32 despotismo pombalino

800 visualizações

Publicada em

Despotismo esclarecido
Pombal
Despotismo Pombalino
Reforço do aparelho régio
Submissão dos grupos sociais
promoção da burguesia
economia mercantilista
Terramoto de Lisboa
Reformas na Educação

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
800
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
66
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

32 despotismo pombalino

  1. 1. A Ação de Pombal História 8º ano Prof. Carla Freitas
  2. 2. No século XVIII Europa (Áustria, Prússia e Rússia) Nova concepção do absolutismo DESPOTISMO ESCLARECIDO OU ILUMINADO: Nova concepção do absolutismo, segundo a qual o rei, cujo poder era “esclarecido” ou “iluminado” pela Razão, deveria reforçar e centralizar o seu poder de modo a governar em favor do bem-estar e do progresso do povo. Frederico II da Prússia, Catarina II da Rússia
  3. 3. Tratado de Methuen "Art.º 1 - Sua Sagrada Majestade El Rei de Portugal promete tanto em seu próprio nome como de seus sucessores, admitir para sempre daqui em diante no Reino de Portugal, os panos de lã, e (…) lanifícios de Inglaterra, como era costume até o tempo que foram proibidos pelas leis, não obstante qualquer condição em contrário. Art.º 2 - É estipulado, que Sua Sagrada e Real Majestade Britânica, em seu próprio nome e no de seu s sucessores, será obrigada para sempre daqui em diante admitir na Grã-Bretanha os vinhos (…) de Portugal, de sorte que em tempo algum não se poderá exigir de direitos de alfândega nestes vinhos (…)"  Prejudicou a economia portuguesa porque: • Os têxteis ingleses eram de melhor qualidade e mais baratos. • A entrada de panos ingleses era maior do que a exportação de vinhos. Dependência face à Inglaterra
  4. 4. Reinado de D. João V:  Grande riqueza gasta em luxos, festas, banquetes e construções de monumentos.  Grande parte dos produtos consumidos eram comprados ao estrangeiro.  Dependência face à Inglaterra Diminuição das remessas de ouro vindas do Brasil Fraca produção agrícola e industrial Portugal empobrecido D. José I, sucessor de D. João V, nomeia Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro marquês de Pombal, para seu ministro.
  5. 5. Ministro de D. José I, entre 1750 e 1777 Conde de Oeiras (1759) Marquês de Pombal (1769) Sebastião José de Carvalho e Melo e sua esposa Leonor Daun
  6. 6.  Criação do Erário Régio (organismo que superintendia as finanças do Reino);  Criação da Real Mesa Censória (substituta da Inquisição na censura à imprensa);  Criação da Intendência-Geral da Polícia;  Reorganização do exército;  Reorganização dos impostos, controlados pelo Erário Régio;  Reforma do ensino;  Reforma da Inquisição;  Abolição da distinção entre cristãos-novos e cristãos- velhos. APÓLICES DO REAL ERÁRIO. São notas de emergência emitidas para certo prazo e em certas circunstâncias, para resolver dificuldades financeiras.
  7. 7.  Submissão da alta nobreza e da Companhia de Jesus  Vários membros da alta nobreza foram perseguidos, presos e condenados à morte (ex: a família dos Távoras, acusados de tentarem assassinar o rei D. José I em 1758)  Muitos nobres viram os seus bens confiscados;  Expulsão dos Jesuítas de Portugal e dos territórios ultramarinos (1759- por resistirem à autoridade do Estado e serem um obstáculo às reformas do ensino)
  8. 8. Promoção da burguesia e da pequena nobreza:  Concedeu muitos privilégios  Atribuiu Cargos de confiança  Constituiu uma elite social  Auxílio na política de centralização do poder  Apoio na modernização da administração e da economia.  Abolição da escravatura em Portugal e nas Índias Portuguesas  Manteve-se no Brasil onde era necessária mão de obra para os engenhos
  9. 9. Retomou a política mercantilista  Objetivos: • Desenvolver o comércio • Desenvolver as manufacturas nacionais • Libertar o país da dependência económica em relação à Inglaterra
  10. 10. DESENVOLVIMENTO COMERCIAL - 1753 A 1759  Criou grandes companhias de comércio monopolistas • Companhia da Ásia Portuguesa (1753); • Companhia do Grão-Pará e Maranhão (1755); • Companhia do Pernambuco e Paraíba (1759); • Companhia Real da Agricultura das Vinhas do Alto Douro (1756); • Companhia de Pescas do Algarve (1773);  Proibiu a cultura da vinha em terras próprias para os cereais.
  11. 11. Desenvolvimento das manufacturas 1764 A 1775  Concedeu às manufacturas o monopólio da produção de determinados artigos;  Baixou as taxas alfandegárias sobre as importações de matérias-primas;  Criou e renovou oficinas e manufacturas;
  12. 12. Desenvolvimento das manufacturas 1764 A 1775  Concedeu às manufacturas o monopólio da produção de determinados artigos;  Baixou as taxas alfandegárias sobre as importações de matérias-primas;  Criou e renovou oficinas e manufacturas; • Reorganizou as fábricas reais de lanifícios e a Real Fábrica da Seda; • Financiou a criação de fábricas de vidros (Marinha Grande), louças, cutelarias, fundição, papel e outras; • Fundou a primeira fábrica de refinação de açúcar.
  13. 13. Convento do Carmo Milhares de edifícios destruídos (Paço Real da Ribeira, os armazéns da Casa da Índia e cerca de 15 000 casas, das 20 mil existentes; 35 igrejas, das 40; todos os 6 hospitais e 33 palácios) Morte de vinte mil pessoas Milhares de desalojados. O Terramoto de Lisboa de 1755, quadro de João Glama Strobeal, séc.
  14. 14.  Enterrar os mortos  Socorrer os feridos;  Policiar as ruas e os edifícios mais importantes para evitar roubos;  Elaborar um plano de reconstrução da zona de Lisboa que ficou destruída • Os principais responsáveis pelo plano de reconstrução foram Carlos Mardel, Eugénio dos Santos e Manuel da Maia. A eficácia da sua acção após o terramoto , faz com que se torne um ministro com muitos poderes.
  15. 15.  As ruas passaram a ser largas, com um traçado geométrico e passeios calcetados.  Ruas nomeadas por ofícios, concentrando os artesãos.  O Terreiro do Paço deu lugar à atual Praça do Comércio.
  16. 16.  As casas foram construídas todas da mesma altura e com fachadas iguais para simbolizar a igualdade de todos perante o rei.  Piso térreo dedicado ao comércio  Estrutura anti-sismo: sistema de gaiola.  Foi construída uma rede de esgotos, para pôr fim aos gritos de “água vai”.
  17. 17. LAICIZAÇÃO DO ENSINO - Expulsa os Jesuitas e proibe o uso dos seus manuais; - Promove a ação de estrangeirados em Portugal, - Promove a modernização do ensino: Deixou de estar sob influência da Igreja Ensino laico - acessível a todos. Ribeiro Sanches
  18. 18. LAICIZAÇÃO DO ENSINO - Criação de Escolas Menores oficiais e gratuitas; - Criou escolas régias; - Fundação do Real Colégio dos Nobres; - Fundou a Aula do Comércio - Criou escolas de ensino técnico em Lisboa e no Porto;
  19. 19. LAICIZAÇÃO DO ENSINO - Extinguiu a universidade de Évora, controlada pelos Jesuítas;
  20. 20. LAICIZAÇÃO DO ENSINO - Reformou a Universidade de Coimbra, dotando-a de laboratórios de física e química, jardim botânico e de um observatório astronómico e teatro anatómico; Laboratório Químico da Universidade de Coimbra Jardim Botânico
  21. 21. A Viradeira - Com a morte de D. José I, o Marquês de Pombal cai em descraça; - É afastado da corte pela nova rainha, D. Maria I; - Obrigado a manter-se a mais de 20 milhas da rainha por decreto real.
  22. 22. Iluminismo – Movimento filosófico, intelectual e científico que, durante o século XVIII contrariou as bases do Antigo Regime; tinha como características básicas a importâncioa atribuída à razão e à ciância, a luta contra o absolutismo e contra a igreja, bem como a defesa das liberdades individuais. Despotismo Esclarecido - Forma de governo característica da Europa continental da segunda metade do século XVIII, que embora partilhasse com o absolutismo a exaltação do Estado e do poder do soberano, era animada pelos ideais de progresso, reforma e filantropia do Iluminismo. Mas se se notava uma ruptura parcial com a tradição Medieval, isso não significou o acolhimento de todas as ideias do Iluminismo A expressão "despotismo esclarecido" não foi contemporânea aos acontecimentos, tendo sido forjada mais tarde pelos pesquisadores. Estrangeirado – Intelectuais portugueses que, em finais do século XVII e particularmente no século XVIII, após terem tido contato com os progressos da Revolução científica e a filosofia das Luzes no estrangeiro, retornavam ao país procurando modernizá- lo Conceitos a Reter
  23. 23. Metas O que deves saber desta matéria 1. Definir Despotismo Iluminado. 2. Explicar a dependência de Portugal face ao estrangeiro. 3. Caracterizar o reforço do Estado com o Marquês de Pombal. 4. Justificar a atuação de Pombal perante os grupos sociais. 5. Caracterizar a política económica de Pombal 6. Justificar a ascensão de Pombal. 7. Caracterizar a sua ação após o terramoto de 1755. 8. Descrever em linhas gerais a reconstrução de Lisboa 9. Justificar as reformas no ensino feitas por Pombal. 10. Identificar as reformas no ensino protagonizadas por Pombal

×