SlideShare uma empresa Scribd logo
REAPRENDIZAGEM NA
CADEIA DA SAÚDE
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
TECNOLOGIAS
DISRUPTIVAS
COMPORTAMENTO
COMPORTAMENTO
❑ Relação médico-paciente
❑ Engajamento do paciente
❑ Envelhecimento
❑ Judicialização
Relação médico-paciente
Sempre foi o alicerce da Medicina, onde repousa a
confiança no médico e a esperança na cura.
Com as tecnologias atuais a expectativa continua
sendo a mesma.
Esta relação tem um diálogo assimétrico que não
mudou através dos séculos desde os tempos de
Hipócrates.
COMPORTAMENTO
Então, o que há de novo, onde está a reaprendizagem?
A mudança é fundamental na postura
do médico diante de questionamentos
em função das novas tecnologias.
O médico deve aceitar esse novo
diálogo e orientar o paciente na
procura de sites, redes de comunidades
efetivamente úteis, na utilização de
aplicativos e outros recursos.
COMPORTAMENTO
Relação médico-paciente
COMPORTAMENTO
Engajamento do paciente
COMPORTAMENTO
Dissociação entre o que os pacientes querem e o que eles
recebem:
I. “Vejam-me e apoiem-me como pessoa e não como
uma doença ou um local de intervenção”.
II. Os pacientes querem ser parceiros informados sobre
os cuidados.
III. O cuidado fragmentado é prejudicial e desperdiçador.
Os pacientes podem se sentir abandonados,
especialmente após a alta.
IV. Os pacientes querem ser parceiros capacitados no
atendimento.
V. Em alguns países, garantir um acesso receptivo aos
cuidados é uma prioridade fundamental.
Em busca do sistema de saúde perfeito, Mark Britnell.
Engajamento do paciente
Questão fundamental para a saúde sustentável
e uma sociedade consciente.
Pacientes engajados consomem entre 8 e 21%
menos cuidados, sentem-se mais satisfeitos e
têm melhores resultados.
Coaching de saúde, cuidados com utilização de
Internet e grupos de apoio ao paciente geram
grandes taxas de retorno, especialmente em
relação a doenças crônicas de grande
incidência.
COMPORTAMENTO
Envelhecimento
A população de idosos no Brasil será de 20%
em 2030, dobro da porcentagem atual.
Quanto a Atenção à Saúde contribuiu para o
aumento da longevidade?
Quanto a tecnologia poderá contribuir para
proporcionar cuidados adequados à crescente
população idosa?
COMPORTAMENTO
No Brasil as políticas públicas ainda são insuficientes para atender as
necessidades dessa população. O Estatuto do Idoso é uma das
principais conquistas.
Envelhecimento
Tendências
▪ Impulsionar o cuidado informal.
▪ Comunidades como cuidadoras.
▪ Sistemas de monitoramento
remoto e tecnologia assistiva.
▪ Prevenção e Autogestão.
▪ Hospitais conectados.
COMPORTAMENTO
Judicialização
❑ As operadoras de saúde são regulamentadas por
uma legislação em constante mudança, o que
dificulta sua operação. São comuns situações
onde o paciente já sai do consultório médico com
a receita e o cartão do advogado que vai “aviá-la”
no judiciário.
❑ O sistema de saúde brasileiro é extremamente
fragmentado e subfinanciado, o que acarreta
grandes problemas estruturais e limitações
financeiras para atender a demanda da
população.
COMPORTAMENTO
❑ Debates quanto à legitimidade do Poder Judiciário em interferir nas políticas
públicas de saúde e obrigar o poder público a arcar com tratamentos ou
medicamentos, mesmo que estejam fora dos protocolos do SUS.
Judicialização
COMPORTAMENTO
A fonte de pesquisa é a 14ª edição do relatório Justiça
em Números, do Conselho Nacional de Justiça
TECNOLOGIAS
DISRUPTIVAS
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Mais de 200 anos após o
nascimento do estetoscópio
surgiu uma ferramenta
muito mais moderna para
investigar o interior do
corpo humano além de
ouvir sons. Eric Topol
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Telemedicina
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Primeiros experimentos relacionados
com o início das viagens espaciais.
Cientistas avaliaram os efeitos
fisiológicos da baixa gravidade nos
astronautas.
TELEMEDICINA
SEGUNDA OPINIÃO
CONSULTAS
REMOTAS E
MONITORAMENTO
DE CUIDADOS
CRÍTICOS
VIGILÂNCIA
EPIDEMIOLÓGICA E
ACOMPANHAMENTO
DE PROGRAMAS
EDUCAÇÃO MÉDICA
CONTINUADA
GERENCIAMENTO DE
DESASTRES
ESCLARECIMENTOS
À POPULAÇÃO
HOME CARE E
MONITORAMENTO
AMBULATORIAL
PROCEDIMENTOS DE
TELEMENTORIA E
CIRURGIAS
ROBÓTICAS
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Experiências
Consolidadas no
Brasil
Projeto Tele Minas Saúde
SAMU - Projeto Tele
Eletrocardiograma Digital
Telessaúde Brasil Redes
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
SAMU
Projeto de Tele Eletrocardiograma Digital
Aparelhos de eletrocardiograma com tecnologia
desenvolvida pelo Hcor em parceria com o
Ministério da Saúde.
13 mil eletrocardiogramas em mais
de 100 municípios até março de 2013.
Serviço de Atendimento
Móvel de Urgência.
• Principais ocorrências:
✓ Infarto.
✓ Fibrilação atrial.
✓ Arritmias cardíacas.
✓ Taquicardias.
✓ Bradicardias.
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Integrado
Constituído
Telessaúde
Brasil Redes
- Gestores da saúde.
- Instituições
formadoras de
profissionais de saúde.
- Serviços de saúde do
SUS.
Núcleo de Telessaúde
Técnico-Científico:
instituições formadoras e de
gestão e/ou serviços de
saúde responsáveis pela
formulação e gestão das
Teleconsultorias,
Telediagnósticos e Segunda
Opinião Formativa.
Ponto de Telessaúde: serviços
de saúde através dos quais os
trabalhadores e profissionais
do SUS demandam
Teleconsultorias e
Telediagnósticos.
SERVIÇOS
▪ Teleconsultoria
▪ Telediagnóstico.
▪ Tele-educação.
▪ Segunda Opinião
Formativa.
Telessaúde Brasil Redes
Orçamento PróprioFundos Públicos Fundos Públicos
2001
Desenvolvimento
de um modelo de
telessaúde para
atenção primária.
2004
Projeto Piloto de
Teleconsulta para
dar suporte aos
profissionais do
Programa Saúde
da Família.
2005
Projeto de
Pesquisa
Telecardio.
Criação da Rede
e Telessaúde de
MG.
2009
Projeto Telecardio
transforma-se em
serviço regular de
telessaúde para
apoio a profissionais
do Serviço Público
Estadual.
2012
Mais de um milhão
de ECGs,
48.000
teleconsultas,
660 municípios e
821 sites.
Projeto
Piloto de
Telessaúde
Projeto de
Pesquisa de
Telessaúde
Serviço
Regular de
Telessaúde
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Projeto Tele Minas Saúde
Serviço de Telessaúde de MG
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
DESAFIOS DA
TELEMEDICINA
REGULAMENTAÇÃO
INFRAESTRUTURA DE
TELECOMUNICAÇÕES
SUSTENTABILIDADE E
FORMAS DE
PAGAMENTO
EXPERIÊNCIA DO
PACIENTE
RESOLUTIVIDADE
PROPEDÊUTICA
FALTA DE INTEGRAÇÃO
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Wearables
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Saúde
Conectada
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Inteligência Artificial
❑ Hipóteses diagnósticas cada vez mais precisas.
❑ Processamento de um grande volume de informações em saúde.
❑ Impacto na escolha das especialidades médicas.
❑ O papel do médico como agente terapêutico fortalecido.
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Genômica e Medicina Personalizada
O custo do sequenciamento do primeiro genoma
humano foi de 1 bilhão de dólares e levou 10 anos.
Atualmente é feito em um dia, ao custo de menos de
2 mil dólares com preços cada vez menores.
Mudança no paradigma de tratamento: de doenças,
para o bem estar preditivo e preventivo e no
gerenciamento do estilo de vida.
Mudança de tratamento coletivo para individual.
TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
Health Care
600 no Brasil1.600 em 31 países
Estados Unidos com 1000 Israel com 657
Finlândia com 400
SUSTENTABILIDADE
FINANCEIRA
FEE FOR
SERVICE
Forma de remuneração que
considera o somatório de cada
procedimento, independentemente
do avanço no tratamento do
paciente.
Procedimentos
ou itens como
honorários,
diárias
hospitalares,
materiais,
medicamentos.
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
P4P - Pagamentos por Performance
Modelos exploratórios utilizados em países como EUA.
Considera o resultado final do tratamento, redução de custos e não
somente a remuneração.
Os principais modelos são DRG, Capitação e Bundled Payments (Pacotes).
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
Classificações
agrupadas de
maneira
específica.
É estabelecida uma
relação dos
tratamentos com os
respectivos custos.
Os valores são
determinados de
acordo com as
características
clínicas e
demográficas do
paciente.
Oferece base
precisa para a
remuneração dos
cuidados da
saúde.
Sistema de
classificação de
pacientes de acordo
com o diagnóstico.
DRG
Grupo de
Diagnósticos
Relacionados
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
DRG
Grupo de
Diagnósticos
Relacionados
Xxx
pwc
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
Capitação
É uma forma de remuneração
que envolve um valor fixo em
dinheiro por paciente e por
unidade de tempo pago
adiantado ao médico pela
realização de serviços.
Nessa modalidade o médico
compartilha os riscos.
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
REMUNERAÇÃO
Rol de
serviços
oferecidos
Número de
pacientes
Período de
tempo da
oferta dos
serviços
Valor calculado
a partir dos
custos e da
utilização
médica local
Capitação
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
Bundled
Payments
Pacotes
A constante aprendizagem
Cecília Meireles
Hoje desaprendo o que tinha aprendido até ontem
e que amanhã recomeçarei a aprender.
Todos os dias desfaleço e desfaço-me em cinza efêmera:
todos os dias reconstruo minhas edificações, em sonho eternas.
Esta frágil escola que somos, levanto-a com paciência
dos alicerces às torres, sabendo que é trabalho sem termo.
E do alto avisto os que folgam e assaltam, donos de riso e pedras.
Cada um de nós tem sua verdade, pela qual deve morrer.
De um lugar que não se alcança, e que é, no entanto, claro,
minha verdade, sem troca, sem equivalência nem desengano
permanece constante, obrigatória, livre:
enquanto aprendo, desaprendo e torno a reaprender.
Grata pela atenção!
Sumaia Georges El Khouri, MSc.
(11) 99128-5566
sumaia.georges@terra.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...
Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...
Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...
Ministério da Saúde
 
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de CuidadoFGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Aroldo Gavioli
 
Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1
Joaquim Wilmar
 
Planos de saúde
Planos de saúdePlanos de saúde
Planos de saúde
Isaias Garcêz
 
Redes de saude que agregam valor
Redes de saude que agregam valorRedes de saude que agregam valor
Redes de saude que agregam valor
Cesar Camara
 
Provas
ProvasProvas
Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4
Artur Wagner
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
CNseg
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de risco
Ismael Costa
 
Informe saude.outubro
Informe saude.outubroInforme saude.outubro
Informe saude.outubro
neepssuerj
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
Renata Cristina
 
Minu mundo sad ao médico 1.0
Minu mundo   sad ao médico 1.0Minu mundo   sad ao médico 1.0
Minu mundo sad ao médico 1.0
Michael Candido
 
O uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informação
O uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informaçãoO uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informação
O uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informação
Daniel Guedes
 
03 regulação auditoria
03 regulação auditoria03 regulação auditoria
03 regulação auditoria
andressa bonn
 
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Oncoguia
 
Matriciamento
MatriciamentoMatriciamento
Matriciamento
petsmufrn
 

Mais procurados (17)

Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...
Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...
Ministério da Saúde anuncia norma em defesa dos usuários e da qualidade dos p...
 
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de CuidadoFGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
 
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergênciaHumanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
Humanização, acolhimento e classificação de risco em urgência e emergência
 
Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1Palestradrvanderleymoya1
Palestradrvanderleymoya1
 
Planos de saúde
Planos de saúdePlanos de saúde
Planos de saúde
 
Redes de saude que agregam valor
Redes de saude que agregam valorRedes de saude que agregam valor
Redes de saude que agregam valor
 
Provas
ProvasProvas
Provas
 
Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4
 
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
2º Fórum da Saúde Suplementar - Renato Couto
 
HumanizaSUS classificação de risco
HumanizaSUS   classificação de  riscoHumanizaSUS   classificação de  risco
HumanizaSUS classificação de risco
 
Informe saude.outubro
Informe saude.outubroInforme saude.outubro
Informe saude.outubro
 
Administração hospitalar
Administração hospitalarAdministração hospitalar
Administração hospitalar
 
Minu mundo sad ao médico 1.0
Minu mundo   sad ao médico 1.0Minu mundo   sad ao médico 1.0
Minu mundo sad ao médico 1.0
 
O uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informação
O uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informaçãoO uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informação
O uso significativo do prontuário eletrônico de saúde e o acesso à informação
 
03 regulação auditoria
03 regulação auditoria03 regulação auditoria
03 regulação auditoria
 
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
 
Matriciamento
MatriciamentoMatriciamento
Matriciamento
 

Semelhante a Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde

Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwCReflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Empreender Saúde
 
Aula TICS 13.05.09
Aula TICS 13.05.09Aula TICS 13.05.09
Aula TICS 13.05.09
Elisabete Oliveira
 
Ewaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. RussoEwaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. Russo
Expansão Eventos
 
Adapta - Palestras Corporativas
Adapta - Palestras CorporativasAdapta - Palestras Corporativas
Adapta - Palestras Corporativas
Sérgio Nunes
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
Sergio C Tavares
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
guest8d08d6
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
Mónica Correia
 
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
Mónica Correia
 
Revista saude para todos 1ª edição
Revista saude para todos  1ª ediçãoRevista saude para todos  1ª edição
Revista saude para todos 1ª edição
Secretaria de Saúde do Distrito Federal - SES/DF
 
Trabalho impacto das tecnologias digitais
Trabalho   impacto das tecnologias digitais Trabalho   impacto das tecnologias digitais
Trabalho impacto das tecnologias digitais
Luana de Souza Fernandes
 
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valorUm sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdfInteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
MedTechBiz
 
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Vanessa Cerutti
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Manual gis versãonov.2007
Manual gis versãonov.2007Manual gis versãonov.2007
Manual gis versãonov.2007
Elias Abreu
 
Saúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraSaúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha Oliveira
Oncoguia
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
Zoraide6
 
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Empreender Saúde
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
Guilherme Barcellos
 

Semelhante a Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde (20)

Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwCReflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
Reflexões sobre a saúde no Brasil - Carlos Suslik - PwC
 
Aula TICS 13.05.09
Aula TICS 13.05.09Aula TICS 13.05.09
Aula TICS 13.05.09
 
Ewaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. RussoEwaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. Russo
 
Adapta - Palestras Corporativas
Adapta - Palestras CorporativasAdapta - Palestras Corporativas
Adapta - Palestras Corporativas
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
 
Luis Fernando Rolim
Luis Fernando RolimLuis Fernando Rolim
Luis Fernando Rolim
 
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
 
O futuro da saúde
O futuro da saúdeO futuro da saúde
O futuro da saúde
 
Revista saude para todos 1ª edição
Revista saude para todos  1ª ediçãoRevista saude para todos  1ª edição
Revista saude para todos 1ª edição
 
Trabalho impacto das tecnologias digitais
Trabalho   impacto das tecnologias digitais Trabalho   impacto das tecnologias digitais
Trabalho impacto das tecnologias digitais
 
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valorUm sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
Um sistema de saúde autoeducável centrado na criação de valor
 
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdfInteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
Inteligência Artificial na Saúde - A Próxima Fronteira.pdf
 
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
Relatório de Atividades Cabergs Saúde 2013
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Manual gis versãonov.2007
Manual gis versãonov.2007Manual gis versãonov.2007
Manual gis versãonov.2007
 
Saúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraSaúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha Oliveira
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
 
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
Setor de materiais e equipamentos para medicina e diagnóstico - Carlos Eduard...
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo (20)

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
Compliance no setor de energia
 
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Coaching em grupos
 
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
 

Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde

  • 4. COMPORTAMENTO ❑ Relação médico-paciente ❑ Engajamento do paciente ❑ Envelhecimento ❑ Judicialização
  • 5. Relação médico-paciente Sempre foi o alicerce da Medicina, onde repousa a confiança no médico e a esperança na cura. Com as tecnologias atuais a expectativa continua sendo a mesma. Esta relação tem um diálogo assimétrico que não mudou através dos séculos desde os tempos de Hipócrates. COMPORTAMENTO Então, o que há de novo, onde está a reaprendizagem?
  • 6. A mudança é fundamental na postura do médico diante de questionamentos em função das novas tecnologias. O médico deve aceitar esse novo diálogo e orientar o paciente na procura de sites, redes de comunidades efetivamente úteis, na utilização de aplicativos e outros recursos. COMPORTAMENTO Relação médico-paciente
  • 8. Engajamento do paciente COMPORTAMENTO Dissociação entre o que os pacientes querem e o que eles recebem: I. “Vejam-me e apoiem-me como pessoa e não como uma doença ou um local de intervenção”. II. Os pacientes querem ser parceiros informados sobre os cuidados. III. O cuidado fragmentado é prejudicial e desperdiçador. Os pacientes podem se sentir abandonados, especialmente após a alta. IV. Os pacientes querem ser parceiros capacitados no atendimento. V. Em alguns países, garantir um acesso receptivo aos cuidados é uma prioridade fundamental. Em busca do sistema de saúde perfeito, Mark Britnell.
  • 9. Engajamento do paciente Questão fundamental para a saúde sustentável e uma sociedade consciente. Pacientes engajados consomem entre 8 e 21% menos cuidados, sentem-se mais satisfeitos e têm melhores resultados. Coaching de saúde, cuidados com utilização de Internet e grupos de apoio ao paciente geram grandes taxas de retorno, especialmente em relação a doenças crônicas de grande incidência. COMPORTAMENTO
  • 10. Envelhecimento A população de idosos no Brasil será de 20% em 2030, dobro da porcentagem atual. Quanto a Atenção à Saúde contribuiu para o aumento da longevidade? Quanto a tecnologia poderá contribuir para proporcionar cuidados adequados à crescente população idosa? COMPORTAMENTO No Brasil as políticas públicas ainda são insuficientes para atender as necessidades dessa população. O Estatuto do Idoso é uma das principais conquistas.
  • 11. Envelhecimento Tendências ▪ Impulsionar o cuidado informal. ▪ Comunidades como cuidadoras. ▪ Sistemas de monitoramento remoto e tecnologia assistiva. ▪ Prevenção e Autogestão. ▪ Hospitais conectados. COMPORTAMENTO
  • 12. Judicialização ❑ As operadoras de saúde são regulamentadas por uma legislação em constante mudança, o que dificulta sua operação. São comuns situações onde o paciente já sai do consultório médico com a receita e o cartão do advogado que vai “aviá-la” no judiciário. ❑ O sistema de saúde brasileiro é extremamente fragmentado e subfinanciado, o que acarreta grandes problemas estruturais e limitações financeiras para atender a demanda da população. COMPORTAMENTO ❑ Debates quanto à legitimidade do Poder Judiciário em interferir nas políticas públicas de saúde e obrigar o poder público a arcar com tratamentos ou medicamentos, mesmo que estejam fora dos protocolos do SUS.
  • 13. Judicialização COMPORTAMENTO A fonte de pesquisa é a 14ª edição do relatório Justiça em Números, do Conselho Nacional de Justiça
  • 15. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Mais de 200 anos após o nascimento do estetoscópio surgiu uma ferramenta muito mais moderna para investigar o interior do corpo humano além de ouvir sons. Eric Topol
  • 17. Telemedicina TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Primeiros experimentos relacionados com o início das viagens espaciais. Cientistas avaliaram os efeitos fisiológicos da baixa gravidade nos astronautas.
  • 18. TELEMEDICINA SEGUNDA OPINIÃO CONSULTAS REMOTAS E MONITORAMENTO DE CUIDADOS CRÍTICOS VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E ACOMPANHAMENTO DE PROGRAMAS EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA GERENCIAMENTO DE DESASTRES ESCLARECIMENTOS À POPULAÇÃO HOME CARE E MONITORAMENTO AMBULATORIAL PROCEDIMENTOS DE TELEMENTORIA E CIRURGIAS ROBÓTICAS TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS
  • 19. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Experiências Consolidadas no Brasil Projeto Tele Minas Saúde SAMU - Projeto Tele Eletrocardiograma Digital Telessaúde Brasil Redes
  • 20. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS SAMU Projeto de Tele Eletrocardiograma Digital Aparelhos de eletrocardiograma com tecnologia desenvolvida pelo Hcor em parceria com o Ministério da Saúde. 13 mil eletrocardiogramas em mais de 100 municípios até março de 2013. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. • Principais ocorrências: ✓ Infarto. ✓ Fibrilação atrial. ✓ Arritmias cardíacas. ✓ Taquicardias. ✓ Bradicardias.
  • 21. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Integrado Constituído Telessaúde Brasil Redes - Gestores da saúde. - Instituições formadoras de profissionais de saúde. - Serviços de saúde do SUS. Núcleo de Telessaúde Técnico-Científico: instituições formadoras e de gestão e/ou serviços de saúde responsáveis pela formulação e gestão das Teleconsultorias, Telediagnósticos e Segunda Opinião Formativa. Ponto de Telessaúde: serviços de saúde através dos quais os trabalhadores e profissionais do SUS demandam Teleconsultorias e Telediagnósticos. SERVIÇOS ▪ Teleconsultoria ▪ Telediagnóstico. ▪ Tele-educação. ▪ Segunda Opinião Formativa. Telessaúde Brasil Redes
  • 22. Orçamento PróprioFundos Públicos Fundos Públicos 2001 Desenvolvimento de um modelo de telessaúde para atenção primária. 2004 Projeto Piloto de Teleconsulta para dar suporte aos profissionais do Programa Saúde da Família. 2005 Projeto de Pesquisa Telecardio. Criação da Rede e Telessaúde de MG. 2009 Projeto Telecardio transforma-se em serviço regular de telessaúde para apoio a profissionais do Serviço Público Estadual. 2012 Mais de um milhão de ECGs, 48.000 teleconsultas, 660 municípios e 821 sites. Projeto Piloto de Telessaúde Projeto de Pesquisa de Telessaúde Serviço Regular de Telessaúde TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Projeto Tele Minas Saúde Serviço de Telessaúde de MG
  • 23. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS DESAFIOS DA TELEMEDICINA REGULAMENTAÇÃO INFRAESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES SUSTENTABILIDADE E FORMAS DE PAGAMENTO EXPERIÊNCIA DO PACIENTE RESOLUTIVIDADE PROPEDÊUTICA FALTA DE INTEGRAÇÃO
  • 26. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Inteligência Artificial ❑ Hipóteses diagnósticas cada vez mais precisas. ❑ Processamento de um grande volume de informações em saúde. ❑ Impacto na escolha das especialidades médicas. ❑ O papel do médico como agente terapêutico fortalecido.
  • 27. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Genômica e Medicina Personalizada O custo do sequenciamento do primeiro genoma humano foi de 1 bilhão de dólares e levou 10 anos. Atualmente é feito em um dia, ao custo de menos de 2 mil dólares com preços cada vez menores. Mudança no paradigma de tratamento: de doenças, para o bem estar preditivo e preventivo e no gerenciamento do estilo de vida. Mudança de tratamento coletivo para individual.
  • 28. TECNOLOGIAS DISRUPTIVAS Health Care 600 no Brasil1.600 em 31 países Estados Unidos com 1000 Israel com 657 Finlândia com 400
  • 30. FEE FOR SERVICE Forma de remuneração que considera o somatório de cada procedimento, independentemente do avanço no tratamento do paciente. Procedimentos ou itens como honorários, diárias hospitalares, materiais, medicamentos. SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
  • 31. P4P - Pagamentos por Performance Modelos exploratórios utilizados em países como EUA. Considera o resultado final do tratamento, redução de custos e não somente a remuneração. Os principais modelos são DRG, Capitação e Bundled Payments (Pacotes). SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
  • 33. Classificações agrupadas de maneira específica. É estabelecida uma relação dos tratamentos com os respectivos custos. Os valores são determinados de acordo com as características clínicas e demográficas do paciente. Oferece base precisa para a remuneração dos cuidados da saúde. Sistema de classificação de pacientes de acordo com o diagnóstico. DRG Grupo de Diagnósticos Relacionados SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
  • 35. Capitação É uma forma de remuneração que envolve um valor fixo em dinheiro por paciente e por unidade de tempo pago adiantado ao médico pela realização de serviços. Nessa modalidade o médico compartilha os riscos. SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
  • 36. REMUNERAÇÃO Rol de serviços oferecidos Número de pacientes Período de tempo da oferta dos serviços Valor calculado a partir dos custos e da utilização médica local Capitação SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA
  • 38. A constante aprendizagem Cecília Meireles Hoje desaprendo o que tinha aprendido até ontem e que amanhã recomeçarei a aprender. Todos os dias desfaleço e desfaço-me em cinza efêmera: todos os dias reconstruo minhas edificações, em sonho eternas. Esta frágil escola que somos, levanto-a com paciência dos alicerces às torres, sabendo que é trabalho sem termo. E do alto avisto os que folgam e assaltam, donos de riso e pedras. Cada um de nós tem sua verdade, pela qual deve morrer. De um lugar que não se alcança, e que é, no entanto, claro, minha verdade, sem troca, sem equivalência nem desengano permanece constante, obrigatória, livre: enquanto aprendo, desaprendo e torno a reaprender.
  • 39. Grata pela atenção! Sumaia Georges El Khouri, MSc. (11) 99128-5566 sumaia.georges@terra.com.br