em PortugalEstilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
Estilo Manuelino e Estilo Renascentista Em Portugal
 
Rates
RatesRates
Rates
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Cultura da catedral
Cultura da catedralCultura da catedral
Cultura da catedral
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de RatesMódulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
Módulo 3 - Caso Prático 2 Igreja de S. Pedro de Rates
 
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
A cultura monástica, cortesã e popular parte 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
 

Semelhante a 21 - Cultura, Religião e Arte Medievais

Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
Carla Freitas
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
Joana Filipa Rodrigues
 
I D A D E M D I Aok
I D A D E M D I AokI D A D E M D I Aok
I D A D E M D I Aok
José Miguel Dos Santos
 
Idademdi Aok
Idademdi AokIdademdi Aok
As viagens na idade média
As viagens na idade médiaAs viagens na idade média
As viagens na idade média
Escola Luis de Freitas Branco
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
PROFºWILTONREIS
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
Camila24463
 
Probandus 011
Probandus 011Probandus 011
Probandus 011
Maximiliano Pessôa
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
Carla Freitas
 
1 dia cópia
1 dia   cópia1 dia   cópia
1 dia cópia
trilusofona
 
CONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptx
CONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptxCONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptx
CONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptx
Martin M Flynn
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
trilusofona
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
trilusofona
 
Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)
Diego Prezia
 
hca10_m3_s_pedro_de_rates.pptx
hca10_m3_s_pedro_de_rates.pptxhca10_m3_s_pedro_de_rates.pptx
hca10_m3_s_pedro_de_rates.pptx
AndreiaSimes26
 
A cultura medieval
A cultura medievalA cultura medieval
A cultura medieval
cattonia
 
Jb news informativo nr. 2214
Jb news   informativo nr. 2214Jb news   informativo nr. 2214
Jb news informativo nr. 2214
JB News
 
O folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileiraO folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileira
Alessandra Silva Costa
 
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptxA Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
ssuser74563c1
 

Semelhante a 21 - Cultura, Religião e Arte Medievais (20)

Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
 
I D A D E M D I Aok
I D A D E M D I AokI D A D E M D I Aok
I D A D E M D I Aok
 
Idademdi Aok
Idademdi AokIdademdi Aok
Idademdi Aok
 
As viagens na idade média
As viagens na idade médiaAs viagens na idade média
As viagens na idade média
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 
Probandus 011
Probandus 011Probandus 011
Probandus 011
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
 
1 dia cópia
1 dia   cópia1 dia   cópia
1 dia cópia
 
CONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptx
CONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptxCONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptx
CONFRATERNIDADES, PROCISSÃO, e SEMANA SANTA.pptx
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
 
2 dia cópia
2 dia   cópia2 dia   cópia
2 dia cópia
 
Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)
 
hca10_m3_s_pedro_de_rates.pptx
hca10_m3_s_pedro_de_rates.pptxhca10_m3_s_pedro_de_rates.pptx
hca10_m3_s_pedro_de_rates.pptx
 
A cultura medieval
A cultura medievalA cultura medieval
A cultura medieval
 
Jb news informativo nr. 2214
Jb news   informativo nr. 2214Jb news   informativo nr. 2214
Jb news informativo nr. 2214
 
O folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileiraO folclore na literatura brasileira
O folclore na literatura brasileira
 
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptxA Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
A Poesia Trovadoresca - contextualização .pptx
 

Mais de Carla Freitas

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
Carla Freitas
 

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 

21 - Cultura, Religião e Arte Medievais

  • 1. Idade Média História 7º ano Prof. Carla Freitas
  • 3.  Cultura Monástica Desenvolvida pelos monges nos mosteiros  Mosteiros eram centros Culturais:  Escolas monásticas – Ensino era em latim e tinha como base a Bíblia e a doutrina da Igreja.  Oficinas de cópias de livros – greco-romanos, cristãos e muçulmanos  Bibliotecas – com manuscritos antigos onde estava preservada a sabedoria ancestral.  Em Portugal destacaram-se os mosteiros de:  Lorvão  Santa Cruz de Coimbra,  Alcobaça  São Vicente de Lisboa
  • 5.  Cultura Cortesã Desenvolvida nas cortes de reis e nos palácios e castelos dos senhores  Reis e grandes senhores começam a rodear-se de uma numerosa corte.  Surgem inúmeras diversões de Corte:  Banquetes  Caça  Torneios  Jogos de tabuleiro
  • 6.  Cultura Cortesã  Aparecem os Jograis e Trovadores - que recitavam e cantavam  Cantigas de gesta (poema épico narrativo medieval que celebra os feitos de heróis do passado)  Cantigas de amigo (o assunto era a ausência de um amigo, confidenciava o amor e a saudade)  Cantigas de amor (o único tema tratado era o amor pela sua dama)  Cantigas de escárnio e maldizer (fazia-se a sátira/ a sociedade em geral – a vida da corte, as dificuldades económicas de certos estratos sociais, as aspirações da burguesia e aspectos caricatos da vida das camadas populares.
  • 7.  Cultura Cortesã Ai eu, coitada, como vivo en gran cuidado por meu amigo, que hei alongado! Muito me tarda o meu amigo na Guarda! Afonso X ou Sancho I Se eu podesse desamar a quen me sempre desamou, e podess'algún mal buscar a quen me sempre mal buscou! Assí me vingaría eu, se eu podesse coita dar, a quen me sempre coita deu. Pero da Ponte Foi un día Lopo jograr a casa dun infançón cantar, e mandou-lh'ele por don dar tres couces na garganta; e fui-lh'escass', a meu cuidar, segundo com'el canta. Martin Soares
  • 8.  Cultura Cortesã  Literatura  Romances de cavalaria (relatam feitos lendários de cavaleiros como a corte do rei Artur)  Vida dos santos (relatam a vida de santos)  Crónicas (textos históricos que relatam os acontecimentos – de um reinado ou dinastia - por ordem cronológica)  Literatura genealógica (relatam feitos valorosos de famílias nobres)
  • 9.  Cultura Popular Desenvolvida nos campos e cidades  Assentava, sobretudo, na tradição oral - estava ligada às lendas, cantares de trabalho e contos  Os jograis divulgavam-nas nas feiras e romarias.  Era transmitida oralmente de terra em terra e de geração em geração
  • 10.  Cultura Popular Pois nossas madres van a San Simón de Val de Prados candeas queimar, nós, as meninhas, punhemos d'andar con nossas madres, e elas entón queimen candeas por nós e por si, e nós, meninhas, bailaremos i. Nossos amigos todos lá irán por nos veer e andaremos nós bailand'ant'eles, fremosas, en cos, e nossas madres, pois que alá van, queimen candeas por nós e por si, e nós, meninhas, bailaremos i. Nossos amigos irán por cousir como bailamos, e poden veer, bailar moças de mui bon parecer, e nossas madres, pois lá queren ir, queimen candeas por nós e por si, e nós, meninhas, bailaremos i. Pero de Viviães
  • 11.  Cultura Popular  As romarias, os mercados e as feiras atraíam músicos, malabaristas e dançarinos.  Encontrava-se aí: • Bailes, dança • Procissões • Música popular • Saltimbancos • Declamação de poesia
  • 12.  Aparecimento das Universidades As escolas monásticas e episcopais eram para formação religiosa, insuficiente para as populações das cidades (interessada em conhecimentos administrativos e comerciais) Surgem associações de estudantes e professores (Universidades ou Estudos gerais) onde se promove um estudo racional de: Teologia Direito Medicina
  • 13.
  • 14.  Estudos Gerais Lisboa/Coimbra  1290 - Criação do Estudo Geral Português por D. Dinis em Lisboa, após autorização do Papa, com as Faculdades de Artes, Direito Canónico (Cânones), Direito Civil (Leis) e Medicina.  1308 - O Estudo Geral passa para Coimbra.  1338 – Volta a regressar a Lisboa  1354 – Volta para Coimbra  1377 - Novo regresso a Lisboa  1537 – Instalação definitiva em Coimbra
  • 16.  Igreja A Igreja tinha variadas utilizações, servia de local de: Culto Resolução de conflitos recorrendo ao Padre Proclamações e avisos Reuniões Local de diversão onde se ouviam jograis, trovadores e se representavam autos
  • 17.  Religião Marco da vida quotidiana Igreja marca o ritmo e o horário de trabalho Sinos marcavam o início e o fim do trabalho Festas religiosas marcavam os dias de descanso As horas de oração marcavam o ritmo dos dias Cerimónias religiosas marcavam toda a vida do Homem Baptismo Crisma Penitência Comunhão Extrema Unção
  • 18.  Religião Pecados e Penitências “As penas mais violentas abrangiam quinze anos de penitência, com proibição de receber os sacramentos, jejuns e mortificações contínuas.(...) Recebiam-nas os sodomitas (...) os incestuosos (...) os incendiários de igrejas e os assassinos de clérigos (...).” “ Pecava ( ... ) foi torpe em comer ou em beber, abrindo muito a boca ou soando com os beiços, como besta, ou vertendo os manjares ou o vinho por si ou por a mesa, ou metendo torpemente toda a mão ou todos os dedos em escudela(...)” “ Se algum se banhou em banho com as mulheres e as viu nuas, e ainda a sua mulher mesma, jejue dois dias em pão e água.” “Quase todas as penitências podiam, no entanto, ser remidas por oração ou por esmola. A um dia a pão e água equivaliam quarenta salmos rezados de joelhos ou setenta rezados em pé, acompanhados de caridade de dar de comer a um pobre. Cinco dinheiros faziam o mesmo serviço remissório. (...) facilitava a absolvição dos pecadores ricos que distribuíam pelos pobres e pelos cofres da igreja somas avultadas.( ... ) era um meio de enriquecer o clero e promover a assistência aos pobres(...)”
  • 19.  Peregrinações  Santiago de Compostela  Roma  Igreja do Santo Sepulcro (Jerusalém)
  • 20.  Paganismo Mantêm-se o culto naturalista com a crença em : Signos Estrelas Maus olhados Encantamentos Agoiros Magia
  • 21.  Ordens Mendicantes “(…) Viver em obediência, pobreza e castidade (…). Os irmãos não terão nada de próprio, nem casa, nem terra, nem coisa nenhuma, mas como peregrinos e estrangeiros neste mundo, servindo o Senhor em pobreza e humildade, sigam pedindo esmolas confiadamente.” Regra de S. Francisco, 1223
  • 22.  Ordens Mendicantes Surgem como reação ao luxo, em que viviam muitos membros do clero. Viviam do seu trabalho e de esmolas  Prestavam assistência aos mais necessitados Estavam em constante contacto com a população As duas ordens religiosas que vão defender o ideal de pobreza e de humildade são: 1209 – Franciscanos, fundada por S. Francisco de Assis.  1215 – Dominicanos, fundada por S. Domingos de Gusmão.
  • 24.  Românico Estilo artístico surgido nos finais do século X e inícios do século XI, e que se prolonga até ao século XIII, nalgumas zonas da Europa Ocidental.  O seu nome foi-lhe atribuído pelos historiadores de arte devido às influências romanas.  De carácter essencialmente religioso (igrejas e conventos), civil (Domus Municipalis de Bragança ) e militar (castelos). Igreja de St. Nectaire Sé velha de Coimbra
  • 25.  Românico Características Arcos de volta inteira Abóbadas de berço
  • 26.  Paredes robustas e grossas Reforçadas com contrafortes Interiores com pouca iluminação Igreja da Cedofeita - Porto Vézelay, Borgonha Mosteiro de Santa María la Real de Irache - Ayegui - Aiegi Românico Características
  • 27.  Planta em cruz latina Catedral de Santiago de Compostela Nave central Naves laterais Cruzeiro ou Transepto Deambulatório Absidíolos Românico Características
  • 28.  Escultura nos tímpanos, arquivoltas e capitéis Capiteis historiados ou com monstros grotescos para lembrar e afastar o mal Tímpano Portal Sul, Santiago de Compostela, Galiza Românico Características
  • 29.  Decoração com frescos Românico Características Frescos Românicos de São Vicente de Tahull, Barcelona, séc. XII Frescos na Igreja de Nossa Senhora do Sepulcro dos Templários, Trancoso, 1162
  • 30.  Grandes Igrejas Sé de Lisboa Sé de Coimbra Sé de Porto Sé de Braga Românico Em Portugal
  • 31.  Pequenas Igrejas Rurais S. Pedro de Rates Santo André de Algosinho Nossa Senhora da Azinheira, Outeiro Seco, Chaves Românico Em Portugal
  • 32.  Castelos e Fortalezas Castelo de Longroiva, Guarda Edificios Municipais Domus Municipalis de Bragança Românico Em Portugal
  • 33.  Gótico Estilo artístico surgido na Europa entre os séculos XII e XIII e que se prolonga até ao séc. XV  Nome criado por Vasari com fortes conotações pejorativas, designando um estilo somente digno de bárbaros e vãndalos  Ligado ao desenvolvimento económico das cidades e ao crescimento da burguesia  Associado ao fortalecimento do poder real Catedral de Colónia
  • 34.  Verticalidade – Aproximação do reino dos céus Gótico Características Catedral de Colónia Notre Dame, Paris Tours
  • 35.  Amplitude dos espaços interiores Gótico Características Sainte-Chapelle Canterbury Salisbury
  • 36.  Arco em Ogiva Abóboda em cruzaria de ogivas Gótico Características Saint Adriá de Besos Mosteiro da Batalha Sainte-Chapelle Amiens
  • 37. Decoração abundante Portais Monumentais Arcobotantes e Botaréus Pináculos e Agulhas Gótico Características Notre-Dame Abadia de WestminsterDuomo de Milão
  • 38. Ambiente de luz divina Grandes janelas Rosáceas Utilização de vitrais Gótico Características Notre-Dame Sainte-ChapelleCatedral de Colónia
  • 40. Mais modesto Ligado sobretudo a mosteiros Surge em alguns castelos Gótico Em Portugal Mosteiro de Leça do Balio Mosteiro de Alcobaça Santa Maria da Feira
  • 42.   Cultura Monástica – Cultura desenvolvida nos mosteiros pelos monges  Cultura Cortesã – Cultura desenvolvida nas cirtes de reis e de grandes senhores  Cultura popular – Cultura do povo, tradicionalmente de transmissão oral, onde se incluem danças, cantares, lendas e contos.  Jogral – poeta e músico ambulante que ganhava a vida divertindo o público das cortes ou nas feiras.  Trovador – Poeta nobre que compunha trovas para serem cantadas  Universidades – Corporação de pessoas, com direitos especiais, concedidos pelo papa ou pelos reis: acolhia alunos de qualquer parte, tinha um conjuntos de mestres que ensinavam as diferentes disciplinas e no final concediam uma licenciatura.
  • 43. 1. Caracterizar as culturas monástica, cortesã e popular. 2. Explicar o aparecimento das universidades. 3. Justificar a importância da Igreja na Idade Média 4. Identificar as principais zonas de destino dos peregrinos. 5. Identificar as ordens mendicantes. 6. Explicar o que eram as ordens mendicantes. 7. Identificar vestigios de paganismo na idade média. 8. Caracterizar o Românico. 9. Caracterizar o Gótico. Metas O que deves saber desta matéria