Empoderamento Profissional em Enfermagem
Tradução, adaptação e validação de duas escalas
Abílio Cardoso Teixeira (SCI1: CH...
&
A abordar:
0. Introdução
1. Enfermagem - Contextualização
2. Empoderamento Profissional
3. Um estudo
4. Resultados
5. Conc...
INTRODUÇÃO
“A sabedoria consiste em compreender que o tempo dedicado ao trabalho
nunca é perdido.” (Ralph Waldo Emerson)
I...
0. Introdução
Atividades médicas: principais indicadores de produtividade e de
resultados no Sistema de Saúde (Ribeiro, 20...
0. Introdução
Como se justifica a dificuldade do enfermeiro em exercer e
justificar o seu poder?
Empoderamento Profissiona...
0. Introdução
Do empoderar do enfermeiro:
 Aumento da satisfação profissional,
 Promoção da autonomia,
 Aumento da qual...
0. Introdução
Estudo transversal, que segue uma orientação metodológica, com a
tradução e adaptação transcultural do “Cond...
0. Introdução
Objetivos:
 Traduzir, para a língua portuguesa, o “PEI” e o “CWEQ-II”;
 Adaptar, para o contexto em estudo...
0. Introdução
Finalidade:
 Contribuir para a melhoria dos cuidados prestados;
 Contribuir para a expansão dos conhecimen...
ENQUADRAMENTO
“Não há nada tão prático como uma boa teoria” (atribuída a Kurt Lewin)
Introdução | Enquadramento | Um estud...
1. Enfermagem - Contextualização
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
17
Enfermagem –
Profis...
2. Empoderamento Profissional
“As questões de poder ocupam um papel central nas organizações, não porque
os indivíduos ans...
2. Empoderamento Profissional
Relação de Empoderamento com resultados ao nível da organização, tais como
autonomia e parti...
Numa perspetiva profissional:
Teoria estrutural
ênfase nas condições oferecidas pelo
ambiente organizacional.
2. Empoderam...
Numa perspetiva profissional:
Teoria estrutural
ênfase nas condições oferecidas pelo
ambiente organizacional.
Poder formal...
Numa perspetiva profissional:
Teoria estrutural
ênfase nas condições oferecidas pelo
ambiente organizacional.
Poder formal...
Numa perspetiva profissional:
Teoria estrutural
ênfase nas condições oferecidas pelo
ambiente organizacional.
Poder formal...
UM ESTUDO
“ P e d r a s n o c a m i n h o ? G u a r d o t o d a s , u m d i a v o u
c o n s t r u i r u m c a s t e l o . ...
3. Um estudo
 Estudo quantitativo e transversal (Ribeiro, 1999), metodológico,
dado que visa “estabelecer e verificar a f...
3. Um estudo
Em 2011: 891 enfermeiros, pelo que:
 intervalo de confiança de 95%
 percentagem de resposta esperada
de 50/...
3. Um estudo
Estratificação da amostra: de acordo com as orientações de Collins, Onwugbuzie e Jiao
(2006)
Empoderamento Pr...
3. Um estudo
PEI
4 dimensões: Sentido, Competência,
Autodeterminação e Impacto.
16 itens - 1 (discordo plenamente) e 7
(co...
3. Um estudo
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
30
1. Preparação
• Obtenção de
permissão
•...
3. Um estudo
Obtenção de autorizações
Envio de mensagens de correio eletrónico para os
Enfermeiros-Chefe
Primeira ida ao s...
3. Um estudo
• Principios ético-legais
– Autorizações
– Confidencialidade
– Informação
• Fornecimento dos contatos
• Divul...
RESULTADOS
“Todos os homens, por natureza, desejam saber” (Aristóteles)
Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultado...
4. Resultados
Sexo: Feminino – 66%
Média de idades: 26-30 – 141 participantes; 31-35 – 62; 36-40 – 34
Estado civil: Soltei...
4. Resultados
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
35
Urgência
10%
Bloco Operatório
7%
Doenc...
4. Resultados
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
36
Dimensão Q. r α α da dimensão
Sentido
...
4. Resultados
37
Legenda:
Q. – Questão;
r – correlação item/total;
α – alfa de cronbach se o
item for excluído;
α da dimen...
4. Resultados
38
Sentido Autodeterminação Impato Competência Total
Sentido 0,275* 0,173** 0,594* 0,696
Autodeterminação 0,...
4. Resultados
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
39
H2
Factores
1 2 3 4
Sentido (Q2) 0,634...
4. Resultados
40
Legenda:
H2 – Coeficiente
de
comunalidade;
Χ2 – Qui-
quadrado;
gl – graus de
liberdade
H2
Factores
1 2 3 ...
4. Resultados
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
41
Laschinger: os 2 itens de Empoderament...
4. Resultados
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
42
PEI: 5,5 (Competência > Sentido > Auto...
4. Resultados
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
43
PEI: 5,5 (Competência > Sentido > Auto...
CONCLUSÃO
“O Poder é Produtivo” (Graça Carapinheiro)
Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limi...
5. Conclusão
Importância:
• inexistência, na nossa realidade, de instrumentos capazes de mensurar o
Empoderamento profissi...
5. Conclusão
Estudo factorial do PEI determinou 4 factores e o do CWEQ-II determinou 6 factores;
As cargas factoriais e co...
5. Conclusão
Versão obtida: validade psicométrica e adequação à amostra estudada,
garantindo o seu uso futuro em novas pes...
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
48
Empoderamento
estrutural
percepção moderada
•maior p...
5. Conclusão
Populações estudadas têm
características próprias
Empoderamento depende das
condições oferecidas pela
organiz...
5. Conclusão
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
50
5. Conclusão
• A nível hospitalar:
– Empoderamento estrutural: 17,35 - 19,60
– > Oportunidade: ao contrário do apontado po...
5. Conclusão
• Quando a população são gestores:
– > Informação (Dalamo, 1998; McBurney, 1997; Goodwin, 1996; Stevens, 1996...
5. Conclusão
• Stewart et al. (2009):
– Elevada perceção de Empoderamento: Enfermeiras de Prática Avançada do
estado do Co...
5. Conclusão
• Sexo feminino:
– Estudos consultados: ligeiramente superior à realidade portuguesa
– Neste estudo: inferior...
5. Conclusão
• McDonald et al. (2010):
– Profissionais de diferentes áreas (hospitalares e não hospitalares): sem relação
...
5. Conclusão
• Fitzpatrick et at. (2010):
– Enfermeiros de Cuidados Intensivos: certificação poderá significar maior perce...
5. Conclusão
Com este estudo, desenvolvemos instrumentos capazes de avaliar a percepção
de Empoderamento em Enfermagem, pa...
LIMITAÇÕES E SUGESTÕES
“O presente estaria cheio de todos os futuros, se já o passado não
projetasse sobre ele uma históri...
6. Limitações
• Spreitzer (1996) e Laschinger et al. (2001): existem outros factores influenciadores de
Empoderamento, que...
6. Limitações
• Apesar do anonimato do questionário, alguns Enfermeiros mostraram-se relutantes no
seu preenchimento, acre...
7. Sugestões
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
62
• a satisfação profissional;
• o compro...
7. Sugestões
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
63
• isoladamente ou comparativamente
Apli...
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
Empoderamento Profissional em
Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
Referências Bibliográficas
Adamson, B., Kenny, D., & Wilson-Barnett, J. (1995). The impact of perceived medical dominance ...
Collins, K., Onwuegbuzie, A., & Jiao, Q. (2006). Prevalence of Mixed-methods Sampling Designs in Social Science Research. ...
Kanter, R. (1993). Men and women of the corporation. Nova Iorque: Basic Books.
Kostiwa, I., & Meeks, S. (2009). The Relati...
Lautizi, M., Laschinger, H., & Ravazzolo, S. (2009). Workplace empowerment, job satisfaction and job stress among Italian ...
Ribeiro, Jorge (2009). Autonomia Profissional dos Enfermeiros. (Dissertação para obtenção do grau de Mestre, Instituto de ...
Wagner, J., Cummings, G., Smith, D., Olson, J., Anderson, L., & Warren, S. (2010). The relationship between structural emp...
Não basta dirigir-se ao rio com a
intenção de pescar peixes; é
preciso levar também a rede.
/abilio.cardosoteixeira/abiliocardosoteixeira /abiliocardosoteixeira
abilio.cardosoteixeira
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem

683 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Sonho?
  • Sonho?
  • Utopia? Numa fase de alguma maturação profissional e pessoal, decidi enveredar por este caminho
  • No entanto, é possível medir poder/ empoderamento?
  • Dado não encontrarmos instrumentos capazes de mensurar Empoderamento, torna-se importante desenvover este estudo.
  • Para se prosseguir com qualquer investigação, torna-se necessário a elaboração de objetivos que norteiam a mesma. Assim pretendeu-se:

  • 1. História da Enfermagem está ligada à história do feminino (Morais, 2008); Estereótipos: imagem do homem (valor positivo) e da mulher (valor negativo) (Fletcher, 2007)  Sistema de Saúde não é neutro; Mulheres treinadas e não treinadas  sentido de dever; Tradicionalmente: Enfermeira como auxiliar do médico. Médico como patriarca.
    Mulher não socializada para exercer poder (Manojlovich, 2007)

    2. “Enfermagem construiu o seu processo de autonomização como uma «especialização» da Medicina, numa perspetiva interdisciplinar, integradora e evolutiva” (Amendoeira, 2004, p. 14). Importante que o Enfermeiro pense a Enfermagem a partir da prestação de cuidados, tendo que haver um compromisso intrínseco entre os modelos teóricos e os Enfermeiros da prática, resultando na interiorização da sua função (Luz, 2005). Diferenciação de outras profissões de saúde.

    3. 1988: criação do curso superior de Enfermagem; 1990: Inclusão da Enfermagem no Ensino Superior Politécnico

    4. Autonomia do Enfermeiro.
  • CWEQ-II: desenvolvido por Laschinger et al. (2001), a partir do trabalho de Chandler (1986).
    Estados Unidos, Canadá, China, Reino Unido (comparação com a população da Malásia), Alemanha (amostras dos Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Escócia e Inglaterra) e Itália.

    A atitude do individuo depende meramente das condições oferecidas pela organização (Kanter, 1993).
    Manojlovich e Laschinger (2002): forte relação entre as estruturas psicológicas e estruturais
    Empoderamento estrutural engloba elementos que poderão facilitar o Empoderamento psicológico (Spreitzer, 2007; Spreitzer & Doneson, 2005)
    A teoria estrutural, com enfoque na organização, não descreve as reações do individuo às condições oferecidas pela organização, que é explicada pela teoria psicológica.
  • Poder dentro da organização resulta de sistemas formais (que permitem arbitrio e são visiveis e centrais na organização) e informais possibilitando o acesso a estruturas promotoras do empoderamento. Deverão ser criadas as condições para que o profissional tenha acesso à informação, suporte e recursos necessários para o desempenho profissional, assim como as oportunidades para aprender e crescer.

    Sentido – ajuste entre as necessidades de trabalho e as caraterísticas individuais
    Competência – desempenho das funções com habilidade e perícia
    Autodeterminação – capacidade de escolha de inicio e continuidade das ações, refletindo autonomia
    Impacto – modo como se influenciam as decisões administrativas e estratégicas ou os resultados
  • Enfermeiras: 67% (Lautizi, Laschinger & Ravazzolo; 2009) e 100% (Laschinger, Purdy & Almost; 2007).
    Laschinger et al. (2001): 53% dos participantes eram enfermeiras.
    Estudos na China
    Ordem dos Enfermeiros (2012): 81% de enfermeiras
  • Mede se os diversos itens que se propõe a medir o mesmo construto geral, produzem resultados semelhantes.

    De acordo com Spreitzer (2011), aquando do envio do instrumento de colheita de dados, pela aplicação do instrumento em mais de 50 estudos, resultou uma média de validade estimada para as diferentes dimensões de 0,80. Os valores das questões 2 e 1, apesar de apresentarem um valor de coeficiente alfa de Cronbach superior ao valor da dimensão, optamos pela sua manutenção pela sua importância para o construto na sua globalidade.
  • No CWEQ-II, de acordo com McDonald et al. (2010), o coeficiente alfa de Cronbach varia entre: 0,78-0,93 (CWEQ-II total), 0,75-0,85 (Oportunidade), 0,80-0,95 (Informação), 0,72-0,89 (Suporte), 0,71-0,88 (Recursos), 0,61-0,83 (Poder Formal) e 0,63-0,80 (Poder Informal). Os dados obtidos, em consonância com estes estudos, garantem a consistência interna desta escala.
  • A tabela 4 apresenta os coeficientes da correlação de Pearson entre as quatro subescalas. A correlação é estatisticamente significativa, variando entre 0.173 e 0.594, devendo adiantar-se que: 1) Sentido e Competência estão moderadamente correlacionados, bem como Autodeterminação e Impacto e, ainda, Autodeterminação e Competência; 2) Sentido e Autodeterminação e Sentido e Impacto estão fracamente correlacionados, assim como Impacto e Competência.

    A tabela 5 apresenta os coeficientes da correlação de Pearson entre as diferentes subescalas. A correlação é estatisticamente significativa, variando entre 0,370 e 0,621, adiantando-se que as escalas estão moderadamente correlacionadas entre si.
  • Nas tabelas 6 e 7, podem-se conferir os coeficientes de comunalidades, calculados após extração dos factores, com valores acima dos 0.5, assumindo covariâncias significativas. Os factores foram extraídos segundo o critério de Kaiser. Todavia, a escolha dos principais componentes, que justificam a maior parte da variação, foi determinada por aqueles com autovalores superiores a 1. Os itens que apresentaram cargas fatoriais superiores a 0,30 em mais de um factor foram incluídos naquele de maior carga.

    Resultado de KMO (0-1) demonstra boa relação entre as variáveis e uma boa adequação da amostra
  • Nas tabelas 6 e 7, podem-se conferir os coeficientes de comunalidades, calculados após extração dos factores, com valores acima dos 0.5, assumindo covariâncias significativas. Os factores foram extraídos segundo o critério de Kaiser. Todavia, a escolha dos principais componentes, que justificam a maior parte da variação, foi determinada por aqueles com autovalores superiores a 1. Os itens que apresentaram cargas fatoriais superiores a 0,30 em mais de um factor foram incluídos naquele de maior carga.

    Resultado de KMO (0-1) demonstra boa relação entre as variáveis e uma boa adequação da amostra
  • A realidade muda
  • Ponto 4: explica a taxa de adesão
  • Ponto 4: explica a taxa de adesão
  • Dando resposta aos objetivos norteadores deste estudo, com a tradução e adaptação para a população portuguesa do CWEQ-II e do PEI, pensamos ter contribuído, por meio da produção de ferramentas válidas, para a identificação da percepção de Empoderamento profissional (de acordo com as teorias estrutural e psicológica) do Enfermeiro e na identificação de campos de atuação a nível organizacional e individual. De acordo com os procedimentos técnicos e estatísticos efetuados, podemos inferir que:
  • O Caminho nem sempre pode parecer fácil…
  • … mas não é impossível
  • Importante: inovação e pensamento crítico...
  • … e com alguma coragem à mistura
  • … tudo é possível!
  • Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional em Enfermagem

    1. 1. Empoderamento Profissional em Enfermagem Tradução, adaptação e validação de duas escalas Abílio Cardoso Teixeira (SCI1: CHP – HSA); Mestre em Ciências de Enfermagem | Pós-Graduado: Administração dos Serviços de Saúde Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário Universidade Católica – Instituto de Ciências da Saúde: Porto, 15 de setembro de 2014
    2. 2. &
    3. 3. A abordar: 0. Introdução 1. Enfermagem - Contextualização 2. Empoderamento Profissional 3. Um estudo 4. Resultados 5. Conclusões 6. Limitações 7. Sugestões 6
    4. 4. INTRODUÇÃO “A sabedoria consiste em compreender que o tempo dedicado ao trabalho nunca é perdido.” (Ralph Waldo Emerson) Introdução | Enquadramento| Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
    5. 5. 0. Introdução Atividades médicas: principais indicadores de produtividade e de resultados no Sistema de Saúde (Ribeiro, 2009; Carapinheiro, 2005). Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 8 Vigência do modelo biomédico; privilegiar do tratamento em detrimento do cuidado; caraterísticas institucionais (Ribeiro, 2009)
    6. 6. 0. Introdução Como se justifica a dificuldade do enfermeiro em exercer e justificar o seu poder? Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 10
    7. 7. 0. Introdução Do empoderar do enfermeiro:  Aumento da satisfação profissional,  Promoção da autonomia,  Aumento da qualidade dos cuidados  Comprometimento organizacional e profissional Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 11
    8. 8. 0. Introdução Estudo transversal, que segue uma orientação metodológica, com a tradução e adaptação transcultural do “Conditions of Work Effectiveness Questionnaire – II” (CWEQ-II) e do “Psychological Empowerment Instrument” (PEI) , com base numa análise factorial das escalas. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 13 Na nossa realidade: não existem instrumentos capazes de mensurar Empoderamento Profissional.
    9. 9. 0. Introdução Objetivos:  Traduzir, para a língua portuguesa, o “PEI” e o “CWEQ-II”;  Adaptar, para o contexto em estudo, o “PEI” e o “CWEQ-II”;  Validar, para a população em estudo, enfermeiros de um hospital escola do norte de Portugal, o “PEI” e o “CWEQ-II”. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 14
    10. 10. 0. Introdução Finalidade:  Contribuir para a melhoria dos cuidados prestados;  Contribuir para a expansão dos conhecimentos científicos na área, em Portugal;  Contribuir para investigações futuras, com a identificação de domínios específicos. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 15
    11. 11. ENQUADRAMENTO “Não há nada tão prático como uma boa teoria” (atribuída a Kurt Lewin) Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
    12. 12. 1. Enfermagem - Contextualização Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 17 Enfermagem – Profissão de mulheres História da Enfermagem  história do feminino Estereótipos Socialização Poder e suas relações no sistema de saúde Instituições: paradigma biomédico Cumpridor de prescrições médicas Teorias Educação e Formação em Enfermagem “Competência” (tem por base a educação) Desenvolvimento do conhecimento (Manojlovich, 2007). Construir a Enfermagem do século XXI Ordem dos Enfermeiros REPE
    13. 13. 2. Empoderamento Profissional “As questões de poder ocupam um papel central nas organizações, não porque os indivíduos anseiem mais, mas porque alguns sentem-se incapacitados sem ele” (Kanter, 1977) Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 18 Desmontando o conceito “Empoderamento”, temos que: In (em) é uma preposição latina que pede acusativo e significa “lugar para onde”. O substantivo “ponderamento” deriva da flexão verbal latina possum, potes, potesse, potui que significa “poder, poder fazer, ter capacidade, ter ocasião ou oportunidade de” (Ernout & Meillet, 1932).
    14. 14. 2. Empoderamento Profissional Relação de Empoderamento com resultados ao nível da organização, tais como autonomia e participação na tomada de decisão, satisfação profissional e reduzidos níveis de stresse. (Cai, Zhou, Yeh & Hu, 2011; Hauck, Griffin & Fitzpatrick, 2011; Armellino, Quinn & Fitzpatrick, 2010; Chang, Shih & Lin, 2010; Iliopoulou & While, 2010; Purdy, Laschinger, Finegan, Kerr & Olivera, 2010; Stewart, McNulty, Griffin & Fitzpatrick, 2010; Lautizi, Laschinger & Ravazzolo, 2009; Laschinger, Wilk, Cho & Greco, 2009; Ning, Zhong, Libo & Quijie, 2009; Cai & Zhou, 2009; Zurmehly, Martin & Fitzpatrick, 2009; Lachinger, Leiter, Day & Gilin, 2009; Faulkner & Laschinger, 2008; Li, Chen & Kuo, 2008; Laschinger, 2008; Laschinger, Purdy & Almost, 2008; Kuokkanen et al., 2007; Davies, Laschinger & Andrusyszyn, 2006; Laschinger & Finegan, 2005b) Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 19
    15. 15. Numa perspetiva profissional: Teoria estrutural ênfase nas condições oferecidas pelo ambiente organizacional. 2. Empoderamento Profissional Como se processa o Empoderamento do Enfermeiro? Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 20
    16. 16. Numa perspetiva profissional: Teoria estrutural ênfase nas condições oferecidas pelo ambiente organizacional. Poder formal Poder informal Oportunidade Informação Suporte Recursos Teoria psicológica baseado nas crenças psicológicas do individuo. Sentido Competência Autodeterminação Impacto 2. Empoderamento Profissional Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 21
    17. 17. Numa perspetiva profissional: Teoria estrutural ênfase nas condições oferecidas pelo ambiente organizacional. Poder formal Poder informal Oportunidade Informação Suporte Recursos Teoria psicológica baseado nas crenças psicológicas do individuo. Sentido Competência Autodeterminação Impacto 2. Empoderamento Profissional Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 22 Poder dentro da organização resulta de sistemas formais (que permitem arbitrio e são visiveis e centrais na organização) e informais possibilitando o acesso a estruturas promotoras do empoderamento. Deverão ser criadas as condições para que o profissional tenha acesso à informação, suporte e recursos necessários para o desempenho profissional, assim como as oportunidades para aprender e crescer.
    18. 18. Numa perspetiva profissional: Teoria estrutural ênfase nas condições oferecidas pelo ambiente organizacional. Poder formal Poder informal Oportunidade Informação Suporte Recursos Teoria psicológica baseado nas crenças psicológicas do individuo. Sentido Competência Autodeterminação Impacto 2. Empoderamento Profissional Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 23 Sentido – ajuste entre as necessidades de trabalho e as caraterísticas individuais Competência – desempenho das funções com habilidade e perícia Autodeterminação – capacidade de escolha de inicio e continuidade das ações, refletindo autonomia Impacto – modo como se influenciam as decisões administrativas e estratégicas ou os resultados
    19. 19. UM ESTUDO “ P e d r a s n o c a m i n h o ? G u a r d o t o d a s , u m d i a v o u c o n s t r u i r u m c a s t e l o . . .” ( F e r n a n d o P e s s o a ) Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
    20. 20. 3. Um estudo  Estudo quantitativo e transversal (Ribeiro, 1999), metodológico, dado que visa “estabelecer e verificar a fidelidade e validade de novos instrumentos de medida” (Fortin, 2009, p.254)  População: Enfermeiros de um Hospital Escola da região norte de Portugal.  Amostra: técnica de amostragem probabilística e estratificada. O valor da amostra encontrou-se de acordo com as recomendações de Dillman, Smyth & Christian (2009). Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 26
    21. 21. 3. Um estudo Em 2011: 891 enfermeiros, pelo que:  intervalo de confiança de 95%  percentagem de resposta esperada de 50/50  margem de erro de 5% estimamos uma amostra de 268 enfermeiros. Incluímos: os participantes que desempenhassem funções nos serviços de internamento, cuidados intensivos, bloco operatório e urgência e os que aceitassem participar no estudo. Excluímos: os enfermeiros da Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 27
    22. 22. 3. Um estudo Estratificação da amostra: de acordo com as orientações de Collins, Onwugbuzie e Jiao (2006) Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 28 Departamento enfermeiros (nº) valor percentual (relativo à amostra) Urgência 90 10,1% Bloco Operatório 133 14,9% DSNOS 92 10,3% Medicina 231 25,9% Ortofisiatria 75 8,4% ACIE 102 11,5% Infância e Adolescência 48 5,4% Cirurgia 105 11,8% Transplantação 15 1,7% Tabela 1: total de Enfermeiros por departamento e valor percentual relativo à amostra (após critérios de inclusão e exclusão)
    23. 23. 3. Um estudo PEI 4 dimensões: Sentido, Competência, Autodeterminação e Impacto. 16 itens - 1 (discordo plenamente) e 7 (concordo plenamente), sendo o valor intermédio (4) considerado neutro. CWEQ-II 19 itens: oportunidade (3 itens), informação (3 itens), suporte (3 itens), recursos (3 itens), poder formal (3 itens) e poder informal (4 itens). Escala extra, de 2 itens: destinada a propósitos de validação Valores das escalas variam 1 - 5, para um valor total entre 6 e 30 Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 29
    24. 24. 3. Um estudo Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 30 1. Preparação • Obtenção de permissão • Envolvimento dos autores 2. Tradução • Duas traduções para a língua alvo (T1 e T2) 3. Síntese • Sintese das duas versões obtidas (T1 e T2) • Análise e resolução das discrepâncias 4. Retrotradução •Tradução sobre a versão obtida no passo anterior; • Criação de duas versões (RT1 e RT2) 5. Revisão por comissão de peritos 6. Pré-teste • N = 32 Equivalência linguística Equivalência concetual
    25. 25. 3. Um estudo Obtenção de autorizações Envio de mensagens de correio eletrónico para os Enfermeiros-Chefe Primeira ida ao serviço para entrega dos instrumentos e esclarecimento de dúvidas Segunda ida ao Serviço (periodicidade acordada com o Enfermeiro-Chefe) Idas aos serviços sempre que solicitado Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 31
    26. 26. 3. Um estudo • Principios ético-legais – Autorizações – Confidencialidade – Informação • Fornecimento dos contatos • Divulgação dos resultados após 1ª divulgação científica Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 32
    27. 27. RESULTADOS “Todos os homens, por natureza, desejam saber” (Aristóteles) Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
    28. 28. 4. Resultados Sexo: Feminino – 66% Média de idades: 26-30 – 141 participantes; 31-35 – 62; 36-40 – 34 Estado civil: Solteiro – 51%; Casado/União de facto – 45% Habilitação Académica: Licenciatura – 98% Habilitação profissional: CPLEE – 28%; sem qualquer curso – 54% Tempo de exercício profissional (anos): 0-5 – 89; 6-10 – 84 Tempo de exercício profissional no serviço (anos): 0-5 – 142; 6-10 – 71 Categoria profissional: Enfermeiro-especialista – 11%; Enfermeiro-chefe – 2% Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 34
    29. 29. 4. Resultados Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 35 Urgência 10% Bloco Operatório 7% Doencas do sistema nervoso e orgaos dos sentidos 12% Medicina 29%Ortofisiatria 4% Anestesiologia, Cuidados Intensivos e Emergência 18% Infância e Adolescência 4% Cirurgia 14% Transplantação 2% • Gráfico 1: Distribuição dos Enfermeiros por Departamentos
    30. 30. 4. Resultados Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 36 Dimensão Q. r α α da dimensão Sentido 2 0,682 0,875 0,8685 0,776 0,793 13 0,806 0,760 Competência 1 0,531 0,792 0,78011 0,637 0,689 15 0,707 0,601 Autodeterminação 3 0,446 0,665 0,6887 0,627 0,444 10 0,451 0,668 Impacto 4 0,608 0,802 0,8156 0,670 0,741 14 0,725 0,683 α total = 0,824 Legenda: Q. – Questão; r – correlação item/total; α – alfa de cronbach se o item for excluído; α da dimensão – coeficiente de Cronbach da dimensão Tabela 2: Medidas de tendência central e dispersão, correlação item/total e consistência interna do PEI
    31. 31. 4. Resultados 37 Legenda: Q. – Questão; r – correlação item/total; α – alfa de cronbach se o item for excluído; α da dimensão – coeficiente de Cronbach da dimensão Dimensão Q. r α α da dimensão Oportunidade 1 0,589 0,610 0,8542 0,575 0,598 3 0,530 0,500 Informação 1 0,568 0,540 0,8592 0,570 0,733 3 0,507 0,654 Apoio 1 0,695 0,705 0,8892 0,598 0,709 3 0,637 0,632 Recursos 1 0,561 0,447 0,7972 0,607 0,538 3 0,651 0,547 Poder Formal 1 0,637 0,578 0,8112 0,567 0,510 3 0,670 0,555 Poder Informal 1 0,413 0,269 0,678 2 0,382 0,296 3 0,507 0,433 4 0,439 0,342 α total = 0,911 Tabela 3: Medidas de tendência central e dispersão, correlação item/total e consistência interna do CWEQ-II
    32. 32. 4. Resultados 38 Sentido Autodeterminação Impato Competência Total Sentido 0,275* 0,173** 0,594* 0,696 Autodeterminação 0,499* 0,315* 0,751 Impato 0,203* 0,700 Competência 0,696 Tabela 4: Correlação de Pearson entre as diferentes dimensões do PEI Legenda: *p<0,001 , ** p=0.03 Opo. Inf. Apo. Rec. P. For. P. Inf. Total Oportunidade 0,370** 0,398** 0,437** 0,508** 0,415** 0,721** Informação 0,425** 0,429** 0,392** 0,411** 0,660** Apoio 0,553** 0,579** 0,415** 0,760** Recursos 0,621** 0,437** 0,772** Poder Formal 0,415** 0,693** Poder Informal 0,754** Tabela 5: Correlação de Pearson entre as diferentes dimensões do CWEQ-II Legenda: *p<0,001 , ** p=0.03
    33. 33. 4. Resultados Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 39 H2 Factores 1 2 3 4 Sentido (Q2) 0,634 0,760 Sentido (Q5) 0,842 0,906 Sentido (Q13) 0,843 0,895 Impacto (Q4) 0,649 0,758 Impacto (Q6) 0,746 0,829 Impacto (Q14) 0,790 0,869 Autodeterminação (Q3) 0,644 0,384 0,675 Autodeterminação (Q7) 0,770 0,799 Autodeterminação (Q10) 0,617 0,750 Competência (Q1) 0,836 0,894 Competência (Q11) 0,693 0,545 0,698 Competência (Q15) 0,757 0,515 0,613 % Variância Explicada 24,459 18,780 15,147 15,028 73,504 Teste de Kaiser-Meyer-Olkin 0,812 Teste de Esfericidade de Bartlett Χ2 = 1585,675; gl = 66; valor de prova = 0,000 Tabela6:AnálisefactorialdoPEIpelométododecondensaçãoemcomponentes principais.Soluçãoapósrotaçãovarimax Legenda: H2 – Coeficiente de comunalidade; Χ2 – Qui- quadrado; gl – graus de liberdade
    34. 34. 4. Resultados 40 Legenda: H2 – Coeficiente de comunalidade; Χ2 – Qui- quadrado; gl – graus de liberdade H2 Factores 1 2 3 4 5 6 Oportunidade 2 0,777 0,827 Oportunidade 1 0,766 0,813 Oportunidade 3 0,733 0,809 Apoio 2 0,879 0,887 Apoio 3 0,788 0,800 Apoio 1 0,815 0,781 Informação 2 0,860 0,881 Informação 3 0,787 0,854 Informação 1 0,684 0,733 Recursos 2 0,765 0,807 Recursos 3 0,693 0,713 Recursos 1 0,626 0,659 Poder Informal 4 0,702 0,747 Poder Informal 3 0,662 0,719 Poder Informal 2 0,634 0,687 Poder Informal 1 0,582 0,367 0,405 0,419 Poder Formal 1 0,758 0,694 Poder Formal 2 0,692 0,494 0,595 Poder Formal 3 0,653 0,565 % Variância Explicada 13,727 13,440 13,292 13,086 10,582 8,798 72,925 Teste de Kaiser-Meyer-Olkin 0,881 Teste de Esfericidade de Bartlett Χ2 = 2940,5; gl = 171; valor de prova = 0,000 Tabela7:AnálisefactorialdoCWEQ-IIpelométododecondensaçãoemcomponentes principais.Soluçãoapósrotaçãovarimax
    35. 35. 4. Resultados Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 41 Laschinger: os 2 itens de Empoderamento global destinam-se apenas a fornecer evidencia sobre a validade do construto, através da correlação entre este valor e o valor total da escala. Comprova-se que existe uma correlação moderada (ρ=0,672; p<0,001) entre esta escala e o valor total do CWEQ-II.
    36. 36. 4. Resultados Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 42 PEI: 5,5 (Competência > Sentido > Autodeterminação > Impacto) CWEQ-II: 18,94 (Oportunidade > Apoio > Recursos > Informação; Poder Informal > Poder Formal)
    37. 37. 4. Resultados Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 43 PEI: 5,5 (Competência > Sentido > Autodeterminação > Impacto) CWEQ-II: 18,94 (Oportunidade > Apoio > Recursos > Informação; Poder Informal > Poder Formal)
    38. 38. CONCLUSÃO “O Poder é Produtivo” (Graça Carapinheiro) Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
    39. 39. 5. Conclusão Importância: • inexistência, na nossa realidade, de instrumentos capazes de mensurar o Empoderamento profissional. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 45 Criação de instrumentos válidos e adaptados culturalmente para a população portuguesa, com recurso, respetivamente, às versões adaptadas do PEI e do CWEQ-II.
    40. 40. 5. Conclusão Estudo factorial do PEI determinou 4 factores e o do CWEQ-II determinou 6 factores; As cargas factoriais e coeficientes de comunalidades permitiram inferir a adequação do estudo factorial realizado. Estes resultados foram corroborados pelos valores de coeficientes de correlações do teste Kaiser-Meyer-Olkin e pelo teste de esfericidade de Bartlett, que foram considerados favoráveis. Índice de Cronbach: escalas internamente consistentes; Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 46
    41. 41. 5. Conclusão Versão obtida: validade psicométrica e adequação à amostra estudada, garantindo o seu uso futuro em novas pesquisas; Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 47
    42. 42. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 48 Empoderamento estrutural percepção moderada •maior pontuação média na dimensão Oportunidade; •maior relevo no Poder Informal. Empoderamento Psicológico moderadamente elevada •Dados demográficos •menor valor percentual de enfermeiras; •menor média de idades; •menor tempo médio de experiência profissional. 5. Conclusão
    43. 43. 5. Conclusão Populações estudadas têm características próprias Empoderamento depende das condições oferecidas pela organização Esta depende das condições do meio em que está inserida (Kanter, 1993) Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 49
    44. 44. 5. Conclusão Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 50
    45. 45. 5. Conclusão • A nível hospitalar: – Empoderamento estrutural: 17,35 - 19,60 – > Oportunidade: ao contrário do apontado por Cai e Zhou (2009); Ning et al. (2009) e Li, Chen e Kuo (2008) – > Poder informal Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 51
    46. 46. 5. Conclusão • Quando a população são gestores: – > Informação (Dalamo, 1998; McBurney, 1997; Goodwin, 1996; Stevens, 1996; Laschinger & Shamian, 1994; Haugh, 1992) • Lautizi, Laschinger & Ravazzolo (2010): > Recursos Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 52
    47. 47. 5. Conclusão • Stewart et al. (2009): – Elevada perceção de Empoderamento: Enfermeiras de Prática Avançada do estado do Connecticut (EUA), com pelo menos um ano de experiência no papel, com maioria de idades situada no intervalo de 41-50 anos, obtendo uma taxa de resposta de 16%. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 53
    48. 48. 5. Conclusão • Sexo feminino: – Estudos consultados: ligeiramente superior à realidade portuguesa – Neste estudo: inferior (66% vs 81,3%) • Média de idades: – Estudos consultados: ligeiramente superior à realidade portuguesa – Neste estudo: ligeiramente inferior Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 54
    49. 49. 5. Conclusão • McDonald et al. (2010): – Profissionais de diferentes áreas (hospitalares e não hospitalares): sem relação estatisticamente significativa entre os dados demográficos e a perceção de autonomia – Dados refutados por Ahmad e Oranye (2010), Ning et al. (2009) e Zumerhly, Joyce e Fitzpatrick (2009). – Ning et al. (2009): os Enfermeiros mais velhos tinham mais baixa perceção de empoderamento. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 55
    50. 50. 5. Conclusão • Fitzpatrick et at. (2010): – Enfermeiros de Cuidados Intensivos: certificação poderá significar maior perceção de empoderamento. • Zumerhly, Joyce e Fitzpatrick (2009); Cai et al. (2011): – É preditor de empoderamento o nível educacional Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 56
    51. 51. 5. Conclusão Com este estudo, desenvolvemos instrumentos capazes de avaliar a percepção de Empoderamento em Enfermagem, para a realidade em estudo. Da sua aplicação, poderá ser possível desenvolver planos de ação que vão de encontro às necessidades encontradas ou ao fortalecimento dos pontos fortes. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 57 Ganhos para o profissional, cliente e disciplina.
    52. 52. LIMITAÇÕES E SUGESTÕES “O presente estaria cheio de todos os futuros, se já o passado não projetasse sobre ele uma história. Mas, infelizmente, um único passado propõe um único futuro - projeta-o diante de nós como um ponto infinito sobre o espaço.” (André Gide) Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
    53. 53. 6. Limitações • Spreitzer (1996) e Laschinger et al. (2001): existem outros factores influenciadores de Empoderamento, que não constam destas escalas; • Devido a algumas limitações (tempo e fundos)  estudo realizado apenas numa unidade hospitalar; Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 60
    54. 54. 6. Limitações • Apesar do anonimato do questionário, alguns Enfermeiros mostraram-se relutantes no seu preenchimento, acreditando que poderiam ser identificados. • Transversalidade do estudo  não permite fazer inferências sobre a relação entre factores da estrutura social e o Empoderamento; Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 61
    55. 55. 7. Sugestões Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 62 • a satisfação profissional; • o comprometimento organizacional e profissional; • a qualidade dos cuidados; • os resultados organizacionais. Relacionar com: • teste da eficácia de uma (ou mais) intervenção(ões). Estudos experimentais: • enfermeiros recém-licenciados (Laschinger et al., 2001); • acompanhamento do mesmo grupo de enfermeiros, em diferentes períodos. Estudo longitudinal:
    56. 56. 7. Sugestões Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira 63 • isoladamente ou comparativamente Aplicação a outros profissionais de saúde: Aplicação ao cliente Estudos multicêntricos. Influência dos traços de personalidade.
    57. 57. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
    58. 58. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
    59. 59. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
    60. 60. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
    61. 61. Empoderamento Profissional em Enfermagem | Abílio Cardoso Teixeira
    62. 62. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Introdução | Enquadramento | Um estudo | Resultados | Conclusão| Limitações | Sugestões
    63. 63. Referências Bibliográficas Adamson, B., Kenny, D., & Wilson-Barnett, J. (1995). The impact of perceived medical dominance on the workplace satisfaction of Australian and British nurses. Journal of advanced nursing, 21(1), 172-83. Aiken, L., Clarke, S., Sloane, D., Sochalski, J., & Silber, J. (2002). Hospital nurse staffing and patient mortality, nurse burnout, and job dissatisfaction. JAMA: the journal of the American Medical Association, 288(16), 1987-93. Ahmad, N., & Oranye, N. (2010). Empowerment, job satisfaction and organizational commitment: a comparative analysis of nurses working in Malaysia and England. Journal of nursing management, 18(5), 582-91. Almeida, L., & Freire, T. (2000). Metodologia da investigação em psicologia e educação. Braga: Psiquilibrios. Amendoeira, J. (2004). Entre preparar Enfermeiros e educar em Enfermagem – uma transição inacabada. (Dissertação para obtenção do grau de Doutor, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade Nova de Lisboa). Disponível em http://hdl.handle.net/10400.15/92 Amendoeira, J. (2004) Enfermagem em Portugal. Contextos, atores e saberes. Enfermagem, 2(35-36), 13-22 Amendoeira, J. (2006) Enfermagem, disciplina do conhecimento. Sinais Vitais, 67, 19-27 Amendoeira, J. (2008). O Estado e Profissões. Conhecimento Profissional em Enfermagem in Lima, J. & Pereira, H. (2008). Políticas Públicas e Conhecimento Profissional – a Educação e a Enfermagem em reestrutração. Porto: Livpsic. Armellino, D., Quinn Griffin, M., & Fitzpatrick, J. (2010). Structural empowerment and patient safety culture among registered nurses working in adult critical care units. Journal of nursing management, 18(7), 796-803. Ballou, K. (1998). A Concept analysis of autonomy. Journal of Professional Nursing 14(2), 102-110 Beaton, D., Bombardier, C., Guillemin, F., & Ferraz, M. (2000). Guidelines for the Process of Cross-Cultural Adaptation of Self-Report Measures. Spine, 25(24), 3186 -3191. Benner, P. (2001). From Novice to Expert – Excelence and Power in Clinical Nursing Practice (Edição Comemorativa). New Jersey: Prenctice-Hall Bertolazi, A., Fagondes, S., Hoff, L., Dartora, E., Cristine, I., Emília, M., et al. (2011). Validation of the Brazilian Portuguese version of the Pittsburgh Sleep Quality Index. Sleep Medicine, 12(1), 70-75. Boudrias, J., Gaudreau, P., & Laschinger, H. (2004). Testing the structure of psychological empowerment: does gender make a difference? Educational and Psychological Measurement, 64(5), 861- 877. Buresh, B., & Gordon, S. (2000). From Silence to Voice – What Nurses Know and Must Communicate to the Public. Ottawa: Canadian Nurses Association. Cai, C., Zhou, Z., Yeh, H., & Hu, J. (2011). Empowerment and its effects on clinical nurses in central China. International nursing review, 58(1), 138-44. Cai, C., & Zhou, Z. (2009). Structural empowerment, job satisfaction, and turnover intention of Chinese clinical nurses. Nursing & health sciences, 11(4), 397-403. Carapinheiro, Graça (1993). Saberes e Poderes no Hospital. Uma sociologia dos serviços hospitalares (4ª Edição). Porto: Afrontamento. Carmines, E., & Zeller, R. (1979). Reliability And Validity Assessment. California: Sage Publications. Casey, M., Saunders, J., & O’Hara, T. (2010). Impact of critical social empowerment on psychological empowerment and job satisfaction in nursing and midwifery settings. Journal of nursing management, 18(1), 24-34. Cawley, T., & McNamara, P. (2011). Public Health Nurse Perceptions of Empowerment and Advocacy in Child Health Surveillance in West Ireland. Public Health Nursing, 28(2), 150-158. Cha, E., Kim, K., & Erlen, J. (2007). Translation of scales in cross-cultural research: issues and techniques. Journal of Advanced Nursing 58(4), 386–395. 71
    64. 64. Collins, K., Onwuegbuzie, A., & Jiao, Q. (2006). Prevalence of Mixed-methods Sampling Designs in Social Science Research. Evaluation & Research in Education, 19(2), 83-101. Davies, M., Laschinger, H., & Andrusyszyn, M. (2006). Clinical Educators’ Empowerment, Job Tension, and Job Satisfaction: A Test of Kanter’s Theory. Journal of Nurses In Staff Development 22(2), 78-86. Dillman, D., Smyth, J., & Christian, L. (2009). Internet, Mail and Mixed-Mode Surveys – The Tailored Design Method (3ª Edição). New Jersey: Wiley. Duffield, C., Gardner, G., & Catling-Paull, C. (2008). Nursing work and the use of nursing time. Journal of clinical nursing, 17(24), 3269-74. Empoderamento. (2011). In Dicionário Priberam de Língua Portuguesa online. Disponível em http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=Empoderamento. Empower. (2011). Longman Dictionary of Contemporary English online. Disponível em http://www.ldoceonline.com/dictionary/empower Empowerment. (2011). National Library of Medicine - Medical Subject Headings. Disponivel em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/mesh?term=empowerment. Ernout, A., Meillet, A. (1932). Dictionnaire Etymologique de la Langue Latine. Paris: Librairie C. Klincksieck. Faulkner, J., & Laschinger, H. (2008). The effects of structural and psychological empowerment on perceived respect in acute care nurses. Journal of Nursing Management, 16, 214-221. Fitzpatrick, J., Campo, T., Graham, G., & Lavandero, R. (2010). Certification, empowerment, and intent to leave current position and the profession among critical care nurses. American Journal of Critical Care, 19(3), 218-26. Fletcher, K. (2007). Image: changing how women nurses think about themselves. Literature Review. Journal of Advanced Nursing 58(3), 207-215 French, R., & Raven, B. (1959). The Bases of Social Power. In D. Cartwright and A. Zander. Group dynamics. New York: Harper & Row, 1959. Fortin, M. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidacta. Freidson E (1972). Profession of Medicine: A Study of the Sociology of Applied Knowledge. Chicago: University of Chicago Press. Gagnon, L., Bakker, D., Montgomery, P., & Palkovits, J. (2010). Nurse autonomy in cancer care. Cancer Nursing, 33(3), E21-E28. Gibson, C. H. (1991). A concept analysis of empowerment. Journal of Advanced Nursing, 16(3), 354-361. Gilbert, S., Laschinger, H., & Leiter, M. (2010). The mediating effect of burnout on the relationship between structural empowerment and organizational citizenship behaviours. Journal of Nursing Management, 18(3), 339-48. Guillemin, F., & Bombardier, C. (1993). Cross-Cultural Adaptation Of Health-Related Quality of Life Measures: Literature Review And Proposed Guidelines. Journal of Clinical Epidemiology, 46(12), 1417-1432. Henderson, V. (1994). La naturaleza de la enfermeria. Reflexiones 25 años después. Madrid: Interamericana-McGraw Hill. Hesbeen, W. (2000). Professional practice and nursing models. Servir, 45(1), 6-15. Hilton, A., & Skrutkowski, M. (2002). Translating Instruments Into Other Languages: Development and Testing Processes. Cancer, 25(1), 1-7. Hochwalder, J., Brucefors, A. (2005). A psychometric assessment of a Swedish translation of Spreitzer’s empowerment scale. Scandinavian Journal of Psychology, 46, 521-529. Iliopoulou, K., & While, A. (2010). Professional autonomy and job satisfaction: survey of critical care nurses in mainland Greece. Journal of advanced nursing, 66(11), 2520-31. 72 Referências Bibliográficas
    65. 65. Kanter, R. (1993). Men and women of the corporation. Nova Iorque: Basic Books. Kostiwa, I., & Meeks, S. (2009). The Relation Between Psychological Empowerment, Service Quality, and Job Satisfaction Among Certified Nursing Assistants. Clinical Gerontologist, 32(3), 276- 292. Knaut, L., Moser, A., Melo, S., & Richards, R. (2010) Tradução e adaptação cultural à língua portuguesa do American Shoulder and Elbow Surgeons Standardized Shoulder Assessment Form (ASES) para avaliação da função do ombro. Revista Brasileira de Reumatologia, 50 (2), pp. 176-183. Knol, J., & Linge, R. (2008). Innovative behaviour: the effect of structural and psychological empowerment on nurses. Journal of Advanced Nursing, 65(2) 359-370. Kramer, M., & Schmalenberg, C. (1982). Magnet hospital staff nurses describe clinical autonomy. Nursing Outlook, 51(1), 13-9. Kramer, M., & Schmalenberg, C. (2008). The practice of clinical autonomy in hospitals: 20 000 nurses tell their story. Critical Care Nurse, 28(6), 58-71. Kuo, H.-T., Yin, T., & Li, I.-C. (2008). Relationship between organizational empowerment and job satisfaction perceived by nursing assistants at long-term care facilities. Journal of Clinical Nursing, 17(22), 3059-66. Kuokkanen, L., Leino-Kilpi, H. (2000). Power and empowerment in nursing - three theoretical approaches. Journal of Advanced Nursing, 31(1), 235-41 Kuokkanen, L., Leino-Kilpi, H., & Katajisto, J. (2003). Nurse empowerment, job-related satisfaction, and organizational commitment. Journal of Nursing Care Quality, 18(3), 184-192. Kuokkanen, L., & Katajisto, J. (2003). Promoting or impeding empowerment? Nurses’ assessments of their work environment. The Journal of Nursing Administration, 33(4), 209-215. Laschinger, H., Finegan, J., & Shamian, J. (2001). The impact of workplace empowerment, organizational trust on staff nursesʼ work satisfaction and organizational commitment. Health Care Management Review, 26(3), 7-23. Laschinger, H., Finegan, J., Shamian, J., & Wilk, P. (2001). Impact of structural and psychological empowerment on job strain in nursing work settings: expanding Kanterʼs model. The Journal of Nursing Administration, 31(5), 260-72. Laschinger, H., & Finegan, J. (2005). Using empowerment to build trust and respect in the workplace: a strategy for addressing the nursing shortage. Nursing Economic$, 23(1), 6-13, 3. Laschinger, H., & Finegan, J. (2005). Empowering nurses for work engagement and health in hospital settings. The Journal of Nursing Administration, 35(10), 439-49. Laschinger, H., Leiter, M., Day, A., & Gilin, D. (2009). Workplace empowerment, incivility, and burnout: impact on staff nurse recruitment and retention outcomes. Journal of Nursing Management, 17(3), 302-311. Laschinger, H., Wilk, P., Cho, J., & Greco, P. (2009). Empowerment, engagement and perceived effectiveness in nursing work environments: does experience matter? Journal of Nursing Management, 17(5), 636-46. Laschinger, H., Gilbert, S., Smith, L., & Leslie, K. (2010). Towards a comprehensive theory of nurse/patient empowerment: applying Kanterʼs empowerment theory to patient care. Journal of Nursing Management, 18(1), 4-13. Laschinger, H., Finegan, J., & Wilk, P. (2011). Situational and Dispositional Influences on Nursesʼ Workplace Well-being: The Role of Empowering Unit Leadership. Nursing Research, 60(2), 124- 131. Laschinger, H. (2011). Job and career satisfaction and turnover intentions of newly graduated nurses. Journal of Nursing Management, 20(4), 472-484. Laschinger, H., Wong, C., Grau, A., Read, E., & Stam, L. (2011). The influence of leadership practices and empowerment on Canadian nurse manager outcomes. Journal of Nursing Management, (Não disponível versao impressa). Disponível em http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2834.2011.01307.x/pdf 73 Referências Bibliográficas
    66. 66. Lautizi, M., Laschinger, H., & Ravazzolo, S. (2009). Workplace empowerment, job satisfaction and job stress among Italian mental health nurses: an exploratory study. Journal of Nursing Management, 17(4), 446-52. Leggat, S., Bartram, T., Casimir, G., & Stanton, P. (2010). Nurse perceptions of the quality of patient care: Confirming the importance of empowerment and job satisfaction. Health Care Management Review, 35(4), 355-64. Leiter, M., Day, A., & Gilin, D. (2009). Workplace empowerment, incivility, and burnout: impact on staff nurse recruitment and retention outcomes. Journal of Nursing Management, 17(3), 302- 311. Li, I.-C., Chen, Y.-C., & Kuo, H.-T. (2008). The relationship between work empowerment and work stress perceived by nurses at long-term care facilities in Taipei city. Journal of Clinical Nursing, 17(22), 3050-8. Luz, D. (2005). Do Fazer ao Ser – Representação Social do Enfermeiro para o Aluno de Enfermagem. (Dissertação para a obtenção do grau de Doutor em Psicologia – Especialidade Psicologia Social, Universidade Aberta). Disponível em http://hdl.handle.net/10400.2/787 Martins., Z. (2010). Autonomia na tomada de decisão dos Enfermeiros nos serviços de atendimento urgente/ permanente. (Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Ciências de Enfermagem, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar – Universidade do Porto): Disponível em http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/44613 Macdonald, C. (2002). Nursing Autonomy as Relational. Nursing Ethics, 9(2). 194-201 Maroco, J., & Garcia-Marques, T. (2006) Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas?. Laboratório de Psicologia, 4(1), 65-90. Mcdonald, S., & Tullai-mcguinness, S. (2010). Relationship between staff nurse involvement in organizational structures and perception of empowerment. Critical Care Nurse, 33(2), 148-162. McEwen. M., & Wills, E. (2011). Theoretical Basis for Nursing (3ª Edição). Filadélfia: Wolters Kluwer/Lippincott Williams & Wilkins. Meleis, A. (2005). Theoretical Nursing: Development & Progress (3ª Edição). Filadélfia: Lippincott Williams & Wilkins. Morais, M. (2008). Formação, Género e Vozes de Enfermeiras. (Dissertação para obtenção do grau de Doutor em Ciências de Educação, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação – Universidade do Porto): Disponível em http://hdl.handle.net/10216/49827. Nedd, N. (2006). Perceptions of empowerment and intent to stay. Nursing Economic$, 24(1), 13-18, 3. Ning, S., Zhong, H., Libo, W., & Qiujie, L. (2009). The impact of nurse empowerment on job satisfaction. Journal of Advanced Nursing, 65(12), 2642-8. Nunes, Lucília (2003) – Um olhar sobre o ombro: Enfermagem em Portugal (1881-1998). Loures: Lusociencia, Nwabuoku, U., & Adebayo, S. (2010). Burnout, Empowerment and Job Satisfaction in Human Services – A Comparative and Correlational Study of Women. The Social Sciences 5(4), 276-9. Pedrosa, A. (2004). A Enfermagem Portuguesa – Referências Históricas. Referência 11, 69-78 Poder. (2011). Infopédia – Enciclopédia e Dicionários da Porto Editora online. Disponível em http://www.infopedia.pt/pesquisa-global/poder. Polit, D., & Hungler, B. (1995). Fundamentos da pesquisa em Enfermagem (3ª edição). Porto Alegre: Artes Médicas. Purdy, N., Spence Laschinger, H. K., Finegan, J., Kerr, M., & Olivera, F. (2010). Effects of work environments on nurse and patient outcomes. Journal of Nursing Management, 18(8), 901-13. Ribeiro, J. (1999). Investigação e avaliação em psicologia e saúde. Lisboa: Climepsi. 74 Referências Bibliográficas
    67. 67. Ribeiro, Jorge (2009). Autonomia Profissional dos Enfermeiros. (Dissertação para obtenção do grau de Mestre, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar – Universidade do Porto), disponível em http://hdl.handle.net/10216/20083. Ruperto, N., Ravelli, A., Pistorio, A., Malattia, C., Cavuto, S., Tortorelli, A., Landgraf, J. M., et al. (2001). Cross-cultural adaptation and psychometric evaluation of the Childhood Health Assessment Questionnaire (CHAQ) and the Child Health Questionnaire (CHQ) in 32 countries. Review of the general methodology. Clinical and Experimental Rheumatology, 19(4 Suppl 23):S1- 9. Sarmiento, T., Laschinger, H., & Iwasiw, C. (2004). Nurse educatorsʼ workplace empowerment, burnout, and job satisfaction: testing Kanter's theory. Journal of Advanced Nursing, 46(2), 134- 43. Schlesinger, M. (2002). A Loss of Faith: The Sources of Reduced Political Legitimacy for the American Medical Profession. The Milbank quarterly, 80(2), 185-235. Serra, L. (2008). Aplicação de Modelos Teóricos Motivacionas ao Contexto do Exercício – Explorar a integração das Teorias dos Objectivos de Realização e do Comportamento Autodeterminado e a sua Relação com a Adesão ao Exercício Físico em Ginásios. (Dissertação para obtenção do grau de Doutor em Ciências do Desporto, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro). Disponível em http://hdl.handle.net/10400.15/404 Serrano, M. (2008). Desenvolvimento de competências dos Enfermeiros em contexto de trabalho. (Dissertação para obtenção do grau de Doutor em Didáctica, Universidade de Aveiro). Disponível em http://ria.ua.pt/handle/10773/1479 Sidani, S., Guruge, S., Miranda, J., Ford-Gilboe, M., & Varcoe, C. (2010). Cultural Adaptation and Translation of Measures: An Integrated Method. Research in Nursing & Health, 33(2), 133-143. Simpson, R. (2004). Masculinity at work: The Experiences of Men in Female Dominated Occupations. Work Employment and Society. 18 (2). 2004 Smith, L., Andrusyszyn, M., & Laschinger, H. (2010). Effects of workplace incivility and empowerment on newly-graduated nursesʼ organizational commitment. Journal of Nursing Management, 18(8), 1004-15. Sousa, V., & Rojjanasrirat, W. (2011). Translation, adaptation and validation of instruments or scales for use in cross-cultural health care research: a clear and user-friendly guideline. Journal of Evaluation in Clinical Practice, 17(2), 268-274. Sparks, A. (2011). Psychological empowerment and job satisfaction between Baby Boomer and Generation X nurses. Journal of Nursing Management, (Hrsa 2004), no-no. doi:10.1111/j.1365- 2834.2011.01282.x Spreitzer, G. (1995). An empirical test of a comprehensive model of intrapersonal empowerment in the workplace. American Journal of Community Psychology, 23(5), 601-29. Spreitzer, G. (1995). Psychological empowerment in the workplace - dimensions, measurement, and validation. Academy of Management Journal 38(5), 1442-65 Stewart, J., McNulty, R., Griffin, M., & Fitzpatrick, J. (2010). Psychological empowerment and structural empowerment among nurse practitioners. Journal of the American Academy of Nurse Practitioners, 22(1), 27-34. Streiner, D., & Norman, G. (2008). Health Measurement Scales – a practical guide to their development and use (4ª edição). Nova Iorque: Oxford University Press. Suominen, T., Savikko, N., Puukka, P., Doran, D. I., & Leino-Kilpi, H. (2005). Work empowerment as experienced by head nurses. Journal of Nursing Management, 13(2), 147-53. Traynor, M., Boland, M., & Buus, N. (2010). Autonomy, evidence and intuition: nurses and decision-making. Journal of Advanced Nursing, 66(7), 1584-1591. Tourangeau, A., Cranley, L., Laschinger, H., & Pachis, J. (2010). Relationships among leadership practices, work environments, staff communication and outcomes in long-term care. Journal of Nursing Management, 18(8), 1060-72. Uner, S., & Turan, S. (2010). The construct validity and reliability of the Turkish version of Spreitzer’ s psychological empowerment scale. BMC Public Health, 10. 75 Referências Bibliográficas
    68. 68. Wagner, J., Cummings, G., Smith, D., Olson, J., Anderson, L., & Warren, S. (2010). The relationship between structural empowerment and psychological empowerment for nurses: a systematic review. Journal of Nursing Management, 18(4), 448-62. Wild, D., Grove, A., Martin, M., Eremenco, S., Mcelroy, S., Verjee-lorenz, A., et al. (2005). Principles of Good Practice for the Translation and Cultural Adaptation Process for Patient-Reported Outcomes (PRO) Measures: Report of the ISPOR Task Force for Translation and Cultural Adaptation. Value in Health, 8(2), 94-104. Whittock, M., & Leonard, L. (2003). Stepping outside the stereotype. A pilot study of the motivations and experiences of males in the nursing profession. Journal of Nursing Management, 11. 242-9 Zurmehly, J., Martin, P. a, & Fitzpatrick, J. J. (2009). Registered nurse empowerment and intent to leave current position and/or profession. Journal of Nursing Management, 17(3), 383-391. 76 Referências Bibliográficas
    69. 69. Não basta dirigir-se ao rio com a intenção de pescar peixes; é preciso levar também a rede.
    70. 70. /abilio.cardosoteixeira/abiliocardosoteixeira /abiliocardosoteixeira abilio.cardosoteixeira

    ×