SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
Organização do sistema de saúde
brasileiro, a atenção às urgências e o
papel das unidades de pronto socorro e
pronto atendimento.
Ms. Enfº.Aroldo Gavioli
A SAÚDE NO BRASIL
Transição demográfica acelerada.
Forte predominância de condições crônicas em
decorrência do crescimento e do envelhecimento da
população.
Elevada incidência de agravos agudos em decorrência
de trauma e violência.
Este perfil reflete na organização dos sistemas e
serviços de saúde.
O sistema de saúde se encontra
Fragmentado operando sem
coordenação, de forma episódica e
reativa, uma vez que é voltado
principalmente para a atenção às
condições agudas e às agudizações
de condições crônicas (COLEMAN e
WAGNER, 2008).
A crise do sistema de saúde publica
Decorre da crescente incidência de doenças crônicas e da
organização do sistema de saúde ser fragmentada e
centrada nas condições agudas.
• Urge a substituição do sistema fragmentado pelas redes de atenção à
saúde, sem hierarquização, mas uma rede horizontalizada
disponibilizando distintas densidades tecnológicas em diferentes
sistemas de apoio, sem ordem e sem grau de importância entre eles.
• A implantação dessas redes poderá ocasionar uma intervenção
concomitante sobre as condições crônicas e sobre as condições agudas.
• Para melhorar a atenção às condições agudas e aos eventos
decorrentes das agudizações das condições crônicas, há que se
implantar a rede de atenção às urgências e emergências.
Sistema de Redes de Atenção à Saúde
Concebida como estratégia voltada para
responder de forma contínua e integral as
necessidades de saúde da população, seja
diante das condições crônicas e/ou agudas,
seja promovendo ações de vigilância e
promoção da saúde que
consequentemente geram impacto positivo
nos indicadores de saúde da população.
Necessidade de superação
Portaria 4.279/2010, que institui as Redes
de Atenção à Saúde (RAS), caracterizadas
como arranjos organizativos de ações e
serviços de saúde, de diferentes
densidades tecnológicas, que integradas
por meio de sistemas de apoio técnico,
logístico e de gestão, buscam garantir a
integralidade do cuidado (BRASIL, 2010*).
Objetivo das RAS
Superar a fragmentação da
atenção e da gestão nas
regiões de saúde.
Promover a integração
sistêmica de ações e serviços
de saúde com provisão de
atenção contínua, integral, de
qualidade, responsável e
humanizada.
Incrementar o desempenho
do Sistema, em termos de
acesso, equidade, eficácia
clínica e sanitária.
Eficiência econômica.
Características da RAS
Caracteriza-se pela
formação de relações
horizontais entre os
pontos de atenção
com o centro de
comunicação na
Atenção Primária à
Saúde (APS).
Centralidade nas
necessidades de
saúde de uma
população.
Responsabilização na
atenção contínua e
integral.
Cuidado
multiprofissional.
Compartilhamento de
objetivos e
compromissos com os
resultados sanitários e
econômicos.
Pontos de Atenção á saúde
Entendidos como espaços
onde se ofertam
determinados serviços de
saúde, por meio de uma
produção singular.
São exemplos de pontos
de atenção à saúde: os
domicílios, as unidades
básicas de saúde, as
unidades ambulatoriais
especializadas, os serviços
de hemoterapia e
hematologia, os centros
de apoio psicossocial, as
residências terapêuticas,
entre outros.
Os hospitais também
podem abrigar distintos
pontos de atenção à
saúde: o ambulatório de
pronto atendimento, a
unidade de cirurgia
ambulatorial, o centro
cirúrgico, a maternidade, a
unidade de terapia
intensiva, a unidade de
hospital/dia, entre outros.
Pontos de atenção a saúde
Cabe destacar que a estruturação da RAS segue uma
lógica diferenciada em relação à hierarquização de
serviços de saúde.
Reconhece os pontos de
atenção à saúde na
localidade regional que
está inserido.
Todos os pontos de atenção à saúde são igualmente importantes
para que se cumpram os objetivos das redes de atenção à saúde, e
se diferenciam, apenas, pelas distintas densidades tecnológicas
que os caracterizam.
No que se refere à atenção em urgência, o crescimento do número
de acidentes, a violência urbana e a insuficiente estruturação da
rede de serviços de saúde, são fatores que têm contribuído
decisivamente para a sobrecarga dos serviços hospitalares.
Na perspectiva de consolidação dos princípios do SUS, o
conhecimento desta realidade é de importância fundamental, no
sentido de evidenciar a necessidade de reestruturação do atual
sistema de saúde.
Normativas Ministeriais
Desde 1995, o Ministério da Saúde tem investido
esforços para organizar os serviços de atendimentos às
urgências.
A seguir são citadas algumas
portarias do Ministério da
Saúde relativas à organização e
sistematização dos serviços de
urgência e emergência:
Portaria 1.600/GM, de 07 de julho de 2011.
Importância da área de urgência e emergência enquanto
componente da atenção à saúde.
O aumento da morbimortalidade por acidentes de trânsito,
violência e doenças do aparelho circulatório.
A insuficiente estruturação da rede assistencial
Rede de Atenção às Urgências (RAU).
Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências,
revogando a Portaria 1.863/GM, de setembro de 2003.
Finalidade da RAU
Articular e integrar o conjunto de tudo aquilo que serve
para prover os serviços de saúde objetivando ampliar e
qualificar o acesso humanizado e integral aos usuários em
situação de urgência nos serviços de saúde de forma ágil e
oportuna, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).
A RAU deve ser implementada gradativamente, em todo
território nacional, respeitando critérios epidemiológicos e
de densidade populacional, priorizando as linhas de
cuidado cardiovascular, cerebrovascular e traumatológica
(BRASIL, 2011).
Portaria 1.600/GM, de 07 de julho de 2011
Segundo a referida portaria “os usuários com
quadros agudos devem ser atendidos em todas
as portas de entrada de serviços de saúde do
SUS, podendo ser transferidos para serviços de
maior complexidade, dentro de um sistema
regulado, organizado em redes regionais
formando elos de uma rede de manutenção da
vida em níveis crescentes de complexidade e
responsabilidade”. (BRASIL, 2012).
Perfil epidemiológico
As causas externas/traumas são responsáveis pelo maior número de
mortes entre indivíduos de 1(um) a 39 (trinta e nove) anos de idade.
Faixa etária em que se encontra a maior parcela da população economicamente ativa
(CARVALHO, 2007).
Aponta para crescimento da morbimortalidade por traumas e
doenças cardiovasculares.
No ano de 2007, por exemplo, a mortalidade de pacientes internados com infarto no
país foi de 16,1%, enquanto que, no sistema privado, essa mortalidade foi menor que
5%,comparável a países desenvolvidos.
Portaria 1.863/GM
Apresenta as
diretrizes da rede de
atenção às
urgências no tocante
ao acesso,
integralidade,
longitudinalidade,
regionalização,
humanização,
modelo de atenção
de caráter
multiprofissional.
articulação e
integração dos
diversos serviços e
equipamentos de
saúde.
regulação,
qualificação da
assistência, dentre
outros.
Rede de atenção as Urgências
Configura-se em
diferentes níveis
de atenção.
É dividida em
componentes:
Promoção, prevenção
e vigilância à saúde.
Atenção básica.
Serviço de
atendimento móvel
de urgência (SAMU)
com centrais de
regulação médica.
Sala de estabilização.
Força Nacional
de Saúde do
SUS,
Unidades de Pronto
Atendimento (UPA
24h) e o conjunto de
serviços 24 horas,
Hospitalar e Atenção
Domiciliar.
Detalhando a RAU
Complementares, sistema de
referência e
contrarreferência.
Cada serviço é parte
integrante da rede de
atenção.
Atendimento adequado da
demanda que lhe é
apresentada.
Responsabilização pelo
encaminhamento quando
não dispuser de recursos
necessários a tal
atendimento.
A articulação do estado,
municípios e regiões de
saúde deve permitir uma
resposta equânime às
necessidades de saúde da
população.
Componentes da RAU
PROMOÇÃO, PREVENÇAO E VIGILANCIA À SAÚDE.
ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE.
SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA
(SAMU 192) E
CENTRAIS DE REGULAÇÃO MÉDICA DAS URGÊNCIAS.
SALA DE ESTABILIZAÇÃO.
FORÇA NACIONAL DO SUS – FN-SUS
O componente objetiva
aglutinar esforços para
garantir a integralidade na
assistência em situações
de risco ou emergenciais
para populações.
A atuação do SUS em
situações que exigem
maior participação do
poder público como:
catástrofes que envolvem
múltiplas vítimas e demais
condições de calamidade,
em especial, de natureza
epidemiológica, situações
pedem ajuda rápida, com
atendimento médico
especializado e apoio
logístico → Incêndio da
Boate Kiss em Santa
Maria-RS.
Exemplos: alagamento e
seca, desabamento,
enchente, incêndio,
epidemias/pandemias,
acidentes nucleares,
eventos com grande
concentração de pessoas,
como Copa do mundo e
Olimpíadas.
UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA
24h)
É o conjunto de serviços de urgência 24
horas não hospitalares.
São estabelecimentos de saúde de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de
Saúde/Saúde da Família e a Rede Hospitalar.
Devem prestar atendimento resolutivo e qualificado aos pacientes acometidos por quadros
agudos ou agudizados de natureza clínica.
Deve prestar primeiro atendimento aos casos de natureza cirúrgica ou de trauma,
estabilizando os pacientes e realizando a avaliação diagnóstica inicial, definindo, em todos os
casos, as necessidades de encaminhamento a serviços hospitalares de maior complexidade.
O Componente Hospitalar
Pronto Socorro
COMPONENTE HOSPITALAR
Este componente é constituído pelas
Portas Hospitalares de Urgência,
pelas enfermarias de retaguarda
clínicas e de longa permanência,
pelos leitos de cuidados intensivos e
pela e organização das linhas de
cuidados prioritárias.
A Portaria 2395/2011 organiza o componente Hospitalar da Rede de
Atenção às Urgências e regulamenta o seu funcionamento com os
seguintes objetivos:
Organizar a atenção às
urgências nos hospitais, que
deve atender à demanda
espontânea e referenciada
para os outros pontos de
atenção às urgências de
menor complexidade;
Garantir a retaguarda de
atendimentos de média e
alta complexidade;
procedimentos diagnósticos;
leitos clínicos e cirúrgicos, de
terapia intensiva e de longa
permanência para a rede de
atenção às urgências;
Garantir a assistência
hospitalar nas linhas de
cuidado prioritárias
(cardiovascular,
cerebrovascular e
traumatologia) em
articulação com os demais
pontos de atenção.
Portaria 2395/2011
Reforça a necessidade do componente hospitalar
estar integrado à Rede de Atenção às Urgências.
• Estabelece, além das diretrizes básicas do SUS de
universalidade, equidade e integralidade e a humanização.
• Exigência do acolhimento com Classificação de Risco - ACCR
• Regionalização com acesso regulado e a atenção
multiprofissional.
• Baseado na gestão de linhas de cuidado.
As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas
qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios:
Estabelecer e adotar protocolos de
classificação de risco clínico, e de
procedimentos administrativos no hospital;
• Implantar processo de Acolhimento com Classificação de
Risco, em ambiente especifico, identificando o paciente
que necessita de tratamento imediato, estabelecendo o
potencial de risco, agravos à saúde ou grau de
sofrimento e garantindo atendimento priorizado de
acordo com o grau de sofrimento ou a gravidade do caso;
As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas
qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios:
Possuir equipe multiprofissional
compatível com seu porte.
• Estar articulado com o Serviço de Atendimento
Móvel de Urgência - SAMU 192, Unidades de
Pronto Atendimento – UPA e com outros serviços
da rede de atenção à saúde, construindo fluxos
coerentes e efetivos de referência e
contrarreferência, ordenados através das Centrais
de Regulação Regionais.
As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas
qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios:
Organizar o trabalho das equipes
multiprofissionais de forma
horizontal.
• Implantar mecanismos de gestão da clínica,
com equipe de referência para
responsabilização e acompanhamento de
caso e de média de permanência, com
prontuário único multidisciplinar
As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas
qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios:
Garantir o desenvolvimento de atividades de educação permanente para as
equipes, por iniciativa própria ou por meio de cooperação.
procedimentos diagnósticos, leitos clínicos, leitos de terapia intensiva e
cirurgias.
Fornecer retaguarda às urgências atendidas pelos outros pontos de atenção de
menor complexidade que compõem a Rede de Atenção às Urgências em sua
região:
Considerações finais
A organização da RAU tem a finalidade de articular e
integrar todos os equipamentos de saúde, objetivando
ampliar e qualificar o acesso humanizado e integral aos
usuários em situação de urgência nos serviços de saúde,
de forma ágil e oportuna.
Para uma efetiva implementação da RAU no SUS
será imprescindível o envolvimento e apoio de
todos os profissionais e gestores que atuam no
setor saúde.
Referências
• COLEMAN, CF; WAGNER, E. Mejora de la atención primaria a pacientes con condiciones crónicas: el
modelo de atención a crónicos. In: BENGOA, R.; NUÑO, RS. Curar y cuidar: innovación en la gestión de
enfermedades crónicas, una guía práctica para avanzar. Barcelona, Elsevier España, 2008.
• MENDES, E. V.. As redes de atenção a saúde. Brasília: Organização pan-americana da saúde. 2011. 549 p.
Disponível em: www.telessaude.bvs.br/tiki-read_article.php?articleId=333. Acesso em 13 jul. 2012.
• BRASIL. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010 - Estabelece diretrizes para a organização da
Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível
em:www.brasilsus.com.br/legislacoes/gm/107038-4279.html.
• BRASIL. Portaria nº 1.600, de 07 de julho de 2011 - Reformula a Política Nacional de Atenção às
Urgências e Institui a Rede de Atenção à Urgências no Sistema Único de saúde.
• BRASIL. Nota técnica: Implementação da rede de atenção às Urgências/emergências – RUE. Disponível
em: www.portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/urgencia_300511.pdf. Acesso em 13 maio 2012.
• CARVALHO, AKS. Dados demográficos e características gerais de saúde de uma população acima de 40
anos: estudo platino, área metropolitana de São Paulo. 2007. 86f. Dissertação (Mestrado) - Universidade
Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina. São Paulo, 2007. www.platino-
alat.org/docs/thesis_carvalho_2007.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Proqualis
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemFernando Dias
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalFernando Dias
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaRegiane Ribeiro
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familiakarensuelen
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE Valdirene1977
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasProqualis
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularIsmael Costa
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na SaúdeYlla Cohim
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPriscila Tenório
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemluzienne moraes
 

Mais procurados (20)

Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
 
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúdeUrgências e emergências na atenção primária à saúde
Urgências e emergências na atenção primária à saúde
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
Competências do Enfermeiro e do gerente da Estratégia Saúde da Família: uma a...
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Política nacional de humanização
Política nacional de humanizaçãoPolítica nacional de humanização
Política nacional de humanização
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagem
 

Destaque

Sistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgênciasSistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgênciasbiblisaocamilo
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasValderi Ferreira
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaRicardo Augusto
 
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaAroldo Gavioli
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoferaps
 
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimentoNormas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimentoJeferson Silva
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergênciaresenfe2013
 
Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) será levado a outras regiões.
Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs)  será levado a outras regiões.Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs)  será levado a outras regiões.
Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) será levado a outras regiões.Ministério da Saúde
 
02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marion02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marionlaiscarlini
 
2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOPLeonardo Savassi
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRubens Kon
 
Saúde da família
Saúde da famíliaSaúde da família
Saúde da famíliadumasgsantos
 
Apostila samu médicos e enfermeiros
Apostila  samu   médicos e enfermeirosApostila  samu   médicos e enfermeiros
Apostila samu médicos e enfermeirosRose Silva
 
Manual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdfManual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdfTâmara Lessa
 

Destaque (20)

Sistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgênciasSistema nacional de urgências
Sistema nacional de urgências
 
Politica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de UrgenciasPolitica Nacional de Urgencias
Politica Nacional de Urgencias
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._francoApresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
Apresentacao accr -_enf._maria_teresa_g._franco
 
urgencia_e_emergencia
urgencia_e_emergenciaurgencia_e_emergencia
urgencia_e_emergencia
 
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
 
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimentoNormas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
Normas e rotinas de enfermagem pronto atendimento
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
As Redes de Urgência e Emergência em Minas Gerais _Rasível dos Reis
As Redes de Urgência e Emergência em Minas Gerais _Rasível dos ReisAs Redes de Urgência e Emergência em Minas Gerais _Rasível dos Reis
As Redes de Urgência e Emergência em Minas Gerais _Rasível dos Reis
 
Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) será levado a outras regiões.
Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs)  será levado a outras regiões.Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs)  será levado a outras regiões.
Modelo das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) será levado a outras regiões.
 
02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marion02 19 emergências médicas - Marion
02 19 emergências médicas - Marion
 
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e EmergênciasExposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
Exposição 03 O modelo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências
 
2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP2012 principios da APS UFOP
2012 principios da APS UFOP
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs leste
 
Saúde da família
Saúde da famíliaSaúde da família
Saúde da família
 
Rotinas internas samu parte 1
Rotinas internas samu   parte 1Rotinas internas samu   parte 1
Rotinas internas samu parte 1
 
Sebenta
SebentaSebenta
Sebenta
 
Apostila samu médicos e enfermeiros
Apostila  samu   médicos e enfermeirosApostila  samu   médicos e enfermeiros
Apostila samu médicos e enfermeiros
 
Manual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdfManual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdf
 

Semelhante a Sistema de saúde brasileiro e rede de atenção às urgências

NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfSamara165561
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptxRaymariAlmeida1
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúdeferaps
 
Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...
Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...
Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...petrus24
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfssuser51d27c1
 
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfWebpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfFlaviadosSantosNasci1
 
Portaria n 1.600 msaude
Portaria n 1.600 msaudePortaria n 1.600 msaude
Portaria n 1.600 msaudeCarlos França
 
Texto leit preivia_ativ_26mar2014
Texto leit preivia_ativ_26mar2014Texto leit preivia_ativ_26mar2014
Texto leit preivia_ativ_26mar2014Rodrigo Zardo
 
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfTHALLITADEFREITASRAM
 
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptxENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptxVernicaPiresdaSilva
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursosBarbara Duarte
 

Semelhante a Sistema de saúde brasileiro e rede de atenção às urgências (20)

Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptxASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA URGÊNCIA E EMERGÊNCIA UNIDADE 1 1 2 3.pptx
 
TextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdfTextoComplementar.pdf
TextoComplementar.pdf
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Revista Enfermagem Profissional
Revista Enfermagem ProfissionalRevista Enfermagem Profissional
Revista Enfermagem Profissional
 
Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...
Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...
Representação social dos profissionais da Unidade de Pronto Atendimento acerc...
 
Apostila+sus
Apostila+susApostila+sus
Apostila+sus
 
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da SaúdeManual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
Manual do Ministério Público de Santa Catarina na Defesa da Saúde
 
Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
 
Artigo bioterra v20_n1_06
Artigo bioterra v20_n1_06Artigo bioterra v20_n1_06
Artigo bioterra v20_n1_06
 
Modelos assistenciais
Modelos assistenciaisModelos assistenciais
Modelos assistenciais
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e Emergência
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdfWebpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
Webpalestra_RededeAtençãoàSaúde.pdf
 
Portaria n 1.600 msaude
Portaria n 1.600 msaudePortaria n 1.600 msaude
Portaria n 1.600 msaude
 
Texto leit preivia_ativ_26mar2014
Texto leit preivia_ativ_26mar2014Texto leit preivia_ativ_26mar2014
Texto leit preivia_ativ_26mar2014
 
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
 
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptxENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
ENFERMEIRO e o mercado de trabalho (1).pptx
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 

Mais de Aroldo Gavioli

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosAroldo Gavioli
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosAroldo Gavioli
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...Aroldo Gavioli
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalAroldo Gavioli
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaAroldo Gavioli
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crisesAroldo Gavioli
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesAroldo Gavioli
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsAroldo Gavioli
 

Mais de Aroldo Gavioli (20)

Transtornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicosTranstornos mentais orgânicos
Transtornos mentais orgânicos
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicosSíndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
Síndrome de dependência de substâncias – aspectos neurobiológicos
 
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
A Política Nacional de Saúde Mental e a Organização da Rede de Atenção Psicos...
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
Drogas psicotrópica
Drogas psicotrópicaDrogas psicotrópica
Drogas psicotrópica
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Intervenção em crises
Intervenção em crisesIntervenção em crises
Intervenção em crises
 
Segurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgênciaSegurança do paciente em unidades de urgência
Segurança do paciente em unidades de urgência
 
Métodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentesMétodos dialíticos intermitentes
Métodos dialíticos intermitentes
 
Métodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuosMétodos dialíticos contínuos
Métodos dialíticos contínuos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Time de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore newsTime de resposta rápida e escore news
Time de resposta rápida e escore news
 

Último

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 

Último (10)

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 

Sistema de saúde brasileiro e rede de atenção às urgências

  • 1. Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel das unidades de pronto socorro e pronto atendimento. Ms. Enfº.Aroldo Gavioli
  • 2. A SAÚDE NO BRASIL Transição demográfica acelerada. Forte predominância de condições crônicas em decorrência do crescimento e do envelhecimento da população. Elevada incidência de agravos agudos em decorrência de trauma e violência. Este perfil reflete na organização dos sistemas e serviços de saúde.
  • 3. O sistema de saúde se encontra Fragmentado operando sem coordenação, de forma episódica e reativa, uma vez que é voltado principalmente para a atenção às condições agudas e às agudizações de condições crônicas (COLEMAN e WAGNER, 2008).
  • 4. A crise do sistema de saúde publica Decorre da crescente incidência de doenças crônicas e da organização do sistema de saúde ser fragmentada e centrada nas condições agudas. • Urge a substituição do sistema fragmentado pelas redes de atenção à saúde, sem hierarquização, mas uma rede horizontalizada disponibilizando distintas densidades tecnológicas em diferentes sistemas de apoio, sem ordem e sem grau de importância entre eles. • A implantação dessas redes poderá ocasionar uma intervenção concomitante sobre as condições crônicas e sobre as condições agudas. • Para melhorar a atenção às condições agudas e aos eventos decorrentes das agudizações das condições crônicas, há que se implantar a rede de atenção às urgências e emergências.
  • 5. Sistema de Redes de Atenção à Saúde Concebida como estratégia voltada para responder de forma contínua e integral as necessidades de saúde da população, seja diante das condições crônicas e/ou agudas, seja promovendo ações de vigilância e promoção da saúde que consequentemente geram impacto positivo nos indicadores de saúde da população.
  • 6. Necessidade de superação Portaria 4.279/2010, que institui as Redes de Atenção à Saúde (RAS), caracterizadas como arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas, que integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de gestão, buscam garantir a integralidade do cuidado (BRASIL, 2010*).
  • 7. Objetivo das RAS Superar a fragmentação da atenção e da gestão nas regiões de saúde. Promover a integração sistêmica de ações e serviços de saúde com provisão de atenção contínua, integral, de qualidade, responsável e humanizada. Incrementar o desempenho do Sistema, em termos de acesso, equidade, eficácia clínica e sanitária. Eficiência econômica.
  • 8. Características da RAS Caracteriza-se pela formação de relações horizontais entre os pontos de atenção com o centro de comunicação na Atenção Primária à Saúde (APS). Centralidade nas necessidades de saúde de uma população. Responsabilização na atenção contínua e integral. Cuidado multiprofissional. Compartilhamento de objetivos e compromissos com os resultados sanitários e econômicos.
  • 9. Pontos de Atenção á saúde Entendidos como espaços onde se ofertam determinados serviços de saúde, por meio de uma produção singular. São exemplos de pontos de atenção à saúde: os domicílios, as unidades básicas de saúde, as unidades ambulatoriais especializadas, os serviços de hemoterapia e hematologia, os centros de apoio psicossocial, as residências terapêuticas, entre outros. Os hospitais também podem abrigar distintos pontos de atenção à saúde: o ambulatório de pronto atendimento, a unidade de cirurgia ambulatorial, o centro cirúrgico, a maternidade, a unidade de terapia intensiva, a unidade de hospital/dia, entre outros.
  • 10. Pontos de atenção a saúde Cabe destacar que a estruturação da RAS segue uma lógica diferenciada em relação à hierarquização de serviços de saúde. Reconhece os pontos de atenção à saúde na localidade regional que está inserido.
  • 11. Todos os pontos de atenção à saúde são igualmente importantes para que se cumpram os objetivos das redes de atenção à saúde, e se diferenciam, apenas, pelas distintas densidades tecnológicas que os caracterizam. No que se refere à atenção em urgência, o crescimento do número de acidentes, a violência urbana e a insuficiente estruturação da rede de serviços de saúde, são fatores que têm contribuído decisivamente para a sobrecarga dos serviços hospitalares. Na perspectiva de consolidação dos princípios do SUS, o conhecimento desta realidade é de importância fundamental, no sentido de evidenciar a necessidade de reestruturação do atual sistema de saúde.
  • 12. Normativas Ministeriais Desde 1995, o Ministério da Saúde tem investido esforços para organizar os serviços de atendimentos às urgências. A seguir são citadas algumas portarias do Ministério da Saúde relativas à organização e sistematização dos serviços de urgência e emergência:
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. Portaria 1.600/GM, de 07 de julho de 2011. Importância da área de urgência e emergência enquanto componente da atenção à saúde. O aumento da morbimortalidade por acidentes de trânsito, violência e doenças do aparelho circulatório. A insuficiente estruturação da rede assistencial Rede de Atenção às Urgências (RAU). Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências, revogando a Portaria 1.863/GM, de setembro de 2003.
  • 19. Finalidade da RAU Articular e integrar o conjunto de tudo aquilo que serve para prover os serviços de saúde objetivando ampliar e qualificar o acesso humanizado e integral aos usuários em situação de urgência nos serviços de saúde de forma ágil e oportuna, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A RAU deve ser implementada gradativamente, em todo território nacional, respeitando critérios epidemiológicos e de densidade populacional, priorizando as linhas de cuidado cardiovascular, cerebrovascular e traumatológica (BRASIL, 2011).
  • 20. Portaria 1.600/GM, de 07 de julho de 2011 Segundo a referida portaria “os usuários com quadros agudos devem ser atendidos em todas as portas de entrada de serviços de saúde do SUS, podendo ser transferidos para serviços de maior complexidade, dentro de um sistema regulado, organizado em redes regionais formando elos de uma rede de manutenção da vida em níveis crescentes de complexidade e responsabilidade”. (BRASIL, 2012).
  • 21. Perfil epidemiológico As causas externas/traumas são responsáveis pelo maior número de mortes entre indivíduos de 1(um) a 39 (trinta e nove) anos de idade. Faixa etária em que se encontra a maior parcela da população economicamente ativa (CARVALHO, 2007). Aponta para crescimento da morbimortalidade por traumas e doenças cardiovasculares. No ano de 2007, por exemplo, a mortalidade de pacientes internados com infarto no país foi de 16,1%, enquanto que, no sistema privado, essa mortalidade foi menor que 5%,comparável a países desenvolvidos.
  • 22. Portaria 1.863/GM Apresenta as diretrizes da rede de atenção às urgências no tocante ao acesso, integralidade, longitudinalidade, regionalização, humanização, modelo de atenção de caráter multiprofissional. articulação e integração dos diversos serviços e equipamentos de saúde. regulação, qualificação da assistência, dentre outros.
  • 23. Rede de atenção as Urgências Configura-se em diferentes níveis de atenção. É dividida em componentes: Promoção, prevenção e vigilância à saúde. Atenção básica. Serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU) com centrais de regulação médica. Sala de estabilização. Força Nacional de Saúde do SUS, Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h) e o conjunto de serviços 24 horas, Hospitalar e Atenção Domiciliar.
  • 24. Detalhando a RAU Complementares, sistema de referência e contrarreferência. Cada serviço é parte integrante da rede de atenção. Atendimento adequado da demanda que lhe é apresentada. Responsabilização pelo encaminhamento quando não dispuser de recursos necessários a tal atendimento. A articulação do estado, municípios e regiões de saúde deve permitir uma resposta equânime às necessidades de saúde da população.
  • 25. Componentes da RAU PROMOÇÃO, PREVENÇAO E VIGILANCIA À SAÚDE. ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE. SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU 192) E CENTRAIS DE REGULAÇÃO MÉDICA DAS URGÊNCIAS. SALA DE ESTABILIZAÇÃO.
  • 26. FORÇA NACIONAL DO SUS – FN-SUS O componente objetiva aglutinar esforços para garantir a integralidade na assistência em situações de risco ou emergenciais para populações. A atuação do SUS em situações que exigem maior participação do poder público como: catástrofes que envolvem múltiplas vítimas e demais condições de calamidade, em especial, de natureza epidemiológica, situações pedem ajuda rápida, com atendimento médico especializado e apoio logístico → Incêndio da Boate Kiss em Santa Maria-RS. Exemplos: alagamento e seca, desabamento, enchente, incêndio, epidemias/pandemias, acidentes nucleares, eventos com grande concentração de pessoas, como Copa do mundo e Olimpíadas.
  • 27. UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA 24h) É o conjunto de serviços de urgência 24 horas não hospitalares. São estabelecimentos de saúde de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde/Saúde da Família e a Rede Hospitalar. Devem prestar atendimento resolutivo e qualificado aos pacientes acometidos por quadros agudos ou agudizados de natureza clínica. Deve prestar primeiro atendimento aos casos de natureza cirúrgica ou de trauma, estabilizando os pacientes e realizando a avaliação diagnóstica inicial, definindo, em todos os casos, as necessidades de encaminhamento a serviços hospitalares de maior complexidade.
  • 30. COMPONENTE HOSPITALAR Este componente é constituído pelas Portas Hospitalares de Urgência, pelas enfermarias de retaguarda clínicas e de longa permanência, pelos leitos de cuidados intensivos e pela e organização das linhas de cuidados prioritárias.
  • 31. A Portaria 2395/2011 organiza o componente Hospitalar da Rede de Atenção às Urgências e regulamenta o seu funcionamento com os seguintes objetivos: Organizar a atenção às urgências nos hospitais, que deve atender à demanda espontânea e referenciada para os outros pontos de atenção às urgências de menor complexidade; Garantir a retaguarda de atendimentos de média e alta complexidade; procedimentos diagnósticos; leitos clínicos e cirúrgicos, de terapia intensiva e de longa permanência para a rede de atenção às urgências; Garantir a assistência hospitalar nas linhas de cuidado prioritárias (cardiovascular, cerebrovascular e traumatologia) em articulação com os demais pontos de atenção.
  • 32. Portaria 2395/2011 Reforça a necessidade do componente hospitalar estar integrado à Rede de Atenção às Urgências. • Estabelece, além das diretrizes básicas do SUS de universalidade, equidade e integralidade e a humanização. • Exigência do acolhimento com Classificação de Risco - ACCR • Regionalização com acesso regulado e a atenção multiprofissional. • Baseado na gestão de linhas de cuidado.
  • 33. As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios: Estabelecer e adotar protocolos de classificação de risco clínico, e de procedimentos administrativos no hospital; • Implantar processo de Acolhimento com Classificação de Risco, em ambiente especifico, identificando o paciente que necessita de tratamento imediato, estabelecendo o potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento e garantindo atendimento priorizado de acordo com o grau de sofrimento ou a gravidade do caso;
  • 34. As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios: Possuir equipe multiprofissional compatível com seu porte. • Estar articulado com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - SAMU 192, Unidades de Pronto Atendimento – UPA e com outros serviços da rede de atenção à saúde, construindo fluxos coerentes e efetivos de referência e contrarreferência, ordenados através das Centrais de Regulação Regionais.
  • 35. As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios: Organizar o trabalho das equipes multiprofissionais de forma horizontal. • Implantar mecanismos de gestão da clínica, com equipe de referência para responsabilização e acompanhamento de caso e de média de permanência, com prontuário único multidisciplinar
  • 36. As portas de entrada hospitalares de urgências serão consideradas qualificadas quando se adequarem aos seguintes critérios: Garantir o desenvolvimento de atividades de educação permanente para as equipes, por iniciativa própria ou por meio de cooperação. procedimentos diagnósticos, leitos clínicos, leitos de terapia intensiva e cirurgias. Fornecer retaguarda às urgências atendidas pelos outros pontos de atenção de menor complexidade que compõem a Rede de Atenção às Urgências em sua região:
  • 37. Considerações finais A organização da RAU tem a finalidade de articular e integrar todos os equipamentos de saúde, objetivando ampliar e qualificar o acesso humanizado e integral aos usuários em situação de urgência nos serviços de saúde, de forma ágil e oportuna. Para uma efetiva implementação da RAU no SUS será imprescindível o envolvimento e apoio de todos os profissionais e gestores que atuam no setor saúde.
  • 38. Referências • COLEMAN, CF; WAGNER, E. Mejora de la atención primaria a pacientes con condiciones crónicas: el modelo de atención a crónicos. In: BENGOA, R.; NUÑO, RS. Curar y cuidar: innovación en la gestión de enfermedades crónicas, una guía práctica para avanzar. Barcelona, Elsevier España, 2008. • MENDES, E. V.. As redes de atenção a saúde. Brasília: Organização pan-americana da saúde. 2011. 549 p. Disponível em: www.telessaude.bvs.br/tiki-read_article.php?articleId=333. Acesso em 13 jul. 2012. • BRASIL. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010 - Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em:www.brasilsus.com.br/legislacoes/gm/107038-4279.html. • BRASIL. Portaria nº 1.600, de 07 de julho de 2011 - Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e Institui a Rede de Atenção à Urgências no Sistema Único de saúde. • BRASIL. Nota técnica: Implementação da rede de atenção às Urgências/emergências – RUE. Disponível em: www.portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/urgencia_300511.pdf. Acesso em 13 maio 2012. • CARVALHO, AKS. Dados demográficos e características gerais de saúde de uma população acima de 40 anos: estudo platino, área metropolitana de São Paulo. 2007. 86f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo/Escola Paulista de Medicina. São Paulo, 2007. www.platino- alat.org/docs/thesis_carvalho_2007.pdf