O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Contextualização do tema: A crise contemporânea dos modelos de atenção à saúde

4.534 visualizações

Publicada em

Apresentação do coordenador técnico do projeto CONASS Debate, Eugênio Vilaça Mendes, no seminário CONASS Debate – A crise contemporânea dos modelos de atenção à saúde.
Brasília, 13 de maio de 2014.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Entre para ver os comentários

Contextualização do tema: A crise contemporânea dos modelos de atenção à saúde

  1. 1. A CRISE CONTEMPORÂNEA DOS MODELOS DE ATENÇÃO À SAÚDE: CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA EUGENIO VILAÇA MENDES CONASS DEBATES BRASÍLIA, 13 DE MAIO DE 2014
  2. 2. A TRANSIÇÃO DA SAÚDE •  A TRANSIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE: DETERMINADA POR FATORES CONTEXTUAIS DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE •  A TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE: DETERMINADAS POR FATORES INTERNOS DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE Fontes: Frenk J. et al. - La transición epidemiologica en America Latina. Boletín de la Oficina Sanitaria Panamericana, 111: 458-496, 1991. Schramm JMA et al. - Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 9: 897-908, 2004.    
  3. 3. UM FUNDAMENTO PARA A CONSTRUÇÃO SOCIAL DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE: O POSTULADO DA COERÊNCIA •  OS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE SÃO RESPOSTAS SOCIAIS DELIBERADAS EFETIVAS, EFICIENTES, DE QUALIDADE E EQUITATIVAS ÀS NECESSIDADES DE SAÚDE DA POPULAÇÃO •  LOGO DEVE HAVER UMA COERÊNCIA ENTRE NECESSIDADES DE SAÚDE EXPRESSAS NA SITUAÇÃO DE SAÚDE E O SISTEMA DE ATENÇÃO À SAÚDE QUE SE PRATICA SOCIALMENTE FONTE: Mendes EV. Os sistemas de serviços de saúde: o que os gestores deveriam saber sobre essas organizações complexas. Fortaleza, Escola de Saúde Pública do Ceará, 2002  
  4. 4. A RUPTURA DO POSTULADO DA COERÊNCIA NOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE CONTEMPORÂNEOS   •  A RUPTURA DO POSTULADO DA COERÊNCIA OCORRE QUANDO SE ESTABELECE UM DESENCONTRO ENTRE A SITUAÇÃO DE SAÚDE (TRANSIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE) E AS RESPOSTAS SOCIAIS ORGANIZADAS PELOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE (TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE SAÚDE), COMO OCORRE HOJE EM ESCALA UNIVERSAL •  ESSA RUPTURA EXPRESSA-SE NA INCOERÊNCIA ENTRE UMA SITUAÇÃO DE SAÚDE DETERMINADA POR TRANSIÇÕES DEMOGRÁFICA, NUTRICIONAL, TECNOLÓGICA E EPIDEMIOLÓGICA RÁPIDAS E PROFUNDAS E A INCAPACIDADE DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE EM SE ADAPTAREM, OPORTUNAMENTE, A ESSAS MUDANÇAS CONTEXTUAIS Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011  
  5. 5. AS MUDANÇAS NOS CONTEXTOS DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE   •  ELAS SE DÃO EM QUATRO MOVIMENTOS DE TRANSIÇÃO CONCOMITANTES: A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA TRANSIÇÃO NUTRICIONAL TRANSIÇÃO EPIDEMIOLÓGICA TRANSIÇÃO TECNOLÓGICA •  ELAS SINALIZAM PROPECTIVAMENTE PARA UMA SITUAÇÃO DE SAÚDE COM PARTICIPAÇÃO RELATIVA CRESCENTE DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS, ESPECIALMENTE DAS DOENÇAS CRÔNICAS, NA SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA •  ELAS SUSCITAM NOVAS FORMAS DE ORGANIZAÇÃO DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011  
  6. 6. A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA NO BRASIL Fontes: IBGE. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050. Revisão 2004. Rio de Janeiro, IBGE, 2004 Malta DC. Panorama atual das doenças crônicas no Brasil. Brasília, SVS/Ministério da Saúde, 2011 BRASIL:Distribuição da população por grupos etários (%), 1950-2050 41.6 40.3 29.6 20.1 14.7 55.5 55.8 64.9 70.4 62.8 3 3.9 5.5 9.6 22.5 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 1950 1975 2000 2020 2050 0-­‐14 15-­‐64 65+
  7. 7. AS DOENÇAS CRÔNICAS NO BRASIL, 2008 •  31,3% (59,5 milhões de pessoas) afirmaram ter pelo menos uma doença crônica •  5,9% declararam ter três ou mais doenças crônicas
  8. 8. A TRANSIÇÃO NUTRICIONAL NO BRASIL 1974-2009 POPULAÇÃO ADULTA POPULAÇÃO DE 5 A 9 ANOS Fonte: Malta DC. Panorama atual das doenças crônicas no Brasil. Brasília, SVS/Ministério da Saúde, 2011
  9. 9. A TRANSIÇÃO TECNOLÓGICA •  O PARADOXO DA TECNOLOGIA MÉDICA •  O CRESCIMENTO EXPONENCIAL DAS TECNOLOGIAS MÉDICAS •  O AUMENTO DA COMPLEXIDADE CLÍNICA •  A INCORPORAÇÃO E O USO CRESCENTE DE TECNOLOGIA DE ALTA DENSIDADE Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  10. 10. O PARADOXO DA TECNOLOGIA MÉDICA OS AVANÇOS NA CIÊNCIA E TECNOLOGIA TÊM MELHORADO A HABILIDADE DOS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE EM DIAGNOSTICAR E TRATAR AS CONDIÇÕES DE SAÚDE, MAS O ALTO VOLUME DAS TECNOLOGIAS DESENVOLVIDAS SUPERA A CAPACIDADE DOS SISTEMAS EM APLICÁ-LAS DE FORMA RACIONAL Fonte: Smith M et al. Best care at lower cost: the path to continuously learning health care in America. Washington, Institute of Medicine, The National Academies Press, 2013  
  11. 11. NÚMERO DE ARTIGOS PUBLICADOS EM REVISTAS MÉDICAS POR ANO 1970/2010 Fontes: Bastian H et al. Seventy-five trials and eleven systematic reviews a day: how will we ever keep up? PLoS Medicine, 7: e1000326, 2010 Dados obtidos em PubMed: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/. In: Smith M et al. Best care at lower cost: the path to continuously learning health care in America. Washington, Institute of Medicine, The National Academies Press, 2013 A PRODUÇÃO DIÁRIA MÉDIA DOS PESQUISADORES É DE 75 ENSAIOS CLÍNICOS E DE 11 REVISÕES SISTEMÁTICAS POR DIA  
  12. 12. O AUMENTO DA COMPLEXIDADE CLÍNICA •  AUMENTO DA COMPLEXIDADE CLÍNICA SIGNIFICA QUE PROFISSIONAIS DE SAÚDE E PESSOAS USUÁRIAS DOS SISTEMAS DE SAÚDE TÊM CRESCENTEMENTE MAIS INFORMAÇÕES A CONSIDERAR E MAIS DECISÕES A TOMAR •  HÁ UMA INCONSISTÊNCIA ESTRUTURAL ENTRE O TEMPO CLÍNICO DISPONÍVEL E O INCREMENTO DA COMPLEXIDADE •  AS DECISÕES A TOMAR SÃO DIFÍCEIS EM FUNÇÃO DE VARIADAS OPÇÕES DE BENEFÍCIOS, RISCOS E TRADE-OFFS •  AS INFORMAÇÕES RECEBIDAS PELAS PESSOAS USUÁRIAS SÃO EM GERAL INSUFICIENTES PARA UMA TOMADA RACIONAL DE DECISÕES •  PESQUISAS DEMONSTRAM QUE APENAS METADE DAS PESSOAS USUÁRIAS RECEBEM INFORMAÇÕES SUFICIENTEMENTE CLARAS SOBRE OS BENEFÍCIOS E TRADE-OFFS DOS TRATAMENTOS PROPOSTOS Fontes: Sepucha KR et al. How does feeling informed relate to being informed? The decision survey. Medical Decision Making, 30: S77-S84, 2010 Zikmund-Fisher BJ et al. Deficits and variations in patients´experience with makink 9 common medical decisions: The decision survey. Medical Decision Making, 30:S85-S95, 2010 Smith M et al. Best care at lower cost: the path to continuously learning health care in America. Washington, Institute of Medicine, The National Academies Press, 2013
  13. 13. A CRISE NO PLANO MICRO DA CLÍNICA •  50% DAS PESSOAS DEIXARAM AS CONSULTAS SEM COMPREENDER O QUE OS MÉDICOS LHES DISSERAM •  50% DAS PESSOAS COMPREENDERAM EQUIVOCADAMENTE AS ORIENTAÇÕES RECEBIDAS DOS MÉDICOS •  50% DAS PESSOAS NÃO FORAM CAPAZES DE ENTENDER AS PRESCRIÇÕES DE MEDICAMENTOS •  O MÉDICO INTERROMPE O PACIENTE 23 SEGUNDOS DEPOIS O INÍCIO DE SUA FALA Fontes: Rother DL & Hall JA. Studies of doctor-patient interaction. Annu. Rev. Public Health. 10: 163-180, 1989 Marvel MK. Et al. Soliciting the patient´s agenda: have we improved? JAMA. 281: 283-287, 1999 Schillinger D et al. Closing the loop: physician communication with diabetic patients who have low health literacy. Arch. Intern. Med. 163: 83-90, 2003 Roumie CL et al. Improving blood pressure control through provider education, provider alerts, and patient education. Ann. Intern. Med. 145: 165-175, 2006 Bodenheimer T & Grumbach K. Improving primery care: strategies and tools for a better practice. New York, Lange Medical Books, 2007
  14. 14. O LADO POSITIVO DA TECNOLOGIA MÉDICA: A INCORPORAÇÃO TECNOLÓGICA NO TRATAMENTO DO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO E DO CÂNCER Fontes: Nabel EG, Braunwald E. A tale of coronary artery disease and myocardial infarction. New England Journal of Medicine. 366: 54-63, 2012 DeVita Jr VT, Rosenberg AS. Two hundred years of cancer research. New England Journal of Medicine, 366:2207-2214, 2012
  15. 15.  O LADO NEGATIVO DA TECNOLOGIA MÉDICA “OS ESTADOS UNIDOS GASTAM COM INTERVENÇÕES MÉDICAS DESNECESSÁRIAS 30% A 50% DO GASTO TOTAL EM SAÚDE E ESSES PROCEDIMENTOS INJUSTIFICADOS SÃO RESPONSÁVEIS POR 30 MIL MORTES A CADA ANO” (Brownlee, 2008). Fontes: Brownlee S. Overtreated: why too much medicine is making us sicker and poorer. New York, Bloomsbury USA, 2007 Welch HG, Schwartz LM, Woloshin S. Overdiagnosed: making people sick in the pursuit of health. Boston, Beacon Press, 2011
  16. 16. A TRANSIÇÃO EPIDEMIOLÓGICA •  UMA NOVA TIPOLOGIA: AS CONDIÇÕES DE SAÚDE •  A SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DE TRIPLA CARGA DE DOENÇAS Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011  
  17. 17. AS CONDIÇÕES DE SAÚDE •  CONDIÇÕES AGUDAS •  CONDIÇÕES CRÔNICAS Fonte: Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília, Organização Mundial da Saúde, 2003.
  18. 18. AS CONDIÇÕES CRÔNICAS •  AS DOENÇAS CRÔNICAS: DOENÇAS CARDIOVASCULARES, CÂNCERES, DIABETES, DOENÇAS RESPIRATÓRIAS CRÔNICAS •  AS CONDIÇÕES GERAIS E INESPECÍFICAS DE CURSO MAIS LONGO •  OS FATORES DE RISCO INDIVIDUAIS BIOPSICOLÓGICOS: COLESTEROL ELEVADO, DEPRESSÃO, HIPERTENSÃO ARTERIAL, NÍVEL GLICÊMICO ALTERADO, SOBREPESO OU OBESIDADE •  AS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS DE CURSO LONGO: HANSENÍASE, HIV/AIDS, HEPATITES B E C •  AS CONDIÇÕES MATERNAS E PERINATAIS           Fontes: Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília, OMS, 2003. Gray M. Evidence-based healthcare and public health: how to make decisions about health and public health. Edinburgh, Churchill Livingstone, 3d. Ed., 2009 McWhinney I. The importance of being different. Brit.J.Gen.Pract., 46: 433-436, 1996 Valla VV. Globalização e saúde no Brasil: a busca da sobrevivência pelas classes populares via questão religiosa. In: Vasconcelos EM. A saúde nas palavras e nos gestos. São Paulo, Hucitec, 2001 Meador CK. The art and science of nondisease. New England J. Medicine. 14: 92-95, 1965 Quinet A. A lição de Charcot. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2005. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  19. 19. AS CONDIÇÕES CRÔNICAS •  A MANUTENÇÃO DA SAÚDE POR CICLOS DE VIDA : PUERICULTURA, HEBICULTURA E SENICULTURA •  AS ENFERMIDADES (ILLNESSES) •  OS DISTÚRBIOS MENTAIS DE LONGO PRAZO •  AS DEFICIÊNCIAS FÍSICAS E ESTRUTURAIS CONTÍNUAS: AMPUTAÇÕES E DEFICIÊNCIAS MOTORAS PERSISTENTES •  AS DOENÇAS BUCAIS Fontes: Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília, OMS, 2003. Gray M. Evidence-based healthcare and public health: how to make decisions about health and public health. Edinburgh, Churchill Livingstone, 3d. Ed., 2009 McWhinney I. The importance of being different. Brit.J.Gen.Pract., 46: 433-436, 1996 Valla VV. Globalização e saúde no Brasil: a busca da sobrevivência pelas classes populares via questão religiosa. In: Vasconcelos EM. A saúde nas palavras e nos gestos. São Paulo, Hucitec, 2001 Meador CK. The art and science of nondisease. New England J. Medicine. 14: 92-95, 1965 Quinet A. A lição de Charcot. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2005. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  20. 20. CONDIÇÕES AGUDAS CONDIÇÕES CRÔNICAS EPISÓDICAS CONTÍNUAS REATIVAS PROATIVAS INTEGRADAS INTEGRADAS ORGANIZAÇÃO DAS RESPOSTAS SOCIAIS ÀS CONDIÇÕES AGUDAS E CRÔNICAS PELOS SISTEMAS DE SAÚDE Fontes: Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília, OMS, 2003 Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  21. 21. OS FUNDAMENTOS DA ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS •  A ESTABILIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS •  O AUTOCUIDADO APOIADO Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011  
  22. 22. HbA1c (%) CUSTO MÉDIO (EM US $) AUMENTO % 6 8.576 - 7 8.954 5% 8 9.555 11% 9 10.424 21% 10 11.629 36% A ESTABILIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS Fontes: Skyler JS. Diabetes control and complications trial. Endocrinol. Metab. Clin. North Am., 25: 243-254,1996 Gilmer TP et al. The cost to health plans of poor glycemic control. Diabetes Care. 20: 1847-1853, 1997.
  23. 23. Os profissionais de saúde só interagem com portadores de doenças crônicas por poucas horas num ano... o resto do ano estas pessoas cuidam de si mesmas... ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ ½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½½ Fonte: Ham C. Developing integrated care in the UK: adapting lessons from Kaiser. Birmingham, Health Services Management Centre, 2006 A IMPORTÂNCIA DO AUTOCUIDADO APOIADO Na Inglaterra, uma pessoa portadora de diabetes recebe, em média, 3 horas de cuidados profissionais por ano, num total de 8.760 horas de um ano.
  24. 24. GRUPO I GRUPO II GRUPO III A CARGA DE DOENÇAS EM ANOS DE VIDA PERDIDOS AJUSTADOS POR INCAPACIDADE (DALYs)- BRASIL, 1998 Fonte: Schramm M et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 9: 897-908, 2004 GRUPO 1: 23,6% Doenças infecciosas e causas maternas e perinatais GRUPO 2: 66,2% Doenças crônicas GRUPO 3: 10,2% Causas externas
  25. 25. A TRIPLA CARGA DE DOENÇAS •  UMA AGENDA NÃO CONCLUÍDA DE INFECÇÕES, DESNUTRIÇÃO E PROBLEMAS DE SAÚDE REPRODUTIVA •  O CRESCIMENTO DAS CAUSAS EXTERNAS •  A FORTE PREDOMINÂNCIA RELATIVA DAS DOENÇAS CRÔNICAS E DE SEUS FATORES DE RISCOS, COMO TABAGISMO, INATIVIDADE FÍSICA, USO EXCESSIVO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS E ALIMENTAÇÃO INADEQUADA Fontes: Frenk J. Bridging the divide: comprehensive reform to improve health in Mexico. Nairobi, Commission on Social Determinants of Health, 2006 Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da  Saúde,  2011  
  26. 26. A EXPLICAÇÃO DA CRISE CONTEMPORÂNEA DOS MODELOS DE ATENÇÃO À SAÚDE UMA SITUAÇÃO DE SAÚDE DO SÉCULO XXI, COM PREDOMINÂNCIA RELATIVA DE CONDIÇÕES CRÔNICAS, SENDO RESPONDIDA SOCIALMENTE POR UM MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE DESENVOLVIDO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX QUANDO PREDOMINAVAM AS CONDIÇÕES AGUDAS POR QUÊ? O DESCOMPASSO ENTRE OS FATORES CONTINGENCIAIS QUE EVOLUEM RAPIDAMENTE (TRANSIÇÕES DEMOGRÁFICA, NUTRICIONAL, TECNOLÓGICA E EPIDEMIOLÓGICA ) E OS FATORES INTERNOS (CULTURA ORGANIZACIONAL, RECURSOS, SISTEMAS DE INCENTIVOS, ESTILOS DE LIDERANÇA, MODELOS DE ATENÇÃO E ARRANJOS ORGANIZATIVOS)   Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011 BRECHA 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% 1930 1935 1940 1945 1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1985 1990 1995 2000 2005 2009 Infecciosaseparasitárias Neoplasias Causasexternas Aparelhocirculatório Outrasdoenças
  27. 27. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 1 2 3 4 Série1   • CASOS  TOTAIS   •   CASOS  DIAGNOSTICADOS   •   CASOS  CONTROLADOS   •   CASOS  COM  PROGRAMAS  DE  PREVENÇÃO     100%   50%   25%   12,5%   A REGRA DA METADE NA ATENÇÃO ÀS DOENÇAS CRÔNICAS Fonte: Hart JT. Rules of halves: implications of increasing diagnosis and reducing dropout for future workloads and prescribing costs in primary care. British Medical Journal. 42: 116-119, 1992.
  28. 28. O CONTROLE DO DIABETES                          NO BRASIL   •  APENAS 10% DOS PORTADORES DE DIABETES TIPO 1 APRESENTARAM NÍVEIS GLICÊMICOS CONTROLADOS •  APENAS 27% DOS PORTADORES DE DIABETES TIPO 2 APRESENTARAM NÍVEIS GLICÊMICOS CONTROLADOS •  45% DOS PORTADORES DE DIABETES APRESENTARAM SINAIS DE RETINOPATIAS •  44% DOS PORTADORES DE DIABETES APRESENTARAM NEUROPATIAS •  16% DOS PORTADORES DE DIABETES APRESENTARAM ALTERAÇÕES RENAIS •  GASTO PER CAPITA/ANO EM SAUDE: US 721,00   NOS ESTADOS UNIDOS   •  17,9 MILHÕES DE PORTADORES DE DIABETES, 5,7% MILHÕES SEM DIAGNÓSTICO (32%) •  APENAS 37% DOS PORTADORES DE DIABETES APRESENTARAM NÍVEIS GLICÊMICOS CONTROLADOS •  35% DOS PORTADORES DE DIABETES APRESENTARAM SINAIS DE RETINOPATIAS •  58% DOS PORTADORES DE DIABETES APRESENTARAM DOENÇAS CARDIOVASCULARES •  30% A 70% DOS PORTADORES DE DIABETES APRESENTARAM NEUROPATIAS •  15% DOS PORTADORES DE DIABETES SUBMETERAM-SE A AMPUTAÇÕES •  GASTO PER CAPITA/ANO EM SAUDE: US 7.164,00 Fontes: Dominguez BC. Controle ainda é baixo no Brasil. RADIS, 59: 11, 2007. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Disease. National Diabetes Statistics 2007. Disponível em: www.diabetes.niddk.gov World Health Organization. World Health Statistics 2011. Geneva, WHO, 2011
  29. 29. O CONCEITO DE MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE O MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE É UM SISTEMA LÓGICO QUE ORGANIZA O FUNCIONAMENTO DAS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE, ARTICULANDO, DE FORMA SINGULAR, AS RELAÇÕES ENTRE OS COMPONENTES DA REDE E AS INTERVENÇÕES SANITÁRIAS, DEFINIDO EM FUNÇÃO DA VISÃO PREVALECENTE DA SAÚDE, DA SITUAÇÃO DE E DOS DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE, VIGENTES EM DETERMINADO TEMPO E EM DETERMINADA SOCIEDADE Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  30. 30. OS MODELOS DE ATENÇÃO À SAÚDE •  OS MODELO DE ATENÇÃO AOS EVENTOS AGUDOS •  OS MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  31. 31. O  MODELO  DE  ATENÇÃO  CRÔNICA  (CHRONIC   CARE  MODEL)   Fonte:  Wagner  EH.  Chronic  disease  management:  what  will  take  to  improve  care  for  chronic  illness?  EffecUve  Clinical  PracUce,  1:   2-­‐4,  1998  (Direito  de  uso  de  imagem  concedido  pelo  American  College  of  Physicians/Tradução  de  responsabilidade  do  autor)  
  32. 32.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           •      MODELO  ORIGINAL   ESTADOS  UNIDOS   HOLANDA   DINAMARCA   CANADÁ                                 BRITISH  COLUMBIA   REINO  UNIDO   ALEMANHA         RÚSSIA   PAÍSES  EM   DESENVOLVIMENTO  -­‐  OMS   O MODELO DE ATENÇÃO CRÔNICA NO MUNDO Fonte: Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Brasília, Organização Pan-Americana da Saúde, 2011
  33. 33. AS MUDANÇAS PROPOSTAS PELO MODELO DA ATENÇÃO CRÔNICA •  ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE •  A organização da atenção às condições crônicas é parte do plano estratégico da organização; •  Os líderes da organização dão suporte à implantação do modelo; •  Os processos de melhoria da atenção às condições crônicas estão integrados nos programas de qualidade da organização. •  DESENHO DA ATENÇÃO À SAÚDE •  Há uma clara divisão de papéis na equipe multidisciplinar em função dos estratos de risco das condições crônicas; •  Há oferta da atenção programada e não programada; •  Há oferta regular da atenção programada, individual e em grupo; •  Utiliza-se regularmente o agente comunitário de saúde no acompanhamento das pessoas usuárias na comunidade. •  SUPORTE ÀS DECISÕES •  Utilizam-se regularmente as diretrizes clínicas; •  A APS está integrada com os especialistas que dão suporte às suas ações; •  Há um sistema regular de educação permanente dos profissionais de saúde; •  Há uma oferta regular de educação em saúde para as pessoas usuárias. Fonte: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective Clinical Practice, 1: 2-4, 1998
  34. 34. AS MUDANÇAS PROPOSTAS PELO MODELO DA ATENÇÃO CRÔNICA •  AUTOCUIDADO APOIADO •  Utilizam-se rotineiramente os instrumentos de autocuidado apoiado; •  Há um plano de autocuidado apoiado elaborado, em conjunto, pela equipe de saúde e pela pessoa usuária, com metas pactuadas; •  O plano de autocuidado apoiado é monitorado regularmente; •  A equipe multidisciplinar está capacitada para apoiar a pessoa usuária no seu autocuidado. •  SISTEMA DE INFORMAÇÃO CLÍNICA •  Há um prontuário clínico eletrônico capaz de gerar o registro das pessoas usuárias por condições de saúde e por estratos de risco; •  O prontuário clínico eletrônico é capaz de prover lembretes e alertas para as pessoas usuárias e para os profissionais de saúde e contém informações necessárias para elaborar e acompanhar o plano de cuidado; •  O prontuário clínico eletrônico é capaz de dar feedbacks para a equipe de saúde e para as pessoas usuárias. •  RECURSOS DA COMUNIDADE •  Há uma ligação estreita entre os serviços de saúde e as organizações da comunidade que possam prover serviços complementares; •  Há um Conselho Local de Saúde que faz o controle social efetivo das unidades de saúde, incluindo a elaboração e o monitoramento da programação. Fonte: Wagner EH. Chronic disease management: what will take to improve care for chronic illness? Effective Clinical Practice, 1: 2-4, 1998
  35. 35. O MODELO DA PIRÂMIDE DE RISCO Fontes: Department of Health. Supporting people with long-term conditions: a NHS and social care model to support local innovation and integration. Leeds, Long Term Conditions Team Primary Care/Department of Health, 2005 Porter M, Kellogg M. Kaiser Permanente : an integrated health care experience. Revista de Innovacion Sanitaria y Atencion Integrada. 1:1, 2008
  36. 36. O DECÁLOGO DE CHRIS HAM PARA OS SISTEMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE DE ALTA PERFORMANCE EM CONDIÇÕES CRÔNICAS •  COBERTURA UNIVERSAL •  AUSÊNCIA DE PAGAMENTO DIRETO NO PONTO DE ATENÇÃO •  FOCO NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E NA PREVENÇÃO DAS DOENÇAS •  APOIO ÀS PESSOAS USUÁRIAS, CUIDADORES E FAMÍLIAS PARA O AUTOCUIDADO •  PRIORIDADE PARA A ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE •  GESTÃO DE BASE POPULACIONAL •  INTEGRAÇÃO DO CUIDADO •  SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO •  COORDENAÇÃO EFETIVA DO CUIDADO •  ESTAS CARACTERÍSTICAS DEVEM SER INTEGRADAS NUM TODO COERENTE, OU SEJA, EM REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Fonte: Ham C. The ten characteristics of the high-performing chronic care system. Health Economics, Policy and Law, 5: 71-90, 2010
  37. 37. A ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE ADVERTE: “OS SISTEMAS DE SAÚDE PREDOMINANTES EM TODO MUNDO ESTÃO FALHANDO POIS NÃO ESTÃO CONSEGUINDO ACOMPANHAR A TENDÊNCIA DE DECLÍNIO DOS PROBLEMAS AGUDOS E DE ASCENSÃO DAS CONDIÇÕES CRÔNICAS. QUANDO OS PROBLEMAS SÃO CRÔNICOS, O MODELO DE TRATAMENTO AGUDO NÃO FUNCIONA” Fonte: Organização Mundial da Saúde. Cuidados inovadores para condições crônicas: componentes estruturais de ação. Brasília, Organização Mundial da Saúde, 2003.

×