SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Aline Blaya Martins
05/2014
Redes de Atenção à Saúde???
Alta
Complexidade
Média
Complexidade
Atenção Primária à Saúde
Problemas complexos...
Repostas complexas...
Roteiro da Aula
1- Marco Histórico das RAS
2- Situação de Saúde no Brasil
3- Conceito e organização das
RAS
4- RAS no SUS
5- RAS na SB do SUS
6- Perspectivas Futuras
1- Marco Histórico das RAS
Bertrand Dawson, médico, trabalhou
na organização de serviços de
emergência na I guerra.
Coordenador de uma comissão que
precisava definir “esquemas para a
provisão sistematizada de serviços
médicos e afins que deveriam estar
disponíveis para a população de
uma área específica”
Relatório Dawson - 1920
OPAS, 1964
 Estabelece a necessidade de
RAS:
“... A Saúde só pode ser assegurada
mediante uma combinação de
esforços...”
Relatório Dawson - 1920
OPAS, 1964
Relatório
Dawson 1920
OPAS, 1964
2- Situação de Saúde no
Brasil
IBGE, 2010
Transição Demográfica
Tripla carga de doenças
Doenças
Crônicas
Violênci
a
Urbana
Doenças
infeciosas
Mendes,
2011
Transição Epidemiológica
CONDIÇÕES
AGUDAS
CONDIÇÕES
CRÔNICAS
Von Korff et al., 1997;
Singh 2008, Mendes, 2011
Predominância de Condições Crônicas
Transição Epidemiológica
3- Conceito e Organização das
RAS
As Redes de Atenção à Saúde (RAS) são
arranjos organizativos de ações e serviços de
saúde, de diferentes densidades tecnológicas,
que integradas por meio de sistemas de apoio
técnico, logístico e de gestão, buscam garantir a
integralidade do cuidado
FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2010)
Conceito
Poliárquica- Formação de relações horizontais entre
os pontos de atenção, tendo APS como centro de
comunicação
Centralidade nas necessidades de saúde da
população
Responsabilização por atenção contínua e
integral
Cuidado multiprofissional
Compartilhamento de objetivos e compromissos
com resultados sanitários e econômicos
Características Principais
FONTE: MENDES (2011)
FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2010)
Características RAS MS
RAS URGÊNCIA E EMERGÊNCIA RAS CONDIÇÕES CRÔNICAS
FONTE: MENDES (2011)
FONTE: MENDES (2011)
RAS
Elementos
POPULAÇÃO E AS REGIÕES DE SAÚDE
ESTRUTURA OPERACIONAL: Componentes
MODELO LÓGICO DE ATENÇÃO
Organização das RAS -
Elementos
FONTE: LIMA et al (2012);SES (2013) MINISTÉRIO DA SAÚDE (2011)
POPULAÇÃO E AS REGIÕES DE
SAÚDE
 Assimetrias municipais e
estaduais
 90% municípios –
médio/pequeno porte
 55% população reside em
municípios de grande porte
Região de Saúde - espaço
geográfico contínuo constituído por
agrupamentos de Municípios
limítrofes (Dec. 7508).
FONTE: MENDES (2011)
H
H H
ESTRUTURA OPERACIONAL das RAS
FONTE: STARFIELD, 2002 MENDES (2011)
Longitudinalida
de
Integralidad
e
Coordenaç
ão
Primeiro
Contato
Orientação
Comunitária
Orientação
Familiar
FUNÇÕES ESSENCIAIS:
Resolubilidade- Comunicação-
Responsabilização
Competência
Cultural
SF – Território de Adscrição - Equipe
Multiprofissional
Atenção Primária à
Saúde
FONTE: MENDES (2011)
Especialistas cumprem um papel
de interconsultor e suporte a
APS.
A combinação de sistemas
logísticos (cartão ID, prontuário
eletrônico, sistema de regulação e
transporte) é o que garante a
integração.
O Sistema de pagamento deve
ser por orçamento global.
Atenção Sec./Média
Complexidade
Nós da RAS
H
H
FONTE: MENDES (2011)
 Devem ser alocados de acordo
com a necessidade de micro e
macrorregiões.
 Devem cumprir a função de
responder às condições agudas
ou aos momentos de
agudização das condições
crônicas, conforme o
estabelecido em diretrizes clínicas
baseadas em evidências.
Atenção Terc./Alta
Complexidade
Nós da RAS
(elementos
temáticos)
H
H
H
FONTE: MENDES (2011); LIMA et al (2012)
Sistema de
Acesso Regulado
Registro Eletrônico
em Saúde
Sistema de Transporte
em Saúde
Sistema de Apoio
Diagnóstico e Terapêutico
Sistema de Assistência
Farmacêutica
Teleassistência
Sistema de Informação
em Saúde
SISTEMAS
DEAPOIO
SISTEMAS
LOGÍSTICOS
PONTOSDEATENÇÃO
SECUNDÁRIOSETERCIÁRIOS
RT
PONTOSDEATENÇÃO
SECUNDÁRIOSETERCIÁRIOS
RT
 Os sistemas Logísticos e de
Apoio necessariamente devem
ser transversais a todas as
redes temáticas e níveis de
atenção.
 Sua articulação é fundamental
para proporcionar atenção
integral a população dentro de
padrões razoáveis de
custo/efetividade.
Sistemas Logísticos e de
Apoio
GOVERNANÇA
COMISSÕES
INTERGESTORES
REGIONAIS
FONTE: MENDES (2011)
Sistema de
Governança
Arranjo de Estado-
rede
(CASTELLS, 2000)
Multiplicidade de poderes
públicos que se
interconectam pela
interdependência
(MEDAUAR, 2003).
Município
APS
Fisioterapi
a
PSE
Hospital
Micro s/ UTI
CRA
S
CEO
CAP
S
S.A.
RAS CONDIÇÕES CRÔNICAS
Município
APS
Fisioterapi
a
Ambul.
Especiali-
zado
Hospital
Micro c/
UTICRA
S
CEO
CAP
S
Município
APS
Fisioterapi
a
PSE
Hospital
Micro s/ UTI
CRA
S
CEO
CAP
S
Município
APS
EMAD
Academia
da Saúde
OftalmoLRPD
CEO
.
S.A.
RAS CONDIÇÕES CRÔNICAS
Hospital
MACRO
Município
APS
Fisioterapi
a
Ambul.
Especiali-
zado
Hospital
Micro c/
UTICRA
S
CEO
CAP
S
Município
APS
Fisioterapi
a
PSE
Hospital
Micro s/ UTI
CRA
S
CEO
CAP
S
Município
APS
EMAD
Academia
da Saúde
OftalmoLRPD
CEO
Hospital
MACRO
S.L
.
S.A.
S.G
.
RAS CONDIÇÕES CRÔNICAS
Municípi
o
UBS
PSFSAM
U
Domicíli
o
Municípi
o
Domicíli
o
UBS
PSF
SAMU
Hospital
Local
Municípi
o
Domicíli
o
UB
S
PSF
SAM
U
S.A.
RAS URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
COMPLEX
O
REGULADO
R
Hospital
Micro s/
UTI
Municípi
o
UBS
PSFSAM
U
Domicíli
o
Municípi
o
Domicíli
o
UBS
PSF
SAMU
Hospital
Local
Municípi
o
Domicíli
o
UB
S
PSF
SAM
U
Municípi
o
Domicíli
o
UBS
PSF
SAMU
Hospital
Local
RAS URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
Hospital
Micro c/ UTI
UPA
Hospital
MACRO
COMPLEX
O
REGULADO
R
Hospital
Micro s/
UTI
Municípi
o
UBS
PSFSAM
U
Domicíli
o
Municípi
o
Domicíli
o
UBS
PSF
SAMU
Hospital
Local
Municípi
o
Domicíli
o
UB
S
PSF
SAM
U
Municípi
o
Domicíli
o
UBS
PSF
SAMU
Hospital
Local
HPS
MACRO
S.L
.
S.A.
S.G
.
RAS URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS
CONDIÇÕES AGUDAS
FONTE: MENDES (2011)
MODELO LÓGICO DE ATENÇÃO
O MODELO DE ATENÇÃO ÀS
CONDIÇÕES CRÔNICAS
FONTE: MACKWAY-JONES et al. (2010), MENDES,(2011 )
NÚMERO NOME COR
TEMPO-
ALVO (Min)
1 Emergente Vermelho 0
2 Muito urgente Laranja 10
3 Urgente Amarelo 60
4 Pouco urgente Verde 120
5 Não urgente Azul 240
ATENÇÃO NO
LUGAR CERTO
HOSPITAL POR
TIPO
UPA
UAPS
ATENÇÃO NO
TEMPO CERTO
TEMPO-RESPOSTA
O Sistema Manchester de Classificação
de Risco
MLA – Condições
Agudas
FONTE: MENDES (2011)
Gestão
de Caso
Gestão da Condição
de Saúde
Autocuidado Apoiado
Nível 1
70-80% de pessoas
com condições simples
Nível 2
20-30% de pessoas com
condições complexas
Nível 3
1- 5% de pessoas com
condições altamente
complexas
MLA: MACC - Condições
crônicas
4- RAS no SUS
 Constituição Federal 1988, “Art. 198. (...) ações
e serviços integram uma rede regionalizada ”.
 NOAS - SUS 01/02, enfatizou a regionalização do
SUS: Instituiu PDR, PDI e PPI.
 Pacto pela Saúde – 2006, prioriza a
regionalização e reafirma os instrumentos. Cria:
Colegiado Gestor Regional e Termo de
Compromisso de Gestão.
 Portaria 4279/11, define que as regiões de saúde
são responsabilidade das RAS e estabelece os
Histórico
Contexto
 Decreto 7508/2011 Regulamenta a Lei 8080
Novo enfoque as REDES, institui:
Mapas de Saúde;
COAPS (Contratos Organizativo da Ação
Pública da Saúde - definem regras e acordos
jurídicos entre os entes federados nas regiões)
Planos de Saúde; RENASES; RENAME;
CGR (Comissões Intergestores Regionais)
RAS no RGS
Após pactuação tripartite, em 2011, foram priorizadas:
5- RAS na SB do SUS
FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2010)
RAS
Elementos
POPULAÇÃO E AS REGIÕES DE SAÚDE
ESTRUTURA OPERACIONAL: Componentes
MODELO LÓGICO DE ATENÇÃO
Organização das RAS -
Elementos
População
Estrutura Operacional RASB
BRASIL, 2013
APS E PONTOS DE ATENÇÃO
SECUNDÁRIA E TERCIÁRIA
Unid. de Atenção Primária à Saúde - UAPs
H
H
CEO
CEO Regional
Hospital Microrregional
Hospital Macrorregional
FONTE: MENDES (2011)
Sistema de Acesso
Regulado
Registro Eletrônico
em Saúde
Sistema de
Transporte em Saúde
Sistema de Apoio
Diagnóstico e Terapêutico
Sistema de Assistência
Farmacêutica
Teleassistência
Sistema de
Informação em Saúde
RC
SISTEMAS
DEAPOIO
SISTEMAS
LOGÍSTICOS
PONTOSDEATENÇÃO
SECUNDÁRIOSETERCIÁRIOS
RAPS
PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOS
ETERCIÁRIOS
r.CONDIÇÕES
RADCC
ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
POPULAÇÃO
H
H H
H H
RAUE
r
RCPCD
Estrutura Operacional RASB
Modelo Lógico de
Atenção
O MODELO DE
ATENÇÃO ÀS
CONDIÇÕES
CRÔNICAS
O MODELO DE
ATENÇÃO ÀS
CONDIÇÕES
AGUDAS
 Agenda pautada nas necessidades da população
 Deve ser discutida com a comunidade.
 A ordem de chegada não deve ser o principal critério para
o atendimento dos casos, mas a sua gravidade.
 O Acolhimento a todos, não devendo limitar-se ao
recebimento da demanda espontânea para identificação
de risco ou definição de urgências.
Brasil, 2008
6- Perspectivas Futuras
• Melhoram os resultados sanitários nas
condições crônicas
• Diminuem as referências a especialistas e a
hospitais
• Aumentam a eficiência dos sistemas de atenção
à saúde
• Produzem serviços mais custo/efetivos
• Aumentam a satisfação das pessoas usuárias
Mendes, 2011.
Consolidação das RAS!!!
Para Próxima Aula
Referências
OPAS. Organizacion Panamericana de La Salud. Informe Dawson: El futuro de los servicios médicos y afines-1920.
Washington, 1964.
Mendes, EV. As Redes de Atenção. Organização Panamericana de Saúde. 2011.
LIMA, LD et al. Regionalização da Saúde no Brasil. In: Giovanela, LG et al. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil.2ª Ed.
Revidada e Ampliada. Editora Fiocruz, 2012.
BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes da Politica Nacional de Saúde Bucal. Brasília DF: 2006.
BRASIL. A política nacional de saúde bucal do Brasil: registro de uma conquista histórica. Brasília: Organização Pan-
Americana da Saúde, 2006.
BRASIL. Constituição Federal de 1988.
BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de Atenção Básica nº 17: Saúde Bucal. Brasília DF, 2007.
BRASIL.. PORTARIA Nº 4.279, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de
Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).
BRASIL. Decreto 7508. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei no 8.080.
BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Histórico de Cobertura da Saúde da Família. Acessado em:
26/08/2013. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/abnumeros.php#historico
BRASIL. Ministério da Saúde. Projeto SB-Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal - Resultados Principais. Brasília,
DF: Ministério da Saúde. 2011.
BRASIL. Redes integradas de saúde. 2013. http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=21125
BRASIL. Redes de Atenção à Saúde. RAS. 2013.
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=35699&janela=1
BRASIL. Redes Temáticas. 2013. http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=41371&janela=1
SES-RS. Rede Chimarão. http://www.saude.rs.gov.br/conteudo/333/?Entre_na_Rede_Chimarr%C3%A3o

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Sus
SusSus
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
feraps
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Mateus Clemente
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
karensuelen
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Jarquineide Silva
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Luis Dantas
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
ilanaseixasladeia
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Ghiordanno Bruno
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
Jorge Samuel Lima
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
Monica Mamedes
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
Welisson Porto
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
Flávio Rocha
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 

Mais procurados (20)

Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Sus
SusSus
Sus
 
Rede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à SaúdeRede de Atenção à Saúde
Rede de Atenção à Saúde
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
 
Saúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da DoençaSaúde Pública - História Natural da Doença
Saúde Pública - História Natural da Doença
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 

Semelhante a Redes de atenção em saúde (ras)

gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
THALLITADEFREITASRAM
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
eadsantamarcelina
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
AndreRavienni
 
Apresentação wagner fulgêncio papel da aps nas redes - ses
Apresentação wagner fulgêncio   papel da aps nas redes - sesApresentação wagner fulgêncio   papel da aps nas redes - ses
Apresentação wagner fulgêncio papel da aps nas redes - ses
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio VilaçaApresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Os desafios da Regionalização
Os desafios da Regionalização Os desafios da Regionalização
Os desafios da Regionalização
Região e Redes
 
Trabalho noas
Trabalho noasTrabalho noas
Trabalho noas
Edson Neto
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
Ricardo Alexandre
 
Saude publica no recife
Saude publica no recifeSaude publica no recife
Saude publica no recife
Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Aroldo Gavioli
 
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptxsaude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
EmanuellaFreitasDiog
 
Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
Marcos Nery
 
A saúde como política social
A saúde como política socialA saúde como política social
A saúde como política social
Comunidadenegrafm
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
Samara165561
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
SAMI EL JUNDI
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ssuser51d27c1
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
comunidadedepraticas
 
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MGDesenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Media e alta complexidade
Media e alta complexidadeMedia e alta complexidade
Media e alta complexidade
Guy Valerio Barros dos Santos
 

Semelhante a Redes de atenção em saúde (ras) (20)

gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdfgabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
gabriela_crespi_rede_de_atencao_a_saude.pdf
 
Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1Módulo 1 - aula 1
Módulo 1 - aula 1
 
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
2020_Aula_APS_ESF_Farmácia_Deison_Gabriela.pdf
 
Apresentação wagner fulgêncio papel da aps nas redes - ses
Apresentação wagner fulgêncio   papel da aps nas redes - sesApresentação wagner fulgêncio   papel da aps nas redes - ses
Apresentação wagner fulgêncio papel da aps nas redes - ses
 
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio VilaçaApresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
Apresentação - Consultor Opas - Eugênio Vilaça
 
Os desafios da Regionalização
Os desafios da Regionalização Os desafios da Regionalização
Os desafios da Regionalização
 
Trabalho noas
Trabalho noasTrabalho noas
Trabalho noas
 
Rede de atenção
Rede de atençãoRede de atenção
Rede de atenção
 
Saude publica no recife
Saude publica no recifeSaude publica no recife
Saude publica no recife
 
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
Organização do sistema de saúde brasileiro, a atenção às urgências e o papel ...
 
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptxsaude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
saude coletiva - unidade 2 [Salvo automaticamente].pptx
 
Redesatencao
RedesatencaoRedesatencao
Redesatencao
 
A saúde como política social
A saúde como política socialA saúde como política social
A saúde como política social
 
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdfNOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
NOTA TÉCNICA-saude-mulher-gestacao-parto-puerperio.pdf
 
Cartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e EmergênciaCartilha Urgência e Emergência
Cartilha Urgência e Emergência
 
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
A relação do governo do estado com as diferentes formas de gestão em saúde - ...
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
Sergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_AtencaoSergio_Redes_Atencao
Sergio_Redes_Atencao
 
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MGDesenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
Desenvolvimento do Liacc em Santo Antonio do Monte-MG
 
Media e alta complexidade
Media e alta complexidadeMedia e alta complexidade
Media e alta complexidade
 

Último

DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 

Último (8)

DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 

Redes de atenção em saúde (ras)

  • 1. Prof. Aline Blaya Martins 05/2014
  • 2.
  • 3. Redes de Atenção à Saúde???
  • 7. Roteiro da Aula 1- Marco Histórico das RAS 2- Situação de Saúde no Brasil 3- Conceito e organização das RAS 4- RAS no SUS 5- RAS na SB do SUS 6- Perspectivas Futuras
  • 9. Bertrand Dawson, médico, trabalhou na organização de serviços de emergência na I guerra. Coordenador de uma comissão que precisava definir “esquemas para a provisão sistematizada de serviços médicos e afins que deveriam estar disponíveis para a população de uma área específica” Relatório Dawson - 1920 OPAS, 1964
  • 10.  Estabelece a necessidade de RAS: “... A Saúde só pode ser assegurada mediante uma combinação de esforços...” Relatório Dawson - 1920 OPAS, 1964
  • 12. 2- Situação de Saúde no Brasil
  • 14. Tripla carga de doenças Doenças Crônicas Violênci a Urbana Doenças infeciosas Mendes, 2011 Transição Epidemiológica
  • 15. CONDIÇÕES AGUDAS CONDIÇÕES CRÔNICAS Von Korff et al., 1997; Singh 2008, Mendes, 2011 Predominância de Condições Crônicas Transição Epidemiológica
  • 16. 3- Conceito e Organização das RAS
  • 17. As Redes de Atenção à Saúde (RAS) são arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas, que integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de gestão, buscam garantir a integralidade do cuidado FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2010) Conceito
  • 18. Poliárquica- Formação de relações horizontais entre os pontos de atenção, tendo APS como centro de comunicação Centralidade nas necessidades de saúde da população Responsabilização por atenção contínua e integral Cuidado multiprofissional Compartilhamento de objetivos e compromissos com resultados sanitários e econômicos Características Principais FONTE: MENDES (2011)
  • 19. FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2010) Características RAS MS
  • 20. RAS URGÊNCIA E EMERGÊNCIA RAS CONDIÇÕES CRÔNICAS FONTE: MENDES (2011)
  • 21. FONTE: MENDES (2011) RAS Elementos POPULAÇÃO E AS REGIÕES DE SAÚDE ESTRUTURA OPERACIONAL: Componentes MODELO LÓGICO DE ATENÇÃO Organização das RAS - Elementos
  • 22. FONTE: LIMA et al (2012);SES (2013) MINISTÉRIO DA SAÚDE (2011) POPULAÇÃO E AS REGIÕES DE SAÚDE  Assimetrias municipais e estaduais  90% municípios – médio/pequeno porte  55% população reside em municípios de grande porte Região de Saúde - espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes (Dec. 7508).
  • 23. FONTE: MENDES (2011) H H H ESTRUTURA OPERACIONAL das RAS
  • 24. FONTE: STARFIELD, 2002 MENDES (2011) Longitudinalida de Integralidad e Coordenaç ão Primeiro Contato Orientação Comunitária Orientação Familiar FUNÇÕES ESSENCIAIS: Resolubilidade- Comunicação- Responsabilização Competência Cultural SF – Território de Adscrição - Equipe Multiprofissional Atenção Primária à Saúde
  • 25. FONTE: MENDES (2011) Especialistas cumprem um papel de interconsultor e suporte a APS. A combinação de sistemas logísticos (cartão ID, prontuário eletrônico, sistema de regulação e transporte) é o que garante a integração. O Sistema de pagamento deve ser por orçamento global. Atenção Sec./Média Complexidade Nós da RAS H H
  • 26. FONTE: MENDES (2011)  Devem ser alocados de acordo com a necessidade de micro e macrorregiões.  Devem cumprir a função de responder às condições agudas ou aos momentos de agudização das condições crônicas, conforme o estabelecido em diretrizes clínicas baseadas em evidências. Atenção Terc./Alta Complexidade Nós da RAS (elementos temáticos) H H H
  • 27. FONTE: MENDES (2011); LIMA et al (2012) Sistema de Acesso Regulado Registro Eletrônico em Saúde Sistema de Transporte em Saúde Sistema de Apoio Diagnóstico e Terapêutico Sistema de Assistência Farmacêutica Teleassistência Sistema de Informação em Saúde SISTEMAS DEAPOIO SISTEMAS LOGÍSTICOS PONTOSDEATENÇÃO SECUNDÁRIOSETERCIÁRIOS RT PONTOSDEATENÇÃO SECUNDÁRIOSETERCIÁRIOS RT  Os sistemas Logísticos e de Apoio necessariamente devem ser transversais a todas as redes temáticas e níveis de atenção.  Sua articulação é fundamental para proporcionar atenção integral a população dentro de padrões razoáveis de custo/efetividade. Sistemas Logísticos e de Apoio
  • 28. GOVERNANÇA COMISSÕES INTERGESTORES REGIONAIS FONTE: MENDES (2011) Sistema de Governança Arranjo de Estado- rede (CASTELLS, 2000) Multiplicidade de poderes públicos que se interconectam pela interdependência (MEDAUAR, 2003).
  • 30. Município APS Fisioterapi a Ambul. Especiali- zado Hospital Micro c/ UTICRA S CEO CAP S Município APS Fisioterapi a PSE Hospital Micro s/ UTI CRA S CEO CAP S Município APS EMAD Academia da Saúde OftalmoLRPD CEO . S.A. RAS CONDIÇÕES CRÔNICAS
  • 31. Hospital MACRO Município APS Fisioterapi a Ambul. Especiali- zado Hospital Micro c/ UTICRA S CEO CAP S Município APS Fisioterapi a PSE Hospital Micro s/ UTI CRA S CEO CAP S Município APS EMAD Academia da Saúde OftalmoLRPD CEO Hospital MACRO S.L . S.A. S.G . RAS CONDIÇÕES CRÔNICAS
  • 34. Hospital Micro c/ UTI UPA Hospital MACRO COMPLEX O REGULADO R Hospital Micro s/ UTI Municípi o UBS PSFSAM U Domicíli o Municípi o Domicíli o UBS PSF SAMU Hospital Local Municípi o Domicíli o UB S PSF SAM U Municípi o Domicíli o UBS PSF SAMU Hospital Local HPS MACRO S.L . S.A. S.G . RAS URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
  • 35. O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES AGUDAS FONTE: MENDES (2011) MODELO LÓGICO DE ATENÇÃO O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS
  • 36. FONTE: MACKWAY-JONES et al. (2010), MENDES,(2011 ) NÚMERO NOME COR TEMPO- ALVO (Min) 1 Emergente Vermelho 0 2 Muito urgente Laranja 10 3 Urgente Amarelo 60 4 Pouco urgente Verde 120 5 Não urgente Azul 240 ATENÇÃO NO LUGAR CERTO HOSPITAL POR TIPO UPA UAPS ATENÇÃO NO TEMPO CERTO TEMPO-RESPOSTA O Sistema Manchester de Classificação de Risco MLA – Condições Agudas
  • 37. FONTE: MENDES (2011) Gestão de Caso Gestão da Condição de Saúde Autocuidado Apoiado Nível 1 70-80% de pessoas com condições simples Nível 2 20-30% de pessoas com condições complexas Nível 3 1- 5% de pessoas com condições altamente complexas MLA: MACC - Condições crônicas
  • 38. 4- RAS no SUS
  • 39.  Constituição Federal 1988, “Art. 198. (...) ações e serviços integram uma rede regionalizada ”.  NOAS - SUS 01/02, enfatizou a regionalização do SUS: Instituiu PDR, PDI e PPI.  Pacto pela Saúde – 2006, prioriza a regionalização e reafirma os instrumentos. Cria: Colegiado Gestor Regional e Termo de Compromisso de Gestão.  Portaria 4279/11, define que as regiões de saúde são responsabilidade das RAS e estabelece os Histórico
  • 40. Contexto  Decreto 7508/2011 Regulamenta a Lei 8080 Novo enfoque as REDES, institui: Mapas de Saúde; COAPS (Contratos Organizativo da Ação Pública da Saúde - definem regras e acordos jurídicos entre os entes federados nas regiões) Planos de Saúde; RENASES; RENAME; CGR (Comissões Intergestores Regionais)
  • 42. Após pactuação tripartite, em 2011, foram priorizadas:
  • 43. 5- RAS na SB do SUS
  • 44. FONTE: MINISTÉRIO DA SAÚDE (2010) RAS Elementos POPULAÇÃO E AS REGIÕES DE SAÚDE ESTRUTURA OPERACIONAL: Componentes MODELO LÓGICO DE ATENÇÃO Organização das RAS - Elementos
  • 47. APS E PONTOS DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA E TERCIÁRIA Unid. de Atenção Primária à Saúde - UAPs H H CEO CEO Regional Hospital Microrregional Hospital Macrorregional FONTE: MENDES (2011) Sistema de Acesso Regulado Registro Eletrônico em Saúde Sistema de Transporte em Saúde Sistema de Apoio Diagnóstico e Terapêutico Sistema de Assistência Farmacêutica Teleassistência Sistema de Informação em Saúde RC SISTEMAS DEAPOIO SISTEMAS LOGÍSTICOS PONTOSDEATENÇÃO SECUNDÁRIOSETERCIÁRIOS RAPS PONTOSDEATENÇÃOSECUNDÁRIOS ETERCIÁRIOS r.CONDIÇÕES RADCC ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE POPULAÇÃO H H H H H RAUE r RCPCD Estrutura Operacional RASB
  • 48. Modelo Lógico de Atenção O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES CRÔNICAS O MODELO DE ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES AGUDAS  Agenda pautada nas necessidades da população  Deve ser discutida com a comunidade.  A ordem de chegada não deve ser o principal critério para o atendimento dos casos, mas a sua gravidade.  O Acolhimento a todos, não devendo limitar-se ao recebimento da demanda espontânea para identificação de risco ou definição de urgências. Brasil, 2008
  • 50. • Melhoram os resultados sanitários nas condições crônicas • Diminuem as referências a especialistas e a hospitais • Aumentam a eficiência dos sistemas de atenção à saúde • Produzem serviços mais custo/efetivos • Aumentam a satisfação das pessoas usuárias Mendes, 2011. Consolidação das RAS!!!
  • 52. Referências OPAS. Organizacion Panamericana de La Salud. Informe Dawson: El futuro de los servicios médicos y afines-1920. Washington, 1964. Mendes, EV. As Redes de Atenção. Organização Panamericana de Saúde. 2011. LIMA, LD et al. Regionalização da Saúde no Brasil. In: Giovanela, LG et al. Políticas e Sistemas de Saúde no Brasil.2ª Ed. Revidada e Ampliada. Editora Fiocruz, 2012. BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes da Politica Nacional de Saúde Bucal. Brasília DF: 2006. BRASIL. A política nacional de saúde bucal do Brasil: registro de uma conquista histórica. Brasília: Organização Pan- Americana da Saúde, 2006. BRASIL. Constituição Federal de 1988. BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de Atenção Básica nº 17: Saúde Bucal. Brasília DF, 2007. BRASIL.. PORTARIA Nº 4.279, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). BRASIL. Decreto 7508. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei no 8.080. BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Histórico de Cobertura da Saúde da Família. Acessado em: 26/08/2013. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/abnumeros.php#historico BRASIL. Ministério da Saúde. Projeto SB-Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal - Resultados Principais. Brasília, DF: Ministério da Saúde. 2011. BRASIL. Redes integradas de saúde. 2013. http://portal.saude.gov.br/portal/saude/visualizar_texto.cfm?idtxt=21125 BRASIL. Redes de Atenção à Saúde. RAS. 2013. http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=35699&janela=1 BRASIL. Redes Temáticas. 2013. http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/visualizar_texto.cfm?idtxt=41371&janela=1 SES-RS. Rede Chimarão. http://www.saude.rs.gov.br/conteudo/333/?Entre_na_Rede_Chimarr%C3%A3o

Notas do Editor

  1. Ocorre que a situação de saúde brasileira vem mudando e, hoje, marca-se por uma transição demográfica acelerada e expressa-se por uma situação de tripla carga de doenças: uma agenda não superada de doenças infecciosas e carenciais, uma carga importante de causas externas e uma presença hegemônica forte de condições crônicas. Essa situação de saúde não poderá ser respondida, adequadamente, por um sistema de atenção à saúde totalmente fragmentado, reativo, episódico e voltado, prioritariamente, para o enfrentamento das condições agudas e das agudizações das condições crônicas.
  2. Essa tipologia está orientada, principalmente, por algumas variáveis-chave contidas no conceito de condição de saúde: primeira, o tempo de duração da condição de saúde, se breve ou longo; segunda, a forma de enfrentamento pelo sistema de atenção à saúde, se episódica, reativa e feita sobre a queixa principal, ou se contínua, proativa e realizada por meio de cuidados, mais ou menos permanentes, contidos num plano de cuidado elaborado conjuntamente pela equipe de saúde e pelas pessoas usuárias; e por fim, o modo como se estrutura o sistema de atenção à saúde, se fragmentado ou integrado. As condições agudas, em geral, apresentam um curso curto, inferior a três meses de duração, e tendem a se autolimitar; ao contrário, as condições crônicas têm um período de duração mais ou menos longo e nos casos de algumas doenças crônicas, tendem a apresentar-se de forma definitiva e permanente (]). As condições agudas, em geral, são manifestações de doenças transmissíveis de curso curto, como dengue e gripe, ou de doenças infecciosas, também de curso curto, como apendicite ou amigdalites, ou de causas externas, como os traumas. As doenças infecciosas de curso longo são consideradas condições crônicas. Os ciclos de evolução das condições agudas e crônicas são muito diferentes. As condições agudas, em geral, iniciam-se repentinamente; apresentam uma causa simples e facilmente diagnosticada; são de curta duração; e respondem bem a tratamentos específicos, como os tratamentos medicamentosos ou as cirurgias. Existe, tanto para os médicos quanto para as pessoas usuárias, uma incerteza relativamente pequena. O ciclo típico de uma condição aguda é sentir-se mal por algum tempo, ser tratado e ficar melhor. A atenção às condições agudas depende dos conhecimentos e experiências profissionais, fundamentalmente dos médicos, para diagnosticar e prescrever o tratamento correto. Tome-se, como exemplo de condição aguda, uma apendicite. Ela começa rapidamente, com queixas de náusea e dor no abdomen. O diagnóstico, feito no exame médico, leva a uma cirurgia para remoção do apêndice. Segue-se um período de convalescença e, depois, a pessoa volta à vida normal com a saúde restabelecida. As condições crônicas, especialmente as doenças crônicas, são diferentes. Elas se iniciam e evoluem lentamente. Usualmente, apresentam múltiplas causas que variam no tempo, incluindo hereditariedade, estilos de vida, exposição a fatores ambientais e a fatores fisiológicos. Em geral, faltam padrões regulares ou previsíveis para as condições crônicas. Ao contrário das condições agudas que, em geral, pode-se esperar uma recuperação adequada, as condições crônicas levam a mais sintomas e à perda de capacidade funcional. Cada sintoma pode levar a outros, num ciclo vicioso dos sintomas: condição crônica leva a tensão muscular que leva a dor que leva a estresse e ansiedade que leva a problemas emocionais que leva a depressão que leva a fadiga que leva a condição crônica (LORIG et al., 2006). Muitas condições agudas podem evoluir para condições crônicas. É o caso de certos traumas que deixam sequelas de longa duração, determinando algum tipo de incapacidade que exigirá cuidados, mais ou menos permanentes, do sistema de atenção à saúde. De outra forma, as condições crônicas podem apresentar períodos de agudização e, nesses momentos tópicos de transformação em eventos agudos, devem ser enfrentadas pelo sistema de atenção à saúde, na mesma lógica episódica e reativa das condições agudas. As condições crônicas vão, portanto, muito além das doenças crônicas (diabetes, doença cardiovascular, câncer, doença respiratória crônica etc.), ao envolverem as doenças infecciosas persistentes (hanseníase, tuberculose, HIV/aids, hepatites virais, etc.), as condições ligadas à maternidade e ao período perinatal (acompanhamento das gestantes e atenção ao parto, às puérperas e aos recém-natos); as condições ligadas à manutenção da saúde por ciclos de vida (puericultura, hebicultura e monitoramento da capacidade funcional dos idosos); os distúrbios mentais de longo prazo; as deficiências físicas e estruturais contínuas (amputações, cegueiras, deficiências motoras persistentes etc.); as doenças metabólicas; e a grande maioria das doenças bucais.
  3. Registro eletrônico (prontuário + cartão ID) esse movimento de reorganização implica uma centralização das unidades de processamento, uma descentralização da coleta dos exames para todas as unidades de atenção à saúde, especialmente para as unidades de APS, e uma ligação dessas duas pontas por meio de um sistema logístico eficaz. Além disso, nos últimos anos, a dinâmica operacional dos laboratórios de patologia clínica apresentou mudanças marcadas principalmente por: automação dos processos analíticos com aumento da precisão, exatidão e segurança para a realização de exames laboratoriais; informatização dos processos pré-analíticos, analíticos e pós-analíticos; ampliação da capacitação de recursos humanos (médicos, biólogos, biomédicos, bioquímicos e técnicos); necessidade de conformidade dos processos pré-analíticos, analíticos e pós-analíticos com requisitos legais que passaram a regulamentar o setor; e implantação de programa de gestão da qualidade (DEPARTAMENTO DE PROPEDÊUTICA COMPLEMENTAR, 2007).
  4. Como o objeto do desenho institucional é a governança RASs estar-se-à diante de um arranjo de Estado-rede (CASTELLS, 2000) que supera uma organização hierarquizada e uniforme, estruturando, pela multiplicidade de poderes públicos que se interconectam pela interdependência, uma estrutura horizontal com geometria variável segundo os diferentes tipos de atuação (MEDAUAR, 2003).
  5. SL Sistema Logístico- Sistema de Acesso Regulado, Registro eletrônico em saúde (Prontuário eletrônico + Cartão), Sistema de transporte em saúde SA Sistema de Apoio – Sistema de Apoio Diagnóstico e Terapêutico, Sistema de Assistência Farmacêutica, Sistema de Informação em Saúde e Teleassistência EMAD- Equipe Multiprofissional de Atenção Domiciliar (EMAD) CRAS- Centro de referência de assistência social PSE – Programa saúde na escola
  6. SL Sistema Logístico- Sistema de Acesso Regulado, Registro eletrônico em saúde (Prontuário eletrônico + Cartão), Sistema de transporte em saúde SA Sistema de Apoio – Sistema de Apoio Diagnóstico e Terapêutico, Sistema de Assistência Farmacêutica, Sistema de Informação em Saúde e Teleassistência EMAD- Equipe Multiprofissional de Atenção Domiciliar (EMAD) CRAS- Centro de referência de assistência social PSE – Programa saúde na escola
  7. SL Sistema Logístico- Sistema de Acesso Regulado, Registro eletrônico em saúde (Prontuário eletrônico + Cartão), Sistema de transporte em saúde SA Sistema de Apoio – Sistema de Apoio Diagnóstico e Terapêutico, Sistema de Assistência Farmacêutica, Sistema de Informação em Saúde e Teleassistência EMAD- Equipe Multiprofissional de Atenção Domiciliar (EMAD) CRAS- Centro de referência de assistência social PSE – Programa saúde na escola
  8. O MACC, modelo de atenção as condições crônicas proposto por mendes, estrutura-se em cinco níveis e em três componentes integrados: a população, os tipos de intervenções de saúde e os focos das intervenções de saúde. Para a construção do modelo o autor tomou como base o modelo da Atenção Crônica, o modelo da Kaiser Permanente, evidências científicas que trabalharam com a temática da organização da atenção visando resultados clínicos e funcionais e também considerou o modelo de determinação de saúde proposto por Dalgren e Whitehead e as considerações da Comissão Nacional de Determinanntes Sociais da Saúde. Desta forma no lado esquerdo do modelo observa-se o processo de estratificação da população, que é central na construção das RASs porque permite identificar pessoas e grupos com necessidades de saúde semelhantes que devem ser atendidos por tecnologias e recursos específicos, segundo uma estratificação de riscos. Sua lógica se apoia num manejo diferenciado, pelas RASs, de pessoas e de grupos que apresentam riscos similares. No meio do modelo observa-se os tipos de intervenção em saúde que são propostos com base na divisão da população e no modelo de determinação social da saúde de Dahlgren e Whitehead, que sustenta o terceiro eixo do modelo que dispõem dos focos das intervenções. Além disso uma linha transversal que corta o desenho nos tipos de intervenção, desde as ações de prevenção das condições de saúde até a gestão de caso, representa uma divisão relativa à natureza da atenção à saúde. O que estiver acima dessa linha representa, mais significativamente, a atenção profissional, o que estiver abaixo dessa linha representa, hegemonicamente, o autocuidado apoiado. É, dessa forma, que esse modelo incorpora, as evidências provenientes, especialmente da pirâmide de riscos da Kaiser Permanente. Assim, no nível 3, vai-se operar, mais fortemente, com o autocuidado O processo de estratificação da população, representado pelo lado esquerdo da Figura, é central na construção das RASs porque permite identificar apoiado; já no nível 4, opera-se equilibradamente entre o autocuidado apoiado e atenção profissional e, no nível 5, há uma forte concentração da atenção profissional coordenada por um gestor de caso. Mas as mudanças na atenção à saúde, determinadas pelo MACC, são mais profundas e vão muito além da atenção profissional e o autocuidado apoiado. Nesse capítulo, vão se considerar os dois primeiros níveis do MACC e as profundas mudanças que se devem processar na natureza da atenção à saúde para que se tenha sucesso no manejo das condições crônicas. Isso significa discutir as relações das RASs com as subpopulações estratificadas por riscos, elemento essencial de uma atenção à saúde baseada na população, as intervenções promocionais sobre os determinantes sociais da saúde intermediários, as intervenções sobre os comportamentos e estilos de vida não saudáveis e as mudanças da atenção à saúde. As intervenções relativas às condições de saúde estabelecidas – componentes dos níveis três, quatro e cinco do modelo de atenção às condições crônicas – objeto das tecnologias de gestão das condições de saúde e da gestão de caso, serão discutidas detalhadamente no Capítulo 4 sobre a gestão da clínica.
  9. • Rede Cegonha, que tem um recorte de atenção à gestante e de atenção à criança até 24 meses; • Rede de Atenção às Urgências e Emergências: Saúde Toda Hora; • Rede de Atenção Psicossocial (com prioridade para o Enfrentamento do Álcool, Crack, e outras Drogas); • Rede de Atenção às Doenças e Condições Crônicas: iniciando-se pelo câncer (a partir da intensificação da prevenção e controle do câncer de mama e colo do útero); • Rede de Cuidado à Pessoa com Deficiência.
  10. LRPD- Sistemas de apoio terapêutico