Transtornos mentais
e comportamentais
devidos ao uso de
substância psicoativa
Professor Aroldo Gavioli
Adicção/transtorno mental devido ao uso
de substâncias psicoativa
Numerosos transtornos
• Gravidade variável
• Sintomatolo...
CID 10 – CLASSIFICAÇÃO
INTERNACIONAL DE DOENÇAS
•F10-F19 Transtornos mentais e
comportamentais devidos ao uso de
substânci...
CID 10 – CLASSIFICAÇÃO
INTERNACIONAL DE DOENÇAS
.0 - INTOXICAÇÃO AGUDA
.1 - USO NOCIVO PARA A SAÚDE
.2 - SÍNDROME DE DEPEN...
Diagnóstico
• Em função da substância tóxica ou da categoria de substâncias tóxicas que é a maior
responsável pelo quadro ...
Diagnósticos suplementares
Intoxicação aguda
• Consequente ao uso de uma substância:
• Perturbações da consciência, das fa...
Uso nocivo para a saúde
Modo de consumo prejudicial à saúde.
Causa complicações.
• As complicações podem ser:
• Físicas: H...
Síndrome de dependência
Conjunto de fenômenos que se desenvolvem após repetido consumo de uma
substância psicoativa.
Tipic...
Síndrome de abstinência
• Sintomas que se agrupam de
diversas maneiras e cuja gravidade
é variável.
• Ocorrem quando de um...
Síndrome de abstinência com delirium
Estado no qual a síndrome de abstinência se complica com
a ocorrência de delirium.
Es...
Delirium
(de: fora; e liros: sulcos): fora
do trilho.
Alteração do juízo crítico em
decorrência de uma estado de
perturbaç...
Transtorno psicótico relacionado ao uso de
substâncias
• Fenômenos psicóticos que ocorrem durante ou
imediatamente após o ...
Síndrome amnésica
• Presença de transtornos crônicos importantes da memória (fatos
recentes e antigos).
• A memória imedia...
Transtorno psicótico residual ou de
instalação tardia
• Transtorno no qual as modificações persistem além do
período duran...
Transtorno psicótico residual ou de
instalação tardia
Demência:
• alcoólica SOE
• e outras formas leves de alterações dura...
DROGAS
CLASSIFICAÇÃO E
EFEITOS NO ORGANISMO
DROGA
QUALQUER SUBSTANCIA NÃO PRODUZIDA
PELO ORGANISMO QUE TEM PROPRIEDADE DE
ATUAR SOBRE UM OU MAIS DOS SEUS
SISTEMAS, CA...
A DROGA NÃO É BOA OU MÁ.
ALGUMAS SÃO MEDICAMENTOS,
OUTRAS SÃO VENENOS OU
TÓXICOS, OU AINDA A MESMA
SUBSTÂNCIA PODE FUNCION...
Hoje vamos estudar os efeitos álcool , que é a
principal droga consumida pelo brasileiros e
também aquela que causam maior...
CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS
Do ponto de vista legal
• Comercializadas de forma legal, podendo ou não ser submetidas a
algum t...
Ação da droga no sistema nervoso central
• Variedade de substâncias que causam diminuição da atividade global ou
de certos...
Ação da droga no sistema nervoso central
• Variedade de substâncias que são capazes de aumentar a
atividade de determinado...
Ação da droga no sistema nervoso central
• Variedade de substâncias que provocam alterações no funcionamento
cerebral, que...
álcool
• Depressor do SNC mais frequentemente usado, sendo causa
de considerável morbidade e mortalidade.
• 90% dos adulto...
Causas do Alcoolismo
A motivação para ingerir álcool pode estar radicada em vários fatores:
• Ordem biológica
• Ordem psic...
Causas do Alcoolismo
Condições preexistentes de personalidade:
• Nível intelectual,
• Traços neuróticos ou psicóticos,
• T...
Causas do Alcoolismo
Nas coletividades em que o consumo de álcool é realizado em grupo a freqüência de alcoolismo é
menor....
Metabolismo do Álcool
• Depois de absorvido, distribui-se uniformemente por todo o espaço
extracelular.
• O álcool se conc...
Metabolismo do Álcool
• O hálito característico: da pessoa embriagada é proveniente
das
• Vias digestivas
• Vias respirató...
Efeitos Somáticos do Alcoolismo
O álcool
compromete
o organismo
humano
severamente,
sendo os
setores mais
intensamente
ati...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
ALCOOLISMO AGUDO (embriaguez fisiológica):
• Observa-se sempre certa proporção entre as qu...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
ALCOOLISMO AGUDO (embriaguez fisiológica):
• Elevações dos níveis até 300 mg% surgem pertu...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
• ALCOOLISMO AGUDO:
• A embriaguez patológica caracteriza-se pela desproporção entre as
pe...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
ALCOOLISMO CRÔNICO:
• O delírio alcoólico subagudo:
• É o mais freqüentemente observado na...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
ALCOOLISMO CRÔNICO:
• O delírio alcoólico agudo:
• É muito raro, a síndrome é desencadeada...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
ALCOOLISMO CRÔNICO:
• O delírio alcoólico agudo:
• O quadro biológico dessa patologia é se...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
ALCOOLISMO CRÔNICO:
• O delírio alcoólico agudo:
• As crises convulsivas, surgidas alguns ...
Efeitos Psíquicos do Alcoolismo
FORMAS DELIRANTES:
• Os delírios crônicos podem ser de dois tipos:
• Delírio de ciúme(asso...
 Deficiência de
tiamina
• Ataxia cerebelar
• Paralisia do Nervo Abducente
• Alterações mentais
• Nistagmo
Encefalopatia d...
Lesões talâmicas, dos corpos mamilares, da substância cinzenta
periaquedutal mesencefálica, dos colículos superiores e ass...
• Estado confusional global.
• Confabulação - invenção ou criação de histórias
• Incapaz de lembrar-se, utiliza-se de frag...
Duas condições raras.
Mielinólise Central Pontina:
• Disfagia, disartria, afonia, dificuldades para engolir, oftalmoplegia...
Alcoolistas com cirrose
hepática (8%).
• Manifestações encefálicas surgem à
medida que se agrava a hipertensão
porta.
• Pe...
 Anamese com próprio paciente e familiares
 Bem conduzida e pormenorizada sobre o uso de alcoólicos,
seguida de minucios...
 Se assemelham a transtornos mentais primários ( ex: transtorno
depressivo maior X transtorno do humor induzido por álcoo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa

1.083 visualizações

Publicada em

A aula aborda os conceitos de adicção/dependência; traz uma relação dos diagnósticos CID 10 para os transtornos e aprofunda um pouco a questão do alcoolismo.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.083
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa

  1. 1. Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de substância psicoativa Professor Aroldo Gavioli
  2. 2. Adicção/transtorno mental devido ao uso de substâncias psicoativa Numerosos transtornos • Gravidade variável • Sintomatologia diversa Diferem entre si: • Serem todos atribuídos ao uso de uma ou de várias substâncias psicoativas, prescritas ou não por um médico. Em comum:
  3. 3. CID 10 – CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS •F10-F19 Transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de substância psicoativa
  4. 4. CID 10 – CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE DOENÇAS .0 - INTOXICAÇÃO AGUDA .1 - USO NOCIVO PARA A SAÚDE .2 - SÍNDROME DE DEPENDÊNCIA .3 - SÍNDROME [ESTADO] DE ABSTINÊNCIA .4 - SÍNDROME DE ABSTINÊNCIA COM DELIRIUM .5 - TRANSTORNO PSICÓTICO .6 - SÍNDROME AMNÉSICA .7 - TRANSTORNO PSICÓTICO RESIDUAL OU DE INSTALAÇÃO TARDIA .8 - OUTROS TRANSTORNOS MENTAIS OU COMPORTAMENTAIS .9 - TRANSTORNO MENTAL OU COMPORTAMENTAL NE F10 – álcool F11. opiáceos F12. canabinóides F13. sedativos e hipnóticos F14. cocaína F15. estimulantes, inclusive cafeína F16. alucinógenos F17. fumo F18. solventes F19. múltiplas drogas
  5. 5. Diagnóstico • Em função da substância tóxica ou da categoria de substâncias tóxicas que é a maior responsável pelo quadro clínico ou que lhe determina as características essenciais. Uso de múltiplas drogas: • Próprio sujeito • Análises de sangue e de outros líquidos corporais • Sintomas físicos e psicológicos característicos • Sinais e os comportamentos clínicos • Outras evidências tais como as drogas achadas com o paciente e os relatos de terceiros bem informados. fontes de informação possíveis.
  6. 6. Diagnósticos suplementares Intoxicação aguda • Consequente ao uso de uma substância: • Perturbações da consciência, das faculdades cognitivas, da percepção, do afeto ou do comportamento, ou de outras funções e respostas psicofisiológicas. • Relação dos efeitos farmacológicos agudos da substância. • Cura completa, salvo nos casos onde surgiram lesões orgânicas ou outras complicações. Complicações: • traumatismo, aspiração de vômito, delirium, coma, EX: • Bebedeira • Estados de transe e de possessão na intoxicação por substância psicoativa • Intoxicação alcoólica aguda • Intoxicação patológica • “Más viagens” (drogas)
  7. 7. Uso nocivo para a saúde Modo de consumo prejudicial à saúde. Causa complicações. • As complicações podem ser: • Físicas: Hepatite ou HIV consequente a injeções de droga • Psíquicas: episódios depressivos secundários a grande consumo de álcool Abuso de uma substância psicoativa
  8. 8. Síndrome de dependência Conjunto de fenômenos que se desenvolvem após repetido consumo de uma substância psicoativa. Tipicamente: • Desejo poderoso de tomar a droga • Dificuldade de controlar o consumo • Utilização persistente apesar das consequências • Maior prioridade dada ao uso da droga em detrimento de outras atividades e obrigações • Tolerância pela droga • Estado de abstinência física.
  9. 9. Síndrome de abstinência • Sintomas que se agrupam de diversas maneiras e cuja gravidade é variável. • Ocorrem quando de uma abstinência absoluta ou relativa de uma substância psicoativa consumida de modo prolongado. • O início e a evolução limitadas no tempo e dependem da categoria e da dose da substância consumida imediatamente antes da parada ou da redução do consumo. • Pode se complicar pela ocorrência de convulsões.
  10. 10. Síndrome de abstinência com delirium Estado no qual a síndrome de abstinência se complica com a ocorrência de delirium. Este estado pode igualmente comportar convulsões. Delirium tremens (induzido pelo álcool)
  11. 11. Delirium (de: fora; e liros: sulcos): fora do trilho. Alteração do juízo crítico em decorrência de uma estado de perturbação da consciência
  12. 12. Transtorno psicótico relacionado ao uso de substâncias • Fenômenos psicóticos que ocorrem durante ou imediatamente após o consumo de uma substância psicoativa. • Caracteriza pela presença de alucinações, ideias delirantes, de perturbações psicomotoras (agitação ou estupor) e de afetos anormais, podendo ir de um medo intenso ao êxtase. • O sensório não está habitualmente comprometido, mas pode existir um certo grau de obnubilação da consciência embora possa estar presente a confusão mas esta não é grave.
  13. 13. Síndrome amnésica • Presença de transtornos crônicos importantes da memória (fatos recentes e antigos). • A memória imediata está habitualmente preservada e a memória dos fatos recentes está tipicamente mais perturbada que a memória remota. • Habitualmente existem perturbações manifestas da orientação temporal e da cronologia dos acontecimentos, assim como ocorrem dificuldades de aprender informações novas. • Pode apresentar confabulação intensa, mas nem sempre esta presente. • As outras funções cognitivas estão em geral relativamente bem preservadas e os déficits amnésicos são desproporcionais a outros distúrbios.
  14. 14. Transtorno psicótico residual ou de instalação tardia • Transtorno no qual as modificações persistem além do período durante o qual podem ser considerados como um efeito direto da substância. • A ocorrência da perturbação deve estar diretamente ligada ao consumo de uma substância psicoativa. • Somente deverão ser codificados neste caractere casos com evidências que permitam atribuir sem equívoco as manifestações ao efeito residual da substância.
  15. 15. Transtorno psicótico residual ou de instalação tardia Demência: • alcoólica SOE • e outras formas leves de alterações duradouras das funções cognitivas • “Flashbacks” Síndrome cerebral crônica de origem alcoólica Transtorno (da) (das): • afetivo residual • percepções persistentes induzidos pelo uso de alucinógenos • personalidade e do comportamento residual • psicótico de instalação tardia, induzido pelo uso de substâncias psicoativas
  16. 16. DROGAS CLASSIFICAÇÃO E EFEITOS NO ORGANISMO
  17. 17. DROGA QUALQUER SUBSTANCIA NÃO PRODUZIDA PELO ORGANISMO QUE TEM PROPRIEDADE DE ATUAR SOBRE UM OU MAIS DOS SEUS SISTEMAS, CAUSANDO ALTERAÇÃO DO SEU FUNCIONAMENTO
  18. 18. A DROGA NÃO É BOA OU MÁ. ALGUMAS SÃO MEDICAMENTOS, OUTRAS SÃO VENENOS OU TÓXICOS, OU AINDA A MESMA SUBSTÂNCIA PODE FUNCIONAR COMO MEDICAMENTO EM CERTAS SITUAÇÕES E COMO TÓXICOS EM OUTRAS.
  19. 19. Hoje vamos estudar os efeitos álcool , que é a principal droga consumida pelo brasileiros e também aquela que causam maiores complicações e custos sociais, econômicos e familiares.
  20. 20. CLASSIFICAÇÃO DAS DROGAS Do ponto de vista legal • Comercializadas de forma legal, podendo ou não ser submetidas a algum tipo de restrição, como álcool e cigarros, que são proibidos para menores. Lícitas • Proibidas por lei, exemplo: maconha e cocaína. Ilícitas
  21. 21. Ação da droga no sistema nervoso central • Variedade de substâncias que causam diminuição da atividade global ou de certos sistemas específicos do SNC. Redução da atividade motora, ↓ reatividade a dor e da ansiedade, sendo comum um efeito euforizante inicial e, posteriormente , aumento da sonolência. Depressoras da atividade mental • Álcool. Barbitúricos, benzodiazepínicos, opioides, solventes e inalantes Ex:
  22. 22. Ação da droga no sistema nervoso central • Variedade de substâncias que são capazes de aumentar a atividade de determinados sistemas neuronais, o que traz, como consequências, estado de alerta exagerado, insônia, aceleração dos processos psiquicos. Estimulantes da atividade mental • Tabaco, cafeína, anfetaminas, cocaína, Ex:
  23. 23. Ação da droga no sistema nervoso central • Variedade de substâncias que provocam alterações no funcionamento cerebral, que resultam em vários fenômenos psíquicos anormais, entre os quais se destacam os delírios e as alucinações, por este motivo estas drogas são chamadas de alucinógenos. Perturbadoras da atividade mental • Maconha, LSD, Ectasy, anticolinérgicos (artane, akineton), esteroides. Ex:
  24. 24. álcool • Depressor do SNC mais frequentemente usado, sendo causa de considerável morbidade e mortalidade. • 90% dos adultos norte-americanos, em algum momento da vida, tiveram alguma experiência com o álcool, • Em torno de 60% de homens e 30% de mulheres já tiveram um ou mais acontecimentos vitais adversos relacionados ao álcool.
  25. 25. Causas do Alcoolismo A motivação para ingerir álcool pode estar radicada em vários fatores: • Ordem biológica • Ordem psicológica ou social • Muitas vezes uma única razão não é distinguível “não há alcoolismo primário, propriamente dito, sendo os casos quase que totalmente secundários a “algo” subjacente à personalidade do paciente”.
  26. 26. Causas do Alcoolismo Condições preexistentes de personalidade: • Nível intelectual, • Traços neuróticos ou psicóticos, • Traços epileptóides • Traços depressivos • Fatores sociais (trabalho, profissão) Tais fatores favorecem o estabelecimento de uma dependência mais precoce em relação ao tóxico e evolução mais grave e rápida da doença alcoolismo. Muitas vezes o álcool é utilizado como modo de fuga de problemas, onde a ingestão alcoólica leva à uma tranqüilidade passageira O mesmo acontece com os constitucionalmente deprimidos que alcançam certa estimulação à custa da bebida.
  27. 27. Causas do Alcoolismo Nas coletividades em que o consumo de álcool é realizado em grupo a freqüência de alcoolismo é menor. Nos cerimoniais em que o álcool participa como denominador comum, as crianças desde cedo “aprenderiam a beber”, da mesma forma com que aprendem a respeitar os princípios religiosos ou as regras do jogo de futebol. Nessas condições o álcool não seria ingerido com conotações de prazer ou para produzir relaxamento, à esse uso seria atribuído um papel sobrenatural ou “divino”, ou estaria reservado um significado de “cimento familiar”. Entre os israelitas, o álcool é ingerindo segundo esse modelo, sendo raramente observado alcoolismo entre eles.
  28. 28. Metabolismo do Álcool • Depois de absorvido, distribui-se uniformemente por todo o espaço extracelular. • O álcool se concentra nos tecidos mais ricos em água ou que têm maior poder de oxidá-lo. • No LCR (muita água) o teor alcoólico existente é aproximadamente 25% maior do que no sangue. • Atinge o SNC e também atravessa a placenta, atingindo a circulação fetal. Ingestão oral – início do processo de absorção.
  29. 29. Metabolismo do Álcool • O hálito característico: da pessoa embriagada é proveniente das • Vias digestivas • Vias respiratória(principalmente) • Odor do álcool • Substâncias aromáticas da bebiba • A dose letal de etanol introduzida rapidamente no organismo, em aproximadamente uma hora, é de 1,5 a 2,5 g/Kg.
  30. 30. Efeitos Somáticos do Alcoolismo O álcool compromete o organismo humano severamente, sendo os setores mais intensamente atingidos: Fígado Pâncreas Sistema cardiovascular Aparelho digestivo Rins Aparelho respiratório, Sangue e tecido hematopoético Aparelho reprodutor Musculatura esquelética Glândulas endócrinas Sistema nervoso central.
  31. 31. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo ALCOOLISMO AGUDO (embriaguez fisiológica): • Observa-se sempre certa proporção entre as quantidades de álcool ingeridas, os índices alcançados pela alcoolemia e a intensidade dos sintomas psíquicos apresentados pelo paciente. • Em níveis perto de 150 mg% surge certa euforia e discreta excitação com aparente vivacidade intelectual, alegria e desembaraço.
  32. 32. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo ALCOOLISMO AGUDO (embriaguez fisiológica): • Elevações dos níveis até 300 mg% surgem perturbações mais graves, comprometendo-se acentuadamente o nível de consciência, nestas ocasiões a fala torna-se pastosa, surgem tremores das extremidades, a marcha torna-se ebriosa, as pálpebras ficam pesadas, ocorrendo quedas freqüentes. O agravamento da intoxicação causa certo grau de anestesia, diplopia, redução do campo visual e sonolento. • Quando a alcoolemia se encontra em torno de 400 a 500 mg%, segue-se a fase do sono profundo ou coma alcoólico, com anestesia profunda, abolição dos reflexos, hipotermia, depressão cardiorrespiratória.
  33. 33. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo • ALCOOLISMO AGUDO: • A embriaguez patológica caracteriza-se pela desproporção entre as pequenas quantidades ingeridas e a riqueza de manifestações na esfera psíquica. • A dipsomania é caracterizada por impulsos de ingestão de grandes quantidades de alcool, que surgem de forma episódica no indivíduo. • Quando não encontra bebidas alcoólicas, desesperado, o dipsômano ingere outras substâncias obtidas no momento, como éter, gasolina, perfumes, querosene ou água de colônia.
  34. 34. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo ALCOOLISMO CRÔNICO: • O delírio alcoólico subagudo: • É o mais freqüentemente observado na clínica, tendo como característica os tremores finos das extremidades digitais, da língua e da musculatura facial, além de movimentos amplos e desordenados dos membros superiores e inferiores. • Na esfera psíquica, insônia rebelde, inquietação, grande sugestibilidade e riqueza de perturbações perceptivas visuais. Em formas mais graves, o paciente apresenta grande dificuldade em falar. • No início ou durante o quadro podem ocorrer convulsões generalizadas. São descritas também perturbações vestibulares combinadas com visões de paredes caindo ou do solo se movendo sob os pés.
  35. 35. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo ALCOOLISMO CRÔNICO: • O delírio alcoólico agudo: • É muito raro, a síndrome é desencadeada por condições “estressantes”, tais como: intervenções cirúrgicas, traumatismos, infecções agudas, principalmente do aparelho respiratório, modificações do regime alimentar e choques emocionais. Tanto se pode observar o desencadeamento da síndrome por aumento da ingestão alcoólica, redução ou interrupção brusca e completa da bebida. • O delírio alcoólico agudo possui duas fases distintas, a fase prodrômica e a fase crítica. • A prodrômica é caracterizada por: distúrbios gastrintestinais, sudorese excessiva, desequilíbrio, incoordenação motora, marcha insegura e algumas vezes crises convulsivas; as queixas mais referidas pelo paciente nesse período são perturbações visuais, secura da boca e da língua, insônia rebelde, intensa ansiedade, sonhos aterrorizantes e alucinações visuais; este período pode durar de 3 a 4 dias.
  36. 36. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo ALCOOLISMO CRÔNICO: • O delírio alcoólico agudo: • O quadro biológico dessa patologia é severo, caracterizado por desidratação maciça, global, com catabolismo intenso do nitrogênio, acúmulos de corpos cetônicos, hipocalemia, hipercaliúria e queda dos eosinófilos circulantes no plano hematológico. • Deve ser realizado diagnóstico diferencial com: quadros infecciosos, síndromes meníngeas, pasicoses epilépticas, síndromes agudas de excitação maníaca, outros delírios tóxicos agudos (éter, cloral, cocaína), porfirias agudas, encefalopatias agudas de origem pancreática, insuficiência supra-renal aguda, encefalite psicósica aguda de Marchand – Coutois, embriaguez alcoólica fisiológica e encefalopatias alcoolicas crônicas. • São complicações desse quadro: colapso cardiovascular, insuficiência renal, insuficiência hepática, perfurações do tubo digestivo, complicações respiratórias e neurológicas.
  37. 37. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo ALCOOLISMO CRÔNICO: • O delírio alcoólico agudo: • As crises convulsivas, surgidas alguns anos após a instalação do alcoolismo crônico, foram generalizadas do tipo grande mal e não precedidas por aura, ocorrendo quase sempre no período inicial de abstinência alcoólica e raras vezes no apíce da intoxicação etílica. • Na maioria dos pacientes, as convulsões ocorrem unicamente durante a síndrome de abstinência alcoólica. • Em outros, a convulsão é desencadeada diretamente pela ação tóxica do álcool, que atua como fator precipitante. • Num terceiro grupo, situam-se os epilépticos que, secundariamente, se tornaram alcoólatras.
  38. 38. Efeitos Psíquicos do Alcoolismo FORMAS DELIRANTES: • Os delírios crônicos podem ser de dois tipos: • Delírio de ciúme(associado a personalidade paranóide) • Psicose alucinatória: instala-se bruscamente sob a forma de uma crise onírica ou através de um quadro de automatismo mental ou ainda insidiosamente, sobretudo por distúrbios do humor e do caráter. As alucinações são predominantemente auditivas e visuais. • A alucinose alcoólica é caracterizada sempre por verdadeiras alucinações, em função das quais o paciente pode até cometer crimes pavorosos. • As seqüelas pós-oníricas são a persistência, no consciente, de idéias, convicções e vivências ocorridas durante o período onírico. Evoluem por estágios progressivos, com participação cada vez maior da crítica até a remissão total.
  39. 39.  Deficiência de tiamina • Ataxia cerebelar • Paralisia do Nervo Abducente • Alterações mentais • Nistagmo Encefalopatia de Wernicke Psicose de Korsakoff • Amnésia anterógrada
  40. 40. Lesões talâmicas, dos corpos mamilares, da substância cinzenta periaquedutal mesencefálica, dos colículos superiores e assoalho do IV ventrículo.
  41. 41. • Estado confusional global. • Confabulação - invenção ou criação de histórias • Incapaz de lembrar-se, utiliza-se de fragmentos de memórias de eventos passados • A confabulação não está sempre presente nem é um requisito para o diagnóstico. Fase inicial: • Associação de amnésia, fabulação e desorientação. • Amnésia - distúrbio da memória anterógrada - dificuldade ou impossibilidade de formar novas memórias • Fabulação com falsos reconhecimentos e desorientação têmporo-espacial • Quadro de confusão mental que evolui sobre um fundo de euforia. Fase desenvolvida: • Fabulações e os falsos reconhecimento são mais frequentes • Desorientação têmporo-espacial • Confusão mental e até demência Fase terminal:
  42. 42. Duas condições raras. Mielinólise Central Pontina: • Disfagia, disartria, afonia, dificuldades para engolir, oftalmoplegia completa, falta de reação corneana, quadriparesia ou quadriplegia hipo ou arrefléxica e, até, morte. Doença de Marchiafava Bignami: • Necrose do corpo caloso, manifesta-se por deterioração neurológica rápida. • Agitação, confusão mental, alucinações, negativismo, ataxia, disartria, hipertonia, julgamento prejudicado e desorientação. • Pode haver disfagia, ecolalia, distúrbios da marcha, incontinência urinária e fecal, perseveração do pensamento.
  43. 43. Alcoolistas com cirrose hepática (8%). • Manifestações encefálicas surgem à medida que se agrava a hipertensão porta. • Perturbações do nível de consciência (obnubilação) e modificações de humor, apatia, irritabilidade ou despreocupação jovial, pueril. • Quadro psíquico - — amônia no sangue • Cura - muito rara
  44. 44.  Anamese com próprio paciente e familiares  Bem conduzida e pormenorizada sobre o uso de alcoólicos, seguida de minucioso exame físico na maioria dos casos assegura ou não a existência da doença. Nas intoxicações agudas a retirada de sangue ou coleta do ar expirado e posterior dosagem do teor alcoólico permitem esclarecer definitivamente o caso.
  45. 45.  Se assemelham a transtornos mentais primários ( ex: transtorno depressivo maior X transtorno do humor induzido por álcool, com características depressivas, com início durante intoxicação).  Fraca coordenação e o prejuízo associados com intoxicação com álcool - acidose diabética, ataxias cerebelares, esclerose múltipla  Sintomas de abstinência do álcool – hipoglicemia, cetoacidose diabética e tremor essencial  Intoxicação com álcool - sedativos, hipnóticos ou ansiolíticos.

×